Selton Mello | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
>>> Projeto: Encontro ás escuras - Contos e cantos ancestrais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Meu bem, meu mal
>>> Galvão responde ao Cala a Boca
>>> A Velhice
>>> Ser intelectual dói
>>> Memória Visual dos Aborígenes Australianos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Novas leis de Murphy
>>> Yamandu+Dominguinhos, no Auditório Ibirapuera
>>> O cinema segundo Borges
>>> Dingo Bell, dingo bell
Mais Recentes
>>> Adolf - V. 05 de Osamu Tezuka pela Conrad (2008)
>>> Ele Se Acha o Centro do Universo de Wendy T. Behary pela Best Seller (2011)
>>> Ética e Práxis Histórica de Manfredo Araújo de Oliveira pela Ática (1995)
>>> História da Antiguidade, A Grécia de V. Diakov; S. Kovalev pela Estampa (1976)
>>> Manuscrito Encontrado em Accra de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Momentos de Paixão de Danielle Steel pela Círculo do Livro (1991)
>>> Memórias Inventadas: a Infância de Manoel de Barros pela Planeta (2003)
>>> Meditação Transcendental e Saúde de Dr. Wolfgang Schachinger; Dr. Ernst Schrott pela Pensamento (2005)
>>> O Rancho de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> A Energia da Sabedoria: Ensinamentos Básicos do Budismo de Lama Yeshe; Zopa Rinpoche pela Pensamento (1982)
>>> Michelangelo e o Teto do Papa de Ross King pela Record (2004)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2006)
>>> Hikikomori - a Vida Enclausurada Nas Redes Sociais de Christine Greiner; Cecília Noriko Ito Saito pela Intermeios (2013)
>>> Calçada de Verão - Poemas de Flora Figueiredo pela Nova Fronteira (1989)
>>> Orgônio. Reiche e Eros. a Teoria Energia Vital de Wilhelm Reich de W. Edward Mann pela Summus Editorial (1989)
>>> Leis e Regulamentos da Instrução Pública do Império em Mato Grosso EAN: 9788574960067 de Nicanor Palhares pela Autores Associados (2000)
>>> Assassinato no Monte Fuji de Shizuko Natsuki pela Brasiliense (1989)
>>> Saúde e Juventude - os Segredos do Antigo Egito de Rolland pela Instituto Nefru (2000)
>>> Os Mitos Gregos - Volume 1 de Robert Graves pela Publicações Dom Quixote (1990)
>>> Os Parceiros do Rio Bonito de Antônio Cândido pela Livraria Duas Cidades (1979)
>>> Cartas na Mesa de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1976)
>>> E Não Sobrou Nenhum Ou o Caso dos Dez Negrinhos de Agatha Christie pela Globo (2009)
>>> Congresso Internacional do Medo de Grace Passô pela Cobogó (2012)
>>> Conexões com a matemática volume único de Juliane Matsubara Barroso pela Moderna (2012)
>>> País das Neves de Yasunari Kawabata pela Círculo do Livro (1974)
>>> Física (2º Grau - Livro Único)(Raro, com questões resolvidas) de Regina Azenha Bonjorno, José Roberto Bonjorno, Valter Bonjorno e Clinton Marcico Ramos pela Ftd (1988)
>>> Unidos para Sempre de Ruth Rendell pela L&pm (2007)
>>> A Marca Humana de Philip Roth pela Companhia das Letras (2002)
>>> Beber Comer Sobreviver - Cozinhando de Ressaca de Pedro Asbeg pela Memória Visual (2012)
>>> O Que é Ideologia - Coleção Primeiros Passos de Marilena Chaui pela Brasiliense (1984)
>>> Fantasma Saí de Cena de Philip Roth pela Companhia das Letras (2008)
>>> Entschuldigung! Ich Bin Deutsch - Eine Streitschrift de Detlef Gürtler pela Murmann (2011)
>>> Fundamentos do Turismo EAN: 9788586491948 de Reinaldo Dias e Marina Rodrigues de Aguiar pela Alínea (2002)
>>> Dois Irmães de Milton Hatoum pela Companhia das Letras (2000)
>>> O Cortiço - Coleção o Globo de Aluísio Azevedo pela Globo Klick (1997)
>>> Aisha - a Mourisca de Clovis Tourinho pela Samos (1986)
>>> Um Lugar Perigoso de Luiz Alfredo Garcia-Roza pela Companhia das Letras (2014)
>>> A Vaca e o Hipogrifo de Mario Quintana pela Garatuja (1977)
>>> Na Minha Pele de Lázaro Ramos pela Objetiva (2017)
>>> A Mulher de Costas - Trilogia Íntima Volume 2 de Marcia Tiburi pela Bertrand Brasil (2006)
>>> Poder sem Limites de Anthony Robbins pela Best Seller (1987)
>>> Enclausurado de Ian McEwan pela Companhia das Letras (2016)
>>> Neoliberalismo e Direitos Humanos de Antônio José Avelãs Nunes pela Renovar (2003)
>>> A História da Arquitetura de Benjamin de Araújo Carvalho pela Ediouro
>>> Consumidos de David Cronenberg pela Alfaguara (2021)
>>> Como Ser um Pirata - Como Treinar o Seu Dragão 2 de Cressida Cowell pela Intrínseca (2010)
>>> Fazendo meu filme 1: A estreia de Fani EAN: 9788589239844 de Paula Pimenta pela Gutenberg (2016)
>>> 64 Contos de Rubem Fonseca pela Companhia das Letras (2004)
>>> Salazar Pisca! um Romance Divertido e Trágico Passado nos Últimos Dias de Antonio Salazar, o Homem que Governou Portugal Durante 40 Anos de David Slavitt pela Record (1988)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/12/2013
Selton Mello
Wellington Machado

+ de 1000 Acessos

A vocação profissional pode ser inata, surgir prematuramente, ou pode ser descoberta ao logo da vida. Sorte dos que a descobrem logo. Azar dos que passam a vida toda fazendo o que não gosta. Selton Mello, natural de Passos (MG), é conhecido no Brasil principalmente por sua atuação como ator de novelas e séries televisivas. Desnecessário falar de seu talento e de sua versatilidade como ator (talento inato). Sua primeira aparição na tevê se deu em 1979, quando tinha apenas sete anos.

Paralelamente à sua carreira na tevê, Selton Mello atuou de forma memorável também no cinema. Quem esqueceria seu personagem Chicó, em O auto da compadecida ? Mas suas grandes atuações se deram em filmes de baixo orçamento, como Lavoura arcaica, Árido movie, O cheiro do ralo - filmes que giraram mais pelo circuito alternativo.

Quem acompanha a carreira, as entrevistas, os passos de Selton Mello, desconfia que uma outra função parece tocar mais fundo em seu coração: a direção de cinema. Essa espécie de "paixão dormente" pelo cinema foi demonstrada no programa Tarja Preta, do Canal Brasil, cujos entrevistados eram atores - somente bons atores, há de se destacar - do cinema brasileiro.

Com o lançamento do segundo filme, O palhaço, o grande público brasileiro começa a descobrir seu talento também por trás das câmeras. O filme narra o dilema de Benjamim (o próprio Selton Mello): um palhaço que desconfia que perdeu a graça e tem dúvidas quanto à sua vocação. O palhaço é um filme atemporal, singelo e, para citar uma entre várias influências que lhe afetam, "felliniano". Conta com participações de um time de atores como Paulo José, Tonico Pereira e Moacyr Franco. O filme já atingiu a marca de 1 milhão de espectadores.

Selton Mello sabe o que faz e o que quer. Tem domínio das atuações e da técnica cinematográfica. Que o sucesso de O palhaço desperte o interesse dos brasileiros a assistirem ao seu primeiro longa, Feliz Natal (2008), cuja temática é radicalmente oposta (trata-se de um drama psicológico). Na entrevista a seguir, gentilmente cedida com exclusividade para o Digestivo Cultural, Selton fala de seu mais recente filme, do seu trabalho como diretor e de suas influências cinematográficas e literárias.


1. Há um belíssimo travelling no final de seu mais recente filme, O palhaço. Fale-nos sobre as dificuldades em filmar uma seqüência tão longa. Quantas vezes você teve de repetir a cena?
Usamos um steady cam nessa sequência final. Ensaiamos umas cinco vezes e rodamos umas oito. Tudo tinha que funcionar perfeitamente, por isso as repetições. Mas já participei de filmes que rodaram bem mais do que isso. Na verdade sou um diretor bastante objetivo.

2. Parece haver um colorido especial dos personagens na fotografia do filme em relação às locações, dando-lhe um tom onírico e de fantasia. Até que ponto você faz sugestões técnicas (sobre lentes, luz etc.) com os diretores de fotografia? Como se dá esse diálogo?
Ser diretor envolve pensar em tudo, alargar as fronteiras da minha criação. Tive que pensar nos figurinos de todos, no comportamento de todos, como é a trilha sonora, qual seria o ritmo do filme, etc. Sou um diretor atento a tudo. Escolho pessoalmente os planos, as lentes, os enquadramentos. É muito perigoso dirigir e atuar ao mesmo tempo e a equipe achar que o filme está sem comando. Desde o início eu e minha equipe nos entendemos no sentido de não deixar isso acontecer. Eu estava em cena mas ligadíssimo em cada detalhe da direção.

3. Você fez dois filmes totalmente diferentes em estilo, temática e conteúdo. Feliz Natal é um drama psicológico, um filme forte e realista. Já O palhaço é um filme alegre, singelo e com uma certa dose de fantasia. Há diretores que seguem uma linha temática, alguma coerência em seus filmes, como Truffaut (alter ego), Fellini (onírico, circense) e Godard (ensaístico). A mudança radical de Feliz Natal para O palhaço foi intencional? Podemos dizer que cada filme seu é um projeto que se encerra no lançamento? Você sente essa necessidade - ou proposta - de fazer algo sempre diferente dos projetos anteriores?
Essa variedade de temas abordados em cada filme faz parte desse exercício de ampliar a minha criação. O Feliz Natal foi um filme deliberadamente sombrio, niilista. Já O palhaço é um filme solar. Ultimamente eu via o cinema brasileiro dividido entre os filmes radicais, ousados, que são pouco vistos e os filmes claramente comerciais, com 5 milhões de espectadores, mas que não oferecem nenhuma reflexão. A minha ideia era chegar num meio termo, tentar ocupar esse espaço no cinema brasileiro. O que eu tentei fazer em O palhaço foi isso: um filme que fosse profundo e que ao mesmo tempo se comunicasse com esse grande público. E ambos são importantes na minha formação autoral e refletem o que se passa na minha mente e no meu coração. Somos muitas coisas: desesperançosos e radiantes, brilhantes e ignorantes, um dia assim, no outro assado; isso é humano e o meu cinema reflete uma parte de meu espírito. Um cinema que antes de qualquer coisa tem uma necessidade de dizer algo.

4. Fale-nos sobre improvisações dos atores. Como é que você trabalha a interseção, o limite entre a liberdade de improvisação dos atores e a sua concepção como diretor para o papel?
O elenco do filme é uma mistura de gente nova com atores mais experientes e com figuras que acho que deviam estar mais em evidência, como o Moacyr (Franco), o (Jorge) Loredo e o Ferrugem. Então, com essa mistura, você acredita que aquela trupe existe. Eram 14 atores, de várias escolas, e essa integração foi muito interessante. Essa troca fez com que a gente tivesse uma equipe feliz trabalhando junta. E isso abre esse espaço pra criatividade das pessoas, improvisações e tudo mais. Mas o improviso fez parte basicamente da preparação, dos ensaios. Depois seguimos à risca o roteiro escrito por mim e pelo Marcelo Vindicatto. Absorvemos os improvisos e mantivemos ali nosso esqueleto, a estrutura fundamental para o filme ficar de pé.

5. De onde partiram as idéias para o roteiro de Feliz Natal e O palhaço? Qual foi a motivação - uma notícia de jornal, experiência própria, algum livro, um outro filme - que lhe serviu de impulso?
Há vários motivos para se fazer um filme. No caso de O palhaço, o mais forte e determinante foi a vontade de falar sobre identidade, sobre o peso e a beleza que o destino exerce na busca de cada um. Falar do talento natural e dos questionamentos que são levantados sobre isso. A escolha do palhaço para representar isso tudo é porque ele é o artista mais primitivo e carrega essa alegria dúbia de poder levar sua arte pra muita gente. Tive necessidade de falar de incomunicabilidade familiar no Feliz Natal e necessidade imperativa de criar uma pequena fábula sobre identidade em O palhaço.

6. O diretor brasileiro Beto Brant (Os matadores, O invasor, Cão sem dono) costuma utilizar obras literárias como base para seus roteiros. Orson Welles filmou Shakespeare, Kafka e Cervantes. Você já pensou em fazer um filme baseado em alguma obra da literatura? Se sim, você poderia nos revelar algumas?
Adoraria um dia fazer uma adaptação de O alienista, de Machado de Assis. Um belo ensaio sobre a insanidade versus a razão.

7. Qual é a sua relação com a literatura? Que tipo de livros/autores fazem a sua cabeça?
Leio bastante, um pouco de tudo. Admiro Philip Roth, José Roberto Torero, Italo Calvino, Marçal Aquino, Eça de Queiroz, John Fante, Machado de Assis, Nelson Rodrigues e sobretudo Dostoiévski, o maior de todos.

8. Desde Griffith, Eisenstein, Orson Welles, Antonioni etc., vários diretores revolucionaram o cinema ou adicionando novos ingredientes ao que já existia ou fazendo rupturas. Você conseguiria nos apontar um filme que, na sua opinião, foi o mais importante (e por que motivo) na história do cinema?
Difícil sempre essa pergunta. Mas cito um filme brasileiro que misturou tudo e criou uma linguagem própria: Faroeste Caboclo, um thriller, com comédia e desespero. Um filmaço que fez muito minha cabeça: O bandido da luz vermelha, do Rogério Sganzerla.

9. Como você procede na "carpintaria" da sua formação e aperfeiçoamento como diretor? Você estuda sistematicamente o cinema, assistindo aos clássicos, fazendo anotações em cadernos, comparações entre estilos e épocas etc.? Enfim, sua escola é sistemática e planejada ou aleatória e casual?
Sou uma flor de obsessão. Estudo compulsivamente. Anoto tudo o que me interessa. Me interesso em saber dos processos dos outros diretores para ver se algo ali me inspira. Vejo muitos filmes, leio tudo que posso sobre cinema e cada vez mais me interesso pelas artes plásticas. Fazer cinema é pintar uma tela em branco. Me interesso pela dramaturgia literária e pela dramaturgia do quadro em si. A imagem conta muito da história e por isso os diálogos devem entrar somente se forem realmente necessários. Falar o menos possível e se fazer entender. Acho isso na vida também. Cinema e vida se misturam na minha cabeça.

10. Que filme(s) você mais revê?
Fellini, Clint, Kubrick são diretores que produziram coisas que sempre que posso, revejo.

11. O cinema argentino vive um bom momento, inclusive conquistando importantes prêmios mundiais. Você conseguiria nos traçar um paralelo entre esse momento feliz argentino e o cinema brasileiro? Está faltando algo ao nosso cinema?
O que o cinema argentino faz brilhantemente é falar de assuntos pessoais, íntimos. E ao fazer isso, se torna universal. O palhaço se alinha nesse tipo de filme. Falando de algo bem pessoal, o público se identifica e, portanto, se comove.

12. Haveria alguma cidade, no Brasil ou em outro país, na qual você gostaria de fazer um filme?
Nunca pensei nisso. Mas Tokyo deve ser bem instigante.

13. Qual ator/atriz estrangeiro(a) você gostaria de dirigir? Com qual diretor estrangeiro você gostaria de trabalhar como ator?
Adoraria dirigir o Benicio del Toro e o Sean Penn - já que sonhar não custa nada né? (risos). E porque não ser dirigido pelo mesmo Sean Penn, ator/diretor como eu? Mas se o Scorsese me chamar eu não colocaria nenhum empecilho(risos). Grande abraço pra vocês!

Para ir além:
O palhaço, de Selton Mello.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 6/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
02. Paulo Leminski, o Paulo Coelho da Poesia de Luis Dolhnikoff
03. Chickenfoot: o passado e o futuro do rock de Diogo Salles
04. O jornalismo cultural no Brasil de Luiz Rebinski Junior
05. No caminho de Sterne de Bruno Garschagen


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. As pedras de Estevão Azevedo - 10/10/2018
05. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Vida de Allan Kardec para as Crianças - 9599
Clóvis Tavares
Lake
(2009)
R$ 10,00



Saúde da Mente, Saúde do Espírito
Gerald G. May
Paulinas
(1985)
R$ 10,00



Nos Passos De... Júlio César - 9327
Stéphanie Morillon
Rocco
(2002)
R$ 10,00



Shadow of the Moon
M.M. Kaye
Bantam Book
(1979)
R$ 10,00



Língua Materna 9279
Demetria Martínez
Record
(1997)
R$ 10,00



Criaturas - o Mundo Secreto Além da Porta
Thiago Fernandes
Leitura
(2010)
R$ 10,00



Projeções da Consciência
Waldo Vieira
Allan Kardec
(1981)
R$ 10,00



José Junior - no Fio da Navalha
Luis Erlanger
Record
(2015)
R$ 10,00



Maracanã adeus
Edilberto Coutinho
Corpo da letra
(1989)
R$ 10,00



O Sorriso do Lagarto
João Ubaldo Ribeiro
Record
(1995)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês