Tecnossauros rex | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Filó Machado encerra circulação do concerto 60 Anos de Música com apresentação no MIS
>>> Mundo Suassuna, no Sesc Bom Retiro, apresenta o universo da cultura popular na obra do autor paraiba
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O fim da inocêcia blogueira
>>> Allen Stewart Konigsberg
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse
>>> Escrevendo com o inimigo
>>> FLAP! Uma bofetada na indiferença*
>>> Eles – os artistas medíocres
>>> Meu beijo gay
>>> A história de Rogério Xavier e da SPX (2023)
>>> Waldstein por Andsnes
Mais Recentes
>>> Livro Revista Jurídica De Jure VOL 12 nº 21 de Vários pela Del Rey / Ministério Público (2013)
>>> Livro Energia. As Razões Da Crise E Como Sair Dela de Ernesto Moreira Guedes Filho, Jose Marcio. Camargo, Juan Gabriel Perez Ferres pela Gente (2002)
>>> Livro Água Salobra de Bernadette Lyra pela Cousa (2017)
>>> Livro Sonata Ao Amor - Romance Esírita de Christina Nunes pelo Espírito Iohan pela Lumen (2012)
>>> Pra cima e pra baixo de Carla Irusta pela Palavras projetos (2021)
>>> Pelos olhos de minha mãe: Diários, memórias e outras lembranças de Laura Huzak Andreato pela Palavras projetos (2021)
>>> Para onde me levam os meus pés? de Cibele Lopresti Costa pela Palavras projetos (2021)
>>> Oswaldo Treinador Esportivo de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Oswaaaaaldo! de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> Os pães de ouro da velhinha de Annamaria Gozzi pela Palavras projetos (2024)
>>> Ooobbaaaa! de pela Palavras projetos (2019)
>>> O Reciclador de Palavras de Barbara Parente pela Palavras projetos (2021)
>>> O gato que não parava de crescer de Fernando A. Pires pela Palavras projetos (2023)
>>> O dragão da Maldade e a Donzela Guerreira de Marco Haurélio pela Palavras projetos (2022)
>>> O almanaque de Lia de Luís Dill pela Palavras projetos (2022)
>>> No Museu de Susanna Mattiangeli pela Palavras projetos (2023)
>>> Nig-Nig de Andréia Vieira pela Palavras projetos (2023)
>>> Li M'in: uma criança de Chimel de Dante Rigoberta; Liano pela Palavras projetos (2018)
>>> Lábaro: O enigma da bandeira brasileira de Elifas Andreato pela Palavras projetos (2022)
>>> 80 Degraus de Luís Dill pela Palavras projetos (2018)
>>> Estamos Todas Bem de Ana Penyas pela Palavras projetos (2022)
>>> Duas asas de Cristina Bellemo pela Palavras projetos (2024)
>>> Divisão Azul: Um agente infiltrado de Fran Jaraba pela Palavras projetos (2021)
>>> Campos de concentração de Narcís Molins i Fábrega pela Palavras projetos (2023)
>>> Ave do Paraíso de Georgina martins pela Palavras projetos (2018)
COLUNAS

Sexta-feira, 9/10/2009
Tecnossauros rex
Ana Elisa Ribeiro
+ de 4000 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Já vou avisando que este texto é uma resenha. Assim já economizo o tempo do leitor on-line, que, dizem, está sempre apressado, prestes a pular de e-galho em e-galho. Esta é uma resenha para a gente ler lembrando, pensando, "levantando a cabeça", como dizia aquele semiologista francês.

Sinto profunda tristeza quando percebo que demorei demais para ler um livro que é interessante. Sinal de que a vida escorre e meu tempo tem sido controlado pela vontade alheia. Isso me deixa pau da vida. Vai dando uma angústia danada e aí vejo que estou com torcicolo e problemas intestinais. O negócio todo é que o tempo é precioso, mas ele precisa ser bem-administrado. Se a vida vai levando, é mau sinal.

Os últimos meses foram assim. Eu colocava um livro na cabeceira, na esperança de que a leitura fosse doce. Não é à-toa que preencho a superfície do meu criado-mudo com coisas pelas quais tenho carinho. Não é o mesmo que ler um livro para estudar ou para procurar informação. É outra coisa. É um garimpo mais desinteressado. Uma chance para a surpresa. Quando vou até a estante procurar um livro para pôr na cabeceira, em geral, é porque vou depositar nele uma dedicação diferenciada. No entanto, quando são obras interessantes, penso que elas passarão pouco tempo ali ao lado do rádio-relógio (alguém ainda tem isso?).

Com A extinção dos tecnossauros (Unicamp, 2008, 320 págs.) foi assim. Comprei o livro durante o último congresso da Intercom, em Curitiba, num dos paradisíacos estandes de livrarias que estavam lá. Nesses eventos, a gente costuma achar coisas que não acharia em qualquer lugar, obras de editoras que se distribuem mal, bons livros focados no assunto que a gente quer.

A capa verde e vermelho não me apeteceu. Lembrava, não por acaso, toalha de mesa de pizzaria. Mas a segunda orelha já explicava: Nicola Nosengo, o autor, é italiano, um jovem italiano, diga-se, envolvido em divulgação científica e em jornalismo.

Em 320 páginas, Nosengo passa por uma série de "tecnossauros" conhecidos de algumas gerações de pessoas e já desconhecidos de outras. Alguém se lembra das fitas Betamax? Eu mesma me lembro vagamente deste nome. Tenho mais firme na lembrança o dia em que meu avô, um tecnófilo surpreendente, comprou o primeiro videocassete da família. Era um daqueles que tinham a entrada da fita (VHS) por cima, e não pela frente.

Nosengo trata de uma série de dispositivos (e suas tecnologias) que não chegaram a dar certo, muito embora tivessem, por algum momento, essa chance. Por quê? Por que umas máquinas "colam", e outras, não? Nosengo tenta mostrar (mais do que explicar) por que razões é impossível prever que aceitação ou que apropriação as tecnologias terão quando chegarem às ruas. Às vezes, antes mesmo de chegarem lá.

Como somos ingênuos! Por que razão algumas coisas se tornam fáceis de achar, e outras, não? Que acordos há entre fabricantes para que haja definições sobre este e aquele padrão tecnológico? Os acordos da Phillips com a Sony são protagonistas deste livro que narra diversas histórias de fracasso e de quase sucesso.

Alguém já viu funcionar o correio pneumático? Só mesmo lendo A extinção dos tecnossauros para ver como podia ser isso. Um extenso cabeamento debaixo da terra que levava encomendas a vácuo, por longas distâncias. E existiu! E os carros elétricos? Por que não existem ainda, de fato, rodando nas ruas? Que interesses e desinteresses há nisso? E o sonho de voar? De onde veio, onde estacionou e para onde deveria ter ido?

Guardo comigo algumas dezenas de discos de vinil. Muito embora tenha aderido completamente ao CD, sem fazer qualquer resistência (ao contrário de meu pai), me denuncio toda vez que converso com alguém sobre música. Outro dia, disse a alguém: "gostei muito do último disco do Lenine". Logo a pessoa fez cara de estranhamento: "disco"? Vi logo que a palavra não era ordinária. Sim, disco. Para mim, os artistas ainda lançam discos. Nosengo vai fundo nessa história, mostrando a saga do CD em relação ao disco e tentando mostrar por que o CD "deu certo" e terminou por quase substituir o disco de vinil.

E a fita cassete? Dessa tenho saudades. Havia dezenas delas dentro de meu carro até há pouco tempo. Depois que vendi meu Gol com toca-fita e tudo, perdi também minhas fitas, que ficaram presas no portal do tempo pós-CD player. Uma lástima. Nosengo recupera parte da história das fitas cassete, que foram o dispostivo mais vendido do mundo para gravar e ouvir música.

Das máquinas que ele cita, a que mais me traz boas lembranças é a máquina de escrever. Aprendi nela a batucar teclados e a escrever com as duas mãos. Cheguei a ganhar uma Olivetti de aniversário (portátil, claro, e está ali em cima da estante) e a cobiçar a Hermes Baby do meu pai, que não apenas era portátil (vinha com malinha) como também imitava letra cursiva. Um espetáculo. Hoje estamos aqui todos escrevendo nas mesmas plataformas padronizadas, que é outro dos temas de Nicola Nosengo.

Mais além, A extinção dos tecnossauros menciona a aventura do teclado QWERTY e as razões que ele tinha (e tem) para não ser a melhor coisa do mundo. No entanto, está ele aí, sob seus dedos, firme e forte. Dê uma olhadela nas primeiras seis letras do teclado de computador em que você escreve. O que você leu? QWERTY? É ele mesmo. E sabe por que essas letras estão (ainda) nessa posição? Nosengo explica.

Sou uma jovem pesquisadora interessada em pessoas e em novas tecnologias. Sou mesmo. Tenho investido precisos momentos da minha vida nisso. No entanto, acho uma graça viver neste exato momento a transição de coisas tão importantes. A meu ver, não se pode esquecer de olhar para trás de vez em quando. Tenho muita preguiça de deslumbramento. Fala-se em novas tecnologias com tal paixão que fico a pensar: meu Deus, mãe Diná não faria melhores previsões. Isto vai acabar, aquilo vai sobressair. Nosengo toca nessa ferida, ao dizer que essas coisas são inexplicáveis e dependem de complexas redes de motivos e necessidades. Incontroláveis, diga-se, e, por vezes, incontornáveis.

Acho um privilégio ter passado alguns anos batucando a máquina de escrever do meu pai. Era pesado, deixava a folha manchada, mas era uma experiência e tanto. Morro de inveja das pessoas que conheceram editoras de livros quando a arte final era feita sem máquinas. Que coisa incrível fazer tudo aquilo sem softwares! Fico meio entediada com a padronização excessiva das plataformas atuais. Alguns vão dizer que é ciência, é usabilidade, outros, como Nosengo, sugerem que há muito mais do que isso para justificar a "vitória" de um padrão sobre outros ou sobre a diversidade. As revistas acadêmicas que o digam. Fico entediada com aquela aparência de quem aderiu ao SEER. É claro que isso é bacana, facilita, barateia, aumenta as chances de leigos lidarem com publicações, mas é tão monótono.

A extinção dos tecnossauros é um livro curioso e bem-humorado. Não é ciência, mas não é só reportagem sobre curiosidades. Fiquei bem satisfeita ao revisitar esse Jurassic Park das tecnologias.

Para ir além






Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 9/10/2009

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Esporte de risco de Luís Fernando Amâncio
02. Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara de Elisa Andrade Buzzo
03. Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça... de Elisa Andrade Buzzo
04. Uma alucinação chamada dezembro de Luís Fernando Amâncio
05. O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul de Elisa Andrade Buzzo


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2009
01. Amor platônico - 10/4/2009
02. Aconselhamentos aos casais ― módulo I - 13/3/2009
03. Aconselhamentos aos casais ― módulo II - 27/3/2009
04. Cupido era o nickname dele - 1/5/2009
05. Eu + Você = ? - 27/2/2009


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/10/2009
10h45min
Fiquei morrendo de vontade de ler esse livro, a parte boa dos congressos é isso também: encontrar preciosidades. Por mais que eu não tenha vivido essa época ainda me lembro de algumas coisas de minha infância =] (E também fico mal quando demoro para ler um livro realmente bom!)
[Leia outros Comentários de Silvia Caroline ]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Literatura Brasileira Noite na Taverna
Álvares de Azevedo; Ilka Laurito e Outros
Atual
(1992)



Vidas Em Arco-íris: Depoimentos Sobre a Homossexualidade
Edith Modesto
Record
(2006)



Grandes Histórias da Bíblia
Da Editora
Seleções Reader's Digest



For your home: Ṕaint e color
Jessica Elin Hirschman
Friedman/Fairfax
(1993)



Rita Está Crescendo
Telma Guimarães Castro Andrade
Atual
(1989)



O Livro dos Espíritos
Allan Kardec
Federação Espírita Brasileira
(1994)



A Memória o Esquecimento e o Desejo
Rogério Miranda de Almeida
Ideias Letras
(2016)



O Ultimo Testamento
Sam Bourne
Record
(2008)



Muito mais que cinco minutos
Kéfera Buchmann
Paralela
(2015)



Memórias Da Emília
Monteiro Lobato
Brasiliense
(2002)





busca | avançada
67107 visitas/dia
2,1 milhões/mês