O Oeste Selvagem | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Segundas de julho têm sessões extras do espetáculo À Espera
>>> Circo dos Sonhos, do ator Marcos Frota, desembarca no Shopping Metrô Itaquera
>>> Startup brasileira levará pessoas de baixa renda para intercâmbio gratuito fora do país
>>> Filho de suicida, padre lança livro sobre o tema
>>> LANÇAMENTO DO LIVRO "DIALÓGOS DE UM RABINO REFLEXÕES PARA UM MUNDO DE MONÓLOGOS" DE MICHEL SCHLESI
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O dia em que não conheci Chico Buarque
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Sob o mesmo teto
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Passarinho do Twitter
>>> Letra de música é poesia?
>>> A arapuca da poesia de Ana Marques
>>> A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda
>>> Recordações da casa dos mortos
>>> Viral Loop, de Adam Penenberg
>>> Lauro Machado Coelho
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> O Agressor, de Rosário Fusco
>>> Elke Coelho e a estética glacial-conceitual
Mais Recentes
>>> Apontamentos para a História da Revolução Rio-grandense de 1893
>>> Einstein Apaixonado + Um romance científico
>>> Leonardo, o primeiro cientista
>>> Envie Meu Dicionário + Cartas e Alguma Crítica
>>> O Segredo de Guilherme Storitz
>>> A selva do dinheiro + Histórias clássicas do inferno econômico
>>> Oscarito Nosso Oscar de Ouro
>>> A Nudez da Verdade
>>> Emoções em Prosa e Verso
>>> A Telessaúde no Brasil e a Inovação Tcnológica na Atenção ...
>>> O Pagador de Promessas
>>> O Caçador das Bolachas Perdidas
>>> Juizado Especial: Criação Instalação, Funcionamento e a ...
>>> Meu Querido Canibal
>>> Anjo de Quatro Patas
>>> Vencendo Aflições, Alcançando Milagres
>>> Eles Pedem em Casamento, Elas Pedem o Divórcio
>>> Procurando Firme
>>> Ensino Holístico da Medicina
>>> Depressão e Autoconhecimento: Como Extrair Preciosas Lições ...
>>> Utopia?
>>> Resistência: a História de uma Mulher Que Desafiou Hitler
>>> Uma Herença Preciosa
>>> Prazer uma Abordagem Criativa da Vida
>>> O Retorno Financeiro de Programas de Promoção da Segurança, ...
>>> Confissão de uma Harpista
>>> Os Mestres de Gurdjieff
>>> Proposta para uma Graduação Médica Contemporânea
>>> O Tao da Física
>>> O Santeiro do Mangue e Outros Poemas
>>> Português para Concursos
>>> Bola na Rede: a Batalha do Bi
>>> Paulo Francis Polemista Profissional
>>> Fisiologia e Fisiopatologia do Hormônio de Crescimento
>>> Ser Médico no Brasil - o Presente no Passado
>>> Padre Severino da Pessoa ao Instituto
>>> Micropoderes Macroviolencias
>>> Educação e Tecnologias no Brasil
>>> Cultura e Tecnologias no Brasil
>>> Hupe - Série Rotinas Hospitalares Pediatria 2 Volumes
>>> A Exposição Oral nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental - Vol. 3
>>> O Reverso da Logística e as Questões Ambientais no Brasil
>>> Gestão Financeira de Fundos de Pensão
>>> Águias Terrestres - uma Missão Planetária
>>> Homem de Montana
>>> Freud - Pensamento Vivo
>>> Manuelzão e Miguilim
>>> O Poder dos Pêndulos
>>> Confesso Que Vivi
>>> Em Cantos do Ser
COLUNAS

Quarta-feira, 25/6/2014
O Oeste Selvagem
Marilia Mota Silva

+ de 2300 Acessos

Mais um massacre nos Estados Unidos, no final de maio, dessa vez na California. Outros dois ou três, com menos vítimas, no começo de junho. O assunto ganha o noticiário por um dia ou dois e logo perde espaço. O assassinato casual de crianças e jovens, o horror inominável, não é mais novidade; incorporou-se à esfera dos fatos que nos superam, como incêndios, tornados, terremotos: alguém que não aprendeu a lidar com as frustrações da vida, pega algumas armas e sai matando; quer vingar-se de quem supostamente o rejeitou, desabafar a raiva.

A cobertura da mídia, com a repetição do fato, tornou-se previsível: no momento agudo, quando pais encontram o filho entre os mortos, a televisão, a postos, suga deles toda a dor possível. Amigos, colegas sobreviventes dão entrevistas. Em meio à perplexidade, surge algum nome conhecido, uma "celebridade", que reafirma que não importa quanta gente morra, nada afeta o direito do cidadão se armar, sem restrições: "Seus filhos mortos não abalam direitos constitucionais", disse Joe the plumber, (um personagem que teve seus 15 minutos de fama na última campanha presidencial americana), dirigindo-se a um pai que acusou a National Rifle Association (NRA) e políticos covardes pela morte de seu filho único.

O direito de se armar foi incluído na Constituição, escrita há mais de 200 anos, quando os Estados Unidos venceram a guerra contra a Inglaterra, tornando-se independentes. A ideia era garantir aos cidadãos o direito de se defender contra a eventualidade de um governo despótico, como o da coroa britânica, de que tinham acabado de se livrar. Era um bom motivo e decerto está aí a gênese de um traço cultural admirável, que diferencia o cidadão dos Estados Unidos de outros povos: eles não olham ninguém de baixo pra cima. Reverenciam as instituições, respeitam os cargos, a história, mas não se curvam automaticamente à figura no poder. Não há servilismo, não tem beija-mão. Ao contrário: eles não dão trégua às pessoas que elegeram, cobram seus serviços, como de funcionários que lhes devem prestar contas.

Mas há o outro lado: com base nesse artigo constitucional, a indústria de armas floresceu. Duas guerras mundiais depois, e outras tantas, poucos hoje conseguem avaliar a dimensão de seu poder. Um poder exercido com mão-de-ferro e tolerância zero, mesmo em questões ínfimas e domésticas, como nesse caso, por exemplo:

Um jornalista especializado em armas, professor de história em Cornell e Yale, Sr. Metcalf, escreveu em sua coluna, na revista sobre armas Guns & Ammo, que "todos os direitos constitucionais são regulamentados, sempre foram e devem ser". Bastou isso. Foi demitido, a despeito dos vinte anos de serviço, e de sua coluna ser das mais lidas. Seu programa de televisão foi tirado do ar. Suas viagens pelo mundo, patrocinadas por fabricantes de armas, acabaram. Parece uma reação exagerada, mas a mensagem ficou clara: a coleira é curta, obedeça seu dono.

A mão invisível do mercado, muitos acreditam, se deixada livre, alcança o equilíbrio. O problema é a outra, a mão visível, tão autocrática quanto pode ser o Estado se deixada livre.

"O direito de se armar deveria ser o primeiro artigo da Constituição porque é o que garante todos os outros direitos. Sem ele, nenhuma liberdade existiria. Monstros como Hitler, Mussolini, Stalin, Mao, Idi Amin, Castro, Pol Pot começaram por confiscar as armas do povo para, em seguida, literalmente, ensopar a terra com o sangue de milhões de pessoas", disse o ator Charlton Heston, em um de seus discursos como representante da NRA.

No entanto, ninguém pretende que se dê ao Estado o monopólio das armas e da violência, caso em que, além do Estado, apenas os fora-da-lei viveriam armados. Os que acreditam nas leis pedem apenas que se faça algum controle sobre o comércio e porte de armas: que não se vendam armas e munição a alguém em tratamento psiquiátrico, por exemplo.

Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova Iorque, que entrou para a política depois de enriquecer com a agência de notícias que tem seu nome, resolveu investir parte de sua fortuna, criando associações que lutam para regulamentar a venda de armas. Acostumado com o sucesso, ele agora enfrenta um inimigo duríssimo, e cada vez mais poderoso: a indústria de armas e o mito.

A crença de que não há democracia nem direitos humanos sem um povo armado que os garanta é um mito muito caro à boa parte da população dos Estados Unidos. Uma crença que vem ganhando força, na medida em que a fé na "maior democracia do mundo" sofre abalos. Um "Patriot Act" e tudo o que se segue mostram que, hoje, ninguém está a salvo: um governo pode derivar para a tirania, discretamente, sem necessidade de tanques e fuzis. A espionagem sobre os cidadãos, por mais insuspeitos, a invasão ilegal da privacidade, de todos e qualquer um, tirou do conforto um povo acostumado a confiar em suas instituições. Some-se a isso a frustração gerada por um sistema econômicos baseado no crédito e consumo, mais eficaz que algemas: trabalha-se para pagar a casa, o carro, o seguro, os impostos.

E aqui estamos. Os recursos tecnológicos que mudaram nossas vidas, as relações sociais, as formas de controle e exercício do poder, também estão nos revelando como pessoas e sociedade. É notório nosso embrutecimento.

Precisamos retomar a ideia de um novo Iluminismo.

Nota do Editor:
Leia também "Perfil Indireto do Assassino", de Duanne Ribeiro.


Marilia Mota Silva
Washington, 25/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Corot em exposição de Jardel Dias Cavalcanti
02. Paul Ricoeur e a leitura de Celso A. Uequed Pitol
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 10. O Gerador de Luz de Heloisa Pait
04. Os Doze Trabalhos de Mónika. 9. Um Cacho de Banana de Heloisa Pait
05. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




STALINGRADO O PRINCIPIO DO FIM
GEOFFREY JUKES
RENES
(1974)
R$ 10,00



HAMBRE DE TIERRA
MARILIA KLAUMANN CANOVAS
COMPANHIA NACIONAL
(2010)
R$ 29,99



DE TUDO UM POUCO - 15479
VANDA JOSE
EDICON
(1989)
R$ 5,00



O REDENTOR
JO NESBO
RECORD
(2012)
R$ 16,00



BUGRINHA - CLÁSSICOS BRASILEIROS
AFRANIO PEIXOTO
EDIÇÕES DE OURO
(1976)
R$ 8,83



A NOVA ECONOMIA INTERNACIONAL
REINALDO GONÇALVES E OUTROS
CAMPUS
(1998)
R$ 45,00



ACUPUNTURA CLÍNICA
M. TETAU; H. M. LERNOUT
ANDREI
(1985)
R$ 150,00



CLARO ENIGMA
CARLOS DRUMOND DE ANDRADE
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 25,00



CÉLULAS-TRONCO HUMANAS
JULIO LUIS MARTÍNEZ
LOYOLA
(2005)
R$ 21,00



POEMAS DE ALAVARO DE CAMPOS E FERNANDO PESSOA
ALAVARO DE CAMPOS E FERNANDO PESSOA
COMPANHIA DAS LETRAS
(2018)
R$ 25,00





busca | avançada
30036 visitas/dia
773 mil/mês