O cinema visita a funilaria | Vicente Escudero | Digestivo Cultural

busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quinta-feira, 25/8/2011
O cinema visita a funilaria
Vicente Escudero

+ de 2800 Acessos

Não tenho a menor ideia de como a matéria-prima do desmanche pode voltar a se transformar num carro novo, zero quilômetro, depois de ser amassada numa prensa gigante e terminar como uma grande massa de metal retorcido do tamanho de um container. Entre a destruição do carro antigo e a produção do novo, imagino uma dezena de etapas em que homens projetam o modelo, soldam várias partes para completar o chassi, montam a carroceria e testam o resultado para descobrir se ele é capaz de rodar por aí. Todo esse processo acontece dentro de uma fábrica barulhenta e repleta de ferramentas afiadas, maçaricos comandados por robôs e homens uniformizados executando tarefas repetitivas e monótonas, apertando sempre as mesmas peças de carcaças transportadas sobre esteiras mecânicas. Quanto maior o carro, maior e mais insuportável o barulho da linha de produção que resulta num grande processo de acumulação e entulhamento, terminando com um SUV saindo pelo portão da fábrica, depois de causar surdez em todos os funcionários.

Todo este processo estapafúrdio de agigantamento dos carros da atualidade só poderia ser celebrado em alto e bom som com um filme ainda mais barulhento do que uma montadora atacada por vikings. Pior ainda, por uma série de filmes em que homens são atacados por carros invadidos por robôs alienígenas. Apresentada assim, desmontada e sem lubrificantes (fundida?) a trilogia cinematográfica de Transformers parece ainda fazer algum sentido. Mas, não se anime. Contenha a faísca de empolgação. Se você assistir a sequência de filmes vai perceber que a passagem de um para o outro não obedece a nenhuma lógica de roteiro e é apenas coerente num sentido: a destruição de cidades e robôs, as explosões e lutas aumentam exponencialmente a cada título da série. O que poderia ser um bom argumento para explorar o tema do conflito entre inteligência artificial e humana não passa do desmoronamento de uma pilha de carros num desmanche. Os robôs alienígenas, como eles nascem, são criados, montados ou reciclados? Aliás, a inteligência dos robôs é exclusivamente artificial? Nem isso os filmes respondem.

No último filme da série, "O Lado Oculto da Lua", a história é desconexa e o argumento é pobre. Os diálogos, quando não são onomatopeias costuradas, apresentam-se como variações dos roteiros dos primeiros filmes. Não espere respostas sobre as origens dos robôs ou motivações dos personagens. Todos os diálogos servem apenas para interromper a destruição, representam um gongo soando entre os rounds de uma luta desigual entre homens e robôs.

Os autobots vivem em paz com os seres humanos depois de terem derrotado os decepticons. Mas um segredo escondido pelos humanos coloca a Terra em risco. Durante a primeira visita do homem à Lua, foram descobertos destroços de uma nave utilizada pelos autobots para fugir de seu planeta natal (Cybertron), durante a guerra com os decepticons, que carregava o líder científico dos autobots e o material necessário para salvar Cybertron. Os decepticons, exilados em algum lugar da África, descobrem o paradeiro dos destroços e traçam um plano para enganar os autobots e escravizar a humanidade, mão de obra a ser utilizada para reconstruir Cybertron, a partir dos restos da nave.

O roteiro não faz sentido. Os humanos que não fazem parte do governo americano sabem da existência dos autobots na Terra? Considerando os filmes anteriores, sim. De acordo com o último filme, não, afinal, os camaradas dos autobots tentam esconder a presença dos alienígenas de outros humanos a todo custo. Como os decepticons conseguiram se reorganizar depois de serem derrotados no último filme? Não se sabe. De onde vieram os decepticons que não estavam nos outros filmes? Ninguém sabe. Durante o filme todo, a única tentativa de explicação é hilária. Quando Optimus Prime é questionado pelos militares sobre a identidade de Sentinel Prime, afirma, sem nenhum rubor nas bochechas de alumínio "Ele é para nós, como o Einstein do planeta de vocês". Alguém deveria pintar a lataria do caminhão de vermelho.

O avanço da cultura nerd tem impregnado o cinema de clichês que tratam de forma superficial temas científicos e tentam conciliar ideias que não se misturam. Começando pela avalanche de apocalipses representados nos últimos filmes de super-heróis como Thor, Watchmen e X-Men, que tentaram levar a narrativa dos quadrinhos e desenhos animados para fora da fantasia, construindo roteiros pretensiosos, muitas vezes tentando misturar ciência até com magia e religião. X-Men tentou ligar os pontos entre as relações sociais e os avanços da medicina, narrando histórias de jovens que sofreram mutações em seu código genético e se tornaram capazes de emitir raios laser, fogo, gelo e atrair metais, contrariando as leis da física, medicina e química. Watchmen criou um mundo distópico e noir, habitado por super-heróis sofrendo as limitações da idade avançada, onde a pancadaria é acompanhada pela trilha sonora de... jazz! Thor não economizou na absurdez. O mundo habitado pelos seres da mitologia nórdica mistura magia e astronomia sem dar qualquer pista sobre a origem da civilização de Asgard nem sobre sua pródiga capacidade de produzir wormholes.

O maior problema enfrentado pelos roteiros de filmes que misturam ficção científica e fantasia é a sutileza na mistura desses elementos, seu equilíbrio, única fórmula capaz de suspender a realidade e tornar críveis acontecimentos absurdos. Em determinados casos, o melhor a fazer é não escapar da fantasia, manter a história apenas no terreno do absurdo, sem tentar justificar por que uma pessoa viaja no espaço, voa, atira bolas de fogo ou tem uma força descomunal. Se os fatos narrados são impossíveis no mundo real, não devem ser misturados com explicações de origem científica, como na série X-Men. Nunca um ser humano vai atirar raios laser pelos olhos. Isso é indiscutível. A representação de algo desse tipo dentro de um contexto que reproduz o tempo presente da humanidade é uma tolice. A única forma palatável de apresentar um personagem desse tipo é inseri-lo dentro de um contexto completamente fantástico, sem discussões científicas, políticas ou sociais fajutas. Por que não restringir o roteiro a uma distopia, em vez de emprestar a urgência das discussões do mundo real?

Contrapondo-se a estes erros de Thor e da série X-Men, as séries Batman (de Christopher Nolan) e Iron Man (de John Favreau) trabalham as limitações de seus personagens e da realidade que os cercam sem deixar pontas soltas sobre a origem dos poderes que envolvem heróis e vilões. No caso de Batman, os filmes têm o cuidado de limitar as capacidades do herói ao ambiente que o cerca e à sua condição humana, transformando-o em um personagem com defeitos e qualidades ordinárias. A parte fantástica da narrativa fica para a personalidade degenerada dos inimigos e para as traquitanas tecnológicas utilizadas nas batalhas. Mesmo estas representações são trabalhadas de forma a esticar ao máximo, mas sem cruzar, a linha que divide o possível do impossível para o ser humano. Já em Iron Man, a maior qualidade é a interpretação divertida de Robert Downey Jr., o verdadeiro responsável pelo carisma do protagonista e até pelo sucesso do filme. O oposto do protagonista de Thor.

A linguagem dos quadrinhos e desenhos animados, na sua origem, fundou-se na fantasia e nas aspirações de criadores buscando a representação de histórias que habitavam o imaginário de crianças e adultos. É fenômeno recente a importação de outras linguagens para dentro destas artes e vice-versa, como a invasão de filmes de super-heróis no cinema. A julgar pelas séries Transformers e X-Men, e filmes como Watchmen e Thor, esse processo de transformação continuará espalhafatoso, barulhento e, para os fãs de desenhos animados e quadrinhos, muito dolorido.


Vicente Escudero
Campinas, 25/8/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A poesia afiada de Thais Guimarães de Jardel Dias Cavalcanti
02. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
03. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
04. O problema da Petrobras são vários de Julio Daio Borges
05. A Poesia em Noir de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Vicente Escudero
Mais Acessadas de Vicente Escudero em 2011
01. Kindle, iPad ou Android? - 14/4/2011
02. O incompreensível mercado dos e-books - 3/3/2011
03. O ponto final da escrita cursiva - 15/9/2011
04. Lynch, David - 8/12/2011
05. Diário da Guerra do Corpo - 9/6/2011


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CARTAS DE UM ESCRITOR SOLITÁRIO
SAM SAVAGE
PLANETA DO BRASIL
(2011)
R$ 34,00



FAÇA ACONTECER - MULHERES, TRABALHO E A VONTADE DE LIDERAR
SHERYL SANDBERG
COMPANHIA DAS LETRAS
(2013)
R$ 25,00



A AÇÃO DO ESPÍRITO SANTO NA ALMA
ALEXIS RIAUD
QUADRANTE
(1998)
R$ 20,00



COMO LIDAR COM PESSOAS DIFÍCEIS/ DE BOLSO
VICTOR CIVITA
NOVA CULTURA
(2005)
R$ 8,57



TRANSFORMANDO GRAMA EM OURO
JULIO CASARES
GENTE
(2014)
R$ 15,00



A ELEIÇÃO DA CRIANÇADA
PEDRO BANDEIRA
MELHORAMENTOS
(2010)
R$ 13,00



EMERGÊNCIAS CLÍNICAS ABORDAGEM PRÁTICA - 9456
HERLON SARAIVA MARTINS E OUTROS
MANOLE
(2006)
R$ 12,00



ESTAÇÃO DAS CLINICAS
IACYR ANDERSON FREITAS
ESCRITURAS
(2016)
R$ 25,04



O AMOR CHEGOU
MARISA DE LOS SANTOS
RECORD
(2008)
R$ 10,00



O MUNDO É PLANO
SERGIO DUARTE; BRUNO CASOTTI; CRISTINA CAVALCANTI
OBJETIVA
(2009)
R$ 6,00





busca | avançada
49037 visitas/dia
1,4 milhão/mês