Se ele não me lê | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 8/3/2013
Se ele não me lê
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4200 Acessos

Um escritor quer para si um outro escritor. Essa verdade é refreada pela minha escassa vontade de discutir sempre a mesma coisa no âmbito da casa, do lar, do doméstico. Mas, vez ou outra, me faz falta aquele ouvido absoluto de quem "entende do riscado", para me dizer das vírgulas mal-postas ou dos sentidos equivocados disto e daquilo. Mas aí me toco: o escritor quer para si ele mesmo? Um outro escritor que com ele se pareça e que o possa ouvir como se fosse uma "caixa de retorno"?

Há algum tempo, escrevi, aqui e ali, sobre a conquista de alguém pela escrita, o texto como "sereia", movimento de sedução que pode mover alguém na direção de outrem, impiedosamente. Ricardo Piglia, em seu livro O último leitor, trata do tema citando situações de Franz Kafka.

Qual escritor, será, não se identifica com a situação de escrever na tentativa de seduzir? As cartas (ou os e-mails) poderosas lançadas de lado a lado não nos soam como flechas? Um bilhete, que seja, pode almejar um século de paixão; um post it na tela do computador; um SMS no celular; um recado no espelho, com batom; um guardanapo levemente manchado, escrito com a caneta do garçom; um livro comprado com o intento de dizer, mais do que o de ser lido; um livro que eu gostaria de ter escrito. Quanta vez ganhei livro-mensagem, carta de apreço, alinhavos de alguém que queria um retorno fincado no coração (selvagem). Nem sempre aconteceu. Quase nunca, eu diria. Mas, como já disse antes, vez ou outra é o texto que me vence, antes do autor. E acontece quase sempre.

Mas e quem não me lê? Num dia desses, num passado muito recente, troquei mensagens com um amigo pelo chat do Facebook e estávamos tratando de uns reveses da vida, tombos e mais do que chegadas, partidas, quando ele me disse: "Ela não lê o que eu escrevo!". A exclamação era, então, muito mais que uma reclamação, era um argumento muito forte rumo ao não, rumo à conclusão de que "essa não é a pessoa certa".

"Ela não me lê". Onde se mostra mais o escritor? Em seu texto? Talvez não. Somente os muito parvos (literariamente, digo) são capazes de ver mesmo a pessoa no texto literário. Ou será que ela está escondida ali? Não creio. Já cansei de dizer: "O que aconteceu depende da narrativa". A narrativa é um perigo. A certa distância do fato, é só ela que pode construir as coisas ou reconstruí-las ou editá-las ou menti-las ou esquecê-las. Não é um perigo?

Se ela não te lê, o que ela quer? Você não a conquista pela escrita (então sua melhor arma não a atinge); ou ela sabe ofendê-lo em seu maior brio - sua escrita; ou ela o ignora porque sabe que é aí que o calo mais lhe dói; ou ela simplesmente não quer saber ao certo quem você é; ou ela prefere a versão em carne e osso, já que pode lhe parecer chatíssima a versão que você se dá pelo texto. Ou o que mais? Estou errada em tudo isso, eu sei.

Não é raro que o escritor tenha uma voz no texto; um tom, um ritmo, um jeito, um "estilo", sem polêmicas maiores, por favor. É até comum que o leitor escute o narrador (ou eu lírico) de um modo e sinta um ente naquele texto que lê... e essa voz não seja a mesma que escuta quando o escritor, em pessoa, dá uma entrevista ou um depoimento. E quem são esses? Fundem-se?

E se ela não te lê, meu caro, o jeito é desistir? Talvez. Ela não o visita onde mais você se sustenta, vive e está. Ela não se deleita com seu maior prazer. Ela não o deseja aí nesse universo onde você vive mais e melhor do que do outro lado. E então? O que você ainda está fazendo ao lado dela?

Eu, de cá, acho que perdi a imensa vontade de ter ao meu lado alguém que me lê em tudo o que escrevo. Somente mesmo faço questão de uma seleção muito mínima. Não precisa me ler, meu caro: vamos conversar, interagir de outras formas. Se eu precisar de leitores, ainda mais de especialistas, recorro a uns amigos e aos profissionais. De você quero outros olhos. Mas por quê? Porque não sei se é nos textos que quero que me descubram; e talvez porque nos meus textos eu jamais esteja inteira; ou jamais esteja de verdade; ou jamais tenha me encontrado; ou seja muito falsa. Faço questão de abrir fendas entre o que sou e o que escrevo.

Veja: ocorre que faço o outro sofrer com o que escrevo, percebe? Certa vez, ele me leu e sentiu imensos ciúmes. E, ao mesmo tempo, sentiu-se ridículo por sentir tanto ciúme de um texto, de um personagem. Mas o que mais lhe doeu foi a dúvida: será que é mesmo ela? E qualquer coisa que eu dissesse não o esclareceria. Para prevenir rugas desse tipo de preocupação, ele deliberou, um dia: "Não vou mais ler você nos textos". E não leu mais. Não leu porque evitou indiretas, carapuças, alfinetadas, mentiras e verdades. Não leu porque não precisava da narradora, mas da mulher. Não leu porque não queria acreditar naquela voz tão instável. Não leu porque não transitava bem entre a literatura e a vida, que podia ser melhor sem a literatura.

Eu não o julguei e não insisti. Eu me senti livre, sabia? Eu me senti uma narradora muito mais viável. Eu não tive mais vontades de autocensura quando escrevia isto ou aquilo. Eu me senti uma escritora bem mais invenção do que relato.

Mas se te magoa, amigo, vá lá. Vá saber por que ela não te lê. Eu vivi uma relação incerta, por anos, com um outro escritor (entre outros) e nossa avaliação recíproca não nos salvou do fracasso. No dia em que não o li mais, desligamo-nos. Foi assim como dizer: "Não te admiro" ou "não quero isso que você tanto ama". E a ofensa foi maior que tudo. E não é verdade que um escritor entende o outro. Não é verdade que um escritor desculpe melhor o outro.

Que um outro, mais recente, não me leia é a liberdade de ser quantas mulheres-narradoras eu quiser. E é como se ele ignorasse, alegremente, uma delas que lhe soa muito infiel. Ou muito popular. Esta aqui, sem teclas ou canetas sob os dedos, parece-lhe mais tangível, mais verdadeira e mais sua.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 8/3/2013


Mais Ana Elisa Ribeiro

colunista_mais_acessadas_query=SELECT colunistas.iniciais, colunas.ano, colunas.acessos, colunas.codigo, colunas.titulo, colunas.dia, colunas.mes FROM chamadas, colunas, colunistas WHERE colunas.codigo = chamadas.coluna AND colunas.colunista = colunistas.codigo AND colunistas.iniciais = 'AER' AND colunas.ano = 2013 ORDER BY colunas.acessos DESC LIMIT 10 Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2013
01. Elogio ao cabelo branco - 16/8/2013
02. O fim e o café solúvel - 26/4/2013
03. A bibliotecária de plantão - 18/10/2013
04. Coisas que eu queria saber fazer - 18/1/2013
05. Se ele não me lê - 8/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CONTESTAÇÃO JUVENIL
JOSÉ M.ª CARANDELL
BIBLIOTECA SALVAT
(1979)
R$ 5,00



DR HOUSE
TONI DE LA TORRE
LUA DE PAPEL
(2010)
R$ 15,00



CAPITALISMO
JOHN KENNETH GALBRAITH
ZAHAR EDITORES
(1964)
R$ 12,00



HISTÓRIAS QUE OS JORNAIS NÃO CONTAM
MOACYR
AGIR
(2009)
R$ 18,50



ALONGUE-SE
BOB ANDERSON
SUMMUS
(1983)
R$ 42,00



EM BUSCA DO TESOURO DE MAGRITTE
RICARDO DA CUNHA LIMA
FTD
(1999)
R$ 5,00



VIVER UM GRANDE AMOR
TELMA GUIMARÃES/ CASTRO ANDRADE
SCIPIONE
(2003)
R$ 6,00



A RELÍQUIA
EÇA DE QUEIRÓS
CIRANDA
(2018)
R$ 20,00



O ÔNIBUS MÁGICO – VIAGEM PELA ELETRICIDADE
JOANNA COLE; ILUSTRAÇÕES DE BRUCE DEGEN; TRADUÇÃO DE LAURA NEVES
ROCCO
(2020)
R$ 8,00



O RAMO DE PRATA - VOL. 2
ROSEMARY SUTCLIFF
GALERA RECORD
(2012)
R$ 30,00





busca | avançada
62663 visitas/dia
2,6 milhões/mês