E Éramos Todos Thunderbirds | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Poeta paulista lança “O que habita inabitáveis lugares” abordando as relações humanas durante a pand
>>> Biografias e Microrroteiros do Parque
>>> MONUMENTOS NA ARTE: O OBJETO ESCULTÓRICO E A CRISE ESTÉTICA DA REPRESENTAÇÃO
>>> Cia Triptal faz ensaios abertos para Pedreira das Almas, de Jorge Andrade
>>> Integridade Garantida, peça de Alberto Santoz sobre violência urbana, estreia no Cacilda Becker
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quando o virtual cai na real
>>> Um Amor Anarquista
>>> ego shots fazem bem à saúde
>>> Curso de Criação Literária
>>> O Sol é Para Todos
>>> Entrevista com Miguel Sanches Neto
>>> De volta às férias I
>>> Píramo e Tisbe
>>> A Última Ceia de Leonardo da Vinci
>>> O Desprezo de Alberto Moravia e Jean-Luc Godard
Mais Recentes
>>> Almas de lama e de aço de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> Civilização E Barbárie N'Os Sertões: Entre Domingo Faustino Sarmiento E Euclides Da Cunha de Miriam V Gárate pela Fapesp (2001)
>>> Herois E Bandidos - Os Cangaceiros Do Nordeste de Gustavo Barroso pela Abc (2012)
>>> O Cabeleira de Franklin Távora pela Abc (2021)
>>> Recados da Vida de Francisco Cândido Xavier - Autores Diversos pela Geem (1983)
>>> O Silêncio das Montanhas de Khaled Hosseini pela Globo Livros (2013)
>>> Novas Mensagens de Francisco Cândido Xavier pela Feb (1987)
>>> Bellini e o Demônio de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (1997)
>>> O Problema do Ser, do Destino e da Dor de Léon Denis pela Feb (1999)
>>> Energia Elétrica e Integração na América do Sul de Ligia Maria Martins Cabral pela Centro da Memória da Eletric (2004)
>>> Sylvio Pinto. 55 anos de pintura de José Maria Carneiro pela Rbm (1993)
>>> Jornal Nacional - Modo de Fazer de William Bonner pela Globo (2008)
>>> Design sem Fronteiras: a Relação Entre o Nomadismo e a Sustentabilidade de Lara Leite Barbosa pela Edusp (2012)
>>> Dicionário de sociologia: Guia prático da linguagem sociológica de Allan Johnson pela Jorge Zahar (1997)
>>> Quando fui outro de Fernando Pessoa pela Alfaguara (2006)
>>> Neve de Orhan Pamuk pela Companhia das Letras (2006)
>>> Português Alemão Português Vocabulário Básico de Curso de Idiomas Globo pela Globo (1991)
>>> Os espiões de Luis Fernando Verissimo pela Alfaguara (2009)
>>> Minidicionário Alemão Português Portugues Alemão de Erich Ronald Zwickau pela Edelbra
>>> Dicionário Inglês Português - Português Inglês de Liege Maria de Souza Marucci pela Bicho Esperto (2012)
>>> Morrer de Prazer de Ruy Castro pela Foz (2013)
>>> Ponto de Impacto de Dan Brown pela Sextante (2005)
>>> Par Ou Ímpar - Vivendo a Matemática de José Jakubovic pela Scipione (1992)
>>> The Brothers Karamazov de Fyodor Dostoyevsky pela University of Chicago (1989)
>>> Capítulos de História Colonial 1500-1800 de J. Capistrano de Abreu pela Publifolha (2000)
COLUNAS

Quarta-feira, 1/5/2002
E Éramos Todos Thunderbirds
Rennata Airoldi

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Em Arte, não há regras. Não há certo ou errado. Há maneiras e maneiras de comunicar algo e de se fazer entender. Falando especificamente sobre teatro e sobre o fazer teatral, é preciso que o espectador compreenda o universo abordado pela peça e as críticas que a compõe para que haja reflexão e para que a transformação em cada um - enfim, a catarse, seja através do riso, das lágrimas, da raiva, de qualquer sensação e ou emoção. Para tanto, acredito que não é preciso buscar assuntos e textos em universos e tempos distantes, mas sim no "aqui e agora". As coisas que estão ao nosso alcance e que fazem parte do nosso universo são raramente abordadas com propriedade. Às vezes, é muito mais difícil lidar com o concreto, com os problemas atuais, de maneira clara e explícita, do que com os "males" que perseguem a humanidade no decorrer das eras.

Há em São Paulo um grupo de teatro que sobrevive há vinte anos falando do "aqui e agora" de maneira formidável, atual e aparentemente descompromissada. Na verdade, a maneira descontraída do "Grupo Cemitério de Automóveis" falar das coisas é uma grande virtude. É também uma vitória ver um grupo de teatro que consegue produzir os próprios espetáculos há vinte anos! E o pior é que não são um ou dois espetáculos por ano; às vezes, são vários ao mesmo tempo.

Foi o que aconteceu em 2000, no Centro Cultural São Paulo, onde se realizou a "Mostra Cemitério de Automóveis", com catorze espetáculos, dos quais treze eram textos do diretor e fundador do grupo, Mário Bortolotto. Isso é o que eu chamo de ato de coragem! Desde então, me apaixonei pelos textos e por essa maneira aparentemente "fácil" que o grupo e sua linguagem estão presentes nos espetáculos. Peças que vão do escracho total, do irreverente, até a emoção tocante como "Nossa vida não vale um Chevrolet" - que rendeu, a Mário Bortolotto, o Prêmio Shell de Melhor autor. Tendo recebido, nesse mesmo ano, também o prêmio APCA de Melhor autor pelo Conjunto da Obra, em decorrência da mostra que reuniu mais de cinqüenta profissionais com um mesmo objetivo: dar vida a todo esse legado! Assim, passei a ficar mais atenta à trajetória desses sobreviventes da arte. Sou, declaradamente, cada vez mais fã desse autor. Digo isso com muito respeito a todos os profissionais envolvidos no grupo, que não "esperam acontecer", simplesmente "fazem"; fazem sempre e muito. Mesmo com todas as dificuldades que é a produção teatral em nosso País.

"E Éramos Todos Thunderbirds" é o último espetáculo desta companhia. Trata de nós mesmos, da MTV, das mudanças de valores de nossa juventude, das coisas boas que gostamos de lembrar, dos sonhos que não conquistamos, de gerações que não lutaram contra a ditadura, não estiveram numa guerra, mas que viram clipes de rock na MTV. Do saudosismo de uma época inocente de nossas vidas. Parece pouco, parece simples e até fácil. Não é, já que o grupo fala de tudo isso de uma forma excepcional. A peça é um retrato exato de uma geração, apontando criticamente "o hoje" e "o que está por vir". (Não pensem - os refratários a qualquer tipo de discurso intelectualizado - que esse "criticamente" é uma forma chata e moralista; muito pelo contrário.) Qualquer um que tenha mais que catorze anos, e que nunca se encantou com um espetáculo teatral, ficaria enlouquecido, no bom sentido, ao assistir a essa peça.

Com uma linguagem ágil, poucos aparatos tecnológicos, muita criatividade e - acima de tudo - uma unidade cênica extraordinária (que está desde o filme exibido no saguão do teatro até a saída cênica dos atores ao término do espetáculo), somos todos envolvidos, sem perceber, pela sua maneira original de fazer teatro. Os atores, com destaque para Fernanda D'Umbra de Lima (também produtora do espetáculo) e para o próprio Mário (que é ator também), têm uma maneira totalmente natural de lidar com o texto, lembrando o mais puro improviso e não algo pré- estabelecido (um texto, por exemplo). É como se as coisas acontecessem no aqui e agora; como se as idéias surgissem e os comentários decorrentes delas pulassem da boca dos atores. (Deu para entender a metáfora?) Quem ganha com isso é o espectador, que mal vê o tempo passar e fica com o gostinho de quero mais na boca...

A "tristeza" dessa história, contudo, é a mesma de outros carnavais... a falta de público (!). Muitos amigos, muitos convidados, muitos conhecidos... (De novo, volto a falar das mesmas coisas nesta coluna.) É preciso espaço para os grupos, é preciso incentivo, divulgação, apoios... Tenho certeza de que 99,9% dos jovens dessa cidade adoraria assistir a um espetáculo como este. Não que seja uma peça juvenil, muito pelo contrário, mas é que a linguagem desenvolvida por esse grupo é muito atual, e isso facilita a compreensão dos que não são freqüentadores de peças teatrais; permitindo, inclusive, que sejam cativados e que passem a ver o teatro como algo agradável, e não chato e incompreensível.

Mas não se aflijam! (Atenção todos os leitores, ainda há tempo de assistir a esse espetáculo que fica em cartaz até dia 5 de maio.) Um recado aos produtores teatrais, empresários, donos de teatros e espaços culturais, que por ventura venham a ler esta coluna: o grupo pretende fazer uma mostra com 20 espetáculos no próximo semestre. Para tanto, é preciso ajuda, incentivo, etc. Eles precisam basicamente de um espaço para se estabelecer, para ensaiar, montar as peças. Com certeza a segunda mostra fará tanto ou mais sucesso que a primeira. (Assim, aos meus leitores fica a dica: confiram "E Éramos todos Thunderbirds". Fiquem de olho na mostra que está por vir...) Aos que puderem contribuir com estrutura ou apoio ao grupo, não se omitam, entrem em contato com eles, conheçam o trabalho de vinte anos do "Grupo Cemitério de Automóveis".

Para ir além

"E Éramos Todos Thunderbirds"
Até dia 5 de maio de 2002
Teatro Cultura Inglesa, Vila Mariana (próximo ao metrô)
R. Madre Cabrini, 413 - Tel. 30390553
Sextas e Sábados às 21h - Domingo às 19h.

Grupo Cemitério de Automóveis


Rennata Airoldi
São Paulo, 1/5/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu malvado favorito de Renato Alessandro dos Santos
02. A pintura do caos, de Kate Manhães de Jardel Dias Cavalcanti
03. Memorial de Berlim de Marilia Mota Silva
04. Gerald Thomas: Cidadão do Mundo (parte IV) de Jardel Dias Cavalcanti
05. Sobre o Acordo Ortográfico de Ricardo de Mattos


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
26/5/2002
02h29min
Sem dúvida, você escreve muito bem e conseguiu dar um retrato perfeito não só da peça do Mario (que eu já tinha visto) com todas as tintas e particularidades das produções do Cemitério de Automóveis, como também aproveitou para colocar bem a questão da divulgação das peças "off broadway" brasileiras, que a "grande" mídia adora ignorar. Sua crítica vai ser adicionada aos meus sites favoritos. Bbeijos e continue na luta!
[Leia outros Comentários de Leo JazzOn]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Franchise Affair
Josephine Tey
Heinemann



Tenente, onde fica o alegrete?
Boaventura Martins Braga
Marbra
(2012)



Estudos de Pele
Floriano Martins
Lamparina
(2004)



A Epistemologia Genética (1970)
Jean Piaget
Abril Cultural
(1980)



Crises Monetárias
Paul Krugman
Pearson
(2001)



O Clube dos Sete
Marconi Leal
34
(2005)



Gerenciando Vendedores Pit Bulls
Luis Paulo Luppa
Landscape
(2005)



And the winner is... - Os bastidores do Oscar
Emanuel Levy
Trajetória
(1990)
+ frete grátis



Cal Ou Tinta - Qual Profissional Você Quer Ser?
Anderson Tonnera
Elsevier - Alta Books
(2014)



Índia Thiara - Romance Indígena
Lindberg Albuquerque Brito
Região
(2008)





busca | avançada
72073 visitas/dia
1,8 milhão/mês