Cartas que mudaram a História! | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/4/2002
Cartas que mudaram a História!
Rennata Airoldi

+ de 8900 Acessos

Hoje não vou falar sobre teatro ou sobre a arte do ator. Pelo menos não diretamente, pois na verdade tudo aquilo que diz respeito ao ser humano e às relações humanas tratam indiretamente de Arte. Também gostaria de alertar aos leitores desta coluna que não sou do "tipo" careta ou contra o progresso tecnológico, muito pelo contrário. Adoro as novidades que tornam nossas vidas mais fáceis e ágeis.

Nesta semana, porém, ocorreram-me alguns pensamentos em relação à escrita e à maneira de comunicação através dela. Tudo começou quando eu e uma amiga resolvemos, por razões profissionais, resgatar cartas e bilhetes acumulados durante todos nossos anos de vida, (na verdade não são tantos assim), para que pudéssemos refazer um pouco de nossa história e relembrar alguns dos fatos mais importantes de nossa existência.

Assim, trocamos nossos "tesouros literários" e, ao lê-los, fomos surpreendidas por um acúmulo imenso de informações e maneiras de colocá-las muito similares. Isso porque, na maior parte, essas cartas e bilhetes eram confidências adolescentes entre amigas, cartas de amor, declarações... Em meio a tantas palavras é difícil não se emocionar, não se divertir, não se remeter a um mundo que quase não existe mais. É tão bom ler cartas! Não sei se meus filhos lerão cartas. Acho que só "e-mails" que possivelmente serão rapidamente deletados. É uma pena...

Quando foi a última carta que você escreveu? Você se lembra da última carta que recebeu? E da emoção ao abrir uma carta ansiosamente esperada? A curiosidade, levando à inconfessável tentação de abrir a correspondência alheia. O ato de deslocar-se até o correio e postar a carta: pronto, não adianta mais se arrepender, pois agora as palavras ali escritas serão lidas pelo destinatário.

Pense na coisa desde o começo, desde quando alguém resolve mandar uma carta. Primeiro: escolher o papel, a caneta. Escrever, rabiscar, re-escrever, achar uma droga! Amassar o papel, jogar fora e começar tudo de novo... Só nisso já vai um tempão, fora o trabalho manual que é a escrita. Depois, colocar num envelope, enfrentar as filas do correio, selar e enviar. Trabalhão!!!

Entretanto, nada disso impediu e continua não impedindo as pessoas de enviarem correspondências umas para as outras. Escrever uma carta a alguém é no mínimo um ato de coragem. Na maioria das vezes, um ato de amor. Ninguém em sã consciência vai passar por todo esse processo para escrever a alguém que não mereça tamanha dedicação. No filme de Walter Salles, "Central do Brasil", a personagem de Fernanda Montenegro explora as pessoas justamente nesse ponto: o sentimento. A vontade de falar o que não somos capazes oralmente, localizar os que se perderam, sentir mais próximos aqueles que estão distantes...

Mas, voltando às nossas cartas, minha amiga e eu descobrimos verdadeiras "pérolas": expressões que se repetem em alguns casos parecidos. Por exemplo, quando vamos nos declarar a alguém ou mesmo dizer o que pensamos de um relacionamento, hora ou outra aparecem expressões do tipo "me desculpe se estou sendo chata", "sei que você deve estar cansado desta carta", "desculpe, esquece o que eu disse", etc, etc. Desculpas e mais desculpas.

A loucura disso tudo é que pudemos perceber o quanto não assumimos as coisas da maneira como deveríamos e o quanto diminuímos nossos sentimentos e pensamentos diante das outras pessoas. O tempo todo tratamos como algo banal aquilo que nos é muito importante e com isso nos sentimos menos sensíveis e vulneráveis.

Você deve estar se perguntando: "tá, e daí?" Hoje em dia mandamos e-mail... Sim, concordo plenamente, mas não é a mesma coisa. Todas as formalidades que envolvem escrever uma carta à mão e enviá-la pelo correio são diferentes. Isso não é saudosismo. É, talvez seja um pouco, mas e daí? Acho interessante este lado romântico da vida que vem sendo esquecido. O fato da notícia não chegar instantaneamente do outro lado do mundo, mas sim, percorrer oceanos, até atingir seu destino. Quem nunca escreveu uma carta que jamais teve coragem de enviar? Ou resolveu colocar uma carta anônima para aquela pessoa, dizendo tudo aquilo que você jamais diria "olho no olho"?

Então, foi por isso que ler todas essas cartas me fez um enorme bem e me encheu de saudade. Fiquei feliz por constatar mais uma vez que a essência do ser humano não muda. Os mesmos erros, os mesmos medos, as mesmas confusões e as mesmas angústias. Todas difíceis de serem traduzidas em palavras. Mas ao mesmo tempo, emocionantes quando ditas na hora certa, da maneira correta. Fiquei com saudade deste tempo em que sabíamos esperar. Em que executávamos algo que teria uma certa vida útil.

Muitas coisas seriam diferentes se não fossem as cartas. O atraso delas, o desvio, a perda da informação. Cartas que não chegaram nunca... Já pensou se na peça de Shakespeare, "Romeu e Julieta", eles tivessem trocado um e-mail ao invés do padre ter enviado uma carta através de um mensageiro, que não chegou a tempo para o Romeu? Com certeza a história seria menos trágica e romântica. Talvez eles tivessem casado, produzido muitos filhos e morrido velhos e acabados... E se Getúlio Vargas não tivesse escrito a carta de suicídio? Já pensou o que é escrever uma carta dessas?

Estou realmente instigada por esse universo. Eu acho que jamais deveríamos deixar de mandar cartas, pelo menos às pessoas que nos são caras. O ato de abrir o envelope e ler algumas palavras de quem a gente gosta, a quem queremos bem, tem um sabor de inocência e frescor. Hoje, só abrimos as seguintes correspondências: contas, propagandas, panfletos de ofertas. Só. Uma lástima. Eu me lembro de quando contava os dias para receber certas cartas. Era alucinante ver o carteiro descendo a rua, dava para ver de longe aquele uniforme amarelo...

É uma pena que as pessoas substituam uma coisa por outra ao invés de simplesmente deixar que ambas compartilhem uma coexistência pacífica. Mande seu e-mail sim, é rápido, fácil, eficiente. Porém, pegue uma tarde em que você lembrou de alguém com quem gostaria de conversar e escreva uma carta. Envie e espere a resposta. Certamente você terá grandes surpresas! Talvez você não possa mudar a história do mundo, mas você pode mudar a sua história. E isso já é um grande começo!


Rennata Airoldi
São Paulo, 10/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Piada pronta de Luís Fernando Amâncio
02. O Abismo e a Riqueza da Coadjuvância de Duanne Ribeiro
03. Meshugá, a loucura judaica, de Jacques Fux de Jardel Dias Cavalcanti
04. A pomba gíria de Ana Elisa Ribeiro
05. Eu matei Marina Abramovic (Conto) de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
03. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
04. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002
05. Uma conversa com Reinaldo Moraes - 18/9/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




VILLA KYRIAL CRÔNICA DA BELLE ÉPOQUE PAULISTANA VILLA KYURIAL
MARCIA CAMARGOS
SENAC
(2001)
R$ 50,00



COMENTÁRIOS ÀS ALTERAÇÕES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
RT
(2009)
R$ 20,00



ECOS DE PARIS
EÇA DE QUEIROZ - CAPA DURA VERMELHA
LELLO & IRMÃO EDITORES
R$ 12,00



SUBLIME OBSESSAO
LLOYD DOUGLAS
EDART
(1962)
R$ 7,00



MARKETING POLÍTICO DO COMÍCIO A INTERNET
CARLOS MANHANELLI
ABCOP
(2007)
R$ 40,00



ACOUSTIC METHODS OF INVESTIGATING POLYMERS
I. PEREPECHKO
MIR PUBLISHERS
(1975)
R$ 290,00



O RETORNO DO CONDE KRINKODEMO
GARY MORECAMBE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2007)
R$ 26,82



REENCARNAÇÃO E EMIGRAÇÃO PLANETÁRIA
DINKEL DIAS DA CUNHA
CÁTEDRA
(1989)
R$ 80,00
+ frete grátis



DO NICHO AO LIXO: AMBIENTE, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO
FRANCISCO CAPUANO SCARLATO
ATUAL EDITOR
(1992)
R$ 12,00



LUIS BUÑUEL
RAYMOND DURGNAT
FUNDAMENTOS
(1976)
R$ 25,28





busca | avançada
48394 visitas/dia
1,1 milhão/mês