A fada do dente sou eu | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Música: Fabiana Cozza se apresenta no Sesc Santo André com repertório que homenageia Dona Ivone Lara
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Agosto, mês augusto
>>> Silêncio e grito
>>> Affirmative action
>>> Cozinhando com mamãe
>>> Conheça Carácolis (parte 1)
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> Mob Flash
>>> A Geração Paissandu
>>> História de um papagaio de papel
>>> Saleté S.A.
Mais Recentes
>>> Borderliners de Peter Hoeg pela Harvill Secker (1996)
>>> O Calcanhar da Memória de Luís Pimentel pela Bertrand Brasil (2004)
>>> Luluzinha Teen e Sua Turma N° 18 - o Rapto da Guitarra de N/d pela Pixel (2010)
>>> Biologia Volume 2 - Funções Vitais, Embriologia, Genética de José Luís Soares pela Scipione
>>> The Original Rogets International Thesaurus de Robert L. Chapman (edit.) pela Harper Collins (1992)
>>> A Interpretação do Antigo Testamento de Rolf P Knierim pela Editeo
>>> O Reino de Deus de George V. Pixley pela Edições Paulinas (1986)
>>> Godplayer de Robin Cook pela Signet (1984)
>>> Biologia Hoje - Volume 2 - Seres Vivos de Sérgio Linhares e Fernando Gewandsznajder pela Ática
>>> Besog Fra Brasilien de Eça de Queiroz pela Aschehoug
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Um Amor Imortal de Gordon Glasco pela Record (1983)
>>> Vagabond - N° 23 de Takehiko Inoue pela Conrad
>>> A Busca de Roberto Ferreira Santos pela Livre Expressão (2014)
>>> Lord Jim de Joseph Conrad pela Abril Cultural (1980)
>>> Otherwise - Engaged de Suzanne Finnamore pela Alfred A. Knopf (1999)
>>> Descobrindo a Alegria de Viver de Salle Merrill Redfield pela Sextante (2000)
>>> Manual Prático de Desenvolvimento da Memória de Charles Lucien de Liévre pela Madras (2001)
>>> Tarot Tavaglione : the Stairs of Gold Tarot de Giorgio M. S. Tavaglione pela N/d (1997)
>>> Estrela do Perigo de Marion Zimmer Bradley pela Imago
>>> A Garota do Calendário: Julho de Audrey Carlan pela Verus (2016)
>>> Vôo Cego de Júlio Emílio Braz pela Zeus (2003)
>>> Minha 1ª Biblioteca - Larousse Animais 2 de Adriana de Oliveira Silva pela Larousse (2007)
>>> The Kitchen Gods Wife de Amy Tan pela Harper Collins (1989)
>>> Plantas e Flores Guia Completo para a Jardinagem Dentro e Fora de Casa de N/d pela Abril Cultural (1977)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/9/2012
A fada do dente sou eu
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4000 Acessos

Meus dentes caídos não foram jogados no telhado. Não me lembro de como saíram de minhas gengivas, mas minha mãe os guardou e, mais tarde, fez "pezinhos" de ouro para cada um, tornando-os pingentes. Dois desses penduricalhos estão comigo, guardados, na gaveta das joias (que quase não tenho), mas confesso ser avessa a usá-los. Dão-me a impressão de uma moda meio primitiva, um colar de dentes de javali ou de elefante, sei lá.

Jogar os dentes no telhado trazia sorte, acho. Havia uma lenda qualquer nisso. Ou algo de bom acontecia, podia-se fazer um pedido especial, não sei. Jogar o dente no telhado era boa coisa, mas nunca os joguei, temendo que minha dentadura ficasse à mostra, à minha revelia, num sorriso espalhado pelo mundo.

Só que as crianças e os telhados de hoje não são mais os mesmos. Uma tal "fada do dente" surgiu no cenário mitológico das fases transitórias. Não sei a origem da lenda e nem me preocupei em procurá-la, mas essa fada deve ser norte-americana ou algo assim, moderninha como é, rica e poderosa, já que traz dinheiro para cada dente caído. Embora eu ache uma má compra, investimento esquisito, um pouco nojento, o trabalho dessa fada consiste em catar dentes deixados sob travesseiros, largando ali uma moedinha bem-feitora.

Meu filho, no áuge de sua troca de dentição, quase nos deixa pobres. Cada peça solta vale um ou dois reais, com cotação mais alta para incisivos. Houve ocasião em que a "fada" deixou lá uma nota de cinco por um dente de leite. Haja prejuízo.

A história da "fada" veio da escola, numa tarde amena, quando o primeiro dentinho caiu. O guri, já com a "janelinha", contou-me de uma tal "fada do dente", que vinha buscar o incisivo de leite embaixo do travesseiro, durante a noite ou sei lá. Nem sei bem por quê, embarquei na cena e fui lá fazer a compra do dente. Um real por um ossinho sujo. Por razões afetivas, guardei a peça entre as joias também.

Só que são muitos dentes. Os reais vão sendo trocados e a família inteira tornou-se "fada". Hoje vivo numa verdadeira convenção de "fadas do dente", cada uma com suas preferências. A fada sou eu, mas também é o avô, a avó, a tia, o pai, etc., sem distinções de cor, credo, idade, sexo, salário ou time de futebol. É como jogar batata quente: quem estiver presente no dia em que o dente cair acaba sendo a "fada do dente".

Só que um dia a casa cai (além do dente) e a verdade aparece. Só aí compreendi melhor por que razões entrei, um dia, nessa brincadeira. A decepção nos olhos do guri quase se converte em lágrimas, não fosse minha habilidade em desfazer mal-entendidos com pessoas queridas.

Dia desses, após a queda do quinto ou sexto dente da frente, meu menino chegou da escola com um canino enrolado em um algodão. A professora havia feito o serviço de extração, assim meio de surpresa, mas o dente precisava ser urgentemente colocado embaixo do travesseiro, em casa. Sabe lá se fada gosta de escola.

Só que algum colega mais desiludido abriu o bico: "ah, cara, a fada do dente é sua mãe!". E então o guri chegou em casa disposto a uma conversa séria, quase um acerto de contas. Em tom grave, veio me dizer:

"Mãe, é verdade que a fada do dente é você?"

Confesso que fiquei desconcertada. Será que eu conto? Já é hora? E esse tom de decepção? Decidi por manter a cena:

"Não, não. Ela existe!".

E disparei a argumentar sobre os momentos em que surgiu dinheiro embaixo do travesseiro, sem que eu estivesse em casa. E ele quase se convenceu. Saiu da sala e pareceu satisfeito, mas não estava. Logo surgiu de novo pela porta, com cara de poucos amigos, e disse:

"Mãe, pode me contar. Já está na hora de eu saber a verdade."

E então decidi ser franca:

"Então senta aqui perto. Precisamos ter uma conversa".

Foi assim que tirei a "fada do dente" de cena. Expliquei como trocávamos o dente por dinheiro. Contei do avô, da tia, do pai. Falei que éramos nós os benfeitores. Isso enquanto o garoto fazia cara de quem rememora. Ao final da conversa, tive dó do meu menino tão decepcionado, enganado e desiludido.Passados uns segundos, perguntei a ele:

"Tá triste? Preferia que a fada existisse?".

Ao que ele, sabiamente, me respondeu:

"É... eu tinha esperança de que um dia ela me pusesse debaixo do travesseiro uma nota de cem".

Menino inteligente. Ele sabe que agora as chances de ganhar seus cem contos são zero. Dei a ele uma nota de dois, só para manter a tradição, só que agora sem fake. A "fada do dente" já era.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 7/9/2012


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Gerald Thomas: arranhando a superfície do fundo de Jardel Dias Cavalcanti
02. Confissões de uma ex-podcaster de Tais Laporta


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2012
01. Quero estudar, mas não gosto de ler. #comofaz? - 10/2/2012
02. Voltar com ex e café requentado - 13/1/2012
03. iPad pra todo mundo - 13/4/2012
04. Como amar as pessoas como se não houvesse amanhã - 9/11/2012
05. Fazer conta de cabeça e a calculadora - 10/8/2012


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Uma Pequena Historia de Amor
Mirella Spinelli; Zuleika de Almeida Prado
Cortez
(2014)



O Fantástico Senhor Raposo
Quentin Blake
Martins Fontes
(2016)



Lord Jim
Joseph Conrad
Abril Cultural
(1982)



A infinita variedade dessa mulher
Louis Auchincloss
A girafa
(2004)



El Mar Y Las Campanas
Pablo Neruda
Lumen
(1973)



Todo Dia é Natal
Papa Francisco
Leya
(2017)



Traduzindo Hannah
Ronaldo Wrobel
Record
(2010)



Procurar e Encontrar Deus no Dia-a-dia
Pe. Juan A. Ruiz de Gopegui
Loyola
(2005)



As cidades invisíveis
Italo Calvino e Diogo Mainardi
Companhia das Letras
(1990)



Marketing de Serviços Casos Brasileiros
Angela da Rocha
Atlas
(2000)





busca | avançada
53064 visitas/dia
2,2 milhões/mês