Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
>>> Trajetória para um novo cinema queer em debate no Diálogos da WEB-FAAP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Viva a revolução
>>> AC/DC 1977
>>> As maravilhas do mundo que não terminam
>>> Nem Aos Domingos
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> A firma como ela é
>>> Grandes Pianistas do Século XX
>>> PublishNews entrevista Ana Elisa Ribeiro
>>> Manual prático do ódio
>>> Isn’t it a bliss, don’t you approve
Mais Recentes
>>> Revista do Brasil de Antonio Candido, Celso Furtado, Julio Cortázar, Manoel Bonfim, Poty e outros pela Rioarte / Funarte (1984)
>>> Painel da Literatura em Língua Portuguesa de José de Nicola pela Scipione (2010)
>>> Crónica de una muerte anunciada de Gabriel García Márquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Marlene D de Marlene Dietrich pela Nordica (1984)
>>> Notícia de un secuestro de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Há Males Que Vêm Para Bem de Alec Guinness pela Francisco Alves (1990)
>>> Vivir para Contarla de Gabriel García Márquez pela Debolsillo (2017)
>>> Tango Solo de Anthony Quinn, Daniel Paisner pela Nova Fronteira (1995)
>>> El Coronel no Tiene Quien le Escriba de Gabriel Gacía Máquez pela Plaza Janés (1999)
>>> Laços Eternos de Zibia Gasparetto pela Edicel (1979)
>>> A garota que eu quero de Markus Zusak pela Intrínseca (2013)
>>> O inverno das fadas de Carolina Munhóz pela Casa da palavra (2012)
>>> Treinando a emoção para ser feliz de Augusto Cury pela Academia (2010)
>>> E se for você? de Rebecca Donovan pela Globo (2016)
>>> O guardião de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2013)
>>> O casamento de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> Inferno atlântico. Demonologia e colonização. Séculos XVI-XVIII de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1993)
>>> Um porto seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Ouse ir Além - Coaching para Resultados Extraordinários de José Roberto Marques pela Ibc (2016)
>>> Segundo - Eu me chamo Antônio de Pedro Gabriel pela Intrínseca (2014)
>>> Doce Cuentos Peregrinos de Gabriel García Márques pela Plaza Janés (1999)
>>> A cadeira de prata - As crônicas de Nárnia de C. S. lewis pela Martins Fontes (2003)
>>> Ases nas alturas - Wild Cards de George R. R. Martin pela Leya (2013)
>>> Homens de grossa aventura. Acumulação e hierarquia na praça mercantil do Rio de Janeiro 1790-1830 de João Luís Fragoso pela Civilização Brasileira (1998)
>>> Anjos caídos de Asa Schwarz pela Planeta (2010)
>>> Um conto do destrino de Mark Helprin pela Novo Conceito (2014)
>>> O diabo e a Terra de Santa Cruz de Laura de Mello e Souza pela Companhia das Letras (1986)
>>> O Antigo Regime nos trópicos de João Fragoso & Maria Fernanda Bicalho & Maria de Fátima Gouvêa. Organizadores pela Civilização Brasileira (2010)
>>> Dominguinhos o Neném de Garanhuns de Antônio Vilela de Souza pela Garanhuns (2014)
>>> Viva a Vagina de Nina Brochman / Ellen Sorkken Dahl pela Pararela (2017)
>>> Grandes Pensadores em Psicologia - 10A de Rom Harré pela Roca (2009)
>>> A Amiga Genial de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2015)
>>> Steve Jobs : a biografia de Walter Isaacson pela Companhia Das Letras (2011)
>>> A Encantadora de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2006)
>>> Cien Años de Soledad de Gabriel Garcia Marques pela Plaza Janés (1999)
>>> O Taro Adivinhatório de Vários pela Pensamento
>>> Os Segredos de Uma Encantado de Bebês de Tracy Hogg; Melinda Brau pela Manole (2002)
>>> A Droga da Obediência de Pedro Bandeira pela Moderna (2009)
>>> O Paraíso na Outra Esquina de Mario Vargas Llosa pela Arx (2003)
>>> A Festa da Insignificância de Milan Kundera pela Companhia das Letras (2014)
>>> História da Menina Perdida de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2017)
>>> A Lenda do Graal (Do Ponto de Vista Psicológico) de Emma Jung e Marie Louise Von Franz pela Cultrix (1991)
>>> Capitães da Areia de Jorge Amado pela Record (1975)
>>> O Verão Sem Homens de Siri Hustvedt pela Companhia das Letras (2013)
>>> Hostória de Quem Foge e de Quem Fica de Elena Ferrante pela Biblioteca Azul/ Globo (2016)
>>> Pontos De Fuga - O Lugar Mais Sombrio - Vol. 2 de Milton Hatoum pela Companhia das Letras (2019)
>>> A Ilha do Dia Anterior de Umberto Eco pela Record (1995)
>>> A Invenção do Sonho de Moema de Castro e Silva Oliveira pela Âncora (2017)
>>> Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1984)
>>> Iluminando o retorno-Halachhot Teshuvá [Judaismo ] de Rabino Isaac Dichi pela Nascente (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 30/12/2014
Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3400 Acessos

Na capa do livro a representação de duas cabeças masculinas. Um cigarro introduzido na orelha de um deles é fumado pelo outro que o alcança por trás. Na contra-capa, um rosto, agora sozinho, expira a fumaça que se dispersa lentamente. Uma alegoria das relações amorosas no mundo contemporâneo? A capa perfeita para o que se vai ler nas páginas do romance Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade, editado pela Confraria do Vento, do Rio de Janeiro, que narra a busca desenfreada dos seus personagens por prazer, e por se manterem, no entanto, imunes a qualquer ligação afetiva ou erótico-afetiva.

Embora trate do universo homossexual, de suas caçadas aflitivas por sexo a todo custo, a todo momento e com o maior número possível de parceiros (sendo cada parceiro um qualquer desconhecido), o romance traduz a atual crença absoluta de que nada na vida vale mais do que o uso do outro como meio para se obter prazer... e nada mais.

O romance se constrói de uma forma interessante, mostrando os passos de um personagem e seu envolvimento sexual com certo número de parceiros e, em seguida, a narrativa mostra os mesmos encontros a partir dos parceiros que se envolveram com o personagem "central". Quanto ao sentido que cada um dá à sua existência, não há diferença entre o que procuram uns nos outros.

O romance pode ser lido como a tradução literária da reflexão que vem sendo construída por alguns teóricos que pensam o avanço do ego narcísico na contemporaneidade (onde o princípio do prazer se sobrepõe ao princípio da realidade).

Há quatro livros fundamentais, nesse sentido: O mínimo eu, de Christopher Lasch, O Amor Líquido e Modernidade Liquida, de Zygmunt Bauman e Tudo o que é sólido desmancha no ar, de Marshall Berman.

Como diz Lasch, na cultura do ego narcísico, os homens são programados para a realização de suas satisfações, mas no fundo vivem alienados de seus corpos e das emoções associadas com o prazer corporal. Essa alienação é o estado em que os personagens de Alex Andrade vivem.

A ansiedade dos personagens de Amor, Truques e Outras Versões revela o desejo que o homem contemporâneo tem de viver no presente absoluto e de, se possível, se consumir nesse presente. Diz o personagem em certa passagem: "Quero tudo, tudo para agora, urgente, se possível, para ontem. Não quero perder as oportunidades da vida, quero ter a leve sensação de viver as experiências do mundo".

Para buscar essa satisfação e dar um sentido à existência, é necessário, no entanto, manter a "ansiedade à flor da pele". Para isso, seu celular, ferramenta que o conectava aos corpos procurados, piscava o tempo todo, com promessas de prazer fácil, rápido e sem rosto: "A voz ao telefone, as fotos enviadas pelo celular, a conversa afinada, a fantasia acelerada, o que mais importava?"

Como comenta Ronaldo Cagiano, no excelente posfácio do livro, "em Amores, truques e outras versões vamos lidando com pessoas sem rosto e sem nome, travestidas de uma lógica perversa de encantamento e sedução, que as transforma em mero joguete num leito em que o próprio prazer é rebaixado ao status de mercadoria e cada encontro é crucial espelho do individualismo e da negação do outro."

Parafraseando Zigmunt Bauman, o valor, o mais precioso dos valores humanos, o atributo sine qua non de humanidade, é uma vida de dignidade, não a busca do prazer a qualquer custo. No entanto, como transcorre na vida dos personagens de Alex Andrade, o que se vê é a aposta absoluta numa única direção: a satisfação do prazer sexual sem qualquer interesse em reconhecer o outro. Da mesma forma que o capitalismo transformou tudo em mercadoria - aquilo que se compra e rapidamente se joga fora em nome de uma novidade (seja o carro do ano, o novo celular, a roupa da moda, a banda do momento, o corte de cabelo, etc) - da mesma forma, o outro se transformou em meio de obtenção de uma satisfação que o coloca na posição de objeto descartável.

O contrário disso seriam relações onde o outro fosse sujeito e não objeto. Mas quando essa oportunidade se avizinha, torna-se sintomática a passagem seguinte, que revela o desconforto que o encontro amoroso causa no personagem:

"As outras coisas, as de maior importância ficaram para um depois quase imperceptível e parece que o amor tornou-se cafona demais, porque ninguém tenta e ninguém arrisca, amar é pisar numa área de risco, num terreno arenoso com placa ilustrativa anunciando com uma cruz vermelha o perigo que podemos correr. E quem ousa desobedecer e atravessar esse abismo?"

E quando há uma mínima expressão de sentimento que começa a se desenvolver, dá-se o "perdido" naquele que manifesta interesse: "Não queria o amor, pensei. Mas ele segurou a minha mão, recostou a cabeça no meu ombro. (...) Das duas uma, ou não atenderia mais os telefonemas dele, ou daria "perdidos" como a maioria das pessoas fazem quando tentam sinalizar que há um desinteresse pelo outro."

O contrário disso seriam as relações onde prevalece o amor. Como diz Bauman: "O amor é a vontade de cuidar, e de preservar o objeto cuidado. Um impulso centrífugo, ao contrário do centrípeto do desejo. Um impulso de expandir-se, ir além, alcançar o que está lá fora. Ingerir, absorver e assimilar o sujeito no objeto, e não vice-versa, como no caso do desejo. (...) Se o desejo quer consumir, o amor quer possuir. Enquanto a realização do desejo coincide com a aniquilação de seu objeto, o amor cresce com a aquisição deste e se realiza na sua durabilidade. Se o desejo se autodestrói, o amor se autoperpetua."

O personagem vive, dessa forma, uma vida de descarte de pessoas como se fossem os brinquedos de uma criança entediada: "feito criança mimada que tanto sonha com o brinquedo e, quando finalmente o tem nas mãos, o destrói ou o deixa de lado". Transformando seus parceiros em peças de um fast food humano, que podem ser encontrados a cada sacada do celular do bolso, o narrador emparelha seres humanos e mercadorias expostas numa vitrine (tela) como se fossem a mesma coisa:

"Tinha de tudo naquela microtela: rostos, silhuetas, peitorais, bíceps, bundas, gente de toda espécie, para todos os gostos, de todos os tamanhos e formato, um verdadeiro fast food humano, bastava um clique e tudo se resolveria em segundos."

As ansiedades acumuladas tendem a ser descarregas em corpos desconhecidos, livres de qualquer envolvimento emocional, retornando à prisão do círculo vicioso da satisfação, carência e, novamente, busca desnorteada e frustrada de satisfação. Na esperança de se realizar, cada um só encontra nova frustração, nunca a plenitude. "O tesão nunca se encerra, ele apenas repousa", diz o narrador.

A vontade de parar o desejo, essa locomotiva em descarrilamento, existe, mas como? "O mais provável é que eu não consiga resistir à tentação. Tantos corpos, tanta gente dando mole por aí. E eu aqui, me contorcendo para não me entregar aos delírios e delícias. (...) Daí acionei o botão, liguei o aparelho e disparei com os dedos feito uma locomotiva. Logo foram surgindo as carinhas, contornos, silhuetas, mensagens e mais mensagens. Na verdade todas as mesmas imagens de sempre. Fui descendo com as digitais pela tela, escorregando o dedo entre um rosto e outro, procurando alguém que estivesse à disposição de alimentar a minha libido."

Para os personagens de Alex Andrade, com as delícias de tantos corpos à disposição, pouco importa que pessoas sejam essas com quem se deita se o que importa é apenas o gozo que o desconhecido pode proporcionar. Daí sua despersonalização: "na cama todas as apresentações estavam dispensadas, jogávamos para o alto as camisas, cuecas, os nomes, codinomes, apelidos e a nossa verdadeira identidade."

O acesso livre à luxúria e o fato de que ele também é um dos objetos prediletos para o prazer dos outros lhe dá a sensação de importância e potência (substituto do desejo de ser amado): "Resolvi abrir o aplicativo do celular só para dar uma espiadinha e ver a movimentação. Estava bombando, inúmeros chamados e recados no meu nick, me senti o cara mais importante da face da terra."

O que sobra desses encontros não vai se configurando em experiências emocionais, em amadurecimento amoroso, mas apenas... "Tudo o que recordo são imagens estilhaçadas."

Há uma passagem do livro que mostra bem a situação do personagem vivendo atordoado pela ansiedade de um desejo sem fim, que busca na novidade de corpos o sentido do seu prazer e a fuga de qualquer momento (insuportável) de solidão:

"Ele insistiu que poderíamos nos ver mais vezes, eu concordei que sim, mas no fundo eu queria sair daquele enredo e logo chegar em casa, abrir imediatamente o aplicativo do celular, que não parava de piscar e apitar, e dar um jeito de mergulhar em outras tantas aventuras.

Não estava querendo dedicar meu precioso tempo a relações duradouras, tampouco repetir essa experiência com ele. Depois que percebi o mundo inteiro que se abria facilmente entre meus dedos, notei que a solidão durava apenas uma fração de segundos. Ele se despediu e eu retornei ao meu mundo virtual. O próximo, pensei sorrindo."

Na atual conjuntura, diante de nossa "solidão cavernosa", quanto mais procuramos o prazer, menos o encontramos, ainda que a atividade de procurar o prazer, inútil como tem sido, possa ser a única atividade que nos mantém na ilusão de que estamos vivos. É o que parece dizer "Amores, truques e outras versões".

Bauman interrogaria: "Num mundo assim, com pessoas privadas de sentimentos humanos, qual a vantagem de permanecerem vivas?"


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 30/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Championship Vinyl - a pequena loja de discos de Renato Alessandro dos Santos
02. Imprimam - e repensem - suas fotografias de Ana Elisa Ribeiro
03. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
04. A Imagem do Som de Fabio Gomes
05. Noturno para os notívagos de Ana Elisa Ribeiro


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
02. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS ADVOGADOS VÃO AO CINEMA
JOSÉ ROBERTO DE CASTRO NEVES
NOVA FRONTEIRA
(2019)
R$ 49,00



INTRODUÇÃO A ECONOMIA
B. J. MCCORMICK E OUTROS
ZAHAR
(1976)
R$ 6,90



ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA - TEORIA E APLICAÇÃO
VARIO AUTORES
ATLAS
(1971)
R$ 14,90



CAÇA AO TESOURO
AMANDA WOOD
BRINQUE BOOK
(2008)
R$ 19,90



A MAGIA DO CAMINHO REAL
ANNA SHARP
ROSA DOS TEMPOS
(1997)
R$ 6,90



MULHERES ALTERADAS 1
MAITENA
ROCCO
(2003)
R$ 10,00



DINAMIZE SUA CAPACIDADE - 10ª ED.
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(1983)
R$ 10,00



UM ERRO JUDICIÁRIO - CAPA DURA
A. J. CRONIN
CÍRCULO DO LIVRO
(1990)
R$ 7,00



TRATADO DE ESTETICA
LUIS VIDALES
ESCRITORES CALDENSES
R$ 50,00



AUTONOMIA ECONÔMICA E EMPODERAMENTO DA MULHER
TEXTOS ACADÊMICOS
FUND. ALEXANDRE GUSMÃO
(2011)
R$ 18,00





busca | avançada
58438 visitas/dia
2,1 milhões/mês