Eleições na quinta série | Luís Fernando Amâncio | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
>>> Companhia de Danças de Diadema apresenta Antropo100 - De Cascudo a Eros no Teatro Clara Nunes com i
>>> Tem flamenco e árabe entre os espetáculos do Mo Li Hua de graça e online
>>> Toquinho e Carla Candiotto apresentam Os Direitos da Criança
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto
Mais Recentes
>>> Hebe - A Biografia de Artur Xexéo pela Best Seller (2017)
>>> Livro - Sundiata: uma Lenda Africana - o Rei do Mali de Will Eisner pela Cia Das Letras (2002)
>>> História do Brasil de Armando Souto Maior pela Companhia Nacional (1976)
>>> Livro - A Formação Social da Mente de L. S. Vigotski pela Martins Fontes (2009)
>>> Obras Completas: Psicanálise - Box com Volume I, II, III e IV de Sándor Ferenczi pela Martins Fontes (2011)
>>> Madame Mao - A Mulher que Mandou em 800 Milhões de Homens de Roxane Witke pela Nova Fronteira (1977)
>>> Livro - O Despertar de Zé Fogueira de Rainer Petter pela Gráfica (2015)
>>> Livro - Estrelas Tortas de Walcyr Carrasco pela Moderna (2018)
>>> Livro - Curvas Perigosas de Maitena pela Planeta (2006)
>>> Inteligência Artificial Utilizando a Linguagem C de Herbert Schildt pela MacGraw-Hill (1989)
>>> 1000 Lugares Para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Shultz pela Sextante (2006)
>>> Mercadores de Arte de Daniel Wildenstein pela Planeta (2004)
>>> Livro - Sherlock Holmes Short Stories - Level 2 de Arthur Conan Doyle pela Oxford Bookworms (1989)
>>> Livro - A Filosofia na Sala de Aula de Matthew Lipman pela Nova Alexandria (1997)
>>> Literatura de Cordel - Antologia - 2vols. de Manuel Florentino D. José Pacheco José Soares José Costa L. pela Global
>>> Mário de Andrade - Exílio no Rio de Moacir Werneck de Castro pela Rocco (1989)
>>> Livro - Logistics and Supply Chain Management de Martin Christopher pela Prentice Hall (2010)
>>> Livro - Histórias a Quatro Patas de Alexandre de Castro Gomes pela Ftd (2010)
>>> Careta de Cazumba de Maria Mazzillo; Daniel Bitter; Gustavo Pacheco pela Caburé (2005)
>>> A Guerra Dos Tronos HQ - Volume I de George R. R. Martin pela Leya (2012)
>>> Palavras de Estrangeiro de Elie Wiesel pela Francisco Alves (1984)
>>> A Rainha do Castelo de Ar de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> Asteca de Gary Jennings pela Record (1980)
>>> Livro - Bom Dia Camaradas - Grande revelação da Literatura Angolana de Ondjaki; Kiko Farkas; Maquina Estudio pela Agir Sinergia (2006)
>>> O Caminho do Mago de Deepak Chopra pela Rocco (1998)
COLUNAS

Sexta-feira, 17/9/2021
Eleições na quinta série
Luís Fernando Amâncio

+ de 11200 Acessos

Ao chegar ao colégio em que cursaríamos os últimos anos do Ensino Fundamental, nós éramos apresentados à eleição de líder. Tratava-se de uma rara experiência democrática no alto de nossos dez ou onze anos. Através do voto, os alunos, sem interferência dos professores, escolhiam seus representantes estudantis.

Uma grande responsabilidade. Era dever do líder da turma buscar as carteirinhas dos colegas dez minutos antes do fim da aula. Além disso, o líder... bom, basicamente, ele só fazia isso. Quem exercia o cargo também era responsável pela turma se o professor precisasse sair. Mas nenhum adulto cometeria a sandice de autorizar uma criança a confrontar a desordem de seus colegas.

Ainda assim, ser o líder era importante. Afinal, nas carteirinhas, com um carimbo de PRESENTE, ficava registrada a nossa frequência na escola. Uma prova impressa e auditável para apresentar aos nossos pais se a calúnia de que tínhamos “matado aula” chegasse a eles.

Diante do poder que o processo democrático nos dava, seguíamos, basicamente, dois critérios para eleger nossos líderes: podíamos levar a eleição a sério e votar no estudante mais aplicado nos estudos – por algum motivo, pensávamos que boas notas ajudariam na função; ou votávamos no colega mais desordeiro da turma, como uma espécie de “voto de protesto”. Uma trollagem, como dizem os jovens. O constrangimento dos professores aturando um mal estudante como representante de turma nos divertia.

Da quinta à oitava série, sexto ao nono ano para os millennials, a subversão era ingênua e sem grandes consequências. Só uma piada de gosto duvidoso. Meus colegas, porém – e também seus pais, vizinhos, conges e etc – levaram a prática adiante. O noticiário me faz ter certeza: elegemos os piores estudantes para nos representar em Brasília. Uma trollagem suicida, escancarada no preço da gasolina e dos botijões de gás atualmente.

Afinal, presidente, ministros, deputados e senadores fazem bem mais do que apenas buscar carteirinhas na secretaria. As consequências ao ter representantes desordeiros nessas esferas são mais dramáticas.


Pode acontecer – e é só uma hipótese – de aparecer uma pandemia no meio do mandato. Aí, o líder deverá ter atitude responsável, tomar medidas rápidas e cabíveis. Se elegemos o pior aluno para a função, é possível que ele negue a seriedade da situação e atue com infantilidade, renunciando às recomendações sanitárias. Ou, talvez, ele não responda às fabricantes de vacinas para negociar, meses depois, com empresas de pastores e de lobistas amigos. Já pensaram que horror?

Também pode ocorrer – outra hipótese – de se anunciar uma crise hídrica, colocando em risco o abastecimento de energia elétrica no país. Então, precisaremos que nossos representantes sejam eficientes e tomem medidas de prevenção com antecedência, impedindo que a situação se agrave. E, claro, façam investimentos para amenizar a situação. Não vale onerar o consumidor depois que a catástrofe estiver prestes a acontecer.

Quando votaram no Tiririca e em seu “pior que está não fica”, havia uma tendência que muitos tomaram como anedótica. Uma subversão, como quando votavam no rinoceronte Cacareco nos tempos das cédulas impressas. Só que era mais sério do que se esperava.

Foi o princípio de um abismo. Quando ideologia, turbinada pelos algorítimos de Steve Bannon, se tornou pós-verdade. E a lógica em nossas escolhas políticas ficou em frangalhos. Nossas opções, desde então, parecem aleatórias. Como confiar a chave do cofre a um ladrão de galinhas. Ou, hipoteticamente falando, escolher um político de relações sólidas com esquemas de rachadinhas para combater a corrupção.

Você pode até dar o poder de buscar as carteirinhas da sala a uma pessoa incompetente. O risco de ela não dar conta da responsabilidade é menor, já que a função é simples. Agora, dirigir um país é mais complexo. Bem mais complexo.

A escolha não era, afinal de contas, tão difícil assim.


Luís Fernando Amâncio
Belo Horizonte, 17/9/2021


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nem morta! de Ana Elisa Ribeiro
02. Moro no Morumbi, mas voto em Moema de Julio Daio Borges
03. Um olhar sobre Múcio Teixeira de Celso A. Uequed Pitol
04. T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você) de Renato Alessandro dos Santos
05. Inferno em digestão de Renato Alessandro dos Santos


Mais Luís Fernando Amâncio
Mais Acessadas de Luís Fernando Amâncio em 2021
01. Eleições na quinta série - 17/9/2021
02. 20 contos sobre a pandemia de 2020 - 21/5/2021
03. Faça você mesmo: a história de um livro - 29/1/2021
04. Você é rico? - 23/4/2021
05. 2021, o ano da inveja - 8/1/2021


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sagarana
Joao Guimaraes Rosa
Nova Fronteira
(2001)



Irmão Imaginário
Lorris Murail, Jean-noël Rochut
Scipione
(1995)



Zac Power - Ilha do Veneno / 1ª Ed
H. I. Larry
Fundamento
(2009)



Livro - Migalhas de Machado de Assis - de Bolso
Machado de Assis; Miguel Matos
Migalhas
(2008)



Os melhores poemas de amor da sabedoria religiosa de todos os tempos
org. José Jorge de Carvalho
ediouro
(2001)



Longa Jornada Noite Adentro
Eugene Oneill
Abril
(1982)



Onde Tudo Acontece
Giovanna Bartucci
civilização brasileira
(2013)



Livro - O Gigolô das Palavras
Luis Fernando Verissimo e Outros
L&pm Editores
(1993)



Livro - Beyonders - a World Without Heroes
Brandon Mull
Aladdin
(2011)



Pluralismo Religioso - as Religiões no Mundo Atual
Wagner Lopes Sanchez
Paulinas
(2005)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês