Selton Mello | Wellington Machado | Digestivo Cultural

busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 6/12/2013
Selton Mello
Wellington Machado

+ de 900 Acessos

A vocação profissional pode ser inata, surgir prematuramente, ou pode ser descoberta ao logo da vida. Sorte dos que a descobrem logo. Azar dos que passam a vida toda fazendo o que não gosta. Selton Mello, natural de Passos (MG), é conhecido no Brasil principalmente por sua atuação como ator de novelas e séries televisivas. Desnecessário falar de seu talento e de sua versatilidade como ator (talento inato). Sua primeira aparição na tevê se deu em 1979, quando tinha apenas sete anos.

Paralelamente à sua carreira na tevê, Selton Mello atuou de forma memorável também no cinema. Quem esqueceria seu personagem Chicó, em O auto da compadecida ? Mas suas grandes atuações se deram em filmes de baixo orçamento, como Lavoura arcaica, Árido movie, O cheiro do ralo - filmes que giraram mais pelo circuito alternativo.

Quem acompanha a carreira, as entrevistas, os passos de Selton Mello, desconfia que uma outra função parece tocar mais fundo em seu coração: a direção de cinema. Essa espécie de "paixão dormente" pelo cinema foi demonstrada no programa Tarja Preta, do Canal Brasil, cujos entrevistados eram atores - somente bons atores, há de se destacar - do cinema brasileiro.

Com o lançamento do segundo filme, O palhaço, o grande público brasileiro começa a descobrir seu talento também por trás das câmeras. O filme narra o dilema de Benjamim (o próprio Selton Mello): um palhaço que desconfia que perdeu a graça e tem dúvidas quanto à sua vocação. O palhaço é um filme atemporal, singelo e, para citar uma entre várias influências que lhe afetam, "felliniano". Conta com participações de um time de atores como Paulo José, Tonico Pereira e Moacyr Franco. O filme já atingiu a marca de 1 milhão de espectadores.

Selton Mello sabe o que faz e o que quer. Tem domínio das atuações e da técnica cinematográfica. Que o sucesso de O palhaço desperte o interesse dos brasileiros a assistirem ao seu primeiro longa, Feliz Natal (2008), cuja temática é radicalmente oposta (trata-se de um drama psicológico). Na entrevista a seguir, gentilmente cedida com exclusividade para o Digestivo Cultural, Selton fala de seu mais recente filme, do seu trabalho como diretor e de suas influências cinematográficas e literárias.


1. Há um belíssimo travelling no final de seu mais recente filme, O palhaço. Fale-nos sobre as dificuldades em filmar uma seqüência tão longa. Quantas vezes você teve de repetir a cena?
Usamos um steady cam nessa sequência final. Ensaiamos umas cinco vezes e rodamos umas oito. Tudo tinha que funcionar perfeitamente, por isso as repetições. Mas já participei de filmes que rodaram bem mais do que isso. Na verdade sou um diretor bastante objetivo.

2. Parece haver um colorido especial dos personagens na fotografia do filme em relação às locações, dando-lhe um tom onírico e de fantasia. Até que ponto você faz sugestões técnicas (sobre lentes, luz etc.) com os diretores de fotografia? Como se dá esse diálogo?
Ser diretor envolve pensar em tudo, alargar as fronteiras da minha criação. Tive que pensar nos figurinos de todos, no comportamento de todos, como é a trilha sonora, qual seria o ritmo do filme, etc. Sou um diretor atento a tudo. Escolho pessoalmente os planos, as lentes, os enquadramentos. É muito perigoso dirigir e atuar ao mesmo tempo e a equipe achar que o filme está sem comando. Desde o início eu e minha equipe nos entendemos no sentido de não deixar isso acontecer. Eu estava em cena mas ligadíssimo em cada detalhe da direção.

3. Você fez dois filmes totalmente diferentes em estilo, temática e conteúdo. Feliz Natal é um drama psicológico, um filme forte e realista. Já O palhaço é um filme alegre, singelo e com uma certa dose de fantasia. Há diretores que seguem uma linha temática, alguma coerência em seus filmes, como Truffaut (alter ego), Fellini (onírico, circense) e Godard (ensaístico). A mudança radical de Feliz Natal para O palhaço foi intencional? Podemos dizer que cada filme seu é um projeto que se encerra no lançamento? Você sente essa necessidade - ou proposta - de fazer algo sempre diferente dos projetos anteriores?
Essa variedade de temas abordados em cada filme faz parte desse exercício de ampliar a minha criação. O Feliz Natal foi um filme deliberadamente sombrio, niilista. Já O palhaço é um filme solar. Ultimamente eu via o cinema brasileiro dividido entre os filmes radicais, ousados, que são pouco vistos e os filmes claramente comerciais, com 5 milhões de espectadores, mas que não oferecem nenhuma reflexão. A minha ideia era chegar num meio termo, tentar ocupar esse espaço no cinema brasileiro. O que eu tentei fazer em O palhaço foi isso: um filme que fosse profundo e que ao mesmo tempo se comunicasse com esse grande público. E ambos são importantes na minha formação autoral e refletem o que se passa na minha mente e no meu coração. Somos muitas coisas: desesperançosos e radiantes, brilhantes e ignorantes, um dia assim, no outro assado; isso é humano e o meu cinema reflete uma parte de meu espírito. Um cinema que antes de qualquer coisa tem uma necessidade de dizer algo.

4. Fale-nos sobre improvisações dos atores. Como é que você trabalha a interseção, o limite entre a liberdade de improvisação dos atores e a sua concepção como diretor para o papel?
O elenco do filme é uma mistura de gente nova com atores mais experientes e com figuras que acho que deviam estar mais em evidência, como o Moacyr (Franco), o (Jorge) Loredo e o Ferrugem. Então, com essa mistura, você acredita que aquela trupe existe. Eram 14 atores, de várias escolas, e essa integração foi muito interessante. Essa troca fez com que a gente tivesse uma equipe feliz trabalhando junta. E isso abre esse espaço pra criatividade das pessoas, improvisações e tudo mais. Mas o improviso fez parte basicamente da preparação, dos ensaios. Depois seguimos à risca o roteiro escrito por mim e pelo Marcelo Vindicatto. Absorvemos os improvisos e mantivemos ali nosso esqueleto, a estrutura fundamental para o filme ficar de pé.

5. De onde partiram as idéias para o roteiro de Feliz Natal e O palhaço? Qual foi a motivação - uma notícia de jornal, experiência própria, algum livro, um outro filme - que lhe serviu de impulso?
Há vários motivos para se fazer um filme. No caso de O palhaço, o mais forte e determinante foi a vontade de falar sobre identidade, sobre o peso e a beleza que o destino exerce na busca de cada um. Falar do talento natural e dos questionamentos que são levantados sobre isso. A escolha do palhaço para representar isso tudo é porque ele é o artista mais primitivo e carrega essa alegria dúbia de poder levar sua arte pra muita gente. Tive necessidade de falar de incomunicabilidade familiar no Feliz Natal e necessidade imperativa de criar uma pequena fábula sobre identidade em O palhaço.

6. O diretor brasileiro Beto Brant (Os matadores, O invasor, Cão sem dono) costuma utilizar obras literárias como base para seus roteiros. Orson Welles filmou Shakespeare, Kafka e Cervantes. Você já pensou em fazer um filme baseado em alguma obra da literatura? Se sim, você poderia nos revelar algumas?
Adoraria um dia fazer uma adaptação de O alienista, de Machado de Assis. Um belo ensaio sobre a insanidade versus a razão.

7. Qual é a sua relação com a literatura? Que tipo de livros/autores fazem a sua cabeça?
Leio bastante, um pouco de tudo. Admiro Philip Roth, José Roberto Torero, Italo Calvino, Marçal Aquino, Eça de Queiroz, John Fante, Machado de Assis, Nelson Rodrigues e sobretudo Dostoiévski, o maior de todos.

8. Desde Griffith, Eisenstein, Orson Welles, Antonioni etc., vários diretores revolucionaram o cinema ou adicionando novos ingredientes ao que já existia ou fazendo rupturas. Você conseguiria nos apontar um filme que, na sua opinião, foi o mais importante (e por que motivo) na história do cinema?
Difícil sempre essa pergunta. Mas cito um filme brasileiro que misturou tudo e criou uma linguagem própria: Faroeste Caboclo, um thriller, com comédia e desespero. Um filmaço que fez muito minha cabeça: O bandido da luz vermelha, do Rogério Sganzerla.

9. Como você procede na "carpintaria" da sua formação e aperfeiçoamento como diretor? Você estuda sistematicamente o cinema, assistindo aos clássicos, fazendo anotações em cadernos, comparações entre estilos e épocas etc.? Enfim, sua escola é sistemática e planejada ou aleatória e casual?
Sou uma flor de obsessão. Estudo compulsivamente. Anoto tudo o que me interessa. Me interesso em saber dos processos dos outros diretores para ver se algo ali me inspira. Vejo muitos filmes, leio tudo que posso sobre cinema e cada vez mais me interesso pelas artes plásticas. Fazer cinema é pintar uma tela em branco. Me interesso pela dramaturgia literária e pela dramaturgia do quadro em si. A imagem conta muito da história e por isso os diálogos devem entrar somente se forem realmente necessários. Falar o menos possível e se fazer entender. Acho isso na vida também. Cinema e vida se misturam na minha cabeça.

10. Que filme(s) você mais revê?
Fellini, Clint, Kubrick são diretores que produziram coisas que sempre que posso, revejo.

11. O cinema argentino vive um bom momento, inclusive conquistando importantes prêmios mundiais. Você conseguiria nos traçar um paralelo entre esse momento feliz argentino e o cinema brasileiro? Está faltando algo ao nosso cinema?
O que o cinema argentino faz brilhantemente é falar de assuntos pessoais, íntimos. E ao fazer isso, se torna universal. O palhaço se alinha nesse tipo de filme. Falando de algo bem pessoal, o público se identifica e, portanto, se comove.

12. Haveria alguma cidade, no Brasil ou em outro país, na qual você gostaria de fazer um filme?
Nunca pensei nisso. Mas Tokyo deve ser bem instigante.

13. Qual ator/atriz estrangeiro(a) você gostaria de dirigir? Com qual diretor estrangeiro você gostaria de trabalhar como ator?
Adoraria dirigir o Benicio del Toro e o Sean Penn - já que sonhar não custa nada né? (risos). E porque não ser dirigido pelo mesmo Sean Penn, ator/diretor como eu? Mas se o Scorsese me chamar eu não colocaria nenhum empecilho(risos). Grande abraço pra vocês!

Para ir além:
O palhaço, de Selton Mello.


Wellington Machado
Belo Horizonte, 6/12/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3) de Marilia Mota Silva
02. A Escolha de Alice de Marilia Mota Silva
03. Arte e liberdade de Diogo Salles
04. Você já foi infiel? de Marcelo Spalding


Mais Wellington Machado
Mais Acessadas de Wellington Machado
01. O poeta, a pedra e o caminho - 5/8/2015
02. A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti - 31/8/2010
03. Enquanto agonizo, de William Faulkner - 18/1/2010
04. As pedras de Estevão Azevedo - 10/10/2018
05. Meu cinema em 2010 ― 1/2 - 28/12/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MURILO MENDES: O POETA DAS METAMORFOSES
DANIELA NEVES
PUC MINAS
(2001)
R$ 18,00



O ELEFANTE ASSASSINO
PEDRO BANDEIRA
ATUAL
(1987)
R$ 10,00



SELEÇÕES DO READERS DIGEST DE FEVEREIRO DE 1965
TITO LEITE (REDATOR CHEFE)
YPIRANGA
(1965)
R$ 7,00



AURORA: THE NORTHERN LIGHTS IN MYTHOLOGY, HISTORY AND SCIENCE
HARALD FALCK-YTTER; TORBJORN LOVGREN (FOTOS)
FLORIS BOOKS
(1985)
R$ 52,28



MUNDO ESTRANHO 208 ERAM OS DEUSES ALIENÍGENAS? MAIO 2018
VÁRIOS
ABRIL
(2018)
R$ 15,00



PENSAMENTO COMUNICACIONAL BRASILEIRO
MARIA I. VASSALLO / JOSÉ M. DE MELO E OUTROS
INTERCON
(2005)
R$ 20,00



O QUE ATRAIU WARREN BUFFETT
BARNETT C. HELZBERG JR.
FUNDAMENTO
(2009)
R$ 15,00



ENERGIA DA PIRÂMIDE BENEFICIA O HOMEM
ABEILARD GONÇALVES DIAS
LCTE
R$ 10,00



COLEÇÃO PIADINHAS 7
ÂNGELA FINZETTO
BRASILEITURA
R$ 6,00



INSPIRAÇÕES DO AMOR ÚNICO DE DEUS VOL 2
ANTONIO DE AQUINO PAMPHIRO
EDIÇÕES LÉON DENIS
(2005)
R$ 10,00





busca | avançada
30196 visitas/dia
1,4 milhão/mês