Lost | Marcelo Maroldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nó na Garganta narra histórias das rodas de choro brasileiras
>>> TODAS AS CRIANÇAS NA RODA: CONVERSAS SOBRE O BRINCAR
>>> Receitas com carne suína para o Dia dos Pais
>>> Selo Anonimato Records chega ao mercado fonográfico em agosto
>>> Última semana! Peça “O Cão de Kafka” fica em cartaz até 1º de agosto
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Delírio eleitoral gratuito
>>> Minha história com Guimarães Rosa
>>> Abismos literários
>>> 18 de Agosto #digestivo10anos
>>> Amor platônico
>>> 80 (Melhores) Blogs na Época
>>> Nordeste Oriental
>>> Entrevista com Flávia Rocha
>>> Clint: legado de tolerância
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
Mais Recentes
>>> Autografado - Somos os Mortos (novela) 2ª Edição de Dirceu Quintanilha pela Fontana (1980)
>>> Fundamentación Egológica de La Teoria General del Derecho de Antonio Luiz Machado Neto pela Universitária Buenos Aires (1974)
>>> Sentença e Coisa Julgada: Exegese do Código de P C Arts 444 - 445 de Egas Moniz de Aragão pela Aide (1992)
>>> O Desenvolvimento da Criança e do Adolescente Segundo Piaget de Anália Rodrigues de Faria pela Ática (1989)
>>> Repensando a Leitura na Escola: um Outro Mosaico de Maurício da Silva pela Eduff (1995)
>>> O Livro do Seminário: Ensaios - Bienal Nestlé de Literatura Brasileira de Santanna; Nunes; Lucas; César; Barbosa; Merquior pela L R Editores (1983)
>>> Os Universos da Crítica: Paradigmas nos Estudos Literários de Eduardo Prado Coelho pela Edições 70 (1987)
>>> A Correspondência de Fradique Mendes (de Acordo Com a Primeira Edição) de Eça de Queiroz pela Livros do Brasil
>>> O Pêndulo de Foucault 6ª Edição (volume Único) de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> Tempos da Literatura Brasileira - Série Princípios 3ª Edição de Benjamin Abdala Junior; Samira Youssef Campedelli pela Ática (1990)
>>> You are a Bad Ass (manchas de Umidade) de Jen Sincero pela Running Press (2013)
>>> I Encontro de Professores de Literaturas Africanas de Língua Portugues de Pós-graduação Em Letras da Uff (anais) pela Uff (1991)
>>> Poesia Erótica e Satírica: a Orgia dos Duendes Elixir do Pajé de Bernardo Guimarães (organização de Duda Machado) pela Imago (1992)
>>> O País de Bissalanka - Poema - Colecção Vozes do Mundo de Costa Andrade pela Sá da Costa (1980)
>>> Novas Lições de Análise Sintática - Série Princípios 6ª Edição de Adriano da Gama Kury pela Ática (1993)
>>> Problemas de Linguística Descritiva 16ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Estrutura da Língua Portuguesa 26ª Edição de Joaquim Mattoso Camara Jr pela Vozes (1997)
>>> Oralidades & Escritas Nas Literaturas Africanas de Ana Mafalda Leite pela Colibri (1998)
>>> Autismo: Um Olhar Por Inteiro de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Refém do Medo de Suzana Lyra pela Literare Books (2021)
>>> O segredo da mentalidade judaica de Rabino Dor Leon Attar pela Literare Books (2021)
>>> Valida-te de Tatiane de Sá Manduca pela Literare Books (2021)
>>> A Mamãe coaching de Iara Mastine pela Literare Books (2018)
>>> Comunicação Assertiva de Varios Autores pela Literare Books (2021)
>>> Bíblia Sagrada Nova Versão Transformadora de Equipe Nvt pela Mundo Cristão (2016)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Segunda-feira, 26/12/2005
Lost
Marcelo Maroldi

+ de 12400 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A TV paga não é essa maravilha que alguns falam. Semana passada, num dia "parado", um amigo meu me disse eu poderia ir embora me divertir, afinal, eu tinha TV a cabo em casa! É aquela falsa sensação de que você ligará a televisão a qualquer hora do dia ou da noite e vai ter algo de bom em algum daqueles 50 canais. Olha, se você, leitor, for pensar bem, isto faz muito sentido; não é possível que em 50 opções nenhuma te interesse! Mas, infelizmente, preciso dizer: é possível sim! E acontece. Conhece aquela música do Bruce Springsteen "57 canais e nada passando" (57 Channels (And Nothin' On))? A minha grade eu guardo na cabeça, geralmente. Fora isto, mudar de canal procurando algo que não seja filme é tão difícil como achar uma boa idéia na cabeça do nosso presidente. Até dá para achar, mas eu não contaria com isto se fosse você...

Dentre os tipos de canais da TV a cabo, sabemos, os de maior sucesso são os que apresentam séries, geralmente engraçadinhas como Friends, ou de suspense e investigação. Há uma proliferação indiscriminada de séries de TV americanas similares e somente algumas (poucas) são boas, claro. Sinceramente, não sei como alguém pode acompanhar 6 ou 7 séries ao mesmo tempo. É quase sempre igual! Se você for esperto, consegue até antecipar algumas piadinhas que são ditas. E nem menciono o fato de que elas não são feitas para nós, estrangeiros. São séries americanas feitas para americanos. Mas nós assistimos e até alugamos ou compramos seus DVD's.

Este ano, porém, algumas séries não convencionais foram lançadas com bastante sucesso. São séries que não se encaixam no padrão estabelecido que nossa TV a cabo americanizada insiste em nos apresentar diariamente. Elas diferem das séries anteriores em aspectos básicos, por exemplo, como a total ausência de piadinhas, com mulheres que se tornam presidentes da maior nação desse mundo, com pessoas vivendo em uma ilha perdida, etc. Lost (canal AXN) é uma dessas séries. Uma das que vale a pena conferir. Ah, e já foi imitada.

O enredo é bem simples: um avião cai em uma ilha isolada e estranha (bem estranha!) e alguns passageiros (42, se não me engano) sobrevivem. Ninguém sabe onde é a ilha, o que aconteceu para o avião cair, como sairão de lá, por que a ajuda não chega rápido (nunca chega, na verdade), por que acontecem fatos estranhos. Uma seqüência de mistérios envolve a ilha e os personagens que lá estão. É isso, apenas, e já temos uma série de sucesso. Fácil assim.

Em primeiro lugar, os autores trataram de introduzir um grande número de fatos e eventos inexplicáveis na trama, teorias que beiram o conspiratório (para não dizer totalmente conspiratórios), muitos elementos míticos, alguns absurdos e muitas - muitas mesmo - perguntas sem resposta. Eu ficava pensando: como é que eles vão conseguir explicar isso sem "forçar a barra"? Acho até que não dá, eles vão ter que apelar! Nos EUA a série já está no meio da segunda temporada. Às vezes sinto vontade de procurar na internet para ler o que tem acontecido, que tipo de caminho vai seguir a trama, se vão recorrer a aspectos "superiores" ou se vão manter tudo no terreno do possível, da conspiração do Estado, da experiência militar, etc. Como ninguém sabe de fato do que se trata o enredo (nem mesmo os criadores), diversas explicações aparecem na Internet, vindas principalmente dos fãs que acompanham a série. A maioria das especulações são ruins e eu prefiro acreditar que tudo é teoria da conspiração, o que, aliás, faz sucesso sempre quando bem produzida.

A série é feita com o mesmo processo que se utiliza para fazerem nossas novelas no Brasil. Eles gravam apenas poucos episódios (1 ou 2, para Lost ) e vão verificando a resposta do público, as suas vontades, suas exigências e então direcionam a série para atender a maioria. Isto funcionou bem no começo. Mas, tudo é tão abstrato, tão pouco explicado, que os telespectadores começaram a reclamar (eu ameacei parar de ver!). Nada acontecia. Durante muito tempo, nada acontecia. Alguns episódios inteiros não serviram para nada, acredite! Pelo contrário, mais perguntas eram lançadas, mais o enredo criava tramas menores dentro da trama principal, mais se fechava a história, e nada era explicado. Os diretores, então, prometeram que, a partir do ano 2 da temporada, algumas perguntas iam ser respondidas. Espero que sim. Já está na hora de pararem de engordar o mistério e fazem as respostas surgirem.

Cada episódio corresponde a dois dias da vida dos sobreviventes. Nesses episódios, um dos personagens passa a ser o ator principal, digamos assim, e é a vida dele que terá mais um pedacinho revelado naquele dia. Geralmente, mostra-se quem ele é, o que fazia antes de estar ali e como entrou naquele avião (ah, não é ninguém "normal" como nós, amigo leitor, só tem gente com uma boa (e se for bizarra, melhor) história de vida. A Sol, de América, poderia estar lá tranqüilamente! O Lula também) Isto é uma jogada interessantíssima da série. Cada personagem tem uma história pessoal própria sendo desenvolvida, mas, pelo menos até agora, que não se relaciona com as dos demais personagens (embora eu acredite que o vínculo entre eles será mostrado ainda). A esperteza de fazer isto está no seguinte: eles podem dar mais ênfase aos personagens que o público gostar mais, podem fazer suas histórias crescerem, podem até desaparecer com os que menos agradarem o público, podem fazer as histórias paralelas ganharem força, se tornarem importantes, mudar o rumo das coisas se não estiver dando certo. Eles abasteceram o programa com muitos atrativos, podem escolher o que fazer com eles. A própria vida do personagem é concebida para atrair atenção. Todos, sem exceção, são estereótipos. O médico bonzinho que tinha o pai alcoólatra, o menino com poderes ocultos ainda não revelados, a moça bonita que era bandida, o paralítico que começa a andar quando cai na ilha, o iraquiano ex-militar, a mocinha fútil, e por aí vai. Cada telespectador tem o seu preferido, acredito. (Eu prefiro que todos sejam comidos pelo dinossauro que lá habita!, mas ficarei satisfeito se o urso polar (sic) os atropelar enquanto apanham moranguinhos para o filho paranormal da mocinha loira que namora o roqueiro drogado)

Por tudo isto, Lost tem feito o sucesso que o mundo todo já sabe. Embora às vezes possa te irritar, é uma série muito interessante. O ideal, penso, é vê-la em DVD, assim, você não precisa ficar pensando durante uma longa semana no que irá acontecer no próximo episódio e nem ficar com raiva porque nada aconteceu no recém assistido. Então, assiste-se ao episódio seguinte. A Globo já adquiriu os diretos de transmissão no Brasil, e diz que irá passar em breve, ainda nas férias. É uma boa sugestão, diferente das demais séries existentes.

Marcelo Maroldi
São Paulo, 26/12/2005



Quem leu este, também leu esse(s):
01. Dilma e o Big Mac de Daniel Bushatsky
02. No meio do caminho: 80 anos de Cristiane Carvalho
03. Contramão, de Henrique Schneider de Luis Eduardo Matta
04. Os desafios de publicar o primeiro livro de Luis Eduardo Matta
05. Nem tente evitar Philip Glass de Arcano9


Mais Marcelo Maroldi
Mais Acessadas de Marcelo Maroldi em 2005
01. Como escrever bem — parte 1 - 13/6/2005
02. Como escrever bem — parte 2 - 27/6/2005
03. Como escrever bem – parte 3 - 11/7/2005
04. A ousadia de mudar de profissão - 28/11/2005
05. O que é ser jornalista? - 22/8/2005


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
19/2/2006
00h20min
Eu acho que essa série Lost tenta imitar de alguma forma o sucesso folhetinesco das telenovelas da Globo. Claro, as novelas da Globo são terrivelmente chatas, vulgares, repetitivas. Lost não traz nada de novo. É o clichê da história de náufragos numa ilha perdida e misteriosa. Dizem que Lost vai para o segundo ano de exibição nos EUA. Desisti de Lost e seus flashbacks. Parece um samba do crioulo doido. Aconselho a todos a reverem o Pica-pau e os filmes do Boris Karloff. Pelo menos divertem.
[Leia outros Comentários de rogerio]
23/2/2006
00h43min
Lost é uma série incrível que dá um pontapé nas outras que estão por aí. É verdade q às vezes dá vontade de chutar a tv, pq o episódio não contribuiu com nada, mas que devoramos cada segundo com expectativa e vontade de saber o q vem a seguir ninguém em sã consciência pode negar...
[Leia outros Comentários de Pedro Reynaldo]
8/3/2006
10h27min
A serie Lost (USA) têm elementos distintos, bem distintos, das novelas em um ponto: é inteligente! As citações a clássicos da literatuta, como John Loch (autor da ILHA UTOPIA, olha que "coincidencia"), Tom Sawyer, de Mark Twain, entre outros... é realmente a melhor serie que assisti até o momento, lembra aquelas antigas: tunel do tempo etc., na verdade, é uma mistura de todas elas.
[Leia outros Comentários de Maviael]
12/1/2007
17h50min
A crítica dessa série depedente do que é realmente interessante para os que assistem. Quando começei assitir à primeira temporada na Globo, fiquei empolgado, mas quando completei uma semana não aguentei tanto mistério - e confesso que assistir na emissora acima não é um bom negócio... Acreditem! Assistir ao DVD é mais interessante do que ficar acompanhando por ela.
[Leia outros Comentários de Ruy Machado]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Crepúsculo dos ídolos Ou Como Se Filosofa Com o Martelo - 1ª Edição
Friedrich Nietzsche
Vozes
(2014)



Novos Contornos da Gestão Local:conceitos Em Construção
Francisco de Oliveira
Fgv
(2002)



Projeto Teláris - Matemática 8 Ano
Luiz Roberto Dante
Ática
(2015)



Os Lirios do Pantanal
Lamartine Moura Palhano
Lachatre
(2009)



A Violência no Brasil
Cecília Pires
Moderna
(1985)



As Ostras Estão Morrendo
Walmir Ayala
Leitura
(2007)



Avaliação Musculoesquelética Plt 613
David J Magee
Manole
(2010)



Cubatão as Cores da Vida
Maria Cecilia Furegato
Avisbrasilis
(2009)



Mídia Eletrônica - seu controle nos EUA e no Brasil
André Mendes de Almeida
Forense
(2006)



Guia de viagem florida michelin
michaelis tour
Melhoramentos
(2000)





busca | avançada
83024 visitas/dia
2,4 milhões/mês