Meu Sagarana | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
31816 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 26/11/2019
Meu Sagarana
Renato Alessandro dos Santos

+ de 1100 Acessos

Terminei de ler Sagarana faz dois anos. Foram semanas dedicadas às novelas - e, não, em sua maioria, contos, como lembra Paulo Rónai; também não foi - cada uma - nenhum bicho de sete cabeças. Nada disso. Pelo contrário; no meu caso, a cada semana, meus alunos leram uma estória (vai) de Sagarana e, para discuti-las com eles, fui lendo também, e, então, a peleja chegou ao fim. Peleja no bom sentido, porque Sagarana é um livro fantástico - e o sobrenatural também faz parte da obra; no caso, o mesmo insólito das literaturas africanas de língua portuguesa, e não sei se você sabe, mas Mia Couto é leitor de longa data de Rosa.



Sagarana é um livro fantástico porque estão ali o corpo e a alma da arte, como João queria; e mais: um livro a deixar no leitor vontade de querer ler mais Rosa. E dele, o autor sabia-o ser coisa grande: “Mirrado pé de couve, seja, o livro fica sendo, no chão de seu autor, uma árvore velha, capaz de transviá-lo e de o fazer andar errado, se tenta alcançar-lhe os fios extremos no labirinto das raízes”, escreveu, em carta a João Condé. “Graças a Deus, tudo é mistério”, completou, e esse “tudo é mistério” é, embaixo ou em cima da terra, uma literatura de ramificações profundas.

Pena é que nem todos os alunos conseguiram acompanhar os passos do autor. São leitores que cresceram em um ambiente em que os pais leem ou, ao menos, incentivam a leitura dos filhos. O que houve, então? Houve o que há toda vez que alguém é obrigado a fazer algo que não quer (tipo ler Rosa para o vestibular). Certo. Mas Mayombe e Minha vida de menina, ambos na lista atual da Fuvest, encontram lugar afetivo no coração das leituras feitas a contragosto pelo vestibulando. O que aconteceu, então?

O léxico, a maneira inusitada de narrar, a quantidade de “subistórias” que cada novela traz... Em questão de parágrafos, tudo pode ir de mérito a demérito aos leitores apressados que não encontrarão diversão, mas um carrossel de cavalinhos enfastiados.

Quem sente a língua roçando os ouvidos, numa leitura silenciosa, sabe que Sagarana é esse fluxo de linguagem em que, de maneira rebelde, o português está mais para, na escrita, ser falado, do que o contrário. “Além dos estados líquidos e sólidos, por que não tentar trabalhar a língua também em estado gasoso?!”, escreveu Rosa a João Condé, na mesma carta; e esse estado gasoso, grifado pelo autor em itálico, é de uma coerência com a proposta desejada por ele que, a meu ver, só consigo pensar no que fez Mark Twain em As aventuras de Huckleberry Finn ou Jack Kerouac em On the Road, obras que, como Sagarana, poderiam ser lidas em voz alta, porque nos três autores a mesma preocupação houve: ouvir a prosódia da língua, numa melopeia rebelde e regional que assusta os normativos gramáticos e os vestibulandos também. Voltando aos alunos, para, em seguida, tratar de algumas novelas, gostaria de saber por que nenhum editor não fez até hoje uma edição ilustrada de Sagarana. Por quê? Falo de algo como uma ilustrada edição de O código Da Vinci, que vi certa vez numa livraria. Heresia? Imagino que Rosa, agora, por essa associação inusitada ao [The] Da Vinci code, no túmulo esteja a convocar ele, “o arranca-toco, o treme-terra, o come-brasa, o pega-à-unha, o fecha-treta, o tira-prosa, o parte-ferro, o rompe-racha, o rompe-e-arrasa”; sim, ninguém menos que Seu Joãozinho Bem-Bem, para me dar uma lição.

Mas Seu Rosa, argumento eu, nesses tempos de Facebook, Instagram, pornografia on-line, dar o braço para ser torcido não é o pior dos males. Veja meu exemplo: lá pelas tantas de seu livro admirável leio a palavra aroeira, e eu, que não cresci na roça, embora a roça esteja em mim, me vi perguntando se aroeira seria bicho ou árvore, e agora sei, porque no mesmo instante o Google Imagens me ajudou. Dois pra lá, dois pra cá, penso se uma obra ilustrada, que pudesse trazer algo assim aos leitores - ou a todos os citadinos leitores - não seria uma boa ideia. Não seria? Desculpe, meu Rosa, era isso que, sem querer ofender, quis sugerir. Não penso em literatura como um álbum de figurinhas, mas me dói ver a molecada, à beira do vestibular, e mesmo outros leitores, maduros e impacientes, sem dar a você, ou melhor, ao seu livro, o lugar merecido que ele deveria ter, porque Sagarana é um dilúvio; é um espanto; é coisa que, na literatura do mundo, deveria figurar mais, muito mais, no coração e na imaginação dos leitores do que ocupar o lugar que mantém, na estante, ao lado dos grandes clássicos de todas as línguas.

E que tal agora um mergulho no rio?

Este texto, ou qualquer outro, não consegue dar ao leitor o que é uma experiência de leitura realizada nas trincheiras, ali, no dia a dia, a cada virar de folha ou a cada rolar vertical de página do tablet, enquanto sentados ou em pé esse universo rústico, caipira, telúrico de Rosa, materializa-se em narração e em imagens. Paulo Rónai, em 1946, escreveu também sobre Sagarana e, ao final, “chegando ao fim destas breves considerações”, comentou, “percebemos o que elas têm de ilusório”, concluindo que “o exame unilateral de um livro tão rico de conteúdos e significações como este há de deixar uma impressão falsa”.

É indiscutível. Toda grande obra revela-se em miniatura, isto é, no que de individual traz de universal, e em Sagarana a natureza humana, de dentro para fora, é recolhida, esmiuçada, compreendida. Assim, de trás para frente, que dizer do que passa Nhô Augusto Matraga? O sofrimento de Édipo é universal, porque transamos com nossa mãe e matamos nosso pai? Não, mas porque reconhecemos no gente-boa Édipo o joguete do destino que ele é - algo por que passa Augusto, naquela redenção crescente que se desencadeia dentro dele até alcançar a sua hora e vez derradeira; com Rosa, os personagens se transfiguram, e a via crucis de Matraga é o voo literário mais alto pilotado pelo autor no livro; e, em Sagarana, os personagens também se transfiguram. O sofrimento dos bois, com a visão de mundo que eles têm, traz a dor de quem leva vida de gado, em “Conversa de bois”; a opressão que cai sobre o cândido casca grossa Manuel Flor também é nossa, e mais ainda de quem bulling já sofreu diante desses valentões de vida manca, como lá em “Corpo fechado”; que dizer da cegueira repentina por que passa José, quando o relógio completa todo um círculo e continua, mas sem que o mundo possa ser visto, ou enxergado, ou melhor, reparado, como em “São Marcos”? E o galizé incapaz de conquistar o coração de sua prima, Maria Irma, em “Minha gente”? A relação de gato e rato, com aquele desfecho surpreendente entre Turíbio Todo e Timpim Vinte e Um, compadre de Cassiano Gomes, em “Duelo”? A humana natureza vista por olhos lacrimejantes e cheios de sezão, maleita mesmo, dos dois primos em “Sarapalha”? A lábia malandra, pícara, de Lalino Salãthiel, que arrenda a esposa e comete todas as lúbricas imprudências inimagináveis, longe de casa - e com aquele começo musical de “A volta do marido pródigo”: “Nove horas e trinta. Um cincerro tilinta. É um burrinho, que vem sozinho, puxando o carroção. Patas em marcha matemática, andar consciencioso e macio, ele chega, de sobremão” - hein? Que dizer disso? Por fim, ainda de trás para frente, “O burrinho pedrês”, primeira novela de Sagarana. O que escrever sobre ela? Dizer que aquele jumentinho, mulinho, jeguinho listrado tão já passado da hora, tal um velhinho desprovido de respeito e de admiração, mostra a todos que a hora e vez de um burrinho pedrês há de chegar, como uma epifania.

Enfim, arte, em corpo e alma, João fez.

(E aquele “hein, João”, ao fim de “Matraga”? Sempre tive a impressão de que Rosa dá uma piscadela a si mesmo, ali, naquela passagem ao fim do livro.)

E agora?

Agora, Grande sertão: veredas.


Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).

Nota do Editor
Leia também o Especial Guimarães Rosa. E, para Livros de Guimarães Rosa, consulte o Portal dos Livreiros.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 26/11/2019


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. Meu Telefunken - 16/7/2019
02. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
03. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020) - 24/9/2019
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
05. K 466 - 26/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A HISTÓRIA NATURAL E AS POPULAÇÕES, VOL 3 TRATADO DO SER VIVO,
JACQUES RUFFIÉ
FRAGMENTOS
(1982)
R$ 39,70



TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE TWITTER
TADEU CARMONA
DIGERATI BOOKS
(2009)
R$ 4,00



UM MUNDO DESCONHECIDO
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 8,00



TODOS OS PRONUNCIAMENTOS DO PAPA NO BRASIL
EDIÇÕES LOYOLA
LOYOLA
(1980)
R$ 14,00



AS MINAS DO REI SALOMÃO
HENRY RIDER HAGGARD
VIA LEITURA / EDIPRO
(2017)
R$ 39,90



BRINCANDO COM ADIVINHAS
CLAUDIO SCATAMACCHIA
PAULUS
(2006)
R$ 9,90



MALDIVES
JAMES LYON
LONELY PLANET
(1997)
R$ 4,99



A CAPACIDADE PARA GOVERNAR: INFORME AO CLUBE DE ROMA
YEHEZKEL DROR
EDICOES FUNDAP
(1994)
R$ 20,00



TRIÂNGULO VERMELHO
CATHERINE ROUX
OTTO PIERRE
(1980)
R$ 4,24



UMBANDA E MEIO AMBIENTE: AÇÕES SUSTENTÁVEIS E NOVOS PARADGMAS - 1ª ED.
GIOVANI MARTINS
ÍCONE
(2013)
R$ 33,54





busca | avançada
31816 visitas/dia
1,4 milhão/mês