Romances do Futuro e Homens do Passado | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto 8x Hilda reúne obra teatral de Hilda Hilst em ciclo de leituras online
>>> Afrofuturismo: Lideranças de de Angola, Cabo Verde e Moçambique debatem ecossistemas de inovação
>>> Ibraíma Dafonte Tavares desvenda preparação e revisão de texto
>>> O legado de Roberto Burle Marx é tema de encontro online
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Palavrões
>>> Pequena poética do miniconto
>>> Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev
>>> O número um
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
>>> Rumo certo
>>> Homenagem a Fred Leal, do podcast É Batata
>>> A melhor companhia para o Natal
>>> A proposta libertária
>>> Semana da Canção Brasileira
Mais Recentes
>>> A Morte da Socialite de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 10 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse - Vol. 1 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> Fort of Apocalypse 2 de Yu Kuraishi e Kazu Inabe pela Jbc (2017)
>>> O Fazedor de Nuvens de Guaracy Pinto pela do Autor (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 13 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 12 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 11 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 6 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 5 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 4 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho - Volume - 8 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2014)
>>> Noções Básicas de Citologia, Histologia e Embriologia de L.C. Junqueira; J. Carneiro pela Nobel (1988)
>>> Fairy Tail Zero de Hiro Mashima pela Jbc (2017)
>>> Um Time Muito Especial de Jane Tutikian pela Atual (2009)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 28 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2017)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 15 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2014)
>>> Yu Yu Hakusho Especial - Vol. 14 de Yoshihiro Togashi pela Jbc (2015)
>>> Fairy Tail - Vol. 54 de Hiro Mashima pela Jbc (2016)
>>> Fairy Tail Gaiden - Vol. 1 de Kyouta Shibano e Hiro Mashina pela Jbc (2017)
>>> O Corpo Fala - A Linguagem Silenciosa da Comunicação Não-Verbal de Perre Weil; Roland Tompakow pela Vozes (2005)
>>> To Love Ru - Vol. 1 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2015)
>>> Orange - Vol. 6 EAN: 9788545706908 de Ichigo Takano pela Jbc (2018)
>>> Blasfêmia - do Sensorial ao Extra-sensorial de A. Furtado de Melo pela Prellus (2003)
>>> Recados da Lua : Amor e Romantismo de Helena Jobim pela Record (2001)
>>> Contos tradicionais do Brasil (Literatura Popular) de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2004)
>>> A verdadeira história de vida e morte de Raimundo Jacó - Missa do Vaqueiro de Pedro Bandeira pela Juazeiro do Norte
>>> A Escola da Anarquia (Pedagogia/Educação Anarquista) de Josefa Martín Luengo pela Achiamé (2007)
>>> Piaget, Vygotsky, Wallon: Teorias Psicogenéticas em Discussão de Yves de la Taille/Marta Kohl de Oliveira/Heloysa Dantas pela Summus (1992)
>>> Por uma outra Globalização: Do pensamento único à consciência universal de Milton Santos pela Record (2011)
>>> Educação Libertária: Textos de um Seminário (Pedagogia/Educação Anarquista) de José Maria Carvalho Ferreira (Org.) pela Achiamé (1996)
>>> Pensamento e Linguagem (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2005)
>>> A formação social da mente (Pedagogia/Educação) de Lev Vigotski pela Martins Fontes (2007)
>>> Cultura Insubmissa (Estudos e reportagens) de Rosemberg Cariri/Oswald Barroso pela Nação Cariri (1982)
>>> Globalização, democracia e terrorismo de Eric Hobsbawn pela Cia. das Letras (2007)
>>> A Produção Cultural para a Criança de Regina Zilberman (Org.) pela Mercado Aberto (1982)
>>> Desenvolvimento e Educação da Criança - Aplicação de Piaget na sala de aula (Pedagogia/Educação) de David Elkind pela Zahar (1978)
>>> Pedagogia do Risco - Experiências anarquistas em Educação (Pedagogia/Educação) de Sílvio Gallo pela Papirus (1995)
>>> Recordando Paulo Freire: Experiências de Educação Libertadora na Escola (Pedagogia/Educação) de Maria Oly Pey (Org.) pela Achiamé (2007)
>>> O Anarquismo Hoje - Uma reflexão sobre as alternativas libertárias de Jorge E. Silva pela Achiamé (2007)
>>> História da Língua Portuguesa – II. Século XV e Meados do Século XVI de Dulce de Faria Paiva pela Ática (1988)
>>> Discurso sobre o Filho-da-Puta (Sociologia/Antropologia) de Alberto Pimenta pela Achiamé (1997)
>>> Propaganda Ideológica e Controle do Juízo Público de Noam Chomsky pela Achiamé (2003)
>>> A Pedagogia Libertária na História da Educação Brasileira (Pedagogia/Educação) de Neiva Beron Kassick/Clovis Nicanor Kassick pela Achiamé (2004)
>>> Vygotsky, quem diria?! Em minha sala de aula (Pedagogia/Educação) de Celso Antunes pela Vozes (2002)
>>> Educação: Projetos e valores (Pedagogia/Educação) de Nilson José Machado pela Escrituras (2021)
>>> Guia Prático do Português Correto – Volume 2 Morfologia de Cláudio Moreno pela L&PM Pocket (2003)
>>> Arte e Anarquismo de Pierre Ferrua/Michel Ragon/Gaetano Manfredonia/Dominique Berthet/C. Valenti pela Imaginário (2001)
>>> A propriedade é um roubo e outros escritos anarquistas (Filosofia) de Pierre-Joseph Proudhon pela L&pm (2008)
>>> Moderna Plus. Matemática Paiva 3 de Manoel Paiva pela Moderna Plus (2010)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/9/2009
Romances do Futuro e Homens do Passado
Guilherme Diniz

+ de 2500 Acessos

Romances distópicos deixam-me enfastiadiço. Não entendo ao certo a razão de se imaginar o futuro como algo precário, turvo, nebuloso e pessimista. Sempre nutri preferência pelas utopias; se for para haver barbarização de uma ou outra proposta, qual a razão de se preferir a privação e miséria em detrimento do gozo e da ventura? Mas a opinião em favor dessa perspectiva é minoritária. Se juntarmos os nomes de autores utópicos provavelmente não encontraremos mais que uma dezena.

Por outro lado, se reunirmos escritores cujas obras pontuaram-se pelo caráter marcadamente derrotista, seríamos bem capazes de preencher tranquilamente uma folha de papel. Inevitavelmente teríamos que citar nomes como os de George Orwell (1984), Aldous Huxley (Admirável Mundo Novo), H. G. Wells (The Sleeper Awakes), Mary Shelley (O Último Homem), Karel Čapek (R.U.R.), Sinclair Lewis (It can't happen here), Yevgeny Zamyatin (We), Karin Boye (Kalocain), Anthony Burgess (Laranja Mecânica). E o motivo para isso, creio, parece concentrar-se numa palavra a faltar na visão pessimista: obstinação.

Sobre ela, Hermann Hesse (vide Sobre a Guerra e a Paz) nos contava ser a única virtude que verdadeiramente corresponde à natureza dos sonhos e da liberdade. As outras virtudes, para ele, caminham sempre para a obediência daquilo que homens de outros tempos nos prescreveram como certo e digno de respeito. A obstinação também é uma virtude, mas a ela se vincula outra espécie de dever, significadamente mais sagrado: seguir sua própria lei, "o sentido de si mesmo".

Se escolhermos três autores cujas obras se pontuaram pelo motivo da tenacidade, veremos que o destino a ser alcançado não poderia ser outro que não o de imaginar o impossível: William Morris, Henry David Thoreau e Percy Shelley. O primeiro, em Notícias de lugar nenhum, imaginou no ano de 2102 uma Inglaterra povoada por homens que fossem capazes de desenvolver atividades laborais e artísticas realmente dignas para a formação humana, onde tudo aquilo que fosse desnecessário para alcançar esse objetivo estaria de todo abolido e o tédio do trabalho e os seus inconvenientes estariam completamente proscritos.

Enfim, todos se veriam livres e não opressos a viver num mundo onde a desigualdade e injustiça fossem inexistentes e desconhecidas, cercados unicamente por uma sociedade assentada numa nova ética, valores, belezas, paixões e perspectivas. Não sem razão, nossa civilização ― a cultura dos séculos XIX, XX e, por que não, do século XXI ― foi assim descrita pelo seu autor: "Parece então, meu filho, que o governo dos tribunais e da polícia, que era o governo real do século XX, não era uma sucesso nem mesmo para o povo da época, que vivia sob um sistema de classes que proclamava serem igualdade e pobreza a lei de Deus e a força que mantinha o mundo unido".

Por outro lado, Thoreau constrói sua utopia em meio ao universo natural, na relação entre homem e natureza, com lagos, bosques, florestas e montanhas. Diferentemente de William Morris, seu projeto cresce na negação daquilo que o autor inglês usava como justificava à sua teoria de sociedade. Se ele pensou que as máquinas não deveriam ser superiores aos interesses humanos, Thoreau fez o caminho inverso, negando qualquer valor utilitário seu no aperfeiçoamento humano. Como ele escreveu no ensaio "Vida sem Princípio", vivemos num mundo que "é um império de negócios", e que disso não brotará nada excepcional.

O verdadeiro homem ― e seus valores correspondentes ― somente poderá ser encontrado quando ele se colocar diante das mais adversas e selvagens condições. Em Walden, obra onde ele descreve os dois anos em que passou a viver nos bosques localizados à margem do lago Walden (que era propriedade de outro rebelde, Ralph W. Emerson), sua visão para a edificação de uma humanidade sadia se assenta não simplesmente na austeridade e isolamento, mas também na independência e, porque não, na autossuficiência.

Consequentemente, como ele mesmo ressalta no ensaio "Caminhando" ("Walking"), isso poderia produzir alguma aspereza de vigor e caráter, fazendo "crescer uma cutícula um pouco mais grossa sobre algumas das qualidades mais delicadas de nossa natureza". Mas ao contrário do que poderia ser precipitadamente suposto, não há que se falar de Thoreau como um ludista. Ele somente se questiona por uma indagação que subsiste nos dias atuais: o quanto a modernidade aprisiona nossas liberdades sob o véu da praticidade e comodidade. Finalmente, Shelley. Esse eu amo sinceramente, sem medo, sem restrições. Como não se apaixonar por alguém que diz: "There is no real wealth but the labour of man. Were the mountains of gold and the valleys of silver, the world would not be one grain of corn the richer; no one comfort would be added to the human race". (Tradução: "Não existe riqueza que não provenha do trabalho humano, mesmo onde existam montanhas de ouro e vales de prata. Sem ele, esse mundo não seria um grão de milho mais rico e nenhum conforto seria incorporado à raça humana".)

No seu poema "Queen Mab" ele ataca apaixonadamente as principais causas da desigualdade e injustiça: a monarquia, religião, comércio, guerra; e ainda sobra espaço para defender de forma coerente o amor livre. Toda hierarquia social, o casamento, dinheiro e egoísmo são identificados por Shelley como raízes da alienação e pessimismo humanos (o mesmo se sucede nos poemas "Alastor" e "The Revolt of Islam"). E não seria inusitado se nós conseguíssemos chegar noutra consideração: hoje, submersos na ética de mercado, não seria interessante o resgate da proposta humanista de Percy Shelley?

De qualquer modo, talvez vejamos neste relacionamento entre a fortuna e a utopia o que de mais substancial há que ser produzido ― o despertar da capacidade humana em pensar e romper com a aparência de correto e justo daquilo que existe. Utopias não existem tanto para serem construídas do modo como as imaginamos. Servem muito mais para nos fazer dizer que algo está errado e que isso deve ser transformado. Porque, em última instância, todo e qualquer utopismo se resume àquela ideia que tão bem Dylan Thomas escreveu: "Ó tu que és glória dos mapas informes,/ Cria agora o mundo a partir de mim como tenho criado/ De teu orbe ambulante a ditosa imagem dos homens".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, o rinoceronte voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 21/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Música instrumental brasileira de Fabio Silvestre Cardoso


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Fundamentos de Informática - Software e Hardware - 2. a Edição Revista
Marcus Garcia de Almeida
Brasport
(2002)
R$ 15,00



Biologia celular e molecular
Luiz C. Junqueira, José Carneiro
Guanabara, Gen
(2005)
R$ 90,00



Distimia - do mau humor ao mal do humor - diagnóstico e tratamento
Táki Athanássios Cordás e outros
Aertes médicas
(1997)
R$ 8,00



A terra é azul
Lucília Junqueira de Almeida Prado
Brasiliense
(1980)
R$ 20,00



Mãos de Vento e Olhos de Dentro
Lô Galasso; Aida Cassiano
Scipione
(2002)
R$ 20,00



Conexões de Sócrates a Sócrates e Outras 114 Ligações Inusitadas
Vários Autores
Abril
(2016)
R$ 20,00



A Doce Canção de Caetana
Nélida Piñon
Record
(1997)
R$ 36,00



Química 1° Volume Curso Colegial
Firmino Bonato
F T D
(1971)
R$ 18,00



Sistemas integrados de gestão ERP
Cícero Caiçara Junior
Ibpex
(2011)
R$ 12,00



Tristão e Isolda
Francisco Alves
Francisco Alves
(1990)
R$ 12,66





busca | avançada
87759 visitas/dia
2,4 milhões/mês