Cartas que mudaram a História! | Rennata Airoldi | Digestivo Cultural

busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
>>> Projeto Camerata Filarmônica Brasileira apresenta concerto comemorativo no dia 15 de maio em Indaiat
>>> Ação Urgente Contra a Fome - SescSP
>>> 3ª Mostra de Teatro de Heliópolis recebe inscrições até 31 de maio
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Irredentismo
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> Hitler, de Ian Kershaw, pela Companhia das Letras
>>> Livrarias em tempos modernos
>>> O que é a memética?
>>> O dinossauro de Augusto Monterroso
>>> Sobre o Jabá
>>> Você viveria sua vida de novo?
>>> Suicídio, parte 2
Mais Recentes
>>> A Nova Ciência da Política de Eric Voegelin pela Universidade de Brasília (1982)
>>> Gestión del Conocimiento de Agustí Canals pela Gestión (2003)
>>> Brasil:a Arte de Hoje de Jocob Klintoeitz pela Sao Paulo (1983)
>>> A Conquista do Rio Grande Volume 1 de Jose Netto pela Rio Cell (1989)
>>> Rui Barbosa:tentativa de Compreenção e de Síntese de Luiz Delgado pela Jose Olympio (1945)
>>> T. E. C. Tecnologia Estelar Complementável de Marcelo Santana pela Anthology (2010)
>>> O Pensamento de Platão de Antonio Freire pela Livraria Cruz - Braga (1967)
>>> O Circo de Lucca de Zugliani Jorge Otávio pela Devir (2007)
>>> Far Eastern Ceramics - Marks and Decoration de Maria Penkala pela Mouton (1963)
>>> Tesoros del Arte Japones:periodo Edo(1615-1868) de Museo Fuji - Tokio pela Fundacion Juan March (1995)
>>> Ferrari-the Sports and Gran Turismo Cars de Warren W Fitzgerald / Richard F Merrittn e Outros pela Norton Company (1979)
>>> Cómo Evaluar y Mejorar Sus Capacidades Personales de Gareth Lewis pela Gestión (2000)
>>> Noções Básicas de Importação de João dos Santos Bizelli e Ricardo Barbosa pela Aduaneiras (1993)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Organizacion del Almacen de Michele Calimeri pela Hispano Europea (1961)
>>> Mestres do Marketing de Gene Walden pela Ediouro (1994)
>>> O Poder do Marketing Direto de Ray Jutkins pela Makron (1994)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Dinheiro Dinheiro Dinheiro... Como Ganhar Rapidamente de Mathias Gonzalez pela Ediouro (1987)
>>> Como Negociar Aumento de Salário de George M. Hartman pela Ediouro (1995)
>>> Karoshi o Jogo da Qualidade - Completo de Paulo Sandroni e Luis Alberto Sandroni pela Best Seller (1995)
>>> O Monstro Embaixo da Cama de Stan Davis pela Futura (1996)
>>> Techno Trends de Daniel Burrus pela Record (1994)
>>> Vendas e Marketing - o Livro que Você Precisa para Ingressar no Mun... de Manole pela Manole (1999)
>>> Marketing 1 - Acompanha Cd de Ltc pela Ltc (2003)
COLUNAS

Quarta-feira, 10/4/2002
Cartas que mudaram a História!
Rennata Airoldi

+ de 9800 Acessos

Hoje não vou falar sobre teatro ou sobre a arte do ator. Pelo menos não diretamente, pois na verdade tudo aquilo que diz respeito ao ser humano e às relações humanas tratam indiretamente de Arte. Também gostaria de alertar aos leitores desta coluna que não sou do "tipo" careta ou contra o progresso tecnológico, muito pelo contrário. Adoro as novidades que tornam nossas vidas mais fáceis e ágeis.

Nesta semana, porém, ocorreram-me alguns pensamentos em relação à escrita e à maneira de comunicação através dela. Tudo começou quando eu e uma amiga resolvemos, por razões profissionais, resgatar cartas e bilhetes acumulados durante todos nossos anos de vida, (na verdade não são tantos assim), para que pudéssemos refazer um pouco de nossa história e relembrar alguns dos fatos mais importantes de nossa existência.

Assim, trocamos nossos "tesouros literários" e, ao lê-los, fomos surpreendidas por um acúmulo imenso de informações e maneiras de colocá-las muito similares. Isso porque, na maior parte, essas cartas e bilhetes eram confidências adolescentes entre amigas, cartas de amor, declarações... Em meio a tantas palavras é difícil não se emocionar, não se divertir, não se remeter a um mundo que quase não existe mais. É tão bom ler cartas! Não sei se meus filhos lerão cartas. Acho que só "e-mails" que possivelmente serão rapidamente deletados. É uma pena...

Quando foi a última carta que você escreveu? Você se lembra da última carta que recebeu? E da emoção ao abrir uma carta ansiosamente esperada? A curiosidade, levando à inconfessável tentação de abrir a correspondência alheia. O ato de deslocar-se até o correio e postar a carta: pronto, não adianta mais se arrepender, pois agora as palavras ali escritas serão lidas pelo destinatário.

Pense na coisa desde o começo, desde quando alguém resolve mandar uma carta. Primeiro: escolher o papel, a caneta. Escrever, rabiscar, re-escrever, achar uma droga! Amassar o papel, jogar fora e começar tudo de novo... Só nisso já vai um tempão, fora o trabalho manual que é a escrita. Depois, colocar num envelope, enfrentar as filas do correio, selar e enviar. Trabalhão!!!

Entretanto, nada disso impediu e continua não impedindo as pessoas de enviarem correspondências umas para as outras. Escrever uma carta a alguém é no mínimo um ato de coragem. Na maioria das vezes, um ato de amor. Ninguém em sã consciência vai passar por todo esse processo para escrever a alguém que não mereça tamanha dedicação. No filme de Walter Salles, "Central do Brasil", a personagem de Fernanda Montenegro explora as pessoas justamente nesse ponto: o sentimento. A vontade de falar o que não somos capazes oralmente, localizar os que se perderam, sentir mais próximos aqueles que estão distantes...

Mas, voltando às nossas cartas, minha amiga e eu descobrimos verdadeiras "pérolas": expressões que se repetem em alguns casos parecidos. Por exemplo, quando vamos nos declarar a alguém ou mesmo dizer o que pensamos de um relacionamento, hora ou outra aparecem expressões do tipo "me desculpe se estou sendo chata", "sei que você deve estar cansado desta carta", "desculpe, esquece o que eu disse", etc, etc. Desculpas e mais desculpas.

A loucura disso tudo é que pudemos perceber o quanto não assumimos as coisas da maneira como deveríamos e o quanto diminuímos nossos sentimentos e pensamentos diante das outras pessoas. O tempo todo tratamos como algo banal aquilo que nos é muito importante e com isso nos sentimos menos sensíveis e vulneráveis.

Você deve estar se perguntando: "tá, e daí?" Hoje em dia mandamos e-mail... Sim, concordo plenamente, mas não é a mesma coisa. Todas as formalidades que envolvem escrever uma carta à mão e enviá-la pelo correio são diferentes. Isso não é saudosismo. É, talvez seja um pouco, mas e daí? Acho interessante este lado romântico da vida que vem sendo esquecido. O fato da notícia não chegar instantaneamente do outro lado do mundo, mas sim, percorrer oceanos, até atingir seu destino. Quem nunca escreveu uma carta que jamais teve coragem de enviar? Ou resolveu colocar uma carta anônima para aquela pessoa, dizendo tudo aquilo que você jamais diria "olho no olho"?

Então, foi por isso que ler todas essas cartas me fez um enorme bem e me encheu de saudade. Fiquei feliz por constatar mais uma vez que a essência do ser humano não muda. Os mesmos erros, os mesmos medos, as mesmas confusões e as mesmas angústias. Todas difíceis de serem traduzidas em palavras. Mas ao mesmo tempo, emocionantes quando ditas na hora certa, da maneira correta. Fiquei com saudade deste tempo em que sabíamos esperar. Em que executávamos algo que teria uma certa vida útil.

Muitas coisas seriam diferentes se não fossem as cartas. O atraso delas, o desvio, a perda da informação. Cartas que não chegaram nunca... Já pensou se na peça de Shakespeare, "Romeu e Julieta", eles tivessem trocado um e-mail ao invés do padre ter enviado uma carta através de um mensageiro, que não chegou a tempo para o Romeu? Com certeza a história seria menos trágica e romântica. Talvez eles tivessem casado, produzido muitos filhos e morrido velhos e acabados... E se Getúlio Vargas não tivesse escrito a carta de suicídio? Já pensou o que é escrever uma carta dessas?

Estou realmente instigada por esse universo. Eu acho que jamais deveríamos deixar de mandar cartas, pelo menos às pessoas que nos são caras. O ato de abrir o envelope e ler algumas palavras de quem a gente gosta, a quem queremos bem, tem um sabor de inocência e frescor. Hoje, só abrimos as seguintes correspondências: contas, propagandas, panfletos de ofertas. Só. Uma lástima. Eu me lembro de quando contava os dias para receber certas cartas. Era alucinante ver o carteiro descendo a rua, dava para ver de longe aquele uniforme amarelo...

É uma pena que as pessoas substituam uma coisa por outra ao invés de simplesmente deixar que ambas compartilhem uma coexistência pacífica. Mande seu e-mail sim, é rápido, fácil, eficiente. Porém, pegue uma tarde em que você lembrou de alguém com quem gostaria de conversar e escreva uma carta. Envie e espere a resposta. Certamente você terá grandes surpresas! Talvez você não possa mudar a história do mundo, mas você pode mudar a sua história. E isso já é um grande começo!


Rennata Airoldi
São Paulo, 10/4/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cidade-sinestesia de Elisa Andrade Buzzo
02. Cidade limpinha de Elisa Andrade Buzzo
03. Teatro para todos de Rennata Airoldi


Mais Rennata Airoldi
Mais Acessadas de Rennata Airoldi em 2002
01. Cartas que mudaram a História! - 10/4/2002
02. Saudosismo - 10/7/2002
03. Do primeiro dia ao dia D - 13/3/2002
04. Enfim: Mário Bortolotto! - 25/9/2002
05. A Nova Hora, A Hora da Estrela! - 6/3/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




The Rolling Stones - a Biografia Definitiva
Christopher Sandford
Record
(2014)



Meditação para as Novas Mães
Beth Wilson Saavedra
Rocco
(1997)



Aspectos Bioecológicos de las Taxocenosis de Peces Eléctricos o C
Acta Biologica Venezuelica Vol 17 - Nº 3 -
Universidad Central Venezuela
(1997)



Wikileaks - Bastidores do Poder
Sérgio Pereira Couto
Universo Editorial
(2011)



La Terre: Une Vie de Tournemente (french Edition)
Jean Riser
Ellipses
(2004)



Muriquei - Reis da Mata
Luciano Candisani
Do Autor
(2017)



Memórias de um Sargento de Milícias
Manuel Antônio de Almeida
Ática
(1985)



Mapa do Mercado de Trabalho no Brasil - Nº 2
Ibge
Ibge (rj)
(1994)



A Queda de Jericó
Cedic
Cedic
(2013)



Agropecuária Orgânica Em Dose Homeopáticas e Romantizadas
Santiago Dorremim
Do Ré Mi
(2007)





busca | avançada
104 mil/dia
2,5 milhões/mês