Lamartine Babo e futebol, uma simbiose | Marco Garcia | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> lua de Mel em Portugal de Marco Antonio pela Pin
>>> A História de Fernão Capelo Gaivota de Richard Bach pela Nórdica (1970)
>>> Epigramário de J. Dias de Moraes pela O Autor
>>> O livro de Ouro da Poesia Religiosa Brasileira de Jamil Almansur Haddad pela Edições de Ouro (1966)
>>> São José do Rio Preto:1852 / 1894 de Agostinho Brandi pela Rio-Pretense (2002)
>>> A Abertura dos Portos do brasil de Pinto de Aguiar pela Progresso (1960)
>>> Hawaii Açucareiro de Apolonio Sales pela IPA (1937)
>>> Desidério Desiderávi de Frei Carmelo Surian O. F. M. pela Vozes (1957)
>>> Pearl Harbor de H.P. Willmott pela Livro Técnico S/A (1981)
>>> O Orfeão na escola nova de Leonila Linhares Beuttenmuller pela Irmãos Pongetti (1937)
>>> Robson Crusoé de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1988)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Economico do Brasil de José Papa Júnior pela Nacional (1983)
>>> No Hospital das Letras de Afranio Coutinho pela Tempo Brasileiro (1963)
>>> Fim de Primavera de Edvard Camilo pela Globo (1921)
>>> Corpos de Elite do Passado de Dominique Venner pela Ulisseia (1972)
>>> Tonico de José Rezende Filho pela Ática (1984)
>>> A brigada portyguara 1a Edição de Almicar Salgado dos Santos pela Nacional (1925)
>>> La France en Gènèral de André Frossard pela 'Plon (1975)
>>> O Comércio e o Desenvolvimento Econômico do Brasil de José Papa Júnior pela São Paulo (1983)
>>> O Pequeno Príncipe de Antoine de Saint-Exupéry pela Agir (2003)
>>> Alguns Homens me Falaram da Paz de Jorge Maia pela Pan Americana S/A
>>> Menino de Asas de Homero Homem pela Ática (1982)
>>> A Segunda Guerra Mundial ( Em 12 volumes) de Codex pela Edição do Autor (1966)
>>> Moderato Cantabile (Edição Bilíngue) de Marguerite Duras pela José Olympio (1985)
>>> Pai-de-Todos de Ganymédes José pela Brasiliense (1978)
>>> A Liquidez Mundial e o Fundo Monetário Internacional de José Nabantino Ramos pela São Paulo (1964)
>>> Mulheres Entre Linhas - Contos - 1985 de Sec. do Est. da Cultura pela Cultura Já (1985)
>>> Pai, me compra um Amigo? de Pedro Bloch pela Ediouro (2005)
>>> A Vingança de Electra de Luiz Galdino pela Ftd (1998)
>>> Deslumbramento - Dedicatória e Autografado de Aristheu Bulhões pela Santos (1976)
>>> O Rei Cavalleiro de Pedro Calmon pela Nacional (1933)
>>> Paranóia A Síndrome do Medo de Stella Carr pela Ftd (1990)
>>> Revista Pau Brasil 14 - Ano III - Set./out. 1986 de Enio Squeff (editor) pela Daee (1986)
>>> Império Brazileiro de J. M. Pereira da Silva pela Garnier (1865)
>>> Um e Outros.... de Moacyr Chagas pela SP (1922)
>>> Euclides, Capistrano e Araripe de Afranio Coutinho pela Nacional (1959)
>>> Panis Angelicus Ou o Sacramento da Virgindade de Giuseppe M. Petazzi pela Salesianas (1966)
>>> O Alienista de Machado de Assis pela Ática (1971)
>>> O Romance Paulista no Século XX de Zélia Cardoso pela Academia Paulista de letras (1983)
>>> A Terceira Guerra Mundial Agosto de 1985 de General Sir John Hackett pela Circulo do Livro (1985)
>>> As Mulheres o Poder e a Familia de Eni de Mesquita Samara pela Marco Zero (1919)
>>> Eles Sonharam Com a Liberdade de Eudes Barros pela Gráfica Ouvidor (1962)
>>> O Sol da Liberdade de Giselda Laporta Nicolelis pela Atual (1988)
>>> Innovações do Romanismo de Carlos Hastings Collette pela Evangélica (1912)
>>> O Espião Cícero de Elyesa Bazna pela Flamboyant (1965)
>>> Aqui, entre Nós de Ercília F. de Arruda Pollice pela Ftd (2005)
>>> Observations sur la Compétence Des Consells de Guerre de Francis Laloe pela Librairie Nouvelle de Droit Et de Jurisprudence (1894)
>>> Cyrano de Bergerac de Edmond Rostand pela Scipione (2000)
>>> Diário da Capella de Baptista Pereira pela Saraiva (1933)
>>> Manual de Medicina Veterinária de Dr. Alvaro Penha Sobral pela Rio Médico (1937)
COLUNAS

Sexta-feira, 13/9/2013
Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
Marco Garcia

+ de 3900 Acessos

O hino está para o clube como o jingle para a publicidade. Um não sobrevive sem o outro. É como uma simbiose que, para impregnar na memória, precisa ser simples, curto e, como uma fotografia, ter o poder de eternizar a glória do produto. E ninguém melhor do que o compositor Lamartine Babo utilizou essas características para traduzir em letra e música o amor do torcedor pelo seu time.

Gênio popular. Rei do Carnaval. Exímio compositor de marchinhas. Versátil. Irreverente e com humor apurado. Boêmio até a décima geração. Malicioso. Homem do tra-la-lá. O curioso que se dispor a bisbilhotar a biografia desse legítimo carioca, inevitavelmente, vai se deparar com esses adjetivos. O vocabulário que define o músico é extenso e de múltiplas faces.

Definindo os atributos do autor que - mesmo com uma bagagem musical de mais de 400 canções - faleceu pobre, em 1963, no bairro da Tijuca, e teve seu funeral custeado pela União Brasileira de Compositores, o produtor musical Zuza Homem de Mello escreveu: "com humor insuperável, intuição, sentimento e versatilidade, Lamartine Babo criou uma obra tão espontânea quanto perene".

Nascido no Rio de Janeiro, em 10 de janeiro de 1904, Babo pode ser considerado um daqueles fenômenos que de séculos em séculos surgem no mundo. Muito conhecido no carnaval carioca em razão da sua facilidade em criar marchinhas 'chicletes' como "Marcha do Grande Galo" e "Grau 10", suas atividades artísticas foram premiadas, endossadas pelo sucesso do politicamente incorreto "O Teu Cabelo Não Nega". Aqui abro um parêntese para dizer que esta canção se viu envolvida em um imbróglio autoral com os pernambucanos Irmãos Valença, que afirmaram que já cantavam a melodia nos bares de Recife desde 1929. Dias após enviá-la para avaliação de uma gravadora fluminense, a dupla viu sua criação, já 'ajustada ao gosto carioca' pelas espertas mãos de Babo a pedido da empresa, virar sucesso nas rádios locais.

No final da década de 40, impulsionado pela Copa de 50, que batia às portas, e desafiado por um programa de rádio (Trem da Alegria), o compositor resolveu dar vida aos hinos de todos os participantes do campeonato carioca daquele ano. Reza a lenda que em único dia foram compostas as letras dos quatro grandes clubes do Rio (Flamengo, Fluminense, Vasco e Botafogo), e também do time de sua paixão, América, bem como do Bangu. Dias depois, gerou os hinos do São Cristóvão, Madureira, Bonsucesso, Olaria e o desconhecido Canto do Rio, de Niterói. O interessante é que o quadrado principal já possuía hinos oficiais da época da fundação, mas se rendeu às novas composições alternativas, que caíram no gosto popular, de tal forma que das antigas ninguém se lembra - são obras para a Velha Guarda. Já os chamados 'nanicos' agradeceram o presente, pois ainda não tinham uma melodia que transmitisse suas glórias ao mundo.

Nada define Lamartine Babo melhor que as suas letras. O seu parque de composição era simples, mas sofisticado - talvez estejam aí os traços de sua genialidade. Babo versava sobre o comum. Esquecia os infortúnios diários e fazia um passeio de cunho social pelo subúrbio e seus hábitos. Nos hinos, trouxe à baila Bangu (e o comércio fechado em dias de jogos), Leopoldina e bairro D. Pedro II como Adoniram Barbosa fez com o Jaçanã, no "Trem das Onze". Imortalizou grandes craques da época como Domingos da Guia na letra do Bangu e Leônidas da Silva no Bonsucesso. Lamartine colocou em prática todo o repertório autoral na composição desses hinos. Há quem considere a letra/música do América a sua obra-prima. Como também há os que ainda hoje idolatram a letra que homenageia o Canto do Rio. Nela, Babo quase deixou de lado o futebol, criando um híbrido com versos sobre o time e uma carta de amor: "Aquela morena do Canto do Rio, que torce e faz cena e causa arrepio. Queimada da praia, na hora jogo, ela desmaia e pega fogo". O clube foi apenas um pretexto para versar o sentimento à amada. Os afoitos dirão que, talvez, ela foi uma espécie de precursora da "Garota de Ipanema", que um dia, em 62, inspirou Vinícius e Tom.

A arte sempre manteve uma relação estreita com o autor. Mesmo sem produzir a perspectiva intelectual de outros nomes da cultura Brasileira, a figura magra e de bigode saliente já foi ouvida na música de Zeca Baleiro e vista no musical de Antunes Filho. Modesto, dias antes de falecer de infarto, ao saber que teria um show em sua homenagem, no Hotel Copacabana Palace, no Rio de Janeiro, disse que sua vida não reunia assunto para um espetáculo de tal envergadura. Mas, para o idealizador do show, Carlos Machado, ele já caminhava ao lado de vanguardistas do cancioneiro popular.

Pegando como fio condutor os problemas de questões autorais já citados, quem quiser garimpar uns minutos mais a vida do "Rei do Carnaval" encontrará também algumas vozes o acusando (sem cerimônia) de plágio em outras duas ocasiões. Uma na letra que criou para o time de coração o América e, outra, na composição feita para o Fluminense.

Na primeira, se baseou na música "Row, Row, Row", que serviu de trilha para um musical da Broadway, em 1912, chamado Ziegfeld Follies e estrelado por Fred Astaire. Na segunda, utilizou a melodia criada pelo maestro Lírio Panicali, que homenageava a bandeira do Estado de São Paulo. Lamartine apenas reconheceu o ato quando o hino do Flu estourou nos estádios, praticamente o obrigando a solicitar a cessão do verdadeiro autor.

Com certeza, Babo conviveu com esse espinho na carne (que deve ter-lhe causado certas frustrações), mas essa acusação ficou à margem de sua história e o que o marcou na música nacional foram os primeiros predicados citados. E os aficionados por sua obra não guardaram ressentimentos. Para estes - principalmente a massa torcedora dos times cariocas, que o reverencia até hoje, a cada estrofe entoada nas arquibancadas -, seu conjunto autoral não envelhece. A trilha sonora dos estádios leva a sua assinatura, unindo por minutos (sem cinismos) um cenário social multifacetado.

Pegando a ponte aérea, corintiano até a alma que sou, me acostumei a cantar em verso e prosa o segundo e mais popular hino alvinegro "Campeão dos campeões", brilhantemente criado pelo radialista Lauro D'Avila, em 1953, uma vez que o primeiro data de 1930, cuja letra iniciava com um não instigante "Lutar, lutar". Entretanto, alguém haverá de me execrar em praça pública, nutro uma preferência (apenas nisso, que fique bem claro) pelo conjunto da obra criada por Lamartine Babo para o Clube de Regatas Flamengo.

Como um Rivellino em seus melhores momentos, dou o drible do "elástico" na minha paixão pelo clube do Parque São Jorge e me delicio com os acordes e refrãos rubro-negros. Na letra, Babo usou sua genialidade para criar conexões inteligentes entre as atribuições do Flamengo, fundado como um clube de regatas, mas que a habilidade no gramado afogou as pretensões marítimas.

As glórias da "terra e mar" figuram nas duas composições, entretanto, Lamartine deixou para trás palavras complexas (denodo), escritas por Paulo Magalhães, e expressões que remetiam à luta pura e simples, e recheou sua criação com a simplicidade de um "ai Jesus", convocando os torcedores aos estádios sob a mensagem de um time que "vibra" e que o seu lema será "vencer, vencer, vencer".


Marco Garcia
Fortaleza, 13/9/2013


Mais Marco Garcia
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MASSAGEM PARA ALÍVIO DO STRESS LIVRO DE BOLSO
CLARE MAXWELL HUDSON
CIVILIZAÇÃO
(1996)
R$ 19,26



HISTÓRIAS BRASILEIRAS DE VERÃO
LUIS FERNANDO VERISSIMO
OBJETIVA
(1999)
R$ 22,31
+ frete grátis



ETIQUETA CORPORATIVA O SUCESSO COM BONS MODOS
LÍCIA EGGER-MOELLWALD / HUGO EGGER-MOELLW
ANHEMBI MORUMBI
(2002)
R$ 25,00



HEMOFILIA-TERAPÊUTICA DOMICILIÁRIA
PETER JONES
FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN
(1989)
R$ 45,00
+ frete grátis



VINGANÇA EM FAMÍLIA
JAMES AXLER
NOVA CULTURAL
(1989)
R$ 6,50



LINGUÍSTICA EM LOGOPEDIA
VENÂNCIO MOL
GERNASA
(1971)
R$ 5,00



A VIRGEM VERMELHA - FERNANDO ARRABAL (LITERATURA FRANCESA)
FERNANDO ARRABAL
NOVA FRONTEIRA
(1988)
R$ 8,00



MATEMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO ECONOMIA E CONTABILIDADE
AFRÂNIO MUROLO E GIÁCOMO BONETTO
THOMPSON
(2004)
R$ 68,00



PROCESSOS DECISÓRIOS EM LEAN MANUFACTURING
WAGNER PIETROBELLI BUENO, CYRO R. P. NETO UND ALEXANDRE R. FERREIRA
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



SÃO BERNARDO
GRACILIANO RAMOS
RECORD
(2003)
R$ 12,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês