Tecnossauros rex | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Por vocêw por mim no Vietnã de Ferreira Guller pela Sped
>>> Mussolini I Unleahed 1939-1941 de Mac Gregor Knor pela Cambridge (1986)
>>> Itajaí - Imagens e Memórias de Lindinalva Deóla da Silva pela Fundação Genèsio Miranda Li (1995)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Atentados políticos: de César a Kennedy de Paulo Matos Peixoto pela Paumape (1990)
>>> Para gostar de Ler - Crônicas vol.1 de Carlos D. de Andrade, Fernando Sabino, Paulo M. Campos e Rubem Braga pela Ática (1999)
>>> Fendas Urbanas de Luiz Antonio de Queiroz pela Ofício das Palavras (2008)
>>> Quatro Mitos Brasileiros de Monica Stahel pela Martins Fontes (2003)
>>> Entretempo de Antonio Fantinato pela Topbooks (2008)
>>> A Casa de Babylônia: Estudo da Habitação Rural no Interior de São P... de Andrea Piccini pela Annablume (1996)
>>> Zupt...o Amigo do Peito de Stella Cobra Muraça pela Edicon (1997)
>>> Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias - Biologia de Escola da Juventude pela FDE
>>> Ciências humanas e suas tecnologias - Geografia de Escola da Juventude pela FDE
>>> A Resistível Ascensão do Boto Tucuxi de Márcio Souza pela Marco Zero (1982)
>>> Beijos Engolidos de Jurandir Pinoti pela Ssua (2007)
>>> Rita Você-é-um-doce de Telma Guimarães Castro Andrade pela Atual (1993)
>>> Grandeur et Servitude Patton de Ladislas Farago pela Stock (1963)
>>> A Ponte para o Passado de Ivan Jaf pela Atual (1993)
>>> Amazônia de Alan Oliveira pela Saraiva (1999)
>>> Auto do Frade: poema para vozes de João Cabral de Melo Neto pela Nova Fronteira (1984)
>>> Armada América: Relatos Sobre a Inquietudo do Império de Fernando Monteiro pela Francis (2003)
>>> A História de Lalo de Júlio Emílio Braz pela Saraiva (2003)
>>> Açúcar Amargo de Luiz Puntel pela Ática (1994)
>>> Malika Oufkir Prisioneira do Rei de Malika Oufkir e Michele Fitoussi pela Companhia das letras (2000)
>>> A Vaca Voadora de Edy Lima pela Global (2002)
>>> A noite da grande magia branca de Simone Sauaressig pela Kuarup (1991)
>>> Sol-solaris de Heloisa Helena Troncarelli pela Edicon (1985)
>>> A Caminho... Apelo À Pesquisa N. 2 - Jan / Dez. 2004 de Diversos Autores pela Ceuclar (2004)
>>> Revista do Centro Universitário Claretiano - N. 3 - Jan / Dez. 2003 de Diversos Autores pela Ceuclar (2003)
>>> A sombra da Águia de Mark Hertsgaard pela Record (2003)
>>> Contos Como Eu Conto de Jurema Waack pela Ônix (2008)
>>> O mistério da Casa Verde de Moacyr Scliar pela Ática (2002)
>>> Contos Escolhidos de I. L. Peretz pela Rampa (1950)
>>> Quero Ternura de Mãos Se Encontrando: de árabes e Judeus, de Branco... de Celso Barroso pela Independente (1978)
>>> Tem Carta pra Mim? de Fanny Abramovich pela Scipione (1994)
>>> Do arquivo e da memória: fatos, personagens e reflexões sobre o sio... de Samuel Malamud pela Bloch (1983)
>>> Qual é o Seu Preconceito Preferido? de Carlos Augusto M. F. da Silva pela Ateniense (1991)
>>> Serões de Dona Benta e História das Invenções de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1950)
>>> A Câmara das Pedras Fendidas de J. W. Seixas Santos pela Conan (1994)
>>> A Mesa do Silêncio - Dedicatória e Autógrafo de Armindo Trevisan pela Lpm (1982)
>>> A Cidade Reinventa a Democracia de Ademar José Becker pela Corag (2000)
>>> Quem Nasceu para Cintilante Nunca Chega a Francesinha de Magali Moraes pela Sulina (2002)
>>> Auschwitz Altar do Capitalismo de Cultura Vozes pela Vozes (1995)
>>> Fronteira Inclemente de Brasil Dubal pela Iel (1976)
>>> A represa / Suburbana de Maria Helena Khüner e Celso Antonio da Fonseca pela Funarte (1980)
>>> O Folclore da Caixa: Contos de Antenor Pimenta Madeira e Outros pela Caixa (1984)
>>> Do Simbólico ao Virtual de Jorge Lúcio de Campos pela Perspectiva (1990)
>>> A Linguagem no Pensamento e na Ação de S. I. Hayakawa pela Pioneira (1963)
>>> As Alegres Comadres de Windsor e a Megera Domada de William Shakespeare pela Edições de Ouro (1966)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/10/2009
Tecnossauros rex
Ana Elisa Ribeiro

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já vou avisando que este texto é uma resenha. Assim já economizo o tempo do leitor on-line, que, dizem, está sempre apressado, prestes a pular de e-galho em e-galho. Esta é uma resenha para a gente ler lembrando, pensando, "levantando a cabeça", como dizia aquele semiologista francês.

Sinto profunda tristeza quando percebo que demorei demais para ler um livro que é interessante. Sinal de que a vida escorre e meu tempo tem sido controlado pela vontade alheia. Isso me deixa pau da vida. Vai dando uma angústia danada e aí vejo que estou com torcicolo e problemas intestinais. O negócio todo é que o tempo é precioso, mas ele precisa ser bem-administrado. Se a vida vai levando, é mau sinal.

Os últimos meses foram assim. Eu colocava um livro na cabeceira, na esperança de que a leitura fosse doce. Não é à-toa que preencho a superfície do meu criado-mudo com coisas pelas quais tenho carinho. Não é o mesmo que ler um livro para estudar ou para procurar informação. É outra coisa. É um garimpo mais desinteressado. Uma chance para a surpresa. Quando vou até a estante procurar um livro para pôr na cabeceira, em geral, é porque vou depositar nele uma dedicação diferenciada. No entanto, quando são obras interessantes, penso que elas passarão pouco tempo ali ao lado do rádio-relógio (alguém ainda tem isso?).

Com A extinção dos tecnossauros (Unicamp, 2008, 320 págs.) foi assim. Comprei o livro durante o último congresso da Intercom, em Curitiba, num dos paradisíacos estandes de livrarias que estavam lá. Nesses eventos, a gente costuma achar coisas que não acharia em qualquer lugar, obras de editoras que se distribuem mal, bons livros focados no assunto que a gente quer.

A capa verde e vermelho não me apeteceu. Lembrava, não por acaso, toalha de mesa de pizzaria. Mas a segunda orelha já explicava: Nicola Nosengo, o autor, é italiano, um jovem italiano, diga-se, envolvido em divulgação científica e em jornalismo.

Em 320 páginas, Nosengo passa por uma série de "tecnossauros" conhecidos de algumas gerações de pessoas e já desconhecidos de outras. Alguém se lembra das fitas Betamax? Eu mesma me lembro vagamente deste nome. Tenho mais firme na lembrança o dia em que meu avô, um tecnófilo surpreendente, comprou o primeiro videocassete da família. Era um daqueles que tinham a entrada da fita (VHS) por cima, e não pela frente.

Nosengo trata de uma série de dispositivos (e suas tecnologias) que não chegaram a dar certo, muito embora tivessem, por algum momento, essa chance. Por quê? Por que umas máquinas "colam", e outras, não? Nosengo tenta mostrar (mais do que explicar) por que razões é impossível prever que aceitação ou que apropriação as tecnologias terão quando chegarem às ruas. Às vezes, antes mesmo de chegarem lá.

Como somos ingênuos! Por que razão algumas coisas se tornam fáceis de achar, e outras, não? Que acordos há entre fabricantes para que haja definições sobre este e aquele padrão tecnológico? Os acordos da Phillips com a Sony são protagonistas deste livro que narra diversas histórias de fracasso e de quase sucesso.

Alguém já viu funcionar o correio pneumático? Só mesmo lendo A extinção dos tecnossauros para ver como podia ser isso. Um extenso cabeamento debaixo da terra que levava encomendas a vácuo, por longas distâncias. E existiu! E os carros elétricos? Por que não existem ainda, de fato, rodando nas ruas? Que interesses e desinteresses há nisso? E o sonho de voar? De onde veio, onde estacionou e para onde deveria ter ido?

Guardo comigo algumas dezenas de discos de vinil. Muito embora tenha aderido completamente ao CD, sem fazer qualquer resistência (ao contrário de meu pai), me denuncio toda vez que converso com alguém sobre música. Outro dia, disse a alguém: "gostei muito do último disco do Lenine". Logo a pessoa fez cara de estranhamento: "disco"? Vi logo que a palavra não era ordinária. Sim, disco. Para mim, os artistas ainda lançam discos. Nosengo vai fundo nessa história, mostrando a saga do CD em relação ao disco e tentando mostrar por que o CD "deu certo" e terminou por quase substituir o disco de vinil.

E a fita cassete? Dessa tenho saudades. Havia dezenas delas dentro de meu carro até há pouco tempo. Depois que vendi meu Gol com toca-fita e tudo, perdi também minhas fitas, que ficaram presas no portal do tempo pós-CD player. Uma lástima. Nosengo recupera parte da história das fitas cassete, que foram o dispostivo mais vendido do mundo para gravar e ouvir música.

Das máquinas que ele cita, a que mais me traz boas lembranças é a máquina de escrever. Aprendi nela a batucar teclados e a escrever com as duas mãos. Cheguei a ganhar uma Olivetti de aniversário (portátil, claro, e está ali em cima da estante) e a cobiçar a Hermes Baby do meu pai, que não apenas era portátil (vinha com malinha) como também imitava letra cursiva. Um espetáculo. Hoje estamos aqui todos escrevendo nas mesmas plataformas padronizadas, que é outro dos temas de Nicola Nosengo.

Mais além, A extinção dos tecnossauros menciona a aventura do teclado QWERTY e as razões que ele tinha (e tem) para não ser a melhor coisa do mundo. No entanto, está ele aí, sob seus dedos, firme e forte. Dê uma olhadela nas primeiras seis letras do teclado de computador em que você escreve. O que você leu? QWERTY? É ele mesmo. E sabe por que essas letras estão (ainda) nessa posição? Nosengo explica.

Sou uma jovem pesquisadora interessada em pessoas e em novas tecnologias. Sou mesmo. Tenho investido precisos momentos da minha vida nisso. No entanto, acho uma graça viver neste exato momento a transição de coisas tão importantes. A meu ver, não se pode esquecer de olhar para trás de vez em quando. Tenho muita preguiça de deslumbramento. Fala-se em novas tecnologias com tal paixão que fico a pensar: meu Deus, mãe Diná não faria melhores previsões. Isto vai acabar, aquilo vai sobressair. Nosengo toca nessa ferida, ao dizer que essas coisas são inexplicáveis e dependem de complexas redes de motivos e necessidades. Incontroláveis, diga-se, e, por vezes, incontornáveis.

Acho um privilégio ter passado alguns anos batucando a máquina de escrever do meu pai. Era pesado, deixava a folha manchada, mas era uma experiência e tanto. Morro de inveja das pessoas que conheceram editoras de livros quando a arte final era feita sem máquinas. Que coisa incrível fazer tudo aquilo sem softwares! Fico meio entediada com a padronização excessiva das plataformas atuais. Alguns vão dizer que é ciência, é usabilidade, outros, como Nosengo, sugerem que há muito mais do que isso para justificar a "vitória" de um padrão sobre outros ou sobre a diversidade. As revistas acadêmicas que o digam. Fico entediada com aquela aparência de quem aderiu ao SEER. É claro que isso é bacana, facilita, barateia, aumenta as chances de leigos lidarem com publicações, mas é tão monótono.

A extinção dos tecnossauros é um livro curioso e bem-humorado. Não é ciência, mas não é só reportagem sobre curiosidades. Fiquei bem satisfeita ao revisitar esse Jurassic Park das tecnologias.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/10/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Redescobrir as palavras, reinventar a vivência de Duanne Ribeiro
02. Elke Coelho e a estética glacial-conceitual de Jardel Dias Cavalcanti
03. Mamãe cata-piolho de Marta Barcellos
04. Feminista? Eu? Claro que sim! de Marta Barcellos
05. As revoluções e suas histórias de Tatiana Mota


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Eu + Você = ? - 27/2/2009
05. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/10/2009
10h45min
Fiquei morrendo de vontade de ler esse livro, a parte boa dos congressos é isso também: encontrar preciosidades. Por mais que eu não tenha vivido essa época ainda me lembro de algumas coisas de minha infância =] (E também fico mal quando demoro para ler um livro realmente bom!)
[Leia outros Comentários de Silvia Caroline ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




3° FESTIVAL DE CINEMA LATINO AMERICANO DE SP 2008
VÁRIOS
MEMORIAL
(2008)
R$ 5,00



O QUE A BIBLIA REALMENTE ENSINA ?
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA
(2015)
R$ 6,00



OS LUSÍADAS
LUÍS DE CAMÕES
ABRIL CULTURAL
(1980)
R$ 15,00



DESENVOLVIMENTO E CRISE NO BRASIL - EDIÇÃO ESPECIAL
LUIZ CARLOS BRESSER PEREIRA (CAPA DURA)
BRASILIENSE
(1987)
R$ 26,82



TRAPAÇA
JAMES SIEGEL
RECORD
(2011)
R$ 18,00



VOCE PRECISA SER DETERMINADO
SILAS MALAFAIA
CENTRAL GOSPEL
R$ 8,00



ESAÚ E JACÓ
MACHADO DE ASSIS
GLOBO
(1997)
R$ 18,00



BOLETIM OFICIAL GRANDE ORIENTE DE SÃO PAULO
CLÁUDIO ROQUE BUONO FERREIRA
DO AUTOR
R$ 9,00



CONTOS BRASILEIROS - ANTOLOGIA ESCOLAR DE OURO
IVO BARBIERI MARIA MECLER KAMPELL

R$ 5,00



VIDA NAS CIDADES - EXPECTATIVAS URBANAS NO NOVO MUNDO
WITOLD RYBCZYNSKI
RECORD
(1996)
R$ 15,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês