Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
>>> Big Bang
>>> 2013: mulheres escritoras e suas artes
>>> Les Misérables
Mais Recentes
>>> Guia Completo Do Tricô de Denise Gianoglio pela Escala (2019)
>>> Livro Literatura Estrangeira Um luxo de Perfume de Roberto D’Angelo pela Caravana
>>> Educação Escolar das Relações Étnico-raciais de José Antônio Marçal, Silvia Maria Amorim Lima pela Intersaberes (2015)
>>> Batman - A Maldição do Caveliro Branco de Sean Murphy pela Panini Comics (2020)
>>> A Guardia Da Minha Irma de Jodi Picoult pela Verus (2011)
>>> Livro Psicologia Motivação, Liderança e Lucro A trilogia para uma empresa de sucesso de Marco Aurélio Ferreira Vianna pela Gente (1999)
>>> Heróis De Verdade: Pessoas Comuns Que Vivem Na Sua Essência de Roberto Shinyashiki pela Gente (2005)
>>> Leonardo Da Vinci E Seu Supercérebro de Michael Cox pela Seguinte (2004)
>>> Ponto de Criação - Contos e Crônicas de Temáticas Livre de Alfer Medeiros pela Andross (2016)
>>> Finding Sky Die Macht Der Seelen: Roman de Joss Stirling pela Dtv Verlagsgesellschaft (2014)
>>> A Menina Que Contava Histórias de Jodi Picoult pela Verus (2015)
>>> Livro Filosofia Platão de Nova Cultural Ltda. pela Nova Cultural Ltda. (2004)
>>> Prosperity? de Ken, Maura, Michael, Piper, John, Grudem, Wayne, Mbewe, Conrad Mbugua pela Acts Kenya (2016)
>>> Introdução a psicologia de Donald Olding Hebb pela Atheneu (1971)
>>> Livro Literatura Estrangeira Meridian Um romance sobre o movimento dos direitos civis e a luta das mulheres negras de Alice Walker pela José Olympio (2022)
>>> O Despertar de Snyder, Murphy pela Panini Comics
>>> Ensaios de Michel De Montaigne pela Edit 34 (2016)
>>> Livro Turismo Mil Lugares para Conhecer Antes de Morrer de Patricia Schultz pela Sextante (2006)
>>> Coleção Biblioteca Infantil Encyclopedia Britânica do Brasil 10 Livros do Eu + Das Cores + Animais + Formas + Palavras + Números + Animais + Tempo de Christine Timmons pela Encyclopedia Britannica do Brasil Publicações (1979)
>>> Diálogos Da Perplexidade de Bernardo Kucinski pela Fundacao Perseu Abramo (2009)
>>> Livro Literatura Brasileira O Sedutor do Sertão de Ariano Suassuna pela Nova Fronteira (2020)
>>> Introducao À Leitura De Hegel de Alexandre Kojève pela Contraponto (2014)
>>> Encontrando Deus em O Senhor dos Anéis de Kurt Bruner, Jim Ware pela Bompastor (2002)
>>> O Poder Da Mente de R. Stanganelli pela Martin Claret (2006)
>>> Livro Poluição do Ar Polêmica Coleção Polêmica de Samuel Murgel Branco; Eduardo Murgel pela Moderna (2004)
COLUNAS

Segunda-feira, 6/1/2014
Kardec, A Biografia, de Marcel Souto Maior
Ricardo de Mattos
+ de 6100 Acessos

"Lamento-o, caro senhor, porém não tenho o dom de fazer milagres. Julgais que uma ou duas sessões bastariam para adquirirdes convicção? (...) Eu precisei de um ano de trabalho para ficar convencido" (Allan Kardec).

Neste ano em que as biografias foram objeto de curiosa polêmica, chega às livrarias um livro tão inesperado quão gratificante. Trata-se da biografia de Allan Kardec, escrita por Marcel Souto Maior, quem já escreveu outrora a de Francisco Cândido Xavier. "Coisa tranquila escrever a respeito de quem já desencarnou sem herdeiros, em tempo e lugar distantes", podereis observar diante da última celeuma. Pelo contrário: meia dúzia de mentes brilhantes podem frustrar um lançamento que nos remete às batalhas dos primeiros anos do Espiritismo e relembram a humanidade daquele que foi seu primeiro comandante-em-chefe.

O texto é ligeiro e enxuto. Quem quiser maior detalhamento que recorra à obra em três volumes escritos por Zeus Wantuil e Francisco Thiesen, recentemente reeditada em dois volumes. O que nos faz adiar a leitura do trabalho de Wantuil e Thiesen é o capítulo em que eles preocupam-se em investigar si Kardec foi ou não médico, si teve ou não formação em Medicina, no que farejamos algo tendencioso e irrelevante para o conhecimento a respeito do Codificador. Sua importância para os seguidores do Espiritismo advém do fato de ele ter sido médico ou do fato de ele ter organizado as bases da Doutrina?

Duas partes são nítidas na biografia escrita por Souto Maior. A primeira, quando escreve sobre o professor Hippolyte Léon Denizard Rivail, educador cético e autor de diversas obras para uso escolar ou universitário. Talvez devido à ausência de maiores informações a respeito de sua vida escolar e familiar, Souto Maior transmite o que já é sabido, intercalando informações sobre o a sociedade francesa na primeira metade do século XIX, especialmente quando esta sociedade diverte-se com as brincadeiras em torno das mesas girantes. Na segunda parte o biógrafo escreve a respeito de Allan Kardec, pseudônimo adotado pelo professor Rivail quando do lançamento da primeira versão do Livro dos Espíritos. Nesta parte, segue a linha cronológica definida pela sequência de publicação das obras da chamada Codificação e pelas informações pescadas na Revista Espírita.

A Revista Espírita, publicação cujo subtítulo é Jornal de Estudos Psicológicos, foi editada por Kardec entre 1858 e 1869, ano de seu desencarne. Nela é possível encontrar o Kardec combativo, enfrentando cada uma das acusações que ele e a Doutrina recebiam rotineiramente. Ao consultar a bibliografia utilizada por Souto Maior percebemos que, embora ele mencione a quase totalidade das obras de Kardec, e embora ele demonstre ter tido contado com um livro de Eduardo Carvalho Monteiro, ele esqueceu-se ou ignorou o último e desafiador opúsculo kardecista. Trata-se do Catálogo Racional - Obras para se fundar uma biblioteca espírita, descoberto e traduzido por Carvalho Monteiro, o qual já mencionamos alhures.

Não identificamos na biografia escrita por Souto Maior pesquisa que ultrapasse a bibliográfica. Si ele menciona visita a algum endereço habitado por Kardec, ou outro local por onde tenha passado, não percebemos. Caso tenha entrevistado pessoas, ou entrado em contato com os atuais mantenedores do Espiritismo na França, perdemos. O livro não traz foto ou fac-símiles de documentos autógrafos, tão a gosto de biografias que já tivemos oportunidade de compulsar ou ler. Por outro lado, a biografia é digna de elogios sinceros. Souto Maior lidou com uma grande quantidade de textos e extraiu um retrato dinâmico e suficiente de Kardec, retrato necessário para os dias de hoje, quando o Espiritismo periga transformar-se num catolicismo reencarnacionista. Não criticaremos a Igreja que primeiramente nos acolheu nesta encarnação e da qual fomos defensor em outras. As propostas são diferentes e o mero deter-se em distingui-las pode levar a divagações deslocadas.

Capítulo sim, capítulo não, praticamente, Souto Maior discorre a respeito da pior azucrinação de Kardec, que foi a financeira. Limitar a discussão ao campo das ideias e à veracidade ou não dos fenômenos por ele verificados, era uma coisa: havia adeptos e opositores como em qualquer questão. Todo o ano, porém, Kardec precisava comprovar sua idoneidade na administração da Sociedade Espírita de Paris, e mesmo a honestidade de sua vida pessoal. A obrigação de prestar contas da gestão para fins administrativos difere da defesa contínua. Não é difícil imaginar que, a cada acusação lançada, seus próprios correligionários punham-se em alerta. As acusações vinham do clero, da imprensa, da academia e da sociedade, em obra conjunta ou isolada. E sabemos o quanto é desgastante interromper o trabalho que se ama e que nos monopoliza a atenção, para retornar a pontos já detalhados quatro, cinco, seis vezes. Com o tempo, aprende-se a diferenciar a preocupação legítima da mera importunação.

Em julho de 1869 foi lançado no Brasil o periódico bimestral Ecos do Além Túmulo. A publicação baiana recebeu menção expressa nas páginas da Revista Espírita, a cargo de um comitê após o desencarne de Kardec. Admiraram-se os componentes deste comitê que o Espiritismo tenha encontrado espaço num país considerado religiosamente fechado. Isto garantiu à Doutrina sua guarda após a decadência no território de origem, mas fez predominar o aspecto religioso. Gostaríamos de realçar três pontos.


Marcel Souto Maior
(promoview.com.br)

Primeiro, que Kardec pleiteou a configuração do Espiritismo como doutrina filosófica de base científica e consequências morais. Ou seja, da observação e questionamento dos fenômenos poder-se-ia chegar a ideias que repercutiriam no campo moral. A existência humana poderia adequar-se finalmente à Natureza, considerada esta em seu mais amplo aspecto, que englobaria o visível e o invisível. Aliás, que englobaria o crível e o que ainda se encontra na condição de incrível, pois com seres e elementos invisíveis nós já lidamos rotineiramente: vírus, bactérias, átomos, partículas subatômicas, moléculas, raios de luz, ondas sonoras. Convidando o homem a desvendar seu papel não mais no mundo, mas no próprio Universo, o Espiritismo pretende levá-lo a conduzir-se sem submissões a dogmas e instituições. Admitamos que ser "senhor de si" exige uma dose de coragem que muitos não estão dispostos a desenvolver.

Segundo, que toda tentativa de sistematizar algum conhecimento que não reserve espaço para o que ainda está por descobrir-se resulta num circuito fechado que perecerá com o passar do tempo. Ou num jogo, cujo conhecimento das regras poderá ser utilizado a favor do jogador mais atento e nem sempre melhor intencionado. Todo pensamento, teísta ou não, que desconsidere a capacidade de crescimento do espírito humano, crescimento para além daquilo que este mesmo pensamento prega, revelar-se-á insuficiente e sufocador. Estamos convictos da existência de Deus e da vida espiritual. Não espere o leitor de nós, todavia, definições ou receitas para bem viver: apenas desconfiamos que isto envolva livros, chocolates e cachorras indecentes que escondem a chave do carro.

Terceiro, e esta é uma reflexão pessoal desenvolvida ultimamente, religião não é um conjunto de regras, práticas, crença e obediência a pessoas ainda mais carentes de sentido do que nós mesmos. Não haveria uma religião católica, evangélica, espírita, hinduísta ou islâmica. Instituições e partidos, sim. Religião, conforme o rastro que seguimos após encontrarmos a semente no próprio Espiritismo, seria justamente o fenômeno de reencontro da alma com Deus, da criatura com o Criador. Seria uma experiência personalíssima, imprevisível e não sujeita a regras. Há um capítulo do Sidarta, de Hermann Hesse, em que o personagem encontra o próprio Buda e observa que, si seguisse suas orientações, repetiria apenas o percurso dele, no que foi compreendido.

Podemos citar alguns dos princípios espíritas. Tudo foi criado por Deus. O Universo é composto por inteligência e matéria. O homem, parcela desta criação, também é composto de inteligência e matéria, de espírito e corpo. O espírito sobrevive à matéria e a ela retorna através da reencarnação para completar sua evolução. É possível a comunicação entre encarnados e desencarnados. A fé deve ser raciocinada. Muitos são os mundos habitados. Nota-se que o dualismo cartesiano é radicalizado e que os demais não são estranhos à humanidade, mormente à parcela oriental, o que já rendeu ao espiritismo a alcunha de "faquirismo ocidental". No Brasil, a conversão do aspecto moral em religioso, se por um lado jogou sombra sobre o aspecto científico e o filosófico, tornando a doutrina presa de mentes instáveis, por outro lado representou um ganho ao consolidar a proeminência da figura de Jesus Cristo. Não o Cristo místico, mas o histórico. No mundo, o declínio do Espiritismo como ciência é um dos frutos da Segunda Guerra Mundial, que mergulhou significativa parcela da humanidade num quadro de desconfiança e mesmo de rejeição. Sobreviveu certa atração pelo que se denomina paranormalidade, mas isto sequer representa o que Kardec pretendia. A fenomenologia é maltratada, mas pesquisas sérias são realizadas principalmente no campo da saúde, percebendo-se que as mazelas humanas não encontram sua causa apenas no físico e no psíquico.

Em duas ou três oportunidades, Kardec rejeitou o rótulo de religião para a doutrina cujos princípios lutava para assentar. Como bem lembra Souto Maior, no texto kardecista O Espiritismo é uma religião?, há rejeição frontal a esta vinculação, repugnando ao Codificador o estabelecimento de sacerdotes, hierarquia, cerimônias e rituais. É certo que a pessoa pode partir do que sabe para atingir o que ainda não sabe, mas é certo, também, que ela pode não fazer a posterior distinção entre as ideias. Exemplos disso tivemos nos últimos anos - e ainda temos. Um deles, ao tentar impedir que o Centro do qual somos coadministrador começasse a ser encarado como Igreja. Outro, ao tomarmos conhecimento que uma pessoa conhecida cismou de usar uma aliança no dedo, simbolizando seu compromisso com a Doutrina. O uso de aliança é próprio de freiras católicas, que simbolizam assim seu casamento com Cristo. Não tiraremos a aliança da mão da pessoa, nem a convidaremos a fazê-lo. Entretanto, não nos escapa à observação a possível emersão para a consciência - e daí, para o cotidiano - de experiência passada, experiência repetida e não ressignificada.

Ignoramos que mais pode prejudicar um trabalho. Quem está "fora" e ataca-o sem conhecê-lo, ou quem está "dentro" e pensa conhecê-lo. Bem estudado e meditado, o Espiritismo revela-se uma força cujas tentativas de domesticação revelam-se tão infrutíferas quanto histéricas. Em nossa experiência pessoal, representou a queda de nosso muro de Berlin. Atingindo o homem em seu âmago, exorta-o a prosseguir de onde parou e a arrumar o que desarrumou. Gostaríamos de citar duas assertivas, uma de quem rejeitou o Espiritismo e outra para quem ele parece ser indiferente.

A primeira é da autoria de Sigmund Freud, citada como epígrafe na caudalosa biografia escrita por Peter Gay. Segundo o pai da psicanálise, em texto sobre Leonardo da Vinci, "não existe ninguém tão grande para quem seja uma desonra estar sujeito às leis que regem com igual rigor a atividade normal e a atividade patológica". A segunda é do psicólogo e sacerdote católico Jean-Yves Leloup, na introdução de Terapeutas do Deserto: "o sinal de que a nossa experiência de luz é verdadeira é que ela nos permite descobrir nossa sombra". O simples fato do desencarne demonstra que a igualdade é uma lei natural, seja qual for o recipiente que receba nossos despojos. Nossa origem é idêntica em criação e natureza, idêntica é nossa submissão às leis naturais, sejamos reis ou plebeus. Todos temos trajetórias em que fomos mais ou menos felizes. Há um mesmo sentido para todos, que é a necessária evolução intelectual e moral. A forma como se dará esta evolução é pessoal e intransferível, pois se nossa origem é idêntica, somos indivíduos únicos.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 6/1/2014

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Os Doze Trabalhos de Mónika. 6. Nas Asas da Panair de Heloisa Pait
02. Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt de Jardel Dias Cavalcanti
03. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3) de Marilia Mota Silva
04. Gullar X Nunos Ramos: o dilema da arte de Wellington Machado
05. O Mito da Eleição de Marilia Mota Silva


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2014
01. Memórias de um caçador, de Ivan Turguêniev - 17/3/2014
02. Sobre a Umbanda e o Candomblé - 23/6/2014
03. As Vacas de Stalin, de Sofi Oksanen - 10/2/2014
04. Lares & Lugares - 18/8/2014
05. Por que o mundo existe?, de Jim Holt - 28/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Aniversário da Infanta
Oscar Wilde
Folha de S. Paulo
(2018)



Livro Pedagogia Educação Emocional
Edênio Valle
Olho D Água
(2024)



Arquivo X - Sangue p- Vol. 7
Chris Carter
Caras
(1997)



Manual Prático de Conversação Português, Inglês-alemão
Carl Huber
Artesc
(1992)



Praticando Valores Prevenindo Vicios
Daise Aguiar Silva
Daise Publicações
(2014)



Quarenta Mil Anos de Arte Moderna
L. A. Mauduit
Itatiaia
(1959)



Revista Mundo Estranho Junho 2007 Edição nº 64
Abril
Abril
(2007)



A Revolução no Ensino
W Kenneth Richmond
Companhia Nacional
(1975)



Dog Soldiers a Flag For Sunrise Outerbridge Reach
Robert Stone
The Library of America
(2020)



As Grandes Obras Politicas de Maquiavel a Nossos Dias
Jean Jacques Chevallier
Agir
(1982)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês