Em defesa de Nuno Ramos e da arte | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sesc Belenzinho recebe show de Zé Guilherme que lança quarto disco e comemora 20 anos de carreira
>>> Compositor Murray Schafer cria exercícios para melhorar audição e produção musical
>>> Cientistas políticos debatem reforma e crise política no Brasil
>>> Universidade do Livro abre duas turmas para Oficina de revisão de provas
>>> Primeiros escritos filosóficos de Adorno ganham tradução inédita em português
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva
>>> No palco da vida, o feitiço do escritor
>>> Um olhar sobre Múcio Teixeira
>>> Algo de sublime numa cabeça pendida entre letras
>>> estar onde eu não estou
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> As Lavadeiras, duas pinturas de Elias Layon
>>> T.É.D.I.O. (com um T bem grande pra você)
>>> As palmeiras da Politécnica
>>> Como eu escrevo
Colunistas
Últimos Posts
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
>>> Mon coeur s'ouvre à ta voix
>>> Palestra e lançamento em BH
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
Últimos Posts
>>> Flauta Sincera
>>> Ciência & Realidade
>>> Amor
>>> Cágado
>>> Sonhos & Raízes
>>> É premente reinventar-se
>>> Contraponto
>>> Aparições
>>> Palavra final
>>> Direções da véspera I
Blogueiros
Mais Recentes
>>> movimento respiratório
>>> Sobre a leitura dos clássicos
>>> UM VENTO ERRANTE
>>> O enigma de Michael Jackson
>>> Drummond: o mundo como provocação
>>> Cânticos à Rainha do Céu, por Walter Weiszflog
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Entrevista com Jaime Pinsky
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
>>> Nos escuros dos caminhos noturnos
Mais Recentes
>>> A Gravidade e a Graça de Simone Weil pela Ece (1986)
>>> Trabalhismo e Socialismo no Brasil de Moniz Bandeira pela Global (1985)
>>> Ensaios Imprudentes de Roberto Campos pela Record (1986)
>>> Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire pela Paz e Terra (2007)
>>> A ditadura Escancarada de Elio Gaspari pela Companhia das letras (2004)
>>> Revista Matraga 29 - Estudos Linguísticos e Literários de Ana Lucia de Souza Henriques (edição) pela Instituto de Filosofia e Letras - UERJ (1986)
>>> Planeta--177--curas-o avanço da radiestesia. de Editora tres pela Tres (1987)
>>> Planeta--405--atletas da mente. de Editora tres pela Tres (2006)
>>> A Civilização do Espetáculo de Mario Vargas Llosa pela Objetiva (2013)
>>> Planeta--261--o budismo conquista o ocidente. de Editora tres pela Tres (1994)
>>> Planeta--320--explorando a quarta dimensao. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Até Eu Te Encontrar de Graciela Mayrink Rold pela Aa (2011)
>>> O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss pela Arqueiro (2011)
>>> O Jogador Nº 1 de Ernest Cline pela Leya (2015)
>>> Planeta--122--presidios naturalistas. de Editora tres pela Tres (1982)
>>> Admirável Mundo Novo de Aldous Huxley pela Biblioteca Azul (2014)
>>> Os Pilares da Terra de Ken Follett pela Rocco (2012)
>>> Me Chame Pelo Seu Nome de André Aciman pela Intrínseca (2018)
>>> A Cabana de William P. Young pela Arqueiro (2008)
>>> Morte e Vida de Charlie St. Cloud de Ben Sherwood pela Novo Conceito (2011)
>>> O Guardião de Memórias de Kim Edwards pela Arqueiro (2007)
>>> O camarote vazio de Josué Montello pela Nova Fronteira (1990)
>>> Planeta--321--sabedoria eterna-a mensagem universal de jesus. de Editora tres pela Tres (1999)
>>> Os Crimes da Luz de Giulio Leoni pela Planeta (2007)
>>> Premiers Dialogues de Platon pela Flammarion
>>> Significação, Revista de Cultura Audiovisual No. 27 outono-inverno 2007 de A. J. Greimas, Ana Amado et alli pela Usp (2007)
>>> No Caminho de Swann de Marcel Proust pela Abril (1979)
>>> Cleopatra de Christian-georges e schwentzel pela L&pm
>>> Rêde de Dormir, Uma Pesquisa Etnográfica de Luís da Câmara Cascudo pela Ministério da Educação e Cultura (1959)
>>> Acabou-se o que era doce. de Gepp e maia pela Jornal da tarde
>>> O assassinato de idi amin de Leslie watkins pela Edibolso s.a
>>> Os grandes atentados--3. de Editora tres pela Tres
>>> Uma História de Rabos Presos de Ruth Rocha pela Salamandra (1989)
>>> Histórias do Amor Maldito de Vários Autores pela Record (1967)
>>> A História de Vivant Lanon de Marc Cholodenko pela Brasiliense (1986)
>>> Oposição Operária -1920/1921 de Alexandra Kollontai pela Global (1980)
>>> Amar, Verbo Intransitivo de Mário de Andrade pela Villa Rica
>>> O Tiro Perfeito de Alfred Hitchcock pela Nova Época
>>> Tocaia Grande de Jorge Amado pela Record
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai-Lama pela Sextante (2000)
>>> Ícone de Frederick Forsyth pela Record (1999)
>>> Mais que Amigos de Barbara Delinsky pela Bertrand Brasil (2002)
>>> T. N. T. Nossa Força Interior de Claude M. Bristol e Harold Sherman pela Ibrasa (1980)
>>> Ana Karênina de Leão Tolstói pela Abril Cultural (1971)
>>> O Senhor do Mundo de Julio Verne pela Matos Peixoto (1965)
>>> O Alquimista de Paulo Coelho pela Klick
>>> Diário de Giovanni Papini pela Nacional (1966)
>>> O Estoicismo Romano - Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio de Reinholdo Aloysio Ullmann pela Edipucrs (1996)
>>> Complexo de Cinderela de Colette Dowling pela Melhoramentos (1995)
>>> Nada de Novo no Front de Erich Maria Remarque pela Abril Cultural (1981)
COLUNAS

Terça-feira, 26/10/2010
Em defesa de Nuno Ramos e da arte
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 4000 Acessos
+ 11 Comentário(s)

Contra os sentimentos nobres e o amor de mãe não há como se revoltar. Assim é, e estamos na jaula da inércia, da morte. Nuno Ramos e sua arte estão sendo vítimas dos "bons sentimentos" dos que se autodenominam defensores de práticas "politicamente corretas". Deus nos salve desta nova forma de ditadura imposta à arte, à ideia de criação, transgressão e insurreição. Essas pessoas, longe de querer debater, apelam, por vezes, à violência e ao constrangimento.

O mundo se levanta em armas para salvar três urubus (salvar? como, se sua presença na Bienal está devidamente amparada na lei?), enquanto ali, perto da Bienal, algumas crianças se ferram por falta de alimento, carinho e proteção social. São os urubus da rua, desprotegidos pela lei, pela desumanidade de todos nós que estamos bem alimentados, com a proteína dos bois sacrificados em frigoríficos para lá de baconianos e rembrandtianos. Alguém levanta a mão para defender essas crianças? Quando? Onde? Talvez em favor dos bois, sim, muitos se levantam.

Platão expulsou o poeta da República. Em relação aos artistas resta apenas desconfiança, ele apregoava. Esse sujeito, dado a fantasias, não oferece segurança ao mundo totalmente idealizado de seu projeto totalitário de perfeição social. O filósofo sabia aquilo que Baudelaire anunciaria lá na frente: "o homem de letras é o inimigo do mundo". A praga de Platão rondaria e perseguiria todos os grandes artistas rebeldes de todas as épocas.

Michelângelo era vigiado e censurado ao trabalhar na Capela Sistina, pois erotizava todos aqueles corpos das lendas cristãs e expunha a sodomia dos Cardeais de Roma. Baudelaire e Flaubert foram condenados por imoralidade pelas suas obras de arte: As flores do mal e Madame Bovary. Goethe foi condenado por incentivar, indiretamente, o suicídio entre jovens apaixonados, com seu magnífico romance Werther.

Honoré Daumier foi preso por seis meses por caricaturar o rei Luis Filipe como Gargântua, a quem o povo francês lançava goela abaixo os frutos do seu trabalho sem conseguir saciar a voracidade do monarca, mostrando ainda seus ministros acumulando em cestos os impostos pagos pelo povo e a pérfida distribuição de privilégios e monopólios a homens de negócios com interesses bastante escusos.

No século XX, Egon Schile foi posto na cadeia por imoralidade: amou e desenhou mulheres nuas bastante jovens. Em plena era pós-revolução sexual, houve passeata das mães francesas contra a exibição no Museu D´Orsay, de Paris, da vagina pintada em A origem do mundo por Gustave Courbet.

Aristóteles, diferente de Platão, até aceitou que alguns indivíduos pudessem nascer com a demoníaca vontade de serem artistas. Mas, claro, se os mesmos servissem à moralidade dominante. Fazer música? Sim, desde que seja para enobrecer e animar a marcha dos soldados gregos. Como posteriormente, na Rússia stalinista, poetas e artistas deveriam louvar as benesses do sistema comunista. Ou isso ou a perseguição e a morte. Maiakovski, genial poeta russo, foi obrigado a fazer poemas idiotas sobre planos quinquenais da economia russa. O que resta de aproveitável em sua obra são os angustiantes versos sobre o amor e a dor do amor.

Agora temos o disparate de ver a obra Bandeira branca, de Nuno Ramos, ser desfeita na 29ª Bienal de São Paulo. Como não houve defesa, passeatas, manifestos ou abaixo-assinados do mundo artístico contra a decisão, o próprio Nuno Ramos fez sua defesa pública no caderno "Ilustríssima" da Folha de São Paulo do último dia 17 [conteúdo fechado para assinantes].

O incômodo gerado pela obra se deve à presença de três urubus que ali vivem enjaulados. Não sendo animais provindos de habitat natural, mas já vivendo em cativeiro, surpreende a burrice de quem, por pressão midiática (midiota), tenha metido a colher onde não tem conhecimento de causa.

No seu artigo, Nuno Ramos se mostra impressionado com "a absoluta incapacidade, digamos, interpretativa de quem me atacou, a recusa de ver outra coisa, de relacionar o sentimento de adesão ou de repulsa que meu trabalho tenha causado com qualquer coisa proposta por ele, em suma, a desfaçatez com que foi usado como trampolim para um discurso já pronto, anterior a ele, que via nele apenas uma possibilidade de irradiação".

E ele tem razão, pois discursos prontos foram os que geraram as fogueiras da Inquisição, que calaram Galileu e mataram Giordano Bruno, que levaram judeus a campos de extermínio, que têm matado homossexuais, perseguido e excluído negros da sociedade.

A obra de Nuno Ramos e a razão de uso dos urubus no trabalho apresentado à Bienal não entrou em questão, porque não era a questão que interessava aos supostos ambientalistas de plantão "com suas verdades perfeitas".

A desfaçatez se justifica em sua improbidade, pois, como disse o próprio artista, o trabalho foi "tomado de modo absolutamente opaco e literal, espécie de cadáver sem significação. Para que possa ser veículo estrito de discursos e de grupos, sem que utilize seus recursos, digamos, naturais (sedução, desejo, ambivalência), o trabalho de arte tem de estar, de fato, desde o início definitivamente morto. Daí, creio, a ferocidade com que fui atacado ― uma espécie de operação higiênica preventiva, para impedir que qualquer germe de espanto, ambiguidade, beleza, estupor, pudesse aparecer, desqualificando o desejado consenso".

Em debate na Bienal sobre a relação entre arte e ética, Vânia Rall, pesquisadora do Laboratório de Estudos sobre a Intolerância da USP, diz: "o que incomoda é o fato de o artista estar se referindo às aves como se elas fossem objetos componentes de sua obra. Como se elas fossem autômatos a serviço de sua arte. E é isso que incomoda".

De forma alguma foi esse o tratamento dado aos animais, pois até uma iluminação artificial foi providenciada para eles, e Nuno Ramos, justamente, usa animais por considerá-los animais e não objetos. Afinal, com um animal empalhado ele resolveria com menos trabalho a montagem da obra, mas o procedimento seria ineficaz ao seu propósito. Outra coisa que vale lembrar é que esses animais nasceram em cativeiro, jamais foram silvestres.

Mas temos que concordar com Vânia Rall ao dizer que existe ainda entre os homens um "ranço antropocêntrico" que nos faz tratar os animais como seres inferiores e, por isso, passíveis de serem maltratados. Não é o caso de Nuno Ramos, deixe-se claro.

Diz Vania Rall: "Existem alguns direitos e prerrogativas que, em um mundo justo, deveriam ser concedidos a todos os seres vivos. Esses direitos seriam o direito de liberdade, o direito à vida, e o direito à integridade física e psíquica. (...) No entanto, por causa de um ranço antropocêntrico que persiste inclusive no mundo da arte até o momento, esses direitos são abertamente negados aos animais".

O artista não contraria o que se disse acima, pois agiu de forma totalmente cuidadosa na sua relação obra/presença de urubus. No fundo, a questão fantasmagórica que ronda a proibição do uso de animas em obras de arte é de outra natureza. Diz respeito ao temor que a liberdade intrínseca à obra de arte sempre causou e causa, seja nos moralistas de ontem, seja nos politicamente corretos de hoje (minorias e maiorias). Nuno Ramos mata a charada na sua defesa e expõe o nervo aberto do sentido que a arte sempre deveria ter:

"A arte talvez seja a última experiência universalizante, ou ao menos não simétrica à discursividade do mundo, e acho que tende a ser cada vez mais atacada, toda vez que discrepar, como soberba e como arbítrio. Mas penso que é isso mesmo que ela deve manter: sua soberba e seu arbítrio, para que possa continuar criando."

Encerro parafraseando o próprio artista, dizendo: será que vocês não veem que o que estão vendo NÃO é o que estão vendo?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 26/10/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Os Doze Trabalhos de Mónika. 4. Museu Paleológico de Heloisa Pait
03. Os novos filmes de Iñárritu de Guilherme Carvalhal
04. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos
05. A aproximação entre Grécia e Rússia de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
03. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/10/2010
02h47min
Creio que o "artista contemporâneo", uso as aspas porque não considero o Nuno Ramos nem artista, nem contemporâneo, mas sim um protegido da velha guarda uspiana-esquerdista-burguesa semi-analfabeta que se apoderou do sistema da cultura herdada de pai pra filho, ou, do "caciquismo". Creio que esses tipos de pessoas quando estão às vésperas de um evento desses ficam imaginando: como posso criar um escândalo? E, seguindo a linha de Guillermo Vargas, é encontrada a forma da extravagância. Representar o sofrimento é uma função da arte, mas criar o sofrimento (privar os animais do sol) é desumano, fato que os artistas do passado mencionados jamais se utilizaram de tais idiotices, que já é um disparate mencioná-los. Até quando, Catilina, abusarás de nossa paciência?
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
21/10/2010
16h17min
O comentário de Marcos Ribeiro está incorreto. Não se pode atribuir a um artista com história, como é o caso de Nuno Ramos, apenas o desejo de causar escândalo para aparecer. Esse tipo de reducionismo acrítico não funciona. Eu posso não gostar de um artista, mas reduzir toda sua vida e obra a um julgamento pessoal infundado não é justo. Que critérios você usa para dizer que Nuno não é artista? Não pintar como Da Vinci? Se for assim, apague todo o século XX da história da arte.
[Leia outros Comentários de jardel cavalcanti]
22/10/2010
03h03min
Não pelo fato de que ele não pinta como Da Vinci, mas sim que se utiliza apenas da não-arte. Se utilizar da não-arte é negar a arte, e negar a arte é decretar a morte dela. Se a arte está morta, a não arte ocupou o seu lugar, logo, só existe a não-arte. Isso equivale a dizer, por exemplo, que só existe a cor vermelha, mas se só existe a cor vermelha, as outras cores não existem, entretanto, se as outras cores não existem, a cor vermelha também não existe, porque ela só existe para diferenciá-la das outras. Aonde existe a história de Nuno Ramos? Senão nas palavras da sua rede de amigos, encabeçada pelo grão-mestre Agnaldo Farias, que se estagnou no período heliooiticiquiano? Não, amigo Jardel, não jogo o século XX no lixo, pelo contrário, o tiro da lixeira que esse sistema medíocre fez questão de jogá-lo, aclamo Munch!
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
22/10/2010
03h41min
Sim, os nazistas também poderiam, em vez de homens vivos, ter feito experiências com cadáveres; ter queimado jornais, em vez de livros. No caso da Santa Inquisição, queimado bonecos, e não ter queimado bruxas, só porque elas eram "feias". O discurso pronto dessa forma de "arte" é esse: vamos pegar urubus e prendê-los, de forma que a mídia veja como somos transgressores! E para complementar, lembro das pertinentes palavras do velho Schopenhauer sobre o assunto: "Há alguns anos pelo Times, em que um lord que possuía um imenso cão acorrentado, passeando através do jardim, tentou acariciá-lo, quando o cão imediatamente lhe despedaçou o braço - com razão! Com isso queria dizer 'Tu não és meu dono, mas meu demônio, a fazer de minha curta existência um inferno'. Que isto suceda a todos que mantêm animais acorrentados!". "L'uccello nella gabbia Canta non di piacere, ma di rabbia!" ("O pássaro na gaiola não canta de alegria, mas de raiva!")
[Leia outros Comentários de André Cardoso]
22/10/2010
21h50min
Os animais eram nascidos em cativeiro. Eu tinha um gato no meu apartamento. Ele pirou com o cativeiro, arranhou portas, quebrou CDs, rasgou livros, destruiu tudo. somos todo predadores, não percebem? Não comem carne de frango e boi? Então, são mortos a machadadas, preso em cativeiro para a carne ficar macia. Sem movimento, sem amigos, parentes, nada. Acordem, pseudo-sentimentais.
[Leia outros Comentários de jardel dias cavalcan]
23/10/2010
01h48min
Parafraseando Nuno Ramos: "ceci nest pas une vautour." Essa obra daria uma tese, a exemplo da traição das imagens de Magritte, do anjo melancólico de Dürer, dos sapatos de Van Gogh ou da Dança da vida de Munch. Brincadeira à parte, para mim não foi crueldade deixar as aves em cativeiro e nem criar animais para depois matar a machadada: isso faz parte da evolução das espécies. Nazismo para mim é deixar as aves ouvindo Cacará, bandeira branca e boi da cara preta constantemente. Isso é prática de Guantánamo. Espero que na próxima obra ele coloque um parente próximo dele para a acadêmicos aclamarem. P.S.: Não estou aqui querendo analisar Nuno Ramos, apenas fazendo um exame (de merda).
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
24/10/2010
10h31min
Caro Marcos, "vocês, que não estão vendo, será que não veem que o que estão vendo NÃO é o que estão vendo?" (Nuno ramos).
[Leia outros Comentários de jardel dias]
24/10/2010
17h29min
Este argumento falacioso, baseado no argumento do declive escorregadio, é um filé para charlatães de igrejas submeterem seus fiéis ao rebanho. Até concordo que o povo merece ser guiado, porém, Kant já havia predito: "Sempre haverá pensadores independentes, mesmo entre os autointitulados guardiães da multidão. Uma vez que tais homens livrem-se do jugo da menoridade, derramarão sobre si o espírito de uma apreciação razoável do valor humano e de seu dever de pensar por conta própria".
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
26/10/2010
15h57min
Bah! Pasmei! Gente... a Bienal sempre foi um luxo de maravilhosas banalidades que não deixam (ufa!) nenhum resquício. Pra que discutir o óbvio? Lixo, luxo, Lucxor... o que quer que seja... Bienal (ainda bem que não tem todo ano) sempre foi e será motivo de risos, amores, ódios e... escândalos, que nunca se sabe com quem irá acontecer, desde que se fale muuuuuuuito sobre isso. Parece que estou com inveja dos expositores (no fundo, acho que sim) mas, como a Bienal pra mim sempre foi coisa de "espantacular", digo, amem, odeiem, critiquem, falem, mas não confundam ARTE com espetáculos.
[Leia outros Comentários de maria anna machado]
29/10/2010
00h36min
Como Picasso chamava a obra de Bonnard: "pot-pourri de indecisão".
[Leia outros Comentários de Marcos Ribeiro]
29/10/2010
21h05min
Nuno Ramos é um artista medíocre que só está na Bienal - e, de resto, na mídia - porque o conceito de arte (com minúscula mesmo) neste século XX de miséria artística, e começo de XXI com não menos miséria, mudou: o que vale hoje é o esdrúxulo, o ridículo, o ruim, é a lei do "quanto pior melhor". É o caso do tal Nuno: quanto pior, melhor. É por isso que ele - e quejandos - estão em voga.
[Leia outros Comentários de Gil Cleber]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GEOGRAFIA: O MUNDO EM TRANSIÇÃO - VOLUME ÚNICO - ENSINO MÉDIO
JOSÉ WILLIAM VESENTINI
ÁTICA
(2014)
R$ 39,91



O SONHO DE EVA
CHICO ANES
NOVO CONCEITO JOVEM
(2012)
R$ 23,28



O VAMPIRO LESTAT
ANNE RICE
ROCCO
(1999)
R$ 17,90



O MONGE E O EXECUTIVO
JAMES C. HUNTER
SEXTANTE/ GMT
(2018)
R$ 32,00
+ frete grátis



A NOITE DA MEMÓRIA
PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS
ART
(1988)
R$ 30,00



O ENCONTRO DE LAMPIÃO COM SATURNINO NO INFERNO
LUIZ GONZAGA DE LIMA
LUZEIRO LTDA
(2016)
R$ 7,00



STRESS - VOCÊ PODE SER O PRÓXIMO - PREVINA-SE
JOÃO VILAS BOAS
PARADIGMA
(2010)
R$ 6,90



ENCONTROS, DESENCONTROS & REENCONTROS
MARIA HELENA MATARAZZO
GENTE
(1996)
R$ 25,00



LUZ E SOMBRAS
LUDWING WITTGWNATEIN
MARTINS FONTES - MARTINS
(2018)
R$ 15,00



A SELEÇÃO
KIERA CASS
SEGUINTE
(2014)
R$ 29,13





busca | avançada
28946 visitas/dia
1,0 milhão/mês