A proposta libertária | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
>>> Arte do Granja
>>> Prorrogadas as inscrições para 20ª Mostra de Cinema Infantil de Florianópolis
>>> Projeto Trovadores Urbanos 30 anos, live cinco, “Serenata para Silvio Caldas”, segunda dia 19 de abr
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O que querem os homens? Do Sertão a Hollywood
>>> 8 de Junho #digestivo10anos
>>> Voltar com ex e café requentado
>>> Vinicius de Moraes Reeditado pela Companhia das Letras
>>> Deep Purple Made in Japan
>>> The Newspaper of the Future
>>> Se eu fosse você 2
>>> Lady Gaga, uma aula do pastiche
>>> Comunicado importante: TV mata!
>>> A bolha da blogosfera
Mais Recentes
>>> É Hora! É Hora! de Anna Claudia Ramos pela Nova Fronteira (2005)
>>> Tempo de Voo de Bartolomeu Campos de Queirós pela SM Paradidático (2009)
>>> Brasília: de cerrado a capital da república de Jô Oliveira pela Cortez (2008)
>>> Sujo, eu? de David Roberts pela Companhia Nacional (2006)
>>> Corpo humano de Charline Zeitoun pela Companhia Nacional (2006)
>>> As cores do arco-íris de Jennifer Moore Mallinos pela Companhia Nacional (2008)
>>> O Dom de Sabedoria na mente ,vida e obra de Plinio Correa De Oliveira - 3 Vol - Ver Descrição de Mons. João Scognamiglio Cla Dias , Ep pela Vaticana (2016)
>>> Ana E O Gato de Gusmao Marta^Gusmao Tania pela Franco (2011)
>>> Uma história do mundo de David Coimbra pela L&Pm (2012)
>>> Figura na sombra de Luiz Antonio De Assis Brasil pela L&Pm (2012)
>>> O bem de Cristina Von pela Callis (2011)
>>> Drogas de Leslie Iversen pela L&Pm (2012)
>>> Peanuts: ninguém gosta de mim de Charles M. Schulz pela L&Pm (2013)
>>> Teatro Para A Juventude de Tatiana Belinky pela Companhia Nacional (2005)
>>> Pré-história de Cris Gosden pela L&Pm (2012)
>>> Razão e sentimento: de Jane Austen pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 2 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> A interpretação dos sonhos - volume 1 de Sigmund Freud pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2654--ia dar um tiro nele e me suicidar de Abril pela Abril (2019)
>>> O cão da morte de Agatha Christie pela L&Pm (2012)
>>> Viagem ao centro da terra de Julio Verne pela L&Pm (2012)
>>> Cleo E Daniel de Roberto Freire pela L&Pm (2012)
>>> Platão de Julia Annas pela L&Pm (2012)
>>> Veja--2601--especial--1960 a 2010. de Abril pela Abril (2018)
>>> Fábulas Chinesas de Sérgio Capparelli pela L&Pm (2012)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/2/2016
A proposta libertária
Gian Danton

+ de 23800 Acessos

Dias desses fiz uma postagem sobre o juiz parado na blitz da lei seca que processou a agente de trânsito que disse que ele não era Deus (recentemente a sentença foi confirmada e a agente terá de pagar 5 mil reais de indenização ao juiz). Para meu espanto, alguém viu a postagem e comentou que o tal juiz era um anarquista. Mais: defendeu que a corrupção que vemos hoje é resultado do anarquismo. Chegou a dizer que estávamos rumando para uma ditadura anarquista. Seria mais ou menos como dizer que vegetarianos têm como objetivo fazer as pessoas comerem carne. Expliquei (ou ao menos tentei) a ele o equívoco do uso da expressão só para descobrir que ele era um defensor da “intervenção militar constitucional”. Ao final, deixou uma ameaça: “Quando acontecer a intervenção, saberei onde te encontrar”.

Embora seja interpretado equivocadamente como sinônimo de bagunça, desordem e até de ditadura (razão pela qual muitos preferem a expressão “libertário”), o anarquismo é uma doutrina política heterogênea que engloba os mais variados grupos e filosofias, que vão do socialismo revolucionário ao capitalismo. O anarquismo capitalista, por exemplo, é representado pelo libertarianismo, uma corrente neo-liberal que prega a ideia de estado mínimo e imposto mínimo, com mínima intervenção do estado na vida dos indivíduos e na economia. Outro exemplo é Gandhi, que foi fortemente influenciado pelos ideias anarquista e tornou célebre a estratégia da resistência civil e da não-violência (vale lembrar que Gandhi nunca quis ocupar nenhum cargo público).

Unindo essas diversas correntes, uma ideia básica: a de que o estado será sempre ocupado por pessoas que usaram o poder em benefício próprio e que quanto mais concentrado o poder estiver nas mãos de algumas pessoas, pior será para a sociedade. Em contrapartida, quanto mais distribuído o poder, melhor para todos. Em outras palavras: a ideologia libertária é o oposto do fascismo, seja ele de direita ou esquerda.

Filosoficamente podemos remontar às teorias de Hobbes e Rousseau.

Hobbes argumentava que o homem é o lobo do próprio homem. De forma simplista: o homem é mau. Se não houver alguém fiscalizando-o, impedindo-o de praticar o mal, o homem inevitavelmente irá enveredar pelas maiores barbaridades. Esse pensamento, na época, serviu de desculpa para os regimes absolutistas. Se o homem é mau, justifica-se a existência de um rei todo poderoso para manter a sociedade sob controle e impedir que as pessoas se matem umas às outras. Essa é a premissa básica do fascismo.

Rousseau, ao contrário, dizia que o homem é, originalmente bom. Se ele se torna mau, é porque foi corrompido pela sociedade. Em outras palavras: as próprias estruturas criadas para impedir a maldade humana, na verdade acabavam provocando-a.

Em outras palavras: o poder corrompe e quanto mais poder alguém tiver, mais corrupta essa pessoal será. A ideia básica da proposta libertária é de que o poder é uma droga, que vicia, e o viciado fará de tudo para permanecer no poder. O fascismo é baseado na coersão. Essa coerção pode ser a simples ameaça de violência física ou, o que é muito mais efetivo, a ameaça de não pertencer ao grupo. Relatos de observadores do nazismo dizem que os comícios de Hitler eram pensados para criar um sentimento grandioso de grupo e fazer com que os que não pertenciam a esse grupo se sentissem excluídos e culpados. A “grande Alemanha estava sendo construída” e quem não era nazista estava de fora desse sentimento.

Um exemplo dessa conformidade ao grupo foi a experiência levada a cabo pelo psicólogo Solomon Asch na década de 1950. Ele reunia em uma sala oito pessoas, oito das quais eram atores orientados a dar respostas erradas. Em seguida, eram mostrados dois cartões. Um deles mostrava uma linha e, no outro, três linhas de tamanhos diversos, uma das quais era igual ao do outro cartão. O psicólogo perguntava qual era a linha que correspondia ao tamanho do outro cartão. Ao verem todo o grupo darem a resposta errada, mesmo em uma situação tão clara, a maioria das pessoas acompanhava o grupo. Apenas 25% contrariava o grupo e dava respostas certas.

O experimento mostrou como a coerção do grupo pode levar as pessoas a fazerem algo nitidamente errado. É impossível ler sobre esses e outros experimentos sem lembrar a ideia de Rousseau, de que o ser humano é corrompido pela sociedade. Quanto maior a concentração de poder dessa sociedade, maior o poder de uma ou algumas poucas pessoas terão sobre o grupo e maior a coerção que exercerão.

Se o fascismo é baseado na coerção, a proposta libertária é baseada na consensualidade. A liberdade individual, inclusive liberdade de pensamento, é um elemento mais relevante que a adesão ao grupo. A pessoa participa do grupo porque quer, não porque foi coagida a isso.

O fascismo é a base ideológica de todas as ditaduras e regime totalitários, tanto de esquerda quanto de direita. Já a visão libertária deu origem desde o movimento de resistência civil de Gandhi e Martin Luther King às proposta de democracia semi-direta, como na Suécia e Suíça, em que cidadãos comuns podem propor leis e até pedir o impeachment de governantes. Não por acaso, a Suíça era a terra natal de Rousseau.


Gian Danton
Goiânia, 5/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sou um de vocês de Eduardo Mineo
02. O físico subversivo de Bruno Garschagen
03. Para quem acha que conhece de tudo na vida de Rafael Lima


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. Público, massa e multidão - 30/8/2002
04. A teoria do caos - 22/11/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A Coleção de Bruxas de Meu Pai - Autografado
Rosa Amanda Strausz
Salamandra
(1995)



A Formação Humana no Projecto da Modernidade
F. Cabral Pinto
Edicoes Piaget
(1996)



O Motoboy do Amor. Dicas, Truques e Cantadas Infalíveis
Bruno Tavares
Age
(2004)



Escala Richter
Leonardo Gandolfi
7 Letras
(2015)



A Literatura Brasileira Atraves dos Textos
Massaud Moises
Cultrix
(2010)



Nicolau e Sua Casca
Ivanir Calado
Ediouro
(1995)



Alô Chics!
Gloria Kalil
Pocket Ouro
(2008)



Curso de Direito Administrativo
Dirley da Cunha Junior (6ª Edição)
Podium
(2007)



Fisiología Humana: Riñon
E. Sánchez de Badajoz
Editorial Marban (madri)
(1980)



Comentarios á Consolidação das Leis do Trabalho - 33ªedição
Valentin Carrion
Saraiva
(2008)





busca | avançada
75949 visitas/dia
2,6 milhões/mês