O Muro de Palavras | Pedro Bidarra | Digestivo Cultural

busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/11/2013
O Muro de Palavras
Pedro Bidarra

+ de 7400 Acessos

"A pre­o­cu­pa­ção latente nesta expo­si­ção prende-se com a ambi­gui­dade e com os para­do­xos ine­ren­tes ao exer­cí­cio da hos­pi­ta­li­dade, com os pos­tu­la­dos que defi­nem e con­di­ci­o­nam os usos da arqui­te­tura. Os con­teú­dos e situ­a­ções gera­das pelos tra­ba­lhos ali pre­sen­tes des­ta­bi­li­zam as regras e os com­pro­mis­sos sub­ja­cen­tes à ocu­pa­ção e uso do espaço para levan­tar ques­tões acerca dos luga­res do dia-a-dia, da forma como nos rela­ci­o­na­mos com eles e como eles nos fazem rela­ci­o­nar com o outro. Na inti­mi­dade que esta­be­le­cem entre lugar e ocu­pante cada um dos tra­ba­lhos exerce for­mas de hos­pi­ta­li­dade. Seja para evi­den­ciar os con­fli­tos ine­ren­tes ao seu exer­cí­cio ou para lem­brar a urgên­cia da sua apli­ca­ção, para ins­ti­gar encon­tros ines­pe­ra­dos ou para pro­mo­ver opo­si­ções, ou con­ver­gên­cias, ou com­ba­tes, ou con­sen­sos."

Texto de um curador.

A maior bar­reira à entrada no mundo da arte, e nos museus e gale­rias que a cele­bram, sem­pre foi, para mim, o muro de pala­vras que o envolve. Um muro eri­gido por crí­ti­cos, jor­na­lis­tas, cura­do­res, comis­sá­rios e às vezes pelos pró­prios artis­tas; um muro de pala­vras que não comu­nica.

Na semana pas­sada fui gen­til­mente con­vi­dado para falar no Encon­tro Museus e Monu­men­tos, no Con­vento de Cristo em Tomar, sobre comu­ni­ca­ção. Apa­ren­te­mente, neste nosso mundo sem dinheiro, a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção dos ges­to­res da cul­tura é atrair novos públi­cos para a sua causa: para a arte e para os even­tos cul­tu­rais. O encon­tro era sub-titulado "Comu­ni­car, Ino­var, Sus­ten­tar". A minha apre­sen­ta­ção chamou-se O Muro de Pala­vras que é tam­bém o título de um docu­men­tá­rio que tenho estado a preparar.

Como é sabido, o mundo da arte é, ten­den­ci­al­mente, alér­gico ao mar­ke­ting. E com toda a razão. O mar­ke­ting é uma prá­tica que tem como objec­tivo criar van­ta­gem e apelo nos pro­du­tos para atrair con­su­mi­do­res. Ape­nas uma parte do mar­ke­ting é comu­ni­ca­ção; a parte mais cara mas não a mais impor­tante. A mais impor­tante é o dese­nho do pro­duto ou do ser­viço de modo a satis­fa­zer neces­si­da­des do con­su­mi­dor. Não é, obvi­a­mente, esse o papel da arte. Pelo menos não é esse o seu papel ime­di­ato. Tal­vez seja o de satis­fa­zer as neces­si­da­des da comu­ni­dade ou da soci­e­dade mas, para o fazer, nem sem­pre satis­faz as neces­si­da­des do dia, do con­tem­po­râ­neo; as neces­si­da­des das ins­ti­tui­ções e pes­soas com ali­cer­ces na con­ven­ção e no sta­tus quo. O bene­fí­cio das artes e dos seus con­cei­tos só mais tarde são visí­veis na soci­e­dade. Nesse sen­tido pode­mos ver a arte como um inves­ti­mento que só rende lá longe. Ao con­trá­rio das inven­ções, que são man­ti­das secre­tas nos labo­ra­tó­rios até che­gar o momento da sua uti­li­dade bri­lhar à luz do dia, a arte e os seus con­cei­tos, para cum­pri­rem a sua mis­são, têm que ser públi­cos. "Se uma árvore cai na flo­resta e não hou­ver lá nin­guém para ouvir, se não hou­ver um tím­pano para vibrar, a árvore não faz baru­lho" diz-nos um pro­vér­bio chi­nês. É por isso que a comu­ni­ca­ção é pre­cisa.

Não que os tex­tos her­mé­ti­cos, sofis­ti­ca­dos e com­ple­xos não tenham valor e não tenham que ser escri­tos; não que as obras não tenham que ser ana­li­sa­das e con­tex­tu­a­li­za­das; mas estes tex­tos que apa­re­cem em jor­nais, catá­lo­gos e na comu­ni­ca­ção, e que cons­ti­tuem, mui­tas vezes, o único inter­face com o mundo, não têm valor comu­ni­ca­ci­o­nal para os novos públi­cos que os museus, as gale­rias e a arte pro­cu­ram. O muro de pala­vras que cerca o mundo da arte e que impede o neó­fito de entrar, tanto quanto impede os que lá vivem de olhar para o resto do mundo, é o con­trá­rio de comunicação.

"O pós-estruturalismo, com ori­gem lin­guís­tica no fran­cês, tem uma obses­são por pala­vras que o torna incom­pe­tente para ilu­mi­nar qual­quer forma de arte que não seja a lite­ra­tura [.] uma das razões para a actual mar­gi­na­li­za­ção das belas artes radica no facto de os artis­tas fala­rem para outros artis­tas e para um cír­culo fechado de hip cog­nos­centi que per­deu o con­tacto com o público em geral, cujos gos­tos e valo­res eles cari­ca­tu­ram e tro­çam", diz-nos a Camille Paglia no seu livro Glit­te­ring Images.

No docu­men­tá­rio O Muro de Pala­vras, que estou a pro­du­zir, pedi­mos a pes­soas para lerem tex­tos que acom­pa­nham as obras de artes e as expo­si­ções. Mos­tra­mos tex­tos de crí­tica, de anún­cios de even­tos cul­tu­rais, tex­tos dos cura­do­res de expo­si­ções, comu­ni­ca­dos à imprensa e arti­gos da imprensa espe­ci­a­li­zada e per­gun­ta­mos aos sujei­tos que os leram do que tra­tam? que dúvi­das têm? o que não per­ce­be­ram? o que espe­ram encon­trar na dita expo­si­ção? e se têm ou não von­tade de ir vê-la?

Tex­tos como o que está trans­crito no iní­cio deste texto.

As pes­soas que recru­tá­mos para este docu­men­tá­rio são cida­dãos com for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria, que via­jam e que têm hábi­tos de lei­tura. Pes­soas acima da "média", por­tanto, como a Susana: for­ma­ção supe­rior, psi­co­te­ra­peuta, 40 anos, dois filhos, vive na grande Lis­boa; não tem hábito de ir a expo­si­ções e museus a não ser quando con­vi­dada para um evento de cro­que­tes, o que acon­tece 1 vez por ano, mas vê ima­gens de arte e design nas redes soci­ais, Pin­te­rest e nou­tros sites; tem livros de arte em casa. Ou como o Miguel: for­ma­ção supe­rior, ges­tor, vive em Lis­boa, lei­tor com­pul­sivo de roman­ces e dos clás­si­cos; não tem ami­gos artis­tas nem fre­quenta meios inte­lec­tu­ais; não foi a uma única expo­si­ção ou museu no último ano; via­jante fre­quente, visita tudo o que é museu e monu­mento por esse mundo fora.

A estas e a outras sim­pá­ti­cas cobaias demos a ler os tex­tos que refe­ri­mos e per­ce­be­mos que as pala­vras não aju­da­vam, não abrem por­tas, não ilu­mi­nam antes pelo con­trá­rio. Per­ce­be­mos que os tex­tos, ao cer­car o mundo da arte de vocá­bu­los e con­cei­tos nem sem­pre enten­dí­veis para o público não habi­tual, o afasta em vez de atrair. Obs­cu­rece em vez de ilu­mi­nar.

Mui­tas serão as bar­rei­ras a remo­ver para que as pes­soas que têm capa­ci­dade para enten­der o fenó­meno cul­tu­ral e artís­tico tenham tam­bém von­tade de o pro­cu­rar. A comu­ni­ca­ção é uma das mai­o­res.

Mas tem que ser assim? Haverá, como há na cabeça de mui­tos dos habi­tan­tes deste cha­mado "mundo da arte", ape­nas dois tipos de texto: o eli­tista e o infan­ti­li­zado? A comu­ni­ca­ção e a soci­e­dade não é tão biná­ria como estas pseudo cabe­ças a vêem. Para atrair novos públi­cos não é neces­sá­rio fazer arte ou pro­du­zir obra que o público goste ou queira ver - isso é o que faz o mar­ke­ting de pro­du­tos quando os molda aos gos­tos e neces­si­da­des dos con­su­mi­do­res. Trata-se sim de reve­lar a obra atra­vés de uma comu­ni­ca­ção didá­tica, entu­si­as­mante; uma comu­ni­ca­ção que a ilu­mine e que ajude o neó­fito a ler, ou pelo menos a que­rer ler a obra; uma comu­ni­ca­ção que vei­cule, para os novos con­su­mi­do­res, os bene­fí­cios de as ver e enten­der. Nem toda a gente nasce pre­pa­rada para a arte. Como nem toda a gente não nasce pre­pa­rada para a mate­má­tica. Isto não sig­ni­fica que não possa explicar-se uma equa­ção, um pro­blema e a sua reso­lu­ção a quem não é génio ou a quem não entende intui­ti­va­mente a mate­má­tica. Isto faz-se com boa comunicação.

O curi­oso e para­do­xal no muro de pala­vras que envolve a arte e a cul­tura é que a arte euro­peia come­çou por ser comu­ni­ca­ção ao ser­viço da ilu­mi­na­ção da pala­vra. Foi esse afi­nal o seu papel durante sécu­los, ilu­mi­nar o que não se enten­dia, expli­car, mos­trar o que estava ina­ces­sí­vel; abrir ao público em geral - e geral­mente anal­fa­beto - o difí­cil mundo de pala­vras e con­cei­tos que era (e é) a reli­gião. Durante sécu­los uma das prin­ci­pais fun­ções da arte na cul­tura euro­peia foi aju­dar a tra­zer às igre­jas, e à fé, públi­cos reni­ten­tes que não che­ga­vam lá pela pala­vra.

Duchamp, numa entre­vista à BBC no fim da vida, dizia que a arte se asse­me­lhava cada vez mais à reli­gião. É ver­dade. Uma reli­gião das mais her­mé­ti­cas. Uma reli­gião com os seus acó­li­tos, com as suas dife­ren­tes igre­jas e cape­las, como os seus san­tos, os seus pra­ti­can­tes, os seus sacer­do­tes e os seus sábios que falam com outros sábios e que olham, ao longe, para o povo anal­fa­beto e inca­paz de enten­der o mundo de ritu­ais ver­bais e ideias fei­tas que existe nas suas caras, vazias e frias cate­drais. Como dizia um direc­tor de museu, com grá­vi­tas, "a arte é uma coisa muito séria, com a arte não se brinca". Soa mesmo a religião.

"[Em Roma] os fres­cos e as pin­tu­ras das igre­jas estão no cen­tro das con­ver­sas, as pes­soas comprimem-se para ver as novas obras, espe­rando, por vezes horas, para atin­gir a soleira da porta das igre­jas", diz-nos Gil­les Lam­bert num texto sobre Caravaggio.

Foi o que acon­te­ceu com a estreia do Mar­tí­rio de S. Mateus de Cara­vag­gio na Igreja de S. Luigi dei Fran­cesi no iní­cio do 600. O povo fez fila para ir à Igreja ver a "pala­vra". A pala­vra difí­cil, dis­tante, ilu­mi­nada pela arte.

Hoje a arte, uma reli­gião com os seus dog­mas, os seus tex­tos her­mé­ti­cos, os seus mis­té­rios e euca­ris­tias, se quer mais fiéis terá que uti­li­zar "tru­ques" para ilu­mi­nar as suas obras; como o cris­ti­a­nismo fez quando con­vo­cou as artes para ilu­mi­nar a pala­vra.

Tal­vez, numa inver­são da his­tó­ria, seja o tempo da pala­vra que ilu­mina. Tal­vez a pala­vra possa ser uma chave e não o muro que impede a entrada de mais fiéis nos museus.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Escrever é Triste.


Pedro Bidarra
Lisboa, 27/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O feitiço do tempo de Renato Alessandro dos Santos
02. Coisa Mais Linda de Marilia Mota Silva
03. Do inferno ao céu de Cassionei Niches Petry
04. Numa casa na rua das Frigideiras de Elisa Andrade Buzzo
05. Goeldi, o Brasil sombrio de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Pedro Bidarra
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CONTABILIDADE FINANCEIRA: UMA INTRODUÇÃO AOS CONCEITOS, MÉTODOS E USOS
CLYDE P. STRICKNEY & ROMAN L. WEIL
ATLAS
(2008)
R$ 45,00



GUIA DE CONVERSAÇÃO MICHAELIS TOUR
CARAS
MELHORAMENTOS
(2001)
R$ 15,00



TEORIA ELEMENTAR DAS FUNÇÕES
MAURÍCIO ZAHN
CIÊNCIAS MODERNA
(2008)
R$ 45,00



AIDS- E AGORA?* SERIE DIALOGO
LUIZ CLAUDIO CARDOSO
SCIPIONE
(1990)
R$ 8,00



JÁ NÃO PRECISO MAIS DE TI - ARTHUR MILLER (LITERATURA NORTE-AMERICANA)
ARTHUR MILLER
LIVRARIA CIVILIZAÇÃO
(1969)
R$ 15,00



LA CALIDAD EN LA EDUCACION PRIMARIA UN ESTUDIO DE CASO
SYLVIA SCHMELKES
CFE
R$ 4,50



QUIÉN SE HA LLEVADO MI QUESO?
SPENCER JOHNSON M. D.
URANO
(1999)
R$ 5,50



SIGNO Y SIGNIFICACIÓN - GONZALO ABRIL (EM ESPANHOL)
GONZALO ABRIL
PABLO DEL RÍO
(1976)
R$ 8,00



ENTRE O ELEVADOR E A PRAÇA
FÁTTIMA BRITTO
PATUÁ
(2012)
R$ 22,31
+ frete grátis



DORA A AVENTUREIRA - COLORINDO COM ADESIVOS ESPECIAL (INCLUI LÁPIS DE COR E 103 ADESIVOS)
EQUIPE ONLINE
ONLINE
(2018)
R$ 27,00





busca | avançada
34746 visitas/dia
1,3 milhão/mês