Enfim: Mário Bortolotto! | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> A Vida é Sonho de Pedro Calderón De Lá Barca pela Scritta (1992)
>>> O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense (2009)
>>> Mercadão Municipal - O Mundo e seus Sabores de Vários Autores pela Map (2004)
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/9/2002
Enfim: Mário Bortolotto!
Rennata Airoldi
+ de 6400 Acessos

Porão do Centro Cultural São Paulo. Lugar bem provável... Ao fundo, uma mesa de Sinuca. Mário Bortolotto vs. Joeli Pimentel. (Amarelas vs. Vermelhas). Chego devagar, afinal de contas, longe de mim atrapalhar a concentração dos jogadores que disputam a milésima partida do campeonato de sinuca, que corre paralelo à Mostra de Teatro. Pergunto timidamente:

- E aí, Mário? Rola fazer a entrevista?

- Oh, claro! Chega aí.

(De qualquer forma, a partida continua!)

Mário, como é para você escrever um texto ou adaptar a partir de um original? Qual a diferença?

Eu acho que escrever é muito mais difícil porque você tem que criar tudo, inventar tudo. Agora, adaptar é um prazer, é muito fácil. A história tá pronta e é só transformar aquilo em teatro. E transformar em teatro é uma coisa muito fácil, não vejo nenhum problema nisso. Pra mim é muito gostoso adaptar, escrever já é mais "estação do inferno", complicado.

O que dá mais trabalho para adaptar? Que tipo de texto? Ter mais de um narrador? Ou não faz diferença?

Faz. O Marcelo Mirisola foi o que deu mais trabalho. Ele não tem uma escrita linear. Ele mesmo diz que "enredo é coisa de criança". Então quando não tem um enredo é muito mais difícil adaptar. "O Herói Devolvido" foi muito difícil. Os outros foram fáceis porque quando tem uma historinha fica fácil. (Vira para Joeli e diz:)

- Peraí, tô matando Joeli! (A interferência do jogo que segue enquanto conversamos.)

- Depois vai entrar na entrevista! (Ameaço com o gravador na mão!)

E depois de adaptar, qual a expectativa em relação ao autor da obra?


Toda a expectativa possível. É, eu faço em primeiro lugar para o autor gostar. Se ele não gostar não tem a menor graça! O público todo pode gostar e se o autor não gostar eu acho que errei. Aí eu me ferrei.

Seria uma responsabilidade em relação a obra original...


É. Eu não estou nem aí se o público está gostando ou não. O importante para mim é que o autor tenha gostado, isso é fundamental.

Das três adaptações: "Faroestes", "Tanto Faz" e "O Herói devolvido", qual você acha que conseguiu atingir melhor a essência da obra?

Pô, não sei, eu acho que cheguei bem perto em todas. Eu me sinto bastante satisfeito com o resultado de todas as adaptações e pelo que eu senti os autores gostaram muito também. Então eu me sinto satisfeito com todas, não tem uma preferida.

Você prefere adaptar uma obra mais próxima ou distante do seu estilo? Uma linguagem que você já utiliza ou um desafio?

Não eu não sou chegado a desafio não. Desafio é coisa para lutador... Só faço coisa que me dá prazer. Para eu adaptar tenho que gostar do escritor, do estilo, senão não adapto. Não vou perder meu tempo com uma coisa de que eu não gosto.

Qual autor ou obra que você gostaria muito de adaptar e ainda não fez?

Eu gostaria... Bukowski, fatalmente. Quadrinhos também. Tem um cara chamado Luiz Gustavo que faz tempo que eu quero adaptar. Tem bastante coisa.

(Chega mais um ator, Fábio Espósito, com um pacote de bolachas ou biscoitos, para os cariocas, e junta-se a nós.) Mário, como foi para você fazer esta Mostra? Faça um balanço...

Eu tô contente pra caramba com o resultado... Balanço? (pausa). Ah, não tem muito balanço. Estou satisfeito com o resultado. Os autores adaptados gostaram, eu gostei, os atores gostaram de fazer, o público parece que gostou de assistir com exceção de algumas senhoras... Então eu acho que o resultado, o balanço, é positivo.

O Cemitério de Automóveis conseguiu uma verba através da lei do Fomento ao Teatro, já que vocês estão procurando um espaço para montar a sede. O que se pode esperar daqui para frente? Novas produções? Alguma peça da mostra entra em cartaz?

Ah, a gente nada de acordo com a maré. Entendeu? Vamos ver o que pinta a partir daí. Se pinta um teatro legal, para levar determinada peça, a gente leva, se não, vamos fazer outra coisa. Eu não consigo fazer muito plano não. Tenho vontade de fazer um monte de coisa...

(Neste momento chega o Régis, o "mil e uma utilidades" da Mostra, com a notícia de que a cozinha do Bar Cultura, do qual somos assíduos freqüentadores, havia fechado. Assim, o Mário ficou sem o seu marmitex.)

- E caramba... E sanduíche tem?

- Tem.

- Ah, faz um churrasco com queijo então...

- Tem o Limoeiro... (bar concorrente)

- Então leva um dinheiro lá e compra pra mim no Limoeiro.

(Eu e Fábio ficamos rindo pois o gravador continua ligado. Aí faço um comentário:)

- Essa é a melhor parte da entrevista!

Agora, eu queria aquele célebre pensamento final, saber qual a sua relação com os adaptados, com os autores...

Não tenho nenhuma relação com eles não, bicho! (risos)

Em relação a obra deles! (Todos riem e fazem comentários diversos)

Fala vai, a gente que avacalhou!

O que chamou a sua atenção na obra deles para que você tivesse vontade de adaptar?

Uma coisa, assim, não é uma coisa só, entendeu? Você pega um livro, lê e gosta, fica com vontade de adaptar. Não tem uma coisa só na literatura deles que eu gosto. Eu gosto da literatura deles. Gostaria de fazer muito mais coisa. O Marçal Aquino por exemplo, é um cara que dá pra fazer mais umas vinte peças. É bem difícil falar numa coisa só.

Tem mais alguma coisa que você queira falar sobre a mostra, adaptação?

Nada. Eu estou satisfeito. Espero que os atores tenham gostado de fazer, isso é o que mais me interessa. Que os autores tenham gostado da experiência de ver suas obras adaptadas e que os atores tenham se divertido. Para mim isso basta, o resto que se dane.

A Mostra foi um grande sucesso. Vocês estarão em breve com um espaço, a partir daí, como será a produção? Tudo continua igual?

(Alguém tenha furar sua vez no jogo...)

- Oh, espera aí! Deixa eu terminar de responder aqui, olha a falta de respeito com a jornalista!

- Ela tá registrando tudo! (risos)

Então, muda a maneira de produção?

Não, tudo é a mesma coisa. Não muda nada não. Aliás eu tô a fim de dar um tempo, sumir um pouco, acho que estão me entrevistando muito, falando muito de mim. Eu quero desaparecer um pouco, entende? Se eu pudesse ficar uns seis meses sem fazer nada, eu ficava... sumido. É que não dá porque eu vivo disso. Eu queria ficar um tempo fora, dar uma sumida. Tô meio de saco cheio.

É isso, segue o jogo. Conversas à toa. Pergunto à todos: Algo mais?

- É isso, quer dizer, se ele disse, deve ser isso - diz João Fábio, outro ator do grupo.

E quanto está o jogo?

- Eu ganhei, claro!

- Não, ainda não ganhou, está ganhando. (Retruca Joeli. Risos finais.)

E assim, termino a prometida série de entrevistas. Devo dizer que o Mário Bortolotto adaptou ainda "Dentes Guardados", de Daniel Galera, e "Ovelhas que voam e se perdem no céu", de Daniel Pellizzari, que também estão em cartaz na Mostra. Apesar de não tê-los entrevistado, são obras igualmente ricas e cujas adaptações foram muito elogiadas durante a temporada. É, estamos chegando ao fim. São só mais alguns dias... Quem não assistiu a nenhuma peça da "II Mostra de Teatro 'Cemitério de Automóveis'" - o que é uma vergonha! - tem até Domingo, ainda há tempo.

Para saber a programação destes últimos dias, acesse o site www.cemiteriodeautomoveis.hpg.ig.com.br


Rennata Airoldi
São Paulo, 25/9/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Houston, we have a problem de Renato Alessandro dos Santos
02. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro
03. 'Noé' e 'Êxodo': Bíblia, Especismo e Terrorismo de Duanne Ribeiro
04. Uma noite de julho de Celso A. Uequed Pitol
05. O chamado de Cthulhu de Gian Danton


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Saudosismo - 10/7/2002
02. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002
05. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Pedro Almodovar E A Feminilidade
Ana Lucilia Rodrigues
Escuta
(2008)



Livro Religião Cumes e Planícies Os Amigos de Jesus Volume III
Josefa Rosalia Luque Alvarez
Pensamento
(2000)



Livro Ensino de Idiomas Great Expectations
Charles Dickens
Macmillan Readers
(2005)



Livro Infanto Juvenis Eu, Super
Eric Peleias
Edição do Autor
(2014)



O Segredo de Chimneys
Agatha Christie
Círculo do Livro



La Crisis de La Educacion Occidental
Christopher Dawson
Emecé
(1963)



Eu Alberto Cacciola Confesso: o Escândalo do Banco Marka
Alberto Caciola
Record
(2001)



The Darkness Collected Editions
Garth Ennis / Marc Silvestri / Outros
Top Cow
(1997)



Os Anjos e a Sincronia Cósmica - Rituais dos Signos
Lucy Costa
Berkana
(1997)



O Que é Uma Mulher?
A.L. Thomas Diderot
Nova Fronteira
(1991)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês