Se somos seres voadores em busca de luz | Elisa Andrade Buzzo | Digestivo Cultural

busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Publicar em papel? Pra quê?
>>> Impressões
>>> A escrita boxeur de Marcelo Mirisola
>>> Desorientação vocacional
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
Mais Recentes
>>> Golem e o Gênio: uma Fábula Eterna de Helene Wecker pela DarkSide (2015)
>>> Os Chakras: e os Campos de Energia Humanos de Shafica Karagulla, M.D. e Dora Van Gelder Kunz pela Pensamento (1991)
>>> O Caminho da Tranquilidade de Dalai Lama pela Sextante (2000)
>>> Perdas & Ganhos de Lya Luft pela Record (2003)
>>> Minecraft Fortaleza Medieval de Mojang pela Abril (1500)
>>> Minecraft Guia de Criação de Mohang pela Abril (2017)
>>> Minecraft Guia de Exploração de Mohang pela Abril (2021)
>>> Salomé de Oscar Wilde pela Principis (2021)
>>> O Mercador de Veneza de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> Do Contrato Social de Jean - Jacques Rousseau pela Principis (2021)
>>> Kilmeny do Pomar de Lucy Maud Montgomery pela Principis (2021)
>>> A Mamãe é Rock de Ana Cardoso pela Principis (2019)
>>> Nos Bastidores Trinta Anos Escrava, Quatro Anos na Casa Branca de Elizabeth Keckley pela Principis (2021)
>>> O Conde de Monte Cristo de Alexandre Dumas pela Principis (2021)
>>> Romeu e Julieta de William Shakespeare pela Principis (2021)
>>> O Condenado de Camilo Castelo Branco pela Principis (2021)
>>> The secret Agent de Joseph Conrad pela Collins Classics (2012)
>>> Vandrad, o Viking a Contenda e o Feitiço de Joseph Storer Clouston pela Principis (2021)
>>> Helena de Machado de Assis pela Principis (2021)
>>> Utopia de Thomas More pela Principis (2021)
>>> Poliana de Eleanor H. Porter pela Tricaju (2021)
>>> Cause of death de Patricia Cornwell pela Warner Books (1997)
>>> Um Inimigo do Povo de Henrik Ibsen pela Principis (2021)
>>> The Da Vinci Code de Dan Brown pela Corgi Books (2004)
>>> Little Woman de Luisa May Alcott pela Signet Classics (2012)
COLUNAS

Quinta-feira, 14/8/2008
Se somos seres voadores em busca de luz
Elisa Andrade Buzzo

+ de 3000 Acessos
+ 1 Comentário(s)


foto: Sissy Eiko

Ele disse que esse bairro deveria ser de gente endinheirada. Ela, é lógico, já retrucou, moro aqui, mas não sou rica, dando uma risada de cumplicidade, ao que ele respondeu com um sorriso talvez meio incrédulo e silêncio. Tem muita gente da classe média por aqui. Ele parecia agora compreender, em apenas algumas palavras, a complexidade de uma cidade tão grande quanto a sua. Vem aqui ver a vista bonita, ela havia dito antes e ele foi docilmente até o precipício. É meio perigoso porque daqui as pessoas podem se jogar, e eu havia visto em filmes de amor noir que o primeiro beijo ou o primeiro encontro geralmente acontece numa situação assim, a cidade aberta com suas luzes se oferecendo também como os lábios.

Mas realmente não aconteceria nada desta vez, pois no cenário havia figurantes demais, cada quadrado de luz dos prédios, essas sentinelas, olhava desconfiado a noite e ainda por cima centenas de universitários, todos sedentos por uma cerveja às dez da noite, recostados preguiçosamente em busca de emoção, algo leve pra ocupar a cabeça. E por que você bate, coração? Como uma sentinela melancólica eu observo a vida e a morte.

Diria ela, que sempre teve medo de altura, nunca chegava perto daquela varanda, percorrendo todos os andares, imensa, mas naquela noite quis arriscar, entre o Smoking e o No smoking optou pelo Smoking e Alain Resnais ficaria satisfeito com mais desfechos banais para suas histórias. Era como o buraco do metrô puxando, era viver, voltar ou morrer lá mesmo, na plataforma, e optara por voltar e ir andando, longe da avidez por chegar em casa e fazer nada. Chegou perto e não sentiu nenhuma vertigem, aquele chamado envolvente (beija-me) que a assombra desde a visita aos jardins suspensos do Banespinha, atual sede da prefeitura.

Se não te acompanho na cerveja não é por falta de assunto; é por falta de estômago e medo da altura, do risco dos olhos entornados, perdê-los amarelados dentro do copo. Além do mais, de zonzeira absurda já basta a da vida, estarei correndo perigo e já te disse uma vez que só beberia com (os) meus amigos. Mas eles não bebem, além de que já acordo todos os dias com o gosto da ressaca na boca.

Só resolveu descer as rampas na velocidade improvável da queda, esbarrando em todos e ninguém, e ir pra casa, afinal fortes emoções não eram pro seu bico. Não seria exagero dizer que a rua estava toda entrecortada por trevas e flanelinhas cuidando das manobras, não havia postes nem luz, só a curvatura dos olhos se acostumando à escuridão e delimitando as ladeiras em cinza. Ouviu, (toca-me), minhas mãos estão livres, no entanto ocupadas em alcançar de onde vem este ruído, o caminho das coisas distantes, ou seria uma voz por entre as árvores que deixavam no chão a consistência de renda, renda voluptuosa como aquela que o olhava pela vitrine transparente. Se não há transeunte algum nestas ruas anoitecidas e todos estão nos bares mais próximos envergando seus copos de cerveja pegajosa, envoltos num papo gosmento e intelecto na medida do possível (do nível de álcool fervilhando no sangue), até já havia se esquecido como era. Imaginou que na noite há estrelas e o movimento tenebroso do mar, dos rios, das florestas, das cidades, da vegetação, dos pulmões de milhões e milhões de seres, na noite existem as maravilhas do mundo, na noite não existem anjos guardiões, mas existe o sono. Na noite existe você. No dia também.

Finalmente, ela viu um ponto iluminado e quando se aproximou entrou, oi, boa noite, eu queria duas esfihas, disse, sempre com essa mania de pretérito imperfeito, mas poderia ser uma mais nova e menos queimadinha, já vai sair, o moço disse e ela esperou tanto tempo, o suficiente para se entediar vendo a vitrine de quibe cru que mais parecia um plástico não comestível. Havia alguém no restaurante, mas não enxergou nenhum rosto. Pensou em algo para aplacar a sede que viera desde o momento em que ela havia entrado na sala depois de subir a rua, estava tão quente, seu corpo fervilhava, queria arrancar a malha, mas nua não podia ficar, queria arrancar as botas, mas podia parecer estranho, o fato é que aos poucos a sua temperatura foi voltando ao normal, ainda que sentisse uma leve palpitação no peito. E se eu tivesse desmaiado ali mesmo, alguém perceberia?, eu teria coragem de dizer que nada passara pela minha garganta naquele dia?

Se somos seres voadores em busca de luz, ela procurou nas prateleiras pela garrafa mais cristalina e deu de cara com ele estampado no rótulo tentando lhe vender sais minerais e um estilo de vida saudável. Pensou, engraçado é que pelo que consta ele bebe até demais e eu senti um cheiro leve de álcool na sua barba, e mesmo jogando fumaça para o alto com naturalidade. As flores (à venda, claro) na entrada do supermercado se fecham de noite, depois devem murchar logo sem a raiz. Contou quase dois reais e, alheia à nota fiscal paulista e ao cartão mais, a moça do caixa, sonho de profissão das meninas da sua geração, nem sequer perguntou se ela queria, se tinha ou com o que sonhava agora.


Elisa Andrade Buzzo
São Paulo, 14/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Alma indígena minha de Elisa Andrade Buzzo
02. Ah!... A Neve de Marilia Mota Silva
03. A terra da bruma, de Arthur Conan Doyle de Ricardo de Mattos
04. O medo como tática em disputa eleitoral de Humberto Pereira da Silva
05. A Copa mais triste de todos os tempos de Elisa Andrade Buzzo


Mais Elisa Andrade Buzzo
Mais Acessadas de Elisa Andrade Buzzo em 2008
01. Como era gostoso assistir à Sex and the City - 26/6/2008
02. Oiti - 20/11/2008
03. Chicas de Bolsillo e o fetiche editorial - 13/3/2008
04. Da indústria do sabor e do desgosto - 2/10/2008
05. No chão em que você pisa com seu salto agulha - 28/2/2008


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2008
20h13min
Puxa, Elisa, li num fôlego só... até salvei o link para ler mais e mais e melhor... bom demais, querida, um beijo ;-))
[Leia outros Comentários de Gisele Lemper]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Constituyente Autonomías y Descentralización: un Enfoque Jurídico
Oscar Alba S. y Sérgio R Castro
Inst Estudios Internacionais
(2006)



Meus Primeiros Clássicos - a Ilha do Tesouro
R. L. Stevenson
Altea
(2008)



O Escandinavo Deslumbrado e Outros Contos
Alberto Xavier
Pinto e Zincone
(2011)



Tratado de Fisiologia Veterinária
James G. Cunningham
Guanabara
(2008)
+ frete grátis



How Foreign Policy is Made
Kurt London (second Edition)
D Van Nostrand (toronto)
(1950)



Jovens do Além
Francisco Cândido Xavier / Caio Ramacciotti
Geem
(1976)



Bombons Chineses
Mian Mian
Geração
(2002)



Les Etablissements Publics: Transformation et Suppression
La Documentation Française Notes Etudes 4876
La Documentation Française
(1989)



Ofícios & Amargura
Renata Pallottini
Scipione Cultural



Grammar and Practice With Answer Key
Jimmie Hill e Rosalyn Hurst
Language Teaching
(1997)





busca | avançada
73422 visitas/dia
2,5 milhões/mês