A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Pousada e Recanto dos Pássaros – Sítio Vô Elias Maffei
>>> Coreógrafa carioca Esther Weitzman ministra oficina gratuita de dança no Sesc Santana
>>> Caleidos apresenta “Entrevista” para gestores e professores da rede pública de São Paulo
>>> É HOJE (30/9): Mostra Imaginários no Cine Bijou
>>> Etapa apresenta concerto gratuito da Camerata Fukuda com o violinista Ricardo Herz
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 50 anos de Bossa Nova
>>> O humor da Belle Époque
>>> 24 de Março #digestivo10anos
>>> Lendo Virgílio, ou: tentando ler os clássicos
>>> Introdução ao filosofar, de Gerd Bornheim
>>> Kindle DX salvando os jornais?
>>> A Casa de Ramos
>>> Reconhecimento
>>> A hora exata em que me faltaram as palavras
>>> Salão do Livro para crianças
Mais Recentes
>>> Fator de Enriquecimento de Paulo Vieira pela Gente (2016)
>>> Treinamento de Líderes Voluntários de Silvino J Fritzen pela Vozes (1982)
>>> A Sentence of Life de Julian Gloag pela World Books (1967)
>>> Amanhã é Natal de Liene Collaço Paulo pela Do Autor (1997)
>>> Pequenas Quinquilharias para Colecionadores Precoces de Liluah pela Saint Germain (2002)
>>> Dogsong de Gary Paulsen pela Aladdin (1985)
>>> A Vantagem Competitiva das Nações de Michael E. Porter pela Campus (1990)
>>> Sexo e Obsessão de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2004)
>>> Sinfonia dos Animais Noturnos de Lourenço Cazarré pela Artes Ofícios (1994)
>>> Seja Feliz, Meu Filho! de Içami Tiba pela Gente (1995)
>>> Pai sem Computador de Amilcar Neves pela Atual (1993)
>>> Vinhedo das Vontades de Eduardo Dall Alba pela Iel (2000)
>>> Adoro Problemas de Michael Moore pela Leya Casa da Palavra (2011)
>>> O Mecanismo da Vida Consciente de Carlos Bernardo Gonzáles pela Logosófica (2002)
>>> S. Rita de Cássia de L. de Marchi pela Paulinas (1979)
>>> E o Nilo Continua... de Carmen Annes Dias Prudente pela Melhoramentos
>>> Nova Lei de Falências de Emilio Sabatovski Iara P Fontoura pela Juruá (2005)
>>> A Vida e o Amor Meninas 3 a 8 Anos Meninos e Jovens de Bernardette Delarge Doutor Emin pela Rideel
>>> Contos e Cânticos de Felicidade de A Bogaz e M Couto pela Escala
>>> Simbologia Braille de Geisa Leticia Kempfer Bock pela Dioesc (2013)
>>> Nem Sempre Verdade Nem Tanto Folclore de Pedro Sampaio pela Do Autor (2007)
>>> Rumo ao Sucesso - a Jornada de Us1 Bilhão da Phison... de Ks Pua pela Age (2012)
>>> A Hora - uma Revolução na Imprensa de Lauro Schirmer pela L&pm (2000)
>>> Feng Shui - o Livro das Soluções de Nancilee Wydra pela Pensamento (2000)
>>> Fragmentos Revista Vol 1 Nº 1 de Universidade Federal de Santa Catarina pela Ufsc (1986)
COLUNAS

Sexta-feira, 14/6/2013
A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone
Marcelo Spalding

+ de 9800 Acessos

Literatura de olhar, e não de ler, não é novidade. No Brasil, seu marco é a Exposição Nacional de Arte Concreta de 1956, em que os criadores Décio Pignatari, Haroldo de Campos e Augusto de Campos propõem que o poema transforme-se em objeto visual, valendo-se do espaço gráfico como agente estrutural, usando os espaços brancos, os recursos tipográficos, etc. O poema, em função disso, passaria a ser simultaneamente lido e visto.

Tal estética influenciou toda uma geração, que, sem abrir mão de poemas tradicionais, passou a se preocupar também com a forma do poema quando impresso ou produzir suas próprias versões de poesia concreta. Um exemplo dessa segunda geração da poesia concreta é o paulista Paulo Aquarone, nascido em 1956, mesmo ano da Exposição Nacional de Arte Concreta. Paulo em diversos livros lançados nos anos 90 explora os recursos gráficos, primeiro como temática (Poemas das Cores e Poema sobre Papel, ambos de 1996) e depois como linguagem (Poemas no livro são Letras e Símbolos, de 1998, Som das Letras, de 1999, Poemas e Ilustrações Gráficas, de 2000).

Ainda em 1999, Paulo reuniu parte dessa produção em seu site www.pauloaquarone.com, que hoje, olhando pelo retrovisor, pode ser considerado ao lado do Ciberpoesia, de Ana Gruzynski  e Sergio Capparelli, um dos precursores da literatura digital no Brasil.

O site inicia com o trecho de um comentário de Augusto de Campos sobre o autor: "O trabalho de Paulo Aquarone, por ele exercido com inegável talento, acentua, com exuberância, que as poéticas da visualidade mostram continuado interesse, oferecendo novas possibilidades de desenvolvimento e expansão". Dentro, traz, além das tradicionais seções de Biografia, Livros e Contato, duas seções chamadas 'Poemas'. Uma delas, colocada como último item do menu, reproduz poemas visuais das décadas de 70 a 90. A outra, colocada como primeiro item do menu, é dedicada aos poemas chamados pelo autor de 'poemas multimídia'. Um recado no topo da página, entretanto, deixa claro que a origem são mesmo poemas visuais, sendo que em alguns deles foi dado um tratamento digital: "Busque a interação em alguns poemas".

"Caixa de interrogação", por exemplo, apresenta uma caixa com um "?" e, quando clicada, revela dentro a letra "é". O "Poemágico" apresenta cartas que formam a palavra TRÊS que, quando viradas, revelam os números de 1 a 4, brincando com o número de letras da palavra. "Fecha" traz duas gavetas que fecham a palavra "fecha"e a abrem a palavra "abre". "Símbolos e matérias", quando clicado, revela números dentro de cada letra. "Gaveta" mostra uma porta dentro de uma gaveta, utilizando-se agora não de palavras, mas de sons.

Claro que a tecnologia utilizada é um tanto rudimentar, e a própria navegação não ajuda o usuário a saber onde ele pode ou não intervir, qual o potencial de cada poema. Além disso, muitos poemas estáticos poderiam ser trabalhados à luz das novas tecnologias. É notável, entretanto, que ainda nos anos 90, com seus próprios conhecimentos técnicos, tenha se dado conta da potencialidade das ferramentas digitais para fazer poesia além da poesia, além da letra, além do livro.

Talvez a sua obra não se trate, ainda, de literatura digital, mas certamente é um documento importante da transição que estamos passando da poesia concreta para a poesia visual feita em computador para a poesia realmente multimídia, com animação, som, interação. É importante lembrar, nesse aspecto, que os poemas de Aquarone vão além do Concretismo porque não são apenas trabalhos gráficos com a palavra. Aqui a imagem, a distribuição dos elementos na tela e o jogo de cores faz parte da linguagem poética, como no belo Auto-Retrato, cuja ilustração de uma fotografia com a data de nascimento, mas sem a data de morte, representa poeticamente a finitude da vida.

Alguns, como "Feto", "Dimensão Óptica" e "Medida do Tempo" sequer trazem a palavra, são construído exclusivamente por imagens.

Sua ligação com a arte visual é tão grande que desde 1996 o poeta já realizou mais de 30 exposições individuais ou participando como convidado, como sua participação em 2010 na Exposição coletiva File (Festival Internacional de Linguagem Eletrônica) no prédio da Fiesp, em São Paulo, e uma exposição individual na Galeria da Biblioteca Nacional de Lisboa, patrocinado pelo Ministério da Cultura Português, ocasião em que as 40 obras da exposição foram doadas à instituição.


Vídeo com alguns trabalhos do poeta

Em entrevista ao portal Literatura Digital, em que busco reunir essa produção inicial do que chamo de literatura digital, Paulo revela um pouco de como surgiu essa produção e evidencia sua despreocupação com os rótulos: "Como artista, não busco fazer um ou outro tipo de poesia, dentro da minha produção acabo utilizando diversas ferramentas para concluí-las e divulgá-las".

Paulo, quando você iniciou o trabalho com Poemas Multimídias?

Comecei a fazer projetos para poesia multimídia no final dos anos de 1990, um pouco antes da abertura do site que foi em 1999, onde utilizei o computador e internet para produção e divulgação da obra.

De onde veio a inspiração?

Faz parte do meu ser, desde sempre, a percepção aguçada nas formas, nos sons e nos sentidos de letras, sílabas, palavras e outros. Em grande parte das vezes intuitivas.

Para você, qual a diferença entre os Poemas Multimídia e a poesia visual? Alguns de seus poemas têm interação, mas outros não. Nesse caso, não se tratariam de poesia visual?

Utilizo o termo Poemas Multimídia, pela característica da produção dos poemas em diversos materiais e algumas mídias. Não sou acadêmico, mas como artista, não busco fazer um ou outro tipo de poesia, dentro da minha produção acabo utilizando diversas ferramentas para concluí-las e divulgá-las. Penso que tanto a poesia multimídia como a visual estão interligadas.

Você segue produzindo literatura para web? Na sua opinião, qual a maior diferença entre produzir para papel e produzir para web?

Sigo produzindo literatura para web, porque nela tenho programas, imagens e outros instrumentos que me auxiliam e aumentam minhas possibilidades na produção.

Você mesmo monta seus HTMLs ou conta com a ajuda de um programador?

A produção do site e animações dos poemas é feita juntamente com meu filho Jossua.

Como leitor, o que e em que plataforma você gosta de ler?

Utilizo de preferência a internet para me informar e buscar em sites, blogs, links, páginas, programas que abordem temas de arte em geral.

Qual será, para você, o futuro do livro impresso?

Como se pode ler também digitalmente, penso que o livro impresso tende a diminuir sua importância, por outro lado os próprios programas digitais barateiam e auxiliam na produção do livro.


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 14/6/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O PSDB e o ensino superior de Gian Danton
02. Entrevista com Dante Ramon Ledesma de Celso A. Uequed Pitol
03. Duas distopias à brasileira de Carla Ceres
04. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
05. Tons por detrás do rei de amarelo de Eugenia Zerbini


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2013
01. Por uma lógica no estudo da ortografia - 12/7/2013
02. A literatura infanto-juvenil que vem de longe - 1/2/2013
03. Dicas para a criação de personagens na ficção - 1/3/2013
04. A poesia concreto-multimídia de Paulo Aquarone - 14/6/2013
05. O escritor e as cenas: mostrar e não dizer - 12/4/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Família Criativa
Daisaku Ikeda
Brasil Seikyo
(1998)



A Fábrica e a Cidade Ate 1930
Nicolina Luiza de Petta
Atual
(2004)



Paul Gauguin -mestres das Artes (1997)
Mike Venezia
Moderna
(1997)



A Metamorfose - Clássicos da Literatura Universal 2
Franz Kafka - Tradução Torrieri Guimarães
Ediouro
(1998)



Bloomberg By Bloomberg - Confira!
Michael Bloomberg
John Wiley Trade
(2001)



David - uma Liçao de Vida e de Marketing
Portes David de Mendonça
Futura
(2003)



A Tarde da Sua Ausência
Carlos Heitor Cony
Companhia das Letras
(2003)



Um Barril de Risadas
Jules Feiffer (autor), Carlos Sussekind
Cia das Letras
(2003)



Encontro na Montanha Vermelha - J. J. Benitez
J. J. Benitez
Planeta



Ecos Ecológicos: uma Jornada Em Defesa do Meio Ambiente
Luizinho Bastos - Livro Autografádo
Paulinas
(2007)





busca | avançada
59843 visitas/dia
2,0 milhão/mês