Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
>>> Por que Dilma tem de sair agora
>>> A árvore da vida
Mais Recentes
>>> Memórias de Adriano de Marguerite Yourcenar pela Record (1951)
>>> O Investidor Inteligente de Benjamin Graham pela Harper Collins (2017)
>>> Livro - O Boi Cor-de-rosa de Jorge Miguel Marinho pela Peirópolis (2007)
>>> O herói improvável da sala 13B de Teresa Toten pela Bertrand Brasil (2016)
>>> Estrela Distante - Coleção Folha Literatura Íbero-Americana de Roberto Bolaño pela Folha de S. Paulo (2012)
>>> Livro - A Fábula da Convivência de Lecticia Dansa; Salmo Dansa pela Ftd (2002)
>>> Obras de Edgar Allan Poe de Edgar Allan Poe pela Pandorga
>>> Livro - Meu Primeiro Livro de Contos de Fadas de Mary Hoffman pela Companhia das Letrinhas (2014)
>>> Atlas da Culinária na Baía de Todos os Santos de Jailson de Andrade, Vanessa Hatje, Gal Meirelles, Núbia Ribeiro pela Edufba (2013)
>>> Morri Para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Livro - A Civilização Inca de Rosana Bond pela Atica (2015)
>>> Abril Vermelho de Santiago Roncagliolo pela Alfaguara (2007)
>>> Ansiedade 3 Ciúme o medo da perda acelera a perda de Augusto Cury pela Benvirá
>>> Marx (Sem Ismos) de Francisco Fernández Buey pela Ufrj (2022)
>>> Livro - A Ave-maria de Natália Maccari pela Paulinas (2013)
>>> A Arte de ter Razão de Arthur Schopenhauer pela Martins Fontes (2017)
>>> Um pedido às estrelas de Priscille Sibley pela Benvirá (2013)
>>> Livro - Sambura de Lendas de Blandina Franco e José Carlos Lollo pela Leya (2011)
>>> Em má companhia/ O músico cego - 2 volumes de Vladimir Korolenko pela Carambaia (2016)
>>> Conversas com Gestores de Ações Brasileiros de Luciana Seabra pela Penguin (2018)
>>> Pérolas Negras Primeiros Fios: Experiências Artísticas e Culturais nos Fluxos Entre África e Brasil de Roberto Conduru pela EdUerj (2013)
>>> Socorro, caí dentro do videogame de Dustin Brady pela Milk Shakespeare (2021)
>>> Livro - X-Men - Mutant Genesis de Chris Claremont, Jim Lee pela Marvel
>>> Livro - Dicionário Infantil Ilustrado de Douglas Tufano pela Moderna (2011)
>>> O Conde de Monte Cristo de Heloisa Prieto pela Ftd (2014)
COLUNAS

Terça-feira, 30/12/2014
Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos

Na capa do livro a representação de duas cabeças masculinas. Um cigarro introduzido na orelha de um deles é fumado pelo outro que o alcança por trás. Na contra-capa, um rosto, agora sozinho, expira a fumaça que se dispersa lentamente. Uma alegoria das relações amorosas no mundo contemporâneo? A capa perfeita para o que se vai ler nas páginas do romance Amores, truques e outras versões, de Alex Andrade, editado pela Confraria do Vento, do Rio de Janeiro, que narra a busca desenfreada dos seus personagens por prazer, e por se manterem, no entanto, imunes a qualquer ligação afetiva ou erótico-afetiva.

Embora trate do universo homossexual, de suas caçadas aflitivas por sexo a todo custo, a todo momento e com o maior número possível de parceiros (sendo cada parceiro um qualquer desconhecido), o romance traduz a atual crença absoluta de que nada na vida vale mais do que o uso do outro como meio para se obter prazer... e nada mais.

O romance se constrói de uma forma interessante, mostrando os passos de um personagem e seu envolvimento sexual com certo número de parceiros e, em seguida, a narrativa mostra os mesmos encontros a partir dos parceiros que se envolveram com o personagem "central". Quanto ao sentido que cada um dá à sua existência, não há diferença entre o que procuram uns nos outros.

O romance pode ser lido como a tradução literária da reflexão que vem sendo construída por alguns teóricos que pensam o avanço do ego narcísico na contemporaneidade (onde o princípio do prazer se sobrepõe ao princípio da realidade).

Há quatro livros fundamentais, nesse sentido: O mínimo eu, de Christopher Lasch, O Amor Líquido e Modernidade Liquida, de Zygmunt Bauman e Tudo o que é sólido desmancha no ar, de Marshall Berman.

Como diz Lasch, na cultura do ego narcísico, os homens são programados para a realização de suas satisfações, mas no fundo vivem alienados de seus corpos e das emoções associadas com o prazer corporal. Essa alienação é o estado em que os personagens de Alex Andrade vivem.

A ansiedade dos personagens de Amor, Truques e Outras Versões revela o desejo que o homem contemporâneo tem de viver no presente absoluto e de, se possível, se consumir nesse presente. Diz o personagem em certa passagem: "Quero tudo, tudo para agora, urgente, se possível, para ontem. Não quero perder as oportunidades da vida, quero ter a leve sensação de viver as experiências do mundo".

Para buscar essa satisfação e dar um sentido à existência, é necessário, no entanto, manter a "ansiedade à flor da pele". Para isso, seu celular, ferramenta que o conectava aos corpos procurados, piscava o tempo todo, com promessas de prazer fácil, rápido e sem rosto: "A voz ao telefone, as fotos enviadas pelo celular, a conversa afinada, a fantasia acelerada, o que mais importava?"

Como comenta Ronaldo Cagiano, no excelente posfácio do livro, "em Amores, truques e outras versões vamos lidando com pessoas sem rosto e sem nome, travestidas de uma lógica perversa de encantamento e sedução, que as transforma em mero joguete num leito em que o próprio prazer é rebaixado ao status de mercadoria e cada encontro é crucial espelho do individualismo e da negação do outro."

Parafraseando Zigmunt Bauman, o valor, o mais precioso dos valores humanos, o atributo sine qua non de humanidade, é uma vida de dignidade, não a busca do prazer a qualquer custo. No entanto, como transcorre na vida dos personagens de Alex Andrade, o que se vê é a aposta absoluta numa única direção: a satisfação do prazer sexual sem qualquer interesse em reconhecer o outro. Da mesma forma que o capitalismo transformou tudo em mercadoria - aquilo que se compra e rapidamente se joga fora em nome de uma novidade (seja o carro do ano, o novo celular, a roupa da moda, a banda do momento, o corte de cabelo, etc) - da mesma forma, o outro se transformou em meio de obtenção de uma satisfação que o coloca na posição de objeto descartável.

O contrário disso seriam relações onde o outro fosse sujeito e não objeto. Mas quando essa oportunidade se avizinha, torna-se sintomática a passagem seguinte, que revela o desconforto que o encontro amoroso causa no personagem:

"As outras coisas, as de maior importância ficaram para um depois quase imperceptível e parece que o amor tornou-se cafona demais, porque ninguém tenta e ninguém arrisca, amar é pisar numa área de risco, num terreno arenoso com placa ilustrativa anunciando com uma cruz vermelha o perigo que podemos correr. E quem ousa desobedecer e atravessar esse abismo?"

E quando há uma mínima expressão de sentimento que começa a se desenvolver, dá-se o "perdido" naquele que manifesta interesse: "Não queria o amor, pensei. Mas ele segurou a minha mão, recostou a cabeça no meu ombro. (...) Das duas uma, ou não atenderia mais os telefonemas dele, ou daria "perdidos" como a maioria das pessoas fazem quando tentam sinalizar que há um desinteresse pelo outro."

O contrário disso seriam as relações onde prevalece o amor. Como diz Bauman: "O amor é a vontade de cuidar, e de preservar o objeto cuidado. Um impulso centrífugo, ao contrário do centrípeto do desejo. Um impulso de expandir-se, ir além, alcançar o que está lá fora. Ingerir, absorver e assimilar o sujeito no objeto, e não vice-versa, como no caso do desejo. (...) Se o desejo quer consumir, o amor quer possuir. Enquanto a realização do desejo coincide com a aniquilação de seu objeto, o amor cresce com a aquisição deste e se realiza na sua durabilidade. Se o desejo se autodestrói, o amor se autoperpetua."

O personagem vive, dessa forma, uma vida de descarte de pessoas como se fossem os brinquedos de uma criança entediada: "feito criança mimada que tanto sonha com o brinquedo e, quando finalmente o tem nas mãos, o destrói ou o deixa de lado". Transformando seus parceiros em peças de um fast food humano, que podem ser encontrados a cada sacada do celular do bolso, o narrador emparelha seres humanos e mercadorias expostas numa vitrine (tela) como se fossem a mesma coisa:

"Tinha de tudo naquela microtela: rostos, silhuetas, peitorais, bíceps, bundas, gente de toda espécie, para todos os gostos, de todos os tamanhos e formato, um verdadeiro fast food humano, bastava um clique e tudo se resolveria em segundos."

As ansiedades acumuladas tendem a ser descarregas em corpos desconhecidos, livres de qualquer envolvimento emocional, retornando à prisão do círculo vicioso da satisfação, carência e, novamente, busca desnorteada e frustrada de satisfação. Na esperança de se realizar, cada um só encontra nova frustração, nunca a plenitude. "O tesão nunca se encerra, ele apenas repousa", diz o narrador.

A vontade de parar o desejo, essa locomotiva em descarrilamento, existe, mas como? "O mais provável é que eu não consiga resistir à tentação. Tantos corpos, tanta gente dando mole por aí. E eu aqui, me contorcendo para não me entregar aos delírios e delícias. (...) Daí acionei o botão, liguei o aparelho e disparei com os dedos feito uma locomotiva. Logo foram surgindo as carinhas, contornos, silhuetas, mensagens e mais mensagens. Na verdade todas as mesmas imagens de sempre. Fui descendo com as digitais pela tela, escorregando o dedo entre um rosto e outro, procurando alguém que estivesse à disposição de alimentar a minha libido."

Para os personagens de Alex Andrade, com as delícias de tantos corpos à disposição, pouco importa que pessoas sejam essas com quem se deita se o que importa é apenas o gozo que o desconhecido pode proporcionar. Daí sua despersonalização: "na cama todas as apresentações estavam dispensadas, jogávamos para o alto as camisas, cuecas, os nomes, codinomes, apelidos e a nossa verdadeira identidade."

O acesso livre à luxúria e o fato de que ele também é um dos objetos prediletos para o prazer dos outros lhe dá a sensação de importância e potência (substituto do desejo de ser amado): "Resolvi abrir o aplicativo do celular só para dar uma espiadinha e ver a movimentação. Estava bombando, inúmeros chamados e recados no meu nick, me senti o cara mais importante da face da terra."

O que sobra desses encontros não vai se configurando em experiências emocionais, em amadurecimento amoroso, mas apenas... "Tudo o que recordo são imagens estilhaçadas."

Há uma passagem do livro que mostra bem a situação do personagem vivendo atordoado pela ansiedade de um desejo sem fim, que busca na novidade de corpos o sentido do seu prazer e a fuga de qualquer momento (insuportável) de solidão:

"Ele insistiu que poderíamos nos ver mais vezes, eu concordei que sim, mas no fundo eu queria sair daquele enredo e logo chegar em casa, abrir imediatamente o aplicativo do celular, que não parava de piscar e apitar, e dar um jeito de mergulhar em outras tantas aventuras.

Não estava querendo dedicar meu precioso tempo a relações duradouras, tampouco repetir essa experiência com ele. Depois que percebi o mundo inteiro que se abria facilmente entre meus dedos, notei que a solidão durava apenas uma fração de segundos. Ele se despediu e eu retornei ao meu mundo virtual. O próximo, pensei sorrindo."

Na atual conjuntura, diante de nossa "solidão cavernosa", quanto mais procuramos o prazer, menos o encontramos, ainda que a atividade de procurar o prazer, inútil como tem sido, possa ser a única atividade que nos mantém na ilusão de que estamos vivos. É o que parece dizer "Amores, truques e outras versões".

Bauman interrogaria: "Num mundo assim, com pessoas privadas de sentimentos humanos, qual a vantagem de permanecerem vivas?"


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 30/12/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Click, de Bill Tancer de Rafael Rodrigues
02. Um clássico argentino de Daniel Lopes
03. Uma proposta radical de Vicente Tardin
04. Trocando os presentes do Natal passado de Sol Moras


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2014
01. O assassinato de Herzog na arte - 30/9/2014
02. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte - 29/7/2014
03. As deliciosas mulheres de Gustave Courbet - 3/6/2014
04. A Puta, um romance bom prá cacete - 2/12/2014
05. Narciso revisitado na obra de Fabricius Nery - 11/3/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mulher - Dicas para Construir o Sucesso Feminino
Catalina Isnardi Morgenthaler
vozes
(1999)



O Feiticeiro e seu Aprendiz - Escritos Herméticos Desconhecidos
S. L. MacGregor Mathers e J. W. Brodie-Innes
pensamento
(1983)



A Cidade de Quatros Portas
Doris Lessing
Record
(1969)



Muito Prazer! Eu Sou a Felicidade
Diverso
Clareon
(2007)



Eu Mexi no Seu Queijo
Darrel Bristow Bovey
Bertrand Brasil
(2000)



O Piloto de Hitler - A vida e a época de Hans Baur
C. G. Sweeting
Jardim dos Livros
(2011)



Livro - Suave é a Noite
F. Scott Fitzgerald
Nova Cultural
(2003)



Lady Frida
M. Maryan
Gautier & Languereau
(1927)



O Outro Jesus Segundo os Evangelhos Apócrifos
Antonio Piñero
paulus
(2002)



A Profecia das Pedras
Flavia Bujor
Planeta Jovem
(2003)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês