Romances do Futuro e Homens do Passado | Guilherme Diniz | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Segunda-feira, 21/9/2009
Romances do Futuro e Homens do Passado
Guilherme Diniz

+ de 2400 Acessos

Romances distópicos deixam-me enfastiadiço. Não entendo ao certo a razão de se imaginar o futuro como algo precário, turvo, nebuloso e pessimista. Sempre nutri preferência pelas utopias; se for para haver barbarização de uma ou outra proposta, qual a razão de se preferir a privação e miséria em detrimento do gozo e da ventura? Mas a opinião em favor dessa perspectiva é minoritária. Se juntarmos os nomes de autores utópicos provavelmente não encontraremos mais que uma dezena.

Por outro lado, se reunirmos escritores cujas obras pontuaram-se pelo caráter marcadamente derrotista, seríamos bem capazes de preencher tranquilamente uma folha de papel. Inevitavelmente teríamos que citar nomes como os de George Orwell (1984), Aldous Huxley (Admirável Mundo Novo), H. G. Wells (The Sleeper Awakes), Mary Shelley (O Último Homem), Karel Čapek (R.U.R.), Sinclair Lewis (It can't happen here), Yevgeny Zamyatin (We), Karin Boye (Kalocain), Anthony Burgess (Laranja Mecânica). E o motivo para isso, creio, parece concentrar-se numa palavra a faltar na visão pessimista: obstinação.

Sobre ela, Hermann Hesse (vide Sobre a Guerra e a Paz) nos contava ser a única virtude que verdadeiramente corresponde à natureza dos sonhos e da liberdade. As outras virtudes, para ele, caminham sempre para a obediência daquilo que homens de outros tempos nos prescreveram como certo e digno de respeito. A obstinação também é uma virtude, mas a ela se vincula outra espécie de dever, significadamente mais sagrado: seguir sua própria lei, "o sentido de si mesmo".

Se escolhermos três autores cujas obras se pontuaram pelo motivo da tenacidade, veremos que o destino a ser alcançado não poderia ser outro que não o de imaginar o impossível: William Morris, Henry David Thoreau e Percy Shelley. O primeiro, em Notícias de lugar nenhum, imaginou no ano de 2102 uma Inglaterra povoada por homens que fossem capazes de desenvolver atividades laborais e artísticas realmente dignas para a formação humana, onde tudo aquilo que fosse desnecessário para alcançar esse objetivo estaria de todo abolido e o tédio do trabalho e os seus inconvenientes estariam completamente proscritos.

Enfim, todos se veriam livres e não opressos a viver num mundo onde a desigualdade e injustiça fossem inexistentes e desconhecidas, cercados unicamente por uma sociedade assentada numa nova ética, valores, belezas, paixões e perspectivas. Não sem razão, nossa civilização ― a cultura dos séculos XIX, XX e, por que não, do século XXI ― foi assim descrita pelo seu autor: "Parece então, meu filho, que o governo dos tribunais e da polícia, que era o governo real do século XX, não era uma sucesso nem mesmo para o povo da época, que vivia sob um sistema de classes que proclamava serem igualdade e pobreza a lei de Deus e a força que mantinha o mundo unido".

Por outro lado, Thoreau constrói sua utopia em meio ao universo natural, na relação entre homem e natureza, com lagos, bosques, florestas e montanhas. Diferentemente de William Morris, seu projeto cresce na negação daquilo que o autor inglês usava como justificava à sua teoria de sociedade. Se ele pensou que as máquinas não deveriam ser superiores aos interesses humanos, Thoreau fez o caminho inverso, negando qualquer valor utilitário seu no aperfeiçoamento humano. Como ele escreveu no ensaio "Vida sem Princípio", vivemos num mundo que "é um império de negócios", e que disso não brotará nada excepcional.

O verdadeiro homem ― e seus valores correspondentes ― somente poderá ser encontrado quando ele se colocar diante das mais adversas e selvagens condições. Em Walden, obra onde ele descreve os dois anos em que passou a viver nos bosques localizados à margem do lago Walden (que era propriedade de outro rebelde, Ralph W. Emerson), sua visão para a edificação de uma humanidade sadia se assenta não simplesmente na austeridade e isolamento, mas também na independência e, porque não, na autossuficiência.

Consequentemente, como ele mesmo ressalta no ensaio "Caminhando" ("Walking"), isso poderia produzir alguma aspereza de vigor e caráter, fazendo "crescer uma cutícula um pouco mais grossa sobre algumas das qualidades mais delicadas de nossa natureza". Mas ao contrário do que poderia ser precipitadamente suposto, não há que se falar de Thoreau como um ludista. Ele somente se questiona por uma indagação que subsiste nos dias atuais: o quanto a modernidade aprisiona nossas liberdades sob o véu da praticidade e comodidade. Finalmente, Shelley. Esse eu amo sinceramente, sem medo, sem restrições. Como não se apaixonar por alguém que diz: "There is no real wealth but the labour of man. Were the mountains of gold and the valleys of silver, the world would not be one grain of corn the richer; no one comfort would be added to the human race". (Tradução: "Não existe riqueza que não provenha do trabalho humano, mesmo onde existam montanhas de ouro e vales de prata. Sem ele, esse mundo não seria um grão de milho mais rico e nenhum conforto seria incorporado à raça humana".)

No seu poema "Queen Mab" ele ataca apaixonadamente as principais causas da desigualdade e injustiça: a monarquia, religião, comércio, guerra; e ainda sobra espaço para defender de forma coerente o amor livre. Toda hierarquia social, o casamento, dinheiro e egoísmo são identificados por Shelley como raízes da alienação e pessimismo humanos (o mesmo se sucede nos poemas "Alastor" e "The Revolt of Islam"). E não seria inusitado se nós conseguíssemos chegar noutra consideração: hoje, submersos na ética de mercado, não seria interessante o resgate da proposta humanista de Percy Shelley?

De qualquer modo, talvez vejamos neste relacionamento entre a fortuna e a utopia o que de mais substancial há que ser produzido ― o despertar da capacidade humana em pensar e romper com a aparência de correto e justo daquilo que existe. Utopias não existem tanto para serem construídas do modo como as imaginamos. Servem muito mais para nos fazer dizer que algo está errado e que isso deve ser transformado. Porque, em última instância, todo e qualquer utopismo se resume àquela ideia que tão bem Dylan Thomas escreveu: "Ó tu que és glória dos mapas informes,/ Cria agora o mundo a partir de mim como tenho criado/ De teu orbe ambulante a ditosa imagem dos homens".

Nota do Editor
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado em seu blog, o rinoceronte voador.


Guilherme Diniz
Belo Horizonte, 21/9/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Senna de Paulo Polzonoff Jr


Mais Guilherme Diniz
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




LÁGRIMAS IMPURAS
FURIO MONICELLI
COMPANHIA DAS LETRAS
(1999)
R$ 17,85



O POÇO DO VISCONDE - EDIÇÃO COMENTADA
MONTEIRO LOBATO / ED. GLOBO
GLOBO
(2010)
R$ 38,00



ANUÁRIO F-TRUCK TEMPORADA 2001
O CARRETEIRO RACING
CG
(2001)
R$ 25,00



DIREITO TRIBUTÁRIO
CLAUDIO BORBA
IMPETUS
(2004)
R$ 13,00



NEVE SOBRE OS CEDROS
DAVID GUTERSON
RECORD
(1997)
R$ 22,31
+ frete grátis



VOCABULÁRIO DE LATIM FORENSE
VAIR GONZAGA
EDIPRO
(1993)
R$ 9,00



PORTUGUÊS LINGUAGENS - VOLUME 1
WILLIAM ROBERTO CEREJA THEREZA COCHAR
ATUAL
(2012)
R$ 14,90



O VALOR DO CLIENTE - CUSTOMER EQUITY
ROLAND RUST/ VALARIE ZEITHAML E KATHERINE LEMON
BOOKMAN
(2001)
R$ 30,00



EDUCAR PARA UM MUNDO NOVO
AMÉRICO MARQUES CANHOTO
ATIVA
(2003)
R$ 10,00



CURSO DIDÁTICO DE ENFERMAGEM - VOL. 1 (EM 2 LIVROS) E 2 - (5ª EDIÇÃO)
ANDRÉA PORTO - DIRCE LAPLACA VIANA
YENDIS
(2009)
R$ 100,00





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês