O Oeste Selvagem | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/6/2014
O Oeste Selvagem
Marilia Mota Silva

+ de 2600 Acessos

Mais um massacre nos Estados Unidos, no final de maio, dessa vez na California. Outros dois ou três, com menos vítimas, no começo de junho. O assunto ganha o noticiário por um dia ou dois e logo perde espaço. O assassinato casual de crianças e jovens, o horror inominável, não é mais novidade; incorporou-se à esfera dos fatos que nos superam, como incêndios, tornados, terremotos: alguém que não aprendeu a lidar com as frustrações da vida, pega algumas armas e sai matando; quer vingar-se de quem supostamente o rejeitou, desabafar a raiva.

A cobertura da mídia, com a repetição do fato, tornou-se previsível: no momento agudo, quando pais encontram o filho entre os mortos, a televisão, a postos, suga deles toda a dor possível. Amigos, colegas sobreviventes dão entrevistas. Em meio à perplexidade, surge algum nome conhecido, uma "celebridade", que reafirma que não importa quanta gente morra, nada afeta o direito do cidadão se armar, sem restrições: "Seus filhos mortos não abalam direitos constitucionais", disse Joe the plumber, (um personagem que teve seus 15 minutos de fama na última campanha presidencial americana), dirigindo-se a um pai que acusou a National Rifle Association (NRA) e políticos covardes pela morte de seu filho único.

O direito de se armar foi incluído na Constituição, escrita há mais de 200 anos, quando os Estados Unidos venceram a guerra contra a Inglaterra, tornando-se independentes. A ideia era garantir aos cidadãos o direito de se defender contra a eventualidade de um governo despótico, como o da coroa britânica, de que tinham acabado de se livrar. Era um bom motivo e decerto está aí a gênese de um traço cultural admirável, que diferencia o cidadão dos Estados Unidos de outros povos: eles não olham ninguém de baixo pra cima. Reverenciam as instituições, respeitam os cargos, a história, mas não se curvam automaticamente à figura no poder. Não há servilismo, não tem beija-mão. Ao contrário: eles não dão trégua às pessoas que elegeram, cobram seus serviços, como de funcionários que lhes devem prestar contas.

Mas há o outro lado: com base nesse artigo constitucional, a indústria de armas floresceu. Duas guerras mundiais depois, e outras tantas, poucos hoje conseguem avaliar a dimensão de seu poder. Um poder exercido com mão-de-ferro e tolerância zero, mesmo em questões ínfimas e domésticas, como nesse caso, por exemplo:

Um jornalista especializado em armas, professor de história em Cornell e Yale, Sr. Metcalf, escreveu em sua coluna, na revista sobre armas Guns & Ammo, que "todos os direitos constitucionais são regulamentados, sempre foram e devem ser". Bastou isso. Foi demitido, a despeito dos vinte anos de serviço, e de sua coluna ser das mais lidas. Seu programa de televisão foi tirado do ar. Suas viagens pelo mundo, patrocinadas por fabricantes de armas, acabaram. Parece uma reação exagerada, mas a mensagem ficou clara: a coleira é curta, obedeça seu dono.

A mão invisível do mercado, muitos acreditam, se deixada livre, alcança o equilíbrio. O problema é a outra, a mão visível, tão autocrática quanto pode ser o Estado se deixada livre.

"O direito de se armar deveria ser o primeiro artigo da Constituição porque é o que garante todos os outros direitos. Sem ele, nenhuma liberdade existiria. Monstros como Hitler, Mussolini, Stalin, Mao, Idi Amin, Castro, Pol Pot começaram por confiscar as armas do povo para, em seguida, literalmente, ensopar a terra com o sangue de milhões de pessoas", disse o ator Charlton Heston, em um de seus discursos como representante da NRA.

No entanto, ninguém pretende que se dê ao Estado o monopólio das armas e da violência, caso em que, além do Estado, apenas os fora-da-lei viveriam armados. Os que acreditam nas leis pedem apenas que se faça algum controle sobre o comércio e porte de armas: que não se vendam armas e munição a alguém em tratamento psiquiátrico, por exemplo.

Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova Iorque, que entrou para a política depois de enriquecer com a agência de notícias que tem seu nome, resolveu investir parte de sua fortuna, criando associações que lutam para regulamentar a venda de armas. Acostumado com o sucesso, ele agora enfrenta um inimigo duríssimo, e cada vez mais poderoso: a indústria de armas e o mito.

A crença de que não há democracia nem direitos humanos sem um povo armado que os garanta é um mito muito caro à boa parte da população dos Estados Unidos. Uma crença que vem ganhando força, na medida em que a fé na "maior democracia do mundo" sofre abalos. Um "Patriot Act" e tudo o que se segue mostram que, hoje, ninguém está a salvo: um governo pode derivar para a tirania, discretamente, sem necessidade de tanques e fuzis. A espionagem sobre os cidadãos, por mais insuspeitos, a invasão ilegal da privacidade, de todos e qualquer um, tirou do conforto um povo acostumado a confiar em suas instituições. Some-se a isso a frustração gerada por um sistema econômicos baseado no crédito e consumo, mais eficaz que algemas: trabalha-se para pagar a casa, o carro, o seguro, os impostos.

E aqui estamos. Os recursos tecnológicos que mudaram nossas vidas, as relações sociais, as formas de controle e exercício do poder, também estão nos revelando como pessoas e sociedade. É notório nosso embrutecimento.

Precisamos retomar a ideia de um novo Iluminismo.

Nota do Editor:
Leia também "Perfil Indireto do Assassino", de Duanne Ribeiro.


Marilia Mota Silva
Washington, 25/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Era uma vez um inverno de Elisa Andrade Buzzo
02. Brasil em Cannes de Guilherme Carvalhal
03. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
04. Mais uma crise no jornalismo brasileiro de Julio Daio Borges
05. Nem tudo é pessoal de Marta Barcellos


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ORIENTE MÉDIO
BERNARD T. LEWIS
ZAHAR
(2001)
R$ 20,00



VERTIGEM DIGITAL
ANDREW KEEN
ZAHAR
(2012)
R$ 44,00



THE GATT URUGUAY ROUND: A NEGOTIATING HISTORY (1986-1992) VOL I A
TERENCE P. STEWART, EDITOR (CAPA DURA)
KLUWER LAW
(1993)
R$ 47,82



A ARMADILHA: INCORPORACAO E EXCLUSAO NA SOCIEDADE DO TRABALHO
CELIA NUNES (DEDICATÓRIA)
EDUCAM
(2000)
R$ 26,82



BIOLOGIA PROJETO MULTIPLO 1
SERGIO LINHARES // FERNANDO GEWANDSZNAJDER
ATICA
(2015)
R$ 205,00



REFLEXÕES SOBRE O SABER HISTÓRICO (LEIA A DESCRIÇÃO)
MARCIA MANSOR DALESSIO
UNESP
(1998)
R$ 14,00



ENGENHOS, FAZENDAS E ESTÂNCIAS DO BRASIL
FABIO KNOLL
EMPRESA DAS ARTES
(2009)
R$ 80,00



SANTIAGO DE COMPOSTELA: NO DESCAMINHO, O CAMINHO
NILSON ALMEIDA
NILSON DE ALMEIDA
(2007)
R$ 30,00



OS JOVENS, DIREITOS E RESPONSABILIDADES COLEÇÃO ESTUDOS E DOCUMENTOS
UNESCO
LIVROS HORIZONTE
(1972)
R$ 15,63



COMUNICAÇÃO E MOBILIDADE SOCIAL NA PRÁTICA DE POLÍCIA COMUNITÁRIA
MARCIO SIMEONE HENRIQUES
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 45,00





busca | avançada
57697 visitas/dia
1,4 milhão/mês