A proposta libertária | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> MONSTRA exibe filmes feitos por e com crianças nos dias 25 e 26/5
>>> Tão Somente Meninos
>>> Festa junina no Teatro do Incêndio busca continuidade do projeto SOL.TE
>>> Céu se apresenta no Sesc Guarulhos
>>> Projetos culturais e acessibilidade em arte-educação em cursos gratuitos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sabemos pensar o diferente?
>>> Do Surrealismo
>>> Milagres não existem
>>> Valsinha
>>> Sobre o caso Idelber Avelar
>>> Uma gafieira, pintura digital
>>> As drogas fazem você virar os seus pais
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> O Conto do Amor, de Contardo Calligaris
>>> Videogame também é cultura
Mais Recentes
>>> Os Imortais da Literatura - Viagens de Gulliver - Volume 22 de Jonathan Swift pela Abril Cultural (1971)
>>> Free - the Past and Future of a Radical Price de Chris Anderson pela Hyperion (2009)
>>> Por Que os Homens Amam as Mulheres Poderosas? de Sherry Argov; Simone Reisner pela Sextante (2009)
>>> O Que São Empregos e Salários de Paulo Renato Souza pela Brasiliense (1989)
>>> Também Sou Teu Povo, Senhor - Coleção Deus Conosco de Lydia das Dores Defilippo pela Vozes (2006)
>>> Guia de Tintos & Brancos de Saul Galvão pela Códex (2004)
>>> O Poder Erótico: Diário e Cartas de Cristina Vasa , Rainha da Suécia, e do Padre Antônio Vieira de Gloria Kaiser pela Reler (2012)
>>> Filho Teu Não Foge a Luta de Fellipe Awi pela Intrínseca (2012)
>>> Casamento - Término e Rescontrução de Maria Tereza Moldonado pela Vozes (1987)
>>> O Poder Erótico: Diário e Cartas de Cristina Vasa , Rainha da Suécia, e do Padre Antônio Vieira de Gloria Kaiser pela Reler (2012)
>>> O Poder do Pensamento de Emmet Fox pela Pensamento
>>> Contabilidade de Custos - um Enfoque Direto e Objetivo de Silvério das Neves pela Saraiva (2013)
>>> Moderna Plus Literatura - Aprova Enem de José Gabriel Arroio e Outros pela Moderna (2015)
>>> Pele de Alessio Di Pascucci 1ª Ed. pela Sabep (2007)
>>> Ser Protagonista - Biologia - Caderno de Revisão de Edições Sm pela Edições Sm (2014)
>>> O Livro dos Amores de Gabriel Chalita pela Companhia nacional (2006)
>>> O Novo Brasil de Albert Fishlow pela Saint Paul (2011)
>>> Manual da Redação de Folha de S. Paulo pela Publifolha (2007)
>>> O Homem Mais Procurado de John Le Carré pela Record (2010)
>>> Sob o Olhar de Deus de Malba Tahan pela Conquista
>>> A Conexão Casa Branca de Jack Higgins pela Record (2001)
>>> Homeopatia - Ciência e Cura de George Vithoulkas pela Círculo do Livro (1981)
>>> Estresse Livre Se Dele de Vera Peiffer pela Butterfly (2007)
>>> A Viagem Marítima da Família Real: A transferência da corte portuguesa para o Brasil de Kenneth Light pela Zahar (2008)
>>> Principio da Administração Financeira de Lowrence J Gitman pela Harbra (1987)
COLUNAS

Sexta-feira, 5/2/2016
A proposta libertária
Gian Danton

+ de 31000 Acessos

Dias desses fiz uma postagem sobre o juiz parado na blitz da lei seca que processou a agente de trânsito que disse que ele não era Deus (recentemente a sentença foi confirmada e a agente terá de pagar 5 mil reais de indenização ao juiz). Para meu espanto, alguém viu a postagem e comentou que o tal juiz era um anarquista. Mais: defendeu que a corrupção que vemos hoje é resultado do anarquismo. Chegou a dizer que estávamos rumando para uma ditadura anarquista. Seria mais ou menos como dizer que vegetarianos têm como objetivo fazer as pessoas comerem carne. Expliquei (ou ao menos tentei) a ele o equívoco do uso da expressão só para descobrir que ele era um defensor da “intervenção militar constitucional”. Ao final, deixou uma ameaça: “Quando acontecer a intervenção, saberei onde te encontrar”.

Embora seja interpretado equivocadamente como sinônimo de bagunça, desordem e até de ditadura (razão pela qual muitos preferem a expressão “libertário”), o anarquismo é uma doutrina política heterogênea que engloba os mais variados grupos e filosofias, que vão do socialismo revolucionário ao capitalismo. O anarquismo capitalista, por exemplo, é representado pelo libertarianismo, uma corrente neo-liberal que prega a ideia de estado mínimo e imposto mínimo, com mínima intervenção do estado na vida dos indivíduos e na economia. Outro exemplo é Gandhi, que foi fortemente influenciado pelos ideias anarquista e tornou célebre a estratégia da resistência civil e da não-violência (vale lembrar que Gandhi nunca quis ocupar nenhum cargo público).

Unindo essas diversas correntes, uma ideia básica: a de que o estado será sempre ocupado por pessoas que usaram o poder em benefício próprio e que quanto mais concentrado o poder estiver nas mãos de algumas pessoas, pior será para a sociedade. Em contrapartida, quanto mais distribuído o poder, melhor para todos. Em outras palavras: a ideologia libertária é o oposto do fascismo, seja ele de direita ou esquerda.

Filosoficamente podemos remontar às teorias de Hobbes e Rousseau.

Hobbes argumentava que o homem é o lobo do próprio homem. De forma simplista: o homem é mau. Se não houver alguém fiscalizando-o, impedindo-o de praticar o mal, o homem inevitavelmente irá enveredar pelas maiores barbaridades. Esse pensamento, na época, serviu de desculpa para os regimes absolutistas. Se o homem é mau, justifica-se a existência de um rei todo poderoso para manter a sociedade sob controle e impedir que as pessoas se matem umas às outras. Essa é a premissa básica do fascismo.

Rousseau, ao contrário, dizia que o homem é, originalmente bom. Se ele se torna mau, é porque foi corrompido pela sociedade. Em outras palavras: as próprias estruturas criadas para impedir a maldade humana, na verdade acabavam provocando-a.

Em outras palavras: o poder corrompe e quanto mais poder alguém tiver, mais corrupta essa pessoal será. A ideia básica da proposta libertária é de que o poder é uma droga, que vicia, e o viciado fará de tudo para permanecer no poder. O fascismo é baseado na coersão. Essa coerção pode ser a simples ameaça de violência física ou, o que é muito mais efetivo, a ameaça de não pertencer ao grupo. Relatos de observadores do nazismo dizem que os comícios de Hitler eram pensados para criar um sentimento grandioso de grupo e fazer com que os que não pertenciam a esse grupo se sentissem excluídos e culpados. A “grande Alemanha estava sendo construída” e quem não era nazista estava de fora desse sentimento.

Um exemplo dessa conformidade ao grupo foi a experiência levada a cabo pelo psicólogo Solomon Asch na década de 1950. Ele reunia em uma sala oito pessoas, oito das quais eram atores orientados a dar respostas erradas. Em seguida, eram mostrados dois cartões. Um deles mostrava uma linha e, no outro, três linhas de tamanhos diversos, uma das quais era igual ao do outro cartão. O psicólogo perguntava qual era a linha que correspondia ao tamanho do outro cartão. Ao verem todo o grupo darem a resposta errada, mesmo em uma situação tão clara, a maioria das pessoas acompanhava o grupo. Apenas 25% contrariava o grupo e dava respostas certas.

O experimento mostrou como a coerção do grupo pode levar as pessoas a fazerem algo nitidamente errado. É impossível ler sobre esses e outros experimentos sem lembrar a ideia de Rousseau, de que o ser humano é corrompido pela sociedade. Quanto maior a concentração de poder dessa sociedade, maior o poder de uma ou algumas poucas pessoas terão sobre o grupo e maior a coerção que exercerão.

Se o fascismo é baseado na coerção, a proposta libertária é baseada na consensualidade. A liberdade individual, inclusive liberdade de pensamento, é um elemento mais relevante que a adesão ao grupo. A pessoa participa do grupo porque quer, não porque foi coagida a isso.

O fascismo é a base ideológica de todas as ditaduras e regime totalitários, tanto de esquerda quanto de direita. Já a visão libertária deu origem desde o movimento de resistência civil de Gandhi e Martin Luther King às proposta de democracia semi-direta, como na Suécia e Suíça, em que cidadãos comuns podem propor leis e até pedir o impeachment de governantes. Não por acaso, a Suíça era a terra natal de Rousseau.


Gian Danton
Goiânia, 5/2/2016


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Meu pé quebrado de Luís Fernando Amâncio
02. Srta Peregrine e suas crianças peculiares de Ricardo de Mattos
03. Um socialista na Casa Branca? de Celso A. Uequed Pitol
04. Viagem a 1968: Tropeços e Desventuras (3) de Marilia Mota Silva
05. Simone de Beauvoir: da velhice e da morte de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. A Teoria Hipodérmica da Mídia - 19/7/2002
03. Público, massa e multidão - 30/8/2002
04. A teoria do caos - 22/11/2002
05. A maçã de Isaac Newton - 16/8/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cómo Administrar Mejor Su Tiempo: Estrategias a partir de objetivos y prioridades
Francois Gamonnet
Granica
(2010)



A Entrevista
Shana Gray
Gutenberg
(2017)



Manual de Direito do Trabalho
Pedro Thaumaturgo Soriano de Mello
Cejup
(1990)



História Pré-colonial do Brasil
Ivan Alves Filho (coord.)
Europa



Frommers Nova York - Guia de Bolso
Brian Silverman
Alta Books
(2009)



Cabelo - a Moldura do Seu Corpo
Sônia Corazza
Ediouro
(2008)



Serviço Social & Sociedade 32 - Ano XI Maio 1990
Vários Autores
Cortez
(1990)



Bio 3 - Caderno de Estudos / Revisão
Sônia Lopes / Sergio Rosso
Saraiva
(2018)



Pastoral da Inclusão
Luiz Carlos Dutra
Loyola
(2006)



Ao Longo do Caminho
Laura Sandroni
Moderna
(2003)





busca | avançada
59441 visitas/dia
1,8 milhão/mês