Meu Sagarana | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
>>> Videogame também é cultura
Mais Recentes
>>> Os Imortais da Literatura - Viagens de Gulliver - Volume 22 de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Free - the Past and Future of a Radical Price de Chris Anderson pela Hyperion (2009)
>>> Por Que os Homens Amam as Mulheres Poderosas? de Sherry Argov; Simone Reisner pela Sextante (2009)
>>> O Que São Empregos e Salários de Paulo Renato Souza pela Brasiliense (1989)
>>> Também Sou Teu Povo, Senhor - Coleção Deus Conosco de Lydia das Dores Defilippo pela Vozes (2006)
>>> Guia de Tintos & Brancos de Saul Galvão pela Códex (2004)
>>> O Poder Erótico: Diário e Cartas de Cristina Vasa , Rainha da Suécia, e do Padre Antônio Vieira de Gloria Kaiser pela Reler (2012)
>>> Filho Teu Não Foge a Luta de Fellipe Awi pela Intrínseca (2012)
>>> Casamento - Término e Rescontrução de Maria Tereza Moldonado pela Vozes (1987)
>>> O Poder Erótico: Diário e Cartas de Cristina Vasa , Rainha da Suécia, e do Padre Antônio Vieira de Gloria Kaiser pela Reler (2012)
>>> O Poder do Pensamento de Emmet Fox pela Pensamento
>>> Contabilidade de Custos - um Enfoque Direto e Objetivo de Silvério das Neves pela Saraiva (2013)
>>> Moderna Plus Literatura - Aprova Enem de José Gabriel Arroio e Outros pela Moderna (2015)
>>> Pele de Alessio Di Pascucci 1ª Ed. pela Sabep (2007)
>>> Ser Protagonista - Biologia - Caderno de Revisão de Edições Sm pela Edições Sm (2014)
>>> O Livro dos Amores de Gabriel Chalita pela Companhia nacional (2006)
>>> O Novo Brasil de Albert Fishlow pela Saint Paul (2011)
>>> Manual da Redação de Folha de S. Paulo pela Publifolha (2007)
>>> O Homem Mais Procurado de John Le Carré pela Record (2010)
>>> Sob o Olhar de Deus de Malba Tahan pela Conquista
>>> A Conexão Casa Branca de Jack Higgins pela Record (2001)
>>> Homeopatia - Ciência e Cura de George Vithoulkas pela Círculo do Livro (1981)
>>> Estresse Livre Se Dele de Vera Peiffer pela Butterfly (2007)
>>> A Viagem Marítima da Família Real: A transferência da corte portuguesa para o Brasil de Kenneth Light pela Zahar (2008)
>>> Principio da Administração Financeira de Lowrence J Gitman pela Harbra (1987)
COLUNAS

Terça-feira, 26/11/2019
Meu Sagarana
Renato Alessandro dos Santos

+ de 2500 Acessos

Terminei de ler Sagarana faz dois anos. Foram semanas dedicadas às novelas - e, não, em sua maioria, contos, como lembra Paulo Rónai; também não foi - cada uma - nenhum bicho de sete cabeças. Nada disso. Pelo contrário; no meu caso, a cada semana, meus alunos leram uma estória (vai) de Sagarana e, para discuti-las com eles, fui lendo também, e, então, a peleja chegou ao fim. Peleja no bom sentido, porque Sagarana é um livro fantástico - e o sobrenatural também faz parte da obra; no caso, o mesmo insólito das literaturas africanas de língua portuguesa, e não sei se você sabe, mas Mia Couto é leitor de longa data de Rosa.



Sagarana é um livro fantástico porque estão ali o corpo e a alma da arte, como João queria; e mais: um livro a deixar no leitor vontade de querer ler mais Rosa. E dele, o autor sabia-o ser coisa grande: “Mirrado pé de couve, seja, o livro fica sendo, no chão de seu autor, uma árvore velha, capaz de transviá-lo e de o fazer andar errado, se tenta alcançar-lhe os fios extremos no labirinto das raízes”, escreveu, em carta a João Condé. “Graças a Deus, tudo é mistério”, completou, e esse “tudo é mistério” é, embaixo ou em cima da terra, uma literatura de ramificações profundas.

Pena é que nem todos os alunos conseguiram acompanhar os passos do autor. São leitores que cresceram em um ambiente em que os pais leem ou, ao menos, incentivam a leitura dos filhos. O que houve, então? Houve o que há toda vez que alguém é obrigado a fazer algo que não quer (tipo ler Rosa para o vestibular). Certo. Mas Mayombe e Minha vida de menina, ambos na lista atual da Fuvest, encontram lugar afetivo no coração das leituras feitas a contragosto pelo vestibulando. O que aconteceu, então?

O léxico, a maneira inusitada de narrar, a quantidade de “subistórias” que cada novela traz... Em questão de parágrafos, tudo pode ir de mérito a demérito aos leitores apressados que não encontrarão diversão, mas um carrossel de cavalinhos enfastiados.

Quem sente a língua roçando os ouvidos, numa leitura silenciosa, sabe que Sagarana é esse fluxo de linguagem em que, de maneira rebelde, o português está mais para, na escrita, ser falado, do que o contrário. “Além dos estados líquidos e sólidos, por que não tentar trabalhar a língua também em estado gasoso?!”, escreveu Rosa a João Condé, na mesma carta; e esse estado gasoso, grifado pelo autor em itálico, é de uma coerência com a proposta desejada por ele que, a meu ver, só consigo pensar no que fez Mark Twain em As aventuras de Huckleberry Finn ou Jack Kerouac em On the Road, obras que, como Sagarana, poderiam ser lidas em voz alta, porque nos três autores a mesma preocupação houve: ouvir a prosódia da língua, numa melopeia rebelde e regional que assusta os normativos gramáticos e os vestibulandos também. Voltando aos alunos, para, em seguida, tratar de algumas novelas, gostaria de saber por que nenhum editor não fez até hoje uma edição ilustrada de Sagarana. Por quê? Falo de algo como uma ilustrada edição de O código Da Vinci, que vi certa vez numa livraria. Heresia? Imagino que Rosa, agora, por essa associação inusitada ao [The] Da Vinci code, no túmulo esteja a convocar ele, “o arranca-toco, o treme-terra, o come-brasa, o pega-à-unha, o fecha-treta, o tira-prosa, o parte-ferro, o rompe-racha, o rompe-e-arrasa”; sim, ninguém menos que Seu Joãozinho Bem-Bem, para me dar uma lição.

Mas Seu Rosa, argumento eu, nesses tempos de Facebook, Instagram, pornografia on-line, dar o braço para ser torcido não é o pior dos males. Veja meu exemplo: lá pelas tantas de seu livro admirável leio a palavra aroeira, e eu, que não cresci na roça, embora a roça esteja em mim, me vi perguntando se aroeira seria bicho ou árvore, e agora sei, porque no mesmo instante o Google Imagens me ajudou. Dois pra lá, dois pra cá, penso se uma obra ilustrada, que pudesse trazer algo assim aos leitores - ou a todos os citadinos leitores - não seria uma boa ideia. Não seria? Desculpe, meu Rosa, era isso que, sem querer ofender, quis sugerir. Não penso em literatura como um álbum de figurinhas, mas me dói ver a molecada, à beira do vestibular, e mesmo outros leitores, maduros e impacientes, sem dar a você, ou melhor, ao seu livro, o lugar merecido que ele deveria ter, porque Sagarana é um dilúvio; é um espanto; é coisa que, na literatura do mundo, deveria figurar mais, muito mais, no coração e na imaginação dos leitores do que ocupar o lugar que mantém, na estante, ao lado dos grandes clássicos de todas as línguas.

E que tal agora um mergulho no rio?

Este texto, ou qualquer outro, não consegue dar ao leitor o que é uma experiência de leitura realizada nas trincheiras, ali, no dia a dia, a cada virar de folha ou a cada rolar vertical de página do tablet, enquanto sentados ou em pé esse universo rústico, caipira, telúrico de Rosa, materializa-se em narração e em imagens. Paulo Rónai, em 1946, escreveu também sobre Sagarana e, ao final, “chegando ao fim destas breves considerações”, comentou, “percebemos o que elas têm de ilusório”, concluindo que “o exame unilateral de um livro tão rico de conteúdos e significações como este há de deixar uma impressão falsa”.

É indiscutível. Toda grande obra revela-se em miniatura, isto é, no que de individual traz de universal, e em Sagarana a natureza humana, de dentro para fora, é recolhida, esmiuçada, compreendida. Assim, de trás para frente, que dizer do que passa Nhô Augusto Matraga? O sofrimento de Édipo é universal, porque transamos com nossa mãe e matamos nosso pai? Não, mas porque reconhecemos no gente-boa Édipo o joguete do destino que ele é - algo por que passa Augusto, naquela redenção crescente que se desencadeia dentro dele até alcançar a sua hora e vez derradeira; com Rosa, os personagens se transfiguram, e a via crucis de Matraga é o voo literário mais alto pilotado pelo autor no livro; e, em Sagarana, os personagens também se transfiguram. O sofrimento dos bois, com a visão de mundo que eles têm, traz a dor de quem leva vida de gado, em “Conversa de bois”; a opressão que cai sobre o cândido casca grossa Manuel Flor também é nossa, e mais ainda de quem bulling já sofreu diante desses valentões de vida manca, como lá em “Corpo fechado”; que dizer da cegueira repentina por que passa José, quando o relógio completa todo um círculo e continua, mas sem que o mundo possa ser visto, ou enxergado, ou melhor, reparado, como em “São Marcos”? E o galizé incapaz de conquistar o coração de sua prima, Maria Irma, em “Minha gente”? A relação de gato e rato, com aquele desfecho surpreendente entre Turíbio Todo e Timpim Vinte e Um, compadre de Cassiano Gomes, em “Duelo”? A humana natureza vista por olhos lacrimejantes e cheios de sezão, maleita mesmo, dos dois primos em “Sarapalha”? A lábia malandra, pícara, de Lalino Salãthiel, que arrenda a esposa e comete todas as lúbricas imprudências inimagináveis, longe de casa - e com aquele começo musical de “A volta do marido pródigo”: “Nove horas e trinta. Um cincerro tilinta. É um burrinho, que vem sozinho, puxando o carroção. Patas em marcha matemática, andar consciencioso e macio, ele chega, de sobremão” - hein? Que dizer disso? Por fim, ainda de trás para frente, “O burrinho pedrês”, primeira novela de Sagarana. O que escrever sobre ela? Dizer que aquele jumentinho, mulinho, jeguinho listrado tão já passado da hora, tal um velhinho desprovido de respeito e de admiração, mostra a todos que a hora e vez de um burrinho pedrês há de chegar, como uma epifania.

Enfim, arte, em corpo e alma, João fez.

(E aquele “hein, João”, ao fim de “Matraga”? Sempre tive a impressão de que Rosa dá uma piscadela a si mesmo, ali, naquela passagem ao fim do livro.)

E agora?

Agora, Grande sertão: veredas.


Nota do Autor
Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).

Nota do Editor
Leia também o Especial Guimarães Rosa. E, para Livros de Guimarães Rosa, consulte o Portal dos Livreiros.


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 26/11/2019


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A pós-esquerda identitária e grupalista de Luis Dolhnikoff
02. Notas confessionais de um angustiado (VII) de Cassionei Niches Petry
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. Prólogo. Sem Alarde de Heloisa Pait
04. Alice in Chains, por David De Sola de Luís Fernando Amâncio
05. O cinema de Weerasethakul de Guilherme Carvalhal


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. A forca de cascavel — Angústia (Fuvest) - 24/9/2019
02. Meu Telefunken - 16/7/2019
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
05. K 466 - 26/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cómo Administrar Mejor Su Tiempo: Estrategias a partir de objetivos y prioridades
Francois Gamonnet
Granica
(2010)



A Entrevista
Shana Gray
Gutenberg
(2017)



Manual de Direito do Trabalho
Pedro Thaumaturgo Soriano de Mello
Cejup
(1990)



História Pré-colonial do Brasil
Ivan Alves Filho (coord.)
Europa



Frommers Nova York - Guia de Bolso
Brian Silverman
Alta Books
(2009)



Cabelo - a Moldura do Seu Corpo
Sônia Corazza
Ediouro
(2008)



Serviço Social & Sociedade 32 - Ano XI Maio 1990
Vários Autores
Cortez
(1990)



Bio 3 - Caderno de Estudos / Revisão
Sônia Lopes / Sergio Rosso
Saraiva
(2018)



Pastoral da Inclusão
Luiz Carlos Dutra
Loyola
(2006)



Ao Longo do Caminho
Laura Sandroni
Moderna
(2003)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês