O Muro de Palavras | Pedro Bidarra | Digestivo Cultural

busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
>>> Samir Yazbek e Marici Salomão estão à frente do ciclo on-line “Pensando a dramaturgia hoje”
>>> Chá das Cinco com Literatura recebe Luís Fernando Amâncio
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Matrix, ou o camarada Buda
>>> Honestidade
>>> Action culturelle
>>> Google Blog
>>> A morte do jornal, pela New Yorker
>>> Mucha Mierda
>>> O trabalho camponês na América
>>> Anna Karenina, Kariênina ou a do trem
>>> Um rancho e um violão
>>> Da fatalidade do desejo
Mais Recentes
>>> O Código da Vinci de Dan Brown pela Sextante (2004)
>>> A pergunta a varias mãos de Carlos Rodrigues brandão pela Cortez (2003)
>>> Short Cuts - Cenas da Vida de Raymond Carver pela Rocco (1994)
>>> Da Unidade Transcendente das Religiões de Frithjof Schuon, Fernando Guedes Galvão pela Martins (1953)
>>> Lilith, A Lua Negra de Roberto Sicuteri pela Paz e Terra (1985)
>>> Elementos Fundamentais Para Uma Ampliação da Arte de Curar de Rudolf Steiner e Ita Wegman pela Antroposófica (2007)
>>> Filha Mãe Avó e Puta de Gabriela Leite pela Objetiva (2009)
>>> Revenue Management Maximização de Receitas de Robert G. Cross pela Campus (1998)
>>> A Coisa Terrível que Aconteceu com Barnab Brocket de John Boyne pela Companhia das Letrinhas (2013)
>>> Os Criminosos Vieram para o Chá de Stella Carr pela Ftd (2001)
>>> A Outra Face História de Uma Garota Afegã de Deborah Ellis pela Ática (2012)
>>> Toko Ghoul nº2 de Sui Ishida pela Panini
>>> Bíblia de Aparecida para Crianças de Lois Rock pela Santuário (2010)
>>> O Sabor da Qualidade de Subir Chowdhury pela Sextante (2006)
>>> A Aprendiz de Vivianne Aventura pela Landscape (2005)
>>> Auto sugestão Consciente O Que Digo O que Faço de Emile Coué pela Ediouro
>>> Um Dono para Buscapé de Giselda Laporta Nicolelis pela Moderna (1983)
>>> No Beco do Sabão de Odette de Barros Mott pela Atual (1985)
>>> O Diário de M. H. de Thalles Paraíso pela Talento (2016)
>>> O Principe Fantasma de Ganymédes José pela Atual (1987)
>>> Vidas de Grandes Compositores de Henry Thomaz pela Globo (1952)
>>> Quincas Borba de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Gramática: Teoria e Atividade de Maria Aparecida Paschoalin; Neusa Terezinha Spadot pela Ftd (2008)
>>> Esaú e Jacó de Machado de Assis pela Globo (1997)
>>> Tarde Demais para Chorar Cedo Demais para Morrer de Edith Pendleton pela Circulo do Livro
COLUNAS

Quarta-feira, 27/11/2013
O Muro de Palavras
Pedro Bidarra

+ de 8100 Acessos

"A pre­o­cu­pa­ção latente nesta expo­si­ção prende-se com a ambi­gui­dade e com os para­do­xos ine­ren­tes ao exer­cí­cio da hos­pi­ta­li­dade, com os pos­tu­la­dos que defi­nem e con­di­ci­o­nam os usos da arqui­te­tura. Os con­teú­dos e situ­a­ções gera­das pelos tra­ba­lhos ali pre­sen­tes des­ta­bi­li­zam as regras e os com­pro­mis­sos sub­ja­cen­tes à ocu­pa­ção e uso do espaço para levan­tar ques­tões acerca dos luga­res do dia-a-dia, da forma como nos rela­ci­o­na­mos com eles e como eles nos fazem rela­ci­o­nar com o outro. Na inti­mi­dade que esta­be­le­cem entre lugar e ocu­pante cada um dos tra­ba­lhos exerce for­mas de hos­pi­ta­li­dade. Seja para evi­den­ciar os con­fli­tos ine­ren­tes ao seu exer­cí­cio ou para lem­brar a urgên­cia da sua apli­ca­ção, para ins­ti­gar encon­tros ines­pe­ra­dos ou para pro­mo­ver opo­si­ções, ou con­ver­gên­cias, ou com­ba­tes, ou con­sen­sos."

Texto de um curador.

A maior bar­reira à entrada no mundo da arte, e nos museus e gale­rias que a cele­bram, sem­pre foi, para mim, o muro de pala­vras que o envolve. Um muro eri­gido por crí­ti­cos, jor­na­lis­tas, cura­do­res, comis­sá­rios e às vezes pelos pró­prios artis­tas; um muro de pala­vras que não comu­nica.

Na semana pas­sada fui gen­til­mente con­vi­dado para falar no Encon­tro Museus e Monu­men­tos, no Con­vento de Cristo em Tomar, sobre comu­ni­ca­ção. Apa­ren­te­mente, neste nosso mundo sem dinheiro, a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção dos ges­to­res da cul­tura é atrair novos públi­cos para a sua causa: para a arte e para os even­tos cul­tu­rais. O encon­tro era sub-titulado "Comu­ni­car, Ino­var, Sus­ten­tar". A minha apre­sen­ta­ção chamou-se O Muro de Pala­vras que é tam­bém o título de um docu­men­tá­rio que tenho estado a preparar.

Como é sabido, o mundo da arte é, ten­den­ci­al­mente, alér­gico ao mar­ke­ting. E com toda a razão. O mar­ke­ting é uma prá­tica que tem como objec­tivo criar van­ta­gem e apelo nos pro­du­tos para atrair con­su­mi­do­res. Ape­nas uma parte do mar­ke­ting é comu­ni­ca­ção; a parte mais cara mas não a mais impor­tante. A mais impor­tante é o dese­nho do pro­duto ou do ser­viço de modo a satis­fa­zer neces­si­da­des do con­su­mi­dor. Não é, obvi­a­mente, esse o papel da arte. Pelo menos não é esse o seu papel ime­di­ato. Tal­vez seja o de satis­fa­zer as neces­si­da­des da comu­ni­dade ou da soci­e­dade mas, para o fazer, nem sem­pre satis­faz as neces­si­da­des do dia, do con­tem­po­râ­neo; as neces­si­da­des das ins­ti­tui­ções e pes­soas com ali­cer­ces na con­ven­ção e no sta­tus quo. O bene­fí­cio das artes e dos seus con­cei­tos só mais tarde são visí­veis na soci­e­dade. Nesse sen­tido pode­mos ver a arte como um inves­ti­mento que só rende lá longe. Ao con­trá­rio das inven­ções, que são man­ti­das secre­tas nos labo­ra­tó­rios até che­gar o momento da sua uti­li­dade bri­lhar à luz do dia, a arte e os seus con­cei­tos, para cum­pri­rem a sua mis­são, têm que ser públi­cos. "Se uma árvore cai na flo­resta e não hou­ver lá nin­guém para ouvir, se não hou­ver um tím­pano para vibrar, a árvore não faz baru­lho" diz-nos um pro­vér­bio chi­nês. É por isso que a comu­ni­ca­ção é pre­cisa.

Não que os tex­tos her­mé­ti­cos, sofis­ti­ca­dos e com­ple­xos não tenham valor e não tenham que ser escri­tos; não que as obras não tenham que ser ana­li­sa­das e con­tex­tu­a­li­za­das; mas estes tex­tos que apa­re­cem em jor­nais, catá­lo­gos e na comu­ni­ca­ção, e que cons­ti­tuem, mui­tas vezes, o único inter­face com o mundo, não têm valor comu­ni­ca­ci­o­nal para os novos públi­cos que os museus, as gale­rias e a arte pro­cu­ram. O muro de pala­vras que cerca o mundo da arte e que impede o neó­fito de entrar, tanto quanto impede os que lá vivem de olhar para o resto do mundo, é o con­trá­rio de comunicação.

"O pós-estruturalismo, com ori­gem lin­guís­tica no fran­cês, tem uma obses­são por pala­vras que o torna incom­pe­tente para ilu­mi­nar qual­quer forma de arte que não seja a lite­ra­tura [.] uma das razões para a actual mar­gi­na­li­za­ção das belas artes radica no facto de os artis­tas fala­rem para outros artis­tas e para um cír­culo fechado de hip cog­nos­centi que per­deu o con­tacto com o público em geral, cujos gos­tos e valo­res eles cari­ca­tu­ram e tro­çam", diz-nos a Camille Paglia no seu livro Glit­te­ring Images.

No docu­men­tá­rio O Muro de Pala­vras, que estou a pro­du­zir, pedi­mos a pes­soas para lerem tex­tos que acom­pa­nham as obras de artes e as expo­si­ções. Mos­tra­mos tex­tos de crí­tica, de anún­cios de even­tos cul­tu­rais, tex­tos dos cura­do­res de expo­si­ções, comu­ni­ca­dos à imprensa e arti­gos da imprensa espe­ci­a­li­zada e per­gun­ta­mos aos sujei­tos que os leram do que tra­tam? que dúvi­das têm? o que não per­ce­be­ram? o que espe­ram encon­trar na dita expo­si­ção? e se têm ou não von­tade de ir vê-la?

Tex­tos como o que está trans­crito no iní­cio deste texto.

As pes­soas que recru­tá­mos para este docu­men­tá­rio são cida­dãos com for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria, que via­jam e que têm hábi­tos de lei­tura. Pes­soas acima da "média", por­tanto, como a Susana: for­ma­ção supe­rior, psi­co­te­ra­peuta, 40 anos, dois filhos, vive na grande Lis­boa; não tem hábito de ir a expo­si­ções e museus a não ser quando con­vi­dada para um evento de cro­que­tes, o que acon­tece 1 vez por ano, mas vê ima­gens de arte e design nas redes soci­ais, Pin­te­rest e nou­tros sites; tem livros de arte em casa. Ou como o Miguel: for­ma­ção supe­rior, ges­tor, vive em Lis­boa, lei­tor com­pul­sivo de roman­ces e dos clás­si­cos; não tem ami­gos artis­tas nem fre­quenta meios inte­lec­tu­ais; não foi a uma única expo­si­ção ou museu no último ano; via­jante fre­quente, visita tudo o que é museu e monu­mento por esse mundo fora.

A estas e a outras sim­pá­ti­cas cobaias demos a ler os tex­tos que refe­ri­mos e per­ce­be­mos que as pala­vras não aju­da­vam, não abrem por­tas, não ilu­mi­nam antes pelo con­trá­rio. Per­ce­be­mos que os tex­tos, ao cer­car o mundo da arte de vocá­bu­los e con­cei­tos nem sem­pre enten­dí­veis para o público não habi­tual, o afasta em vez de atrair. Obs­cu­rece em vez de ilu­mi­nar.

Mui­tas serão as bar­rei­ras a remo­ver para que as pes­soas que têm capa­ci­dade para enten­der o fenó­meno cul­tu­ral e artís­tico tenham tam­bém von­tade de o pro­cu­rar. A comu­ni­ca­ção é uma das mai­o­res.

Mas tem que ser assim? Haverá, como há na cabeça de mui­tos dos habi­tan­tes deste cha­mado "mundo da arte", ape­nas dois tipos de texto: o eli­tista e o infan­ti­li­zado? A comu­ni­ca­ção e a soci­e­dade não é tão biná­ria como estas pseudo cabe­ças a vêem. Para atrair novos públi­cos não é neces­sá­rio fazer arte ou pro­du­zir obra que o público goste ou queira ver - isso é o que faz o mar­ke­ting de pro­du­tos quando os molda aos gos­tos e neces­si­da­des dos con­su­mi­do­res. Trata-se sim de reve­lar a obra atra­vés de uma comu­ni­ca­ção didá­tica, entu­si­as­mante; uma comu­ni­ca­ção que a ilu­mine e que ajude o neó­fito a ler, ou pelo menos a que­rer ler a obra; uma comu­ni­ca­ção que vei­cule, para os novos con­su­mi­do­res, os bene­fí­cios de as ver e enten­der. Nem toda a gente nasce pre­pa­rada para a arte. Como nem toda a gente não nasce pre­pa­rada para a mate­má­tica. Isto não sig­ni­fica que não possa explicar-se uma equa­ção, um pro­blema e a sua reso­lu­ção a quem não é génio ou a quem não entende intui­ti­va­mente a mate­má­tica. Isto faz-se com boa comunicação.

O curi­oso e para­do­xal no muro de pala­vras que envolve a arte e a cul­tura é que a arte euro­peia come­çou por ser comu­ni­ca­ção ao ser­viço da ilu­mi­na­ção da pala­vra. Foi esse afi­nal o seu papel durante sécu­los, ilu­mi­nar o que não se enten­dia, expli­car, mos­trar o que estava ina­ces­sí­vel; abrir ao público em geral - e geral­mente anal­fa­beto - o difí­cil mundo de pala­vras e con­cei­tos que era (e é) a reli­gião. Durante sécu­los uma das prin­ci­pais fun­ções da arte na cul­tura euro­peia foi aju­dar a tra­zer às igre­jas, e à fé, públi­cos reni­ten­tes que não che­ga­vam lá pela pala­vra.

Duchamp, numa entre­vista à BBC no fim da vida, dizia que a arte se asse­me­lhava cada vez mais à reli­gião. É ver­dade. Uma reli­gião das mais her­mé­ti­cas. Uma reli­gião com os seus acó­li­tos, com as suas dife­ren­tes igre­jas e cape­las, como os seus san­tos, os seus pra­ti­can­tes, os seus sacer­do­tes e os seus sábios que falam com outros sábios e que olham, ao longe, para o povo anal­fa­beto e inca­paz de enten­der o mundo de ritu­ais ver­bais e ideias fei­tas que existe nas suas caras, vazias e frias cate­drais. Como dizia um direc­tor de museu, com grá­vi­tas, "a arte é uma coisa muito séria, com a arte não se brinca". Soa mesmo a religião.

"[Em Roma] os fres­cos e as pin­tu­ras das igre­jas estão no cen­tro das con­ver­sas, as pes­soas comprimem-se para ver as novas obras, espe­rando, por vezes horas, para atin­gir a soleira da porta das igre­jas", diz-nos Gil­les Lam­bert num texto sobre Caravaggio.

Foi o que acon­te­ceu com a estreia do Mar­tí­rio de S. Mateus de Cara­vag­gio na Igreja de S. Luigi dei Fran­cesi no iní­cio do 600. O povo fez fila para ir à Igreja ver a "pala­vra". A pala­vra difí­cil, dis­tante, ilu­mi­nada pela arte.

Hoje a arte, uma reli­gião com os seus dog­mas, os seus tex­tos her­mé­ti­cos, os seus mis­té­rios e euca­ris­tias, se quer mais fiéis terá que uti­li­zar "tru­ques" para ilu­mi­nar as suas obras; como o cris­ti­a­nismo fez quando con­vo­cou as artes para ilu­mi­nar a pala­vra.

Tal­vez, numa inver­são da his­tó­ria, seja o tempo da pala­vra que ilu­mina. Tal­vez a pala­vra possa ser uma chave e não o muro que impede a entrada de mais fiéis nos museus.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Escrever é Triste.


Pedro Bidarra
Lisboa, 27/11/2013


Mais Pedro Bidarra
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Esaú e Jacó - Biblia Sonora 9
Poliana R. Ramos
Casa Publicadora Brasileira
(1979)



Os Dgeofs, Parte I: de Onde Viemos ?
Wtadystaw Sielawa
Jac
(1999)



Tóxicos
João Vieira
Forense
(1988)



Desenvolvendo Aplicacoes Palm Com Ns Basic
Wallace Pinto de Oliveira
Ciencia Moderna
(2005)



Choveu Rosa na Favela
Hermes Santos (dedicatória)
Tela
(1985)



A Ilustre Casa de Ramires: Eça de Queirós - Roteiro de Leitura
Jose de Paula Ramos Jr
Ática (sp)



Productions écrites
Paola Bertocchini Edvige Costanzo
Hachette
(1987)



Cem Homens Em um Ano. as Aventuras Sexuais de uma Mulher Bem Resolvida
Nádia Lapa
Matrix
(2012)



Ler Piaget
Remy Droz e M. Rahmy
Socicultur (lisboa)
(1977)



All About the Boston Harbor Islands
Emily and David Kales
Hewitts Cove Pub Co
(1993)





busca | avançada
83662 visitas/dia
2,6 milhões/mês