A proposta libertária | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nos 30 anos, Taanteatro faz reflexão com solos teatro-coreográficos
>>> ‘Salão Paulista de Arte Naïf’ será aberto neste sábado, dia 27, no Museu de Socorro
>>> Festival +DH: Debates, cinema e música para abordar os Direitos Humanos
>>> Iecine abre inscrições para a oficina Coprodução Internacional para Cinema
>>> MAB FAAP recebe a exposição Ensaios de Inclusão
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
Últimos Posts
>>> Desigualdades
>>> Novembro está no fim...
>>> Indizível
>>> Programador - Trabalho Remoto que Paga Bem
>>> Oficinas Culturais no Fly Maria, em Campinas
>>> A Lei de Murici
>>> Três apitos
>>> World Drag Show estará em Bragança Paulista
>>> Na dúvida com as palavras
>>> Fly Maria: espaço multicultural em Campinas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lee Aaron: de Metal Queen a Diva do Jazz
>>> Ensaios de Literatura Ocidental, de Erich Auerbach
>>> Pink Floyd 1972
>>> Borges e Osvaldo Ferrari, Diálogos
>>> The Book of Souls
>>> Cidade de Deus, de Paulo Lins
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Depressão
>>> Útil paisagem
>>> Tradução e acesso
Mais Recentes
>>> Rei Lear de William Shakespeare pela Scipione (2002)
>>> A Matamorfose - seguindo de o veredicto de Kafka pela L&pm (2001)
>>> Terras de Sombras de Alyson Noel pela Intrínseca (2009)
>>> 15 Minutos Inglês de Publifolha pela Publifolha (2012)
>>> Êxtase 4 de Lauren Kate pela Galera Record (2013)
>>> Cultura e Sociedade no Brasil Colônia de Júnia Ferreira Furtado pela Atual (2000)
>>> Tempo Seco de Clara Arreguy pela Geração (2009)
>>> Comédias para se ler na Escola de Luiz Fernando Verissimo pela Objetiva (2001)
>>> Renovar Ideias de Diala Vidal e Ana Maria Pacheco ( Org) pela Barcarolla (2005)
>>> Matendo os Talento da sua empresa de Harvard Business Revien pela Campus (2007)
>>> Mulheres Maravilhas de Ana Carla Tolentino pela Leitura (2002)
>>> o Noviço - Coleção Prestigio de Martins Penna pela Ediouro (1996)
>>> Marketing Promocional de Antonio R Costa e Outros pela Atlas (1996)
>>> Minha História de Michele Obama pela Objetiva (2020)
>>> Harmonia Conjugal - Coleção Lar Cristão 5 de J. Viollet pela Paulinas (1962)
>>> Arte e Cura - Pasado, Presente e futuro de Eurico de Aguiar pela Casa do novo Autor (2015)
>>> Uma terra prometida de Barack Obama pela Companhia Das Letras (2020)
>>> Maigret e o ladrão Preguicoso de Marigret Simenon pela L&pm (2009)
>>> A Trilogia do Mago Negro de Trundi Canavan pela Novo Conceito
>>> Milagres a Luz do Espírito Aloha de Carmen Balhestero pela Madras (2014)
>>> Box A Divina Comédia de Dante Alighieri pela Principis (2020)
>>> Documento de Aparecida de Cnbb Conferencia Nacional dos Bispos do Brasil pela Paulinas (2007)
>>> Crescer em Comuninhão- catequese Eucarista Livro 1 de Celio Reginaldo Calikpski e Outros pela Vozes (2013)
>>> Administração de Materiáis de João José Viana pela Atlas (2000)
>>> A Travessia do Albatroz de Marcia Camargos pela Geração (2007)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/2/2016
A proposta libertária
Gian Danton

+ de 27000 Acessos

Dias desses fiz uma postagem sobre o juiz parado na blitz da lei seca que processou a agente de trânsito que disse que ele não era Deus (recentemente a sentença foi confirmada e a agente terá de pagar 5 mil reais de indenização ao juiz). Para meu espanto, alguém viu a postagem e comentou que o tal juiz era um anarquista. Mais: defendeu que a corrupção que vemos hoje é resultado do anarquismo. Chegou a dizer que estávamos rumando para uma ditadura anarquista. Seria mais ou menos como dizer que vegetarianos têm como objetivo fazer as pessoas comerem carne. Expliquei (ou ao menos tentei) a ele o equívoco do uso da expressão só para descobrir que ele era um defensor da “intervenção militar constitucional”. Ao final, deixou uma ameaça: “Quando acontecer a intervenção, saberei onde te encontrar”.

Embora seja interpretado equivocadamente como sinônimo de bagunça, desordem e até de ditadura (razão pela qual muitos preferem a expressão “libertário”), o anarquismo é uma doutrina política heterogênea que engloba os mais variados grupos e filosofias, que vão do socialismo revolucionário ao capitalismo. O anarquismo capitalista, por exemplo, é representado pelo libertarianismo, uma corrente neo-liberal que prega a ideia de estado mínimo e imposto mínimo, com mínima intervenção do estado na vida dos indivíduos e na economia. Outro exemplo é Gandhi, que foi fortemente influenciado pelos ideias anarquista e tornou célebre a estratégia da resistência civil e da não-violência (vale lembrar que Gandhi nunca quis ocupar nenhum cargo público).

Unindo essas diversas correntes, uma ideia básica: a de que o estado será sempre ocupado por pessoas que usaram o poder em benefício próprio e que quanto mais concentrado o poder estiver nas mãos de algumas pessoas, pior será para a sociedade. Em contrapartida, quanto mais distribuído o poder, melhor para todos. Em outras palavras: a ideologia libertária é o oposto do fascismo, seja ele de direita ou esquerda.

Filosoficamente podemos remontar às teorias de Hobbes e Rousseau.

Hobbes argumentava que o homem é o lobo do próprio homem. De forma simplista: o homem é mau. Se não houver alguém fiscalizando-o, impedindo-o de praticar o mal, o homem inevitavelmente irá enveredar pelas maiores barbaridades. Esse pensamento, na época, serviu de desculpa para os regimes absolutistas. Se o homem é mau, justifica-se a existência de um rei todo poderoso para manter a sociedade sob controle e impedir que as pessoas se matem umas às outras. Essa é a premissa básica do fascismo.

Rousseau, ao contrário, dizia que o homem é, originalmente bom. Se ele se torna mau, é porque foi corrompido pela sociedade. Em outras palavras: as próprias estruturas criadas para impedir a maldade humana, na verdade acabavam provocando-a.

Em outras palavras: o poder corrompe e quanto mais poder alguém tiver, mais corrupta essa pessoal será. A ideia básica da proposta libertária é de que o poder é uma droga, que vicia, e o viciado fará de tudo para permanecer no poder. O fascismo é baseado na coersão. Essa coerção pode ser a simples ameaça de violência física ou, o que é muito mais efetivo, a ameaça de não pertencer ao grupo. Relatos de observadores do nazismo dizem que os comícios de Hitler eram pensados para criar um sentimento grandioso de grupo e fazer com que os que não pertenciam a esse grupo se sentissem excluídos e culpados. A “grande Alemanha estava sendo construída” e quem não era nazista estava de fora desse sentimento.

Um exemplo dessa conformidade ao grupo foi a experiência levada a cabo pelo psicólogo Solomon Asch na década de 1950. Ele reunia em uma sala oito pessoas, oito das quais eram atores orientados a dar respostas erradas. Em seguida, eram mostrados dois cartões. Um deles mostrava uma linha e, no outro, três linhas de tamanhos diversos, uma das quais era igual ao do outro cartão. O psicólogo perguntava qual era a linha que correspondia ao tamanho do outro cartão. Ao verem todo o grupo darem a resposta errada, mesmo em uma situação tão clara, a maioria das pessoas acompanhava o grupo. Apenas 25% contrariava o grupo e dava respostas certas.

O experimento mostrou como a coerção do grupo pode levar as pessoas a fazerem algo nitidamente errado. É impossível ler sobre esses e outros experimentos sem lembrar a ideia de Rousseau, de que o ser humano é corrompido pela sociedade. Quanto maior a concentração de poder dessa sociedade, maior o poder de uma ou algumas poucas pessoas terão sobre o grupo e maior a coerção que exercerão.

Se o fascismo é baseado na coerção, a proposta libertária é baseada na consensualidade. A liberdade individual, inclusive liberdade de pensamento, é um elemento mais relevante que a adesão ao grupo. A pessoa participa do grupo porque quer, não porque foi coagida a isso.

O fascismo é a base ideológica de todas as ditaduras e regime totalitários, tanto de esquerda quanto de direita. Já a visão libertária deu origem desde o movimento de resistência civil de Gandhi e Martin Luther King às proposta de democracia semi-direta, como na Suécia e Suíça, em que cidadãos comuns podem propor leis e até pedir o impeachment de governantes. Não por acaso, a Suíça era a terra natal de Rousseau.


Gian Danton
Goiânia, 5/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. 20 contos sobre a pandemia de 2020 de Luís Fernando Amâncio
02. Convivendo com a Gazeta e o Fim de Semana de Julio Daio Borges
03. Lee Aaron: de Metal Queen a Diva do Jazz de Debora Batello


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. Público, massa e multidão - 30/8/2002
04. A teoria do caos - 22/11/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Atentado do Pudor
Tom Sharpe
Rocco
(1999)



Os Hérois Mais Poderosos da Marvel
Marvel
Salvat
(2015)



A Energia das Mãos
Matthias Mala
Pensamento
(1999)



Lorotas, Caretas e Piruetas
Cyro de Mattos; Luis Sartori do Vale
Rhj Livros
(2011)



Cadernos da Comunicação 3 - Série Estudos
Regina Stela Braga
Cadernos da Comunicação
(2011)



As Origens do Ritual na Igreja e na Maçonaria
H. P. Blavatsky
Pensamento



O Meio Ambiente em Debate
Samuel Murgel Branco
Moderna
(2004)



Reflexiones Sobre Ecologia, Medio Ambiente y Cambio Climático
Oswaldo Báez Tobar
Opción
(2011)



O Amor Supera o Castigo
Masaharu Taniguchi
Seicho no Ie
(2011)



Druckgrafik
Liebermann Slevogt Corinth
Ifa
(1980)





busca | avançada
55403 visitas/dia
2,2 milhões/mês