Nôwo e mayúskulo akôrdo ortográphiko | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Exuberância - Moisés Patrício
>>> Missão à China
>>> Universidade do Livro desvenda os caminhos da preparação e revisão de texto
>>> Mississippi Delta Blues Festival será On-line
>>> Tykhe realiza encontro com Mauro Mendes Dias sobre O Discurso da Estupidez
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Alameda de água e lava
>>> Entrevista: o músico-compositor Livio Tragtenberg
>>> Cabelo, cabeleira
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Quem somos nós para julgar Michael Jackson?
>>> Culture to Digest
>>> Os novos filmes de Iñárritu
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> One-man show
>>> A difícil arte de fazer arte
>>> O Exército de Pedro
>>> Doida pra escrever
>>> Alguns momentos com Daniel Piza
>>> Desonra, por J.M. Coetzee
Mais Recentes
>>> O Milagre de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2010)
>>> O Melhor de Mim de Nicholas Sparks pela Arqueiro (2012)
>>> A Escolha de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Um Amor para Recordar de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2011)
>>> A última Música de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2010)
>>> Primeiro Amor de James Patterson pela Novo Conceito (2014)
>>> Pelos Caminhos de Pedras e de Folhas Secas de Maria José Mamede Galvão pela Caravela (2018)
>>> Violetas na Janela de Patrícia Espirita pela Petit (2020)
>>> Divergente Uma Escolha Pode Te Transformar de Verônica Roth pela Rocco (2012)
>>> Traité Clinique Et Pratique des Maladies Puerpérales Suites de Couches de E Hervieux pela Adrien Delahaye Libraire Éditeur (1870)
>>> Commentaires Thérapeutiques du Codex medocamentarius de Adolphe Gubler pela J B Bailliére Et Fils (1868)
>>> A Esperança de Suzanne collins pela Rocco (2012)
>>> Dictionnaire de Medicine de Chirurgie, de Pharmacie de E Littrè & Ch Robin pela J B Bailliére Et Fils (1865)
>>> Os Pensadores - Fichte de Johann Gottlieb Fichte pela Nova Cultural (1988)
>>> Os Grandes Profetas de Nova Cultura pela Nova Cultural (1985)
>>> Reflexões Sobre a Historia Moderna de Hans Kohn pela Fundo de Cultura (1965)
>>> História da América Portuguesa de Rocha Pita pela Senado Federal (2011)
>>> Guia de Conversação Langenscheidt Inglês de Vários Autores pela Martins Fontes (1998)
>>> Dicionário Inglês Português / Português Inglês de Amanda Marques & David Draper pela Ática (1988)
>>> Francês Para Viagem e Dicionário de Vários Autores pela Berlitz (1991)
>>> No Giro do Mundo os Periódicos do Real Gabinete Português de Leitura 1 de Eduardo da Cruz ( Org. ) pela Real Gabinete Português de Leitura (2014)
>>> Dicionário Espanhol Português / Português Espanhol de Vários Autores pela Dcl
>>> RL - Uma Autobiografia de Rita Lee pela Globo Livros (2016)
>>> Minidicionário Ruth Rocha de Ruth Rocha & Hindenburg da Silva Pires pela Scipione (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1994)
>>> Dicionário Júnior da Língua Portuguesa de Geraldo Mattos pela Ftd (1996)
>>> Bá, Tchê! – Dicionário Temático de Luis Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (2001)
>>> Mecânica Vetorial para Engenheiros 1 - Estática de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1977)
>>> Dicionário de Porto-Alegrês de Luís Augusto Fischer pela Artes e Ofícios (1999)
>>> Resistência dos Materiais de Ferdinand P. Beer e E. Russell Johnston Jr pela McGraw-Hill (1982)
>>> O Constitucionalismo democrático latino-americano em debate de Leonardo Avritzer/Lilian Cristina Bernardo Gomes (Org) pela Autêntica (2017)
>>> Reiki - Medicina Energética de Libby Barnett e Magie Chambers pela Nova Era (1999)
>>> Revista do Livro Ano V Número 20 Dezembro de 1960 de Lêdo Ivo, Mário de Andrade, Heitor Lyra e outros pela Instituto Nacional do Livro (1960)
>>> The Argumentative Indian - Writings on Indian History, Culture de Amartya Sen pela Picador (2005)
>>> O Encanto da Montanha & Caminho ao Lar de Linda Howard pela Harlequin Books (2010)
>>> Afrodiáspora 6 e 7 - Revista de estudos do mundo negro de Vários Autores pela Ipeafro (1985)
>>> Aventura Ardente de Diana Palmer pela Harlequin Books (2013)
>>> Indiscreta de Candace Camp pela Harlequin Books (2005)
>>> Meu Anjo de Sherryl Woods pela Harlequin Books (2005)
>>> Pido la Paz y la Palabra de Blas de Otero pela Cantalapiedra (1955)
>>> Steve Jobs de Walter Isaacson pela Companhia das Letras (2011)
>>> Sem Perdão de Frederick Forsyth pela Abril Cultural (1985)
>>> Comunidades imaginadas de Benedict Anderson pela Companhia Das Letras (2019)
>>> A Segunda Vitória de Morris West pela Abril Cultural (1985)
>>> Os Insaciáveis de Harold Robbins pela Rio Gráfica (1985)
>>> O Fã Clube de Irving Wallace pela Abril Cultural (1985)
>>> Palavra Desordem de Arnaldo Antunes pela Iluminuras (2002)
>>> A Filha Pródiga de Jeffrey Archer pela Nova Cultural (1986)
>>> Escritos Sobre o Racismo, Igualdade e Direitos de André Costa pela Inst. Afirmação de Direitos (2009)
>>> A Origem da Família, Da Propriedade Privada e do Estado de Friedrich Engels pela Boitempo (2019)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/1/2009
Nôwo e mayúskulo akôrdo ortográphiko
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Havia anos que eu tratava nosso alfabeto como se ele tivesse mesmo K, Y e W. Com tanta amiga chamada Kátia, Karina ou Keyla; tanto Warley (desde a mais tenra infância) e Wesley, tanta Yasmin e até um Yóris, era impossível desconsiderar as simpáticas letrinhas. Isso para abordar apenas os nomes próprios. Em algumas palavras comuns, as consoantes também apareciam de vez em quando, como era o caso das emergentes abreviações de internet. Por falar nisso, depois dos chats, as ex-expurgadas alfabéticas renasceram e nunca estiveram tão vivas. No meu celular, chove bjk, kkkk e kd. Fazer o kê? O jeito é aceitar. Essa questão dos nomes próprios está toda explicadinha no Acordo. E não sei bem para quê.

Outra seara em que a coisa já rolava solta era nos nomes de meses do ano e dias da semana. Revisora profissional que fui (e há grandes respingos ainda), fazia tempo que eu sabia das minúsculas. Vivia mexendo nos textos dos outros e reduzindo as iniciais quando me aparecia um Agosto. Ora, de vez em quando um insolente questionava: "Mas em inglês é August!". Insolente, sim, uai. E daí se em inglês é assim? Em português não é, baby. Sexta-feira, embora merecesse (e aqui esteja em início de oração, claro), não se escrevia com letra maiúscula. Mais uma vez, vinham os simpatizantes de Friday questionar. E letra maiúscula (ou caixa-alta, para quem entende de tipografia e sabe a razão desse nome) é um problema sério, às vezes questão de importância. Já vi muito Doutor ficar melindrado com a grafia doutor ou com um dr. antes do nomezão. Ah, fala sério! O D maiúsculo deixa o título mais importante, né não? Dona Maria é mais mulher, Senhor José é mais homem, Doutor Fulano é muito mais imponente. Em geral, esse problema se agravava em editora de livros de Direito. Não sei por quê...

Mas é que dizem para nós, quando ainda somos crianças, que letra maiúscula é coisa que se põe em nome próprio, não é isso? E então, quando nos deparamos com algo que parece se enquadrar aí, metemos logo a caixa-alta. A intenção é ser "correto", vejam só. Sexta-feira não é o nome do dia? Inclusive, nem existe outro com o mesmo nome. Janeiro ou agosto não são os nomes dos meses? Por que não incluir aí as maiúsculas iniciais? Pois é. O problema não é bem a regra, é a explicação. Em geral, as explicações que nos dão até o ensino médio são horrorosas, se é que são explicações. Os professores, para simplificar ou para camuflar o que também decoraram, oferecem aquelas "explicações" do tipo "o bebê nasce da sementinha que papai põe na mamãe". E torcem para que o garoto curioso não pergunte como é que papai faz isso.

Pior ainda: se o indivíduo não se tornar um especialista em língua, o que ocorre à maioria absoluta das pessoas (e cada vez mais), nunca mais terá grandes oportunidades de saber a razão das coisas direito. E se foi um bom aluno de ensino médio, isso bastará para que sua crença na sementinha seja eterna. É isso aí. Disse a tia Maria que sexta-feira é com letra minúscula, a despeito de ser esse o nome do dia da semana e também deixando meio de lado aquela generalização sobre os usos de letras maiúsculas em nomes próprios, ok? Isso. Mas já que sou especialista em língua, portuguesa, por sinal, já esclareço: não se sabe qual é a razão disso, está bem assim? É uma convenção. Um acordo. Algo estipulado por um grupo autorizado a essas estipulações, certo? Quem tem juízo e quer passar em concurso público apenas obedece.

E os pontos cardeais? Está certo que norte, sul, leste e oeste (e seus subpontos) não são palavras que a gente usa a torto e a direito. Mas sabe lá quando é que se vai precisar delas, não é mesmo? Melhor saber que isso, sim, mudou. Os nomes dos pontos cardeais (olha aí a inconsistência com relação às convenções para meses e dias) eram com iniciais maiúsculas. Os manuais que eu uso, no entanto, já mandam pôr minúsculas há séculos. Só são maiúsculas essas palavras quando se referem às regiões do país: Norte, Sul, Sudeste etc. De qualquer forma, letra minúscula é sempre mais econômico nos toques do teclado do computador.

E nomes de obras? Quem sabe como é que faz? Cada revista, jornal ou site tem seu manualzinho de convenções. Ou deveria ter. Antes do Acordo Ortográfico, deveríamos citar nossos livros de cabeceira assim: Memórias Póstumas de Brás Cubas. Depois do acordo, pode-se grafar Memórias póstumas de Brás Cubas, deixando as maiúsculas só onde elas devem mesmo ser. No entanto, é bom frisar que grande parte das convenções desse acordo é na base do "ou... ou", você tem a alternativa. É o caso deste problema dos nomes de obras.

Nomes de ruas, prédios, santos, como é que faz? Quem escreve Rua da Bahia está de acordo com a nova grafia? Tem multa para os dissonantes? Ah, meu Deus, Deus continua com maiúscula? Tomara que sim. Vovó não admitiria um Deus minúsculo, especialmente se for católico.

Mas vejam: corrijo nem sei quantas redações por ano e sei que as mudanças de acentuação, por exemplo, causarão pouca sensação entre os adolescentes. Em geral, eles já achavam que não precisava acentuar. É preciso pedir ao pessoal do Office para Windows que mexam nas autocorreções do Word, antes que os meninos fiquem mal nas redações. Outra curiosidade é que essa moçada já vinha tendo problemas com o hífen (que é uma das encrencas do revisor profissional). Agora, seus problemas não acabaram! Onde você pensava que tinha, não tem. Onde você punha hífen, pode tirar. Enfim, se nem mesmo o Super-Homem escapava, imaginem palavras menos conhecidas.

Mas mexer onde precisava, que era bom, não rolou. Fiz promessa e acendi vela para que reduzissem, por exemplo, os porquês a apenas um, de repente, "porque" e pronto. Não deu. Meu santo não me ouviu. Ou a briga pelas maiúsculas tomou mais tempo no debate. O fato é que esses porquês não têm razão de existir e continuam aí, firmes e fortes. Quem sabe no próximo Acordo?

Estou comentando essas agruras aí ao calor das minhas primeiríssimas impressões sobre o Acordo, neste janeiro de 2009. Agora que terei de ficar atenta aos vícios da grafia antiga, preciso me atualizar, sob pena de ficar sem serviço por algum tempo. O ensejo me permite dar uma dica: não perca tempo pensando se concorda ou se discorda do Acordo. Não se trata disso. Também não gaste energia em discussões bocós. Minha avó escreve "êlles" até hoje e vai muito bem, obrigada, mas só tirou a quarta série de grupo escolar. Nos tempos dela, não era preciso, especialmente para uma mulher, ir muito além disso. Meu tempo é outro, acho que estamos todos neste balaio ortográfico. Melhor do que tentar decorar regrinhas é ter sempre à mão um manual. Não gaste fosfato tentando aprender na marra coisas que só lhe são úteis em situações específicas. A gente aprende com eficácia quando as coisas fazem sentido para nós. O mais importante é ser desconfiado e curioso. Treine seu olhar para desconfiar da grafia dos vocábulos. Diante da dúvida, abra seu bom manual e veja como é que se faz. Pronto. Só para não dizerem que deixei tudo no ar, tenho trabalhado com dois manuais que me atendem prontamente: O novo Acordo Ortográfico da língua portuguesa, do prof. Maurício Silva, e Escrevendo pela nova ortografia, assinado pelo Instituto Antônio Houaiss, sob coordenação de José Carlos de Azeredo. Vale o investimento. Se pintar dúvida, é só usar seus dotes de detetive.

Nota do Editor
Leia também Especial "Reforma Ortográfica".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os dinossauros resistem, poesia de André L Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
02. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
03. André Bazin e a crítica como militância de Humberto Pereira da Silva
04. Bosnian Rainbows - Bosnian Rainbows (2013) de Guilherme Carvalhal
05. O Próximo Minuto, por Robson Pinheiro de Ricardo de Mattos


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/1/2009
08h53min
Mesmo conhecendo a maioria das regras, você nos presenteou como uma bela aula. E de quebra, divertida. Uma sugestão de leitora: publique artigos que vá escarafunchando as novas regras. O problema do acordo está no que não foi dito.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
9/1/2009
10h45min
Tudo que você disse faz sentido, mas, cá pra nós, mesmo consultando os manuais, o hífen continua a ser uma pedra em qualquer sapato. As outras mudanças podemos assimilar mais facilmente, mas o hífen... argh! Vai ser difícil, porque, além de desaprender o que sabíamos, temos que reiventar seu uso ou não-uso. (Será que teria hífen?) Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
18/1/2009
14h22min
valeu a dica. eu já estava querendo mandar todo mundo pastar com um coquetel molotov de brinde quando me perguntavam se já estava corrigindo os textos de acordo com o acordo.
[Leia outros Comentários de eassis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ASSASSINO CEGO
MARGARETH ATWOOD
ROCCO
(2001)
R$ 145,00



BURY ME STANDING: THE GYPSIES AND THEIR JOURNEY
ISABEL FONSECA
VINTAGE BOOKS USA
(1996)
R$ 23,28



A CARÍCIA ESSENCIAL: UMA PSICOLOGIA DO AFETO
ROBERTO SHINYASHIKI
GENTE
(1992)
R$ 5,00



A CANÇÃO DE SOLOMON
TONI MORRISON
BEST SELLER
(1977)
R$ 190,00



REDBOOK O LIVRO ENERGETICO DAS VENDAS
MARCELO ORTEGA
SARAIVA
(2013)
R$ 15,38



ESPUMAS FLUTUANTES
CASTRO ALVES
ATELIÊ
(1997)
R$ 8,04



THE HINDENBURG
MICHAEL MACDONALD MOONEY
BANTAM
(1973)
R$ 9,34



MANUEL MURGUIA, O PATRIARCA (HOMBRES QUE HICIERON GALICIA)
ANTON FRAGUAS FRAGAS
GRAFINSA BANCO DEL NOROESTE
(1979)
R$ 42,82



PARA ALÉM DO ORIENTE E OCIDENTE
JOHN WU
FLAMBOYANT
(1960)
R$ 10,00



O ISQUEIRO MÁGICO
NÃO POSSUI NOME
RIDEEL LTDA
(2000)
R$ 5,00





busca | avançada
59182 visitas/dia
2,1 milhões/mês