A mentira crítica e literária de Umberto Eco | Paulo Polzonoff Jr | Digestivo Cultural

busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Prefeitura de SP institui gratificação de até R$ 1.500 reais para diminuir rotatividade de docentes
>>> Queen Immortal faz show em homenagem ao aniversário de Freddie Mercury
>>> Projeto cultural gratuito traz cinema e teatro para cidades goianas
>>> Festival da Linguiça de Bragança retorna com expectativa de 70 mil visitantes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Graciliano Ramos, o gigante
>>> Entrevista com Gerald Thomas
>>> O fim do (meu) automóvel
>>> Sobre o som e a fúria
>>> 27 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> Minhas caixas de bombons
>>> Direto do show do Chickenfoot
>>> Suicídio da grande imprensa
>>> Como ser uma webcelebridade
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
Mais Recentes
>>> O Defunto Adão e Eva no Paraiso e Outros de Eça de Queiros pela Edição de Ouro
>>> Encontro À Meia-noite de Liliana Iacocca pela Ftd (1988)
>>> Ó (de) Itabira de Marcus Accioly pela José Olympio (1980)
>>> O Moleque Ricardo de Jose Lins do Rego pela Jose Olympio (1981)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Jose Olympio (1995)
>>> O Velho Feiticeiro de Assis Brasil pela Melhoramentos
>>> A Filosofia Contemporanea de Wolfgand Stegmuller pela Edusp
>>> O Negócio do Século XXI - o Guia do Pai Rico de Robert Kiyosaki pela Campus (2011)
>>> Alimentos Saudáveis, Alimentos Perigosos - Guia Prático de Readers Digest pela Do Autor
>>> Antes Que o Sol Apareça de Lucília Junqueira de Almeida Prado pela Brasiliense (1984)
>>> O Velho da Horta Auto da Barca do Inferno Farsa de Inês Pereira de Gil Vicente, Segismundo Spina pela Brasiliense (1996)
>>> A Herança de Beni - uma Aventura Histórica e Virtual de Enio Rechtman / Silvio Fisberg pela Hebraica
>>> Feliz Ano Velho de Marcelo Rubens Paiva pela Brasiliense (1995)
>>> O Muiraquitã - Coleção Jovens do Mundo Todo de Odette de Barros Mott pela Brasiliense
>>> Contos de Andersen de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1958)
>>> Aprender Economia de Paul Singer pela Brasiliense (1994)
>>> Jesus de Paulo Leminski pela Brasiliense (1984)
>>> O Romance de Tristão e Isolda de Joseph Bédier pela Wmf Martins Fontes (2012)
>>> Fogo Morto de José Lins do Rego pela José Olimpio (1991)
>>> Qué Camino Tomar? de Edwin Becerra pela Santillana (2005)
>>> O Poder do Super Bicho de Edy Lima pela Melhoramentos (1979)
>>> Regras Oficiais de Beisebol de Não Consta pela Brasil (2008)
>>> Enigma na Televisão - Série Vaga-lume de Marcos Rey pela Atica (1991)
>>> Ímpar de Marcelo Carneiro da Cunha pela Projeto (2002)
>>> O Caso dos Modelos de Pernas Longas de Etle Stanley Garcher pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 24/10/2001
A mentira crítica e literária de Umberto Eco
Paulo Polzonoff Jr

+ de 13100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Daniela Mountain

Agora não tem como adiar. O Baudolino (Record) aqui na minha frente, com sua capa azul, algumas anotações ao lado e um texto que insiste em não sair. Estou no limite do limite do meu deadline. Pergunto-me, porém, por onde começar a destruir o mito que se criou em torno de Umberto Eco. É uma constatação tão óbvia, essa, que me trava os neurônios. Ando um pouco pela saleta que me serve de escritório, vou tomar um café e volto para o computador. Bem, um parágrafo está escrito já.

Agora tenho de parar de fazer o leitor perder tempo. Começar a escrever sobre o livro. Faço-o, pois, contando a historieta de Baudolino, que a crítica inteira, sem exceções, elegeu já como livro do ano, antes mesmo de sair do prelo. Coisas de marketing, creio, sem querer crer. Bem, o livro de Umberto Eco, o mesmo autor de O Nome das Rosa e O Pêndulo de Foucault conta a história de um menino que mente e assim sobrevive. Grosseiramente é isso. Poderia dizer ainda que este menino se chama Baudolino, nome do santo padroeiro da cidade de Alexandria, na qual Eco nasceu. Poderia dizer ainda que este menino está empenhado em algumas missões, digamos, ilusórias, entre elas achar um reino perdido e encontrar o Santo Graal. Para completar o cenário, Baudolino, por força de sua mentira, vira um conselheiro do Sacro Império Romano, uma espécie de braço direito do imperador. Isso tudo porque, lembrem-se, ele mente.

Seria subestimar a inteligência dos meus leitores escrever o que vou escrever agora me achando o mais original dos resenhistas. Estou longe disso. Digo, porém, para que fique registrado. Baudolino é uma alegoria para a força que a palavra escrita, aliada à imaginação, tem num mundo de brutos. É pela palavra que Baudolino se faz e se safa, quando precisa. Pergunto aos meus leitores, contudo: onde está a originalidade de se dizer isso?

Umberto Eco faz uma coisa que todo mundo já adorara em O Nome da Rosa: mistura erudição (é como se convencionou chamar hoje em dia um conhecimento que vai um pouquinho além da cultura de massa) com entretenimento. Não sei por quê, os resenhistas acham que isso é assim uma espécie de ousadia pós-moderna. E dá-lhe elogios a Eco.

A mim me parece inútil afirma o que afirmo neste texto, contudo, faço-o, antes por tédio do que por achar que vai de alguma coisa adiantar. Umberto Eco é uma mentira, assim como seu Baudolino. Como escritor de ficção, afirmo. Seus ensaios são bastante interessantes e recomendáveis, mas considerá-lo o melhor escritor dos últimos vinte anos, como fez a revista francesa Lire, é algo que extrapola minha capacidade de compreensão.

Tenho uma pista, no entanto. Algo me diz que Umberto Eco, assim como Borges, é um destes escritores que todo intelectual sem talento gostaria de ser e, em encantando-os, encanta os resenhistas, que por sua vez admira os intelectuais que não são de fato. Nesta cadeia de encantamento é que se forjam mitos literários que, espera-se, não sobrevivam muito mais a seu tempo.

Umberto Eco foi feito sob medida para as faculdades, para os estudantes entusiasmados com digressões sobre a Idade Média, com mapinhas de época. Ora, no fundo, a literatura de Eco, cravada em algum lugar da Idade Média, não é nem mais nem menos que uma história de cavaleiros e damas e ogros e fadas e elfos em bosques e pântanos encantados. Só que tem aquela “aura” de erudição.

Dizem que é errado, mas gosto de fazer comparações. E lendo Baudolino pensei na grande literatura de um tempo que não o nosso (ao menos que não o meu). Já naquelas primeiras páginas do romance, que tentam resgatar um italiano original, por assim dizer, numa mistura de dialetos com latim, lembrei-me de Guimarães Rosa, que jamais fez conjecturas sobre a origem do nosso português em seus romances. Apenas escreveu-os, adicionando elementos antigos daqui, modernos dali, inventando acolá. E foi o criador de um universo que não pertence a nenhum período histórico facilmente datável. É um sertão de ontem, de hoje e de amanhã, o de Rosa. Depois, lendo aventuras de Graal e reinos perdidos, pensei em Swift, em como Swift criava alegoria simples sem recorrer a um possível conhecimento sobre eras passadas. Por fim, pensei até em Borges, que, quando não erudito, criava sua erudição — se bem que entediando a alguns, como a mim.

Ao fim do livro, cheguei à mais nítida percepção de que O Perfume, de Patrick Süskind, este sim é um grande romance. Porque ri de pretensos homens de saber que popularizam o conhecimento de suas torres de marfim com intrincados jogos de quebra-cabeça detetivescos, numa mistura pseudo-moderna de Agatha Christie com, para usar uma figura brasileira, Houaiss.

Olha que boa idéia, para estimular a leitura de dicionários, segundo os preceitos dos romances ecoanos: dicionários que sejam escritos na forma de romance. Um grande romance em muitos volumes, tipo Harry Porter, dividido em capítulos breves que são também verbetes e que vão se costurando através de uma historieta qualquer.

Irritante é este lavapé dos resenhistas. Lendo Baudolino e me lembrando principalmente de O Nome da Rosa, pensei em como é badalado o escritor italiano. Os dois romances históricos de Eco não passaram pelo rigoroso (hahaha) crivo da nossa crítica especializada que, numa situação semelhantíssima, sobre o livro de Ruy Tapioca, A República dos Bugres, disse que “o romance histórico reflete certa falta de imaginação do escritor”. Ora, poupe-me.

Ainda há o senão do público. Gente que compra Umberto Eco só para cobrir-se de verniz cultural. Eu já cansei de ver estas pessoas e tenho certeza de que o freqüentador assíduo de bibliotecas ou livrarias também. Gente que pede Umberto Eco com pompa de quem está comprando Patek Phillip. Gente que lê Umberto Eco com a pompa de quem tem a Caras na mão. E coisas do gênero. Eco foi feito sobre medida para certa elite econômica que faz questão de virar a cara para coisas infinitamente melhores que aqui mesmo se faz.

Ah, sim, mas Umberto Eco é sinônimo de semiologia, não se pode esquecer. E não se pode esquecer também que semiologia, no Brasil, é sinônimo da mais elevada das inteligências, que a nós, leitores pobres e mortais, só é dado o direito de se curvar.

O livro de Umberto Eco nada mais é do que um Pinóquio contemporâneo. Cheio de mentirar, frases feitas e uma inteligência mastigada, onde falta sobretudo ironia e sutileza. Um ensaio, em suma, pontilhado por um romance detetivesco. Uma paródia do que se tornou o saber no século 21.


Paulo Polzonoff Jr
Rio de Janeiro, 24/10/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Casa, poemas de Mário Alex Rosa de Jardel Dias Cavalcanti
02. Educando as velhas gerações de Carla Ceres
03. 15 anos sem Miles Davis, o Príncipe das Trevas de Jonas Lopes
04. Tchekhov, o cirurgião da alma de Jonas Lopes
05. Cony: o existencialista, agora, octogenário de Jonas Lopes


Mais Paulo Polzonoff Jr
Mais Acessadas de Paulo Polzonoff Jr em 2001
01. Transei com minha mãe, matei meu pai - 17/10/2001
02. Está Consumado - 14/4/2001
03. A mentira crítica e literária de Umberto Eco - 24/10/2001
04. Reflexões a respeito de uma poça d´água - 19/12/2001
05. Deus - 25/7/2001


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
30/4/2002
22h21min
Aleluia! Finalmente encontrei o artigo que eu procurava há meses sobre o homem! Quem tem semi-ótica, jamais vai ter a ótica inteira. E quem se limita a ECOS jamais terá acesso a consistência das autenticas VOZES. Se é que vocÊ me entende...
[Leia outros Comentários de Carlos Ribeiro]
1/6/2009
21h41min
Chame-me do que quiser, mas adorei "O nome da rosa". Achei genial. Apesar da sua "simpática" crítica, voltarei a ler livros do senhor, pois tenho certeza que é muito melhor do que você o pinta. Este é provavelmente (ainda não li o "Baudolino") um dos casos para se aplicar a seguinte frase de Oscar Wilde: "quando li o crítico odiei o livro, quando li o livro odiei o crítico".
[Leia outros Comentários de Catarina Garcia]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Tronco no Meio do Caminho
Rosana Rios
Positivo
(2010)



O Símbolo Perdido
Dan Brown
Sextante
(2009)



O Jogo das Contas de Vidro
Hermann Hesse
Brasiliense
(1973)



Sem Trabalho... por Quê?
Cnbb
Salesiana
(1999)



Desen - viver - volvendo ... Repensando o cotidiano
Carpinelli e Schabbel
Iglu
(1996)



Engineers Data Book
Clifford Matthews
Wiley
(2012)



Pandora
Sylvia Fraser
M&s
(1976)



Civilização Planetária
Leonardo Boff
Sextante
(2003)



Sempre Há uma Chance
Lucimara Breve
J. S.
(2000)



Plt 459 Direito Civil Brasileiro 3
Carlos Roberto Gonçalves
Saraiva
(2012)





busca | avançada
51690 visitas/dia
2,0 milhão/mês