Tecnossauros rex | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/10/2009
Tecnossauros rex
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2900 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já vou avisando que este texto é uma resenha. Assim já economizo o tempo do leitor on-line, que, dizem, está sempre apressado, prestes a pular de e-galho em e-galho. Esta é uma resenha para a gente ler lembrando, pensando, "levantando a cabeça", como dizia aquele semiologista francês.

Sinto profunda tristeza quando percebo que demorei demais para ler um livro que é interessante. Sinal de que a vida escorre e meu tempo tem sido controlado pela vontade alheia. Isso me deixa pau da vida. Vai dando uma angústia danada e aí vejo que estou com torcicolo e problemas intestinais. O negócio todo é que o tempo é precioso, mas ele precisa ser bem-administrado. Se a vida vai levando, é mau sinal.

Os últimos meses foram assim. Eu colocava um livro na cabeceira, na esperança de que a leitura fosse doce. Não é à-toa que preencho a superfície do meu criado-mudo com coisas pelas quais tenho carinho. Não é o mesmo que ler um livro para estudar ou para procurar informação. É outra coisa. É um garimpo mais desinteressado. Uma chance para a surpresa. Quando vou até a estante procurar um livro para pôr na cabeceira, em geral, é porque vou depositar nele uma dedicação diferenciada. No entanto, quando são obras interessantes, penso que elas passarão pouco tempo ali ao lado do rádio-relógio (alguém ainda tem isso?).

Com A extinção dos tecnossauros (Unicamp, 2008, 320 págs.) foi assim. Comprei o livro durante o último congresso da Intercom, em Curitiba, num dos paradisíacos estandes de livrarias que estavam lá. Nesses eventos, a gente costuma achar coisas que não acharia em qualquer lugar, obras de editoras que se distribuem mal, bons livros focados no assunto que a gente quer.

A capa verde e vermelho não me apeteceu. Lembrava, não por acaso, toalha de mesa de pizzaria. Mas a segunda orelha já explicava: Nicola Nosengo, o autor, é italiano, um jovem italiano, diga-se, envolvido em divulgação científica e em jornalismo.

Em 320 páginas, Nosengo passa por uma série de "tecnossauros" conhecidos de algumas gerações de pessoas e já desconhecidos de outras. Alguém se lembra das fitas Betamax? Eu mesma me lembro vagamente deste nome. Tenho mais firme na lembrança o dia em que meu avô, um tecnófilo surpreendente, comprou o primeiro videocassete da família. Era um daqueles que tinham a entrada da fita (VHS) por cima, e não pela frente.

Nosengo trata de uma série de dispositivos (e suas tecnologias) que não chegaram a dar certo, muito embora tivessem, por algum momento, essa chance. Por quê? Por que umas máquinas "colam", e outras, não? Nosengo tenta mostrar (mais do que explicar) por que razões é impossível prever que aceitação ou que apropriação as tecnologias terão quando chegarem às ruas. Às vezes, antes mesmo de chegarem lá.

Como somos ingênuos! Por que razão algumas coisas se tornam fáceis de achar, e outras, não? Que acordos há entre fabricantes para que haja definições sobre este e aquele padrão tecnológico? Os acordos da Phillips com a Sony são protagonistas deste livro que narra diversas histórias de fracasso e de quase sucesso.

Alguém já viu funcionar o correio pneumático? Só mesmo lendo A extinção dos tecnossauros para ver como podia ser isso. Um extenso cabeamento debaixo da terra que levava encomendas a vácuo, por longas distâncias. E existiu! E os carros elétricos? Por que não existem ainda, de fato, rodando nas ruas? Que interesses e desinteresses há nisso? E o sonho de voar? De onde veio, onde estacionou e para onde deveria ter ido?

Guardo comigo algumas dezenas de discos de vinil. Muito embora tenha aderido completamente ao CD, sem fazer qualquer resistência (ao contrário de meu pai), me denuncio toda vez que converso com alguém sobre música. Outro dia, disse a alguém: "gostei muito do último disco do Lenine". Logo a pessoa fez cara de estranhamento: "disco"? Vi logo que a palavra não era ordinária. Sim, disco. Para mim, os artistas ainda lançam discos. Nosengo vai fundo nessa história, mostrando a saga do CD em relação ao disco e tentando mostrar por que o CD "deu certo" e terminou por quase substituir o disco de vinil.

E a fita cassete? Dessa tenho saudades. Havia dezenas delas dentro de meu carro até há pouco tempo. Depois que vendi meu Gol com toca-fita e tudo, perdi também minhas fitas, que ficaram presas no portal do tempo pós-CD player. Uma lástima. Nosengo recupera parte da história das fitas cassete, que foram o dispostivo mais vendido do mundo para gravar e ouvir música.

Das máquinas que ele cita, a que mais me traz boas lembranças é a máquina de escrever. Aprendi nela a batucar teclados e a escrever com as duas mãos. Cheguei a ganhar uma Olivetti de aniversário (portátil, claro, e está ali em cima da estante) e a cobiçar a Hermes Baby do meu pai, que não apenas era portátil (vinha com malinha) como também imitava letra cursiva. Um espetáculo. Hoje estamos aqui todos escrevendo nas mesmas plataformas padronizadas, que é outro dos temas de Nicola Nosengo.

Mais além, A extinção dos tecnossauros menciona a aventura do teclado QWERTY e as razões que ele tinha (e tem) para não ser a melhor coisa do mundo. No entanto, está ele aí, sob seus dedos, firme e forte. Dê uma olhadela nas primeiras seis letras do teclado de computador em que você escreve. O que você leu? QWERTY? É ele mesmo. E sabe por que essas letras estão (ainda) nessa posição? Nosengo explica.

Sou uma jovem pesquisadora interessada em pessoas e em novas tecnologias. Sou mesmo. Tenho investido precisos momentos da minha vida nisso. No entanto, acho uma graça viver neste exato momento a transição de coisas tão importantes. A meu ver, não se pode esquecer de olhar para trás de vez em quando. Tenho muita preguiça de deslumbramento. Fala-se em novas tecnologias com tal paixão que fico a pensar: meu Deus, mãe Diná não faria melhores previsões. Isto vai acabar, aquilo vai sobressair. Nosengo toca nessa ferida, ao dizer que essas coisas são inexplicáveis e dependem de complexas redes de motivos e necessidades. Incontroláveis, diga-se, e, por vezes, incontornáveis.

Acho um privilégio ter passado alguns anos batucando a máquina de escrever do meu pai. Era pesado, deixava a folha manchada, mas era uma experiência e tanto. Morro de inveja das pessoas que conheceram editoras de livros quando a arte final era feita sem máquinas. Que coisa incrível fazer tudo aquilo sem softwares! Fico meio entediada com a padronização excessiva das plataformas atuais. Alguns vão dizer que é ciência, é usabilidade, outros, como Nosengo, sugerem que há muito mais do que isso para justificar a "vitória" de um padrão sobre outros ou sobre a diversidade. As revistas acadêmicas que o digam. Fico entediada com aquela aparência de quem aderiu ao SEER. É claro que isso é bacana, facilita, barateia, aumenta as chances de leigos lidarem com publicações, mas é tão monótono.

A extinção dos tecnossauros é um livro curioso e bem-humorado. Não é ciência, mas não é só reportagem sobre curiosidades. Fiquei bem satisfeita ao revisitar esse Jurassic Park das tecnologias.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
02. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
03. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
04. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
05. O túmulo do pássaro de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/10/2009
10h45min
Fiquei morrendo de vontade de ler esse livro, a parte boa dos congressos é isso também: encontrar preciosidades. Por mais que eu não tenha vivido essa época ainda me lembro de algumas coisas de minha infância =] (E também fico mal quando demoro para ler um livro realmente bom!)
[Leia outros Comentários de Silvia Caroline ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MENINO DO TRIÂNGULO IMAGENS E HISTÓRIAS DE ARARAS
JOSÉ CARLOS VICTORELLO
NESTLÉ
(1996)
R$ 100,00



ENCICLOPÉDIA ILUSTRADA DA CIÊNCIA
VÁRIOS
GLOBO
(1993)
R$ 15,00



O LIVRO DOS ESPÍRITOS
ALLAN KARDEC
INSTITUTO DE DIFUSÃO ESPÍRITA
(1983)
R$ 5,00



ESTRUTURA ELETRÔNICA & LIGAÇÃO QUIMICA
DONALD K SEBERA
POLÍGONO
(1968)
R$ 18,00



A VAGA DE CALOR
URBANO TAVARES RODRIGUES
PUBLICAÇÕES EUROPA - AMÉRICA
(1986)
R$ 15,63



HISTÓRIAS SOBRE ÉTICA
MARISA LAJOLO (COORD)
ÁTICA
(2000)
R$ 30,00



O BUROCRATA E O PRESIDENTE
AFONSO OLIVEIRA DE ALMEIDA
GERAÇÃO
(2011)
R$ 21,00



AS AVENTURAS DO CAÇA-FEITIÇO - A MALDIÇÃO
JOSÉ DELANEY
BERTRAND
(2010)
R$ 45,00



A FADA AFILHADA
MÁRCIO VASSALLO; BEBEL CALLAGE
SALAMANDRA
(2001)
R$ 20,00



BEIJINHO BEIJA FLOR
ADEILSON SALLES
FEB
(2010)
R$ 12,00





busca | avançada
42881 visitas/dia
1,2 milhão/mês