Sultão & Bonifácio, parte III | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/3/2013
Sultão & Bonifácio, parte III
Guilherme Pontes Coelho

+ de 1900 Acessos

(Parte I e Parte II)

Brás Cubas tinha um gato, chamado Sultão, que foi mencionado apenas uma escassa vez em todo o relato de suas memórias póstumas. A menção foi no magistral Capítulo VII das Memórias Póstumas de Brás Cubas, quando Sultão, transfigurado num hipopótamo, serviu de montaria a Cubas e o levou primeiro à origem e depois ao fim dos séculos. Uma jornada galopante à velocidade da luz. Sem dúvida um dos capítulos mais memoráveis (trocadilho involuntário) da nossa literatura. Mas é intrigante que o gato seja mencionado apenas uma vez.

É por isso que, para entender o caso Sultão, estamos abordando outro fenômeno da literatura felina, o Bonifácio de Afonso da Maia, gato e dono queirozianos, em tudo diferentes das criaturas machadianas.

Nas memórias de Brás Cubas, não há descrições do Sultão. Não há nada, na verdade. Ele só aparece uma vez, brincando com uma bolinha de papel, à porta da alcova do doente Cubas, quando Cubas está emergindo do tal delírio (que é o nome do capítulo, "O Delírio"). Já do Bonifácio de Afonso da Maia é possível fazer um retrato falado. Ele é um angorá gordo, branco de manchas louras. Se não há trechos da relação entre Cubas e o gato no romance de Machado de Assis, Os Maias é um romance entupido de cenas nas quais a presença de Bonifácio é indispensável.

Na verdade, a maioria das menções a Bonifácio em todo o romance de Eça de Queiroz é sobre a sua soberba habilidade de sestar ao sol, tanto ao ar livre quanto a portas fechadas, principalmente a portas fechadas, quando ele pode se deitar sobre sua amada pele de urso. Mas toda aparição de Bonifácio pontua um hábito importante para o seu dono, Afonso da Maia. Por exemplo, Bonifácio almoçava junto com os humanos; e também participava dos desdobramentos pós-almoço:
No Ramalhete, depois do almoço, com as três janelas do escritório abertas bebendo a tépida luz do belo dia de março, Afonso da Maia e Craft jogavam uma partida de xadrez ao pé da chaminé já sem lume, agora cheia de plantas, fresca e festiva como um altar doméstico. Numa facha oblíqua de sol, sobre o tapete, o Reverendo Bonifácio, enorme e fofo, dormia de leve a sua sesta.

O Ramalhete, o casarão dos Maias em Lisboa, era um ponto de encontro aristocrático para intelectuais de várias cepas e gerações. Um lugar exclusivamente masculino, capitaneado com suavidade por Afonso. Bonifácio é um dos cavalheiros que goza desta exclusividade, como fica evidente nesta outra passagem:
...ouvia-se já no escritório de Afonso, através da porta aberta, a voz petulante do Damaso falando alto de handicap e de dead-beat... E foram-no encontrar discursando sobre as corridas, com convicção, com autoridade, como membro do Jockey-Club. Afonso, na sua velha poltrona, escutava-o, cortês e risonho, com o Reverendo Bonifácio no colo. Ao canto do sofá, Craft folheava um livro.

Craft, o inglês, amigo e admirado pelos Maias, tanto pelo avô quanto pelo neto, é tão decorativo nesta cena quanto o gato. Além disso, Craft e Bonifácio, mais o sorriso cortês de Afonso, pontuam a cena com aquele toque de testemunhas impávidas às eternas bobagens de Damaso.

O desenrolar da cena aumenta a presença de palco de Bonifácio:
Um escudeiro entrou com uma carta para Afonso, numa salva. O velho, sorrindo ainda das idéias de Damaso sobre a civilização, puxou a luneta, leu as primeiras linhas; toda a alegria lhe morreu no rosto, ergueu-se logo, tendo depositado cuidadosamente sobre a sua almofada o pesado Bonifácio.

Algum contratempo relativo às caridades de Afonso pedia a presença dele. Mesmo que "toda a alegria" tenha lhe morrido no rosto, Afonso levantou-se e, "tendo depositado cuidadosamente sobre a sua almofada o pesado Bonifácio", foi embora. A atenção dispensada ao gato pelo gesto de o depositar sobre a almofada é maior que qualquer tipo de satisfação aos presentes - satisfação que não foi concedida. Afonso não se despediu de ninguém. Damaso continuou falando bobagens.

Damaso, por sinal, com seu chic a valer, é um dos personagens mais engraçados e idiotas do romance. Na cena acima, ele está curtindo o privilégio de estar com os homens do Ramalhete, entre eles Bonifácio, que não sei se concede o mínimo de atenção aos deslumbramentos do gorducho Damaso. A próxima vez em que ambos, Damaso e Bonifácio, aparecem na mesma página já é na segunda parte do romance, quando os destinos de Maria Eduarda e Carlos Eduardo começam a se tocar. É quando eles conversam: "Uma tarde falaram do Damaso. Ela achava-o insuportável, com a sua petulância, os olhos bugalhudos, as perguntas néscias." Trataram de mudar de assunto, e mais adiante:
Pouco a pouco nas suas conversas foi havendo uma intimidade mais penetrante. Ela quis saber a idade de Carlos, ele falou-lhe do avô. E durante essas horas suaves em que ela, silenciosa, ia picando a talagarça, ele contou-lhe a sua vida passada, os planos de carreira, os amigos, e as viagens... Agora ela conhecia a paisagem de Santa Olávia, o Reverendo Bonifácio, as excentricidades do Ega.

Não é incrível que o gato esteja elencado aqui, entre as coisas que fazem parte do universo de Carlos? Ele conta a ela sobre "sua vida passada, os planos de carreira, os amigos, as viagens" - acredito que o Bonifácio tenha sido inserido entre os "amigos". Depois de saber da intimidade de Carlos, ela passa a conhecer "a paisagem de Santa Olávia, o Reverendo Bonifácio, as excentricidades do Ega"- esta menção ao gato está no que ela guarda do que Carlos diz a ela. Além do mais, se ela o tem como "Reverendo Bonifácio", é porque deve ter ouvido a história dos sucessivos batismos do gato, que nasceu Bonifácio, tornou-se D. Bonifácio de Calatrava, o caçador, e aposentou-se como Reverendo Bonifácio, o gordo eclesiástico.

Infelizmente, será triste a próxima vez em que Maria Eduarda ouvir sobre Bonifácio.

(Parte IV)


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 20/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com o poeta mineiro Carlos Ávila de Jardel Dias Cavalcanti
02. Crítica/Cinema: entrevista com José Geraldo Couto de Jardel Dias Cavalcanti
03. 'Hysteria' Revisitada de Duanne Ribeiro
04. Aqui sempre alguém morou de Elisa Andrade Buzzo
05. A futebolização da política de Luís Fernando Amâncio


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Dreadlocks - 2/1/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
03. Superficiais - 30/1/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
05. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PERTURBAÇÕES SONORAS NAS EDIFICAÇÕES URBANAS
WALDIR DE ARRUDA MIRANDA CARNEIRO
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2004)
R$ 30,00



GUIA HISTÓRICO DO ESPIRITISMO: O CENTENÁRIO DE CHICO XAVIER
EDITORA SAMPA
SAMPA
R$ 20,00



WOLVERINE Nº 97 - MARÇO / 2000 - O RESGATE DO PROFESSOR XAVIER
MARVEL COMICS
ABRIL
(2000)
R$ 7,00



GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA VOL. 5 LISBO OLP
DIVERSOS AUTORES
EDIÇÕES ZAIROL
(1999)
R$ 45,00



APRENDA A INVESTIR COM SUCESSO EM AÇÕES
GIL ARI DESCHATRE E ARNALDO MAJER
CIÊNCIA MODERNA
(2006)
R$ 39,00



CUSTOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS
JOÃO PASSARELLI; EUNIR DE AMORIM BOMFIM
IOB
(2008)
R$ 25,00



PARANÓIA A SÍNDROME DO MEDO
STELLA CARR
FTD
(1993)
R$ 7,11



A MORENINHA
JOAQUIM MANUEL DE MACEDO
ATICA
(1982)
R$ 10,00



ESTILO DE ÉPOCA NA LITERATURA
DOMÍCIO PROENÇA FILHO
LICEU
(1973)
R$ 10,00



ÁTILA, VOCÊ É BÁRBARO
JAGUAR
SESI
(2014)
R$ 12,99





busca | avançada
36499 visitas/dia
1,2 milhão/mês