Baudolino e a obra aberta de Eco | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> POETICAS de um outro || BELIZARIO Galeria
>>> Livro ajuda crianças a compreender novas configurações familiares
>>> Sesc Pinheiros recebe Paulinho Moska em ‘Beleza e Medo’,
>>> Sesc 24 de Maio recebe o espetáculo O Pessoa nas Pessoas com Mônica Salmaso e mais artistas
>>> Evento literário em BH reúne João Anzanello Carrascoza, Nelson Cruz e Anna Cunha
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
>>> O tempo é imbatível
>>> Consciência
>>> A cor da tarja é de livre escolha
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A síndrome da rejeição via internet
>>> Big Brother da Palmada
>>> Família
>>> O Conselheiro também come (e bebe)
>>> Não, não gosto de Harry Potter
>>> A pequena grande obra de Josefina Vicens
>>> PARÁBOLA
>>> Haydn: 200 anos da morte
>>> Paquetá: Ilha Ditosa e Florida
>>> Listen Again
Mais Recentes
>>> Cura Natural de Mark Bricklin pela Círculo do Livro (1983)
>>> Feedback de Roland & Frances Bee pela Nobel (2002)
>>> Econometrics de Fumio Hayashi pela Princeton University Press (2000)
>>> Introdução à Estatística de Walter Spinelli; Maria Helena S. de Souza pela Ática (1997)
>>> Candomblés da Bahia de Edison Carneiro pela Ediouro
>>> Reiki para acura emocional de Tanmaya Honervogt pela Pensamento (2006)
>>> Condomínio Predial - Administração e Manutenção de Rubens Corrêa de Albuquerque pela Ediouro (1994)
>>> Bíblia Novo Testamento de L Garmus e Mateus Haepers e Outros pela Bloch (1982)
>>> Direito Privado de Luis Felipe Salomão pela Forense (2014)
>>> Dieta Nota 10 - Comer e Emagrecer é Mais Simples do Que Se Imagina de Dr. Guilherme de Azevedo Ribeiro pela Bertrand Brasil (2008)
>>> O Psiquiatra no Tribunal de Dr. Michel Landry pela Pioneira/edusp (1981)
>>> Geografia Geral e do Brasil ( Edição Refomulada) de João Carlos Moreira e Eustáquio de Sene pela Scipione (1995)
>>> Angola Janga de Marcelo D'Salete pela Veneta (2017)
>>> Fundamentos de Economia de Marco Antonio S. Vasconcellos e Manuel E. Garcia pela Saraiva (2000)
>>> Segundo tratado sobre o governocivil e outros escritos de John Locke pela Vozes (1994)
>>> The Appeal de John Grisham pela Dell Fiction (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Rocco (1998)
>>> Hegemonia, Estado e Governabilidade de Gilberto Dupas pela Senac (2002)
>>> Poder política e partido de Gramsci pela Brasiliense (1992)
>>> O Livro da Ciência As Grandes Ideias de Todos os Tempos de Vários Autores pela Globo (2016)
>>> Palmares a guerra dos escravos de Décio Freitas pela Mercado Aberto (1984)
>>> Tempo história e evasão de José Carlos Reis pela Papirus (1994)
>>> Manual de Prática Trabalhista de Aristeu de Oliveira pela Atlas (1999)
>>> Do escambo à escravidão de Alexander Marchant pela Brasiliana (1980)
>>> 1822 Dimensões de Carlos Guilherme Mota pela Perspectiva (1986)
COLUNAS

Segunda-feira, 10/12/2001
Baudolino e a obra aberta de Eco
Gian Danton

+ de 7000 Acessos
+ 3 Comentário(s)

Em Baudolino, Umberto Eco faz o que sempre fez melhor: contar histórias ambientadas na Idade Média. Seu outro grande sucesso, O Nome da Rosa, também acontece na chamada Idade das Trevas e talvez venha daí seu sucesso.

Eco tem outros textos, mais acadêmicos, em que compara a Idade Média com nossa época e diz que as semelhanças são maiores que as diferenças.

De fato, é grande a semelhança do período em que se passa Baudolino (1152 –1204) e os dias atuais.

Na época reinava na Europa o Imperador Frederico, que gastava mais tempo administrando os conflitos entre as cidades italianas do que com qualquer outra coisa. Da mesma forma, os pequenos países do Oriente Médio têm dado grande dor de cabeça para o todo-poderoso de nossa época, o presidente norte-americano George W. Bush.

E, se os italianos tinham o ouro de seu tempo (as especiarias), os mulçulmanos têm o ouro atual (o petróleo).

“Vale a pena viver nessas terras, onde todos parecem ter feito voto de suicídio, e onde uns ajudam os outros a se matarem?”, diz Baudolino, à certa altura do livro. Parece estar falando dos países do Oriente Médio, mas está se referindo à Itália.

Coincidências à parte, o livro vale pela inventividade. A história é contada a partir do relato de Baudolino, um mentiroso por natureza, que acabou sendo adotado pelo imperador Frederico após fazer uma previsão absolutamente falsa: “Quando se diz uma coisa que se imagina, e os outros dizem que é exatamente assim, acaba-se por acreditar nela, afinal. Assim, eu vagava pela Frascheta e via santos e unicórnios na floresta, e quando encontrei o imperador, sem saber quem fosse, falei em sua língua, e disse-lhe que São Baudolino me dissera que ele conquistaria Terdona. Disse-lhe isso para contentá-lo, mas para ele era conveniente que eu o dissesse a todos, e de modo especial aos mensageiros de Terdona, para que eles se convencessem de que também os santos estavam contra eles, eis a razão pela qual me comprou de meu pai”.

O livro começa com Baudolino salvando Nicetas, um sábio da corte de Constantinopla à época em que ela foi invadida pelas tropas européias. Nicetas faz um favor a seu salvador: ouve e escreve seu relato, na tentativa de contar a história de uma época.

Mas a empreitada é difícil. Baudolino é tão mentiroso que o sábio não consegue distinguir, entre o que ele fala o que é real e o que é falso. Muitas vezes o que parece real é falso e o que é falso parece real.

Baudolino é uma espécie de Forrest Gump da Idade Média. Com uma diferença: enquanto Forrest era um tolo, Baudolino é um espertalhão mentiroso.

A graça do livro está justamente aí: em ouvir uma história sem estar certo da idoneidade de quem a conta. De todos os fatos narrados, muitos são mentira e muitos são verdade, mas é impossível separa o joio do trigo.

Baudolino dá a impressão de ter sido escrito para provar uma das teses mais importantes de Eco: a obra aberta.

Na década de 60, quando o mundo das artes era sacudido por uma vanguarda pós-moderna, Eco escreveu um livro definindo o que ele chamou de Obra Aberta em oposição ao que ele chamou de discurso persuasivo, ou fechado.

O discurso persuasivo traz a mensagem pronta para o receptor. O leitor de um livro tem apenas o trabalho de descobrir o que o escritor pretendia com seu livro. Uma única leitura era a permitida.

A obra aberta revolucionava o sentido da arte forçando o receptor a ter participação ativa no processo de fruição. Assim, cada pessoa que lesse um livro ou ouvisse uma música deveria ter um entendimento próprio sobre seu significado. Já não havia mais certezas a serem desveladas. O próprio conceito de realidade é colocado em questão. Pela teoria da relatividade, cada observador teria sua própria interpretação de realidade, dependendo do ponto em que estivesse observando determinado fenômeno.

Da mesma forma, em Baudolino, realidade é o que o protagonista conta, mas ele pode estar mentindo e, assim, a realidade é relativizada. O leitor não deve confiar nem mesmo no narrador.

Mas não é necessário conhecer o conceito de obra aberta para gostar de Baudolino. Eco, como sempre, consegue transformar temas complicados (como a política medieval) em uma leitura deliciosa que envolve uma história policial, lendas medievais, uma expedição em busca do Santo Graal e até uma referência à Alexandria, cidade natal do escritor.

Outro destaque é a capa, belíssima, com impressão em prata.

Um livro para ler e reler e encontrar novos significados a cada nova leitura.


Gian Danton
Goiânia, 10/12/2001


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Ruy Castro n'O B_arco ― parte 2/2 de Rafael Fernandes


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. Público, massa e multidão - 30/8/2002
04. A teoria do caos - 22/11/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
10/12/2001
02h55min
Gian, "A mentira crítica e literária de Umberto Eco" - por Paulo Polzonoff. O texto está no saite. Se ainda não teve oportunidade, delicie-se !
[Leia outros Comentários de Breno Baldrati]
28/1/2002
11h47min
obrigada!!!!!! vcs me salvaram...... estou com uma resenha crítica para fazer sobre "obra aberta"
[Leia outros Comentários de Elizete]
28/3/2002
19h03min
Nossa!Parece ser tão...sei lá!
[Leia outros Comentários de Adriana]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu fico Loko
Christian figueiredo de Caldas
Novo Conceito
(2015)



Dicionário da Cultura Jurídica - 1ª Edição
Denis Alland & Stéphane Rials
Wmf Martins Fontes
(2011)



Mais Vida (1982)
Francisco C. Xavier e Euripedes Formiga
Ceu
(1982)



Plantão da noite
Irwin Shaw
Nova Cultural
(1987)



Metodologia do Trabalho Científico - 18ª Edição
Antonio Joaquim Severino
Cortez
(1992)



O Contador de Histórias
Harold Robbins
Record
(1985)



Areia da Grossa Areia da Fina Areia Me Faça Ficar Pequenina
May Shuravel
Ftd
(1997)



Criança para Criança
Audrey Aarons-hugh Hawes-juliet Gayton
Mec
(1981)



Livros dos Espiritos
Allan Kardec
Filosofia Espiritualista



O Evangelho Segundo Jesus
John Macarthur
Fiel
(1999)





busca | avançada
57904 visitas/dia
1,9 milhão/mês