Voltar com ex e café requentado | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/1/2012
Voltar com ex e café requentado
Ana Elisa Ribeiro

+ de 6400 Acessos

Fico ali entre duas condições estranhas: acreditar que o passado está fixo e "imexível" (como diria um de nossos políticos, profundo conhecedor da produtividade na morfologia da língua portuguesa) ou crer que nossas vivências atuais modificam nosso passado. Bom, é, em todo caso, melhor explicar: se todo passado está lá, onde foi cosido, aqui, quando o rememoro ou o conto, ele não passa de uma narrativa. Sendo narrado, é, a cada momento, visto de um modo, de um ponto de vista, influenciado que é pelo que somos na atualidade. Ou não? Daí que, após uns anos de vivências e experiências (dizia o nobre Júlio Pinto, semioticista mineiro, que são coisas diferentes), nossa narrativa do passado se altera. O que nos pareceu ruim quando estávamos lá, e aquele passado era presente, pode ser entendido, agora, como o melhor episódio de nossas vidas, uma dádiva que abriu todos os bons caminhos seguintes. E se assim é, o passado não muda, ok, mas nossa maneira de percebê-lo, sim.

Quando eu estava lá, o passado com esta ou aquela pessoa me parecia alegre ou triste. E ali estão negociados também todos os finais de relacionamentos. Sim, esses episódios que nos assombram por semanas, meses ou décadas. Essas pessoas que se cristalizam em nossas memórias e que se transformam em avatares. Essas figuras meio míticas que fazem parte de muitas narrativas em nossas vidas, inclusive suscitando comparações chatas ou insistentes com o presente (talvez até impedindo um futuro bacaninha).

Eu não costumava me apertar muito com ex-relacionamentos. Lembro-me de um que terminei por telefone mesmo, para evitar o encontro. Por ele chorei uma exata lágrima, por um olho só, porque não contive certa tristezinha de ouvir a vozinha sussurrada do moço decepcionado. Era uma pessoa tão legal... Mas fugia muito daquele meu zelo pelo futuro que eu pensava que ainda poderia ter (mais tarde veria que não).

Já dizia aquele meu poema, no livro de 2008 (Fresta por onde olhar, Cantiga do amor fodido, página 58): "Não me demoro/deitada em peito algum/ Nem espalho/em qualquer corpo/minha anca de metro". Está valendo, não? Nem sempre. Algo me diz, sempre, se devo investir ou não, porque relacionamentos costumam gastar energia demais. É muita energia gasta para conviver com alguém, para dar certo, para combinar as mínimas coisas, para atuar sexualmente, para manter a atenção, a exclusividade e o bom astral. Então já vamos logo aprendendo a pescar se funciona ou não. E aí valia mais a pena terminar logo o que não tinha solo fértil.

Em compensação, havia sempre aquelas histórias mal-fadadas, fracassadas ou mal-resolvidas. Certa vez um namorado me disse, antes de resolvermos assumir o romance: "Seu passado está bem-resolvido? Porque não tenho vocação para caça-fantasma". Adorei. Pelo bom humor (entre outras infinitas coisas da lista de opcionais... homens costumam vir no modelo pé duro), eu quis namorar. Naquele tempo, as questões com ex-cruz-credos estavam todas resolvidas, sim, mas custara bastante resolvê-las. Ufa.

Havia, um dia, o ex-primeiro namorado, aquele da adolescência, que deixa marcas míticas. Anos depois de arrastar várias e pesadas correntes, desfizemos nossos mal-entendidos todos. Final de todos os rounds. Luta inglória esquecer namorado paixonite. Mas quando a gente encontra o cara, décadas depois, a decepção ajeita tudo. Ponto para nós. Cada um pro seu lado.

Mais tarde, o outro ex, colega de colégio, que, uma década depois, continua nos afetando negativamente pelos mesmos motivos. Nada mudou. Excelente remédio para curar desamores largados na memória. É isso mesmo, minha filha, não tem jeito. Tudo igual sob o Sol. Minha amiga Ana Martins Marques (poetíssima) me ensinou isto: "Voltar com ex é assim: na primeira semana, você se pergunta como deixou aquele homem maravilhoso escapar. Na segunda semana, você pensa: ah, lembrei".

E ainda há um terceiro caso, quando você tem a chance (dada pela vida ou por sua agência ansiosa) de reencontrar um ex desses fascinantes, muito mais velhos, ricos e bonitos (músicos, inclusive) para ver se na atualidade a relação poderia funcionar melhor. A máxima da Ana Marques continua valendo, não nos esqueçamos. No caso aqui, a relação terminara sem conclusões, por descuido, assim... uma distância qualquer impediu que a história se resolvesse. É aquele caso do "e se", que nos deixa sempre suspensos em relação ao que poderia ter sido e não foi, se... isto ou aquilo, assim e assado. Não se trata, portanto, de um relacionamento terminado, encerrado, com explicações e justificativas, mas de uma suspensão muita vez involuntária. Daí que a vida vem e nos põe, novamente, frente a frente (a vida ou o Facebook). Pronto, é hora. Daí, em pouco tempo, você, mais madura (ou maduro... mas em geral isso ocorre às fêmeas), vai sacando coisas que não percebera antes. E então aquele mítico ex se transforma num odioso ser comum. Pronto. E ponto.

Um quarto caso, curioso, é o do ex que é a excelência em ex. Aquele pelo qual a gente agradece por ter virado ex, com louvor. É o cara do qual você se livra. E é uma pena não poder dar um ctrl+z pra tirá-lo do currículo.

Terminadas as questões pendentes, pode-se fazer a fila andar. E como anda? Meu amigo me disse, com várias certezas (e inclusive munido de exemplos), que as mulheres é que decidem as partidas nas relações. Sei não. Bom, em todo caso, conheço muito mais mulheres que têm a dignidade de dar cabo de relacionamentos ruins. Ah, interessante: esse meu amigo é, de fato, um dos poucos homens que conheço que dão fim a relacionamentos.

Filas andam. E vamos nós preparar novos futuros e novos passados. Narrar de forma diferente todas aquelas relações que ficaram para trás, agora sem fios soltos. É preciso soldar, arrematar, finalizar. Próximo, por favor! Lá vem ele. A versão pé duro chega com muitos opcionais. Que beleza! Não há mais ex bicando a conversa. Não há muitas comparações... ou melhor, há, mas o próximo namorado tem parecido melhor do que a fila de links já acessados (todos roxos). Bom, vamos à vistoria, à vivência, à experiência. Vamos em direção a algo que seja leve, que funcione, que seja bom. E os critérios? Mudaram. Porque o que eu valorizo hoje só pode ser observado hoje. Há alguns anos eu não tinha olhos para certas coisas. Hoje, tenho.

Casar-se é uma verdadeira escola de lidar com o impossível. Namorar é só superfície, só regalia. Vai lá dividir teto e cama pra ver se qualquer um é príncipe? Em todo caso, tomara que seja. Princesa também não há. As tais das sacas de sal (25 kg, ok?) são difíceis de compartilhar com alguém, oh. E ex é isto: não deu nem pra consumir aquele saquinho do supermercado (1 mísero quilinho). Vai tentar de novo? Você curte um café velho requentado, né?


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 13/1/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 11. A Quatro Braçadas de Heloisa Pait
02. Notas de leitura sobre Inácio, de Lúcio Cardoso de Cassionei Niches Petry
03. Séries da Inglaterra; e que tal uma xícara de chá? de Renato Alessandro dos Santos
04. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
05. Tempos de Olivia, romance de Patricia Maês de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MEDITAÇÃO A ARTE DO ÊXTASE
BHAGWAN SHREE RAJNEESH
CULTRIX
(1976)
R$ 9,90



CONVERSANDO SOBRE A SÍNDROME DO PANICO
GUGU KELLER
GLOBO
(1997)
R$ 27,00



100 CRÔNICAS
MARIO PRATA
ESTADÃO
(1997)
R$ 4,00



PALAVRAS PARA DESATAR NÓS
RUBEM ALVES
PAPIRUS
(2011)
R$ 30,00



PROJETO PROSA - HISTÓRIA 3º ANO
ALEXANDRE ALVES E OUTROS
SARAIVA
R$ 25,00



DEIXE OS HOMENS AOS SEUS PÉS
MARIE FORLEO
UNIVERSO DOS LIVROS
(2011)
R$ 10,00



HANS STADEN (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
MONTEIRO LOBATO
BRASILIENSE
(1978)
R$ 5,00



A FÚRIA DA BELEZA
ELISA LUCINDA
RECORD
(2006)
R$ 30,00



METODOLOGIA CIENTÍFICA NA ERA DA INFORMÁTICA
JOAO AUGUSTO MATTAR NETO
SARAIVA
(2008)
R$ 49,90



THE OXFORD DICTIONARY OF WORD HISTORIES
GLYNNIS CHANTRELL
OXFORD
(2004)
R$ 33,00





busca | avançada
37668 visitas/dia
1,1 milhão/mês