O Oeste Selvagem | Marilia Mota Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto aborda riqueza da tradicional Festa da Carpição
>>> Canto dos Recuados - espetáculo musical mergulha na cultura afrobarroca
>>> Primeiro Roteiro
>>> Festival Cine Inclusão abre inscrições de curtas-metragens com o tema terceira idade
>>> Musical Guerra de Papel estreia dia 3 de setembro no Teatro Viradalata
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
>>> Poesia como Flânerie, Trilogia de Jovino Machado
>>> O mundo é pequeno demais para nós dois
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Unchained by Sophie Burrell
>>> Deep Purple em Nova York (1973)
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
Últimos Posts
>>> O cheiro da terra
>>> Vivendo o meu viver
>>> Secundário, derradeiro
>>> Caminhemos
>>> GIRASSÓIS
>>> Biombos
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dia Marisa: todas as mulheres merecem
>>> O Filho da Noiva
>>> O rei nu do vestibular
>>> Selvageria Nunca Sai de Moda
>>> Você cumpre as promessas de final de ano?
>>> A cabeça de Steve Jobs
>>> O sublime Ballet de Londrina
>>> A vida subterrânea que mora em frente
>>> Por que as curitibanas não usam saia?
>>> Incubus - Circles
Mais Recentes
>>> Pimenta Neves - uma Reportagem de Luiz Octavio de Lima pela Scortecci (2013)
>>> O Estado do Planeta de Carlos Gabaglia Pena pela Record (1999)
>>> Escassez De Razão de Liberdade pela Liberdade (2021)
>>> Escola De Vendas K.L.A de Ser Mais pela Ser Mais (2021)
>>> A Estratégia Do Oceano Azul de Kim Mauborgne pela Elsevier (2008)
>>> Confissões de um Vira-lata de Origenes Lessa - Orlando Pedroso pela Global (2012)
>>> ESocial. Você E Sua Empresa Estão Preparados? de Leader pela Leader (2021)
>>> Ensaios E Conferências de Vozes pela Vozes (2021)
>>> Inocência - Série Bom Livro de Visconde de Taunay pela Ática (2011)
>>> Dicionário de Mitologia Grega e Romana de Mário da Gama Kury pela Zahar (1990)
>>> Mitologia Grega - Vol II de Junito de Souza Brandão pela Vozes (1997)
>>> Como Se Preocupar Menos Com Dinheiro de John Armstrong pela Objetiva (2012)
>>> Dicionário de Maçonaria de Joaquim Gervasio Figueiredo pela Pensamento (1996)
>>> Psicologia e Alquimia de C. G. Jung pela Vozes (1994)
>>> Símbolo, Rito, Iniciação de Vários Autores pela Ícone (1995)
>>> Sketchbook de Will Conrad pela Criativo (2013)
>>> Ensaios Psicanalíticos de Imprensa Livre pela Imprensa Livre (2021)
>>> João Turin - Vida, Obra, Arte - Vol 1 de José Roberto Teixeira Leite pela Nossa Cultura (2014)
>>> Leonard da Vinci. L de Vários pela Fondation Pierre Gianadda (2021)
>>> Ensinando Sobre O Holocausto Na Escola de Artmed pela Artmed (2021)
>>> Bye Bye Kitty!!! de David Elliott, Tetsuya Ozaki pela Yale University Pres (2011)
>>> Ensino Jurídico E A Formação Do Bacharel Em Direito de Livraria do Advogado pela Livraria do Advogado (2021)
>>> Frida By Ishiuchi de Miyako Ishiuchi pela RM Verlag (2014)
>>> Enthüllungen Aus Brasiliens Geschichte de Ordem do Graal pela Ordem do Graal (2021)
>>> Managing Our Natural Resources - 5ª Ed. de William G. Camp pela Cengage Learning (2008)
COLUNAS

Quarta-feira, 25/6/2014
O Oeste Selvagem
Marilia Mota Silva

+ de 3000 Acessos

Mais um massacre nos Estados Unidos, no final de maio, dessa vez na California. Outros dois ou três, com menos vítimas, no começo de junho. O assunto ganha o noticiário por um dia ou dois e logo perde espaço. O assassinato casual de crianças e jovens, o horror inominável, não é mais novidade; incorporou-se à esfera dos fatos que nos superam, como incêndios, tornados, terremotos: alguém que não aprendeu a lidar com as frustrações da vida, pega algumas armas e sai matando; quer vingar-se de quem supostamente o rejeitou, desabafar a raiva.

A cobertura da mídia, com a repetição do fato, tornou-se previsível: no momento agudo, quando pais encontram o filho entre os mortos, a televisão, a postos, suga deles toda a dor possível. Amigos, colegas sobreviventes dão entrevistas. Em meio à perplexidade, surge algum nome conhecido, uma "celebridade", que reafirma que não importa quanta gente morra, nada afeta o direito do cidadão se armar, sem restrições: "Seus filhos mortos não abalam direitos constitucionais", disse Joe the plumber, (um personagem que teve seus 15 minutos de fama na última campanha presidencial americana), dirigindo-se a um pai que acusou a National Rifle Association (NRA) e políticos covardes pela morte de seu filho único.

O direito de se armar foi incluído na Constituição, escrita há mais de 200 anos, quando os Estados Unidos venceram a guerra contra a Inglaterra, tornando-se independentes. A ideia era garantir aos cidadãos o direito de se defender contra a eventualidade de um governo despótico, como o da coroa britânica, de que tinham acabado de se livrar. Era um bom motivo e decerto está aí a gênese de um traço cultural admirável, que diferencia o cidadão dos Estados Unidos de outros povos: eles não olham ninguém de baixo pra cima. Reverenciam as instituições, respeitam os cargos, a história, mas não se curvam automaticamente à figura no poder. Não há servilismo, não tem beija-mão. Ao contrário: eles não dão trégua às pessoas que elegeram, cobram seus serviços, como de funcionários que lhes devem prestar contas.

Mas há o outro lado: com base nesse artigo constitucional, a indústria de armas floresceu. Duas guerras mundiais depois, e outras tantas, poucos hoje conseguem avaliar a dimensão de seu poder. Um poder exercido com mão-de-ferro e tolerância zero, mesmo em questões ínfimas e domésticas, como nesse caso, por exemplo:

Um jornalista especializado em armas, professor de história em Cornell e Yale, Sr. Metcalf, escreveu em sua coluna, na revista sobre armas Guns & Ammo, que "todos os direitos constitucionais são regulamentados, sempre foram e devem ser". Bastou isso. Foi demitido, a despeito dos vinte anos de serviço, e de sua coluna ser das mais lidas. Seu programa de televisão foi tirado do ar. Suas viagens pelo mundo, patrocinadas por fabricantes de armas, acabaram. Parece uma reação exagerada, mas a mensagem ficou clara: a coleira é curta, obedeça seu dono.

A mão invisível do mercado, muitos acreditam, se deixada livre, alcança o equilíbrio. O problema é a outra, a mão visível, tão autocrática quanto pode ser o Estado se deixada livre.

"O direito de se armar deveria ser o primeiro artigo da Constituição porque é o que garante todos os outros direitos. Sem ele, nenhuma liberdade existiria. Monstros como Hitler, Mussolini, Stalin, Mao, Idi Amin, Castro, Pol Pot começaram por confiscar as armas do povo para, em seguida, literalmente, ensopar a terra com o sangue de milhões de pessoas", disse o ator Charlton Heston, em um de seus discursos como representante da NRA.

No entanto, ninguém pretende que se dê ao Estado o monopólio das armas e da violência, caso em que, além do Estado, apenas os fora-da-lei viveriam armados. Os que acreditam nas leis pedem apenas que se faça algum controle sobre o comércio e porte de armas: que não se vendam armas e munição a alguém em tratamento psiquiátrico, por exemplo.

Michael Bloomberg, ex-prefeito de Nova Iorque, que entrou para a política depois de enriquecer com a agência de notícias que tem seu nome, resolveu investir parte de sua fortuna, criando associações que lutam para regulamentar a venda de armas. Acostumado com o sucesso, ele agora enfrenta um inimigo duríssimo, e cada vez mais poderoso: a indústria de armas e o mito.

A crença de que não há democracia nem direitos humanos sem um povo armado que os garanta é um mito muito caro à boa parte da população dos Estados Unidos. Uma crença que vem ganhando força, na medida em que a fé na "maior democracia do mundo" sofre abalos. Um "Patriot Act" e tudo o que se segue mostram que, hoje, ninguém está a salvo: um governo pode derivar para a tirania, discretamente, sem necessidade de tanques e fuzis. A espionagem sobre os cidadãos, por mais insuspeitos, a invasão ilegal da privacidade, de todos e qualquer um, tirou do conforto um povo acostumado a confiar em suas instituições. Some-se a isso a frustração gerada por um sistema econômicos baseado no crédito e consumo, mais eficaz que algemas: trabalha-se para pagar a casa, o carro, o seguro, os impostos.

E aqui estamos. Os recursos tecnológicos que mudaram nossas vidas, as relações sociais, as formas de controle e exercício do poder, também estão nos revelando como pessoas e sociedade. É notório nosso embrutecimento.

Precisamos retomar a ideia de um novo Iluminismo.

Nota do Editor:
Leia também "Perfil Indireto do Assassino", de Duanne Ribeiro.


Marilia Mota Silva
Washington, 25/6/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição de Ana Elisa Ribeiro
02. Simpatia pelo Demônio, de Bernardo Carvalho de Jardel Dias Cavalcanti
03. A noite em que Usain Bolt ignorou nosso Vinicius de Elisa Andrade Buzzo
04. Pynchon Contra o Dia de Luiz Rebinski Junior
05. Tapa na cara de Ana Elisa Ribeiro


Mais Marilia Mota Silva
Mais Acessadas de Marilia Mota Silva em 2014
01. Proposta Decente? - 20/8/2014
02. Defensores da Amazônia - 19/2/2014
03. O Ouro do Brasil - 17/9/2014
04. O Subjuntivo Subiu no Telhado - 21/5/2014
05. O Mito da Eleição - 16/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Para um Homem de êxito
Lídia Maria Riba
Vergara & Riba
(1999)



Direito Á Saúde
Alvaro Luis de A. S. Ciarlini
Saraiva
(2013)



Os Regimes de Bens no Novo Código Civil
Heloísa Helena Barbosa e Luiz P V de Carvalho
Espaço Jurídico
(2003)



Quem Mexeu no Meu Queijo? - 49ª Edição - Revista e Ampliada
Spencer Johnson M. D.
Record
(2005)



Kairós
Marcelo Rossi; Fábio de Melo
Principium
(2013)



O Sindicato Em um Mundo Globalizado
Jose Carlos Arouca
Ltr
(2003)



Furacão Elis
Regina Echeverria
Nórdica
(1985)



Perigos Que Rondam o Ministério
Richard Exley
Ucb
(2003)



Emílio Ou da Educação - 4ª Edição
Jean- Jacques Rousseau
Martins Fontes - Selo Martins
(2018)



Tatibitati e os Mitos da Floresta
Fatima Maia e Paulo Caldas Ilustrações
Typografia
(2010)





busca | avançada
80332 visitas/dia
2,6 milhões/mês