No Caminho Certo... e sem eletrochoques | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
Mais Recentes
>>> A formação do capital e seu desenvolvimento de Leônidas de Resende pela Senado (2011)
>>> A Coluna Prestes no Piauí de Chico Castro pela Senado (2007)
>>> Amapá: a terra onde o Brasil começa de José Sarney e Pedro Costa pela Senado (2004)
>>> Diário de uma Paixão de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> O Guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> Um Homem de Sorte de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> Noites de Tormenta de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/6/2001
No Caminho Certo... e sem eletrochoques
Paulo Polzonoff Jr

+ de 3900 Acessos

O melhor filme nacional desde a retomada, em meados da década de noventa. Foi assim que o crítico Luiz Carlos Merten, de O Estado de São Paulo, classificou Bicho de Sete Cabeças, de Laís Bodanzky. Exagero, foi o que pensou este articulista. Exagero, foi o que constatou ele depois da sessão. Bicho de Sete Cabeças é um bom filme, mas está longe de ser qualquer coisa parecida com cinema de primeira linha.

Não digo isso para desestimular o espectador que por acaso se interesse em assisitr a Bicho de Sete Cabeças. Pelo contrário, o filme deve ser visto e pensado, tanto no que se propõe estéticamente, quanto no que se propõe em seu discurso libertário e acusatório. Só que Bicho de Sete Cabeças não é nosso candidato à Copa do Mundo do cinema, como querem muitos.

O filme conta a história de Neto, um menino de classe média baixa, envolvido com drogas. Maconha, para ser mais exato. E aqui o filme pretende sofismar a respeito do vício ou não da maconha. Neto fuma seu baseado e o pai, quando fica sabendo disso - e também porque a relação entre os dois não era das melhores -, resolve interná-lo num hospital psiquiátrico. Ou melhor, hospício.

Até o internamento de Neto no hospício, o filme demora a engrenar. O personagem de Rodrigo Santoro enche o saco da platéia com aquele comportamento típico (ou seria estereotipado?) dos adolescentes. Gritos com os pais, rebeldia, rock'n'roll, etc. Isso cria, de cara, certa antipatia com o personagem. Penso que, para quem não sabe que o filme é baseado em fatos reais (informação que só nos é dada nos créditos finais), a internação de Neto, como personagem e não como persona, é até justificável.

A partir do momento em que Neto entra no hospício é que o filme deslancha mesmo e ganha proporções de filme maior. A diretora Laís Bodanzky não poupa, a esta altura, virtuosismos lingüísticos para conduzir o espectador ao sofrimento intra-craniano de Neto. Ajuda muito, nesta espécie de eletrochoque cinematográfico, a música de Arnaldo Antunes. Vale aqui o aviso: pessoas que sofram de algum distúrbio devem evitar Bicho de Sete Cabeças, sob o risco de terem convulsões quando os versos (o termo não é exato) de Arnaldo Antunes começarem a entoar (ecoar? Relinchar?) na tela.

Laís Bodanzky, apesar de ser estreante em longas-metragens, mostra neste Bicho de Sete Cabeças a que veio. Seu filme tem, realmente, força. A câmera, sob sua batuta, é leve e controlada com perfeição. É ela, a diretora e não a câmera, quem dita as regras. E a regra geral em Bicho de Sete Cabeças é não haver regras. Como é cada vez mais comum em se tratando de uma estética pretensamente pós-moderna, Bodanzky mistura de tudo um pouco: narrativa tradicional, imagens distorcidas por computador, imagens rápidas, imagens lentas, imagens para cima, imagens para baixo, closes, panorâmicas, tomadas simétricas, tomadas aparentemente despropositadas, centradas num objeto neutro. Bicho de Sete Cabeças é, por assim dizer, um longa experimental, mas feito por alguém que sabe que tem uma responsabilidade com o espectador.

Descobriu-se, afinal, que cinema é capitalismo?

O ponto fraco do filme fica por conta, mais uma vez, do roteiro. Esta é a parte literária do filme - que deixa muito a desejar. Na primeira parte, Neto é um adolescente chato, com diálogos incrivelmente vazios, tirados, ao que parece, de uma campanha recente do Ministério da Saúde contra o uso de drogas. O pai está sempre de dentes cerrados, como se à beira de um ataque de nervos. Talvez porque seja santista e, àquela altura, o time de seu coração não esteja em melhores condições... A mãe é catatônica, calada, covarde mesmo diante da situação do filho. E a irmã, a irmã é uma perfeita idiota que, no hospício, alienada diante dos problemas do irmão, fica dizendo que o jardim é lindo, que dá uma paz... Há ainda o doutor "Mauzinho", dono do hospital psiquiátrico, que usa cavanhaque (como convém a uma imagem de demônio) e que impunha seu jaleco branco como se fosse uma espada de fogo. Ele fala ao telefone celular sem o mínimo resquício de alma e olha seus internos sob a ótica distorcida de barbitúricos. Faltou apenas os pés de cabra.

Sobressaem-se nos papéis secundários e terceários os atores, todos eles desconhecidos, que interpretam os demais internos. Há um tal de "Ceará" no início que é um primor de interpretação. Por várias vezes esquece-se quem é Neto e qual o problema que o aflige para se ater à figura caricatural, excêntrica e cativante de Ceará.

Convém abrir aqui um parágrafo para elogiar o desempenho do eterno galã e dublê de ator Rodrigo Santoro no papel de Neto. Ao que parece, agora se poderá inverter a frase acima e chamá-lo finalmente de ator e dublê de galã. Subvertendo a mística que se formou em torno de qualquer mocinho bonito que faça carreira na televisão, Santoro mostrou que tem, sim, talento para fazer um papel de denso teor dramático.

Bicho de Sete Cabeças pode ainda ser chamado de Um Estranho no Ninho brasileiro. As semelhanças com o filme do início da década de 70, estrelado por Jack Nicholson, são imensas. Principalmente nas imagens internas do hospital, nos refeitórios e dormitórios, no trato que os enfermeiros têm com os pacientes e com os indefectíveis copinhos com comprimidos. Há ainda semelhança com O Expresso da Meia Noite, de Allan Parker. Os horrores sofridos por Neto nos fazem lembrar daquela prisão na Turquia em que se envolve o turista americano que resolver traficar uns graminhas de haxixe.

Em tempo: Austregésilo Carrano, autor do livro, Canto dos Malditos, que deu origem ao filme, foi condenado, semana passada, a pagar R$ 60 mil referente às custas do processo que movia contra a família dona de um hospital psiquiátrico, que ele acusava de erro médico. Carrano pedia uma indenização de R$ 10 milhões mas o juiz decidiu que a causa havia prescrito. Espera-se que o filme renda o suficiente para que Carrano possa agora arcar com as despesas malucas da justiça brasileira.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 27/6/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Primavera para iniciantes de Elisa Andrade Buzzo
02. Nós que aqui estamos pela ópera esperamos de Renato Alessandro dos Santos
03. Lola de Elisa Andrade Buzzo
04. Do inconveniente de ter escrito de Cassionei Niches Petry
05. Eu, personagens de mim de Carina Destempero


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ORGANIZAÇÕES MODERNAS
AMITAI ETZIONI
LIVRARIA PIONEIRA
(1972)
R$ 9,40



EÇA DE QUEIROZ - OBRA LAUREADA PELA ACADEMIA BRASILEIRA
CLOVIS RAMALHETE
MARTINS
(1960)
R$ 11,56



O TEMPLO DO SILÊNCIO
NEIMAR DE BARROS
O RECADO
(1981)
R$ 6,90



DESERTO
LUIS S. KRAUSZ
BENVIRA
(2013)
R$ 9,99



GERIATRIA E GERONTOLOGIA VOLUME 1
REICHMANN E AUTORES EDITORES
REICHMANN E AUTORES EDITORES
(2005)
R$ 26,09



O FANTÁSTICO MISTÉRIO DE FEIURINHA
PEDRO BANDEIRA
MODERNA
(2009)
R$ 22,00



DIMENSOES POLITICO INSTITUCIONAIS DA GOVERNANÇA DA GOVERNANÇA DA ÁGUA
PEDRO ROBERTO JACOBI
ANNABLUME
(2009)
R$ 12,90



A TÉCNICA DE INTERPOR RECURSOS CÍVEIS -A TÉCNICA DO DIREITO
GILBERTO CALDAS
JURIDICA BRASILEIRA
(2002)
R$ 5,50



INTRODUÇÃO A SOCIOLOGIA
ARMAND CUVILLER
NACIONAL
(1965)
R$ 6,90



CATECISMO ESPÍRITA
O PENSAMENTO
O PENSAMENTO
(1944)
R$ 50,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês