Lamartine Babo e futebol, uma simbiose | Marco Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ação Social
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> forças infernais
>>> 20 de Abril #digestivo10anos
>>> Pensando sozinho
>>> Minha casa, minha cama, minha mesa
>>> Aranhas e missangas na Moçambique de Mia Couto
>>> Novos Melhores Blogs
>>> Reflexões para um mundo em crise
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
Mais Recentes
>>> Plantas de Cobertura do Solo Caracteristicas e Manejo Em Pequenas . de Claudino Monegal pela Autor (1991)
>>> Os Honorários Advocatícios na Justiça do Trabalho - de Carlos Roberto Ramos pela : Conceito (2013)
>>> 1985 - o Autor de Laranha Mecânica Contesta o 1984 de Orwell e Mostra de Anthony Burgess pela Lpm (1980)
>>> Ciencias Criminais - Articulacoes Criticas Em Torno dos 20 Anos da Con de Ana C. B. de Pinho pela Lumenjuris (2009)
>>> Manual de Anestesia Em Pequenos Animais - de Paddleford pela Roca (2001)
>>> Las Investigaciones de Alvirah y Willy de Mary Higgins Clark pela Plaza & Janes (1998)
>>> Manual de Direito Constitucional - Volume Único de Marcelo Novelino pela Metodo (2014)
>>> Surfing and Health: Expert, Medial and Advice de Joel Steinman pela Meyer (2019)
>>> Competition in Global Industries de Michael E. Porter pela : Harvard Business School (1986)
>>> 22/11/63 - Novela de Stephen King pela Plaza Janés (2012)
>>> Guia Autorizado Adobe Photoshop 7. 0 - Com Cd - Livro de Treinamento de O mesmo pela Makron Books (2003)
>>> Instrumentos Musicales Precortesianos de Samuel Marti pela Inah (1968)
>>> Lo Mejor de La Siesta Inolvidable de Jorge Halperín pela Aguilar (2005)
>>> Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - Lucas de Graig A. Evans pela Vida (1996)
>>> Etiquette For Outlaws de Rob Cohen pela Harper Entertainment (2001)
>>> Caixa de Pássaros de Josh Malerman pela Intrinseca (2015)
>>> Retratos e Fotogramas: Isabelle Huppert de Sesc SP pela Sesc (2009)
>>> As minas de Salomão de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Sim Não de Jussara Braga pela do Brasil (1987)
>>> Alves & C.a de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1928)
>>> Fogo no Céu! de Mary França - Eliardo França pela Ática (1991)
>>> Contos de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1934)
>>> An Amazing Story de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1996)
>>> O crime do Padre Amaro de Eça de Queiroz pela Livraria Lello (1935)
>>> Codorna - Criação - Instalação - Manejo de Irineu Fabichak pela Nobel (1987)
>>> Guerras Secretas -Super-Heróis Marvel de Alex Irvine pela Novo Século (2016)
>>> Cartas de Inglaterra de Eça de Queiroz pela Livraria Lello
>>> Cem Anos de Iberê de Luiz Camillo Osorio pela Cosac Naify (2014)
>>> Dia de Aninha de Ciça Alves Pinto pela Global (1996)
>>> Lasar Segall Un Expresionista Brasileño de Ivo Mesquita, Jorge Schwartz e outros pela Takano (2002)
>>> The White Mountains de John Christopher pela Longman (1974)
>>> Laje de Santos, Laje dos Sonhos de Guilherme Kodja Tebecherani, Ana Paula Pinto e outros pela Globo (2009)
>>> Ulster Story de Michael Villeneuve pela Longman (1977)
>>> Marco Giannotti de Nelson Brissac Peixoto pela Cosac Naify (2007)
>>> Morri para Viver de Andressa Urach pela Planeta (2015)
>>> Esio Trot de Roald Dahl pela Puffin Books (2001)
>>> Laura Belém de Laura Belém e outros pela Cosac Naify (2013)
>>> Brave New World de Aldous Huxley pela Longman (1978)
>>> Favela, um Bairro de Cristiane Rose Duarte e Outros (org.) pela Pro (1996)
>>> 1/3 da Vida de Wanderley Oliveira e Ermance Dufaux pela Dufaux (2016)
>>> Quê ?! de Tião Carneiro pela Autor
>>> Conheça a Verdade de Bruce Milne pela Abu (1987)
>>> Para uma Nova Era, Poesia & Prosa de Remisson Aniceto pela Patuá (2019)
>>> Mentes perigosas de Ana Beatriz Barbosa Silva pela Fontanar (2008)
>>> Meu menino vadio de Luiz Fernando Vianna pela Intrínsica (2017)
>>> Correndo com tesouras de Augusten Burroughs pela Ediouro (2002)
>>> Supernova - A Estrela dos Mortos de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Supernova - O Encantador de Flechas de Renan Carvalho pela Novo Conceito (2015)
>>> Segregação e Gentrificação: Os conjuntos habitacionais em Natal de Sara Raquel Fernandes Queiroz de Medeiros pela Edufrn (2018)
>>> Repensar as Familias de Fiona Williams pela Principia (2004)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/9/2013
Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
Marco Garcia

+ de 3900 Acessos

O hino está para o clube como o jingle para a publicidade. Um não sobrevive sem o outro. É como uma simbiose que, para impregnar na memória, precisa ser simples, curto e, como uma fotografia, ter o poder de eternizar a glória do produto. E ninguém melhor do que o compositor Lamartine Babo utilizou essas características para traduzir em letra e música o amor do torcedor pelo seu time.

Gênio popular. Rei do Carnaval. Exímio compositor de marchinhas. Versátil. Irreverente e com humor apurado. Boêmio até a décima geração. Malicioso. Homem do tra-la-lá. O curioso que se dispor a bisbilhotar a biografia desse legítimo carioca, inevitavelmente, vai se deparar com esses adjetivos. O vocabulário que define o músico é extenso e de múltiplas faces.

Definindo os atributos do autor que - mesmo com uma bagagem musical de mais de 400 canções - faleceu pobre, em 1963, no bairro da Tijuca, e teve seu funeral custeado pela União Brasileira de Compositores, o produtor musical Zuza Homem de Mello escreveu: "com humor insuperável, intuição, sentimento e versatilidade, Lamartine Babo criou uma obra tão espontânea quanto perene".

Nascido no Rio de Janeiro, em 10 de janeiro de 1904, Babo pode ser considerado um daqueles fenômenos que de séculos em séculos surgem no mundo. Muito conhecido no carnaval carioca em razão da sua facilidade em criar marchinhas 'chicletes' como "Marcha do Grande Galo" e "Grau 10", suas atividades artísticas foram premiadas, endossadas pelo sucesso do politicamente incorreto "O Teu Cabelo Não Nega". Aqui abro um parêntese para dizer que esta canção se viu envolvida em um imbróglio autoral com os pernambucanos Irmãos Valença, que afirmaram que já cantavam a melodia nos bares de Recife desde 1929. Dias após enviá-la para avaliação de uma gravadora fluminense, a dupla viu sua criação, já 'ajustada ao gosto carioca' pelas espertas mãos de Babo a pedido da empresa, virar sucesso nas rádios locais.

No final da década de 40, impulsionado pela Copa de 50, que batia às portas, e desafiado por um programa de rádio (Trem da Alegria), o compositor resolveu dar vida aos hinos de todos os participantes do campeonato carioca daquele ano. Reza a lenda que em único dia foram compostas as letras dos quatro grandes clubes do Rio (Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo), e também do time de sua paixão, América, bem como do Bangu. Dias depois, gerou os hinos do São Cristóvão, Madureira, Bonsucesso, Olaria e o desconhecido Canto do Rio, de Niterói. O interessante é que o quadrado principal já possuía hinos oficiais da época da fundação, mas se rendeu às novas composições alternativas, que caíram no gosto popular, de tal forma que das antigas ninguém se lembra - são obras para a Velha Guarda. Já os chamados 'nanicos' agradeceram o presente, pois ainda não tinham uma melodia que transmitisse suas glórias ao mundo.

Nada define Lamartine Babo melhor que as suas letras. O seu parque de composição era simples, mas sofisticado - talvez estejam aí os traços de sua genialidade. Babo versava sobre o comum. Esquecia os infortúnios diários e fazia um passeio de cunho social pelo subúrbio e seus hábitos. Nos hinos, trouxe à baila Bangu (e o comércio fechado em dias de jogos), Leopoldina e bairro D. Pedro II como Adoniram Barbosa fez com o Jaçanã, no "Trem das Onze". Imortalizou grandes craques da época como Domingos da Guia na letra do Bangu e Leônidas da Silva no Bonsucesso. Lamartine colocou em prática todo o repertório autoral na composição desses hinos. Há quem considere a letra/música do América a sua obra-prima. Como também há os que ainda hoje idolatram a letra que homenageia o Canto do Rio. Nela, Babo quase deixou de lado o futebol, criando um híbrido com versos sobre o time e uma carta de amor: "Aquela morena do Canto do Rio, que torce e faz cena e causa arrepio. Queimada da praia, na hora jogo, ela desmaia e pega fogo". O clube foi apenas um pretexto para versar o sentimento à amada. Os afoitos dirão que, talvez, ela foi uma espécie de precursora da "Garota de Ipanema", que um dia, em 62, inspirou Vinícius e Tom.

A arte sempre manteve uma relação estreita com o autor. Mesmo sem produzir a perspectiva intelectual de outros nomes da cultura Brasileira, a figura magra e de bigode saliente já foi ouvida na música de Zeca Baleiro e vista no musical de Antunes Filho. Modesto, dias antes de falecer de infarto, ao saber que teria um show em sua homenagem, no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, disse que sua vida não reunia assunto para um espetáculo de tal envergadura. Mas, para o idealizador do show, Carlos Machado, ele já caminhava ao lado de vanguardistas do cancioneiro popular.

Pegando como fio condutor os problemas de questões autorais já citados, quem quiser garimpar uns minutos mais a vida do "Rei do Carnaval" encontrará também algumas vozes o acusando (sem cerimônia) de plágio em outras duas ocasiões. Uma na letra que criou para o time de coração o América e, outra, na composição feita para o Fluminense.

Na primeira, se baseou na música "Row, Row, Row", que serviu de trilha para um musical da Broadway, em 1912, chamado Ziegfeld Follies e estrelado por Fred Astaire. Na segunda, utilizou a melodia criada pelo maestro Lírio Panicali, que homenageava a bandeira do Estado de São Paulo. Lamartine apenas reconheceu o ato quando o hino do Flu estourou nos estádios, praticamente o obrigando a solicitar a cessão do verdadeiro autor.

Com certeza, Babo conviveu com esse espinho na carne (que deve ter-lhe causado certas frustrações), mas essa acusação ficou à margem de sua história e o que o marcou na música nacional foram os primeiros predicados citados. E os aficionados por sua obra não guardaram ressentimentos. Para estes - principalmente a massa torcedora dos times cariocas, que o reverencia até hoje, a cada estrofe entoada nas arquibancadas -, seu conjunto autoral não envelhece. A trilha sonora dos estádios leva a sua assinatura, unindo por minutos (sem cinismos) um cenário social multifacetado.

Pegando a ponte aérea, corintiano até a alma que sou, me acostumei a cantar em verso e prosa o segundo e mais popular hino alvinegro "Campeão dos campeões", brilhantemente criado pelo radialista Lauro D'Avila, em 1953, uma vez que o primeiro data de 1930, cuja letra iniciava com um não instigante "Lutar, lutar". Entretanto, alguém haverá de me execrar em praça pública, nutro uma preferência (apenas nisso, que fique bem claro) pelo conjunto da obra criada por Lamartine Babo para o Clube de Regatas Flamengo.

Como um Rivellino em seus melhores momentos, dou o drible do "elástico" na minha paixão pelo clube do Parque São Jorge e me delicio com os acordes e refrãos rubro-negros. Na letra, Babo usou sua genialidade para criar conexões inteligentes entre as atribuições do Flamengo, fundado como um clube de regatas, mas que a habilidade no gramado afogou as pretensões marítimas.

As glórias da "terra e mar" figuram nas duas composições, entretanto, Lamartine deixou para trás palavras complexas (denodo), escritas por Paulo Magalhães, e expressões que remetiam à luta pura e simples, e recheou sua criação com a simplicidade de um "ai Jesus", convocando os torcedores aos estádios sob a mensagem de um time que "vibra" e que o seu lema será "vencer, vencer, vencer".


Marco Garcia
Fortaleza, 13/9/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Lançamento de Viktor Frankl de Celso A. Uequed Pitol
02. Ao Abrigo, poemas de Ronald Polito de Jardel Dias Cavalcanti
03. O crime da torta de morango de Elisa Andrade Buzzo
04. Meus álbuns: '00 - '09 ― Pt. 4 de Rafael Fernandes
05. A verdade entre o professor e o rascunho de Vicente Escudero


Mais Marco Garcia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A CIÊNCIA A SERVIÇO DA ARTE
O CORREIO DA UNESCO, Nº 5 - ANO 9 - 1981
FGV (RJ)
(1981)
R$ 18,28



AMOR DE PERDIÇÃO
CAMILO CASTELO BRANCO
ESTADÃO
(1997)
R$ 4,50



MANAGING IN DEVELOPING COUNTRIES
JAMES E. AUSTIN
FREE PRESS
(1990)
R$ 20,00



A CURA POPULAR PELA COMIDA
FLAVIO ROTMAN
RECORD
(1985)
R$ 7,00



BOX COLEÇÃO MEIO SÉCULO DE ARTE BRASILEIRA (4 VOLUMES)
INSTITUTO TOMIE OHTAKE
INSTITUTO TOMIE OHTAKE
(2009)
R$ 300,00



GÊNESIS - O PRINCÍPIO
ANNE DE GRAAF
ABRIL
(2008)
R$ 9,00



CONTANDO O HINO NACIONAL
MARCOS VINÍCIOS LÚCIO
ED. CORTEZ
(2010)
R$ 50,69



COMO JOGAR CARTAS - REGRAS PARA OS JOGOS DE BARALHO
EDIÇÕES DE OURO

R$ 15,00



O TRABALHO DOS MEDIUNS
LINDA WILLIAMSON
ROCA
(1996)
R$ 10,00



O MENOR EM DEBATE
ESPAÇO CADERNOS E CULTURA USU, Nº 11 DE 1985
UNIVERSIDADE SANTA ÚRSULA
(1985)
R$ 15,28





busca | avançada
37900 visitas/dia
1,3 milhão/mês