Comentários de Rogério Kreidlow | Digestivo Cultural

busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
>>> Música para olhar
>>> Uma outra visão do jornalismo
Mais Recentes
>>> Mulheres de Marilyn French pela Riográfica (1986)
>>> A Pesada Memória da Noite de Arioto Augusto de Oliveira pela Oficina de Livros (1991)
>>> Livro - Plano Real Pára Ou Continua de Roberto Luis Troster e Marcel Solimeo Edits pela Makron Books (1997)
>>> Tratado de Economia Política de Jean-baptiste Say pela Abril Cultural (1983)
>>> A Economia do Insumo-produto de Wassily Leontief pela Abril Cultural (1983)
>>> Dona Flor e Seus Dois Maridos de Jorge Amado pela Record/altaya
>>> A Evolução do Capitalismo de Maurice Dobb pela Abril Cultural (1983)
>>> Compêndio dos Elementos de Economia Política Pura de Léon Walras pela Abril Cultural (1983)
>>> A Carícia Essencial uma Pisicologia do Afeto de Roberto Shinyashiki pela Gente
>>> Princípios de Economia Política e Tributação de David Ricardo pela Abril Cultural (1982)
>>> Sorrindo de Neymar de Barros pela L Oren
>>> Matemática de Varios Autores pela Saraiva
>>> Férias de Arrepiar de Graziela Bozano Hetzel pela Atual
>>> Antologia de Famosos Discursos Estrangeiros de Não Consta pela Logos
>>> Bausteine Fachdeutsch Fur Wissenschaftler de Julio Gross Verlag Heidelberg pela Pedagogia Universitária
>>> Banco de Henri Charriére pela Círculo do Livro
>>> Galeria Fosca de Erico Verissímo pela Globo
>>> Amiro de Wilma Ary pela Sol
>>> O Gigante de Botas de Ofélia e Narbal Fontes pela Atica
>>> A Escola e a Compreensão da Realidade de Maria Teresa Nidelcoff pela Brasilense
>>> Líder 8 de Não Consta pela Vitória Pública
>>> Sangue Fresco de João Carlos Marinho pela Global
>>> Women in Reformation and Counter-Reformation Europe de Sherrin Marshall pela Indiana University Press (1989)
>>> Livro - o Vingador de Frederick Forsyth pela Record (2004)
>>> Raça Como Questão - história, ciência e identidades no Brasil de Marcos Chor Maio e Ricardo Ventura Santos (ogr.) pela Fiocruz (2010)
COMENTÁRIOS >>> Comentadores

Segunda-feira, 6/4/2009
Comentários
Rogério Kreidlow


Muito lero, afobismo e afins
Olá, Marta, concordo com ideias expostas no texto. Sou repórter de jornal impresso, mas não deixo de me atualizar sobre Web também. Há muito lero-lero, desconhecimento e "afobismo" dos dois lados. Se fosse acabar hoje com os jornais e depender de blogs, estariamos perdidos. E, engraçado, o mesmo vale para o contrário. E assim: eu também acredito ser difícil um monte de gente apurar assuntos por pura paixão, sem ganhar nada. Isso não existe. E se é pra ter gente inexperiente (tem blogueiros aos montes, jornalistas também) se metendo em assunto que não entende, nem Web nem jornal não vão servir pra nada, talvez pra piorar as coisas. Aí entra o "jornalismo cidadão" e tal. Legal é que numa lista de debates de cidadãos, vai poder entrar a assessoria e convencer um monte de gente. Vai poder entrar gente camuflada pra plantar mentiras, boatos também. Até porque a Web se assemelha à TV nesse afoite. Vide o que pipoca todo dia sobre BBB e que não é averiguado. Bom o teu blog também. Abraço.

[Sobre "Fim dos jornais, não do jornalismo"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
6/4/2009 às
15h48 189.26.149.252
 
Mais camps!
Julio, ótimo o post e fundamental essa reflexão sobre haver "camps" para outras discussões. Na verdade, se formos ver, nem tem nada tão novo nisso: é como os caras faziam lá na acrópole grega (claro que, lá, só os iniciados). Essa coisa de sentar e debater temas de interesse (e não só beber, paquerar ou se auto-divulgar, aparecer etc.) deveria ser natural. Entre rodas de escritores, cineastas etc., do século XX, me parece que havia isso. Essa coisa de não dissociar a vida, o bar, o momento de folga do trabalho, dos afazeres, da cultura... (ou talvez seja só impressão). Há muitos "eventos" hoje que são imbróglio, perda de tempo. E as coisas gratuitas, os encontros informais parecem não ter lugar para outros assuntos que babaquices, tentativas de impressionar, sei lá. Entre jornalistas, mesmo, a falta de idéias é enterrada sob papos que versam sobre como nos pagam mal, como trabalhamos tanto e como os editores são FDPs. Boas tuas idéias e impressões. Abraço

[Sobre "Meu primeiro Camp"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
20/4/2008 às
13h57 201.47.79.43
 
A prática é outra
De Masi estava na Oktoberfest de Blumenau-SC, este ano. Parece que anda por aqui, em projetos com o Governo do Estado. Mas pode. Encontrou um "filão" para ganhar e trabalhar pouco. Eu olho com um pouco mais de ceticismo para a História. É um percurso de miséria, opressão e, conseqüentemente, da necessidade de fuga, muito vinho, drogas, prostitutas, esportes sangrentos. Do jeito que vamos, não caminhamos para o ócio criativo, mas para o desemprego em massa, a informalidade e uma incongruência entre produção-consumo. Tanto que "neguinho", para ter um tênis legal, mete uma arma na cara. Fácil. Ócio criativo total, nem precisa trabalhar. Existe um império do lucro que molda o mundo, e (não sou esquerdista chato, apenas crítico) a vida não é prioridade para ele. Vejo a filosofia de De Masi como epicurismo, analgésico. Sou mais a favor da redução da jornada de trabalho para 4 horas diárias e, com isso, a multiplicação dos postos de trabalho. Política concreta. É o que penso. Abraço Verônica.

[Sobre "É descansando que se vai longe"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
13/11/2007 às
21h57 201.14.170.216
 
Jornalismo envasado
Muito bom o texto, Ana. Colocaste em palavras muito do que a gente vê e pensa, na lida diária. Nesse contexto, de enxugamento de redações, fica até difícil de culpar o repórter (algumas vezes, um mero revisor e "enxertador" de releases mesmo). Fica até difícil, pior, de culpá-lo por erros de apuração ou por má-vontade, porque chega uma hora que o "dar o sangue" acaba sendo o mesmo que fazer "papel de palhaço" perante as condições salariais, de trabalho e que tais, principalmente de veículos de comunicação do interior. É um mercado "nojentinho", com o perdão da palavra. Um mercado que precisa produzir rápido, sem muito nexo, para preencher um número indiscutível de caracteres, sem saber se o público vai ler aquilo no dia seguinte. Uma coisa sem muita lógica mesmo, já que o texto deveria ser o espaço da criação, da reflexão, da análise, do conhecimento. Virou produto envasado, no qual às vezes basta ajeitar um pouco o rótulo e mandar para as prateleiras. Bom texto, boa reflexão. Abraços

[Sobre "Release: subsídio ou substituto?"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
13/11/2007 às
21h11 201.14.170.216
 
Mais uma realidade brasileira
Redondo, é isso mesmo. E não duvido que a situação seja a mesma em qualquer lugar do país. Se nem as necessidades básicas de ensino são cumpridas, é fácil de entender porque carecemos tanto de pesquisa - um dos papéis fundamentais da universidade. E só para somar: se a situação já é angustiante ao entrar num curso e cursá-lo, torna-se pior ainda quando o estudante, depois de formado, não encontra alento na área que escolheu e descobre que ganha três vezes mais só com a comissão de venda de carros... Assim como na universidade, onde a lógica do dinheiro é que manda, tem gente que não pensa duas vezes em migrar de ramo. É complicado mesmo. O que fica de bom são os contatos, a amizade e as lembranças. Profissionalmente, se tivesse usado aquela grana para investir num negócio próprio, talvez desse muito mais satisfação e retorno do que todas as frustrações em busca de encargos burocráticos, em empresas míopes, mal-estruturadas, que nivelam por baixo, sem contar o piso de peão... Abraço

[Sobre "Ensino Inferior"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
1/11/2007 às
21h36 201.2.247.44
 
Realidade brasileira e alento
Ana, parabéns por levantar esse tema da leitura (e da falta de estudos sobre isso) e parabéns, também, pela fala no "A Palavra na Tela". Já gostava dos teus textos aqui; passo a tomá-los ainda mais como referências. Como tu mesmo disseste no debate, quem discute tende a olhar para si próprio, seus anseios, sua vidinha. E o Brasil não é esse cara que discute, que participa de mesa redonda e amacia o ego com isto. O Brasil rala, sua, fede e quem discute quer que ele passe perfume. Quando dizes que, aqui, "as pessoas querem falar, fazer, ganha quem grita mais alto, mas [...] ninguém estuda", isto serve para a produção científica, para os debates sobre Jornalismo (papagaiados, "apologizados", lá de fora, porque é mais "chique"), para a universidade. Foi muito boa tua contextualização histórica. Muita gente quer bancar uma de palestrante, mas não entende um mínimo do país. O bom é que, no meio disso, há alentos - como teu texto e tua fala. Parabéns e abraço!

[Sobre "O Brasil pode ser um país de leitores?"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
27/10/2007 às
17h42 201.2.247.44
 
Menos partidarismo, na verdade
Só uma consideração ao comentário anterior. Assim que postei, fiquei pensando... o mais justo seria "Mais arte, menos partidarismo" para o título do comentário. Porque a Política sempre foi, é e será necessária para nossa vida. O problema, na verdade, é o descaso com que se trata ela, seja por indiferença, seja por excesso de interesses privados em detrimento de interesses públicos. Era só esta correção: "Mais arte, menos partidarismo". Abraços

[Sobre "A propósito de Chapolin e Chaves"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
9/10/2007 às
20h37 200.180.59.152
 
Mais arte, menos política
Dificilmente faço críticas "negativas" aqui, mas acho que elas nos ajudam a rever alguns pontos. O texto está bem escrito, a relação com os autores é boa, mas, primeiro, não traz nada de tão novo sobre Bolaños a não ser que é "gênio" — um conceito discutível. Segundo, há muito preconceito aí. Deixa o pessoal do interior dançar Strauss em seu casamento, o que há de brega nisso? Para muitas pessoas, é o momento mais especial da vida, não há nada de brega, errado ou feio — se há, é em achar isso brega. Também achei exagerado "momentos mais ridículos" da existência humana. E nunca assinei nem leio Caros Amigos, devido a seu excesso de partidarismo. Mas a crítica a ela, no meio de um texto como este, é desnecessária. Tenho amigos que lêem Caros Amigos e são fãs de Chaves sem, necessariamente, serem deste ou daquele partido ou ideologia. Bolanõs é um artista excelente e sua arte (ou seja, a Arte) não precisa vir acompanhada de julgamentos de valor pessoais. Abraço e até a próxima!

[Sobre "A propósito de Chapolin e Chaves"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
9/10/2007 às
20h34 200.180.59.152
 
Baques do mercado II
Fazer pós em foto, num país onde fotografia ou é sinônimo de publicidade ou, pior, de casamento, comunhão e aniversário, não deixa de ser um suicídio financeiro. Querer atuar academicamente nisto, ainda mais; pode parecer coisa de idiota... Qualquer amigo que foi para a área de automóveis, vendas, aluguéis ou administração, certamente gargalharia na minha cara. Mas, enfim, a gente quer sonhar, quer encontrar uma luz no túnel que não passe, necessariamente, por certas engrenagens do mercado... mesmo sabendo das conseqüências. Com quem atua na academia, acaba acontecendo o mesmo. O ranço para com "o mundo lá fora", às vezes, é mais uma necessidade de carapaça, de se saber protegido, porque se conhece as dificuldades... E o fato é que conhecer, num sentido amplo, não faz viver melhor (às vezes, conduz ao fundo do poço). É mais uma questão de "esperteza", malícia, sorte e outras coisas indomáveis...

[Sobre "A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
1/10/2007 às
03h26 201.14.134.11
 
Baques do mercado I
Julio, parabéns pelo texto. Traduz muita coisa a muita gente. Eu entrei no Jornalismo como opção de última hora, mas gostei desde o início. Aprendi muito, fiz amigos que mantenho até hoje, aproveitei biblioteca, recursos, laboratórios, expandi horizontes. O baque veio com a entrada no mercado, feito de falhas, de erros grosseiros, de gente despreparada (e que se acha preparada), de salário baixo (o maior motivo de desânimo). Tanto que tem gente que tá se agarrando, como pode, à universidade, tentando ser docente, porque é ainda uma das melhores remunerações (e uma vida mais tranqüila). Redação é coisa pra recém formado, disposto a se esgotar em dois anos. Depois passa pra assessoria. Até tentar um negócio próprio, migrar de ramo, virar vendedor, enfim. Atualmente curso pós em Fotografia, com foco na docência e pesquisa, por interesse e gosto, embora o caminho das pedras seja longo e dolorido (passa por indicações, puxa-saquismos, etc., a gente sabe)...

[Sobre "A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
1/10/2007 às
02h54 201.14.134.11
 
Yuppies, filhos de Friedman
Se não me engano (li em algum lugar, há algum tempo) essa "onda" já começou com o criador do Universo, um cara chamado Milton Friedman, da Escola de Chicago (o pai desse tal de Neoliberalismo). Dizem que lá, quando a História já tinha acabado (Fukuyama), nos idos de 1990, já se distribuía fitas cassetes (tipo Shoptime, essas coisas) com programas completos para executivos e governos "enxugarem" suas máquinas — coisa garantida. Tem um outro termo para essa turminha também, os Yuppies. São eles os responsáveis pela "revolução" que estamos vivendo, segundo os próprios. É um mundinho de face sorridente e boboca, mas cheio de caninos raivosos por trás... O pior é que esse linguajar de "executivo" tem contaminado diversas áreas — e a minha área (o jornalismo) é uma das que caiu nessa, com esse mundinho assessoria de imprensa. Tem um autor, o Baumann (O Amor Líquido), que mostra como usamos isso até nos relacionamentos. Dizemos: estou "investindo" nessa pessoa. Dia desses, em vez de namorar, compramos...

[Sobre "Curso superior de auto-ajuda empresarial"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
1/10/2007 às
02h16 201.14.134.11
 
Kandinski e a Verdade
Maurício, penso que toda essa questão da arte, até bem pouco tempo, passou por essa questão da Verdade, aquela, tão sagrada em outras áreas também. A pós-modernidade foi nos dar verdades, relativizar, brincar, inclusive, com o sagrado... Passe pelos Cursos de Estética de Hegel. Chega a ser cansativo o tanto de justificativas em torno do "belo artístico", do Espírito e da Verdade. Quem liga pra isso hoje? Kandinski, na medida em que de certa maneira cometia uma "heresia" (e ele devia se culpar muito por isso por causa de sua tradição) tentava justificar de todas as maneiras sua arte de formas abstratas. Precisava convencer de que ela era "a" Revelação. Fascimo do lado dele? Os nazistas consideraram sua arte degenerada... Enfim, eles são necessários como investigadores. Agora, se as escolas de Artes o tomam como dogma, aí é outro problema. É como ler Nietzsche e querer fazer uma cátedra de seu pensamento...

[Sobre "Uma teoria equivocada"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogsome.com
24/9/2007 às
13h55 200.101.255.81
 
Interesses e achismos II
Definir alguma coisa, só depois de muita pesquisa. E o que há é muita conjetura isolada e, pior, achismo. Até porque, se quisermos ser chatos de galocha, o fim de alguma coisa é ela deixar de existir completamente. Ou seja, diminuir não é deixar de existir, portanto, dizer "fim dos impressos" é um equívoco. Também tem a questão do localismo, que, nas grandes cidades, onde se pensa o Jornalismo, foi deixada de lado. Monte uma rede de jornais impressos em pequenas cidades do interior, mostre a cara da população, dos políticos e empresários locais (com um jornalismo sério, bem feito, etc.), e talvez a situação será animadora. Informações sobre Guerra do Iraque, mil e um blablablás sobre o Pan ou acidente da TAM nunca interessarão mais do que o que acontece de bom ou ruim com meu vizinho, na minha rua. Então, tem uma porção gigantesca de fatores a serem observados. E o que pode valer pra Nova Iorque pode não funcionar pra Pequim. Prefiro a duvida às declarações. Abraço

[Sobre "Não queimem os jornais, ainda"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
24/7/2007 às
21h47 201.11.98.60
 
Interesses e achismos I
Obrigado pela resposta e obrigado por linkar no teu blog, também linkarei no meu. Essa questão dos jornais realmente dá o que pensar. Pena que quem deveria (os jornalistas, as empresas jornalísticas, as instituições como sindicatos e sobretudo a universidade) está há anos-luz disto. Ao mesmo tempo, também tem muita gente que mal entende de jornalismo, que vai na onda do fim dos impressos, etc. Acho complicado. Para quem lida com Web, a gente entende que é marketing enfatizar isto, até por causa da receita publicitária. Por outro lado, há quem trabalhe com impressos nesse "interiorzão" afora, longe de uma São Paulo da vida, que só prosperou. O próprio Rádio, Brasil afora, dá um banho em qualquer rede de podcasts, videocasts, etc., porque rádio pega em qualquer lugar, rádio é só girar um botão e ouvir, entre outras facilidades. Definir alguma coisa, só depois de muita pesquisa e pouca conjetura isolada ou, pior, achismo...

[Sobre "Não queimem os jornais, ainda"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
24/7/2007 às
21h35 201.11.98.60
 
O problema é outro
Não é o meio (impresso, vídeo, multimídia, que é o caso da web) que faz uma reportagem ser boa. É o talento do repórter, o entrosamento com o editor, a disponibilidade de uma equipe, a aposta de uma empresa jornalística. O jornalismo não é "pior" porque feito na web. É pior porque carece de investimentos, e investir é apostar em talentos. Desconheço casos de blogueiros que sejam grandes repórteres, ao estilo das grandes revistas, apenas por serem blogueiros. Há blogueiros (e há uma enorme confusão nisso) que se dizem jornalistas, mas não passam de meros "noticiadores". E notícia, hard news, lide, "aconteceu ontem" e link, para o que está acontecendo, qualquer pessoa alfabetizada pode dar. Agora, viajar, colher várias entrevistas, arriscar-se, realizar uma pesquisa complexa e saber transmitir isso (em QUALQUER meio) de forma acessível, contextualizada e bela, não é qualquer um que tem a paixão, capacidade e possibilidade de fazer. E isso pode ser feito na web também, basta investir.

[Sobre "Não queimem os jornais, ainda"]

por Rogério Kreidlow
http://rogerkrw.blogspot.com
24/7/2007 às
12h46 201.11.98.60
 
Julio Daio Borges
Editor
mais comentários

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Llosa - Pantaleón e as Visitadoras Livro
Mario Vargas
Folha
(2003)



Ana Terra 34ª Edição Texto Integral Aventura de Ler
Erico Verissimo
Globo
(1993)



Aumente a Sua Empregabilidade
Sandra Schamas
Idéia e Ação
(2005)



Livro - Deriva
Andre Fernandes
Hedra
(2008)



Segundo Casamento
Frederick Barthelme
Circulo do Livro



Diálogos Fabulosíssimos
Gilles Eduar
Companhia das Letrinhas
(2011)



Retrato da arte moderna
Katia Canton
Martins Fontes
(2010)



Zé Carioca Nº 1848
Walt Disney
Abril
(1989)



O Ego Sem Medo: a cura pela emoção
Chris Griscom
Siciliano
(1991)



Trabalhar por Conta Própria: uma Opção Que Pode Dar Certo
José Augusto Minarelli
Gente





busca | avançada
52947 visitas/dia
2,0 milhão/mês