Nôwo e mayúskulo akôrdo ortográphiko | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/1/2009
Nôwo e mayúskulo akôrdo ortográphiko
Ana Elisa Ribeiro

+ de 4800 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Havia anos que eu tratava nosso alfabeto como se ele tivesse mesmo K, Y e W. Com tanta amiga chamada Kátia, Karina ou Keyla; tanto Warley (desde a mais tenra infância) e Wesley, tanta Yasmin e até um Yóris, era impossível desconsiderar as simpáticas letrinhas. Isso para abordar apenas os nomes próprios. Em algumas palavras comuns, as consoantes também apareciam de vez em quando, como era o caso das emergentes abreviações de internet. Por falar nisso, depois dos chats, as ex-expurgadas alfabéticas renasceram e nunca estiveram tão vivas. No meu celular, chove bjk, kkkk e kd. Fazer o kê? O jeito é aceitar. Essa questão dos nomes próprios está toda explicadinha no Acordo. E não sei bem para quê.

Outra seara em que a coisa já rolava solta era nos nomes de meses do ano e dias da semana. Revisora profissional que fui (e há grandes respingos ainda), fazia tempo que eu sabia das minúsculas. Vivia mexendo nos textos dos outros e reduzindo as iniciais quando me aparecia um Agosto. Ora, de vez em quando um insolente questionava: "Mas em inglês é August!". Insolente, sim, uai. E daí se em inglês é assim? Em português não é, baby. Sexta-feira, embora merecesse (e aqui esteja em início de oração, claro), não se escrevia com letra maiúscula. Mais uma vez, vinham os simpatizantes de Friday questionar. E letra maiúscula (ou caixa-alta, para quem entende de tipografia e sabe a razão desse nome) é um problema sério, às vezes questão de importância. Já vi muito Doutor ficar melindrado com a grafia doutor ou com um dr. antes do nomezão. Ah, fala sério! O D maiúsculo deixa o título mais importante, né não? Dona Maria é mais mulher, Senhor José é mais homem, Doutor Fulano é muito mais imponente. Em geral, esse problema se agravava em editora de livros de Direito. Não sei por quê...

Mas é que dizem para nós, quando ainda somos crianças, que letra maiúscula é coisa que se põe em nome próprio, não é isso? E então, quando nos deparamos com algo que parece se enquadrar aí, metemos logo a caixa-alta. A intenção é ser "correto", vejam só. Sexta-feira não é o nome do dia? Inclusive, nem existe outro com o mesmo nome. Janeiro ou agosto não são os nomes dos meses? Por que não incluir aí as maiúsculas iniciais? Pois é. O problema não é bem a regra, é a explicação. Em geral, as explicações que nos dão até o ensino médio são horrorosas, se é que são explicações. Os professores, para simplificar ou para camuflar o que também decoraram, oferecem aquelas "explicações" do tipo "o bebê nasce da sementinha que papai põe na mamãe". E torcem para que o garoto curioso não pergunte como é que papai faz isso.

Pior ainda: se o indivíduo não se tornar um especialista em língua, o que ocorre à maioria absoluta das pessoas (e cada vez mais), nunca mais terá grandes oportunidades de saber a razão das coisas direito. E se foi um bom aluno de ensino médio, isso bastará para que sua crença na sementinha seja eterna. É isso aí. Disse a tia Maria que sexta-feira é com letra minúscula, a despeito de ser esse o nome do dia da semana e também deixando meio de lado aquela generalização sobre os usos de letras maiúsculas em nomes próprios, ok? Isso. Mas já que sou especialista em língua, portuguesa, por sinal, já esclareço: não se sabe qual é a razão disso, está bem assim? É uma convenção. Um acordo. Algo estipulado por um grupo autorizado a essas estipulações, certo? Quem tem juízo e quer passar em concurso público apenas obedece.

E os pontos cardeais? Está certo que norte, sul, leste e oeste (e seus subpontos) não são palavras que a gente usa a torto e a direito. Mas sabe lá quando é que se vai precisar delas, não é mesmo? Melhor saber que isso, sim, mudou. Os nomes dos pontos cardeais (olha aí a inconsistência com relação às convenções para meses e dias) eram com iniciais maiúsculas. Os manuais que eu uso, no entanto, já mandam pôr minúsculas há séculos. Só são maiúsculas essas palavras quando se referem às regiões do país: Norte, Sul, Sudeste etc. De qualquer forma, letra minúscula é sempre mais econômico nos toques do teclado do computador.

E nomes de obras? Quem sabe como é que faz? Cada revista, jornal ou site tem seu manualzinho de convenções. Ou deveria ter. Antes do Acordo Ortográfico, deveríamos citar nossos livros de cabeceira assim: Memórias Póstumas de Brás Cubas. Depois do acordo, pode-se grafar Memórias póstumas de Brás Cubas, deixando as maiúsculas só onde elas devem mesmo ser. No entanto, é bom frisar que grande parte das convenções desse acordo é na base do "ou... ou", você tem a alternativa. É o caso deste problema dos nomes de obras.

Nomes de ruas, prédios, santos, como é que faz? Quem escreve Rua da Bahia está de acordo com a nova grafia? Tem multa para os dissonantes? Ah, meu Deus, Deus continua com maiúscula? Tomara que sim. Vovó não admitiria um Deus minúsculo, especialmente se for católico.

Mas vejam: corrijo nem sei quantas redações por ano e sei que as mudanças de acentuação, por exemplo, causarão pouca sensação entre os adolescentes. Em geral, eles já achavam que não precisava acentuar. É preciso pedir ao pessoal do Office para Windows que mexam nas autocorreções do Word, antes que os meninos fiquem mal nas redações. Outra curiosidade é que essa moçada já vinha tendo problemas com o hífen (que é uma das encrencas do revisor profissional). Agora, seus problemas não acabaram! Onde você pensava que tinha, não tem. Onde você punha hífen, pode tirar. Enfim, se nem mesmo o Super-Homem escapava, imaginem palavras menos conhecidas.

Mas mexer onde precisava, que era bom, não rolou. Fiz promessa e acendi vela para que reduzissem, por exemplo, os porquês a apenas um, de repente, "porque" e pronto. Não deu. Meu santo não me ouviu. Ou a briga pelas maiúsculas tomou mais tempo no debate. O fato é que esses porquês não têm razão de existir e continuam aí, firmes e fortes. Quem sabe no próximo Acordo?

Estou comentando essas agruras aí ao calor das minhas primeiríssimas impressões sobre o Acordo, neste janeiro de 2009. Agora que terei de ficar atenta aos vícios da grafia antiga, preciso me atualizar, sob pena de ficar sem serviço por algum tempo. O ensejo me permite dar uma dica: não perca tempo pensando se concorda ou se discorda do Acordo. Não se trata disso. Também não gaste energia em discussões bocós. Minha avó escreve "êlles" até hoje e vai muito bem, obrigada, mas só tirou a quarta série de grupo escolar. Nos tempos dela, não era preciso, especialmente para uma mulher, ir muito além disso. Meu tempo é outro, acho que estamos todos neste balaio ortográfico. Melhor do que tentar decorar regrinhas é ter sempre à mão um manual. Não gaste fosfato tentando aprender na marra coisas que só lhe são úteis em situações específicas. A gente aprende com eficácia quando as coisas fazem sentido para nós. O mais importante é ser desconfiado e curioso. Treine seu olhar para desconfiar da grafia dos vocábulos. Diante da dúvida, abra seu bom manual e veja como é que se faz. Pronto. Só para não dizerem que deixei tudo no ar, tenho trabalhado com dois manuais que me atendem prontamente: O novo Acordo Ortográfico da língua portuguesa, do prof. Maurício Silva, e Escrevendo pela nova ortografia, assinado pelo Instituto Antônio Houaiss, sob coordenação de José Carlos de Azeredo. Vale o investimento. Se pintar dúvida, é só usar seus dotes de detetive.

Nota do Editor
Leia também Especial "Reforma Ortográfica".


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/1/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
02. Essas moças de mil bocas de Elisa Andrade Buzzo
03. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
04. E por falar em aposentadoria de Fabio Gomes
05. Neste Natal etc. e tal de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/1/2009
08h53min
Mesmo conhecendo a maioria das regras, você nos presenteou como uma bela aula. E de quebra, divertida. Uma sugestão de leitora: publique artigos que vá escarafunchando as novas regras. O problema do acordo está no que não foi dito.
[Leia outros Comentários de Ana Cristina Melo]
9/1/2009
10h45min
Tudo que você disse faz sentido, mas, cá pra nós, mesmo consultando os manuais, o hífen continua a ser uma pedra em qualquer sapato. As outras mudanças podemos assimilar mais facilmente, mas o hífen... argh! Vai ser difícil, porque, além de desaprender o que sabíamos, temos que reiventar seu uso ou não-uso. (Será que teria hífen?) Parabéns pelo texto.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy]
18/1/2009
14h22min
valeu a dica. eu já estava querendo mandar todo mundo pastar com um coquetel molotov de brinde quando me perguntavam se já estava corrigindo os textos de acordo com o acordo.
[Leia outros Comentários de eassis]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
R$ 4,00



CLASH ROYALE
GUILHERME ATHAIDE
PANDA BOOKS
(2016)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



O CAVALO VERDE - CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 24,00



O PENSAMENTO ANTIGO (2 VOLUMES) RODOLFO MANDOLFO (FILOSOFIA)
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1964)
R$ 30,00



SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1973)
R$ 10,00



CARLOS VERGARA: PINTURAS
PAULO SERGIO DUARTE
AUTOMÁTICA
(2011)
R$ 60,00



THAT WAS THAT! CONSONANT DIGRAPHS TH
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2010)
R$ 20,28



ANTOLOGIA POÉTICA
MAIACOVSKI
MAX LIMONAD
(1984)
R$ 35,00



ESTA MENINA ESTÁ FICANDO IGREJA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1984)
R$ 4,84





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês