Meu Sagarana | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Waldstein por Andsnes
>>> Festival de Inverno Ouro Preto
>>> Para gostar de ler
>>> Dos livros que li
>>> O legado de Graciliano Ramos
>>> Mané, Mané
>>> Ele é o Rei
>>> Corpos
>>> Dialogando com o público leitor
>>> O fim do futebol-arte?
Mais Recentes
>>> Codependencia Nunca Mais de Melody Beattie pela Best Seller (2024)
>>> Manual de Proteçao Respiratoria de Maurício Torlon/ Antonio Vladimir Vieira pela Abho (2003)
>>> 21 Lições Para O Século 21 de Yuval Noah Harari pela Companhia Das Letras (2020)
>>> O Reino De Moruk de Dimára Guastapaglia pela Do autor (2020)
>>> Como Alimentar Seu Bebê de Sara Lewis pela Marco Zero (1996)
>>> Introduçao A Engenharia Ambiental de Benedito Braga, Ivanildo Hespanhol, João G. Lotufo Conejo, Mário Thadeu L. De Barros, Milton Spencer Veras Junior, Monica F. Do Amaral Porto, Nelson L. R. Nucci, Neusa Monteiro De A. Juliano, Sergio Eiger pela Prentice Hall (2003)
>>> Os Remedios Florais Do Dr. Bach de Dr Edward Bach pela Pensamento (1995)
>>> Poemas Escolhidos De Gregório De Matos de Gregorio De Matos pela Companhia Das Letras - Grupo Cia Das Letras (2024)
>>> A Bruxa Nao Vai Para A Fogueira Neste Livro de Amanda Lovelace pela Leya (2018)
>>> Gandhi - Sua Vida E Mensagem Para O Mundo de Louis Fischer pela Martin Claret (1992)
>>> Tuik - O Amigo Imaginário de Marina Pechlivanis - Mateus Rios pela Formato (2014)
>>> O Hobbit de John Ronald Reuel Tolkien pela Wmf Martins Fontes (2009)
>>> Uyra - O Defensor Do Planeta de Carraro Fernando pela Ftd (2010)
>>> Gestão de Resíduos Sólidos - o Que Diz a Lei de Carlos Roberto Vieira da Silva Filho pela Trevisan (2015)
>>> Química Geral e Reações Químicas - Volume 1 de John C. Kotz - Paul M. Treichel pela Ltc (2002)
>>> Sétimo de Andre Vianco pela Novo Seculo (2009)
>>> O Clube Do Trico de Kate Jacobs - Carolina Mesquita pela Amarilys (2010)
>>> Filhos Do Imperador de Claire Messud pela Nova Fronteira (2008)
>>> Os Acidentes Do Trabalho Na Nova Nr-12 de Valmir Inácio Vieira pela Ltr (2013)
>>> A Batalha Do Labirinto - Percy Jackson E Os Olimpianos Livro 4 de Rick Riordan pela Intrinseca (2010)
>>> Um Buldogue Frances de Ana Paula De Abreu pela Pequeno Viajante (2020)
>>> Avaliação Em Educação Infantil 3 de Mara Krechevsky pela Artmed (2001)
>>> O Trem Contra O Tubarão de Chris Barton pela Paz E Terra (2013)
>>> A Rainha Do Norte de Joana Estrela pela Sesi-sp Editora (2018)
>>> Vygotsky Em Foco de Harry Daniels pela Papirus (1994)
COLUNAS

Terça-feira, 26/11/2019
Meu Sagarana
Renato Alessandro dos Santos
+ de 3000 Acessos

Terminei de ler Sagarana faz dois anos. Foram semanas dedicadas às novelas - e, não, em sua maioria, contos, como lembra Paulo Rónai; também não foi - cada uma - nenhum bicho de sete cabeças. Nada disso. Pelo contrário; no meu caso, a cada semana, meus alunos leram uma estória (vai) de Sagarana e, para discuti-las com eles, fui lendo também, e, então, a peleja chegou ao fim. Peleja no bom sentido, porque Sagarana é um livro fantástico - e o sobrenatural também faz parte da obra; no caso, o mesmo insólito das literaturas africanas de língua portuguesa, e não sei se você sabe, mas Mia Couto é leitor de longa data de Rosa.



Sagarana é um livro fantástico porque estão ali o corpo e a alma da arte, como João queria; e mais: um livro a deixar no leitor vontade de querer ler mais Rosa. E dele, o autor sabia-o ser coisa grande: “Mirrado pé de couve, seja, o livro fica sendo, no chão de seu autor, uma árvore velha, capaz de transviá-lo e de o fazer andar errado, se tenta alcançar-lhe os fios extremos no labirinto das raízes”, escreveu, em carta a João Condé. “Graças a Deus, tudo é mistério”, completou, e esse “tudo é mistério” é, embaixo ou em cima da terra, uma literatura de ramificações profundas.

Pena é que nem todos os alunos conseguiram acompanhar os passos do autor. São leitores que cresceram em um ambiente em que os pais leem ou, ao menos, incentivam a leitura dos filhos. O que houve, então? Houve o que há toda vez que alguém é obrigado a fazer algo que não quer (tipo ler Rosa para o vestibular). Certo. Mas Mayombe e Minha vida de menina, ambos na lista atual da Fuvest, encontram lugar afetivo no coração das leituras feitas a contragosto pelo vestibulando. O que aconteceu, então?

O léxico, a maneira inusitada de narrar, a quantidade de “subistórias” que cada novela traz... Em questão de parágrafos, tudo pode ir de mérito a demérito aos leitores apressados que não encontrarão diversão, mas um carrossel de cavalinhos enfastiados.

Quem sente a língua roçando os ouvidos, numa leitura silenciosa, sabe que Sagarana é esse fluxo de linguagem em que, de maneira rebelde, o português está mais para, na escrita, ser falado, do que o contrário. “Além dos estados líquidos e sólidos, por que não tentar trabalhar a língua também em estado gasoso?!”, escreveu Rosa a João Condé, na mesma carta; e esse estado gasoso, grifado pelo autor em itálico, é de uma coerência com a proposta desejada por ele que, a meu ver, só consigo pensar no que fez Mark Twain em As aventuras de Huckleberry Finn ou Jack Kerouac em On the Road, obras que, como Sagarana, poderiam ser lidas em voz alta, porque nos três autores a mesma preocupação houve: ouvir a prosódia da língua, numa melopeia rebelde e regional que assusta os normativos gramáticos e os vestibulandos também. Voltando aos alunos, para, em seguida, tratar de algumas novelas, gostaria de saber por que nenhum editor não fez até hoje uma edição ilustrada de Sagarana. Por quê? Falo de algo como uma ilustrada edição de O código Da Vinci, que vi certa vez numa livraria. Heresia? Imagino que Rosa, agora, por essa associação inusitada ao [The] Da Vinci code, no túmulo esteja a convocar ele, “o arranca-toco, o treme-terra, o come-brasa, o pega-à-unha, o fecha-treta, o tira-prosa, o parte-ferro, o rompe-racha, o rompe-e-arrasa”; sim, ninguém menos que Seu Joãozinho Bem-Bem, para me dar uma lição.

Mas Seu Rosa, argumento eu, nesses tempos de Facebook, Instagram, pornografia on-line, dar o braço para ser torcido não é o pior dos males. Veja meu exemplo: lá pelas tantas de seu livro admirável leio a palavra aroeira, e eu, que não cresci na roça, embora a roça esteja em mim, me vi perguntando se aroeira seria bicho ou árvore, e agora sei, porque no mesmo instante o Google Imagens me ajudou. Dois pra lá, dois pra cá, penso se uma obra ilustrada, que pudesse trazer algo assim aos leitores - ou a todos os citadinos leitores - não seria uma boa ideia. Não seria? Desculpe, meu Rosa, era isso que, sem querer ofender, quis sugerir. Não penso em literatura como um álbum de figurinhas, mas me dói ver a molecada, à beira do vestibular, e mesmo outros leitores, maduros e impacientes, sem dar a você, ou melhor, ao seu livro, o lugar merecido que ele deveria ter, porque Sagarana é um dilúvio; é um espanto; é coisa que, na literatura do mundo, deveria figurar mais, muito mais, no coração e na imaginação dos leitores do que ocupar o lugar que mantém, na estante, ao lado dos grandes clássicos de todas as línguas.

E que tal agora um mergulho no rio?

Este texto, ou qualquer outro, não consegue dar ao leitor o que é uma experiência de leitura realizada nas trincheiras, ali, no dia a dia, a cada virar de folha ou a cada rolar vertical de página do tablet, enquanto sentados ou em pé esse universo rústico, caipira, telúrico de Rosa, materializa-se em narração e em imagens. Paulo Rónai, em 1946, escreveu também sobre Sagarana e, ao final, “chegando ao fim destas breves considerações”, comentou, “percebemos o que elas têm de ilusório”, concluindo que “o exame unilateral de um livro tão rico de conteúdos e significações como este há de deixar uma impressão falsa”.

É indiscutível. Toda grande obra revela-se em miniatura, isto é, no que de individual traz de universal, e em Sagarana a natureza humana, de dentro para fora, é recolhida, esmiuçada, compreendida. Assim, de trás para frente, que dizer do que passa Nhô Augusto Matraga? O sofrimento de Édipo é universal, porque transamos com nossa mãe e matamos nosso pai? Não, mas porque reconhecemos no gente-boa Édipo o joguete do destino que ele é - algo por que passa Augusto, naquela redenção crescente que se desencadeia dentro dele até alcançar a sua hora e vez derradeira; com Rosa, os personagens se transfiguram, e a via crucis de Matraga é o voo literário mais alto pilotado pelo autor no livro; e, em Sagarana, os personagens também se transfiguram. O sofrimento dos bois, com a visão de mundo que eles têm, traz a dor de quem leva vida de gado, em “Conversa de bois”; a opressão que cai sobre o cândido casca grossa Manuel Flor também é nossa, e mais ainda de quem bulling já sofreu diante desses valentões de vida manca, como lá em “Corpo fechado”; que dizer da cegueira repentina por que passa José, quando o relógio completa todo um círculo e continua, mas sem que o mundo possa ser visto, ou enxergado, ou melhor, reparado, como em “São Marcos”? E o galizé incapaz de conquistar o coração de sua prima, Maria Irma, em “Minha gente”? A relação de gato e rato, com aquele desfecho surpreendente entre Turíbio Todo e Timpim Vinte e Um, compadre de Cassiano Gomes, em “Duelo”? A humana natureza vista por olhos lacrimejantes e cheios de sezão, maleita mesmo, dos dois primos em “Sarapalha”? A lábia malandra, pícara, de Lalino Salãthiel, que arrenda a esposa e comete todas as lúbricas imprudências inimagináveis, longe de casa - e com aquele começo musical de “A volta do marido pródigo”: “Nove horas e trinta. Um cincerro tilinta. É um burrinho, que vem sozinho, puxando o carroção. Patas em marcha matemática, andar consciencioso e macio, ele chega, de sobremão” - hein? Que dizer disso? Por fim, ainda de trás para frente, “O burrinho pedrês”, primeira novela de Sagarana. O que escrever sobre ela? Dizer que aquele jumentinho, mulinho, jeguinho listrado tão já passado da hora, tal um velhinho desprovido de respeito e de admiração, mostra a todos que a hora e vez de um burrinho pedrês há de chegar, como uma epifania.

Enfim, arte, em corpo e alma, João fez.

(E aquele “hein, João”, ao fim de “Matraga”? Sempre tive a impressão de que Rosa dá uma piscadela a si mesmo, ali, naquela passagem ao fim do livro.)

E agora?

Agora, Grande sertão: veredas.


Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).

Nota do Editor
Leia também o Especial Guimarães Rosa. E, para Livros de Guimarães Rosa, consulte o Portal dos Livreiros.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 26/11/2019

Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) - 24/9/2019
02. Meu Telefunken - 16/7/2019
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
05. De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho - 21/5/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Adormecida
Anna Sheehan
Leya
(2012)



Castro Alves Em São Paulo e Em Sua Faculdade de Direito
R. Limongi França
Oliveira Mendes
(1997)



Understanding Women - The Definitive Guide to Meeting, Dating and Dumping, If Necessary
Romy Miller
The Book Factory
(2004)



De frente com a verdade
Mônica de Castro
Vida & Consciência
(2011)



Dilema Mortal
Nora Roberts
Bertrand Brasil
(2012)



Livro Literatura Estrangeira As Vinhas da Ira Volume 1
John Steinbeck
Abril Cultural
(1982)



Desenvolvimento gerencial na administração pública do Estado de São Paulo
Organizadoras Lais Macedo de Oliveira, Maria Cristina Costa Pinto Galvão; autores Alberto Brito...[et al.].
Fundap
(2009)



A Essência Da Meditação
Martin Claret
Martin Claret
(1998)



Agaguk - Vol. 26
Yves Theriault
Delprado
(2015)



Livro Religião Para o Dia Nascer Feliz
José Carlos de Lucca
Petit
(2003)





busca | avançada
66543 visitas/dia
2,1 milhões/mês