Meu Tom Jobim | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
23758 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. Epílogo. Ambaíba
>>> Blog precisa ser jornalismo?
>>> Blog precisa ser jornalismo?
>>> Paulo Coelho para o Nobel
>>> 2008, o ano de Chigurh
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Onde fica o interruptor?
>>> Era uma vez
Mais Recentes
>>> A Colônia- (nova Ortografia)
>>> 1356 - 4ª ed. (Nova Ortografia)
>>> História e Arte no Mundo Ibérico - Tempo brasileiro- 184
>>> Limites: três dimensões educacionais - 1ª ed.
>>> Arcanjos e Mestres Ascensos
>>> Mentiras no divã
>>> Never, more forever: a poesia na modernidade, ou Shelley versus Peacock ...
>>> Mistérios Desvelados - Ensinamentos do Mestre Saint Germain
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 25 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 18 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 17 (RARIDADE) - Guerra do Vietnã
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 16 (RARIDADE) - Igraja e Marxismo
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 14 (RARIDADE) - Mulheres, a revolução mais longa
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 13: China - Uma revolução dentro da Revolução - (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 9-10 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 7 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Números 5-6 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 3 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Número 1 (RARIDADE)
>>> Revista Civilização Brasileira - Caderno Especial 1: A Revolução Russa - Cinquenta Anos de História
>>> O Homem e o Universo
>>> O Judaísmo- do Exílio ao Tempo de Jesus
>>> Direito Penal - Parte Geral ( V. 7)
>>> O Exército de Cavalaria
>>> The Golden Treasury
>>> Surdez e linguagem- Aspectos e implicações neurolinguísticas (Nova Ortografia)
>>> El Libro Supremo de Todas las Magias - Magia Blanca - Negra - Roja
>>> Rituais e Egrégoras para a Era de Aquário
>>> O Despertar da Consciência
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Sic Questões Comentadas
>>> Código Civil - 7ª Edição Atualizada
>>> Fonética e Ortografia - Coleção Linguagem Jurídica vol. 1
>>> Dicionário Jurídico
>>> Introdução Ao Direito
>>> Debate Sobre a Constituição de 1988
>>> Noções de Prevenção e Controle de Perdas Em Segurança do Trabalho 7ª edição revista e atualizada
>>> Vire a Página - Estratégias para Resolver Conflitos 6ª edição
>>> Tópicos de Administração Aplicada à Segurança do Trabalho 9ª edição
>>> Doenças Profissionais Ou do Trabalho 10ª edição
>>> Epidemiologia
>>> Cipa - Comissao Interna de Prevençao de Acidentes uma Nova Abordagem 14ª edição
>>> Prevenção e Controle de Risco Em Máquinas, Equipamentos e Instalações 3ª edição
>>> Os 10 Mandamentos: Princípios Divinos para Melhorar seus Relacionamentos
>>> Mini Código Saraiva Civi
>>> Mini Aurélio da Língua Portuguesa 7ª Edição
>>> Guia da Sexualidade - Reedição Ampliada e Ilustrada
>>> A Rosa do Povo
>>> Quando o Sofrimento Bater à Sua Porta
>>> Cura das Emoções Em Cristo
COLUNAS >>> Especial Tom Jobim 80

Quinta-feira, 15/2/2007
Meu Tom Jobim
Julio Daio Borges

+ de 7100 Acessos
+ 2 Comentário(s)

* Eu acho que tenho uma dívida com o Tom Jobim, então quis escrever sobre ele nestes seus 80 anos. Infelizmente, porém, não tenho nenhuma tese a apresentar sobre o Tom e sua música — e, como em 99% das homenagens que li até agora, não tenho nenhuma grande novidade para contar. Quando até o Ruy Castro admite que o Tom continua vivo mas que, de 1994 pra cá, não há nada de muito novo no front, a melhor saída é ser modesto na abordagem e não inventar muita moda. É o que vou tentar fazer aqui. Ouvi muito Tom Jobim, mais na época de sua morte do que agora; ele foi um dos meus heróis, durante um tempo em que eu achei que poderia ser músico. Tenho, como qualquer brasileiro que se preze, muito respeito pela obra do Tom, pelo que ele fez pelo Brasil e até pela personalidade dele — que admiro, até onde me é permitido conhecer, sem restrições. Um dos objetivos deste texto talvez seja levar essa admiração adiante, através das novas gerações, uma vez que o Tom já se foi.

* Meu único show do Tom Jobim foi em 1993, no começo do ano, aqui em São Paulo. Meu irmão prestava vestibular na Unicamp e, enquanto ele fazia a prova, fui até o parque do Ibirapuera, a pé (eu morava em Moema). Era 25 de janeiro, aniversário de São Paulo e o penúltimo aniversário do Tom. O dia estava lindo, de sol, e ele cansou de elogiar a cidade (apesar dos pesares) e o clima ameno no parque. Vi o Tom Jobim de longe, cercado pela Banda Nova, pois nem quis me aproximar demais. A música parece que deixava todo mundo mais civilizado, e as pessoas assistiam sentadas e aplaudiam de forma suave. O único senão foi pedirem "Garota de Ipanema", insistentemente, ao que o Tom, mesmo que tocando, sempre retrucava: "Mas eu tenho outras 400 músicas... Vocês sabiam?". Lembro sobretudo das piadas dele e do seu bom humor, raro ou ainda mais raro hoje em dia. Confessou que, como bom brasileiro, ele era partidário do nepotismo e empregava naquele então, além de seu filho, Paulo Jobim, sua filha, Elizabeth Jobim, também o Daniel Jobim, e outros tantos agregados. Num dia como aquele, ninguém conseguia censurar o Tom; nem nós.

* Quando se fala em Tom Jobim, e em aficionados por sua vida e obra, uma questão iminente, e que quase todo mundo abordou recentemente, são suas biografias. Nenhuma das que existem parecem satisfatórias: a da Helena Jobim, porque é muito parcial e sentimental; e a do Sérgio Cabral, porque, apesar de rica em informações musicais, tem um quê de oficialesca e não provoca aquela sensação de saciedade que toda grande biografia provoca. No Cancioneiro Jobim, há uma reconstituição biográfica, digamos assim, assinada pelo Sérgio Augusto, que todo mundo se esquece de citar. Mas é mais um perfil, a meu ver, pautado pela obra do Tom (e, aliás, não precisaria de muito para sair naquela coleção da Relume Dumará...). O biógrafo mais óbvio de todos é o Ruy Castro que, quando abordado na época da morte do Tom, declarou que adoraria fazer mas que, naquele momento, estava até as tampas com o Garrincha (finalizando Estrela Solitária...). Hoje, talvez o Ruy ache que já falou tudo em Chega de Saudade, A onda que se ergueu no mar e até em Ela é carioca — como falou talvez, também, de Vinicius de Moraes. E embora pessoalmente eu ache que o Tom mereça sua dedicação em tempo integral, profissionalmente eu preferia ler sobre Leila Diniz ou Carlos Lacerda (outros candidatos a biografáveis pelo Ruy...).

* Uma característica que sempre me impressiona no Tom por mais que eu descubra sobre sua vida, é sua eterna capacidade de permanecer apolítico — ainda mais nos anos 60, 70 e até 80. A ecologia, muito provavelmente, foi uma saída elegante, porque ele optou pela defesa do planeta, e em última instância da raça humana, antecipando algo de que o Amyr Klink fala e que, possivelmente, costuma pregar: os países e as fronteiras são uma invenção nossa, humana — os animais, as plantas e a própria Terra não têm nada a ver com essas coisas. É um "problema" nosso no final; de todos nós. O que parece óbvio hoje, mas que devia ser inconcebível no tempo da polarização política dos anos 60 e 70 (os hippies, com sua ingenuidade, nunca conseguiram fazer com que esse discurso fosse realmente levado a sério...). O Chico Buarque, por exemplo, embora, como compositor, seja igualmente clássico na minha avaliação, vai precisar morrer para ser assim considerado — ou seja: por causa de suas posições políticas, naquele período conturbado, ainda pairam sobre ele muitas restrições; sobre o Tom, não — essa é a grande diferença... Como um clássico deve ser, Antônio Carlos Jobim "sobrevoa" todas as épocas — como sobrevoou com suas opiniões.

* Continuando no Chico Buarque, eu uma vez conheci uma menina, na USP, que achava as letras do Tom Jobim uma bobagem — ingênuas demais, se comparadas às do autor de "A Banda". Na época, eu era quase um fanático pelo Tom, não ligava muito para o Chico, e interpretei a declaração da menina como uma agressão despropositada ao meu gosto. Aprecio até hoje as letras do Tom — e, claro, do Vinicius —, mas você acredita que acabei, passados todos estes anos, concordando com a menina? Conheço, óbvio, a declaração do Drummond ao Tom, dizendo que ele fazia poesia — mas, O Maior Poeta Brasileiro do Século XX vai me desculpar, não concordo. Poesia, para mim, é outra coisa; não é letra de música. Voltando à menina da USP: o Tom Jobim letrista é grande, emociona, como em "Lígia", uma das minhas preferidas, mas — polêmica, agora — não é nenhum Chico Buarque (aliás, descobri que "Lígia" é também de Chico Buarque...). Na verdade, vocês podem até me xingar, mas eu inclusive acho que, em matéria de letrista de música popular brasileira, nem o Vinicius de Moraes chega a ser um Chico Buarque (ainda que um não exista, como sabemos, sem o outro). E eu nem coloquei o Noel Rosa na parada. Se o Noel Rosa tivesse vivido quanto eles todos, seria maior do que eles todos? Será que já não foi? O Cony, como eu já falei, coloca ele "pau a pau" com Camões. (Apesar de que o Tom Jobim ia achar uma bobagem essa competição...)

* Já que entrei nas críticas, confesso que enjoei dos standards do Tom. E enjoei da maioria das suas interpretações. As melhores, para mim, são as do João Gilberto; depois, as da Elis Regina. Depois, as outras (as dele mesmo não são boas; o Bussunda dizia que contando piada ele era igual ao Tom Jobim cantando...). Eu poderia jogar a culpa nas telenovelas — e elas têm uma grande parcela de culpa pela execução exaustiva do Tom — mas não sei, não... De 1994 pra cá, penso que gravaram Tom Jobim demais. Com poucas versões efetivamente relevantes. Curiosamente, os destaques ficam por conta dos "herdeiros" do Tom, ex-membros da Banda Nova — como o Quarteto Jobim-Morelenbaum, a própria Paula Morelenbaum (apesar de que eu tenho certas restrições ao "Jacquinho"...) e agora, dizem, o Daniel Jobim. Na parte instrumental, acho que foram feitas coisas mais interessantes nestes 12 anos — ainda que ninguém mais agüente aquele pianinho imitando o minimalismo do toque do Tom. Imitando o inimitável (aqui vale o clichê). Outro dia, eu vi a Rosa Passos virando o Tom Jobim pelo avesso; mas aí percebi que pouca gente gostou...

* Uma acusação que pesa sobre o Tom são os supostos "plágios". Uso aspas porque não posso afirmar, tecnicamente, nada. Pessoalmente, não acho o "Prelúdio nº 4", de Chopin, parecido com "Insensatez" — e olha que já ouvi bastante os dois. Mas acho impossível não ficar pensando na semelhança entre "Night and Day", de Cole Porter, e "Samba de uma nota só", de Tom e Newton Mendonça. Depois que me contaram, as duas ficaram indissociáveis (pelo menos na minha cabeça...). Não acredito, naturalmente, que houve intenção de plágio, mas: ou estava no "inconsciente coletivo" ou então Tom, inconscientemente, evocou a estrutura da original. Parece que o José Ramos Tinhorão tem uma coleção de associações desse tipo; se for verdade, eu acho uma perda de tempo ele ficar insistindo nisso — embora o seu livro, contendo críticas à bossa nova, seja brilhante (impossível atravessá-lo e sair intacto do outro lado). Brigar com o Tom em vida era uma perda de tempo porque ele nunca respondia; brigar com o Tom morto é, além de uma inutilidade, uma covardia.

* Outra associação da qual não dá para desvencilhar musicalmente o Tom é a com Villa-Lobos, seu mestre assumido, com quem esteve duas vezes, se não me engano. Pessoalmente (este texto está cheio de "pessoalmente"; é que eu não quero me comprometer muito...), acho que o Villa-Lobos engole o Tom. E parafraseando Nietzsche, sobre o cristianismo e o platonismo, Tom Jobim é Villa-Lobos para as massas. (Estou polêmico hoje, não estou?) Infelizmente, para os jobinianos — e como o Giron falou... —, o "Jobim Sinfônico" não sobrevive à comparação com seus antecessores. É verdade; não é implicância do Giron (discípulo do Tinhorão; Tinhorão para as massas, Giron?). São geniais os standards do Tom — ainda que eu tenha enjoado deles —, mas você os assimila relativamente rápido — já Villa-Lobos... Se você conseguir escutar sua obra toda, uma vez na vida, já está bom. Villa-Lobos é mais que a piteira, que o Tom Jobim herdou, ou que a questão do ouvido "interno" e "externo" (lenda que o Tom adorava propagar) — Villa-Lobos é todo um universo. Eu, por exemplo, não me sinto habilitado a escrever sobre Villa-Lobos, como tenho, agora, a cara-de-pau de dar meus pitacos sobre o Tom.

* Em 1994, quando o Tom se foi, passei dias gravando coisas suas na televisão — numa fita VHS que tenho até hoje, mas que, nestes 12 anos, assisti pouco. Em 2006-2007, eu não precisaria gravar nada — estaria tudo no YouTube à minha disposição. Tom Jobim tinha um forte apelo visual, não sei como é apreendido agora, num tempo em que o culto às imagens vai cedendo, novamente, à cultura das palavras (apesar do mesmo YouTube). Na minha época de Tom Jobim, eu ouvia um pouco nas rádios, assistia aos especiais na televisão (sim, antes eu via televisão) e ia atrás de cada um dos seus discos. Evidentemente não consegui comprar todos; alguns CDs eu tive que importar. Um dos melhores álbuns que tenho dele é o Composer, da Verve, que congrega, em um CD, os dois primeiros discos do Tom Jobim nos EUA. Acho que nunca saiu em versão brasileira... Eu sou pró-internet, como todos sabem, mas ignoro a forma como o Tom Jobim chega hoje aos mais jovens... Continua chegando? Como? Suas melodias, de tão tocadas, se popularizaram quase como slogans — mas será que isso é bom para um compositor? (Pense na sonata de Beethoven sendo executada, diariamente, pelos vendedores de gás...) Tom Jobim era um aquariano do futuro (vale, aqui também, o pleonasmo), mas como o futuro o encara?

* Resumindo a ópera, eu acho que o Tom Jobim ocupa uma posição muito favorável no panteão da música brasileira. Ele é, em certo sentido, como o jazz: suficientemente popular para ser bem compreendido, e até amado, mas também sofisticado, "na medida", para não passar como um produto descartável da música popular... Tom Jobim está, para mim, na fronteira — ele, sim, entre o "erudito" e o "popular", muito mais que o Tropicalismo e os Tropicalistas. Ao contrário do que afirmam seus discípulos músicos, porém, não acho que Tom Jobim seja um mar tão profundo, com abismos insondáveis, como é Villa-Lobos, mas é, enfim, um grande "teste" para ouvidos jovens. Como se quem se interessasse por Tom Jobim, e fosse capaz de "processá-lo", pudesse ganhar o passaporte para seguir adiante na música brasileira, para além da MPB, para o reino dos grandes mestres, arranjadores e compositores que precederam e sucederam o Tom. Antônio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim merece respeito — pela sua obra, por ter sido quem foi, por continuar como uma figura a quem a gente sempre recorre, quando pensa num Brasil ideal.

Para ir além
"Site do Tom Jobim"


Julio Daio Borges
São Paulo, 15/2/2007


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo de Heloisa Pait
04. A literatura de Marcelo Mirisola não tem cura de Jardel Dias Cavalcanti
05. Miguel de Unamuno e Portugal de Celso A. Uequed Pitol


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2007
01. Publicar em papel? Pra quê? - 18/5/2007
02. Uma década no rastro de Paulo Francis - 9/3/2007
03. Meu Tom Jobim - 15/2/2007
04. Recuerdos da Fliporto - 25/10/2007
05. A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois - 28/9/2007


Mais Especial Tom Jobim 80
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/2/2007
09h22min
Sem querer apresentar novidades, você, Julio, acabou jogando algumas reflexões para os seus leitores. Só não concordo que o nosso maior compositor Villa-Lobos "engole" o Tom. Não é pra comparar, mas, pessoalmente, já que vc tocou no assunto, os dois estão no mesmo nível, só que um é erudito e o outro erudito-popular. Acho, sim, que você pode se atrever a escrever sobre o Villa. Tô aguardando. Abraços, Henrique Boschi
[Leia outros Comentários de Henrique Boschi]
14/2/2007
12h13min
Acho que é a segunda vez que tento comentar um texto seu. Os outros, só leio. Mas em se tratando de Tom, é impossível não escrever nada. Bem, vejamos, ao ler o artigo do Guga Shultze, compreendi muito bem, ou melhor, senti, verdadeiramente o Tom, em toda a sua dimensão. O seu texto "Meu Tom Jobim" me elucidou, ou trouxe à tona, algo que me incomodava: essas freqüentes execuções de suas músicas, como se fossem música ambiente de elevador, consultórios e afins. Chega a dar aflição, os ouvidos reagem, onde está Tom? Por outro lado, as suas considerações sobre os "plágios" de Jobim me deixaram meio assim pensativa. Tem a ver. Agora, quanto a sua comparação entre Tom e Villa Lobos, concordo com o Henrique Boschi. Cada um é cada um, embora Tom sempre quisesse ter sido o Villa em carne e osso. Achei interessante também a sua análise sobre os biógrafos do Tom. Concordo com você plenamente. Quanto ao Chico, só reforçou o que eu sempre soube, ele é o melhor letrista, mesmo se Noel tivesse vivo.
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




TRILOGIA DO ASFALTO
DÊNISSON PADILHA FILHO
P55 EDIÇÕES
(2016)
R$ 22,00



QUANDO EM ROMA
GEMMA TOWNLEY
RECORD
(2005)
R$ 12,35



THE TKT COURSE - FIRST EDITION
MARY SPRATT E OUTROS
CAMBRIDGE
(2008)
R$ 84,90



CORAÇÕES FERIDOS
LOUISA REID
NOVO CONCEITO
(2013)
R$ 25,00



VITÓRIA - COLEÇÃO 2ª GUERRA MUNDIAL - VOL. 3
EDITORA ABRIL
ABRIL
(2007)
R$ 15,00



MANGÁ HITMAN - A SEGUNDA TEMPORADA 2
HIROSHI MUTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2012)
R$ 14,90



FOLCLORE NORDESTINO - LENDAS E CANTIGAS
ANNA FROTA MENDES
HORIZONTE
R$ 49,90



TERTÚLIA DOS VALES
RAFAEL AVELINO (ORG.)
ALBATROZ
(2018)
R$ 30,00



DOIS CLÁSSICOS - A HORA DO PESADELO INTRIGA INTERNACIONAL
HUGH PENTECOSTE SAMUEL FULLHER
NOVA CULTURAL
(1989)
R$ 8,04



COMO FAZER SUA PROPAGANDA FUNCIONAR
KENNETH ROMAN / JANE MAAS
NOBEL
(1994)
R$ 8,00





busca | avançada
23758 visitas/dia
773 mil/mês