Meu primeiro Camp | Digestivo Cultural

busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Como se prevenir dos golpes dos falsos agentes no mundo da música?
>>> Cia. Sansacroma estreia “Vala: Corpos Negros e Sobrevidas“ no Sesc Belenzinho
>>> ARNS | De ESPERANÇA em ESPERANÇA || MAS/SP
>>> IAE convida Geovanni Lima para conversar sobre bullying, performance e processos de criação
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A redescoberta da(s) leitura(s)
>>> Café com crítica cultural
>>> Vagas Llosa no YouTube
>>> A Esfinge do Rock
>>> Publicidade e formação política
>>> A visão certa
>>> Questão de gosto ou de educação?
>>> Matar e morrer pra viver
>>> Sine Papa
>>> Palestra: Marco Antônio Villa
Mais Recentes
>>> Estudos de Psicologia - Volume 31 - nº 2 de Vários autores pela Puc (2014)
>>> 1000 Receitas de Cozinha Portuguesa de Vários autores pela Girassol (1989)
>>> Enciclopédia do Estudante - Ecologia - Ecossistemas e Desenvolvimento Sustentável de Vários autores pela Moderna (2008)
>>> Crianças com Distúrbios de Aprendizagem - Diagnóstico, Medicação, Educação de Lester Tarnopol pela Edart (1980)
>>> A Revolução dos Bichos 9ª edição. série paradidática globo de George Orwell pela Globo (1980)
>>> O Moderno Conto Brasileiro: Antologia Escolar de João Antônio (organização) pela Civilização Brasileira (1980)
>>> Casa de Pensão Série Bom Livro edição. didática de Aluísio Azevedo pela Ática
>>> O Guarani - Série Bom Livro de José de Alencar pela Ática (1971)
>>> Como Atua o Carma de Rudolf Steiner pela Antroposófica (1998)
>>> Louvores e Preces a Maria, Nossa Mãe de Moisés Viana pela Paulus (2005)
>>> O Outro Lado da Memória de Beatriz Cortes pela Novo Seculo (2014)
>>> Não Sou Este Tipo de Garota de Siobhan Vivian pela Novas Páginas (2011)
>>> Fonoaudiologia e Educação - Um encontro Histórico de Ana Paula Berberian pela Plexus (1995)
>>> Quando a Lua Surgir - Bianca Romances de Lori Handeland pela Nova Cultural (2006)
>>> Ansiedade - Como enfrentar o mal do século de Augusto Cury pela Saraiva (2013)
>>> Superdicas para um Trabalho de Conclusão de Curso Nota 10 de Rachel Polito pela Saraiva (2017)
>>> A Crise de 1929 ( Pocket ) de Bernard Gazier pela L&Pm Editores (2009)
>>> Tudo Depende de Como Você vê as Coisas de Norton Juster pela Companhia Das Letras (2007)
>>> São Bernardo 25ª edição. de Graciliano Ramos pela Record (1975)
>>> Princípios da Filosofia do Direito de Hegel pela Martins Fontes (1976)
>>> O Tronco do Ipê - Clássicos Brasileiros categoria estrela 1227 de José de Alencar (notas de M Cavalcanti Proença) pela Ouro
>>> Violência Contra a Mulher - Aspectos Gerais e Questões Práticas da Lei 11.340/2006 de Dominique de Paula Ribeiro pela Gazeta Jurídica (2013)
>>> A Sabedoria de Gandhi de Richard Attenborough pela Sextante (2008)
>>> Vida de Jesus - Origens do Cristianismo de Ernest Renan pela Martin Claret (2006)
>>> The Landmark Dictionary Para Estudantes Brasileiros de Inglês de Arnon Hollaender; Sidney Sanders pela Richmond (2009)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 18/4/2008
Meu primeiro Camp

+ de 3000 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Fotos by samegui

Eu já tinha ouvido falar de outros eventos "Camp", é lógico, mas não entendia direito o funcionamento. Na verdade, não acreditava que pudesse funcionar. Se todo mundo podia falar ao mesmo tempo, como poderia sair alguma discussão decente?

Então, quando a Ceila Santos me convidou, fui mais por consideração a ela, que me levou para a Época e que sempre foi uma "discípula" estimulante das minhas idéias. (Não é comum encontrar alguém que acredita mesmo no que a gente prega...)

Eu estava bem humorado, havia tido uma semana boa, o NewsCamp aconteceria sábado, então pensei: "por quê não?" ― e resolvi confiar na Ceila (temendo, muito secretamente, uma roubada, mas não a ponto de desistir previamente do evento).

Hesito quase sempre, quando me convidam agora. No começo, quando era tudo novidade, havia naturalmente um maior interesse meu. Os eventos de internet eram poucos. Ninguém falava a respeito. Se não fôssemos prestigiar, quem iria então?

Atualmente, é quase o contrário, para mim. Me chamam: ou para eu fazer consultoria de graça (porque, em geral, sei mais que os presentes; leia-se: tenho mais experiência); ou para divulgar, de graça (novamente), no Digestivo Cultural.

Uma última mensagem que recebi, nesse sentido, veio assim: "Ei, Julio, não quer vir aqui tomar um café com a gente?". Olha a sacanagem: era um evento, um curso e o café (de R$ 1,00 a R$ 2,00) era para eu divulgar e dar "dicas". Enfim...

O NewsCamp me surpreendeu porque não era nada disso. Eu cheguei no Espaço Gafanhoto e foi ótimo: eu não conhecia ninguém, na ante-sala, e, ao mesmo tempo, ninguém parecia saber quem eu era.

A sensação era a mesma da primeira aula de um curso qualquer... Você não conhece as pessoas. Ninguém parece conhecer direito ninguém. Estão todos "na mesma". Unidos pela expectativa de que o evento, que provocou aquela reunião, seja proveitoso.

Por isso, talvez, o conceito "Camp" funcione. Porque as pessoas ― que vão ― querem, realmente, discutir aquilo, trocar experiências, encontrar saídas. Todos me pareceram ocupados o suficiente para não desperdiçar um sábado discutindo atabalhoadamente.

O mais impressionante é que ninguém é "dono" do evento. A Ceila e os amigos dela convocaram as pessoas, mas podiam sair da sala, podiam desaparecer de repente, poderiam até abandonar o NewsCamp, que ele aconteceria do mesmo jeito.

Para quem nunca participou, não faz o menor sentido, eu sei. Acontece que "se ninguém é dono", então "todo mundo é dono". Não existe turma do fundão. Ninguém está ali para cumprir tabela. Fica só quem quer. E quem fica, trabalha para que o evento renda.

Depois de todos os presentes se apresentarem, inclusive a Ceila e os amigos dela, a sala se esvazia e todos vão tomar um café. Na sala do café, que é a mesma ante-sala do começo, quem quiser pode escrever os temas num quadro, dividindo por horário e por espaço.

Sim, você entendeu certo: o evento não tem uma agenda prefixada, tem apenas um tema geral, no caso "jornalismo e internet", e os próprios participantes (não os organizadores, necessariamente), vão montando a agenda do dia, relacionando salas e subtemas.

Depois do choque inicial, e sem que ninguém me pedisse, tomei a iniciativa de escrever "velha mídia, nova mídia", no primeiro horário da sala maior, e também "monetização/ sustentação", no segundo horário da sala maior, uma vez que eu só poderia ficar até o meio-dia.

Alguém mais, que eu não vi quem foi, escreveu algo relacionado a "mundo corporativo", no segundo horário da sala menor, e mais alguém escreveu (ou ia escrever) algo ligado a "publicidade/ propaganda", no segundo horário da sala menor.

Então, sem que ninguém pedisse (nenhum "bedel"), os participantes civilizadamente se dirigiram às suas salas e, dentro da expectativa de horário, o evento começou, cada discussão no seu local designado. Eu estava boquiaberto...

Boquiaberto também porque o nível da discussão era alto. Ao contrário da grande maioria dos eventos do tipo "caça-níquel", a "platéia" (sei que, em "Camp", esse conceito não faz muito sentido) não era de "wannabes", era de gente que trabalha na área ou que luta por sua profissionalização.

Fazendo um paralelo com a Flip (um evento que eu respeito): é como se a platéia não fosse de escrevinhadores-querendo-publicar, mas, sim, de escritores já profissionais que, subitamente, poderiam assomar ao palco, dividindo suas preocupações e sua experiência com todos.

Mais tarde eu pensei que a internet se desenvolve tão rapidamente porque existe um tipo de "solidariedade", residual, que permite às pessoas se aproximarem, mesmo que, em teoria, elas estejam "concorrendo". (Conclusão: os blogueiros são muito mais unidos que os jornalistas.)

Para completar, eu descobri uma "cena" blogueira completamente nova. E encontrei, claro, gente que já havia lido ou lincado, mas que nunca havia visto "ao vivo". Quer dizer: quando achamos que estamos "por dentro" do que acontece na internet (brasileira), ela se revela mais complicada do que parece...

Gostei de conhecer o Wagner Fontoura, que trabalha na Riot; o André Deak, que já apareceu no Digestivo; o Eduardo Vasques, que "organizou" junto com a Ceila; o Manoel Netto, bem engraçado; o Gilberto Jr, bastante espirituoso; a Carol, já filha de blogueira, imagina...

Fora tantos outros de quem eu não guardei o nome (muito menos o nome do site ou blog). Como era sábado, não levei nada para anotar, mas percebi que as pessoas vão enchendo blocos com dúzias de informações novas, como se os links e as referências fossem vocalizadas na hora e evaporassem no ar...

Fui embora ao meio-dia e meia, quando todos saíam para almoçar, com um certo pesar, porque queria ter ficado. Ao contrário de tantas outras reuniões, não havia me cansado das pessoas ainda e sentia ― "como são adoráveis as pessoas que a gente não conhece muito bem..." (Millôr) ― que aquela era, momentaneamente, a minha turma.

Não prometo que vá a outros "Camp"; prefiro não destruir (ou arriscar) a boa imagem que construí com esse. Mas, possivelmente, tentarei lançar a iniciativa junto à comunidade do Digestivo. Outros "Camp" poderiam transcender a internet. Existem tantas áreas em que as pessoas estão "desconectadas"...

Para ir além
NewsCamp
BarCamp
BlogCamp


Postado por Julio Daio Borges
Em 18/4/2008 às 16h15


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Pedro Cardoso em #Provocações de Julio Daio Borges
02. Jobs e Gates na BBC de Julio Daio Borges
03. Sherlock Holmes de Ricardo de Mattos
04. Isabel Allende na Flip 2010 de Julio Daio Borges
05. Mais Dio no YouTube de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
20/4/2008
13h57min
Julio, ótimo o post e fundamental essa reflexão sobre haver "camps" para outras discussões. Na verdade, se formos ver, nem tem nada tão novo nisso: é como os caras faziam lá na acrópole grega (claro que, lá, só os iniciados). Essa coisa de sentar e debater temas de interesse (e não só beber, paquerar ou se auto-divulgar, aparecer etc.) deveria ser natural. Entre rodas de escritores, cineastas etc., do século XX, me parece que havia isso. Essa coisa de não dissociar a vida, o bar, o momento de folga do trabalho, dos afazeres, da cultura... (ou talvez seja só impressão). Há muitos "eventos" hoje que são imbróglio, perda de tempo. E as coisas gratuitas, os encontros informais parecem não ter lugar para outros assuntos que babaquices, tentativas de impressionar, sei lá. Entre jornalistas, mesmo, a falta de idéias é enterrada sob papos que versam sobre como nos pagam mal, como trabalhamos tanto e como os editores são FDPs. Boas tuas idéias e impressões. Abraço
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
22/4/2008
10h19min
Bacana, mesmo! Realmente qualquer convite, hoje em dia, é pra se ficar com os dois pés atrás... Sempre tem segunda intenção... Muito boa a dica. Indica onde há troca de idéias com outros que também se arriscam no novo! Como aprendemos com nossos erros e com os erros alheios, e, como os "alheios" erram muito mais que a gente (!), a chance de chegar à "perfeição" é muito grande (risos)! Abraço.
[Leia outros Comentários de Guto Maia]
22/4/2008
12h06min
Nosso negócio são Políticas Públicas de Cultura, por um viés republicano, solidário e com sustentabilidade. Surpreender-nos-ia, tanto quanto a você, uma dinâmica desta natureza. Achamos o formato exótico para o que se tentou abordar. Os nossos monopólios midiáticos, que produzem a síntese do que se supõe aconteça no nosso dia-a-dia, o fazem a serviço de vários processos de alienação - estratégia diversionista, que esconde seu verdadeiro foco. Não se vêem visões abrangentes nesta discussão - faltam teóricos, doutrinadores e estadistas. Só uma oposição (enquanto alinhamento político-ideológico) tão panfletária, quanto dotada de uma visão fragmentária das nossas realidades e a serviço do que? A academia perdeu o bonde da história, com espaço de reflexão. No caso do tema que estou focado, não há nada de representativo, de republicano, como destaquei, em português. Não me surpreendeu, que o material que postei, nos últimos 60 dias, não provocou nenhum comentário...
[Leia outros Comentários de Wilson Merlo Pósnik]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Comunicación de Masas e Imperialismo Yanqui
Herbert I. Schiller
Gustavo Gili
(1976)



Amor Numa Rua Escura
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1988)



Geração Alpha - Matemática - 8º Ano
Carlos N. C. de Oliveira; Felipe Fugita
Sm Didáticos
(2017)



O Mundo Vai Acabar Em 2012?
Raymond C. Hundley
Thomas Nelson Brasil
(2010)



O eu dividido: estudo existêncial da sanidade e da loucura
R. D. Laing
Vozes
(1987)



Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa 3
Fábio Ulhoa Coelho
Saraiva
(2013)



Chico Bento Moço- O Manto Misterioso
Mauricio de Sousa
Panini Comics
(2015)



Globalização, Justiça & Segurança Humana - Capacitação para a compreensão dos grandes desafios do
Robério Nunes Dos Anjos Filho (Org.)
Esmpu - série pós-graduação
(2011)



Cebolinha - Pense Em uma Coisa Bem Boa - Nº 95
Mauricio de Sousa
Panini Comics



Meu Filho é uma Bagunça
Martin L. Kutschere
Harper Collins
(2014)





busca | avançada
58950 visitas/dia
1,9 milhão/mês