Foi apenas um sonho | Marcelo Spalding | Digestivo Cultural

busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Fantasmas do antigo Recife
>>> Luther King sobre os fracos
>>> O centenário do Castor
>>> O comercial do Obama
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> Mininas no Canto Madalena
>>> Quase cinquenta
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
Mais Recentes
>>> O Brasil e Seu Duplo de Luiz Eduardo Soares pela Todavia (2019)
>>> Este Não é Mais Um Livro de Dieta de Rodrigo Polesso pela Gente (2018)
>>> Seu Cachorro é o Seu Espelho de Kevin Behan pela Magnitudde (2012)
>>> Mini Becky Bloom - Tal Mãe, Tal Filha de Sophie Kinsella pela Record (2011)
>>> O Presidente Que Sabia Javanês de Carlos Heitor Cony; Angeli pela Boitempo (2000)
>>> Introdução ao Pensamento Sociológico de Anna Maria de Castro; Edmundo F. Dias pela Eldorado (1977)
>>> Como Falar em Público Corretamente e Sem Inibições de Reinaldo Polito pela Saraiva (1999)
>>> As Mais Belas Orações de Todos os Tempos de Rose Marie Muraro: Raimundo Cintra pela Rosa dos Tempos (1993)
>>> Empreenda Sem Fronteiras de Bruno Pinheiro pela Gente (2016)
>>> Eu Fico Loko -As Desventuras de Um Adolescente Nada Convencional de Christian Figueiredo de Caldas pela Novas Páginas (2015)
>>> Teoria Geral do Direito e Marxismo de Evguiéni B. Pachukanis pela Boitempo (2017)
>>> O Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Abril Cultural (1981)
>>> A Revolução Russa de 1917 de Marc Ferro pela Perspectiva (1974)
>>> A Questão Urbana de Manuel Castells pela Paz e Terra (1983)
>>> Esquerdismo Doença Infantil do Comunismo de V. I. Lenin pela Expressão Popular (2014)
>>> Crônicas de Nuestra América de Augusto Boal pela Codecri (1977)
>>> A Desumanização da Arte de José Ortega y Gasset pela Cortez (1991)
>>> Homens Em Tempos Sombrios de Hannah Arendt pela Companhia De Bolso (2013)
>>> A Música do Tempo Infinito de Tales A. M .Ab'Sáber pela Cosac & Naify (2012)
>>> Poesia e Filosofia de Antonio Cicero pela Civilização Brasileira (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> O ornamento da massa de Siegfried Kracauer pela Cosac & Naify (2009)
>>> O Horror Econômico de Viviane Forrester pela Unesp (1997)
>>> Merleau-ponty e a Educação de Marina Marcondes Machado pela Autentica (2010)
>>> Revoluções de Michael Lowy pela Boitempo (2009)
COLUNAS

Quinta-feira, 23/4/2009
Foi apenas um sonho
Marcelo Spalding
+ de 4100 Acessos
+ 1 Comentário(s)

O que aconteceria se aquela história de amor continuasse depois do primeiro beijo, do primeiro encontro, do casamento? Seriam Romeu e Julieta tão felizes não fosse o fim trágico? Terá durado para sempre o amor do príncipe e da Cinderela? E teria o cinematográfico romance de Jack Dawson e Rose DeWitt Bukater sobrevivido em terra não fosse o desastre do Titanic?

Foi apenas um sonho, mais recente longa de Sam Mendes, de certa forma nos remete a essa velha questão geral com o caso específico de Jack e Rose, casal interpretado por Leonardo DiCaprio e Kate Winslet que levou milhões de espectadores ao cinema em 1997 com o épico Titanic. Claro que no novo longa, o primeiro em que os dois contracenam depois de Titanic, DiCaprio não é Jack e nem Kate é Rose. DiCaprio é Frank Wheeler, um pai de família cheio de planos e sonhos que aos poucos vai se amoldando à vida de pequeno burguês norte-americano. E Kate é April Wheeler, esposa de Frank e mãe de duas filhas, uma mulher de meia idade inconformada com a rotina tediosa e monótona.

Mas ao escolher o casal, e não Leonardo e Angelina Jolie, ou Kate e Brad Pitt, por exemplo, Sam Mendes nos remete ao idílio juvenil da década passada e aos tantos romances adocicados de Hollywood (uma outra versão poderia trazer Tom Hanks e Meg Ryan, se eles estiverem dispostos a mudar a imagem de par perfeito). Por que como já diz o título na tradução para o português, foi (não é mais) apenas (no sentido de só) um sonho. Nada mais.

O começo do filme já é incomum: enquanto voltam de uma fracassada peça encenada por April, o casal discute fortemente na beira da estrada, e Frank, o marido, quase chega a bater na mulher. Só depois da forte discussão surge o nome do filme e ele começa de fato: nada de trilhas musicais, voos com a câmera, passeios de carro. É uma espécie de recado ao espectador: se você estava esperando uma continuação melosa de Titanic, esqueça. Aqui é vida real.

E a versão de vida real de Sam Mendes é sempre muito ácida, realista ao extremo e até com certo extremismo (vide Beleza Americana, seu filme de maior sucesso). Aqui não bastam as conquistas materiais que fizeram a cabeça da geração pós-guerra norte-americana (o filme se passa nos anos 50), e nem bastam dois filhos lindos e saudáveis. É preciso mais, é preciso algo além de uma rotina entediante, preestabelecida, é preciso romper com o status quo. E eis a grande questão.

Os Wheeler, na história, têm em torno de 30 anos de idade e foram jovens cheios de sonhos, se consideravam especiais, e por isso um casal também especial, avante de seu tempo, diferente dos pequenos burgueses do subúrbio de Connecticut. Acreditavam estar ali apenas para se estabilizar, mas esse tempo parecia durar demais, e começaram as brigas, discussões fortes, quase às vias de fato. Até que April tem uma bela ideia: juntar as economias, vender casa e carro e mudarem-se para Paris, onde ela trabalharia como secretária e Frank teria tempo para pensar o que realmente gostaria de fazer.

Evidentemente vizinhos e colegas de trabalho acham a ideia estapafúrdia, infantil. Só quem se anima é o filho de um casal de amigos, diagnosticado como louco e paciente de clínicas psiquiátricas (talvez o mais lúcido dos personagens, de uma lucidez e espontaneidade tais que o tornam antissocial, agressivo e inoportuno). Mas o projeto anima o casal, anima até mesmo as crianças, e eles voltam a se sentir diferentes daquela classe média, mediana, medíocre. Até que April descobre estar novamente grávida. E Frank recebe uma proposta de promoção na sua empresa.

Paremos aqui, não é intenção contar o filme todo e muito menos o final. Mau final, aliás. Se tivesse de resumir o filme para o Twitter, diria que é um bom filme com um mau final. O objetivo aqui é refletir sobre os conflitos que o filme traz, especialmente essa necessidade ― e impossibilidade ― que temos de romper com o status quo.

Verdade que nos dias atuais, e o filme se passa nos anos 50 mas poderia ser transposto sem dificuldade para os anos 2000, ainda menos gente do que nos anos 50 está preocupada em enfrentar o status quo, e tantos nem sabem o que é isso, vivendo sob o signo da alienação. Mesmo assim muitos dos que procuraram o filme se identificam com a sensação do casal, a estranha sensação de ter tudo... e não ser nada. Quanto se luta para ter uma casa quitada, um carro do ano, um pátio para molhar a grama, filhos saudáveis. E por que parece que ainda falta alguma coisa? O que falta? Paris? E será que também em Paris não se sente isso tudo?

Já que falamos em cinema, e em Paris, lembro de Antes do pôr do sol, de 2004, continuação de Antes do amanhecer (1995), em que o protagonista também tem família e filho, mas ao encontrar uma antiga paixão questiona toda sua vida até ali, o que fez com os sonhos de sua juventude e o que se tornou. Com poucas certezas e uma sensação insaciável de que precisa aproveitar mais a vida, optará no final pela aventura. Mas aí o filme termina e poderíamos nos perguntar se também Jesse e Celine não acabariam como os Wheeler.

Quem arrisca uma solução extrema e corajosa por causa dessa angústia da meia-idade é a personagem protagonizada por Julianne Moore em As Horas (2002). Nela, todo esse desencanto com a vida, ainda que tudo esteja aparentemente no lugar ― casa, família ―, motiva uma fuga que só no final da história saberemos o que a causa (a tristeza e posterior suicídio do filho quando adulto, interpretado por Ed Harris).

Em todas as histórias, porém, nessas e em tantas outras, de Beleza Americana a Lost in Translation, o mal que assola é o mesmo: a sensação de incompletude. Um mal moderno, de uma geração que não luta em guerras, não passa fome, conquistou alguma independência mas se vê submetida a empregos medíocres, vizinhanças alienadas, relacionamentos fugazes. Ou, simplesmente, é o vazio existencial que vem chegando no seu limite, convertendo-se num novo mal do século.

Nota do Editor
Leia também "Foi apenas um sonho, de Richard Yates".


Marcelo Spalding
Porto Alegre, 23/4/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Gerald Thomas de Jardel Dias Cavalcanti
02. Mino Carta e a 'imbecilização do Brasil' de Humberto Pereira da Silva
03. Vagas? Talvez. Quem sabe? Depende de você também. de Jardel Dias Cavalcanti
04. O continente sol de Vera Moreira


Mais Marcelo Spalding
Mais Acessadas de Marcelo Spalding em 2009
01. Quanto custa rechear seu Currículo Lattes - 5/3/2009
02. O melhor da década na literatura brasileira: prosa - 31/12/2009
03. Literatura para quê? - 17/12/2009
04. Literatura e interatividade: os ciberpoemas - 10/9/2009
05. Era uma vez o conto de fadas - 2/4/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/4/2009
09h16min
A beleza das histórias de amor reside, sim, na tragédia ou na comédia, desde que ela coloque-nos num sobressalto de emoção. Podemos descartar a peça que não possui essa característica, pois para nós, seres mortais, o importante é ser cúmplice de todas as grandes histórias, seja no romance, no teatro, no cinema. Enfim, é o que esperamos da arte de ficção.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Conversas Com Gestores de Ações Brasileiros - a Fórmula dos Grandes...
Luciana Seabra
Portfolio Penguin
(2018)



Modern Business® - Corporation Finance
Jules I. Bogen
Alexander Hamilton Institute
(1954)



Sao Bernardo e Caetés (2 Livros Pocket Em 1)
Graciliano Ramos
Record
(1996)



Livro - Despindo a Morte
Gabrielle Biondi
Letra Espírita
(2019)



Névoa
Kathryn James
Farol Literario
(2013)



Maquina do Tempo
H. G. Wells
Alfaguara
(2010)



Drácula
Bram Stoker
L&pm
(1998)



Batman 80 Anos Detective Comics
Chris Conroy Jamie S Rich Dave Wielgosz
Panini Comics Dc
(2019)



Livro - o Drama Sagrado de Elêusis
Edouard Schuré / de Bolso
Antroposófica
(2011)



A Promessa
Pearl S. Buck
Melhoramentos
(1964)





busca | avançada
48473 visitas/dia
1,4 milhão/mês