Meu Telefunken | Renato Alessandro dos Santos | Digestivo Cultural

busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Pauta: E-books de Suspense Grátis na Pandemia!
>>> Hugo França integra a mostra norte-americana “At The Noyes House”
>>> Sesc 24 de Maio apresenta programação de mágica para toda família
>>> Videoaulas On Demand abordam as relações do Homem com a natureza e a imagem
>>> Irene Ravache & Alma Despejada na programação online do Instituto Usiminas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A visão certa
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Asia de volta ao mapa
>>> 7 de Setembro
>>> Rebelde aristocrático
>>> Cócegas na língua
>>> Animazing
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Anjos e Demônios, o filme, com Tom Hanks
>>> Quem tem boca vai a Roma
Mais Recentes
>>> Minha vida de menina de Helena Morley pela Companhia das Letras (2020)
>>> Minha formação de Joaquim Nabuco pela 34 (2020)
>>> Mestre da Critica de Vários autores pela Topbooks (2020)
>>> Memórias para servir à História do Reino do Brasil de Luís Gonçalves dos Santos pela Senado (2020)
>>> Memórias de um Sargento de Milícias de Manuel Antônio de Almeida pela Abc (2020)
>>> A Unica Esperança de Alejandro Bullon pela Casa Publicadora Brasileira (2013)
>>> Memórias de Carlota Joaquina de Marsilio Cassotti pela Planeta (2020)
>>> Marquês de São Vicente de Eduardo Kugelmas pela 34 (2020)
>>> Machado de Assis & Joaquim Nabuco. Correspondência de Graça Aranha pela Topbooks (2020)
>>> Obra Completa de Luis De Camoes pela Nova (2020)
>>> Literatura e Sociedade de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> O Tigre na Sombra de Lya Luft pela Record (2012)
>>> Juca Paranhos, o Barão do Rio Branco de Luís Cláudio Villafañe G. Santos pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ingleses no Brasil de Gilberto Freyre pela UniverCidade (2020)
>>> Histórias da Gente Brasileira. República. Memórias. 1889-1950 - Volume 3 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Império - Vol. 2 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Histórias da gente brasileira - Colônia - Vol. 1 de Mary Del Priore pela Leya (2020)
>>> Tensoes Mundiais Volume 4 Numero 5 de Manoel Domingos Neto e Monica Dias Martins pela Observatorio das Nacionalidades (2008)
>>> História econômica do Brasil de Roberto C. Simonsen pela Senado (2020)
>>> História dos Fundadores do Império do Brasil - 7 volumes - coleção completa de Otávio Tarquínio de Sousa pela Senado (2020)
>>> História do Brasil: Uma interpretação de Mota, Carlos Guilherme and Lopez, Adriana pela 34 (2020)
>>> História do Brasil de Boris Fausto pela Edusp (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: Volume 1 Idade Média de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> Historia da Vida Privada Em Portugal: OS Nossos Dias de Direção de José Mattoso pela Abc (2020)
>>> História da saúde no Brasil de Luiz Antonio Teixeira (Compilador), Tânia Salgado Pimenta (Compilador), Gilberto Hochman (Compilador) pela Hucitec (2020)
>>> História da Arte no Brasil: Textos de Síntese de Myriam Andrade Ribeiro de Oliveira, Angela Ancora da Luz, Sonia Gomes Pereira pela Ufrj (2020)
>>> Temas de Direito Constitucional Volume 1 de Luís Roberto Barroso pela Renovar (2002)
>>> História Da América Portuguesa de Sebastião Da Rocha Pita pela Senado (2020)
>>> História da Alimentação no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2020)
>>> No caminho de Swann. de Marcel Proust pela Globo (2003)
>>> Hipólito José da Costa de Sergio Goes de Paula pela 34 (2020)
>>> Serious Candida Infections: Risk Factors, Treatment and Prevention de John H. Rex e Françoise Meunier Editores pela Pfizer (1995)
>>> Grande Reforma Urbana Do Rio De Janeiro, A: Pereira Passos, Rodrigues Alves E As Ideias De Civilização E Progresso de Andre Nunes De Azevedo pela PUC Rio (2020)
>>> Natural Racional Social - Razão Médica e Racionalidade Científica Moderna. de Madel T. Luz pela Campus (1988)
>>> Getúlio 3 (1945-1954) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Getulio 1930-1945: Do Governo Provisorio Ao Estado Novo de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Para gostar de ler. Vol.4 - Crônicas.. de Vários pela Ática (1980)
>>> Getúlio 1 (1882-1930) de Lira Neto pela Companhia das Letras (2020)
>>> Viver o Amor. de José Carlos Pedroso pela Edições Paulinas (1978)
>>> General Osorio de Doratioto, Francisco pela Companhia das Letras (2020)
>>> Ganhadores: A greve negra de 1857 na Bahia de João José Reis pela Companhia das Letras (2020)
>>> Formação de Cidades no Brasil Colonial de Santos, Paulo Ferreira pela Ufrj - IPHAN (2020)
>>> Flores votos e balas de Alonso, Angela pela Companhia das Letras (2020)
>>> A Saude dos Filhos de E. Nauta pela Circulo do Livro (1987)
>>> Gibi Mônica N°8. Lendas da Jumenta Voadora de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2007)
>>> Ficção e Confissão de Antônio Candido pela Ouro sobre Azul (2020)
>>> Essencial padre Antônio Vieira: o que o turista deve ver de Vieira, Padre Antônio and Bosi, Alfredo pela Penguin (2020)
>>> Gibi Mônica N°83 A árvore encantada de Mauricio de Sousa Editora pela Panni Comics (2013)
>>> Escravidão - Vol. 1: Do primeiro leilão de cativos em Portugal até a morte de Zumbi dos Palmares de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2020)
>>> Esaú e Jacó de Assis, Machado de pela Abc (2020)
COLUNAS

Terça-feira, 16/7/2019
Meu Telefunken
Renato Alessandro dos Santos

+ de 11200 Acessos

Surpreende hoje ouvir música num toca-disco, numa época em que Spotify, Youtube, arquivos de MP3 etc., estão no centro das coisas, não? Não. Todos já sabem que o vinil voltou com toda força. Mas surpreende, mesmo assim, trocar o cristalino som do CD ou do MP3 pelos chiados, pulos e traças que os LPs carregam e que, por alguma razão, elevam ainda mais o apreço que muitos audiófilos têm por eles. É que há uma certa nostalgia embutida aí, mas não em primeiro lugar. Em primeiro lugar, vem a vontade de se ouvir música da maneira mais... mais... pura? Verdadeira? Melhor? Só Deus sabe.


E já que o importante é evitar mentir a si mesmo, todo mundo que se sente plenamente satisfeito com a forma que, hoje, vem consumindo música - dos que vão de streaming aos que, do outro lado da rua, dentro de casa, ligam seus equipamentos de som e deixam o “idioma do coração” (O.K. Beethoven) fazer sua mágica -, bem, essas pessoas merecem parabéns. Parabéns, pessoal. Já a gente que não se importa muito com a - fica assim - intensidade criativa dos artistas mais angustiados, bem... Será que vai chover? Sempre há um pouco de frenesi naquela canção de alguém que, de lá do lugar onde as boas melodias habitam, sai a capturar o tempo no que vai ali, dobrando a esquina, quase um convite a uma réstia de corda qualquer que, indie, alternativa, cult, insinua-se, sinuosa, possível de ser alcançada e tal, como num desenho animado. Tergiversar é uma arte (quando funciona); do contrário, vai esta coisa vagabunda.

O.K. Leitor: o que este texto quer mesmo é afirmar que ouvir música com um equipamento de som bom é o que há. Lá dos confins dos anos 1980 e 90, e dos 70 também, vem chegando uma horda de receiveres, tapes, toca-discos, 3x1, fitas K7 e toda sorte de bugiganga que faz a cabeça de hipsters, não-hipsters e outros adeptos dessa onda nunca morta de preservar o passado acumulando toda sorte de porcaria, ou toda sorte de tesouro, que a sorte deixa encontrar.

Fui eu, então, cinco meses atrás buscar um aparelho de som lá em Atibaia, a X quilômetros de distância. Aí, no mesmo dia em que meu filho mudava para São Carlos, para cursar matemática, logo que terminei de tirar a mudança do caminhão, de montar o que precisava ser montado, de ligar o que... etc., enfim, peguei meu carro e fui até Atibaia, onde um Telefunken me esperava. Sim, um Telefunken. Tecnologia alemã e tudo. Telefunken, na prática, quer dizer a mesma coisa que o Barney diz quando diz “awsome” em How I met your mother, ou seja, “Uau!”.

A viagem não foi fácil; enfrentei uma chuva torrencial, radares, discussão com o GPS e com o carrossel de MP3 do tape, mas cheguei: errei o caminho de novo e cheguei mesmo, enfim. O Ademir me recebeu de bermuda e com uma camiseta do Palmeiras. Na sala, meu Telefunken me esperava. Eu era o gazebo que vinha protegê-lo do sol e da chuva; era o paladino que acabava de matar um dragão só para chegar até ali, para salvá-lo das garras palmeirenses de Ademir. Ainda bem que fui sozinho, porque todo ele ocupou o carro, todos os bancos. Voltei para São Carlos, sem sequer ligar meu Telefunken que, do carro, em partes, vinha transportado como uma peça de Lego para dentro do apartamento do Théo, sem qualquer chance a qualquer bandido de levar meu Telefunken embora; poderiam levar o carro, mas o aparelho de som, não.



Dois dias depois, voltamos, eu e Sementinha, para casa, em Batatais, lamentando deixar para trás nosso filho, pela primeira vez, longe de casa, estudando. Mas assim foi, e após lágrimas descarregadas por dois organismos despedaçados de pais aflitos, na estrada, ainda deu tempo de tomar uma multa por excesso de velocidade que, aliás, paguei há poucos dias, com desconto e tudo. Essa multa... Essa multa é importante. É que ela pode dar ao leitor uma ideia da vontade que estava de chegar logo a casa. Chegamos. Montei o aparelho, liguei-o, e ele retribuiu de volta, sorrindo e soando como um cachecol. Está um frio danado, ultimamente, não? Já sabia que não daria para ouvir discos, porque o aparelho estava sem agulha. Teria de comprar outra. Comprei. A encomenda veio. Errada. E a agulha foi parar na mão de alguém, em outra cidade. Raios. Triplos. Depois de caracóis e caracóis emaranhados, finalmente, chegava ela aqui. Já fazia 15 dias que meu Telefunken chegara, e todo esse tempo sem ouvir um único disco sequer... Pus a agulha, liguei o aparelho, abri uma cerveja, um livro, um girassol, e meus ouvidos, imitando jacarés, deixaram que a maré os levassem, saindo do chão, a outro lugar. Entende?

Pula.

Há três meses, notei que um canal estava falhando, fanho, tossindo, rouco até. O que era? Termômetro, conhaque com limão, feitiço de benzedeira, homeopatia, nada resolvia o problema. Liguei a Ademir, o palmeirense de Atibaia, e ele me recomendou limpador de contatos e cotonetes. Comprei os dois. Gastei quase meio litro daquilo esguichando-o em tudo quanto era contato do aparelho e ao redor da casa, como uma cerca imaginária contra espíritos fanfarrões e... Nada: quatro caixas de som ainda estavam meia-boca, doentes do pé. O tempo foi passando e fui me conformando com aquela falta de audição plena que meu Telefunken vinha me fazendo passar. Infelizmente, para meu azar, era o que vinha acontecendo. Joguei no Bicho, apostei em cavalinhos, comprei Biotônico Fontoura, mas nada parecia resolver o problema. De repente, uma ideia veio iluminar o casebre no alto do morro: e se usasse meu outro receiver, meu CCE vintage? Estava prestes a me levantar, quando outra ideia veio iluminar mais forte o ovo cabeludo: “E se você invertesse os fios das caixas?” - falava comigo mesmo, balançando a cabeça, gesticulando. Faltava pouco para a risada medonha de vilão de filme de terror. Balbuciei a mim mesmo: o que era lado A vai para o... Bem, entendeu, né, leitor?

Fiz isso, e foi então que meus ouvidos ouviram velozes vozes veludosas vindas de direções opostas: dois canais de áudio (lado A) confundiam-se com o outro par de caixas (lado B). Como o aparelho é quadrifônico, quatro caixas podem tocar ao mesmo tempo. O teste deu certo. Eu havia ligado uma caixa errado. “Santa esperteza, Homem Morcego!” - disse-me Robin, com vergonha alheia! A constatação foi como o rio despindo-se diante de Moisés e o pessoal todo. Fiz os testes, ligando as caixas de som assim, assado, açucena, assum preto, e... E... E... Deu C.E.R.T.O! Uau! Deu certo!

Mas, dois dias atrás, a realidade cruel de uma quarta-feira: mais uma vez, um dos canais sucumbia e, longe de rugir, miava. Subi até o morro e lá do alto, como Scarlett O’Hara, mirei os confins e, vidrando as sobrancelhas, bradei: nunca mais! O horizonte fez cara de paisagem e nada me disse de volta. Ricocheteei para casa e, antes que o espírito desistisse, pensei em verificar o cabo RCA do toca-discos... E não é que o dinossauro estava ali? Até falo baixo, sem que ele acorde, porque até agora a música chega em ondas macias, como se, de repente, quatro miniaturas de Miles Davis viessem ocupar o espaço acústico dentro das caixas de som, de trompete e tudo. Agora, estou aqui, fazendo você, leitora, leitor, chegar até este ponto do texto só para descobrir que meu Telefunken, finalmente, está passando bem. Meu receiver CCE vintage continua deseletrizado, encolhido na estante, esperando que um dia venha a emitir todas as faíscas musicais que, dali, certamente, virão preencher os sulcos invisíveis que se comprimem nessa alquimia absurda que a acústica oferece a nós todos. O que importa é que meu Telefunken respira novamente, como se estivesse com 20 e poucos anos.



Toca The Moody Blues nesse instante: um lado C de um disco duplo. Pus, em dois canais, uma caixa diante da outra e, no meio delas, feito uma salsicha de cachorro-quente, eu, que com a cabeça nas almofadas deixo os ouvidos à disposição da música. Há pouco, uma faixa toda psicodélica passou de uma caixa a outra, intercalando os dois lados, e oferecendo o que o engenheiro de som que mixou esse álbum quis; isto é, trazer uma experiência única de qualidade sonora absurda. Parabéns, Sr. Engenheiro! Meu Telefunken, agora, parece Callas, ou Fred e Rita dançando sem tocar os pés no chão, volitando quase, ou mesmo a Apollo 11 descendo na Lua, se é que, para aqueles que ainda desconfiam, ela desceu mesmo por lá.





Renato Alessandro dos Santos, 47, é autor de Todos os livros do mundo estão esperando quem os leia e de O espaço que sobra, seu primeiro livro de poesia (ambos publicados pela Engenho e arte).


Renato Alessandro dos Santos
Batatais, 16/7/2019


Mais Renato Alessandro dos Santos
Mais Acessadas de Renato Alessandro dos Santos em 2019
01. A forca de cascavel — Angústia (FUVEST) - 24/9/2019
02. Meu Telefunken - 16/7/2019
03. Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1 - 20/8/2019
04. Cidadão Samba: Sílvio Pereira da Silva - 19/2/2019
05. K 466 - 26/3/2019


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




BOM DIA LEITURAS DIÁRIAS VOLUME 2
MAX LUCADO
MUNDO CRISTÃO
(2014)
R$ 15,00



A RIQUEZA NA BASE DA PIRÂMIDE
C. K. PRAHALAD
BOOKMAN
(2005)
R$ 30,00



INVESTIGAÇÃO PREPARATÓRIA
ADEL EL TASSE
JURUÁ
(2010)
R$ 44,00



RAH, O MENSAGEIRO DO SÉTIMO RAIO
LUCI GUIMARÃES WATANABE
ATUAL
(1995)
R$ 6,90



AGUA VIVA
FORREST TOMAS
LOYOLA
(1991)
R$ 19,99



EL ZAPATO SUCIO (TEATRO CUBANO) - EM ESPANHOL
AMADO DEL PINO
EDICIONES ALARCOS
(2002)
R$ 14,00



DON QUIJOTE DE LA MANCHA 2 - NIVEL 3
MIGUEL DE CERVANTES SAAVEDRA
EDELSA GRUPO DIDASCA
(1996)
R$ 5,50



A FELICIDADE NÃO SE COMPRA
IRWIN SHAW
CÍRCULO DO LIVRO
(1981)
R$ 5,00



TROCA D ARMAS
LUISA VALENZUELA
ART
(1986)
R$ 5,00



LA EDUCACION POR LA DANZA: ENFOQUE METODOLÓGICO
P. OSSONA
PAIDOS (BUENOS AIRES)
(1976)
R$ 30,28





busca | avançada
69585 visitas/dia
2,2 milhões/mês