O tipo que faz promessa | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sobre o Jabá
>>> Crise da Democracia
>>> Bill Gates e o Internet Explorer
>>> LEM na TV Cronópios
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Poesia para jovens
>>> São Paulo, que dá nome à nossa cidade
>>> Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3)
>>> Um estranho incidente literário
>>> Na Cama Com Tarantino
Mais Recentes
>>> O Grumete: romance do Brasil colonial do século XVIII de Luiz Carlos Carneiro pela Lake (2003)
>>> A terceira mulher Permanência e revolução do feminino de Gilles Lipovetsky pela Companhia das letras (2000)
>>> Os Limites da Paixão de Norma Jorge Moreira pela Dpl (2005)
>>> Vivendo uma História de Amor de Humberto C. Pazian pela Letras & Textos (2000)
>>> Elos Sem Fim de Deborah Cristina e Mello de Jesus (Espírito) pela Minas (2001)
>>> A eleição da criançada de Pedro Bandeira pela Melhoramentos (2006)
>>> Violência de Gênero e Políticas Públicas de Suely Souza de Almeida (Org.) pela Ufrj (2007)
>>> Ana levada da breca de Maria de Lourdes Krieger pela Moderna (2002)
>>> Psicanálise da criança de Melanie Klein pela Mestre Jou (1969)
>>> O Cipreste no Jardim de Osho pela Cultrix (1997)
>>> Los Hermanos Rico de Georges Simenon pela Punto de Lectura (2005)
>>> Não conte a ninguém de Harlan Coben pela Arqueiro (2009)
>>> Uma dobra no tempo de Madeleine L'Engle pela Harper Collins (2017)
>>> Diários de Berlim de Marie Vassiltchikov pela Boitempo (2015)
>>> Fidel Castro. Biografia a Duas Vozes de Ignácio Ramonet pela Boitempo (2016)
>>> Globalização, Dependência e Neoliberalismo na América Latina de Carlos Eduardo Martins pela Boitempo (2011)
>>> Paris, Capital da Modernidade de David Harvey pela Boitempo (2015)
>>> Geriatria Moderna Para Leigos - Série Viver A Vida de Newron Luiz Terra e Colaboradores pela Leitura XXI (2007)
>>> O Ano I da Revolução Russa de Victor Serge pela Boitempo (2007)
>>> Práticas Psicogerontológicas Nos Cuidados De Idosos de Eliana Novaes Procópio pela Juruá (2012)
>>> O Envelhecimento de Luiz Eugênio Garcez Leme pela Contexto (1998)
>>> A Ilíada (Em Verso) de Homero pela Ediouro
>>> Psicogerontologia Fundamentos e Práticas de Diana Silvina Singer e Colaboradores pela Juruá (2009)
>>> A Montanha que Devemos Conquistar de István Mészáros pela Boitempo (2015)
>>> Desenvolvimento e Envelhecimento: Perspectivas biológicas, psicológicas e sociológicas de Anita Liberalesso (org.) pela Papirus (2012)
>>> A Ilíada (Forma Narrativa) de Homero pela Ediouro
>>> Poder e Desaparecimento de Pilar Calveiro pela Boitempo (2019)
>>> Eneida de Virgílio pela Ediouro
>>> As Ilusões Perdidas de Honoré de Balzac pela Abril Cultural (1978)
>>> A Aldeia Ancestral de Pearl S. Buck pela Gráfica Brasileira (1950)
>>> Trabalho e Dialética - Hegel, Marx e a Teoria Social do Devir de Jesus Ranieri pela Boitempo (2011)
>>> Crime e Castigo - 2 volumes de Dostoiévski pela Abril Cultural (1979)
>>> O Conhecimento do Cotidiano As Representações Sociais Na Perspectiva Da Psicologia Social de Mary Jane Spink (org) pela Brasiliense (1995)
>>> Lutas de Classes na Alemanha de karl marx e Friedrich Engels pela Boitempo (2010)
>>> O Conhecimento Confiável: Uma Exploração Dos Fundamentos Para a Crença na Ciência de John Ziman pela Papirus (1996)
>>> O Paradoxo da Moral de Vladimir Jankelevitch pela Papirus (1994)
>>> Uma Mensagem Profética Para Sua Vida de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> Educação não é privilégio de Anísio Teixeira pela Ufrj (2007)
>>> Germinal de Émile Zola pela Abril Cultural (1979)
>>> Soledad no Recife de Urariano Mota pela Boitempo (2009)
>>> Quando A Nossa Fé É Provada de Silas Malafaia pela Central Gospel (2011)
>>> As Aventuras do Sr. Pickwick de Charles Dickens pela Abril Cultural (1979)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril Cultural (1979)
>>> Dom Quixote de La Mancha de Cervantes pela Abril Cultural (1978)
>>> Aborto Perda e Renovação: Um Paradoxo Na Procura da Identidade Feminina de Eva Pattis pela Paulus (2000)
>>> Ana Karênina - 2 volumes de Tolstói pela Abril Cultural (1979)
>>> Sonhos A Essência Orientando A Existência de Djalma Argolo pela Amar (2012)
>>> A Sabedoria dos Sonhos Para Desvendar O Inconsciente Feminino de Karen A. Signell pela Ágora (1998)
>>> Vivências da Maternidade e Suas Consequências Para o Desenvolvimento Psicológico do Filho de Eliana Marcello de Felice pela Vetor (2006)
>>> Os Sentidos Do Sintoma Psicanálise E Gastroenterologia de Paulo Roberto de Sousa pela Papirus (1993)
COLUNAS

Sexta-feira, 4/1/2013
O tipo que faz promessa
Ana Elisa Ribeiro

+ de 3300 Acessos

Vai dando o fim do semestre e a inquietação toma conta. É geral. É vontade de arrumar a casa, os quartos, os armários, a despensa, a sapateira, embaixo das pias dos banheiros, as prateleiras, as estantes inteiras, os nichos de bibelôs e, principalmente, a minha cabeça. Mas esta não se arruma, não se ajeita. Não se aproveita.

Vontades caladas o ano inteiro põem as manguinhas de fora. Aquela viagem que não rolou se vinga. Aquela promessa não cumprida se levanta. Aquele beijo perdido se adianta. Todas as pessoas não procuradas aparecem na imensa lista de faltas graves. É assim que as coisas não andam. Mas o ano vai virar (digo, a folhinha do calendário) e o tempo não é postiço. Vai que ele não passa só pra mim? Era preciso fazer as coisas pensadas e impensadas.

Mas sou do tipo que jura andar mais arrumadinha no próximo ano, mas não consigo. Compro não sei quantas camisas ajeitadas e uns tantos vestidos de mocinha, mas eles ficam no armário. Adoro usar roupa velha, alegando estilo e conforto, e deixo as novas envelhecendo no armário. Quanta peça já perdi antes de usar, porque engordei ou porque o gosto mudou. Dei roupa pros outros até com etiqueta e preço pendurados. Vizinhança adora. A moda agora é recuperar parte da grana no bazar das amigas. Mas e o tempo?

Sou do tipo que jura que vai andar de cabelinho solto em janeiro, mas o mês passa e as desculpas vencem a parada. O cabelo atrapalha; os fios enojam; os olhos ardem; a boca atrai; a cabelada cai. Acaba que o ano passa e os cabelos ficaram escondidos. Ninguém reparou.

Não sou do tipo que jura dieta ou não comer chocolate. Vê se sou besta? Essas são as coisas que sei que não têm cura. Prometo aquelas que, talvez, quem sabe, me anime a cumprir. Mas cadê o desejo? Está nos livros, nos discos e nos relógios de pulso. Mas roupinha fina que é bom não anda comigo.

Não estreio nada. Gostava sempre quando essa palavra saía da boca da minha mãe. É uma dessas palavras-memória que deixam a infância relevante. Minha mãe dizia "vai estrear a sandália", "vai estrear a jaqueta" e qualquer outro item, mas minha personalidade é de guardar. Um dó de usar coisa nova que me fazia não querer desgastá-las. E assim ia a vida sendo guardada em armários fechados.

Vai virando o ano e me dá sanha de ajeitar o escritório. É o espaço onde mais fico, em que mais me enterro, afogo e ressuscito. Minha cabeça borbulhante faz festa nesse lugar. Ninguém entra, ninguém sai sem ser revistado. E me dá uma vontade de reorganizar as obras todas nas estantes, classificando-as de um jeito que só eu saiba resolver. Dá angústia para rever todos os papéis. Reordená-los em caixas bonitas compradas só pra isso: guardar papéis que juro que vou reusar, mas nunca vou.

Há décadas guardo recortes de jornais e revistas. Que sentido isso tem, hoje? Em tempos de web, meus recortes virtuais somem nos discos rígidos. Não gastam espaço na sala, diante dos meus olhos, e por isso são esquecidos mais cedo e mais irreversivelmente.

Vai virando o ano e me dá vontade de reapreciar as coisas. Queria mesmo era sentar num chão frio e curtir, que nem cachorro com calor. Só que não dá tempo. Vai tendo festa e confraternização e reunião e eu nunca olho ao redor. Vou ao churrasco da empresa com o jeans velho que me cai bem. A calça nova é pra ocasião melhor. E não há. Então a calça nova fica pra próxima. Do jeito que vou engordando, provavelmente a perderei. Vá lá.

Sou do tipo que faz pouco compromisso comigo mesma. Os poucos que há são grandes, enormes, pesam bastante e mantêm o alinhamento o ano inteiro. Vai virando o ano e levo sustos. Oh, até que fiz bastante, cumpri aqui e ali, coisa fina. Vamos lá. Agora é ver de novo as roupinhas pro ano que vem, nem que seja pra elas servirem de parâmetro pra manutenção do shape.

Quantos livros eu comprei? Nem sei. Quantos eu li? Só os incontornáveis. Os outros estão que nem as roupas, lá na prateleira, esperando a poeira assentar. Vai que dá? Quantos anéis? Muitos mais que os dedos. Preciso me lembrar é de exibi-los. E quanta perfumaria. Tudo aqui é só excesso. Queria mesmo era esbanjar saúde e ter menos atropelo. O que mais me desgastou, no entanto, disparado, foi a falta de aconchego. Sai pra trabalhar, todo dia, numa cidade-morte pra ver que cansaço dá. Dizem pra eu comprar uma bike, mas preciso, antes, de um espaço pra guardá-la, que é o que mais vou precisar. Não é uma pena? E o tempo? Está lá, e não nos relógios. Onde ele se escondeu este tempo todo? Vamos chamar os bombeiros? Quem o pode procurar? Arrisco que o tempo está escondido atrás dos meus cabelos. Pela forma revolta como os fios brancos me crescem, só pode ser ali que o tempo empina as patas. E mesmo assim fico doida pra comemorar. Quero espumante na virada do ano, de preferência pra dividir com quem me fez dois cafunés nos momentos de enfado. Quero também uma fatia de doce pra dedicar à pessoa mais querida. Entre amigos e parentes salvaram-se todos. Vai virando o ano e percebo poucas baixas.

Aquela história da cor da calcinha não faz sentido. Amarela, vermelha, rosa ou branca. Vamos logo na furta-cor, que é pra garantir abundância. E o tempo? Só ele vai saindo de fininho, fingindo que encheu a bacia. Pra uns, vazia; pra outros, deixa o ano virar.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 4/1/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A Copa, o Mundo, é das mulheres de Luís Fernando Amâncio
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. Minimundos, exposição de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
04. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos
05. Sebastião Rodrigues Maia, ou Maia, Tim Maia de Renato Alessandro dos Santos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A PSICANÁLISE ENTRE DOIS NARCISOS; NARCISO, ÉDIPO E O OUTRO
TEMPO PSICANALÍTICO, Nº 1 E 2, VOL 7 DE 1984
SOC PSICANÁLISE IRACY DOYLE
(1984)
R$ 15,28



CANÇÃO DO MAR
PAT CONROY
CIRCULO DO LIVRO
(1995)
R$ 29,90
+ frete grátis



LIVRO DE VISITAS
MÁRCIO TÁVORA
BRAZILBIZZ
(2014)
R$ 16,51



RETIRO COM PE. SLAVKO NO BRASIL
PE. SLAVKO
LOYOLA
(1989)
R$ 30,00



A MORTE DO PLANETA (PENTALOGIA #4)
J. W. ROCHESTER; WERA KRIJANOWSKAIA
BOA NOVA / LUMEN
(1997)
R$ 15,00



MEU DOMINGO COM CRISTO B-3
PE JOSÉ GERALDO RODRIGUES
SANTUÁRIO
(1986)
R$ 5,00



ARQUIVOS DO NORTE
MARGUERITE YOURCENAR
NOVA FRONTEIRA
(1986)
R$ 20,00
+ frete grátis



DO-IN (LIVRO COMPLETO)
MARGO GEESDORF
RIGEL
(1973)
R$ 15,00



A LUA DE YAKUZA: SURPREENDENTES REVELAÇÕES DA FILHA DE UM GÂNGSTER
SHOKO TENDO
ESCALA
(2010)
R$ 12,00



DOM JOÃO VI NO BRASIL 1808-1821 SEGUNDO VOLUME
OLIVEIRA LIMA
JOSÉ OLYMPIO
(1945)
R$ 377,06





busca | avançada
54626 visitas/dia
1,3 milhão/mês