Não me venham com escritores (gênios, então...) | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Baccos promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
>>> Vera Athayde é convidada do projeto Terreiros Nômades em ação na EMEF Ana Maria Benetti sobre Cavalo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Chico Buarque e o Leite derramado
>>> A favor do voto obrigatório
>>> The Matrix Reloaded
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Jobim: maestro ou compositor?
>>> 7 de Outubro #digestivo10anos
>>> A insignificância perfeita de Leonardo Fróes
>>> Soco no saco
>>> De Siegfried a São Jorge
>>> O Paulinho da Viola de Meu Tempo é Hoje
Mais Recentes
>>> Ao Redor do Mundo de Fernando Dourado Filho pela Fernando Dourado Filho (2000)
>>> O Administrador do Rei - coleção aqui e agora de Aristides Fraga Lima pela Scipione (1991)
>>> Memória do Cinema de Henrique Alves Costa pela Afrontamento (2024)
>>> Os Filhos do Mundo - a face oculta da menoridade (1964-1979) de Gutemberg Alexandrino Rodrigues pela Ibccrim (2001)
>>> Arranca-me a Vida de Angeles Mastretta pela Siciliano (1992)
>>> Globalizacão, Fragmentacão E Reforma Urbana: O Futuro Das Cidades Brasileiras Na Crise de Luiz Cezar de Queiroz Ribeiro; Orlando Alves dos Santos Junior pela Civilização Brasileira (1997)
>>> Movimento dos Trabalhadores e a Nova Ordem Mundial de Clat pela Clat (1993)
>>> Falso Amanhecer: Os Equívocos Do Capitalismo Global de John Gray pela Record (1999)
>>> Os Colegas de Lygia Bojunga pela Casa Lygia Bojunga (1986)
>>> Amazonas um Rio Conta Historias de Sergio D. T. Macedo pela Record (1962)
>>> A História de Editora Sextante pela Sextante (2012)
>>> Villegagnon, Paixao E Guerra Na Guanabara: Romance de Assis Brasil pela Rio Fundo (1991)
>>> A Política de Aristóteles pela Ediouro
>>> A Morte no Paraíso a tragédia de Stefan Zweig de Alberto Dines pela Nova Fronteira (1981)
>>> Rin Tin Tin a vida e a lenda de Susan Orlean pela Valentina (2013)
>>> Estudos Brasileiros de População de Castro Barretto pela Do Autor (1947)
>>> A Origem do Dinheiro de Josef Robert pela Global (1989)
>>> Arquitetos De Sonhos de Ademar Bogo pela Expressão Popular (2024)
>>> Desafio no Pacífico de Robert Leckie pela Globo (1970)
>>> O Menino do DedoVerde de Maurice Druon pela José Olympio (1983)
>>> A Ciencia Da Propaganda de Claude Hopkins pela Cultrix (2005)
>>> Da Matriz Ao Beco E Depois de Flavio Carneiro pela Rocco (1994)
>>> Testemunho de Darcy Ribeiro pela Edições Siciliano (1990)
>>> Tarzan e o Leão de Ouro de Edgar Rice Burroughs pela Record (1982)
>>> Viagem de Graciliano Ramos pela Record (1984)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/7/2006
Não me venham com escritores (gênios, então...)
Julio Daio Borges
+ de 6300 Acessos
+ 8 Comentário(s)

É cíclico. Volta e meia alguém me aparece com o seguinte papo: "Julio, eu conheci um gênio! Um escritor de alta, altíssima literatura - você tem de publicar". Como se eu estivesse procurando... "Procura-se gênio: paga-se bem (tratar com o Editor)" - como se essa tabuleta estivesse pendurada em algum lugar no site... (Se vocês acharem, vocês me falam? Eu preciso tirar do ar.)

Tá, eu conheci alguns "gênios" - entre wannabes e hasbeens. No início do Digestivo, muitos colaram em mim, visando minha jugular, feito vampiros. Os gênios da vida real são um problema para a nação: produzem obras de arte, sim, mas sugam todo mundo... Já os gênios de mentira só sugam.

E eu morro de preguiça do "gênio" hoje. Do "gênio incompreendido", então, mais ainda - porque se o sujeito viveu uma vida inteira de incompreensão, como é que eu posso ajudar?

O "gênio" ou wannabe, na forma de escrevinhador, é um fardo para editores em geral. É a contradição em pessoa: quer ser descoberto mas não ajuda nem um pouco; sabe que tem de fazer alguma coisa para melhorar (e, finalmente, acontecer) - mas não aceita qualquer aconselhamento ou direcionamento que venha de fora.

Também, pudera: quem passou toda a sua existência - até, digamos, a minha chegada - ouvindo "nãos", apenas espera ouvir um "sim" estrondoso, amplo e absoluto (e nenhuma outra coisa). Ei, "gênios" de plantão: isso não existe, tá bom? Todo mundo precisa ser trabalhado, principalmente uma pedra bruta...

Existem "gênios" piores do que outros. Os que colocam, voilà, todas as suas esperanças na malfadada "palavra escrita": no Brasil, estão condenados a morrer de fome. Esses se aproximam de tipos como eu, mas logo se voltam contra - acontece que o problema não é meu, nem do Digestivo, nem de qualquer outra publicação; é, outrossim, de um País inteiro que, para essa espécie de inteligência, não dá nenhum valor.

Os "gênios" vivem de altos e baixos. Logo, são difíceis de lidar. E o Digestivo, por exemplo, é um periódico, faz jornalismo... Precisamos estar atualizados, sempre "no ar", temos compromissos com nossos Parceiros e Leitores. E, insistindo mais um pouco neste raciocínio, sabendo que tudo tem de dar certo - funcionar como um relógio -, como é que eu posso admitir alguém do tipo inconstante?

Já tive, se interessa saber, "gênio" preso, "gênio" que tentou se suicidar, "gênio" que escreveu um texto inteiro contra (dentro do meu próprio site)... "Gênio" que num minuto me ama, no outro, quer me matar... Agora, olha bem pra minha cara: acha mesmo que eu deveria aturar?

Há fases em que você está mais suscetível ao "gênio", na realidade - acredita, também, que ele possa te salvar. Mas gênios entre aspas sofrem de "auto-sabotagem" crônica: afundam e, no passo seguinte, querem te afundar. Dos que tentaram, aqui, levar o navio a pique, reconheço alguns que insistem e que hoje afundam, por aí, outras embarcações...

Eu penso que faz parte do gênio (sem aspas, de verdade) abrir caminhos que revelem sua própria genialidade - e não ficar cobrando promoção ou consagração de outras pessoas. Em outras palavras (e de uma vez por todas): não é missão, vamos dizer, do Digestivo lançar "mentes brilhantes". Porque acredito no seguinte: elas mesmas vão se lançar.

Além desse defeito, de esperar reconhecimento, "gênios" são afoitos e querem estourar logo (assim que têm a primeira oportunidade). Quando, historicamente falando, gênios sem aspas trabalham duro e estouram depois de uma longa caminhada. (Rimbaud talvez seja, nas letras, a única exceção que confirma a regra - a da improbabilidade do gênio literário precoce.)

"Gênios" velhos, então, é pior. Não aconteceram ainda, mas já incorporaram a mania da velhice de querer ensinar. Se os "jovens" deviam ser mais humildes por não saberem ainda nada, os "velhos" deveriam ser igualmente humildes (ou até mais) por terem tentado e, por enquanto, só falhado. Entre a prepotência e a ignorância, há alguma virtude que me foge?

O "gênio" com bagagem é tão ou mais problemático, porque ele quer usar essa "bagagem", mostrar todos os seus dotes - e anseia por um nível de consagração muito mais sofisticado. A frustração, nessa escala, é proporcional. No mundo dos esportes - apenas a título de curiosidade -, seria algo como um atleta fechado durante décadas numa sala de ginástica que, de repente, fosse disputar uma competição outdoor. Boa coisa não ia dar...

No caso dos escritores, é ainda mais grave, porque a tendência do autor (wannabe or not) é ir se isolando cada vez mais. Quando sai dos seus aposentos para o inevitável choque com a realidade, o "gênio escrevinhador" não suporta a disparidade entre suas ambições e realizações na prática e prefere cavar ainda mais fundo suas catacumbas. Um editor pode ser esse "chamado às falas", admitamos. Mas olhe aqui pra mim, agora (de novo): eu lá tenho cara de que quero interromper esse ciclo vicioso?

Eu tenho muita pena dos escritores, porque eles se defendem exatamente dessa forma (da rejeição): se afundando aos poucos. E podem viver uma vida inteira sem saber - ou, vá lá, até intimamente sabendo - que são um fracasso. Conheço escritores fracassados que nem em mil anos vão melhorar. Mas não tenho coragem de alertá-los (eles colocaram toda a sua vida nessa história...). Você, no meu lugar, teria coragem?

É diferente em outras profissões. Um advogado, um médico ou um engenheiro até pode reclamar de ser um "gênio incompreendido" de vez em quando, mas lá no fundo sabe que não é mesmo grande coisa - porque o reconhecimento, nessas áreas, tem de vir agora, em forma material, senão não vale. O "gênio escrevinhador" (ou "artístico", vamos extrapolar) tem sempre a desculpa da incompreensão do mundo (mesmo que se saiba um fracasso na intimidade; ou até principalmente por causa desse fato...).

Eu tenho dó, mas não posso fazer mais do que já faço (eu faço jornalismo, cara pálida). Eu não convenço as pessoas da "genialidade" alheia, essa é que é a verdade; talvez convença da qualidade literária, mas isso, no Brasil, não basta.

Pessoalmente, não acho que o gênio - quando ele existe "por escrito" - está logo numa primeira frase, mas, ao contrário, está no trabalho acumulado. E meia dúzia de pessoas apontando para um sujeito e proclamando, em uníssono, "gênio!" também não me diz nada. Como dizia o Nélson, nosso amigo, é a tal da unanimidade. (Burra, claro.)

Eu fico cansado de ter de calibrar meu detetor de Q.I., ou de inteligência emocional, toda vez que alguém bate à minha porta e demanda: "É gênio ou não?". Mas eu entendo, vai... eu entendo de uma maneira ou de outra. Os escrevinhadores - e o público leigo - falam mal da crítica, por hábito, mas é ela a única capaz de realmente "avaliar". (Escrevinhadores puxam o saco uns dos outros...) Sem fortuna crítica, um autor não é nada: morre e acaba. Mesmo que venda muito. O Paulo Coelho, com todos os seus superpoderes de mago - hey, Paulo, não é nada pessoal -, tenta se vingar da crítica a cada obra, mas não adianta nada.

O selo de qualidade do Julio (ou do Digestivo) pode até ter algum valor, eu assumo - mas não funciona como uma balança de precisão em miligramas. O negócio é orgânico. O gênio vai passar pelo nosso campo de visão e, se estivermos num dia bom, vamos apontar: "Olha o gênio lá!". O que não significa que as pessoas vão parar e olhar...

O resumo da ópera é: não tentem acelerar o compasso. Se for mesmo ocorrer, ocorrerá. E daí que o "gênio" vai se matar se demorar? Se ele for gênio mesmo, você não vai conseguir salvar. (Nem, muito menos, eu, tá?)

"Ah, se o nosso Gênio tivesse um pouco mais de gênio!"
Ralph Waldo Emerson


Julio Daio Borges
São Paulo, 7/7/2006

Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
03. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. O náufrago, de Thomas Bernhard - 4/8/2006


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/7/2006
17h56min
Genial!!!
[Leia outros Comentários de Alfredo A. de Mello]
7/7/2006
18h38min
Grande Julio, como sempre afiado. Acho o "trabalho" de se fazer muito bem lembrado por você, gênio por si só de que vale? A vida, meu caro, a vida, ávida vida....
[Leia outros Comentários de andré balbino]
8/7/2006
14h15min
toda vez que leio algo assim, me sinto bem! é o grilo sempre ajudando na reflexão. obrigado
[Leia outros Comentários de léo]
8/7/2006
17h19min
gênios não se criam, gênios se acham ao acaso, são pessoas despretenciosas, com abilidades especiais, são pesssoas que não têm medo de serem elas mesmas, gênios são raros, mas existem e não almejam reconhecimento.
[Leia outros Comentários de noe class borges]
9/7/2006
04h44min
Ótimo isso aqui. E levanta a questão complexa, geralmente distorcida, da genialidade. O gênio, na verdade, é irrelevante. Em outras palavras, o gênio não é genial. O genial é a obra, a única que fica. Pela obra considera-se - e muitas vezes bem tardiamente - o gênio. Numa época que alimenta, com o combustível de uma mídia irriquieta, a grande "fogueira das vaidades", a imagem do gênio é aduladíssima. Mas, como diriam os chineses, essa imagem é um "tigre de papel". Para ser Shakespeare, o indivíduo TEM, antes de mais nada, que ter escrito Hamlet, Rei Lear, Macbeth e Ricardo III, pelo menos. Ôpa, teve um cara que fez isso. Qual o nome dele? Um tal de William, etc. A obra é genial, o cara deve ter sido um gênio... A coisa funciona assim e só dessa forma. Sem obra, não há gênio. Agora, sem gênio, pode haver (e há) milhares de obras.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
13/7/2006
12h25min
gênio é uma ficção que não se sustenta se não houver uma base de rotina e constante insistência no fazer. trabalho acumulado e história... resumem um bocado do seu texto sobre esse tema.
[Leia outros Comentários de eassis]
15/7/2006
19h36min
Julio, o Digestivo não precisa de gênios, ele tem você.
[Leia outros Comentários de japmo]
20/7/2006
08h54min
Parece mais o super editor esperando pequenos escrevinhadores, mas o texto é bom.... Sabemos que muita gente tenta a promoção "relampago", através de compilação ou de outras genialidades por aí.
[Leia outros Comentários de Marcelo Telles]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Coleção Erico Verissimo
Erico Verissimo
Globo



O Lorde Supremo
Trudi Canavan
Novo Conceito
(2013)



LIvro Esoterismo Textos Tibetanos Inéditos
Alexandra David-neel
Kier
(1976)



The Moral Life: An Introduction Reader in Ethics and Literature
Louis P. Pojman
Oxford University Press
(2000)



Livro Pedagogia Docência Memoria e Gênero Estudos Sobre Formação
Denice Barbara e Outros
Escrituras
(1997)



Livro Literatura Estrangeira Coleção Negra A Última Dança um Romance do 87 Dp
Ed Mcbain
Record
(2003)



Ama. Manual de Gerenciamento de Projetos
Paul C. Dinsmore
Brasport
(2009)



Livro Literatura Estrangeira Diários do Vampiro o Despertar
L. J. Smith
Record
(2009)



Insight
Daniel C. Luz
Dvs
(2001)



Livro Crítica Literária Figurações do Oitocentos
Paulo Motta Oliveira
Ateliê





busca | avançada
101 mil/dia
2,4 milhões/mês