A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS >>> Especial Ensino superior

Sexta-feira, 28/9/2007
A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
Julio Daio Borges

+ de 5000 Acessos
+ 6 Comentário(s)

* Em setembro-outubro de 1997, eu escrevi um texto chamado "A Poli como Ela é..." - uma crítica à faculdade pela qual eu então me formava, que acabou indo parar na coluna do Luís Nassif na Folha, e que me estimulou a continuar escrevendo - dando, por conseqüência, origem a uma newsletter (1998), depois a um site pessoal (1999) e, em última instância, ao próprio Digestivo (2000). Nestes anos todos, mantive contato quase nenhum com a Poli, mas o texto continuou vivo por conta da internet - o que trouxe, até mim, e-mails de jovens politécnicos solidários à "causa". Não tenho a menor idéia se as minhas reclamações continuam valendo para a Poli, mas eu achei por bem aproveitar a efeméride - justamente "histórica" na minha guinada para a internet -, a fim de discutir algumas noções (erradas? certas?) sobre ensino superior, vida universitária e formação profissional. Como me frustrei - e a "A Poli como Ela é..." é incontrastável nesse aspecto -, confesso que a universidade, seu lugar e sua função, foi um tema que me perseguiu um tanto, nos anos posteriores. Desde "A Poli...", o objetivo - até aqui - é clarear o caminho para as gerações vindouras.

* Se vale a autocrítica tardia, um erro comum a mim e a muitas pessoas é esperar demais do intervalo de tempo que vai da saída da escola até o início da vida adulta (até o "primeiro emprego", vamos considerar assim). São, em média, cinco anos em que esperamos resolver pelo menos três grandes coisas: as lacunas da nossa formação; as dúvidas vocacionais e a questão do "nosso lugar no mundo" (ou no mercado de trabalho, em tons mais pastéis); e as vastas emoções da nossa vida sentimental. Não há, obviamente, faculdade (ou universidade) que dê conta, sozinha, dessa problemática ampla. Até porque: 1) dadas as quantidades de conhecimento hoje disponíveis, qual formação não será, para sempre, "lacunosa"?; 2) quando a estabilidade se foi, os empregos (e as profissões) não são mais o que eram antes (e as dúvidas existenciais estão presentes como um mantra), quem vai nos mostrar "nosso lugar no mundo", além de nós?; e 3) numa época em que a felicidade deve ser suprema, a "aventura" constante e o prazer sem limites, como não se frustrar se a felicidade, de repente, for parca (ou nenhuma), a aventura não for lá essas coisas e o prazer, simplesmente, fragmentado ou passageiro?

* Se as nossas expectativas são desproporcionais, qual será o resultado do "choque", inevitável, com aquilo que, na faculdade (ou universidade), vamos encontrar? Falando por mim, não encontrei a formação de meus sonhos - se é que encontrei alguma formação (pessoas próximas me consideram "engenheiro" para algumas coisas, mas parece uma constatação mais subjetiva do que objetiva). Ainda na faculdade, não considero que "descobri" minha vocação (nem "por vias tortas"); descobri, no máximo, aquilo de que não gostava, ou o que não me interessava naquele momento, ou, ainda, o que talvez viesse a me interessar algum dia mas não apresentado daquele jeito. Depois, saí e arranjei um emprego (e, depois, outro) - mas me senti eternamente deslocado até "jogar tudo pro alto" e, de certa forma (bem particular, eu concordo), "começar tudo de novo". Hoje, sei que tenho um lugar ao sol - mas a Poli, especificamente, não me deu indicações em que pudesse confiar. Muito menos na minha "vida sentimental". Os politécnicos (e as politécnicas)-padrão atrapalharam meu desenvolvimento nessa área, creio. Se encontrei a Carol (logo depois da formatura), foi por conta de "processos" outros - que aconteceram fora da Poli.

* Continuo reclamando, é verdade, e continuo igualmente longe de enxergar uma solução satisfatória, para encurtar a distância entre o "ideal" (de todo candidato a universitário) e a "realidade" (de toda, ou quase toda, universidade). Naturalmente, não queria estar na pele de professores, chefes de departamento ou reitores. É provável que se tivesse me engajado nesse ambiente (não politicamente, mas profissionalmente), talvez enxergasse melhor o papel de cada um (os alunos também têm o seu, é claro) sob um prisma menos teórico, menos ligado à minha experiência (não exatamente bem-sucedida) na Poli e, portanto, mais proveitoso para todas as partes. Tentando agora evitar a generalização, a leviandade e a arrogância, solidarizo-me com os "acadêmicos" (as aspas são para soar o menos pejorativo possível), como profissional do conhecimento - numa era em que a informação não está mais concentrada em nenhum "lugar", não é mais "propriedade" (ou privilégio) de nenhum grupo e, logicamente, coloca desafios para todos.

* No meu tempo de Poli, o approach "de cima para baixo" de professores, chefes de departamento e até de reitores (com quem tive algum contato) nunca me cheirou a boa coisa - hoje, se continua, é algo totalmente anacrônico. Num país em que a educação ou é inexistente ou é falha, o diploma universitário continua valendo mais para fins protocolares - na prática, não é, numa "crescente" conforme o tempo passa, garantia de nada. Se as universidades não serão mais "ilhas de conhecimento", nem o diploma uma espécie de salvo-conduto para poder trabalhar, então precisam, urgentemente, se reinventar. Se na minha época de estudante universitário, eu sentia que não era ouvido e que freqüentemente estava falando com as paredes, hoje, paralelamente, ainda constato que os acadêmicos mantêm uma distância regulamentar da vida social (real?). E penso que frustrar levas de estudantes, soltar papers no vazio e produzir artiguetes para a mídia impressa (ou regurgitar comentários como "especialistas" na-hora-do-desastre) seja muito pouco para quem se julga, normalmente, tão importante...

* Nunca dei aulas (nem estou me candidatando, por favor), mas não tenho, evidentemente, ilusões quanto aos "estudantes" - até porque me lembro bastante bem de meus colegas. "Diálogo de surdos" é uma boa metáfora para a "conversa" entre as duas pontas. Quando entrei na faculdade, o mercado estava, coincidentemente, descobrindo o "jovem" como consumidor, e rapidamente começava a colocá-lo num pedestal. De modo que chegamos ao "ensino superior" depois de muita adulação, cheios de idéias próprias sobre o que deveriam nos ensinar e "armados" para rebater contrariedades com críticas salvadoras (preservando sempre a nossa posição). A primeira metade da década dos 2000 não foi tão pujante quanto a primeira da década de 90, mas não tenho esperança de que algo tenha "melhorado". (Falo da postura do jovem de hoje.) Com o sistema ruindo em muitos aspectos - vide a decadência dos antigos "players" da economia cultural (pense, por exemplo, na indústria fonográfica) -, é bem provável que o jovem se sinta ainda mais poderoso do que antes. (De novo, não queria estar na pele de professores, chefes de departamento, reitores...)

* O agravante - meus colegas de jornalismo (que dão aulas) me contam - é a chamada "mercantilização" do ensino. Eu - exemplo recorrente aqui - estudei na USP: reclamava um bocado, mas podiam perfeitamente objetar que eu não deveria reclamar (pois não pagava). Eu não ia necessariamente concordar, mas era um fato ("de cavalo dado não se olha os dentes", não é isso que dizem?). Hoje, para completar, além das crises existenciais de qualquer "profissional do conhecimento", além da prepotência do jovem estudante cercado de "opções mais interessantes", há que se enfrentar a relação cliente-prestador de serviço. O cliente é quem paga a "mensalidade" (o estudante); e, no limite, o "produto" - que, espera-se, seja entregue sem sobressaltos - é o diploma. Se o cliente sentir que está sendo prejudicado - na realização de seu objetivo maior -, pelo prestador de serviço, vai reclamar; e o que será sacrificado, conseqüentemente, é o nível do ensino. Em outras palavras: a autoridade - de quem antes dava formação - agora é subvertida pela força de quem paga a conta.

* E se acadêmicos e estudantes, segundo a minha lógica, têm a sua parcela de "culpa", existe uma tradição muito forte no mercado de trabalho de fazer "tábula rasa" dos conhecimentos previamente adquiridos, mesmo os mais técnicos e de aplicação menos "questionável". Talvez nasça daí uma reação, por parte da academia, de frontalmente contrapor as "exigências" do mercado com um currículo mastodôntico. Ou seja: se estudantes e professores pouco conversam sobre seus anseios e aspirações, a academia e o "mercado" conversam menos ainda. A resistência da primeira é mais orgulhosa que estóica (ou digna de admiração), e termina por afastá-la, ainda mais, da sociedade a que ela, supostamente, "serve". (Raciocínio quase automático: se você não gosta do seu curso superior, espera, pelo menos, que ele te prepare para o mundo exterior - então, qual não será a sua surpresa quando descobrir que, ignorando as demandas do mercado, nem isso ele faz?)

* Para não dizer que não falei das flores, às vezes encontro a academia mais "aberta", e menos "conservadora", em relação as "novidades" do que o próprio "mercado". O mercado - quando confrontado com o novo (com o jovem, se quiserem trocar a palavra) - teme ser condescendente demais, e ceder distraidamente posições. A academia, por outro lado, não se sente ainda ameaçada (possivelmente porque, no Brasil, o negócio do ensino superior siga em expansão...). O mercado não pode "errar", porque, se erra, "perde"; já a academia deve errar (tentando...), até porque faz parte da sua "dialética". Pode soar como ranço paternalista esperar - como estudantes esperamos - que a academia resolva nossas contradições internas; mas, na linha do tempo, essa fase é a "última chance" para arriscar sem perder muito. (Os jovens estão trilhando novos caminhos, cabe à academia compreendê-los, devolvendo-lhes sentido - antes que o mercado devore-os sem que realizem suas potencialidades...)

* É incrível mas, algumas vezes, ainda pensei em voltar a "estudar". Por questões de tempo (e de atribuições diversas), nunca me foi possível. (Embora eu aprenda sempre; e minhas "pesquisas" não cessem jamais.) Como um resquício - análogo ao cristianismo, de nossa primeira formação (Nietzsche) -, parece que vamos continuar acreditando, ainda por muito tempo, que o "verdadeiro" conhecimento está nas universidades, e que só é possível desfrutar dele atravessando as malhas do "ensino superior"... E, por essas e por outras, continuaremos preocupados com os "destinos" dos estudantes e dos cursos superiores... Pelo que vimos aqui, é atribuir muita responsabilidade a uma "instituição" que passa por tantas transformações e que tem, em seu cerne, graves problemas. (Quando me convidam a falar aos estudantes, eu sempre aceito - porque obtive insights valiosos em eventos "off". Meu conselho é: não esperem nada, arregacem suas mangas, ninguém virá nos salvar.)

Para ir além
"A Poli como Ela é..."

Update
A Poli como Ela é... ― O Livro


Julio Daio Borges
São Paulo, 28/9/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O anoitecer da flor-da-lua de Elisa Andrade Buzzo
02. A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides de Jardel Dias Cavalcanti
03. Sábia, rubra, gorda (e gentil) de Adriana Baggio
04. Os contistas puros-sangues estão em extinção de Luiz Rebinski Junior
05. A literatura do desgosto de Gabriela Vargas


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2007
01. Publicar em papel? Pra quê? - 18/5/2007
02. Uma década no rastro de Paulo Francis - 9/3/2007
03. Meu Tom Jobim - 15/2/2007
04. Recuerdos da Fliporto - 25/10/2007
05. A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois - 28/9/2007


Mais Especial Ensino superior
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/9/2007
12h59min
O que mais me impressiona nessa história toda sobre o Ensino Superior é a falta de agilidade das instituições em absover as mudanças do tempo atual. Como me formei em Direito, posso dizer que a maioria dos temas tratados no curso é prosaico, sem aplicação na realidade. Por outro lado, as Faculdades que cuidam especificamente das inovações exageram e acabam transformando o curso numa verdadeira doutrina pura, descarregando conceitos pré-moldados. Não há meio termo nessa história, nem sequer discussão. Estamos numa realidade repleta de Rui Barbosas, populistas, tempos de Fla x Flu monetarista, completamente distante do mundo social. A única discussão é: Universidade precisa dar lucro? Ah, como disse no jornal de ontem um sujeito de uma associação de universidades particulares sobre o resultado pífio delas no exame da OAB, no Estadão, "Formamos um ser humano melhor, mesmo que ele não exerça a profissão. Por que um taxista não pode ser bacharel em Direito?". Preciso dizer mais alguma coisa?
[Leia outros Comentários de Vicente Escudero]
30/9/2007
12h44min
Ninguém vem nos salvar mesmo. Algumas pessoas até "nos salvam", sem querer, porque surgem em nossa vida. De algum modo se tornam significativas, nos afetam e transformam para melhor, mas não necessariamente vieram para isso. Julio, está muito bom seu texto, desabafo, reflexão sobre educação "superior" e as expectativas aí depositadas. Cada vez se exige mais dos alunos, profissionais sem lhes oferecer condições para corresponder ao exigido. O saber valorizado não é o vivencial e criativo, e sim o tradicional, estabelecido e aceito como verdadeiro, que servia a quem o construiu, ao tempo e situações em que foi descoberto ou inventado. O próprio termo "educação" se reporta a um saber imposto, transmitido como adequado a se aprender-memorizar e propagar. Educar também significa adestrar, é isso que as escolas e universidades fazem, porque o intelectual curioso, criativo e desconfiado das certezas cunhadas por outros é considerado perigoso, uma ameaça à ordem das coisas postas, podendo gerar instabilidade.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
30/9/2007
13h00min
Continuando, não há espaço pra muitos desses seres no mundo, que funcionam à base de hierarquias, de acordo com o domínio e o uso de uns sobre outros. A insatisfação só pode ser geral, com muita crise nos afetos e na própria existência. Não estou defendendo que não existam regras e respeito a elas, ou que criar novos conhecimentos seja uma obrigação, não. A educação deve ser resultado de um processo, mais fácil de ocorrer quando se instiga a criação, quando se cultiva a dúvida e se informa o aluno a respeito do modo como os saberes são constituídos. Deve-se deixar claro que o saber escolar/universitário não é o único e nem o melhor, apenas um tipo, certamente importante, de conhecer e saber, voltado mais para o mundo do trabalho do que para a vida.
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
1/10/2007
02h54min
Julio, parabéns pelo texto. Traduz muita coisa a muita gente. Eu entrei no Jornalismo como opção de última hora, mas gostei desde o início. Aprendi muito, fiz amigos que mantenho até hoje, aproveitei biblioteca, recursos, laboratórios, expandi horizontes. O baque veio com a entrada no mercado, feito de falhas, de erros grosseiros, de gente despreparada (e que se acha preparada), de salário baixo (o maior motivo de desânimo). Tanto que tem gente que tá se agarrando, como pode, à universidade, tentando ser docente, porque é ainda uma das melhores remunerações (e uma vida mais tranqüila). Redação é coisa pra recém formado, disposto a se esgotar em dois anos. Depois passa pra assessoria. Até tentar um negócio próprio, migrar de ramo, virar vendedor, enfim. Atualmente curso pós em Fotografia, com foco na docência e pesquisa, por interesse e gosto, embora o caminho das pedras seja longo e dolorido (passa por indicações, puxa-saquismos, etc., a gente sabe)...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
1/10/2007
03h26min
Fazer pós em foto, num país onde fotografia ou é sinônimo de publicidade ou, pior, de casamento, comunhão e aniversário, não deixa de ser um suicídio financeiro. Querer atuar academicamente nisto, ainda mais; pode parecer coisa de idiota... Qualquer amigo que foi para a área de automóveis, vendas, aluguéis ou administração, certamente gargalharia na minha cara. Mas, enfim, a gente quer sonhar, quer encontrar uma luz no túnel que não passe, necessariamente, por certas engrenagens do mercado... mesmo sabendo das conseqüências. Com quem atua na academia, acaba acontecendo o mesmo. O ranço para com "o mundo lá fora", às vezes, é mais uma necessidade de carapaça, de se saber protegido, porque se conhece as dificuldades... E o fato é que conhecer, num sentido amplo, não faz viver melhor (às vezes, conduz ao fundo do poço). É mais uma questão de "esperteza", malícia, sorte e outras coisas indomáveis...
[Leia outros Comentários de Rogério Kreidlow]
9/10/2007
13h27min
É muito bom que formados continuem pensando no ensino superior, como você faz nesse artigo. Um problema da academia brasileira é a falta de contato com os profissionais que passaram por ela.... Nem a universidade tenta escutá-los, nem eles tentam falar para a universidade. Coisa relacionada ocorre com as empresas, que preferem aplicar testes seletivos irrelevantes aos formados do que olhar para o desempenho dos candidatos na escola. Sem feedback de quem já estudou, a universidade perde sua ligação com o mundo.
[Leia outros Comentários de Felipe Pait]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




FÁMILIA EDUCAÇÃO E SOCIEDADE
FRANK MUSGROVE
RÉS
R$ 27,91



A LINGUAGEM CORPORAL DA CRIANÇA
SAMY MOLCHO
GENTE
(2007)
R$ 18,00



MANTENHA-SE EM FORMA COM IOGA
LYN MARSHALL
CULTRIX
(1980)
R$ 7,90



DESENVOLVIMENTO DE COMPETÊNCIAS PARA GERENTES DE PROJETOS
MÁRCIO RODRIGUES ZENKER
ELSEVIER
(2014)
R$ 55,00



112 INVOCAÇÕES DA VIRGEM MARIA NO BRASIL
NILZA BOTELHO MEGALE
VOZES
(1986)
R$ 100,00



SUAVE É A NOITE - COLEÇÃO IMORTAIS DA LITERATURA UNIVERSAL
FITZGERLD
NOVA CULTURAL
(1995)
R$ 15,00



PUNIBILIDADE NO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL
FAUSTO MARTIN DE SANCTIS
MILLENIUM
(2003)
R$ 60,00



DEP – DIPLOMACIA ESTRATÉGIA POLÍTICA - NÚMERO 9
CARLOS HENRIQUE CARDIM
MRE / FUNAG
(2009)
R$ 14,00



OS DOIS APOSTOLOS
JOÃO PERNETTA
PLACIDO E SILVA
(1928)
R$ 100,00



AMOR, FELICIDADE & CIA
IÇAMI TIBA
GENTE
(1998)
R$ 4,00





busca | avançada
50039 visitas/dia
1,2 milhão/mês