A rentável miséria da literatura | Lucas Carvalho Peto | Digestivo Cultural

busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês
Mais Recentes
>>> CRIANÇAS DE HELIÓPOLIS REALIZAM CONCERTO DE GENTE GRANDE
>>> Winter Fest agita Jurerê Internacional a partir deste final de semana
>>> Coletivo Roda Gigante inicia temporada no Jazz B a partir de 14 de julho
>>> Plataforma Shop Sui dança dois trabalhos no Centro de Referência da Dança
>>> Seminário 'Dança contemporânea, olhares plurais'
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
>>> Do inferno ao céu
>>> Meninos, eu vi o Bolsonaro aterrando
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> Pelagem de flor IV: AZUL
>>> É cena que segue...
>>> Imagens & Efeitos
>>> Segredos da alma
>>> O Mundo Nunca Foi Tão Intenso Nem Tão Frágil
>>> João Gilberto
>>> Retalhos ao pôr do sol
>>> Pelagem de flor III: AMARELO
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Carta aberta a quem leu Uma Carta Aberta ao Brasil
>>> Meu galinho Josué
>>> O conservadorismo e a refrega de símbolos
>>> Pilar Fazito
>>> A imaginação do escritor
>>> Matisse e Picasso, lado a lado
>>> Macunaíma, de Mário de Andrade
>>> Copacabana-Paulista-Largo das Forras
>>> Palavras, muitas palavras
>>> Lula: sem condições nenhuma*
Mais Recentes
>>> Sociedade Anônima de Osmar Brina Corrêa- Lima pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> Topologia da Violência de byung-Chul Han pela Vozes (2017)
>>> Sociedade da Transparência de byung-Chul Han pela Vozes (2016)
>>> Livro Irmãs vampiras - uma delícia de amiga de Franziska Gehm pela V e R (2012)
>>> Crédito Rural: Interpretado pelos Tribunais e Legislação Especial de Lutero de Paiva Pereira pela Juruá/ Curitiba (1996)
>>> Bandeirantes do Progresso de Dino Almeida pela Papelaria Universal Ltda (1968)
>>> Livro Irmãs vampiras - o mistério do leque de Franziska Gehm pela V e R (2013)
>>> Desvendando os Segredos da Linguagem Corporal de Allan & Barbara Pease pela Sextante (2005)
>>> Quem Educa Quem de Fabbt Abramovich pela Circulo do Livro
>>> O Punhal de Marfim de Patricia WentWorth pela Círculo do Livro
>>> Como eles se conheceram de Joey pela Panda Books (2007)
>>> Livro Manual de Urologia de Mike Siroky pela Novo Conceito (2008)
>>> O Amor Florece na Primavera de Heinz G. Konsakik pela Record (1979)
>>> Livro Endoscopia Gastrointestinal Terapêutica de Parada Artur pela Tecmedd (2006)
>>> A Pérola de John Steinbeck pela Record
>>> A Rosa do Inverno de Patricia Cabot pela Essência, Planeta (2008)
>>> Lolita de Vladimir Nabokov pela Folha (2003)
>>> História Política da Assembléia Legislativa do Paraná. de Samuel Guimarães da Costa pela Assembléia Legislativa do Paraná (1995)
>>> História Política da Assembléia Legislativa do Paraná. de Samuel Guimarães da Costa pela Assembléia Legislativa do Paraná (1995)
>>> Memórias de Pavilhão. de Dimas Bueno e Tatiane Iovanovitchi pela Traio Produções Artísticas (2009)
>>> Amor em São Petersburgo - Coleção Supertítulos de Heinz G. Konsalik pela Estadão (1998)
>>> Urbanização e Industrialização no Paraná. de Dennison de Oliveira pela Seed (2001)
>>> Paraná: de Sérgio Odilon Nadalin pela Seed (2001)
>>> Cultura e Educação no Paraná de Etelvina Trindade & Maria Luiza Andreazza pela Seed (2001)
>>> Paraná: Política e Governo de Marion Brephol de Magalhães pela Seed (2001)
>>> Páginas Escolhidas - Literatura vol. 2 de Eduardo Frade, Luiz Alberto Júnior e Sirlei Bassan pela Posigraf (2003)
>>> O Mistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1992)
>>> O Mistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1993)
>>> O Mistério do Esqueleto-Veredas de Renata Pallotini pela Moderna/ SP. (1993)
>>> Páginas Escolhidas de Wilson Sabóia, Edilberto Trevisan e Ruy Cavallin Pinto pela Posigraf (2003)
>>> Insolvência Bancária: Liquidação Extrajudicial e Falência de Frederico Viana Rodrigues pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2004)
>>> Yvonne Pereira: entre cartas e recordações de Pedro Camilo pela Mente Aberta (2016)
>>> O Contrato de Seguro de Acordo com o Novo Código Civil Brasileiro de Ernesto Tzirulnik- Flávio de Queiroz B. Cavalcanti- Ayrton Pimentel pela Revista dos Tribunais/ SP. (2003)
>>> Páginas Escolhidas de Elisabeth Seraphim Proser pela Academia Paranaense de Letras (2004)
>>> O Rei das Fraudes de John Grisham pela Rocco (2003)
>>> Curso Aprendizes do Evangelho 1º Ano de Equipe de Educadores do Curso de Aprendizes do Evangelho da Feesp pela FEESP (2014)
>>> Estados da Plebe no Capitalismo Contemporâneo de Cleusa Santos e Marildo Menegat e Ricardo Rezende Figueira (orgs.) pela Outras Expressões (2013)
>>> A Hora Obscura: Testemunhos da Repressão Política de Julius Fucik e Henri Alleg e Victor Serge pela Expressão Popular (2006)
>>> MST, Universidade e Pesquisa de Roseli Salete Caldart e Paulo Alentejano (orgs.) pela Expressão Popular (2014)
>>> Kalmo Sutra - para aqueles que ainda ... de Frank Dickens pela Melhoramentos (2002)
>>> Takukarai - Idéias Crônicas e Contos de Yumbad Baguun Parral pela Independente (2004)
>>> Quando um propósito nos leva além de Renata Melo pela Buqui (2019)
>>> Confissões de uma banda de Nina Malkin pela Galera Record (2007)
>>> Entrega de J. C. Reed pela Única (2013)
>>> A nova era da participação - O desafio de emocionar e envolver pessoas de Patricia McLagan, Christo Nel pela Campus (2000)
>>> Memórias e Reflexões de João Cid de Macedo Portugal pela Lud (1916)
>>> Jesus - O Profeta Divino - Volume 2 de Paiva Netto pela Elevação (2014)
>>> Império de Prata de Conn Iggulden pela Record (2015)
>>> 20 Mil Léguas Submarinas - Edição Definitiva, Comentada e Ilustrada de Verne,Jules pela Zahar (2011)
>>> Anotações para a História de Pedro Franco pela Artes & Textos (2002)
COLUNAS

Quarta-feira, 30/3/2011
A rentável miséria da literatura
Lucas Carvalho Peto

+ de 12200 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A literatura está empobrecendo. A literatura como expressão artística por excelência perde espaço dia após dia. Autores como Georges Bataille perdem espaço para contadores de histórias "vendáveis". A verdade é que os leitores aumentam, mas a qualidade de suas leituras diminui significativamente. A transgressão está diminuindo. O poder "revolucionário" da linguagem está sendo deixado de lado. Aqui, o que se questiona é a padronização, e não uma ou outra obra. Esse ou aquele autor. Essa ou aquela editora. Questiona-se a padronização. Os Tertuliano Máximo Afonso, personagem do livro O homem duplicado, de José Saramago, estão perdendo a queda de braço para o senso-comum. Se o Tchítchicov de Gogol, perambulasse, hoje, em uma breve busca por fortuna literária, não encontraria, de fato, muito além de almas mortas. E o jovem Wilhelm Meister, de Goethe, para quem "um poema ou deve ser excelente ou não existir", apaixonado pelo teatro shakesperiano, que em cóleras se consumia a constatar a "ausência de um único comentário sobre o valor poético de uma peça teatral", o que seria dele? O que seria desse mesmo Meister, que se percebia atônito frente à predileção dos atores por questionamentos como: "O que será desta peça? Quanto tempo ficará em cartaz? Quanto ganharemos com ela?". Hoje, encontraria ele os Vinteuil's proustianos, ou Karmazínov's, que, como apontado por Lipútin, em Os Demônios, de Dostoiévski, prezava mais por suas "relações com os homens fortes e a alta sociedade do que com a própria alma e sua arte"?

O que deveria ser uma expressão da subjetividade do autor como em Proust, um retrato político-social como em Victor Hugo, um esboço fictício de ideias filosóficas como em Camus e Simone de Beauvoir, ou, nos moldes parnasianos, arte pela arte, atualmente não passa de cópia da cópia, de uma cópia copiada. O que dizer, então, sobre a inovação? Inovação estética e conceitual, como no Decamerão de Boccaccio, por exemplo. Esta também está escassa. É só entrar em uma livraria e constatar o óbvio. As capas se assemelham. As histórias se assemelham, até as ideias se parecem. "Vivemos no que se pode chamar hoje, sem nenhum exagero, um deserto de ideias. Não há ideias novas, não há ideias que mobilizem, não há ideias que façam levantar as pessoas da sua resignação", disse Saramago. Roland Barthes diria (disse, aliás) que os autores não existem mais, existem apenas scriptores. E por quê? Os autores são os culpados? As editoras? E o leitor, ele não tem "parcela de culpa"?

O affair com a sétima arte tem seu papel nessa questão. Deixa-se de lado uma produção literária reflexiva, epistemológica, existencial, metalinguística ou filosófica para se produzir cinema impresso. Essa é a base genética da predileção pela descrição física das personagens e do ambiente no qual estão inseridas. Alguns dirão que Flaubert já fazia isso. E Proust também, em menor escala. A diferença aqui é o objetivo. Flaubert e Proust tinham um propósito estético puro. Não se pode dizer o mesmo da maioria dos autores contemporâneos. Eles buscam o estético prático e, com isso, furtam de seus leitores um dos pilares da literatura: o imaginário. E o objetivo é preciso, criar personagens que lembrem atores famosos, com especificidades da moda. O cineasta não precisa mais vasculhar os livros em busca de histórias para retratar, os escritores é que se esforçam para levar seus escritos para a tela. É uma inversão de polaridade. Essa é uma das partes que cabe aos autores.

A sociedade-minuto também impede uma produção literal vertical, ou seja, uma literatura que questiona e submerge nas questões. Personagens com pouca, às vezes nenhuma, intensidade psicológica são interessantes. Fazem, e só. Não há tempo para as divagações de Raskólnikov, nem para os diálogos infinitos de Dolmancé. Quem quer ser lido precisa produzir literatura-miojo: três minutos e pronto. E de preferência cremosa. Quanta ironia, vislumbrem o zeitgeist! Por que a primeira versão do romance Suave é a noite, de F. Scott Fitzgerald, não nos aparece mais como em sua primeira edição, com os flashbacks na história da desintegração do casamento de Nicole Warren e Richard Diver? Porque, como aponta Zizek, a volta ao passado, atualmente, "não fica inteiramente justificada em termos artísticos". É desperdício de tempo. E a única maneira de permanecer fiel à verdade artística é "cerrar os dentes e admitir a derrota".

O sistema econômico não se ausenta. Só o que vende fica. Está exposto nas prateleiras, nos sites, em outdoors, camisetas. Em resumo: é uma avalanche. Quem é Michelet? Genet? Rimbaud? Balzac? Petrarca? Raimundo Correia? Gide? Yesenin? Eles vendem milhões de exemplares? Suas personagens, em fotos, decoram os quartos de milhares de jovens? Seus livros são filmes que viraram, ou virarão, febre mundial? Essa é parcela das editoras.

Outro problema: o exílio que se impõe aos grandes autores. Não que os mesmos estejam extintos, pelo contrário, continuam vivos e fortes: na mesa dos leitores "hardcore". Mas, no geral, o pouco que deles se conhece são os quote. Esse movimento não é novo. O que se conhece, primordialmente, de grandes autores (me limitarei aos brasileiros, para ser mais específico) como Machado de Assis, Guimarães Rosa e Clarice Lispector são algumas poucas frases batidas. De Lispector, sobre o amor e os questionamentos existenciais. De Guimarães, algumas frases soltas das primeiras páginas do cultuado, e pouco lido, Grande Sertão: Veredas. "O senhor não duvide - tem gente, neste aborrecido mundo, que mata só para ver alguém fazer careta". De Machado, pobre Machado, que não se preocupou em reproduzir bordões, se fala pouco, muito pouco. Isso sem contar o citado, amado, mas pouco lido Caio Fernando Abreu. Pouco se lê, mas muito se diz que leu. E os autores estão exilados em fragmentos de suas obras. Essa é a contribuição dos leitores.

As relações entre os três elos são complexas. As editoras ditam o que se lê, independente da qualidade, os autores produzem, os leitores aceitam. Ou, por outra perspectiva: os leitores demandam leituras mais "mamão-com-açucar", as editoras procuram, e promovem, os autores que se propõem a fazê-lo. Essas vias são complementares, concomitantes, e todos os envolvidos têm papel ativo.

Alguns irão exclamar que aqui se fala da literatura "de massa". Um braço fraco da arte. O lado "pop". Não se enganam por completo. Porém, esse elo é o que, necessariamente, deveria ser o mais forte. A literatura "pop" é que deveria ser a mais "hardcore", os leitores de clássicos não precisam de mais; na leitura, os que precisam são os que se iniciam. "Nossos antepassados só depois de terem tido as ideias que os fizeram inteligentes é que começaram a ser suficientemente inteligentes para terem ideias", diz Maria da Paz para Tertuliano. E por que não tratar os clássicos como best-sellers? Aliás, por que não defender que os clássicos mesmos se tornem os best-sellers? Por que não iniciar um movimento nesse sentido? Por que não transformar os clássicos na "literatura de massa"? Será que o único impecilho é o comercial? Ou o benefício do interculor fala mais alto? O medo de que, com isso, o discurso daqueles que antecipam uma liberdade intelectual, aqueles que profetizam o ardor pelo saber, o discurso daqueles que dizem conhecer o "caminho das pedras" perca força?

A literatura está miserável em qualidade, mas rica em quantidade. A esperança existe, está em Jorge Mario Vargas Llosa, esteve até pouco tempo em José Saramago e Moacyr Scliar, está em Gabriel García Márquez. E em outros mais, claro. A questão agora é: quem guiará os insurretos? Bons nomes? Existem. No Brasil? Sim. Onde? Lá no fundo, onde o preto do lápis se funde ao branco do papel e o verde da cédula ainda não penetrou.

Nota do Editor
Lucas Peto mantém o blog lucaspeto.wordpress.com.


Lucas Carvalho Peto
Ribeirão Preto, 30/3/2011


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Famílias terríveis - um texto talvez indigesto de Ana Elisa Ribeiro
02. Lançamentos de literatura fantástica (1) de Luís Fernando Amâncio
03. No palco da vida, o feitiço do escritor de Cassionei Niches Petry
04. As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon de Jardel Dias Cavalcanti
05. As palmeiras da Politécnica de Elisa Andrade Buzzo


Mais Lucas Carvalho Peto
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
31/3/2011
12h00min
texto muito bem escrito e muito bem pensado, parabens! Não se acomodem, saudade dos poetas marginais.
[Leia outros Comentários de Yasmin Salgado]
5/4/2011
11h39min
É exatamente o que diz Jameson em seu texto sobre a pós-modernidade. Vivemos na época do pastiche e da esquizofrenia. Não é possível ser original, tudo já foi inventado. E isso é triste
[Leia outros Comentários de Barbara]
9/4/2011
14h35min
Muito destes livros fariam a mente das massas entrarem em colapso ou desvirtuarem os reais objetivos, devido a falta de preparo e preguiça usufruída por estas literaturas pobres e cinematográficas (diferente em Caio Fernando). OBS: O problema hoje da originalidade está em saber usar o que já se tem.
[Leia outros Comentários de Marcos Ordonha]
9/4/2011
15h24min
É uma verdade, mas há na pobreza uma espécie de recauchutamento da identidade que hoje é mera economia e senso comum. Abs.
[Leia outros Comentários de Daniella Caruso]
16/4/2011
13h37min
O autor faz um grande discurso sobre a mediocridade, e finaliza citando como porta-voz da esperança um autor medíocre: Moacyr Scliar. Dá pra entender?
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
24/4/2011
11h33min
O texto está ótimo, mas há um erro: empecilho (e não impecilho, penúltimo parágrafo).
[Leia outros Comentários de Mariana]
28/6/2011
10h18min
Particularmente, não vejo a cópia como problema, mas o fato de que a paranoia experimentalista é tão grande que se esquece justamente de contar uma boa história. Não gosto tanto de "Um jogador", do Dostoievski, por sua linguagem ou seja lá o que for quanto gosto por ser justamente uma boa história. Além disso, é impossível não dialogar com uma tradição, e isso pode sempre parecer, aos olhos dos desavisados, como "cópia da cópia etc". Proclamas um empobrecimento da literatura, mas não mencionaste nenhum dos ótimos escritores brasileiros [tanto em termos de linguagem quanto de boas histórias] que estão já há bons anos solidificando suas carreiras. Acho que o maior erro do texto é criticar aquilo que [aparentemente] ignora.
[Leia outros Comentários de Brincher]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PALAVRAS DE AMOR
EQUIPE DA CEDIBRA EDITORA BRASILEIRA
CEDIBRA
(1981)
R$ 7,00



MAGIA TEÚRGICA: A ARTE DE MANIFESTAR O ESPIRITUAL (5347)
F. MONDINI
MADRAS
(2003)
R$ 45,00



A CAÇADA AO OUTUBRO VERMELHO
TOM CLANCY
RECORD
(1996)
R$ 10,00



LUÍS VAZ DE CAMÕES - LITERATURA COMENTADA
LUÍS VAZ DE CAMÕES
ABRIL
(1980)
R$ 4,00



STONEHENGE TEMPLO MISTERIOSO DA PRÉ-HISTÓRIA - 273
FERNANDO NIEL
HEMUS
(1976)
R$ 8,00



SARGENTO GETÚLIO
JOÃO UBALDO RIBEIRO
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 15,00



1789 - A HISTÓRIA DE TIRADENTES ....
PEDRO DÓRIA
HARPER COLLINS
(2013)
R$ 25,00



VOCÊ TEM TODO O DIREITO: COMO ESCOLHER UM BOM ADVOGADO E GARANTIR
ERNESTO LIPPMANN
FUTURA
(2005)
R$ 18,00



NOÇÕES DE MEDICINA ORTOMOLECULAR
MARCOS NATIVIDADE
OXILAB
R$ 8,50



ENTRE O CORAÇÃO E A TÉCNICA
GERSON FERREIRA FILHO
ANNABLUME
(2007)
R$ 23,82





busca | avançada
29794 visitas/dia
891 mil/mês