Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? | Gian Danton | Digestivo Cultural

busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
>>> ABERTURA DA EXPOSIÇÃO “O CAMINHO DAS PEDRAS'
>>> Residência Artística FAAP São Paulo realiza Open Studio neste sábado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> TV Made in Brazil
>>> A novela América e o sensacionalismo de Oprah
>>> 1992 e hoje
>>> Píramo e Tisbe
>>> Pela estrada afora
>>> Jorge Amado universal
>>> Aquele que por via de regra se sai mal
>>> Duas crises: a nossa e a deles
>>> Samba Meu, o show de Maria Rita
>>> Cores Paulistas e os Quatro Anos da IQ Art Gallery
Mais Recentes
>>> Mcdonalds: A Verdadeira História do Sucesso de John F. Love pela Bertrand Brasil (1987)
>>> Dicionário Judaico de Lendas e Tradições de Alan Unterman pela Jorge Zahar (1992)
>>> Era Uma Vez Um Dragão - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> C de Cigarra - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> A de Anaconda - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> Viagem ao Brasil - 2 Volumes de Alexandre Rodrigues Ferreira pela Kapa (2002)
>>> D de Dinossauro - Abc... Meus primeiros passos de Malgorzata Strzalkowska pela Salvat (2008)
>>> Física um curso universitário: VOl. 1 Mecânica de Alonso & Finn pela Edgard Blucher (1972)
>>> Tesouros do Nirvana de Gillian G. Gaar pela Lafonte (2012)
>>> Noções e Fundamentos de Geometria Descritiva de H. Lacourt pela Gen Lct (2015)
>>> A Passagem de Justin Cronin pela Sextante (2010)
>>> Fundamentos teóricos e metodológicos da educação especial e inclusiva de Bertha de Borja Reis do Valle e outros pela Iesde (2018)
>>> Escola e Sociedade de Odilon Roble pela Iesde (2016)
>>> Histórias Paralelas: 50 Anos de Música Brasileira de Hugo Sukman pela Casa da Palavra (2011)
>>> Formação Docente para a Diversidade de Margarete Terezinha de Andrade Costa pela Iesde (2018)
>>> Glossário Técnico Manutenção e Engenharia Industrial de Ricardo Policarpo de Oliveria pela Puc/MG (2003)
>>> Crime e Castigo (capa dura) de Fiódor Dostoiévski pela Nova Fronteira (2016)
>>> Amilcar Cabral: A Arma da Teoria de Carlos Comitini pela Codebri (1980)
>>> O Poema de Anchieta Sobre a Virgem Maria Mãe de Deus de Pe. José de Anchieta pela Paulinas (1996)
>>> Glimmerglass - O encontro de dois mundos de Jenna Black pela Universo dos Livros (2011)
>>> Fundamentos de fisica volume 2 gravitação ondas e termodinamica de Halliday/resnick pela Gen ltc (2012)
>>> Mecanica dos materiais de James m gere/barry j goodno pela Cengage learning (2014)
>>> Introdução a mecanica dos fluidos de Fox/mcdonald/pritchard pela Gen ltc (2015)
>>> Resistencia dos materiais de R c hibbeler pela Pearson (2010)
>>> Proficiency for updated exam with answers com 2 cds de Cambridge pela Cambridge (2015)
COLUNAS

Sexta-feira, 25/7/2014
Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais?
Gian Danton

+ de 106700 Acessos

No dia 13 de março de 2014 o Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente aprovou, de forma unânime, a resolução nº 163 que considera abusiva toda e qualquer publicidade e comunicação mercadológica dirigidas às crianças.

A resolução é apoiada por muitos como uma forma de proteger as crianças contra os abusos, mas, se for colocada na prática, vai ter resultados muito mais amplos.

Legislações restritivas à publicidade infantil existem em outros países do mundo. Na Suécia, por exemplo, estão proibidos os comerciais na TV aberta. Países como Chile e Peru proíbem anúncios de determinados alimentos e bebidas. Na Grécia, anúncios de brinquedos só podem ser anunciados na TV aberta em horário adulto. No Irã, bonecos dos Simpsons e da Barbie não podem ser comercializados ou anunciados. Mas esse é o primeiro caso de proibição total e absoluta de qualquer tipo de comunicação comercial voltada ao público infantil.

A resolução considera abusiva "a prática do direcionamento de publicidade e comunicação mercadológica à criança com a intenção de persuadi-la para o consumo de qualquer produto ou serviço". Estão proibidos linguagem infantil, efeitos especiais e excesso de cores; trilhas sonoras de músicas infantis ou cantadas por vozes de criança; representação de criança; pessoas ou celebridades com apelo ao público infantil; personagens ou apresentadores infantis; desenho animado ou de animação; bonecos ou similares; promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis ou com apelos ao público infantil; e promoção com competições ou jogos com apelo ao público infantil.

A resolução define a 'comunicação mercadológica' como toda e qualquer atividade de comunicação comercial, inclusive publicidade, para a divulgação de produtos, serviços, marcas e empresas realizada, dentre outros meios e lugares, em eventos, espaços públicos, páginas de internet, canais televisivos, em qualquer horário, por meio de qualquer suporte ou mídia, no interior de creches e das instituições escolares da educação infantil e fundamental, inclusive em seus uniformes escolares ou materiais didáticos, seja de produtos ou serviços relacionados à infância ou relacionados ao público adolescente e adulto.

Ou seja: a legislação, na prática, proíbe qualquer comunicação voltada às crianças. O maior prejudicado com a norma é, claro, Maurício de Sousa. Muitos têm comemorado o fato de que ele não pode mais colocar seus personagens em produtos infantis, como pacotes de maçãs.

Mas a legislação é tão ampla que afeta quase toda a produção nacional destinada às crianças. As revistas em quadrinhos infantis, por exemplo, dificilmente se sustentam sem publicidade. Produzir um gibi infantil é um processo caro que quase nunca se paga apenas com as vendas de revistas (até porque essas vendas se reduzem a cada ano). Da mesma forma, os desenhos animados só são exibidos por causa da publicidade. Não por acaso, as TVs abertas estão tirando desenhos animados de sua programação. Há de se perguntar como ficarão os canais infantis da TV por assinatura, até porque eles não poderão mais ser anunciados e também não poderão mais exibir publicidade.

Na prática, a resolução joga uma pá de cal no mercado de desenhos animados infantis, que vinha apresentando um crescimento invejável, com personagens como Peixonauta e Turma da Mônica, e coloca em situação difícil as revistas infantis nacionais, já que não é permitida nem mesmo a publicidade das próprias publicações. Ou seja: a revista do Cebolinha não pode mais anunciar o conteúdo da revista do Cascão. Pior ainda para autores que queiram lançar gibis com personagens novos, que não poderão ser divulgados. Nem mesmo a distribuição de brindes para as crianças são mais permitidos. Na prática, Maurício de Sousa ainda está em uma situação melhor do que outros quadrinistas que queiram lançar outras publicações infantis. Nunca mais veremos o lançamento de outros gibis.

Mas essa é uma visão otimista. A legislação é tão ampla que, na prática, pode proibir até mesmo as capas dos gibis infantis. Veja-se: a legislação considera "'comunicação mercadológica' como toda e qualquer atividade de comunicação comercial, inclusive publicidade, para a divulgação de produtos, serviços, marcas e empresas realizada, dentre outros meios e lugares, em eventos, espaços públicos, páginas de internet, canais televisivos".

Todo manual de marketing explica que um dos elementos essenciais da comunicação mercadológica é o merchandising, ou apelo no ponto de venda. No caso das bancas de revista, o apelo comercial é feito através das capas das revistas. Ou seja, sob qualquer aspecto, a capa de um gibi é uma comunicação mercadológica. Se a norma realmente for seguida, os editores de revistas infantis terão que se adaptar, uma vez que não poderão mais exibir personagens nas capas de suas revistas. Uma solução talvez seja vender as revistas lacradas, com tarjas escondendo os personagens da mesma forma como hoje se faz com as revistas pornográficas. Num mercado em que gibis vendem cada vez menos, a resolução pode ser a pá de cal no mercado de quadrinhos nacionais.

Lendo a legislação lembrei do amigo desenhista Antonio Eder, que, mesmo depois de adulto, ainda tinha o álbum de figurinhas do Palhaço Zequinha, lançado pelo governo do Paraná no final dos anos 1970. O álbum era gratuito e as figurinhas eram trocadas por notas fiscais. Um incentivo para que a população exigisse notas fiscais que fez a alegria de muitas crianças curitibanas. Pela nova legislação, a iniciativa seria ilegal, uma vez que a norma proíbe a "promoção com distribuição de prêmios ou de brindes colecionáveis".

Engana-se quem acha que o problema se restringe apenas aos quadrinhos infantis. Como maioria das pessoas acha que todo gibi é para crianças, toda a produção nacional pode ser afetada. Um exemplo: quando lancei o meu livro "Grafipar, a editora que saiu do eixo", perguntei porque o livro era vendido lacrado e com uma tarja avisando que se tratava de um livro para adultos. No meu entender, o livro era obviamente para adultos, até pela referência no subtítulo à produção erótica. "Tente explicar isso a um juiz", respondeu um editor. "Se tem desenho na capa e é quadrinhos, um pai pode achar que é para criança e nos processar. Já aconteceu com outros livros semelhantes". Ou seja: provavelmente para os "especialistas" do conselho, todo quadrinho é para criança e se encaixa na norma, até porque uma das definições para isso é o uso de cores chamativas.

No pior dos cenários, até mesmo as coleções de miniaturas de personagens de quadrinhos (como os da Marvel e DC, que temos visto nas bancas) ficam comprometidas. Explica-se: a legislação atual já proíbe vender em banca de revista algo que não seja revista. Assim, quando se pretende lançar algo do gênero, coloca-se uma revista junto, e diz-se que o boneco é brinde para quem comprou a revista. Como agora brindes são proibidos e como a maioria das pessoas vê quadrinhos como coisa exclusivamente de crianças...

Uma legislação que coíba abusos na publicidade infantil seria bem vinda. Mas a proibição total, com uma lei tão ampla que pode afetar até as capas dos gibis nacionais interessaria a quem? Em tempo, as citações entre aspas foram retiradas diretamente do site do Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente.


Gian Danton
Goiânia, 25/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O que fazer com este corpo? de Ana Elisa Ribeiro
02. Um grande romance para leitores de... poesia de Renato Alessandro dos Santos
03. 3 dicas para a escrita criativa de Marcelo Spalding
04. Dá para ler no celular? de Marta Barcellos
05. As armas e os barões de Rafael Rodrigues


Mais Gian Danton
Mais Acessadas de Gian Danton em 2014
01. Uma norma para acabar com os quadrinhos nacionais? - 25/7/2014
02. Monteiro Lobato: fragmentos, opiniões e miscelânea - 24/1/2014
03. O cão da meia-noite - 19/12/2014
04. Abelardo e Heloísa - 28/2/2014
05. A cultura visual e a emancipação do receptor - 20/6/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Prazer da Ginástica
Diagran Gruup
Ediouro
(1976)



Nem só de Pão vive o Homem: Criação e Funcionamento do Serviço
Angela Brêtas
apicuri
(2010)



Livro - Lucro Acumulação e Crise
Luiz Bresser Pereira
Brasiliense
(1986)



Livro - Contra Natura - Ensaios de Psicanálise e Antropologia Surreal
Oscar Cesarotto
Iluminuras
(1999)



Presente a Dádiva Que Abençoa a Quem o Dá
R. R. Soares
Graça Editorial
(2000)



Você já Abraçou seu Filho Hoje?
Gilberto Barros
gente
(2002)



Viagens por Terra - Aventuras do Conhecimento
Nicola Baxter
Stampley
(1997)



Livro - Trago Seu Amor de Volta sem Pedir Nada Em Troca
Ique Carvalho
Sextante
(2017)



Jesus para presidente
Roland Merullo
sextante
(2008)



4 Anos para Mudar o Mundo
Marc Ullmann
Difel
(1977)





busca | avançada
47547 visitas/dia
1,6 milhão/mês