No Caminho Certo... e sem eletrochoques | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/6/2001
No Caminho Certo... e sem eletrochoques
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3800 Acessos

O melhor filme nacional desde a retomada, em meados da década de noventa. Foi assim que o crítico Luiz Carlos Merten, de O Estado de São Paulo, classificou Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. Exagero, foi o que pensou este articulista. Exagero, foi o que constatou ele depois da sessão. Bicho de Sete Cabeças é um bom filme, mas está longe de ser qualquer coisa parecida com cinema de primeira linha.

Não digo isso para desestimular o espectador que por acaso se interesse em assisitr a Bicho de Sete Cabeças. Pelo contrário, o filme deve ser visto e pensado, tanto no que se propõe estéticamente, quanto no que se propõe em seu discurso libertário e acusatório. Só que Bicho de Sete Cabeças não é nosso candidato à Copa do Mundo do cinema, como querem muitos.

O filme conta a história de Neto, um menino de classe média baixa, envolvido com drogas. Maconha, para ser mais exato. E aqui o filme pretende sofismar a respeito do vício ou não da maconha. Neto fuma seu baseado e o pai, quando fica sabendo disso - e também porque a relação entre os dois não era das melhores -, resolve interná-lo num hospital psiquiátrico. Ou melhor, hospício.

Até o internamento de Neto no hospício, o filme demora a engrenar. O personagem de Rodrigo Santoro enche o saco da platéia com aquele comportamento típico (ou seria estereotipado?) dos adolescentes. Gritos com os pais, rebeldia, rock'n'roll, etc. Isso cria, de cara, certa antipatia com o personagem. Penso que, para quem não sabe que o filme é baseado em fatos reais (informação que só nos é dada nos créditos finais), a internação de Neto, como personagem e não como persona, é até justificável.

A partir do momento em que Neto entra no hospício é que o filme deslancha mesmo e ganha proporções de filme maior. A diretora Laís Bodanzky não poupa, a esta altura, virtuosismos lingüísticos para conduzir o espectador ao sofrimento intra-craniano de Neto. Ajuda muito, nesta espécie de eletrochoque cinematográfico, a música de Arnaldo Antunes. Vale aqui o aviso: pessoas que sofram de algum distúrbio devem evitar Bicho de Sete Cabeças, sob o risco de terem convulsões quando os versos (o termo não é exato) de Arnaldo Antunes começarem a entoar (ecoar? Relinchar?) na tela.

Laís Bodanzky, apesar de ser estreante em longas-metragens, mostra neste Bicho de Sete Cabeças a que veio. Seu filme tem, realmente, força. A câmera, sob sua batuta, é leve e controlada com perfeição. É ela, a diretora e não a câmera, quem dita as regras. E a regra geral em Bicho de Sete Cabeças é não haver regras. Como é cada vez mais comum em se tratando de uma estética pretensamente pós-moderna, Bodanzky mistura de tudo um pouco: narrativa tradicional, imagens distorcidas por computador, imagens rápidas, imagens lentas, imagens para cima, imagens para baixo, closes, panorâmicas, tomadas simétricas, tomadas aparentemente despropositadas, centradas num objeto neutro. Bicho de Sete Cabeças é, por assim dizer, um longa experimental, mas feito por alguém que sabe que tem uma responsabilidade com o espectador.

Descobriu-se, afinal, que cinema é capitalismo?

O ponto fraco do filme fica por conta, mais uma vez, do roteiro. Esta é a parte literária do filme - que deixa muito a desejar. Na primeira parte, Neto é um adolescente chato, com diálogos incrivelmente vazios, tirados, ao que parece, de uma campanha recente do Ministério da Saúde contra o uso de drogas. O pai está sempre de dentes cerrados, como se à beira de um ataque de nervos. Talvez porque seja santista e, àquela altura, o time de seu coração não esteja em melhores condições... A mãe é catatônica, calada, covarde mesmo diante da situação do filho. E a irmã, a irmã é uma perfeita idiota que, no hospício, alienada diante dos problemas do irmão, fica dizendo que o jardim é lindo, que dá uma paz... Há ainda o doutor "Mauzinho", dono do hospital psiquiátrico, que usa cavanhaque (como convém a uma imagem de demônio) e que impunha seu jaleco branco como se fosse uma espada de fogo. Ele fala ao telefone celular sem o mínimo resquício de alma e olha seus internos sob a ótica distorcida de barbitúricos. Faltou apenas os pés de cabra.

Sobressaem-se nos papéis secundários e terceários os atores, todos eles desconhecidos, que interpretam os demais internos. Há um tal de "Ceará" no início que é um primor de interpretação. Por várias vezes esquece-se quem é Neto e qual o problema que o aflige para se ater à figura caricatural, excêntrica e cativante de Ceará.

Convém abrir aqui um parágrafo para elogiar o desempenho do eterno galã e dublê de ator Rodrigo Santoro no papel de Neto. Ao que parece, agora se poderá inverter a frase acima e chamá-lo finalmente de ator e dublê de galã. Subvertendo a mística que se formou em torno de qualquer mocinho bonito que faça carreira na televisão, Santoro mostrou que tem, sim, talento para fazer um papel de denso teor dramático.

Bicho de Sete Cabeças pode ainda ser chamado de Um Estranho no Ninho brasileiro. As semelhanças com o filme do início da década de 70, estrelado por Jack Nicholson, são imensas. Principalmente nas imagens internas do hospital, nos refeitórios e dormitórios, no trato que os enfermeiros têm com os pacientes e com os indefectíveis copinhos com comprimidos. Há ainda semelhança com O Expresso da Meia Noite, de Allan Parker. Os horrores sofridos por Neto nos fazem lembrar daquela prisão na Turquia em que se envolve o turista americano que resolver traficar uns graminhas de haxixe.

Em tempo: Austregésilo Carrano, autor do livro, Canto dos Malditos, que deu origem ao filme, foi condenado, semana passada, a pagar R$ 60 mil referente às custas do processo que movia contra a família dona de um hospital psiquiátrico, que ele acusava de erro médico. Carrano pedia uma indenização de R$ 10 milhões mas o juiz decidiu que a causa havia prescrito. Espera-se que o filme renda o suficiente para que Carrano possa agora arcar com as despesas malucas da justiça brasileira.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 27/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti
02. Nós, os afogados, de Carsten Jensen de Ricardo de Mattos
03. Silêncio de Ricardo de Mattos
04. I-ching-poemas de Bruna Piantino de Jardel Dias Cavalcanti
05. 'Eu quero você como eu quero' de Ana Elisa Ribeiro


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Um repórter a mil calorias por dia* - 5/9/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INOCÊNCIA - COLECAO TRAVESSIAS
VISCONDE DE TAUNAY
MODERNA
(1998)
R$ 8,00



O ESPIÃO INVISÍVEL
MARK FOWLER
SCIPIONE
(1993)
R$ 8,88



85 VEZES SILVIO SANTOS AS MELHORES CARICATURAS DO REI DOS DOMINGOS
VÁRIOS AUTORES
ASTRAL
(2016)
R$ 27,44



GUIA PORTUGAL. O GUIA DE VIAGEM MAIS FACIL DE USAR
VÁRIOS AUTORES
PUBLIFOLHA
(2009)
R$ 70,00



A PSICOLOGIA DO ANORMAL E A VIDA CONTEMPORÂNEA
JAMES C. COLEMAN
PIONEIRA
(1973)
R$ 60,00



SEMPRE SERÁS LEMBRADA
JOSUÉ MONTELLO
NOVA FRONTEIRA
(1999)
R$ 7,48



MONTEIRO LOBATO VIDA E OBRA TOMO I
EDGARD CAVALHEIRO
COMPANHIA NACIONAL
(1956)
R$ 14,00



ESTORIAS PARA CRIANÇAS QUE OS ADULTOS DEVEM LER ESCONDIDOS
RICARDO BANDEIRA
DO AUTOR
(1977)
R$ 5,00



PAIXÃO E CRIME O PROCESSO DO DR. JACCOUD
CARLOS LACERDA
NOVA FRONTEIRA
(1965)
R$ 10,00



ECLIPSE
STEPHENIE MEYER
INTRÍNSECA
(2008)
R$ 34,90
+ frete grátis





busca | avançada
44947 visitas/dia
1,2 milhão/mês