Eleições na quinta série | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
>>> Videogame também é cultura
Mais Recentes
>>> A Árvore Que Dava Dinheiro de Domingos Pellegrini pela Ática (1997)
>>> Sócios no Crime de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2010)
>>> Adolescentes Privados de Liberdade de Mario Volpi (org.) pela Cortez (1997)
>>> Nutrição e Medicina Alternativa de Andirásio Donato e Gírlen Nunes pela Qualivida e Saúde
>>> O Mundo Encantado do Zazá Bistrô Tropical de Sergio Pagano; Zazá Piereck; Preta Moyses pela Tinta Negra (2014)
>>> O Mistério do Trem Azul de Agatha Christie pela L&pm Pocket
>>> Análise de Investimentos: Tomada de decisão em projetos industriais (Sem CD) de Regis da Rocha Motta; Guilherme Marques Calôba pela Atlas (2009)
>>> Introdução à Macroeconomia - uma Prespectiva Brasileira de Edmar Bacha pela Campus (1987)
>>> Seguindo a Correnteza de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2011)
>>> 101 Maneira de Dizer Amo Você de Ciranda Cultura pela Cirada Cultura (2011)
>>> Pollyanna Moça de Eleanor H Porter pela Nacional (1978)
>>> Moscas Contos de José Roberto Melhem pela Página Viva (2000)
>>> Um Punhado de Centeio de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2014)
>>> Troco o príncipe encantado pelo lobo mau - Um guia para se livrar das ideias ultrapassadas de Raquel Sánchez Silva pela Fontanar (2008)
>>> De volta à estação Finlândia de Daniel Aarão Reis pela Relume Dumará (1993)
>>> A Terra do Nunca e o Segredo das Fadas de Gail Carson Levine pela Melhoramentos (2006)
>>> Um Corpo na Biblioteca de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2014)
>>> Cometa Halley 2 de Gilberto Massarente pela Dgm (1985)
>>> Rindo Com Claudio Cunha de Cláudio Cunha pela Cfc
>>> Enigma na Televisão de Marcos Rey pela Ática (1987)
>>> Mitologia - Lendas de Salvador Nogueira pela Abril (2011)
>>> A Noite das Bruxas de Agatha Christie pela L&PM Pocket (2014)
>>> Maga e Min de Vários Autores pela Abril (2016)
>>> O Livro do Ki de Dr. Mallory Fromm pela Pensamento (1998)
>>> Guardião de Mal Peet pela Martins Fontes (2013)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/9/2021
Eleições na quinta série
Luís Fernando Amâncio

+ de 9800 Acessos

Ao chegar ao colégio em que cursaríamos os últimos anos do Ensino Fundamental, nós éramos apresentados à eleição de líder. Tratava-se de uma rara experiência democrática no alto de nossos dez ou onze anos. Através do voto, os alunos, sem interferência dos professores, escolhiam seus representantes estudantis.

Uma grande responsabilidade. Era dever do líder da turma buscar as carteirinhas dos colegas dez minutos antes do fim da aula. Além disso, o líder... bom, basicamente, ele só fazia isso. Quem exercia o cargo também era responsável pela turma se o professor precisasse sair. Mas nenhum adulto cometeria a sandice de autorizar uma criança a confrontar a desordem de seus colegas.

Ainda assim, ser o líder era importante. Afinal, nas carteirinhas, com um carimbo de PRESENTE, ficava registrada a nossa frequência na escola. Uma prova impressa e auditável para apresentar aos nossos pais se a calúnia de que tínhamos “matado aula” chegasse a eles.

Diante do poder que o processo democrático nos dava, seguíamos, basicamente, dois critérios para eleger nossos líderes: podíamos levar a eleição a sério e votar no estudante mais aplicado nos estudos – por algum motivo, pensávamos que boas notas ajudariam na função; ou votávamos no colega mais desordeiro da turma, como uma espécie de “voto de protesto”. Uma trollagem, como dizem os jovens. O constrangimento dos professores aturando um mal estudante como representante de turma nos divertia.

Da quinta à oitava série, sexto ao nono ano para os millennials, a subversão era ingênua e sem grandes consequências. Só uma piada de gosto duvidoso. Meus colegas, porém – e também seus pais, vizinhos, conges e etc – levaram a prática adiante. O noticiário me faz ter certeza: elegemos os piores estudantes para nos representar em Brasília. Uma trollagem suicida, escancarada no preço da gasolina e dos botijões de gás atualmente.

Afinal, presidente, ministros, deputados e senadores fazem bem mais do que apenas buscar carteirinhas na secretaria. As consequências ao ter representantes desordeiros nessas esferas são mais dramáticas.


Pode acontecer – e é só uma hipótese – de aparecer uma pandemia no meio do mandato. Aí, o líder deverá ter atitude responsável, tomar medidas rápidas e cabíveis. Se elegemos o pior aluno para a função, é possível que ele negue a seriedade da situação e atue com infantilidade, renunciando às recomendações sanitárias. Ou, talvez, ele não responda às fabricantes de vacinas para negociar, meses depois, com empresas de pastores e de lobistas amigos. Já pensaram que horror?

Também pode ocorrer – outra hipótese – de se anunciar uma crise hídrica, colocando em risco o abastecimento de energia elétrica no país. Então, precisaremos que nossos representantes sejam eficientes e tomem medidas de prevenção com antecedência, impedindo que a situação se agrave. E, claro, façam investimentos para amenizar a situação. Não vale onerar o consumidor depois que a catástrofe estiver prestes a acontecer.

Quando votaram no Tiririca e em seu “pior que está não fica”, havia uma tendência que muitos tomaram como anedótica. Uma subversão, como quando votavam no rinoceronte Cacareco nos tempos das cédulas impressas. Só que era mais sério do que se esperava.

Foi o princípio de um abismo. Quando ideologia, turbinada pelos algorítimos de Steve Bannon, se tornou pós-verdade. E a lógica em nossas escolhas políticas ficou em frangalhos. Nossas opções, desde então, parecem aleatórias. Como confiar a chave do cofre a um ladrão de galinhas. Ou, hipoteticamente falando, escolher um político de relações sólidas com esquemas de rachadinhas para combater a corrupção.

Você pode até dar o poder de buscar as carteirinhas da sala a uma pessoa incompetente. O risco de ela não dar conta da responsabilidade é menor, já que a função é simples. Agora, dirigir um país é mais complexo. Bem mais complexo.

A escolha não era, afinal de contas, tão difícil assim.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 17/9/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Preparar Para o Impacto de Marilia Mota Silva
02. Super Campeões, trocas culturais de Brasil e Japão de Luís Fernando Amâncio
03. Radiohead e sua piscina em forma de lua de Luís Fernando Amâncio
04. Mulheres fantásticas e futuristas de Carla Ceres
05. 2013: mulheres escritoras e suas artes de Eugenia Zerbini


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2021
01. Eleições na quinta série - 17/9/2021
02. 20 contos sobre a pandemia de 2020 - 21/5/2021
03. Faça você mesmo: a história de um livro - 29/1/2021
04. Você é rico? - 23/4/2021
05. 2021, o ano da inveja - 8/1/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tex Nº 419
G. L. Bonelli
Mythos
(2004)



O Xyz do Amor
Inge e Sten Hegeler
Record
(1968)



Le journalisme à l'ère électronique
Alain Joannés
Vuibert
(2007)



Abstrato e Substrato
Angela Silva Jardim
Flor e Cultura
(2011)



Tesouro Disney a Conquista do Oeste
Nova Cultural
Nova Cultural
(1987)



As Mulheres Francesas Não Engordam
Mireille Guiliano
Campus
(2005)



Tio Patinhas Nº 312
Walt Disney
Abril
(1991)



Dicionário Santillana
Santillana
Santillana Brasil
(2003)



Chorinho de Riacho e Outros Poemas para Cantar
Neusa Sorrenti
Formato
(2010)



Desenvolvimento Gerencial na Administração Pública do Estado de Sp
Lais Macedo de Oliveira
Fundap
(2009)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês