Sultão & Bonifácio, parte III | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balangandãs de Ná Ozzetti
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
Mais Recentes
>>> Meu dia com Padre Gregório, scj de Padre Gregorio pela N/a
>>> O Primeiro Bilhão de Christopher Reich pela Best Seller (2004)
>>> Poderes do Pensamento de Omraam Mikhaël Aïvanhov pela Prosveta (2018)
>>> Manual do Astrólogo de Landis Knigh Green pela Pensamento (1975)
>>> Noções de Symbologia Esoterica de Circulo Esotérico pela Circulo Esotérico (1941)
>>> Juventude e Revolução de Hermes Zaneti Junior pela Unb (2001)
>>> Dharma de Annie Besant pela Pensamento (2008)
>>> Fome do Cão de Táki Athanássios Cordás pela Maltese (1993)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Harper Usa (2000)
>>> Gandhi Autobiographie ou mês Expériences de Vérité (Francês) de Gadhi pela Puf (2010)
>>> Tábuas de Casa para o Hemisfério Sul de Carlos Alberto Boton pela Pensamento (1993)
>>> Tao Te King de Lao Tsé pela Attar (1988)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Jacira X Ronaldo de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1980)
>>> Um Caso que Sugere Reencarnação Simone X Angela de Hernani Guimarães Andrade pela Ibpp (1979)
>>> Guia Prático de manobras de Eric Tabarly pela Edições marítimas (1983)
>>> Pegadas de Roberto Adami Tranjan pela Gente (2005)
>>> Como Planejar sua Carreira de Varios Autores pela Povo (2003)
>>> Perguntas Bíblicas Extrovertidas de Tio Cornélio pela J&f Artes Gráficas (2004)
>>> Mere Christianity de C. S. Lewis pela Macmillan Pub Co (1984)
>>> Gestão Financeira de Negócios de Aurélio Hess pela Cart-Impress (2005)
>>> Luz Emergente A Jornada de Cura Pessoal de Barbara Ann Brennan pela Cultrix (2003)
>>> Jesus, um Profeta do Islão de Muhammad Áta Ur-rahim pela Al Furqán (1995)
>>> Buda O Mito e a Realidade de Hérodoto Barbeiro pela Madras (2005)
>>> Gandhi O Apóstolo da Não - Violência de Martin Claret pela Martin Claret (1983)
>>> Concentra-te em Ti Mesmo de Miguel Lucas pela Loyola (1987)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/3/2013
Sultão & Bonifácio, parte III
Guilherme Pontes Coelho

+ de 3400 Acessos

(Parte I e Parte II)

Brás Cubas tinha um gato, chamado Sultão, que foi mencionado apenas uma escassa vez em todo o relato de suas memórias póstumas. A menção foi no magistral Capítulo VII das Memórias Póstumas de Brás Cubas, quando Sultão, transfigurado num hipopótamo, serviu de montaria a Cubas e o levou primeiro à origem e depois ao fim dos séculos. Uma jornada galopante à velocidade da luz. Sem dúvida um dos capítulos mais memoráveis (trocadilho involuntário) da nossa literatura. Mas é intrigante que o gato seja mencionado apenas uma vez.

É por isso que, para entender o caso Sultão, estamos abordando outro fenômeno da literatura felina, o Bonifácio de Afonso da Maia, gato e dono queirozianos, em tudo diferentes das criaturas machadianas.

Nas memórias de Brás Cubas, não há descrições do Sultão. Não há nada, na verdade. Ele só aparece uma vez, brincando com uma bolinha de papel, à porta da alcova do doente Cubas, quando Cubas está emergindo do tal delírio (que é o nome do capítulo, "O Delírio"). Já do Bonifácio de Afonso da Maia é possível fazer um retrato falado. Ele é um angorá gordo, branco de manchas louras. Se não há trechos da relação entre Cubas e o gato no romance de Machado de Assis, Os Maias é um romance entupido de cenas nas quais a presença de Bonifácio é indispensável.

Na verdade, a maioria das menções a Bonifácio em todo o romance de Eça de Queiroz é sobre a sua soberba habilidade de sestar ao sol, tanto ao ar livre quanto a portas fechadas, principalmente a portas fechadas, quando ele pode se deitar sobre sua amada pele de urso. Mas toda aparição de Bonifácio pontua um hábito importante para o seu dono, Afonso da Maia. Por exemplo, Bonifácio almoçava junto com os humanos; e também participava dos desdobramentos pós-almoço:
No Ramalhete, depois do almoço, com as três janelas do escritório abertas bebendo a tépida luz do belo dia de março, Afonso da Maia e Craft jogavam uma partida de xadrez ao pé da chaminé já sem lume, agora cheia de plantas, fresca e festiva como um altar doméstico. Numa facha oblíqua de sol, sobre o tapete, o Reverendo Bonifácio, enorme e fofo, dormia de leve a sua sesta.

O Ramalhete, o casarão dos Maias em Lisboa, era um ponto de encontro aristocrático para intelectuais de várias cepas e gerações. Um lugar exclusivamente masculino, capitaneado com suavidade por Afonso. Bonifácio é um dos cavalheiros que goza desta exclusividade, como fica evidente nesta outra passagem:
...ouvia-se já no escritório de Afonso, através da porta aberta, a voz petulante do Damaso falando alto de handicap e de dead-beat... E foram-no encontrar discursando sobre as corridas, com convicção, com autoridade, como membro do Jockey-Club. Afonso, na sua velha poltrona, escutava-o, cortês e risonho, com o Reverendo Bonifácio no colo. Ao canto do sofá, Craft folheava um livro.

Craft, o inglês, amigo e admirado pelos Maias, tanto pelo avô quanto pelo neto, é tão decorativo nesta cena quanto o gato. Além disso, Craft e Bonifácio, mais o sorriso cortês de Afonso, pontuam a cena com aquele toque de testemunhas impávidas às eternas bobagens de Damaso.

O desenrolar da cena aumenta a presença de palco de Bonifácio:
Um escudeiro entrou com uma carta para Afonso, numa salva. O velho, sorrindo ainda das idéias de Damaso sobre a civilização, puxou a luneta, leu as primeiras linhas; toda a alegria lhe morreu no rosto, ergueu-se logo, tendo depositado cuidadosamente sobre a sua almofada o pesado Bonifácio.

Algum contratempo relativo às caridades de Afonso pedia a presença dele. Mesmo que "toda a alegria" tenha lhe morrido no rosto, Afonso levantou-se e, "tendo depositado cuidadosamente sobre a sua almofada o pesado Bonifácio", foi embora. A atenção dispensada ao gato pelo gesto de o depositar sobre a almofada é maior que qualquer tipo de satisfação aos presentes - satisfação que não foi concedida. Afonso não se despediu de ninguém. Damaso continuou falando bobagens.

Damaso, por sinal, com seu chic a valer, é um dos personagens mais engraçados e idiotas do romance. Na cena acima, ele está curtindo o privilégio de estar com os homens do Ramalhete, entre eles Bonifácio, que não sei se concede o mínimo de atenção aos deslumbramentos do gorducho Damaso. A próxima vez em que ambos, Damaso e Bonifácio, aparecem na mesma página já é na segunda parte do romance, quando os destinos de Maria Eduarda e Carlos Eduardo começam a se tocar. É quando eles conversam: "Uma tarde falaram do Damaso. Ela achava-o insuportável, com a sua petulância, os olhos bugalhudos, as perguntas néscias." Trataram de mudar de assunto, e mais adiante:
Pouco a pouco nas suas conversas foi havendo uma intimidade mais penetrante. Ela quis saber a idade de Carlos, ele falou-lhe do avô. E durante essas horas suaves em que ela, silenciosa, ia picando a talagarça, ele contou-lhe a sua vida passada, os planos de carreira, os amigos, e as viagens... Agora ela conhecia a paisagem de Santa Olávia, o Reverendo Bonifácio, as excentricidades do Ega.

Não é incrível que o gato esteja elencado aqui, entre as coisas que fazem parte do universo de Carlos? Ele conta a ela sobre "sua vida passada, os planos de carreira, os amigos, as viagens" - acredito que o Bonifácio tenha sido inserido entre os "amigos". Depois de saber da intimidade de Carlos, ela passa a conhecer "a paisagem de Santa Olávia, o Reverendo Bonifácio, as excentricidades do Ega"- esta menção ao gato está no que ela guarda do que Carlos diz a ela. Além do mais, se ela o tem como "Reverendo Bonifácio", é porque deve ter ouvido a história dos sucessivos batismos do gato, que nasceu Bonifácio, tornou-se D. Bonifácio de Calatrava, o caçador, e aposentou-se como Reverendo Bonifácio, o gordo eclesiástico.

Infelizmente, será triste a próxima vez em que Maria Eduarda ouvir sobre Bonifácio.

(Parte IV)


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 20/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A melhor Flip de Marta Barcellos
02. Bitcoin, smart contracts, blockchain, cryptoassets de Julio Daio Borges
03. A vida exemplar de Eric Voegelin de Celso A. Uequed Pitol
04. Nasce um imortal: José Saramago de Marcelo Spalding
05. Assim é... de Marta Barcellos


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
02. Dreadlocks - 2/1/2013
03. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013
05. Superficiais - 30/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mediadas Provisórias
Leon Frejda Szklarowsky
Rt
(1991)



Moçambique Com os Mirage Sul Africanos a 4 Minutos
Licínio Azevedo
Global
(1980)



Entre La Guerre et La Paix: 1944-1949
Roger Céré
Presses Universitaires França
(1949)



Budismo
Dalai Lama
Universo dos Livros
(2005)



Coaching de carreira
Jaques Grinberg, Maurício Sita
Literare Books International
(2019)



A Mãe Judia, o Gênio Cibernético e Outras Histórias
Paulo Wainberg
Age
(2001)



De Pneuzinho a Tanquinho
C. W. Randolph e Genie James
Best Seller
(2011)



Como Não Ser Enganado Nas Eleições
Gilberto Dimenstein
Atica
(1994)



Manifesto do Nada na Terra do Nunca
Lobão
Nova Fronteira
(2013)



Em Defesa do Marxismo
Julio Magri
Outubro
(1992)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês