O pior cego | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Diálogos na Web FAAP: Na pauta, festivais de cinema e crítica cinematográfica
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Morando sozinha II
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> A Piauí tergiversando sobre o fim dos jornais
>>> Mário Sérgio Cortella #EuMaior
>>> O Gabinete do Dr. Caligari
>>> Ser intelectual dói
>>> Batman: O Cavaleiro das Trevas Ressurge
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Dicionário Inglês/português Português/inglês: Mini Yes de Larousse pela Larousse (2005)
>>> O encontro marcado de Fernando Sabino pela Record (1975)
>>> Larousse de Poche de Précis de Grammaire pela Librairie Larousse (1979)
>>> A Burrice do demônio de Hélio Pellegrino pela Rocco (1988)
>>> Curso de Decoração Casa Claudia de Vários Autores pela Abril (1990)
>>> Verdades e Mistérios da Amazônia de Barros Ferreira pela Clube do livro (1967)
>>> Tempo de Esperas de Pe. Fabio de Melo pela Planeta (2011)
>>> Romance com cocaína de M. Aguêiev pela Círculo do Livro (1983)
>>> O Clube do Filme de David Gilmour pela Intrínseca (2009)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick (1988)
>>> Vida e contemplação de P. Nelson Carloni pela Loyola (1975)
>>> Sem Rodeios de Oscar Niemeyer pela Revan (2006)
>>> Brida de Paulo Coelho pela Klick (1990)
>>> Zélia, uma Paixão de Fernando Sabino pela Record (1991)
>>> H. Stern Um Passeio pelas Curvas Infinitas de Oscar Niemeyer de Oscar Niemeyer e outros pela H. Stern
>>> Tempo de esperança. 24 horas para você renovar suas energias. de Mark Finley pela Casa Publicadora Brasileira (2009)
>>> O Monstro de Olhos Azuis (memórias) de Tonia Carrero pela Lpm (1986)
>>> Introdução à Crítica do Direito do Trabalho de Tarso Genro pela Lpm (1979)
>>> Virando a Própria Mesa de Ricardo Semler pela Best Seller (1998)
>>> O Segredo das Quatro Letras de Gabriel Chalita pela PlugMe
>>> Elisão Tributária de Diva Prestes Marcondes Malerbi pela Revista dos Tribunais (1984)
>>> Linux - Guia do Administrador do Sistema de Rubem E. Ferreira pela Novatec (2003)
>>> Bellini e os Espíritos de Tony Bellotto pela Companhia das Letras (2005)
>>> O menino e o bruxo de Moacyr Scliar ; Maurício Veneza pela Ática (2007)
>>> Sou João : verdade e diálogo por uma Igreja-comunhão de João Braz Aviz pela Cidade nova (2015)
>>> Elt Pocket Dictionary de Ronald Ridout pela Nelson (1979)
>>> Ensaio Avaliação e Políticas Públicas em Educação 48 Volume 13 Julho Setembro 2005 de Fundação Cesgranrio pela Fundação Cesgranrio (2005)
>>> Relações desumanas no trabalho: da primeira entrevista à aposentadoria de Max Gehringer pela Casa da qualidade (1998)
>>> O Manual do Guerreiro da Luz de Paulo Coelho pela Klick (1997)
>>> Revista de Teatro n. 475 de Aldo Calvet pela Cbag (1990)
>>> Revista de Teatro n. 468 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> Revista de Teatro n. 467 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> O Processo Tributário - Edição ampliada e atualizada de Cleide Previtalli Cais pela Revista dos Tribunais (1996)
>>> Revista de Teatro n. 466 de H.Pereira da Silva pela Sbat (1988)
>>> Justiça Distributiva e Aplicação de Direito de Plauto Faraco de Azevedo pela Fabris (1983)
>>> O Conto da Ilha Desconhecida de José Saramago pela Companhia das Letras (1999)
>>> Confia filho ... de Pe. Fernando Maria Alvarez de Miranda pela Loyola (1983)
>>> Revista Economia y Sociedad Enero Junio 2016 de Roxana Morales Ramos Editora pela Euna (2016)
>>> Revista de Teatro n. 465 de Sbat pela H.Pereira da Silva (1988)
>>> Direito Internacional Público de Ivo Sefton de Azevedo pela Jurídica/Acadêmica (1982)
>>> A senhora do jogo de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe pela Record (2009)
>>> Evangelização e libertação de J. B. Libânio pela Vozes (1976)
>>> Revista de Teatro n. 452 (Out.Nov.Dez.1984) de H.Pereira da Silva pela Dalugraf (1984)
>>> Direito Internacional Público de Ivo Sefton de Azevedo pela Jurídica/Acadêmica (1982)
>>> Álbum de Retratos Ferreira Gullar de Por: Geraldo Carneiro pela Folha Seca (2008)
>>> O Direito Penal e o Novo Código Penal Brasileiro de Vladimir Giacomuzzi org. pela Fabris (1985)
>>> Depois da escuridão de Sidney Sheldon e Tilly Bagshawe pela Record (2011)
>>> Legislação Aduaneira comentada - Mercosul, Aladi, Gatt, Dumping, Drawback e Zona Franca de Guilherme A. dos Santos Mendes pela Meta (1995)
>>> Anuário 1918 =1978 Casa dos Artistas de Francisco Moreno pela Gráfica Jóia (1978)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
COLUNAS

Terça-feira, 3/11/2015
O pior cego
Luís Fernando Amâncio

+ de 2300 Acessos

No início de 2014, o curta-metragem Majorité Opprimée, de Éléonore Pourriat obteve milhões de visualizações em poucos dias no YouTube. Um sucesso bastante compreensível. Com uma narrativa simples, o filme obtém efeito cômico ao fazer inversão de papéis entre os gêneros. E o sucesso da franquia brasileira Se eu fosse você nos mostra que o público gosta de ver homens vivendo situações femininas e vice-versa.



Porém, a semelhança entre Majorité Opprimée e a comédia nacional termina por aí. No curta francês, o humor inicial é varrido por seu conteúdo sério - e eu recomendo vê-lo antes de ler o spoiler que se segue. Pois em sua sociedade de papéis invertidos (mulheres podem correr sem camisa e urinar em vias públicas sem qualquer pudor) há situações facilmente reconhecíveis pelo espectador. Infelizmente. O protagonista, responsável por cuidar do lar e do filho, é assediado por mulheres na rua, constrangido por policiais ao fazer a denúncia e, por fim, recebido com impaciência pela própria esposa.

Majorité Opprimée é um típico exemplo de como o cinema pode ser bem mais do que entretenimento. Com menos de 10 minutos de duração, o filme faz refletir sobre algo que nos é enfiado goela abaixo como natureza indiscutível: a desigualdade entre gêneros na sociedade. Pois, se a biologia diferencia homens e mulheres, isso não quer dizer que suas posições sociais devam ser tão distintas.

Essa distinção foi abordada no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2015. O tema da redação foi "A persistência da violência contra a mulher na sociedade brasileira". Assunto bastante pertinente: em 2014, foram registradas no Brasil 52.957 denúncias de violência contra mulher. Só no estado do Rio de Janeiro ocorrem, em média, 13 estupros por dia, sendo a maioria das vítimas menores de idade.

Mas nossa violência contra as mulheres vai muito além do ataque físico. Passa pela diferença no salário, pois elas recebem 30% a menos, em média, do que homens com mesma idade e nível de estudo, segundo dados de levantamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento. E pelas famosas frases: "lugar de mulher é..." Por isso, ao falar de violência contra a mulher é imprescindível dialogar com o feminismo. Afinal, quem melhor do que as próprias mulheres para nos dizer qual o lugar delas? O Enem fez isso e, em outra questão, partindo de um trecho do livro O segundo sexo, de Simone de Beauvoir, discutiu-se aspectos da atuação do movimento feminista na década de 1960.

Assim como Majorité Opprimée é mais do que entretenimento, o Enem mostrou que uma avaliação pode ser mais do que uma seleção. É louvável o exame cobrar posicionamento dos aspirantes ao ensino superior sobre um tema tão delicado e atual. Mais do que dominar fórmulas matemáticas ou decorar datas, o candidato precisa ter noções básicas de cidadania. Porém, a polêmica que a prova causou aponta para outra direção.

"Futebolizaram" tanto, mas tanto, o nosso debate político que, para alguns, discutir a violência contra a mulher é "doutrinação comunista", uma imposição nefasta da "ideologia de gênero". Para o Deputado Jair Bolsonaro, por exemplo, a prova deveria se chamar "Exame Nacional do Ensino Marxista". Alguns dizem que até hoje alguns brasileiros não superaram as eleições de 2014. Para mim, parece que não superaram foi a Guerra Fria - é possível que nem nos tempos da URSS a "ameaça vermelha" foi tão temida por aqui.

Pintar nas cores da ideologia o tema "violência contra a mulher" é jogar no Fla-Flu político algo que deveria ser da esfera do bom senso. Reconhecer o direito das mulheres serem quem, o quê e como quiserem não é partidarismo. É respeito.

Diz o ditado que "o pior cego é o que não quer ver". Mas acreditar que a defesa de princípios básicos dos direitos humanos é comunismo é também de uma cegueira abissal.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 3/11/2015


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alice in Chains, Rainier Fog (2018) de Luís Fernando Amâncio
02. Assunto de Mulher de Marilia Mota Silva
03. Leblon de Marta Barcellos
04. Caetano, não seja velho coronel de Humberto Pereira da Silva
05. O cinema de fronteira de Theo Angelopoulos de Wellington Machado


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio
01. 7 de Setembro - 13/9/2019
02. O Brasil que eu quero - 22/6/2018
03. A barata na cozinha - 26/10/2018
04. Como eu escrevo - 23/11/2018
05. A Copa, o Mundo, é das mulheres - 14/6/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




IMORTAL
P. C. CAST
PLANETA
(2010)
R$ 5,00



INVASÃO ALINIGENA
EDITH MODESTO
ATICA
(2008)
R$ 20,00



TEXTOS VOLUME I
KARL MARX E FRIEDRICH ENGELS
EDIÇÕES SOCIAIS
R$ 10,00



A SIBILA EM SEU TÚMULO
SARAH CAUDWELL
GLOBO
(2004)
R$ 5,90



MEU PASSADO ME CONDENA
TATI BERNARDI
PARALELA
(2015)
R$ 16,00



CHA DE OPIO.
BIANCA TAM.
RECORD
(1985)
R$ 12,00



ELO
JAMES CAPELLI
N/D
R$ 20,00



NUTRIÇÃO SUPLEMENTAÇÃO ESPORTIVA
N/D
PHORTE
(2000)
R$ 60,00



MEL - UMA VIDA DOCE E SAUDÁVEL
MARCIO BONTEMPO
ALAÚDE
(2008)
R$ 12,00



REVISTA DE LINGUA PORTUGUESA Nª 3
LAUDELINO FREIRE
ND
(1920)
R$ 68,00





busca | avançada
63818 visitas/dia
2,2 milhões/mês