Voltar com ex e café requentado | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
28444 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FÁBRICA DE CALCINHA, PARTE DA MOSTRA CENA SUL, EM TRÊS APRESENTAÇÕES NO SESC BELENZINHO
>>> PROJETO MÚSICA EXTREMA, DO SESC BELENZINHO, TRAZ EM MARÇO A BANDA REFFUGO, DE DEATH METAL
>>> ESPETÁCULO DE DANÇA ENCHENTE, COM DIREÇÃO DE FLAVIA PINHEIRO (PE), EM TRÊS DATAS NO SESC BELENZINHO
>>> EU e MÁRIO DE ANDRADE Livro de Anotações para Viagens Reais e Imagin
>>> Atom Pink Floyd Tribute retorna ao Rio Grande do Sul
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> 2 leituras despretensiosas de 2 livros possíveis
>>> Minimundos, exposição de Ronald Polito
>>> Famílias terríveis - um texto talvez indigesto
>>> O Carnaval que passava embaixo da minha janela
>>> A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Domingos de Oliveira (1936-2019)
>>> Latitudes & Longitudes
>>> Renovação
>>> Prefácio
>>> Descendências
>>> Nem mais nem menos
>>> Profissão de fé
>>> Direções da véspera III
>>> Mirante
>>> In Albis
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim da revista Bravo!, na editora Abril
>>> Generaciones de blogueros
>>> Os ombros suportam o mundo
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> Votos Úteis
>>> A vida como encenação
>>> Proust, rugas e colesterol
>>> A ascensão de um novo faroeste
>>> Trauma paulistano
>>> Terra Papagalli
Mais Recentes
>>> Sob o Sol da Índia de Julia Gregson pela Agir (2009)
>>> Conversa Sobre o Tempo:zuenir Ventura Luis Fernando Verissimo de Arthur Dapieve pela Agir (2010)
>>> Dedé Mamata: Eles Só Aplaudem Quem Chega de Vinicius Vianna (autografado) pela Anima (1985)
>>> Poemas Escolhidos de Fernando Pessoa pela Globo (1997)
>>> Brás, Bexiga e Barra Funda & Laranja da China de Antônio de Alcântara Machado pela Globo (1997)
>>> Deixe-me partir de Tanis Fernandes de Carvalho pela Petit (2014)
>>> O Silvano de Anton Tchékhov pela Globo (2005)
>>> Belas e comoventes histórias de Oswaldo Iório pela Eme (2013)
>>> As vidas de Arthur de Ana Diegues/Alberto pela Aliança (2013)
>>> Veteranos do Zumbi: Ha 50 Anos Correndo Atras da Bola de Mario Moutrinho & Janir de Souza Lima pela Ediçao do Autor (1998)
>>> O Ajuste Impossível de Aloisio Teixeira (autografado) pela Edufrj (1994)
>>> Armadilhas da Sedução - os Romances de M. Delly de Maria Teresa Santos Cunha pela Autêntica (2007)
>>> Machado de a a X - um Dicionário de Citações de Lucia Leite Ribeiro Prado Lopes pela 34 (2001)
>>> Bocage - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril (1980)
>>> A Outra Vida de Catherine Millet pela Agir (2009)
>>> A Vida Sexual de Catherine Millet pela Agir (2003)
>>> A Torre Negra #VII de Stephen King pela Ponto de Leitura (2014)
>>> Quarta-feira de cinzas de Ethan Hawke pela Ediouro (2003)
>>> Lisola del Tesoro (2725) de R. L. Stevenson pela Mursia (1993)
>>> Chew Me Up Slowly (2683) de Mário Quintana pela Globo (1978)
>>> Memorização Leitura Dinâmica Concentração Oratória P/ Iniciantes de Acácio Moraes Garcia (2122) pela Edeme (1995)
>>> Livro de Cânticos Volume III (1855) de Hilaire de Souza pela Life
>>> Lonely Planet: Rio de Janeiro (1756) de Regis St. Louis pela Lonely Planet (2006)
>>> Revista Capixaba de Filosofia e Teologia - A. 6 Nº10 (681) de Diversos pela Iftav/fsv (2008)
>>> Revista Capixaba de Filosofia e Teologia - a 7/ Nº12 (765) de Diversos pela Iftav/fsv (2009)
>>> Estudos Filosóficos Nº 12 (784) de Diversos pela Ufsj (2014)
>>> Superman - o Que Aconteceu ao Homem de Aço ? (4669) de Alan Moore e Curt Swan pela Panini Books (2016)
>>> Senhoras e Senhores (960) de Orlando Brito pela Fiat (1993)
>>> Mosca-varejeira (4622) de Patricia D. Cornwell pela Companhia das Letras (2006)
>>> Cbf Nike (6309) de Aldo Rebelo e Silvio Torres pela Casa Amarela (2001)
>>> Pátria Brasileira (4860) de Antônio Davila pela Difusora Culrural (1967)
>>> A Modernidade da Pintura no Rio Grande do Sul (4002) de Marilene Burler Pieta pela Sagra (1995)
>>> Entre Penas e Pincéis - Manuscritos do Artista Plástico (2298) de Willy Alfredo Zumblick pela Universitária (1998)
>>> O Egoísta (6977) de George Meredith pela Ediouro (1995)
>>> Yoga da Alimentação (3283) de Chiang Sing pela Freitas Bastos (1975)
>>> Eu Sou Ozzy (7216) de Ozzy Osbourne pela Benvirá (2010)
>>> Uma Casa para o Sr. Biswas (1457) de V. S. Naipaul pela Companhia das Letras (1988)
>>> A Deusa: as Vidas Secretas de Marilyn Monroe (4632) de Anthony Summers pela Best Seller (1987)
>>> Cleópatra: uma Biografia (7600) de Stacy Schiff pela Zahar (2011)
>>> De Todo o Meu Ser (7562) de Mônica de Castro pelo Espírito Leonel pela Vida & Consciência (2010)
>>> O Triunfo de Sharpe (7309) de Bernard Cornwell pela Record (2011)
>>> Acelere Seu Metabolismo (7295) de Lyssie Lakatos e Tammy Lakatos Shames pela Best Seller (2010)
>>> História de Santa Catarina (7269) de Oswaldo Rodrigues Cabral pela Ufsc (1968)
>>> Christine (2966) de Stephen King pela Ponto de Leitura (2011)
>>> Laowai: Histórias de uma Repórter Brasileira na China (6739) de Sônia Bridi pela Letras Brasileiras (2008)
>>> A História: a Bíblia Contada Como uma Só História do Começo ao Fim de Zondervan Corporation (6889) pela Sextante (2009)
>>> Goldman Sachs, a Cultura do Sucesso (6330) de Lisa Endlich pela Nobel (2000)
>>> A F. E. B. pelo Seu Comandante (5927) de Marechal J. B. Mascarenhas de Moraes pela Instituto Progresso Editorial (1947)
>>> Educação e Contemporaneidade Revista Faeeba Vol 15 N. 25 (5218) de Obra Coletiva pela Uneb (2006)
>>> Sangue na Neve (3478) de Lisa Gardner pela Novo Conceito (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/1/2012
Voltar com ex e café requentado
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6200 Acessos

Fico ali entre duas condições estranhas: acreditar que o passado está fixo e "imexível" (como diria um de nossos políticos, profundo conhecedor da produtividade na morfologia da língua portuguesa) ou crer que nossas vivências atuais modificam nosso passado. Bom, é, em todo caso, melhor explicar: se todo passado está lá, onde foi cosido, aqui, quando o rememoro ou o conto, ele não passa de uma narrativa. Sendo narrado, é, a cada momento, visto de um modo, de um ponto de vista, influenciado que é pelo que somos na atualidade. Ou não? Daí que, após uns anos de vivências e experiências (dizia o nobre Júlio Pinto, semioticista mineiro, que são coisas diferentes), nossa narrativa do passado se altera. O que nos pareceu ruim quando estávamos lá, e aquele passado era presente, pode ser entendido, agora, como o melhor episódio de nossas vidas, uma dádiva que abriu todos os bons caminhos seguintes. E se assim é, o passado não muda, ok, mas nossa maneira de percebê-lo, sim.

Quando eu estava lá, o passado com esta ou aquela pessoa me parecia alegre ou triste. E ali estão negociados também todos os finais de relacionamentos. Sim, esses episódios que nos assombram por semanas, meses ou décadas. Essas pessoas que se cristalizam em nossas memórias e que se transformam em avatares. Essas figuras meio míticas que fazem parte de muitas narrativas em nossas vidas, inclusive suscitando comparações chatas ou insistentes com o presente (talvez até impedindo um futuro bacaninha).

Eu não costumava me apertar muito com ex-relacionamentos. Lembro-me de um que terminei por telefone mesmo, para evitar o encontro. Por ele chorei uma exata lágrima, por um olho só, porque não contive certa tristezinha de ouvir a vozinha sussurrada do moço decepcionado. Era uma pessoa tão legal... Mas fugia muito daquele meu zelo pelo futuro que eu pensava que ainda poderia ter (mais tarde veria que não).

Já dizia aquele meu poema, no livro de 2008 (Fresta por onde olhar, Cantiga do amor fodido, página 58): "Não me demoro/deitada em peito algum/ Nem espalho/em qualquer corpo/minha anca de metro". Está valendo, não? Nem sempre. Algo me diz, sempre, se devo investir ou não, porque relacionamentos costumam gastar energia demais. É muita energia gasta para conviver com alguém, para dar certo, para combinar as mínimas coisas, para atuar sexualmente, para manter a atenção, a exclusividade e o bom astral. Então já vamos logo aprendendo a pescar se funciona ou não. E aí valia mais a pena terminar logo o que não tinha solo fértil.

Em compensação, havia sempre aquelas histórias mal-fadadas, fracassadas ou mal-resolvidas. Certa vez um namorado me disse, antes de resolvermos assumir o romance: "Seu passado está bem-resolvido? Porque não tenho vocação para caça-fantasma". Adorei. Pelo bom humor (entre outras infinitas coisas da lista de opcionais... homens costumam vir no modelo pé duro), eu quis namorar. Naquele tempo, as questões com ex-cruz-credos estavam todas resolvidas, sim, mas custara bastante resolvê-las. Ufa.

Havia, um dia, o ex-primeiro namorado, aquele da adolescência, que deixa marcas míticas. Anos depois de arrastar várias e pesadas correntes, desfizemos nossos mal-entendidos todos. Final de todos os rounds. Luta inglória esquecer namorado paixonite. Mas quando a gente encontra o cara, décadas depois, a decepção ajeita tudo. Ponto para nós. Cada um pro seu lado.

Mais tarde, o outro ex, colega de colégio, que, uma década depois, continua nos afetando negativamente pelos mesmos motivos. Nada mudou. Excelente remédio para curar desamores largados na memória. É isso mesmo, minha filha, não tem jeito. Tudo igual sob o Sol. Minha amiga Ana Martins Marques (poetíssima) me ensinou isto: "Voltar com ex é assim: na primeira semana, você se pergunta como deixou aquele homem maravilhoso escapar. Na segunda semana, você pensa: ah, lembrei".

E ainda há um terceiro caso, quando você tem a chance (dada pela vida ou por sua agência ansiosa) de reencontrar um ex desses fascinantes, muito mais velhos, ricos e bonitos (músicos, inclusive) para ver se na atualidade a relação poderia funcionar melhor. A máxima da Ana Marques continua valendo, não nos esqueçamos. No caso aqui, a relação terminara sem conclusões, por descuido, assim... uma distância qualquer impediu que a história se resolvesse. É aquele caso do "e se", que nos deixa sempre suspensos em relação ao que poderia ter sido e não foi, se... isto ou aquilo, assim e assado. Não se trata, portanto, de um relacionamento terminado, encerrado, com explicações e justificativas, mas de uma suspensão muita vez involuntária. Daí que a vida vem e nos põe, novamente, frente a frente (a vida ou o Facebook). Pronto, é hora. Daí, em pouco tempo, você, mais madura (ou maduro... mas em geral isso ocorre às fêmeas), vai sacando coisas que não percebera antes. E então aquele mítico ex se transforma num odioso ser comum. Pronto. E ponto.

Um quarto caso, curioso, é o do ex que é a excelência em ex. Aquele pelo qual a gente agradece por ter virado ex, com louvor. É o cara do qual você se livra. E é uma pena não poder dar um ctrl+z pra tirá-lo do currículo.

Terminadas as questões pendentes, pode-se fazer a fila andar. E como anda? Meu amigo me disse, com várias certezas (e inclusive munido de exemplos), que as mulheres é que decidem as partidas nas relações. Sei não. Bom, em todo caso, conheço muito mais mulheres que têm a dignidade de dar cabo de relacionamentos ruins. Ah, interessante: esse meu amigo é, de fato, um dos poucos homens que conheço que dão fim a relacionamentos.

Filas andam. E vamos nós preparar novos futuros e novos passados. Narrar de forma diferente todas aquelas relações que ficaram para trás, agora sem fios soltos. É preciso soldar, arrematar, finalizar. Próximo, por favor! Lá vem ele. A versão pé duro chega com muitos opcionais. Que beleza! Não há mais ex bicando a conversa. Não há muitas comparações... ou melhor, há, mas o próximo namorado tem parecido melhor do que a fila de links já acessados (todos roxos). Bom, vamos à vistoria, à vivência, à experiência. Vamos em direção a algo que seja leve, que funcione, que seja bom. E os critérios? Mudaram. Porque o que eu valorizo hoje só pode ser observado hoje. Há alguns anos eu não tinha olhos para certas coisas. Hoje, tenho.

Casar-se é uma verdadeira escola de lidar com o impossível. Namorar é só superfície, só regalia. Vai lá dividir teto e cama pra ver se qualquer um é príncipe? Em todo caso, tomara que seja. Princesa também não há. As tais das sacas de sal (25 kg, ok?) são difíceis de compartilhar com alguém, oh. E ex é isto: não deu nem pra consumir aquele saquinho do supermercado (1 mísero quilinho). Vai tentar de novo? Você curte um café velho requentado, né?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 13/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A barata na cozinha de Luís Fernando Amâncio
02. De volta à antiga roda rosa de Elisa Andrade Buzzo
03. A Fera na Selva, filme de Paulo Betti de Jardel Dias Cavalcanti
04. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
05. Os Doze Trabalhos de Mónika. 7. Um Senador de Heloisa Pait


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VIDA & SAÚDE - A CURA PELA NATUREZA Nº 5 - MEL UMA DOCE REDESCOBERTA
MÔNICA XIMENES LEITE E MARIA CRISTINA FRANCISCO
TRÊS
(1983)
R$ 6,00



DA INTERPRETAÇÃO JURÍDICA 2ª EDIÇÃO
MÁRIO FRENZEM DE LIMA (CAPA DURA)
FORENSE (RJ)
(1955)
R$ 17,82



D. PEDRO DALCÂNTARA DE BRAGANÇA 1798-1834: IMPERADOR DO BRASIL
PALÁCIO DE QUELUZ
PAÇO IMPERIAL MIN CULTURA
(1987)
R$ 17,28



DIAGNÓSTICO E PROGNÓSTICO DAS DISPONIBILIDADES HIDRICAS
MONICA LOPES GONÇALVES
UNIVILLE
(2006)
R$ 85,00



62 MODELO PARA ARMAR
JULIO CORTÁZAR
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(2000)
R$ 25,00



O VALE-CULTURA, A SOLUÇÃO?
NIVIA DE ANDRADE LIMA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



CONTROLE AUTOMÁTICO DE UM ROV UTILIZANDO SENSORIAMENTO DE BAIXO CUSTO
VINÍCIUS NIZOLLI KUHN UND SEBASTIÃO C. P. GOMES
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



TEATRO (EVOLUÇÃO HISTÓRICA)
JACQUES BURDICK
VERBO
(1978)
R$ 28,00



CONSPIRACY 365 - LIVRO 01 JANEIRO - O ENIGMA DOS DESENHOS
GABRIELLE LORD
FUNDAMENTO
(2015)
R$ 32,00



TEATRO ARGENTINO - REPERTÓRIO COMPLETO - TOMO II (EM ESPANHOL)
ALBERTO GHIRALDO
EDITORIAL AMERICALEE
(1946)
R$ 25,00





busca | avançada
28444 visitas/dia
1,1 milhão/mês