O tipo que faz promessa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Centro em Concerto - Palestras
>>> Crônicas do Não Tempo – lançamento de livro sobre jovem que vê o passado ao tocar nos objetos
>>> 10º FRAPA divulga primeiras atrações
>>> Concerto cênico Realejo de vida e morte, de Jocy de Oliveira, estreia no teatro do Sesc Pompeia
>>> Seminário Trajetórias do Ambientalismo Brasileiro, parceria entre Sesc e Unifesp, no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
Colunistas
Últimos Posts
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
Últimos Posts
>>> Melhores filme da semana em Cartaz no Cinema
>>> Casa ou Hotel: Entenda qual a melhor opção
>>> A lantejoula
>>> Armas da Primeira Guerra Mundial.
>>> Você está em um loop e não pode escapar
>>> O Apocalipse segundo Seu Tião
>>> A vida depende do ambiente, o ambiente depende de
>>> Para não dizer que eu não disse
>>> Espírito criança
>>> Poeta é aquele que cala
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
>>> VOCÊS
>>> As sombras e os muros de José J. Veiga
>>> Entrevista com o poeta Júlio Castañon Guimarães
>>> 30 de Junho #digestivo10anos
>>> Quem Resenha as Resenhas de Som?
>>> Um Lobo nada bobo
>>> MUQUIFU
>>> De re coquinaria
>>> Mas, afinal, qual o futuro da TV?
Mais Recentes
>>> Clássicos da Literatura Juvenil 39 - Winnetou de Karl May pela Abril Cultural (1973)
>>> A Arte: Conversas Imaginárias Com Minha Mãe de Juanjo Saez pela Wmf Martins Fontes (2021)
>>> Colapso Ecológico de José Carlos Só pela Ferrari (2010)
>>> Palavras Essenciais - Paulo Coelho de Paulo Coelho pela V&r (1999)
>>> Tudo o Que Você Nunca Quis Saber Sobre Yôga de Mestre de Rose pela Uniyoga (1997)
>>> Vitalidade - Coleção Viva Ioga de Publifolha pela Publifolha (2002)
>>> Recados do Outro Mundo de Maria Amélia pela Culturesp (1981)
>>> Marguerite Yourcenar - a Invenção de uma Vida de Josyane Savigneau pela Nova Fronteira
>>> As Mil e uma noites 34 de Victor Civita pela Abril Cultural (1973)
>>> Você S. A. - Como Administrar Sua Carreira Como Se Fosse um Negócio de Ricardo de Almeida Prado Xavier pela Ed. Sts (1997)
>>> Chefe: Todo Mundo Tem de Maria Cristina Von Atzingen pela Bertrand (1998)
>>> Sociologia e Sociedade Leituras de Introdução a Sociedade de Marialice Mencarini Foracchi e José de Souza pela Ltc
>>> Economía de Empresa de Paul G. Keat; Philip K. Y. Young pela Pearson (2004)
>>> Strange Angels: o Resgate Livro 1 de Lili St Crow pela Novo Seculo (2010)
>>> More True Tales & Short Stories de Diana F. pela Independente
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Melhoramentos (2012)
>>> O Capitão Fracasso Clássicos da Literatura Juvenil 49 de Théophile Gautier / Tradução e Adaptação de Myriam pela Abril Cultural (1973)
>>> Quebrando os Limites- Como Superar Desafios na Vida de Carol Barcellos pela Planeta (2016)
>>> Domando Sua Ferinha de Christopher Green pela Fundamento (2004)
>>> Guia Politicamente Incorreto da História do Brasil de Leandro Narloch pela Leya Casa da Palavra (2009)
>>> Dez Mulheres de Miguel Reale Jr. pela Best Seller (2004)
>>> Runners Guide to Yoga, The de Sage Rountree pela Taunton Press (2012)
>>> Fagundes Varela Poesia - Nossos Clássicos de Edgard Cavalheiro pela Agir (1975)
>>> Quién se há llevado mi queso? de Spencer Johnson M.D pela Empresa activa (2008)
>>> Cariologia de Celso Luiz de Angelis e outros pela Artes Medicas (2008)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/1/2013
O tipo que faz promessa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3900 Acessos

Vai dando o fim do semestre e a inquietação toma conta. É geral. É vontade de arrumar a casa, os quartos, os armários, a despensa, a sapateira, embaixo das pias dos banheiros, as prateleiras, as estantes inteiras, os nichos de bibelôs e, principalmente, a minha cabeça. Mas esta não se arruma, não se ajeita. Não se aproveita.

Vontades caladas o ano inteiro põem as manguinhas de fora. Aquela viagem que não rolou se vinga. Aquela promessa não cumprida se levanta. Aquele beijo perdido se adianta. Todas as pessoas não procuradas aparecem na imensa lista de faltas graves. É assim que as coisas não andam. Mas o ano vai virar (digo, a folhinha do calendário) e o tempo não é postiço. Vai que ele não passa só pra mim? Era preciso fazer as coisas pensadas e impensadas.

Mas sou do tipo que jura andar mais arrumadinha no próximo ano, mas não consigo. Compro não sei quantas camisas ajeitadas e uns tantos vestidos de mocinha, mas eles ficam no armário. Adoro usar roupa velha, alegando estilo e conforto, e deixo as novas envelhecendo no armário. Quanta peça já perdi antes de usar, porque engordei ou porque o gosto mudou. Dei roupa pros outros até com etiqueta e preço pendurados. Vizinhança adora. A moda agora é recuperar parte da grana no bazar das amigas. Mas e o tempo?

Sou do tipo que jura que vai andar de cabelinho solto em janeiro, mas o mês passa e as desculpas vencem a parada. O cabelo atrapalha; os fios enojam; os olhos ardem; a boca atrai; a cabelada cai. Acaba que o ano passa e os cabelos ficaram escondidos. Ninguém reparou.

Não sou do tipo que jura dieta ou não comer chocolate. Vê se sou besta? Essas são as coisas que sei que não têm cura. Prometo aquelas que, talvez, quem sabe, me anime a cumprir. Mas cadê o desejo? Está nos livros, nos discos e nos relógios de pulso. Mas roupinha fina que é bom não anda comigo.

Não estreio nada. Gostava sempre quando essa palavra saía da boca da minha mãe. É uma dessas palavras-memória que deixam a infância relevante. Minha mãe dizia "vai estrear a sandália", "vai estrear a jaqueta" e qualquer outro item, mas minha personalidade é de guardar. Um dó de usar coisa nova que me fazia não querer desgastá-las. E assim ia a vida sendo guardada em armários fechados.

Vai virando o ano e me dá sanha de ajeitar o escritório. É o espaço onde mais fico, em que mais me enterro, afogo e ressuscito. Minha cabeça borbulhante faz festa nesse lugar. Ninguém entra, ninguém sai sem ser revistado. E me dá uma vontade de reorganizar as obras todas nas estantes, classificando-as de um jeito que só eu saiba resolver. Dá angústia para rever todos os papéis. Reordená-los em caixas bonitas compradas só pra isso: guardar papéis que juro que vou reusar, mas nunca vou.

Há décadas guardo recortes de jornais e revistas. Que sentido isso tem, hoje? Em tempos de web, meus recortes virtuais somem nos discos rígidos. Não gastam espaço na sala, diante dos meus olhos, e por isso são esquecidos mais cedo e mais irreversivelmente.

Vai virando o ano e me dá vontade de reapreciar as coisas. Queria mesmo era sentar num chão frio e curtir, que nem cachorro com calor. Só que não dá tempo. Vai tendo festa e confraternização e reunião e eu nunca olho ao redor. Vou ao churrasco da empresa com o jeans velho que me cai bem. A calça nova é pra ocasião melhor. E não há. Então a calça nova fica pra próxima. Do jeito que vou engordando, provavelmente a perderei. Vá lá.

Sou do tipo que faz pouco compromisso comigo mesma. Os poucos que há são grandes, enormes, pesam bastante e mantêm o alinhamento o ano inteiro. Vai virando o ano e levo sustos. Oh, até que fiz bastante, cumpri aqui e ali, coisa fina. Vamos lá. Agora é ver de novo as roupinhas pro ano que vem, nem que seja pra elas servirem de parâmetro pra manutenção do shape.

Quantos livros eu comprei? Nem sei. Quantos eu li? Só os incontornáveis. Os outros estão que nem as roupas, lá na prateleira, esperando a poeira assentar. Vai que dá? Quantos anéis? Muitos mais que os dedos. Preciso me lembrar é de exibi-los. E quanta perfumaria. Tudo aqui é só excesso. Queria mesmo era esbanjar saúde e ter menos atropelo. O que mais me desgastou, no entanto, disparado, foi a falta de aconchego. Sai pra trabalhar, todo dia, numa cidade-morte pra ver que cansaço dá. Dizem pra eu comprar uma bike, mas preciso, antes, de um espaço pra guardá-la, que é o que mais vou precisar. Não é uma pena? E o tempo? Está lá, e não nos relógios. Onde ele se escondeu este tempo todo? Vamos chamar os bombeiros? Quem o pode procurar? Arrisco que o tempo está escondido atrás dos meus cabelos. Pela forma revolta como os fios brancos me crescem, só pode ser ali que o tempo empina as patas. E mesmo assim fico doida pra comemorar. Quero espumante na virada do ano, de preferência pra dividir com quem me fez dois cafunés nos momentos de enfado. Quero também uma fatia de doce pra dedicar à pessoa mais querida. Entre amigos e parentes salvaram-se todos. Vai virando o ano e percebo poucas baixas.

Aquela história da cor da calcinha não faz sentido. Amarela, vermelha, rosa ou branca. Vamos logo na furta-cor, que é pra garantir abundância. E o tempo? Só ele vai saindo de fininho, fingindo que encheu a bacia. Pra uns, vazia; pra outros, deixa o ano virar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 4/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Breve resenha sobre um livro hediondo de Cassionei Niches Petry


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Amor de Verão
álvaro Cardoso Gomes
Moderna
(2003)



Os Caminhos do Coração
Richard Carlson
Sextante
(2000)



Para Gostar de Ler Vol. 10 Contos
A. Azevedo
Ática
(1999)



Correção Monetária do Balanço
Roque Jacintho
Resenha Tributária



Naná
Émile Zolá
Ediouro



Fausto (completo)
Johann Wolfgang V. Goethe Trd. Agostinho Dornellas
Acta Universitatis Conimbrigen
(1953)



Wittgenstein
Os Pensadores
Nova Cultural



Onde Dois Oceanos Se Encontram
James G. Cowan
Gente
(1995)



O Desafio da Educação - a Qualidade Total
Kátia Issa Drugg e Dayse Domene Ortiz
Makron Books
(1994)



Por um Novo Conceito de Literatura Brasileira
Affonso Romano de Santanna
Eldorado
(1977)





busca | avançada
56138 visitas/dia
1,8 milhão/mês