Sultão & Bonifácio, parte III | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 20/3/2013
Sultão & Bonifácio, parte III
Guilherme Pontes Coelho

+ de 5700 Acessos

(Parte I e Parte II)

Brás Cubas tinha um gato, chamado Sultão, que foi mencionado apenas uma escassa vez em todo o relato de suas memórias póstumas. A menção foi no magistral Capítulo VII das Memórias Póstumas de Brás Cubas, quando Sultão, transfigurado num hipopótamo, serviu de montaria a Cubas e o levou primeiro à origem e depois ao fim dos séculos. Uma jornada galopante à velocidade da luz. Sem dúvida um dos capítulos mais memoráveis (trocadilho involuntário) da nossa literatura. Mas é intrigante que o gato seja mencionado apenas uma vez.

É por isso que, para entender o caso Sultão, estamos abordando outro fenômeno da literatura felina, o Bonifácio de Afonso da Maia, gato e dono queirozianos, em tudo diferentes das criaturas machadianas.

Nas memórias de Brás Cubas, não há descrições do Sultão. Não há nada, na verdade. Ele só aparece uma vez, brincando com uma bolinha de papel, à porta da alcova do doente Cubas, quando Cubas está emergindo do tal delírio (que é o nome do capítulo, "O Delírio"). Já do Bonifácio de Afonso da Maia é possível fazer um retrato falado. Ele é um angorá gordo, branco de manchas louras. Se não há trechos da relação entre Cubas e o gato no romance de Machado de Assis, Os Maias é um romance entupido de cenas nas quais a presença de Bonifácio é indispensável.

Na verdade, a maioria das menções a Bonifácio em todo o romance de Eça de Queiroz é sobre a sua soberba habilidade de sestar ao sol, tanto ao ar livre quanto a portas fechadas, principalmente a portas fechadas, quando ele pode se deitar sobre sua amada pele de urso. Mas toda aparição de Bonifácio pontua um hábito importante para o seu dono, Afonso da Maia. Por exemplo, Bonifácio almoçava junto com os humanos; e também participava dos desdobramentos pós-almoço:
No Ramalhete, depois do almoço, com as três janelas do escritório abertas bebendo a tépida luz do belo dia de março, Afonso da Maia e Craft jogavam uma partida de xadrez ao pé da chaminé já sem lume, agora cheia de plantas, fresca e festiva como um altar doméstico. Numa facha oblíqua de sol, sobre o tapete, o Reverendo Bonifácio, enorme e fofo, dormia de leve a sua sesta.

O Ramalhete, o casarão dos Maias em Lisboa, era um ponto de encontro aristocrático para intelectuais de várias cepas e gerações. Um lugar exclusivamente masculino, capitaneado com suavidade por Afonso. Bonifácio é um dos cavalheiros que goza desta exclusividade, como fica evidente nesta outra passagem:
...ouvia-se já no escritório de Afonso, através da porta aberta, a voz petulante do Damaso falando alto de handicap e de dead-beat... E foram-no encontrar discursando sobre as corridas, com convicção, com autoridade, como membro do Jockey-Club. Afonso, na sua velha poltrona, escutava-o, cortês e risonho, com o Reverendo Bonifácio no colo. Ao canto do sofá, Craft folheava um livro.

Craft, o inglês, amigo e admirado pelos Maias, tanto pelo avô quanto pelo neto, é tão decorativo nesta cena quanto o gato. Além disso, Craft e Bonifácio, mais o sorriso cortês de Afonso, pontuam a cena com aquele toque de testemunhas impávidas às eternas bobagens de Damaso.

O desenrolar da cena aumenta a presença de palco de Bonifácio:
Um escudeiro entrou com uma carta para Afonso, numa salva. O velho, sorrindo ainda das idéias de Damaso sobre a civilização, puxou a luneta, leu as primeiras linhas; toda a alegria lhe morreu no rosto, ergueu-se logo, tendo depositado cuidadosamente sobre a sua almofada o pesado Bonifácio.

Algum contratempo relativo às caridades de Afonso pedia a presença dele. Mesmo que "toda a alegria" tenha lhe morrido no rosto, Afonso levantou-se e, "tendo depositado cuidadosamente sobre a sua almofada o pesado Bonifácio", foi embora. A atenção dispensada ao gato pelo gesto de o depositar sobre a almofada é maior que qualquer tipo de satisfação aos presentes - satisfação que não foi concedida. Afonso não se despediu de ninguém. Damaso continuou falando bobagens.

Damaso, por sinal, com seu chic a valer, é um dos personagens mais engraçados e idiotas do romance. Na cena acima, ele está curtindo o privilégio de estar com os homens do Ramalhete, entre eles Bonifácio, que não sei se concede o mínimo de atenção aos deslumbramentos do gorducho Damaso. A próxima vez em que ambos, Damaso e Bonifácio, aparecem na mesma página já é na segunda parte do romance, quando os destinos de Maria Eduarda e Carlos Eduardo começam a se tocar. É quando eles conversam: "Uma tarde falaram do Damaso. Ela achava-o insuportável, com a sua petulância, os olhos bugalhudos, as perguntas néscias." Trataram de mudar de assunto, e mais adiante:
Pouco a pouco nas suas conversas foi havendo uma intimidade mais penetrante. Ela quis saber a idade de Carlos, ele falou-lhe do avô. E durante essas horas suaves em que ela, silenciosa, ia picando a talagarça, ele contou-lhe a sua vida passada, os planos de carreira, os amigos, e as viagens... Agora ela conhecia a paisagem de Santa Olávia, o Reverendo Bonifácio, as excentricidades do Ega.

Não é incrível que o gato esteja elencado aqui, entre as coisas que fazem parte do universo de Carlos? Ele conta a ela sobre "sua vida passada, os planos de carreira, os amigos, as viagens" - acredito que o Bonifácio tenha sido inserido entre os "amigos". Depois de saber da intimidade de Carlos, ela passa a conhecer "a paisagem de Santa Olávia, o Reverendo Bonifácio, as excentricidades do Ega"- esta menção ao gato está no que ela guarda do que Carlos diz a ela. Além do mais, se ela o tem como "Reverendo Bonifácio", é porque deve ter ouvido a história dos sucessivos batismos do gato, que nasceu Bonifácio, tornou-se D. Bonifácio de Calatrava, o caçador, e aposentou-se como Reverendo Bonifácio, o gordo eclesiástico.

Infelizmente, será triste a próxima vez em que Maria Eduarda ouvir sobre Bonifácio.

(Parte IV)


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 20/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Melhor que muito casamento de Ana Elisa Ribeiro
02. Depois do chover de Elisa Andrade Buzzo
03. Mamilos de Adriane Pasa
04. A Palavra Mágica de Marilia Mota Silva
05. Sábia, rubra, gorda (e gentil) de Adriana Baggio


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013
03. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte III - 20/3/2013
05. Dreadlocks - 2/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tecnologia Em Gestão e Marketing para Pequenas e Médias Empresas Vol 2
Pedro Hiane e Outros
Uniderp
(2007)



Laços de Amor e Ódio
Luiz Carlos Carneiro
Lake
(1993)



Carelli
Joao J Spinelli
Bei
(2010)



Engenharia Genetica o Setimo Dia da Criacao
Fátima Oliveira; Il; Marcio Perassallo
Moderna
(1996)



Net Ware 4 para Leigos
Ed Tittel Deni Connor Earl Follis
Berkeley
(1995)



A Lágrima do Robô Sinal Aberto
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(2008)



Pediatria Volume 2 Crescimento e Desenvolvimento
Med Curso
Med Curso
(2012)



Floresta Encantada: Livro de Colorir e Caça ao Tesouro Antiestres
Johanna Basford
Gmtsextante
(2015)



Harrison Medicina Interna Volume Ii Com Cd
Fauci*braunwald*kasper*hauser*longo*jameson
Mcgraw Hill
(2008)



O Novo Mundo Digital: Você Ja esta Nele
Ricardo Neves
Relume Dumará
(2007)





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês