Por uma lógica no estudo da ortografia | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Download: The True Story of the Internet
>>> Mistério em Moscou
>>> Sideways Rain: Pausa, Choque, Fluxo e Corpo
>>> Capitu, a melhor do ano
>>> Bowie, David
>>> A guerra das legendas e o risco da intolerância
>>> À beira do caminho
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> Vale Emprego
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
Mais Recentes
>>> Comprometida de Elizabeth Gilbert pela Objetiva (2011)
>>> Como Contornar Situações Difíceis Em Sala de Aula de Jairo de Paula pela Jairo de Paula
>>> História das relações internacionais do Paraguai de Organizadores: Liliana M. Brezzo | Ricardo Scavone Yegros pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> A Filha de Mistral de Judith Krantz pela Circulo do Livro (1987)
>>> Facécias de Luis da Camara Cascudo; Rogério Borges pela Global (2006)
>>> Superegos - uma História de Amor, Preconceito e Interesses Escusos de Marcusvinicius pela Mundo Editorial (2013)
>>> O Jogo estratégico nas negociações MERCOSUL-União Europeia de Ricardo Guerra de Araújo pela Fundação Alexandre de Gusmão (2018)
>>> Conduzindo a Propria Carreira de Jose Renato Siqueira Junior pela Elsevier (2007)
>>> Tempo dos Anjos de Anne Rice; Alexandre Davila pela Rocco (2010)
>>> O Livro de Mórmon de Igreja de Jesus Cristo dos Santos pela Igreja de Jesus Cristo (2006)
>>> Pega Lá uma Chave de Fenda de Ruth Manus pela Benvira (2015)
>>> Toda Rua é Calçada Com Ouro de Kim Woo-choong pela Record (1997)
>>> Cronistas do Estadão de Moacir Amâncio Organizador e Editor pela Estadão
>>> Ser Protagonista. Matemática. 2 de Felipe Fugita pela Sm (2015)
>>> Trem Noturno para Lisboa de Pascal Mercier pela Record (2011)
>>> A Caverna do Medo de Emily Rodda pela Fundamento (2006)
>>> Aeroporto de Arthur Hailey pela Nova Fronteira (1970)
>>> Como Ser um Vendedor de Sucesso - 3 de Linda Richardson pela Sextante (2006)
>>> Crianças Em Ferias na Natureza de Yara J. Lo Turco pela Giostri (2013)
>>> Sonhos D Ouro de José de Alencar pela Edigraf
>>> Projeto História 21; História e Imagem de Vários Autores pela Educ (1997)
>>> As Novas relações sino-africanas: desenvolvimento e implicações para o Brasil de Gustavo Rocha de Menezes pela Fundação Alexandre de Gusmão (2013)
>>> História Capitalismo Transição de Hobsbawm e Parain e Vilar e Trevor-roper pela Eldorado (1975)
>>> Uma Vez Só é Pouco de Jacqueline Susan pela Círculo do Livro (1973)
>>> The Klone and I de Danielle Steel pela Ballantine Books (1999)
COLUNAS

Sexta-feira, 12/7/2013
Por uma lógica no estudo da ortografia
Marcelo Spalding

+ de 14100 Acessos

Em tempos de protestos e manifestações, alguns cartazes chamam a atenção para a falta de educação no Brasil, e muitos deles brincam com erros de ortografia dos próprios cartazes para pedir mais investimento nessa área.

 

Se por um lado esses cartazes evidenciam que um povo educado é aquele que conhece bem sua própria língua, também evidencia um equívoco próprio do senso comum: que cometer erros de ortografia é o mesmo que não saber português. Digo senso comum porque hoje se sabe que é mais importante alguém saber usar bem a língua, construir boas frases e bons textos, do que simplesmente não errar ortografia. Entretanto, o erro de ortografia, em especial os considerados erros básicos, denotam falta de leitura e de familiaridade com a língua, tornando quem escreve alvo de críticas e preconceito.

No meu curso online Aspectos Gramaticais da Língua Portuguesa, procuro demonstrar que apesar de a ortografia no Brasil ser regida por uma lei nacional, melhor que aprender regras e exceções é tentar entender a lógica que move essa lei, para depois, aí sim, memorizar as exceções. Regra se compreende, exceção se memoriza. Neste texto, sintetizo quais seriam essas lógicas, esses pilares para a compreensão da ortografia. Ficará faltando abordar os acentos gráficos, o que podemos fazer num futuro texto.

Formação de palavras

A formação de palavras é um dos fenômenos mais interessantes em qualquer língua. A partir de determinada palavra, do seu radical, formam-se dezenas de outras palavras com a combinação de prefixos e sufixos. A grande maioria dos que estudaram língua portuguesa sabem ou pelo menos viram isso. O que poucos se dão conta é da utilidade da formação de palavras para a ortografia, pois o usuário da língua não precisa memorizar a ortografia de milhões de palavras, e sim de milhares de prefixos, sufixos e radicais, pois eles tendem a manter sua grafia em outras situações.

Essa lógica vale para diversas palavras (para não dizer todas): se ASSESSOR é com SS, SS, "assessoria", "assessorar", "assessoramento" também é; se HESITAR é com "h" e depois "s", "hesitou", "hesitariam" também é; se ANÁLISE é com "s", "analisar" também é. Assim como se FAZER é com "z", "fazida", "fazedor", "fazendo" deve ser com "z", e se EXPERIMENTAR é com "x", o que faz com que "experimente" seja com "x".

Classes gramaticais e ortografia

Os sufixos, como se sabe, representam a classe gramatical. Mas por que uma palavra com o mesmo som tem ortografia diferente? Por exemplo, "viagem" e "viajem", "cem" e "sem"?

É difícil saber como uma palavra chegou na língua, só buscando sua etimologia. "Cem", por exemplo, vem da próclise do latim "centum", enquanto "sem" vem do latim "sine", que exprime a ideia de falta, privação, ausência. Na fala, pelo contexto, elas não se confundem, mas na escrita era importante que a língua criasse uma forma de diferenciar uma da outra. E uma das formas é grafar de forma distinta sons idênticos.

Assim, compreender a classe gramatical das palavras é fundamental também para entender as diferenças de ortografia de muitas delas. "Viagem", com "g", por exemplo, é sempre substantivo, assim como "lavaGem", "bobaGem", "engrenaGem". Já "viajem", com "j", é do verbo cujo radical é "viajar": "espero que vocês viajem bem".

Outro par de palavras que causa certa confusão é o MAL e o MAU, pois o som é idêntico, mas a grafia é outra. MAL, com L, é advérbio, antônimo de BEM, sendo invariável: "Eles estão de mal com a vida". Já o MAU, com U, é adjetivo, antônimo de BOM, sendo variável: "Eles são maus, elas são más".

A questão fonética

Em qualquer língua há mais de uma letra para representar o mesmo som, e ao ler o texto o leitor consegue perceber qual seria a palavra original, ainda que a imprecisão no registro escrito o atrapalhe.

Por outro lado, em uma língua muitas vezes uma única letra pode assumir mais de um som, algo inerente à representação da fala (tão complexa e de infinitas possibilidades) à escrita (bem mais resumida e esquemática). Observe uma brincadeira de professores de inglês antes de se queixar da ortografia da língua portuguesa:

Dessa forma, evite o raciocínio: "se massa se escreve com SS, a palavra maçante, que tem o mesmo som, se escreve com SS". NÃO! Procure observar qual o radical e a origem da palavra. "Maçante", por exemplo, vem do verbo "maçar", e se cristalizou com essa grafia em português exatamente para se diferenciar de "massa". Assim como "caçar" (o animal) é com Ç e "cassar" (o deputado) é com SS. Chamamos palavras assim de homófonas, que têm sons iguais, mas grafias diferentes.

Evidentemente essas três dicas não esgotam o estudo da ortografia, mas compreendê-las ajuda sobremaneira a pensar de forma sistemática sobre o porquê da ortografia de uma palavra, facilitando inclusive que se memorize as exceções. O verbo "paralisar", por exemplo, a princípio deveria ser grafado com "z", pois o sufixo "-zar" em "estabilizar", "realizar", "concretizar", etc é com "z". Entretanto, o verbo vem de "paralisia", termo que veio do francês com "s", fazendo o "s" parte de seu radical, o que explica a grafia "paraliSar".



Marcelo Spalding
Porto Alegre, 12/7/2013


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2013
01. Por uma lógica no estudo da ortografia - 12/7/2013
02. A literatura infanto-juvenil que vem de longe - 1/2/2013
03. Dicas para a criação de personagens na ficção - 1/3/2013
04. A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone - 14/6/2013
05. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer - 12/4/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Formas de Atuacao e Intervençãoo do Estado Brasileiro na Economia
A. Saddy
Lumen Juris
(2011)



Atitudes para a Vida
Moderna
Moderna
(2018)



Perestroika
Mikhail Gorbachev
Best Seller
(1987)



Eletrofisioterapia
Guy de Bisschop Org.
Santos
(2001)



A Hora dos Ruminantes 32ª Ed
José J. Veiga
Bertrand Brasil
(1997)



Atitudes Que Curam
Moacyr Martins
Js
(1999)



Chama negra: (Série Os imortais vol. 4)
Alyson Noël
Intrinseca
(2011)



A E. F. Vitória a Minas e Suas Locomotivas Desde 1904
Eduardo J. J. Coelho
Memória do Trem
(2000)



Meu primeiro milhão
Charles-Albert Poissant e Christian Godefroy
Ediouro
(1997)



The great centuries of Painting: Caravaggio to vermeer- Century XVII
Jacques Dupont e François Mathey
Desconhecido
(1951)





busca | avançada
62339 visitas/dia
1,8 milhão/mês