No Caminho Certo... e sem eletrochoques | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Artificial
>>> Uma análise sociossemiótica do trabalho
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Poesia em Xadrez, BH
>>> O filósofo da contracultura
Mais Recentes
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Matemática 9º ano de Luiz Roberto Duarte e Fernando Viana pela Ática (2019)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 7 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
>>> Literaturas Brasileira e Portuguesa – Volume Único de Samira Yousself Campedelli pela Saraiva (2010)
>>> Fazendo meu filme - 1 A estreia de Fani de Paula Pimenta pela Gutenberg (2012)
>>> Sabedoria para Viver Bem de Louise L. Hay pela Sextante (2009)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 6 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/6/2001
No Caminho Certo... e sem eletrochoques
Paulo Polzonoff Jr

+ de 4000 Acessos

O melhor filme nacional desde a retomada, em meados da década de noventa. Foi assim que o crítico Luiz Carlos Merten, de O Estado de São Paulo, classificou Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. Exagero, foi o que pensou este articulista. Exagero, foi o que constatou ele depois da sessão. Bicho de Sete Cabeças é um bom filme, mas está longe de ser qualquer coisa parecida com cinema de primeira linha.

Não digo isso para desestimular o espectador que por acaso se interesse em assisitr a Bicho de Sete Cabeças. Pelo contrário, o filme deve ser visto e pensado, tanto no que se propõe estéticamente, quanto no que se propõe em seu discurso libertário e acusatório. Só que Bicho de Sete Cabeças não é nosso candidato à Copa do Mundo do cinema, como querem muitos.

O filme conta a história de Neto, um menino de classe média baixa, envolvido com drogas. Maconha, para ser mais exato. E aqui o filme pretende sofismar a respeito do vício ou não da maconha. Neto fuma seu baseado e o pai, quando fica sabendo disso - e também porque a relação entre os dois não era das melhores -, resolve interná-lo num hospital psiquiátrico. Ou melhor, hospício.

Até o internamento de Neto no hospício, o filme demora a engrenar. O personagem de Rodrigo Santoro enche o saco da platéia com aquele comportamento típico (ou seria estereotipado?) dos adolescentes. Gritos com os pais, rebeldia, rock'n'roll, etc. Isso cria, de cara, certa antipatia com o personagem. Penso que, para quem não sabe que o filme é baseado em fatos reais (informação que só nos é dada nos créditos finais), a internação de Neto, como personagem e não como persona, é até justificável.

A partir do momento em que Neto entra no hospício é que o filme deslancha mesmo e ganha proporções de filme maior. A diretora Laís Bodanzky não poupa, a esta altura, virtuosismos lingüísticos para conduzir o espectador ao sofrimento intra-craniano de Neto. Ajuda muito, nesta espécie de eletrochoque cinematográfico, a música de Arnaldo Antunes. Vale aqui o aviso: pessoas que sofram de algum distúrbio devem evitar Bicho de Sete Cabeças, sob o risco de terem convulsões quando os versos (o termo não é exato) de Arnaldo Antunes começarem a entoar (ecoar? Relinchar?) na tela.

Laís Bodanzky, apesar de ser estreante em longas-metragens, mostra neste Bicho de Sete Cabeças a que veio. Seu filme tem, realmente, força. A câmera, sob sua batuta, é leve e controlada com perfeição. É ela, a diretora e não a câmera, quem dita as regras. E a regra geral em Bicho de Sete Cabeças é não haver regras. Como é cada vez mais comum em se tratando de uma estética pretensamente pós-moderna, Bodanzky mistura de tudo um pouco: narrativa tradicional, imagens distorcidas por computador, imagens rápidas, imagens lentas, imagens para cima, imagens para baixo, closes, panorâmicas, tomadas simétricas, tomadas aparentemente despropositadas, centradas num objeto neutro. Bicho de Sete Cabeças é, por assim dizer, um longa experimental, mas feito por alguém que sabe que tem uma responsabilidade com o espectador.

Descobriu-se, afinal, que cinema é capitalismo?

O ponto fraco do filme fica por conta, mais uma vez, do roteiro. Esta é a parte literária do filme - que deixa muito a desejar. Na primeira parte, Neto é um adolescente chato, com diálogos incrivelmente vazios, tirados, ao que parece, de uma campanha recente do Ministério da Saúde contra o uso de drogas. O pai está sempre de dentes cerrados, como se à beira de um ataque de nervos. Talvez porque seja santista e, àquela altura, o time de seu coração não esteja em melhores condições... A mãe é catatônica, calada, covarde mesmo diante da situação do filho. E a irmã, a irmã é uma perfeita idiota que, no hospício, alienada diante dos problemas do irmão, fica dizendo que o jardim é lindo, que dá uma paz... Há ainda o doutor "Mauzinho", dono do hospital psiquiátrico, que usa cavanhaque (como convém a uma imagem de demônio) e que impunha seu jaleco branco como se fosse uma espada de fogo. Ele fala ao telefone celular sem o mínimo resquício de alma e olha seus internos sob a ótica distorcida de barbitúricos. Faltou apenas os pés de cabra.

Sobressaem-se nos papéis secundários e terceários os atores, todos eles desconhecidos, que interpretam os demais internos. Há um tal de "Ceará" no início que é um primor de interpretação. Por várias vezes esquece-se quem é Neto e qual o problema que o aflige para se ater à figura caricatural, excêntrica e cativante de Ceará.

Convém abrir aqui um parágrafo para elogiar o desempenho do eterno galã e dublê de ator Rodrigo Santoro no papel de Neto. Ao que parece, agora se poderá inverter a frase acima e chamá-lo finalmente de ator e dublê de galã. Subvertendo a mística que se formou em torno de qualquer mocinho bonito que faça carreira na televisão, Santoro mostrou que tem, sim, talento para fazer um papel de denso teor dramático.

Bicho de Sete Cabeças pode ainda ser chamado de Um Estranho no Ninho brasileiro. As semelhanças com o filme do início da década de 70, estrelado por Jack Nicholson, são imensas. Principalmente nas imagens internas do hospital, nos refeitórios e dormitórios, no trato que os enfermeiros têm com os pacientes e com os indefectíveis copinhos com comprimidos. Há ainda semelhança com O Expresso da Meia Noite, de Allan Parker. Os horrores sofridos por Neto nos fazem lembrar daquela prisão na Turquia em que se envolve o turista americano que resolver traficar uns graminhas de haxixe.

Em tempo: Austregésilo Carrano, autor do livro, Canto dos Malditos, que deu origem ao filme, foi condenado, semana passada, a pagar R$ 60 mil referente às custas do processo que movia contra a família dona de um hospital psiquiátrico, que ele acusava de erro médico. Carrano pedia uma indenização de R$ 10 milhões mas o juiz decidiu que a causa havia prescrito. Espera-se que o filme renda o suficiente para que Carrano possa agora arcar com as despesas malucas da justiça brasileira.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 27/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Filmes on-line de Rafael Fernandes
02. Autobiografia musical de Gian Danton
03. A máquina de poder que aprisiona o espírito de Tatiana Cavalcanti
04. O Leão e o Unicórnio de Guga Schultze
05. Uma década no rastro de Paulo Francis de Julio Daio Borges


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Go Girl 5 - Confusões no Acampamento
Meredith Badger
Fundamento
(2010)
R$ 28,60



O Rei Lear
Shakespeare, William
L± Pocket
R$ 16,00



Brasil 500 Anos de 1500 /1530 -1831/1851 2 volumes
Janice Florida (editora)
Abril
(1999)
R$ 70,00
+ frete grátis



Gosto se Discute
Marcelo Coelho
Ática
(1994)
R$ 6,90



O Discurso Emotivo Nas Interações Em Sala de Aula
Marinalva Vieira Barbosa
Dapesp
(2010)
R$ 13,00



O Caminho da Vida
Padre Álvaro Negromonte
Livraria José Olympio
(1957)
R$ 15,02



2012 É Ou Não é o Fim do Mundo
Wicca
Van Feu
R$ 5,00



Sexo: a Hora é Agora?
Fernanda Wendel
Atica
(2007)
R$ 7,00



O Imperador Vol. 4 - Os Deuses da Guerra
Conn Iggulden
Record
(2007)
R$ 20,00



Os Descendentes
Kaui Hart Hemmings
Alfaguara
(2007)
R$ 15,00





busca | avançada
82559 visitas/dia
2,4 milhões/mês