Os anos 90 e o mini-gênio | Ana Maria Bahiana

busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Péricles Cavalcanti - lançamento de SALTANDO COMPASSOS
>>> Espetáculo “Canções Para Pequenos Ouvidos” chega ao Teatro Clara Nunes, em Diadema
>>> (Abre 11/10) Mostra BAÚ DA DGT_curadores Francisco Gaspar,Tuna Dwek, Donny Correia e Diego da Costa
>>> Escrever outros Corpos - Criar outras Margens || BELIZARIO Galeria
>>> SESC 24 DE MAIO RECEBE EVENTO DE LANÇAMENTO DA COLEÇÃO ARQUITETOS DA CIDADE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> perversão sexual
>>> Trailer do Fim do Mundo
>>> Uísque ruim, degustador incompetente
>>> O bom e velho jornalismo de sempre
>>> Apresentação
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> A fragilidade dos laços humanos
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Felicidade
>>> Ano novo, vida nova.
Mais Recentes
>>> A Jornada Para Casa Uma Parabola De Kryon - A Historia De Michael Thomas E Os Sete Anjos de Lee Carroll pela Madras (2011)
>>> No Vale Dos Suicidas - Madras de Evaristo Humbertto De Araujo pela Madras (2009)
>>> Os Segredos Do Karate Shotokan de Robin L Rielly pela Madras (2011)
>>> História social da criança e da família de Philippe Ariés pela Guanabara (1981)
>>> A revolução da palavra - Uma visão do homo loquens de Pedro Paulo Filho pela Siciliano (1987)
>>> A Sombra de uma Paixão de Tanya Oliveira pela Lúmen (2007)
>>> A evolução da consciência de Robert Ornstein pela Best Seller (1991)
>>> Iracema de José de Alencar pela L&Pm Pocket (2009)
>>> Ciência e fé: O reencontro pela- Física quântica de Bispo Rodovalho pela Lua de mel (2013)
>>> A ponte clandestina - Teorias de cinema na América Latina de José Carlos Avelar pela 34 (1995)
>>> As Fortunas do Cortesão de Peter Burke pela Unesp (1997)
>>> O barão das árvores de Italo Calvino pela Companhia Das Letras (1991)
>>> Cultura Brasileira - Temas e Situações de Alfredo Bosi pela Atica (1992)
>>> Poemas de Rainer Maria Rilke pela Companhia Das Letras (1993)
>>> A Feira das Vaidades - I e II Volume de William Makepeace Thackeray pela Civilização Brasileira (1963)
>>> Cinema marginal (1968/1973) - A representação em seu limite de Fernão Ramos pela Brasiliense (1987)
>>> O Circo da Noite de Erin Morgenstern pela Intrínseca (2012)
>>> A vida viaja na luz de Carlos A. Baccelli Inácio Ferreira pela Leepp (2011)
>>> Por que perdeu ?: Dez desfiles derrotados que fizeram história de Marcelo de Mello pela Record (2018)
>>> Cultura de Massa e Cultura Popular de Ecléa Bosi pela Vozes (1973)
>>> Antes de dormir de S. J. Watson pela Record (2012)
>>> História da Civilização - Idade Média, Moderna e Contemporânea de António G. Mattoso pela Lisboa - Livraria Sá da Costa (1956)
>>> Uma história da república de Lincoln de Abreu Penna pela Nova Fronteira (1989)
>>> Adestramento de Cães para Leigos de Jack Volhard / Wendy Volhard pela Alta Books (2005)
>>> Capitalismo, trabalho e educação de José Claudinei Lombardi pela Autores Associados (2004)
ENSAIOS

Segunda-feira, 19/4/2004
Os anos 90 e o mini-gênio
Ana Maria Bahiana

+ de 5000 Acessos

Foi com enorme surpresa (e suspeita de uma estranha sincronicidade) que vi as palavras Vanity Fair no (logo onde!) suplemento "Ela", do Globo. A que se deveria o interesse, e por que agora?

Fiquei até bastante animada – consistente com sua boa safra, a VF de abril traz matéria de leitura obrigatória para todo mundo que está ou quer estar pautado para cobrir as próximas eleições presidenciais americanas: "Hack the Vote" (Pirateando o Voto, numa tradução bem livre), exposé do investigativo Michael Shnayerson sobre a super-sombria conexão entre Bush, senior e júnior, o partido republicano e as novas “urnas eletrônicas” que serão maioria nos postos eleitorais em novembro.

Matéria mais quente, no panorama internacional, não conheço: a perpetuação a todo custo da direita conservadora na Casa Branca, tal como encarnada pela dinastia Bush, e suas maquiavélicas maquinações cibernéticas é tema que tem impacto sobre todas as esferas, inclusive e principalmente a cultural. O anúncio de uma espécie de inverno nuclear do livre pensar.

A animação durou pouco: a matéria em questão (a do "Ela") referia-se ao livro Como fazer inimigos e alienar pessoas, do “jornalista” Tony Young, que a Record está lançando agora. A edição brasileira pode ser atual, num esquema jornalismo-de-agenda, mas o assunto é velho: no exterior, Young foi pauta em 2002, e o interesse em sua triste pessoa durou menos que o em torno da família Osbourne, inglesa como ele e certamente muito mais saborosa. Em julho de 2002 o (ótimo) site Bully decretou que Young era seu “idiota do mês”, e isso mais ou menos resume a trajetória do rapaz.

Young pertence a um tipo de colaborador da imprensa que floresce com grande vigor na Grã Bretanha – o diletante, em geral independentemente rico ou famoso-por-contágio (no caso, ele é filho do escritor e filósofo Michael Young), que se torna rapidamente célebre por colocar na mídia longas diatribes na primeira pessoa, narrando suas em geral perplexas observações sobre o mundo. Não apura, não comenta, não investiga, não pesquisa, entrevista mal e escreve sofrivelmente. Seu valor de consumo está em “fazer tipo”, criar um personagem, e dar muita, muita, muita opinião pessoal sobre quase tudo.

Vocês sabem do que estou falando? Isso foi muito moda na imprensa brasileira no começo dos anos 90. Um amigo cunhou a expressão “mini-gênio” para descrever esta colorida e descartável commodity da mídia.

Do outro lado do Atlântico, eu convivi com vários espécimes dessa raça, que, anualmente, batiam ponto nas edições especiais da revista Screen International em Cannes: eram todos muito parecidos, até fisicamente, e substituidos com assiduidade quando suas opiniões pessoais descabeladas eram suplantadas por um outro tipo, mais apetitoso. Numa antecipação de tendências futuras, muitos deles escreviam de graça – faziam questão apenas de que seus nomes saíssem em negrito, ao lado de um portrait em duas colunas (em geral de óculos escuros); e de que a revista pagasse suas contas nos bares.

Com tudo o que se possa dizer da imprensa americana (e é muito…), uma coisa é certa: ela não digere tipos assim com facilidade. Existe uma “ética da pedreira” na imprensa americana que é a antítese desse tipo de “jornalismo” emplumado. Não por acaso, o objetivo supremo, o santo Graal dessas figuras é “fazer a América” – ou, o que é mais freqüente, fracassar ruidosamente, culpando a tudo e a todos por sua má sina, na linha “mini-gênio incompreendido”.

O livro de Young, em resumo, é isso, apenas. Como-esses-brutos-da-Vanity-Fair-não-compreenderam-meu-talento. O jovem (nem tão jovem assim) ganhou 85 mil dólares durante um ano e produziu meras três mil palavras para justificar sua existência antes de ser despedido e escrever estas “memórias”.

Só espero, mesmo, que a moda não pegue.

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pela autora. Originalmente publicado no portal Comunique-se, o qual autorizou a repodução no Digestivo Cultural.


Ana Maria Bahiana
Los Angeles, 19/4/2004

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bill Gates e o Internet Explorer de Adam Penenberg
02. Os sem-celular de Vanessa Barbara
03. O disco ― ou algo do gênero de Ruy Castro
04. O diabo veste Prada de Eugenia Zerbini
05. Duchamp e o Dadá de Affonso Romano de Sant'Anna


Mais Ana Maria Bahiana
Mais Acessados de Ana Maria Bahiana
01. A Rolling Stone brasileira - 27/6/2005
02. O dia em que a música rachou - 28/7/2003
03. Jornalismo cultural: quem paga? - 17/11/2003
04. Release: subsídio ou substituto? - 26/7/2004
05. Os anos 90 e o mini-gênio - 19/4/2004


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Encontro com o Mestre
DeRose
matrix
(2002)



Iluminação Interior
John White. Org
Cultrix
(1998)



O Sonhador a Fábrica de Sonhos
João Berbel
Farol das Três Colinas
(2014)



O Melhor da Cronica
Lindolfo Paoliello
Del Rey
(2003)



A Teia do Homem Aranha - Vol. 5
Marvel
Panini Comics
(2011)



Simpatias e Segredos Populares - 4ª Edição
Nivio Ramos Sales
Pallas
(2008)



Histórias "Animais" que as Pessoas Contam
Marcel Benedeti
mundo maior
(2006)



Brincando Com Colagens, Recortes e Dobraduras
Rosangela P. Nascimento
Global
(2002)



Livro - Série Bom Livro - o Alienista
Machado de Assis
Ática
(2002)



Sangue e Esplendor
Daniel Myerson
ediouro
(2003)





busca | avançada
74501 visitas/dia
2,0 milhão/mês