O Muro de Palavras | Pedro Bidarra | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
>>> Por que a Geração Y vai mal no ENEM?
Mais Recentes
>>> O Ponto de Mutação de Fritjof Capra pela Círculo do Livro (1990)
>>> Plexus de Henry Miller pela Record (1967)
>>> Uma Questão de Fé de Jodi Picoult pela Planeta (2008)
>>> Vivendo seu Amor de Carolyn Rathbun Sutton e Ardis Dick Stenbakken (compilação) pela Casa Publicadora Brasileira (2017)
>>> O Significado da Astrologia de Elizabeth Teissier pela Bertrand (1979)
>>> Um amor de gato de Glenn Dromgoole pela Publifolha (2002)
>>> Origami & Artesanato em Papel de Paul Jackson & Angela A'Court pela Edelbra (1995)
>>> Gestão de Pessoas de Idalberto Chiavenato pela Campus (2010)
>>> Album de família de Danielle Stell pela Record
>>> Passageiros da ilusão de Danielle Stell pela Record (1988)
>>> Casa forte de Danielle Stell pela Record
>>> Segredo de uma promessa de Danielle Stell pela Record
>>> Enquanto o amor não vem de Iyanla Vanzant pela Sextante (1999)
>>> Relembrança de Danielle Stell pela Record
>>> O Egypto de Eça de Queiroz pela Porto (1926)
>>> Momentos de paixão de Danielle Stell pela Record
>>> Um desconhecido de Danielle Stell pela Record
>>> Uma vez só na vida de Danielle Stell pela Record
>>> O apelo do amor de Danielle Stell pela Record (1983)
>>> Agora e sempre de Danielle Stell pela Record (1985)
>>> O Princípio Constitucional da Igualdade e o Direito do Consumidor de Adriana Carvalho Pinto Vieira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Histórias Anunciadas de Djalma França pela Decálogo/ belo Horizonte (2003)
>>> Constituição da República Federativa do Brasil de Senado Federal pela Senado Federal (2006)
>>> Eterna Sabedoria de Ergos pela Fraternidade Branca Universal do Arcanjo Mickael (1974)
>>> Leasing Agrário e Arrendamento Rural como Opção de Compra de Lucas Abreu Barroso pela Del Rey/ Belo Horizonte (2001)
>>> Contratos Internacionais de Seguros de Antonio Marcio da Cunha Guimarães pela Revista dos Tribunais (2002)
>>> Amor de Perdição / Eurico, o Presbítero de Camilo Castelo Branco / Alexandre Herculano pela Círculo do livro (1978)
>>> Carajás de Paulo Pinheiro pela Casa Publicadora Brasileira (2007)
>>> Menopausa de Diversos pela Nova Cultural (2003)
>>> Guia de Dietas de Diversos pela Nova Cultural (2001)
>>> Seguros: Uma Questão Atual de Coordenado pela EPM/ IBDS pela Max Limonard (2001)
>>> O Significado dos Sonhos de Diversos pela Nova Cultural (2002)
>>> A Dieta do Tipo Sanguíneo - A B O AB de Peter J. D'Adamo pela Campus (2005)
>>> Cem Noites - Tapuias de Ofélia e Narbal Fontes pela Ática (1982)
>>> Direito do Trabalho ao Alcance de Todos de José Alberto Couto Maciel pela Ltr (1980)
>>> Manon Lescaut de Abade Prévost pela Ediouro (1980)
>>> A Reta e a Curva: Reflexões Sobre o Nosso Tempo de Riccardo Campa (com) O. Niemeyer (...) pela Max Limonard (1986)
>>> Introdução às Dificuldades de Aprendizagem de Vítor da Fonseca pela Artes Médicas (1995)
>>> Dos Crimes Contra a Propriedade Intelectual: Violação... de Eduardo S. Pimenta/ Autografado pela Revista dos Tribunais (1994)
>>> O Cortiço de Aluísio Azevedo pela Ática (1988)
>>> A Voz do Mestre de Kahlil Gibran pela Círculo do livro (1973)
>>> O Jovem e seus Assuntos de David Wilkerson pela Betânia (1979)
>>> Emília no País da Gramática de Monteiro Lobato pela Brasiliense (1978)
>>> The Art Direction Handbook for Film de Michael Rizzo pela Focal Press (2005)
>>> A Escrava Isaura de Bernardo Guimarães pela Melhoramentos (1963)
>>> O Grande Conflito de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (1983)
>>> Filosofia do Espírito de Jerome A. Shaffer pela Zahar (1980)
>>> Muito Além das Estrelas de Álvaro Cardoso Gomes pela Moderna (1997)
>>> A Grande Esperança de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2011)
>>> É Fácil Jogar Xadrez de Cássio de Luna Freire pela Ediouro (1972)
COLUNAS

Quarta-feira, 27/11/2013
O Muro de Palavras
Pedro Bidarra

+ de 7200 Acessos

"A pre­o­cu­pa­ção latente nesta expo­si­ção prende-se com a ambi­gui­dade e com os para­do­xos ine­ren­tes ao exer­cí­cio da hos­pi­ta­li­dade, com os pos­tu­la­dos que defi­nem e con­di­ci­o­nam os usos da arqui­te­tura. Os con­teú­dos e situ­a­ções gera­das pelos tra­ba­lhos ali pre­sen­tes des­ta­bi­li­zam as regras e os com­pro­mis­sos sub­ja­cen­tes à ocu­pa­ção e uso do espaço para levan­tar ques­tões acerca dos luga­res do dia-a-dia, da forma como nos rela­ci­o­na­mos com eles e como eles nos fazem rela­ci­o­nar com o outro. Na inti­mi­dade que esta­be­le­cem entre lugar e ocu­pante cada um dos tra­ba­lhos exerce for­mas de hos­pi­ta­li­dade. Seja para evi­den­ciar os con­fli­tos ine­ren­tes ao seu exer­cí­cio ou para lem­brar a urgên­cia da sua apli­ca­ção, para ins­ti­gar encon­tros ines­pe­ra­dos ou para pro­mo­ver opo­si­ções, ou con­ver­gên­cias, ou com­ba­tes, ou con­sen­sos."

Texto de um curador.

A maior bar­reira à entrada no mundo da arte, e nos museus e gale­rias que a cele­bram, sem­pre foi, para mim, o muro de pala­vras que o envolve. Um muro eri­gido por crí­ti­cos, jor­na­lis­tas, cura­do­res, comis­sá­rios e às vezes pelos pró­prios artis­tas; um muro de pala­vras que não comu­nica.

Na semana pas­sada fui gen­til­mente con­vi­dado para falar no Encon­tro Museus e Monu­men­tos, no Con­vento de Cristo em Tomar, sobre comu­ni­ca­ção. Apa­ren­te­mente, neste nosso mundo sem dinheiro, a prin­ci­pal pre­o­cu­pa­ção dos ges­to­res da cul­tura é atrair novos públi­cos para a sua causa: para a arte e para os even­tos cul­tu­rais. O encon­tro era sub-titulado "Comu­ni­car, Ino­var, Sus­ten­tar". A minha apre­sen­ta­ção chamou-se O Muro de Pala­vras que é tam­bém o título de um docu­men­tá­rio que tenho estado a preparar.

Como é sabido, o mundo da arte é, ten­den­ci­al­mente, alér­gico ao mar­ke­ting. E com toda a razão. O mar­ke­ting é uma prá­tica que tem como objec­tivo criar van­ta­gem e apelo nos pro­du­tos para atrair con­su­mi­do­res. Ape­nas uma parte do mar­ke­ting é comu­ni­ca­ção; a parte mais cara mas não a mais impor­tante. A mais impor­tante é o dese­nho do pro­duto ou do ser­viço de modo a satis­fa­zer neces­si­da­des do con­su­mi­dor. Não é, obvi­a­mente, esse o papel da arte. Pelo menos não é esse o seu papel ime­di­ato. Tal­vez seja o de satis­fa­zer as neces­si­da­des da comu­ni­dade ou da soci­e­dade mas, para o fazer, nem sem­pre satis­faz as neces­si­da­des do dia, do con­tem­po­râ­neo; as neces­si­da­des das ins­ti­tui­ções e pes­soas com ali­cer­ces na con­ven­ção e no sta­tus quo. O bene­fí­cio das artes e dos seus con­cei­tos só mais tarde são visí­veis na soci­e­dade. Nesse sen­tido pode­mos ver a arte como um inves­ti­mento que só rende lá longe. Ao con­trá­rio das inven­ções, que são man­ti­das secre­tas nos labo­ra­tó­rios até che­gar o momento da sua uti­li­dade bri­lhar à luz do dia, a arte e os seus con­cei­tos, para cum­pri­rem a sua mis­são, têm que ser públi­cos. "Se uma árvore cai na flo­resta e não hou­ver lá nin­guém para ouvir, se não hou­ver um tím­pano para vibrar, a árvore não faz baru­lho" diz-nos um pro­vér­bio chi­nês. É por isso que a comu­ni­ca­ção é pre­cisa.

Não que os tex­tos her­mé­ti­cos, sofis­ti­ca­dos e com­ple­xos não tenham valor e não tenham que ser escri­tos; não que as obras não tenham que ser ana­li­sa­das e con­tex­tu­a­li­za­das; mas estes tex­tos que apa­re­cem em jor­nais, catá­lo­gos e na comu­ni­ca­ção, e que cons­ti­tuem, mui­tas vezes, o único inter­face com o mundo, não têm valor comu­ni­ca­ci­o­nal para os novos públi­cos que os museus, as gale­rias e a arte pro­cu­ram. O muro de pala­vras que cerca o mundo da arte e que impede o neó­fito de entrar, tanto quanto impede os que lá vivem de olhar para o resto do mundo, é o con­trá­rio de comunicação.

"O pós-estruturalismo, com ori­gem lin­guís­tica no fran­cês, tem uma obses­são por pala­vras que o torna incom­pe­tente para ilu­mi­nar qual­quer forma de arte que não seja a lite­ra­tura [.] uma das razões para a actual mar­gi­na­li­za­ção das belas artes radica no facto de os artis­tas fala­rem para outros artis­tas e para um cír­culo fechado de hip cog­nos­centi que per­deu o con­tacto com o público em geral, cujos gos­tos e valo­res eles cari­ca­tu­ram e tro­çam", diz-nos a Camille Paglia no seu livro Glit­te­ring Images.

No docu­men­tá­rio O Muro de Pala­vras, que estou a pro­du­zir, pedi­mos a pes­soas para lerem tex­tos que acom­pa­nham as obras de artes e as expo­si­ções. Mos­tra­mos tex­tos de crí­tica, de anún­cios de even­tos cul­tu­rais, tex­tos dos cura­do­res de expo­si­ções, comu­ni­ca­dos à imprensa e arti­gos da imprensa espe­ci­a­li­zada e per­gun­ta­mos aos sujei­tos que os leram do que tra­tam? que dúvi­das têm? o que não per­ce­be­ram? o que espe­ram encon­trar na dita expo­si­ção? e se têm ou não von­tade de ir vê-la?

Tex­tos como o que está trans­crito no iní­cio deste texto.

As pes­soas que recru­tá­mos para este docu­men­tá­rio são cida­dãos com for­ma­ção uni­ver­si­tá­ria, que via­jam e que têm hábi­tos de lei­tura. Pes­soas acima da "média", por­tanto, como a Susana: for­ma­ção supe­rior, psi­co­te­ra­peuta, 40 anos, dois filhos, vive na grande Lis­boa; não tem hábito de ir a expo­si­ções e museus a não ser quando con­vi­dada para um evento de cro­que­tes, o que acon­tece 1 vez por ano, mas vê ima­gens de arte e design nas redes soci­ais, Pin­te­rest e nou­tros sites; tem livros de arte em casa. Ou como o Miguel: for­ma­ção supe­rior, ges­tor, vive em Lis­boa, lei­tor com­pul­sivo de roman­ces e dos clás­si­cos; não tem ami­gos artis­tas nem fre­quenta meios inte­lec­tu­ais; não foi a uma única expo­si­ção ou museu no último ano; via­jante fre­quente, visita tudo o que é museu e monu­mento por esse mundo fora.

A estas e a outras sim­pá­ti­cas cobaias demos a ler os tex­tos que refe­ri­mos e per­ce­be­mos que as pala­vras não aju­da­vam, não abrem por­tas, não ilu­mi­nam antes pelo con­trá­rio. Per­ce­be­mos que os tex­tos, ao cer­car o mundo da arte de vocá­bu­los e con­cei­tos nem sem­pre enten­dí­veis para o público não habi­tual, o afasta em vez de atrair. Obs­cu­rece em vez de ilu­mi­nar.

Mui­tas serão as bar­rei­ras a remo­ver para que as pes­soas que têm capa­ci­dade para enten­der o fenó­meno cul­tu­ral e artís­tico tenham tam­bém von­tade de o pro­cu­rar. A comu­ni­ca­ção é uma das mai­o­res.

Mas tem que ser assim? Haverá, como há na cabeça de mui­tos dos habi­tan­tes deste cha­mado "mundo da arte", ape­nas dois tipos de texto: o eli­tista e o infan­ti­li­zado? A comu­ni­ca­ção e a soci­e­dade não é tão biná­ria como estas pseudo cabe­ças a vêem. Para atrair novos públi­cos não é neces­sá­rio fazer arte ou pro­du­zir obra que o público goste ou queira ver - isso é o que faz o mar­ke­ting de pro­du­tos quando os molda aos gos­tos e neces­si­da­des dos con­su­mi­do­res. Trata-se sim de reve­lar a obra atra­vés de uma comu­ni­ca­ção didá­tica, entu­si­as­mante; uma comu­ni­ca­ção que a ilu­mine e que ajude o neó­fito a ler, ou pelo menos a que­rer ler a obra; uma comu­ni­ca­ção que vei­cule, para os novos con­su­mi­do­res, os bene­fí­cios de as ver e enten­der. Nem toda a gente nasce pre­pa­rada para a arte. Como nem toda a gente não nasce pre­pa­rada para a mate­má­tica. Isto não sig­ni­fica que não possa explicar-se uma equa­ção, um pro­blema e a sua reso­lu­ção a quem não é génio ou a quem não entende intui­ti­va­mente a mate­má­tica. Isto faz-se com boa comunicação.

O curi­oso e para­do­xal no muro de pala­vras que envolve a arte e a cul­tura é que a arte euro­peia come­çou por ser comu­ni­ca­ção ao ser­viço da ilu­mi­na­ção da pala­vra. Foi esse afi­nal o seu papel durante sécu­los, ilu­mi­nar o que não se enten­dia, expli­car, mos­trar o que estava ina­ces­sí­vel; abrir ao público em geral - e geral­mente anal­fa­beto - o difí­cil mundo de pala­vras e con­cei­tos que era (e é) a reli­gião. Durante sécu­los uma das prin­ci­pais fun­ções da arte na cul­tura euro­peia foi aju­dar a tra­zer às igre­jas, e à fé, públi­cos reni­ten­tes que não che­ga­vam lá pela pala­vra.

Duchamp, numa entre­vista à BBC no fim da vida, dizia que a arte se asse­me­lhava cada vez mais à reli­gião. É ver­dade. Uma reli­gião das mais her­mé­ti­cas. Uma reli­gião com os seus acó­li­tos, com as suas dife­ren­tes igre­jas e cape­las, como os seus san­tos, os seus pra­ti­can­tes, os seus sacer­do­tes e os seus sábios que falam com outros sábios e que olham, ao longe, para o povo anal­fa­beto e inca­paz de enten­der o mundo de ritu­ais ver­bais e ideias fei­tas que existe nas suas caras, vazias e frias cate­drais. Como dizia um direc­tor de museu, com grá­vi­tas, "a arte é uma coisa muito séria, com a arte não se brinca". Soa mesmo a religião.

"[Em Roma] os fres­cos e as pin­tu­ras das igre­jas estão no cen­tro das con­ver­sas, as pes­soas comprimem-se para ver as novas obras, espe­rando, por vezes horas, para atin­gir a soleira da porta das igre­jas", diz-nos Gil­les Lam­bert num texto sobre Caravaggio.

Foi o que acon­te­ceu com a estreia do Mar­tí­rio de S. Mateus de Cara­vag­gio na Igreja de S. Luigi dei Fran­cesi no iní­cio do 600. O povo fez fila para ir à Igreja ver a "pala­vra". A pala­vra difí­cil, dis­tante, ilu­mi­nada pela arte.

Hoje a arte, uma reli­gião com os seus dog­mas, os seus tex­tos her­mé­ti­cos, os seus mis­té­rios e euca­ris­tias, se quer mais fiéis terá que uti­li­zar "tru­ques" para ilu­mi­nar as suas obras; como o cris­ti­a­nismo fez quando con­vo­cou as artes para ilu­mi­nar a pala­vra.

Tal­vez, numa inver­são da his­tó­ria, seja o tempo da pala­vra que ilu­mina. Tal­vez a pala­vra possa ser uma chave e não o muro que impede a entrada de mais fiéis nos museus.

Nota do Editor:
Texto gentilmente cedido pelo autor. Originalmente publicado no blog Escrever é Triste.


Pedro Bidarra
Lisboa, 27/11/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Paris branca de neve de Renato Alessandro dos Santos
02. Nos escuros dos caminhos noturnos de Elisa Andrade Buzzo
03. Seis meses em 1945 de Celso A. Uequed Pitol
04. Nuvem Negra* de Marilia Mota Silva
05. Mente Turbinada e Brasil na Copa de Marilia Mota Silva


Mais Pedro Bidarra
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O MÁGICO DE OZ - COL. CLÁSSICOS PARA SEMPRE
MAURÍCIO DE SOUSA
GIRASSOL
(2015)
R$ 9,00



FLASHES
MANOEL RAMOS E NEIDE RAMOS
EDITORAÇÃO
(2002)
R$ 15,00



A MAQUINA DO AMOR
JACQUELINE SUSANN
ABRIL
(1985)
R$ 6,00



ESCOLA E FORMAÇÃO PROFISSIONAL
VITOR HENRIQUE
CULTRIX
(1983)
R$ 18,90



A ESCRAVA ISAURA
BERNARDO GUIMARÃES
ATICA
R$ 5,00



DEZ CONVERSAS - DIÁLOGOS COM POETAS CONTEMPORÂNEOS
FABRÍCIO MARQUES
GUTENBERG
(2004)
R$ 17,90



JUS SANGUINIS
MARCOS ELIAS
RAMA
(2009)
R$ 4,00



O ESPAÇO NA POESIA E NA PINTURA ATRAVÉS DO PONTO DE FUGA
MARSHALL MCLUHAN E HARLEY PARKER
HEMUS
(1975)
R$ 38,00



A ARTE DA LINGUAGEM CORPORAL - DIGA TUDO QUE PENSA SEM PRECISAR FALAR
JAMES BORG
SARAIVA
(2011)
R$ 39,90



CARTAS DE MANÚ
MÓNICA PALACIOS
SOUL
(2019)
R$ 35,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês