Michael Jackson, destinado ao eterno | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS >>> Especial Michael Jackson

Terça-feira, 7/7/2009
Michael Jackson, destinado ao eterno
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 5300 Acessos
+ 4 Comentário(s)

A notícia da morte de Michael Jackson caiu como uma bomba sobre a cabeça de seus milhares de admiradores. Preparando-se para uma nova turnê de aproximadamente 50 shows que realizaria na Inglaterra, é inacreditável que ele parta justamente quando retomava a cena depois de vários anos longe dos palcos.

Michael Jackson está morto: a imprensa do mundo todo não consegue falar de outra coisa. O fato é elevado à categoria de tragédia. E é mesmo uma grande tragédia a inusitada morte, aos 50 anos, do mais genial e amado músico pop do planeta.

Lágrimas, desespero, susto, angústia e, mais que tudo, descrença: são os sentimentos causados pela perda de Michael Jackson. Sentimentos justificados, dada a dimensão que o cantor ocupa na vida dos amantes da música pop e sua importância no meio musical que revolucionou.

"Eu sempre quis ser capaz de contar histórias que venham da alma. Gostaria de sentar em volta da fogueira e contar histórias para as pessoas ― fazer com que vejam imagens, fazê-las chorar e rir, levá-las emocionalmente a qualquer lugar. Sempre quis possuir essa habilidade. Sem roupas, sem maquiagem, sem nada, apenas você e sua voz, capaz de conduzi-los a qualquer parte e transformar-lhes as vidas, mesmo que seja por alguns minutos." Essas palavras de Michael Jackson resumem o que ele desejou e acabou alcançando.

No palco, Michael Jackson geralmente ficava frente a frente com pelo menos 50.000 fâs que gritavam ininterruptamente, levados às lágrimas e ao desespero, todos querendo tocá-lo como se ele fosse um deus. O corpo frágil dançava na intensidade da música, sua voz aguda e exuberante entoava notas perfeitas. Entre o astro e o público corria sempre uma energia elétrica tão poderosa que se tornava quase visível.

Para que essa afetividade pudesse existir, Michael trabalhava com disciplina e dedicação notáveis na produção de suas músicas. Essa qualidade foi registrada, por exemplo, por Quincy Jones, que produziu o álbum Thriller, vendo o cantor no estúdio de gravação dar o melhor de si e exigir de todos ao redor que dessem também o seu melhor, num infatigável trabalho de fazer e refazer cada nota das músicas que eram gravadas.

Michael sempre trabalhou duramente para enquadrar seus discos nos elevados padrões que impôs a si mesmo. Seu comportamento profissional jamais teve algo de infantil ou acidental. Era completamente devotado ao trabalho, entregando-se de corpo e alma aos seus projetos. Grande criador de letras, foi também um grande criador de imagens e narrativas. Todos os cineastas que trabalharam com ele, seja Spike Lee ou Martin Scorsese, relataram sua participação efetiva na criação de seus vídeos.

Michael Jackson criou, para a música "Thriller", o mais famoso videoclipe da história do pop, que é um verdadeiro curta-metragem, talvez o mais dispendioso da história, mobilizando 20 artistas, 18 bailarinos profissionais e o diretor de cinema John Landis. Com perspicácia comercial, foi o primeiro a vender para a MTV um videoclipe e o The Making of Thriller para a TV a cabo.



O "rei do pop" sempre teve propósitos claros para sua carreira artística. Tinha plena consciência de sua capacidade de comover até ao êxtase, sabia da dádiva que era ter uma voz capaz de atingir profundamente a alma das pessoas. E quem consegue ficar sem se emocionar diante da delicadeza quase feminina de sua voz?

Acrescente-se a isso a capacidade de se entregar à dança, sendo notável seu envolvimento total com o que faz. Diferente dos passos mecânicos, ensaiados à exaustão pelos bailarinos de Madonna e por ela mesma, Michael Jackson desde a mais tenra infância dançava com uma naturalidade e inventividade únicas e isso ficava visível a todos que o assistiam fascinados. Observar imitadores de Michael Jackson dançando é doloroso, dada a grande distância entre o criador e seus imitadores (que merecem ser louvados pela homenagem sincera que fazem ao mestre).

Há um preço a se pagar pela genialidade. Doar-se plenamente a uma existência artística acaba por afastar o artista do convívio humano tradicional. Sabemos das várias relações fracassadas que os artistas mantêm com as pessoas, que em geral não suportam o mergulho da mente criativa na criação. Esse mergulho exige do artista um tempo próprio, diferente do tempo das vidas comuns, e gera a consequente diferença existencial que impede relações humanas tradicionais. Por isso, Michael jamais foi uma aberração, como dizem os mal-informados, apenas existia num registro diferente do das pessoas normais com suas vidas prá lá de conformadas. Inclusive, creio eu, essa vida como obra de arte é o que incomodava as pessoas comuns que transformavam as opções de Michael em fofoquinha de frustrados.

Caetano Veloso, que gravou "Billie Jean", uma das mais famosas músicas de Michael Jackson, comentou a morte do rei do pop com a seguinte observação: "Os talentos artísticos extraordinários frequentemente coincidem com vidas torturadas e enigmáticas. Michael era um desses talentos imensos". Anos antes, Caetano já sintetizara sua admiração pelo cantor: "Tudo em Michael Jackson é feito de matéria pop: sua grande música, sua grande dança, sua vida mínima. Em nossos dias só ele tem a mesma carga de popismo de Marilyn ou Elvis ou Elizabeth Taylor. Perto dele, Madonna parece uma mera teórica."



Para Michael, era seu trabalho que importava, antes de tudo e apesar de tudo. Quando perguntado sobre por que demorou 5 anos para fazer seu álbum Bad, Michael respondeu que "o trabalho deveria ser tão próximo da perfeição quanto fosse humanamente possível". Foi assim que o cantor sempre se relacionou com a matéria mais importante de sua vida: sua arte.

O resto, era performance, transformação de todos os seus gestos em arte. Um dia antes de morrer, Michael visitou uma loja de brinquedo, talvez em busca de presentes para seus filhos Michael Jackson Jr., Prince e Paris, mas só comprou livros sobre pintura renascentista. Talvez seja isso que ele queria fazer em tudo, inclusive no seu próprio corpo, atingir aquela beleza ideal que o renascimento procurou, mas que só a arte pode proporcionar, pois a natureza não é mais que um rascunho diante da genialidade dos grandes artistas.

Cada um de nós está com o coração partido, já que cada vez que um grande artista morre o mundo deixa de ser reinventado. Ficamos imaginando quantas novas melodias embalariam nossos sonhos, seriam fundo para nossos amores, se acomodariam à nossa solidão, ampliariam nossa sensibilidade, e, com a morte de Michael Jackson, elas deixaram de vir à vida. Estamos mais pobres, pois perdemos uma riqueza que deixou de existir e perdemos outras riquezas que viriam a existir.

Michael Jackson nasceu para ser eterno, e agora, mais do que nunca, cumpriu-se seu destino.

Nota do Editor
Leia também: "Michael Jackson: a lenda viva".


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 7/7/2009


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Você sabe quem escreveu seu show preferido? de Fabio Gomes
02. A realidade, na verdade, é mentira de Ivan Bilheiro
03. O novo frisson da Copa de Jardel Dias Cavalcanti
04. Dez Coisas de Guilherme Pontes Coelho
05. God save the newspapers! de Rafael Rodrigues


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2009
01. Davi, de Michelangelo: o corpo como Ideia - 3/11/2009
02. A deliciosa estética gay de Pierre et Gilles - 24/11/2009
03. Cigarro, apenas um substituto da masturbação? - 1/9/2009
04. Michael Jackson: a lenda viva - 13/1/2009
05. A poética anárquica de Paulo Leminski - 22/9/2009


Mais Especial Michael Jackson
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
7/7/2009
16h41min
Em 1977, quando morreu tragicamente o meu ídolo Elvis Presley, pensei que fosse morrer de tanta tristeza. Fui a uma banca de jornais da cidade de Lagarto (SE) e comprei tudo o que havia naquele momento febril sobre o artista. Hoje a cena se repete com Michael Jackson. Quando o vi dançando incrivelmente rápido foi pura emoção. Tenho 52 anos e não tenho vergonha de dizer que amo todos os estilos de música que provocam êxtase, alegria interior, vontade de fechar os olhos e dançar até cansar. Este Michael Jackson, com a sua voz impecável e feminina, estará sempre encantado para todos que amam esse estilo musical. Viva o eterno e amado rei do pop!
[Leia outros Comentários de Gelza Reis Cristo]
24/7/2009
14h53min
Tenho 26 anos, e 18 desses passei em completa devoção por Michael Jackson. Já li muita, muita coisa sobre ele, mas esse texto é um dos mais belos e mais justos. Parabéns e obrigada, Jardel.
[Leia outros Comentários de Natália Simonete]
24/7/2009
15h27min
Parabéns pelo texto. Os grandes gênios são pouco compreendidos, porém, ao partirem nós temos a certeza de quanta falta eles nos fazem. Michael nasceu para brilhar e iluminar varias gerações, hoje ele alcançou a estrela eterna no céu. Um grande abraço e muito obrigado ao maior artista de todos os tempos.
[Leia outros Comentários de Elton Roger]
24/8/2009
01h42min
Jardel, que belo e memorável reconhecimento ao nosso querido MJ. Me emociono quando assisto aos vídeos, ou vejo alguma nota sobre ele. Convivi muito com suas músicas e hoje me sinto órfã, assim como todas as pessoas que o respeitavam e admiravam. Ele é o nosso eterno Rei do Pop! Te amo muito MJ, fica com Deus.
[Leia outros Comentários de Arlete dos Santos]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UNESP CIÊNCIA Nº 43 CAATINGA REDESCOBERTA
VÁRIOS AUTORES
UNESP
(2013)
R$ 45,00



A GAROTA NO TREM
PAULA HAWKINS; SIMONE CAMPOS
RECORD
(2015)
R$ 25,90



A CULPA É DAS ESTRELAS
JOHN GREEN
INSTRINSECA
(2012)
R$ 5,00



EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO
ALLAN KARDEC
LAKE
(2007)
R$ 13,00



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
KLICK
(1997)
R$ 4,60



PETRUS LOGOS - O GUARDIÃO DO TEMPO
AUGUSTO CURY
SARAIVA
(2014)
R$ 10,00



FAZENDA: QUE SOM É ESSE?
YOYO BOOKS
YOYO BOOKS - SELO NOBEL
(2014)
R$ 35,83



O SOCIO
JOHN GRISHHAM
ROCCO
(1997)
R$ 17,85



RUMO À LIBERDADE
GISELDA LAPORTA NICOLELIS
MODERNA
(1989)
R$ 5,90



RODEIO A CÉU ABERTO
AUGUSTO CÉSAR PROENÇA
LIFE
R$ 15,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês