O Brasil pode ser um país de leitores? | Ana Elisa Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
45069 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto cultural leva cinema até paradas de descanso de caminhoneiros
>>> HOMENS NO DIVÃ Ano XV
>>> Paulo Goulart Filho é S. Francisco de Assis na peça de Dario Fo
>>> Momo e o Senhor do Tempo estreia dia 15 de janeiro
>>> Rafa Castro leva canções de Teletransportar ao palco do Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Outliers, de Malcolm Gladwell
>>> Nem morta!
>>> A América de John Steinbeck
>>> 7 de Setembro
>>> Como num filme
>>> É proibido proibir
>>> Museu dos brinquedos
>>> O engano do homem que matou Lennon
>>> 1º de Novembro de 2014
>>> Overmanos e Overminas do Brasil, uni-vos!
Mais Recentes
>>> O Grito da Esfinge Livro 1 - Os Prisioneiros da Eternidade de William Goldoni pela Novo Século (2005)
>>> Inteligência Natural: Integração Corpo-Mente E Desenvolvimento Humano de Susan Aposhyan pela Manole (2001)
>>> Tratado Geral dos Portais de Libertação de Ortiz Belo de Souza pela Portais de Libertação (2008)
>>> Jornada dos Anjos de Sandra Carneiro; Lucius pela Vivaluz (2010)
>>> Uma Sistematização Sobre a Saúde do Trabalhador: do Exótico ao Esotérico de Paulo Rogério Albuquerque de Oliveira pela Ltr (2011)
>>> Cultura Geral - Tudo o que se deve saber de Dietrich Schwanitz pela Martins Fontes (2007)
>>> Renascer das Emoções de Marco Antonio Maiuri Miranda pelo espírito Lucio pela Mnêmio (1998)
>>> Tietê - Imagens que o Brasil Não Vê de Denis Ferraz pela Não especificado (2000)
>>> Os Dez Mandamentos da Ética de Gabriel Chalita pela Nova Fronteira (2003)
>>> Desejo Paixão e Ação na Ética de Espinosa de Marilena Chauí pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Desejo Paixão e Ação na Ética de Espinosa de Marilena Chauí pela Companhia Das Letras (2011)
>>> Os Florais do Dr. Bach - As Flores e os Remédios de Antonieta Barreira Cravo pela Hemus
>>> Chic[érrimo] - Moda e etiqueta em novo regime de Gloria Kalil pela Códex (2004)
>>> Labirinto de Ossos de Rick Riordan pela Atica (2009)
>>> Bilionários Por Acaso: A Criação do Facebook de Ben Mezrich pela Intrínseca (2010)
>>> Vertigem Digital - Por que as Redes Sociais... de Andrew Keen pela Zahar (2012)
>>> Le Nouveau Bescherelle - L'Art ded Conjuguer-Dictionnaire de 12000 Verbes de Bescherelle pela Ao Livro Técnico (1984)
>>> As Mais Belas Páginas da Literatura Árabe de Mansour Challita pela Civilização Brasileira
>>> Cartas de Mário de Andrade e Oneyda Alvarenga pela Duas Cidades (1983)
>>> O Século do Martírio - Os extermínios colectivos e o martírio dos cristãos do século XX de Andrea Riccardi pela Quetzal (2002)
>>> Medicina Oriental: diagnose, fisiologia e curas de Michio Kushi pela Sol Nascente
>>> 26 Poetas Hoje - Antologia 1976 de Heloisa Buarque de Hollanda - Organizadora pela Companhia Das Letras (2021)
>>> Vida com Esperança - Segredos para ter saúde e qualidade de Vida de Mark Finley - Peter Landless pela Casa Publicadora Brasileira (2014)
>>> O Livro de Ouro do Futebol Brasileiro de Celso Unzelte pela Ediouro (2002)
>>> Código Civil Comentado de Regina Beatriz Tavares da Silva pela Saraiva (2008)
COLUNAS

Sexta-feira, 26/10/2007
O Brasil pode ser um país de leitores?
Ana Elisa Ribeiro

+ de 8000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Este é o título da obra esclarecedora de Felipe Lindoso, ex-presidente da Câmara Brasileira do Livro. Com projeto gráfico simpático e tamanho "de bolso", a obra, cujo subtítulo é Política para a cultura, Política para o livro, ajuda o leitor a entender as engrenagens do mercado editorial neste nosso país. Sem exibicionismos acadêmicos e nem berros apocalípticos, Lidoso mostra, em três seções, que, sim, nós temos livros.

Começando com um pouco de história editorial, passando pela indústria do livro no século XX, sobrevoando a edição em algumas partes do Brasil e traçando panoramas críticos e políticos das ações (?) do Ministério da Cultura (e do Ministério da Educação também), Felipe Lindoso dá um quadro de nossa situação. Livro é caro? Diz ele que nem tanto. Depende do ponto de vista, não é mesmo? Mas os argumentos são bons. Para o leitor desavisado, é bom lembrar que Lindoso foi diretor de relações institucionais da Câmara Brasileira do Livro. É claro que a nota do editor/empresário é tônica em todo o discurso dele.


Para não "pegar o bonde andando", é importante ler um outro livro, desta vez traduzido por Felipe Lindoso, do crítico mexicano Gabriel Zaid. Ambas as obras são publicadas pela editora Summus, que fez um simpaticíssimo trabalho gráfico.

O livro de Zaid é Livros demais! - Sobre ler, escrever e publicar, em que se discute se livro é caro ou não, a circulação desse produto, a circulação mais específica de poesia e a eterna busca pelo leitor. Os entraves e as delícias do mercado editorial descrito por Zaid não são os brasileiros, mas o tradutor fez questão de escrever notas comparativas esclarecedoras.


Por que, ainda hoje, esta coluna trata de livros sobre mercado editorial? Porque parece que esta discussão só se inflamou mais depois da Internet e de outras formas rápidas de comunicação à distância. Nunca houve tanta discussão acalorada sobre livros, publicação e acesso à informação. E o que ocorre é que as pessoas "chutam" demais. São "chutes" sobre mercado, percepções vagas, descrições impressionistas, empolgações em preto-e-branco, apocalipses, fanatismo e deboche. Também os "críticos" propõem ações pouco esclarecidas ou não propõem nada. Muita qualificação dos meios, pouco interesse pela formação do leitor (que fica sendo preocupação de "professorinha"). Como sempre, tudo falso. As pessoas querem falar, fazer, ganha quem grita mais alto, mas, como sói ser no Brasil, ninguém estuda. Ninguém se aprofunda, ninguém faz uma incisão responsável no tema. Estas obras, embora nem sempre escritas por cientistas, podem dar ao leitor mais lentes por onde olhar. A conversa de boteco fica só para o boteco. Formar leitores é a preocupação de qualquer agente cultural. A "professorinha" é só mais um deles.

E já que falei em cientistas, duas obras têm esse caráter mais acentuado. Formando leitores de telas e textos é um livro organizado por pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais, os professores Anderson Higino, Clarisse Barbosa e Maria Antonieta Pereira, coordenadora de um grande programa de pesquisa chamado A tela e o texto. Na obra, vários autores discutem a formação de leitores (no sentido mais amplo possível, inclusive para telas de cinema e de celular), matam a cobra e mostram o pau. Dão depoimentos sobre projetos ocorridos ou em andamento a partir do programa.


Com característica semelhante, a obra Leitura e animação cultural - Repensando a escola e a biblioteca, organizada por Tânia Rösing e Paulo Becker, mostra ações bem-sucedidas na biblioteca, no livro, no acesso ao conhecimento. O nome de Tânia Rösing lhes parece familiar? Ninguém a viu dando entrevista no Jornal Nacional? Pois tanto a obra quanto ela são parte da Jornada Literária de Passo Fundo, belíssima iniciativa de formação de leitores e mudança do valor da leitura no Sul do Brasil. Rösing e colegas tiveram essa idéia, com a verdadeira finalidade de integrar e intervir na comunidade próxima, mas acabaram alcançando o país inteiro. Muito antes da glamourosa FLIP, a Jornada de Passo Fundo já era um sucesso, só que sem tanta purpurina e sem tanta repetição do hype. Só agora é que o evento de Passo Fundo pôde ser compreendido. Pelo menos o hype ajudou a dar visibilidade a uma iniciativa de formação leitora. O Sul do pais tem seus bairrismos, mas vale a pena ler a obra (e o evento) como um bom exemplo.


A casa da invenção, sem subtítulo nem nada, é o nome da obra de Luís Milanesi, pela Ateliê Editorial. Belo livro, belo texto. O autor passa 272 páginas explicando por que as bibliotecas são tão distantes da vida cultural brasileira. Além disso, ele explica por que os "centros de cultura" são tão hype e servem tão pouco, tão desalinhados, sem objetivo e sem objeto. Moda para político se reeleger. Casas bacanas com um acervo mal-cuidado de qualquer coisa. Sobre as bibliotecas públicas, quem nunca foi atendido, em algumas delas, por um funcionário mal-humorado, chateado porque alguém tirava um livro da ordem imposta? Quem nunca se viu diante do atendente ansioso pelo dia de se aposentar, desviado de sua função normal por conta da licença médica? Onde colocá-lo? Na biblioteca, ora. Servicinho tranqüilo, fácil, pouco. Quase não aparece ninguém lá. Enquanto isso, os centros de cultura estão "bombando": instalação, café, tomates secos com orégano, performance e inauguração da "placa". Milanesi não deixa nada de fora do assunto.


Já com caráter de manual, os editores Maria Esther Mendes Perfetti e João Scortecci oferecem o Guia do Profissional do Livro, cujo subtítulo é Informações importantes para quem quer escrever e publicar um livro. Os autores fornecem ao leitor informações sobre legislação do livro, ISBN (International Standard Book Number), técnicas e tecnologias de edição e impressão, associações e entidades do livro no Brasil. Foi lendo esse livro que descobri Gabriel Zaid, que me levou a Felipe Lindoso. E quem foi que disse que, antes da Internet, o "hipertexto" não existia?


O leitor é que não podia ser tão preguiçoso. Era preciso tirar a buzanfa da cadeira e circular. Os livros acadêmicos foram descobertos em garimpagens mais cuidadosas, mas é preciso gastar energia se a meta é entender um assunto, discutir um tema, escrever uma idéia, compreender um aspecto de algo ou solucionar um problema. É preciso estudar. Talvez tenha sido isto que o Brasil ainda não entendeu direito. Com tanto noveau-rich servindo de exemplo, fica difícil convencer alguém de que ler e participar de fóruns de discussão inteligentes e bem-fundamentados seja investimento. Soa, quase sempre, perda de tempo. O bacana mesmo é fazer efeito, mesmo que seja só fachada. Estudar para quê? Ler é divertimento. Mas, quem quiser se abrir para a experiência de conhecer alguns pontos de vista e alguns discursos sobre a leitura e a formação de leitores no Brasil, esteja servido. Dei aí minhas sugestões, mas elas haverão de gastar tempo, um dos aspectos mais caros da vida contemporânea.


Ana Elisa Ribeiro
Belo Horizonte, 26/10/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nice, Bebeth e Anjali de Marta Barcellos
02. Big Brother da Palmada de Daniel Bushatsky
03. Livros de literatura podem ser objetos de consumo? de Ana Elisa Ribeiro
04. Descobertas responsáveis de Ana Elisa Ribeiro


Mais Ana Elisa Ribeiro
Mais Acessadas de Ana Elisa Ribeiro em 2007
01. Dar títulos aos textos, dar nome aos bois - 27/7/2007
02. Leituras, leitores e livros – Final - 30/3/2007
03. Leituras, leitores e livros – Parte I - 9/2/2007
04. Chicletes - 14/9/2007
05. Leituras, leitores e livros — Parte II - 23/2/2007


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/10/2007
01h03min
Ana, ainda hoje estamos contando nos dedos escritores, autores e críticos que nutram algum respeito pelo leitor, que, de fato, todos somos. Falamos de livros de maneira transversal quando essencialmente a referência é o leitor. Livro, só para me repetir, são um fetiche na busca de uma relação mais autônoma com a cultura e o conhecimento. Sempre que o tema é leitura, a generalização predomina e só ouço o eco que não lemos, não sabemos ou temos vocação para ler; se escrevemos, o fazemos mal. Paradoxalmente, quem desdenha do leitor, almeja o best-seller; detratam e invejam o Paulo Coelho e intimamente cobiçam seu público leitor. Sempre que leio alguma crítica, destas mais radicais a escritores como PC, percebo que o alvo, ainda que dissimulado, seja os que o lêem. Existe um orgulho ferido, uma frustração que só este tipo de crítica/censura é capaz de expiar. Preocupação com os leitores, nenhuma, ainda que o principal leitor sejam eles mesmos. Grandes dicas num texto cheio de possibilidades.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
27/10/2007
16h50min
Sinceramente, sua frase pareceu-me dura e verdadeira demais: "Muita qualificação dos meios, pouco interesse pela formação do leitor (que fica sendo preocupação de "professorinha"). Como sempre, tudo falso". Um aspecto a ser focado... Até a próxima.
[Leia outros Comentários de Ricardo Penachi ]
27/10/2007
17h42min
Ana, parabéns por levantar esse tema da leitura (e da falta de estudos sobre isso) e parabéns, também, pela fala no "A Palavra na Tela". Já gostava dos teus textos aqui; passo a tomá-los ainda mais como referências. Como tu mesmo disseste no debate, quem discute tende a olhar para si próprio, seus anseios, sua vidinha. E o Brasil não é esse cara que discute, que participa de mesa redonda e amacia o ego com isto. O Brasil rala, sua, fede e quem discute quer que ele passe perfume. Quando dizes que, aqui, "as pessoas querem falar, fazer, ganha quem grita mais alto, mas [...] ninguém estuda", isto serve para a produção científica, para os debates sobre Jornalismo (papagaiados, "apologizados", lá de fora, porque é mais "chique"), para a universidade. Foi muito boa tua contextualização histórica. Muita gente quer bancar uma de palestrante, mas não entende um mínimo do país. O bom é que, no meio disso, há alentos - como teu texto e tua fala. Parabéns e abraço!
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atividades de Educação Artistica Vol. 4
Isaias Marchesi Jr.
Atica
(1997)



Retalhos de Fantasia - Poemas
Esther Sterenberg
Esther Sterenberg



Homens e suas máscaras
Luiz Cuschnir
Campus
(2001)



Inferno na Torre
Richard Martin Stern
Record



Discípulos do Senhos Hoje
Pe. J. Ramón F. de La Cigoña
Loyola
(1984)



Teorema
Pier Paolo Pasolini
Nova Fronteira
(1975)



Finanças Corporativas
Vários Autores
Fgv
(2008)



Alianças Estratégicas
Michael Y- U. Srinivasa
Afiliada
(1996)



Tudo que é sólido desmancha no ar
Marshall Berman
Companhia Das Letras
(2007)



Adolescente Hoje
Luiz Carlos Osorio
Artmed





busca | avançada
45069 visitas/dia
1,9 milhão/mês