Sultão & Bonifácio, parte II | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Teatro Sérgio Cardoso recebe As Conchambranças de Quaderna de Ariano Suassuna
>>> “Meus bichos do sertão”, da artista mineira Maria Lira, em exposição na AM Galeria
>>> Maurício Limeira fará parte do DICIONÁRIO DO PROFUNDO, da Ao Vento Editorial
>>> Longa documental retrata música e territorialidade quilombola
>>> De Priscila Prade, Exposição Corpo em Quarentena abre dia 4/10
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
Blogueiros
Mais Recentes
>>> FLIPS
>>> Digestivo no Podcrer
>>> Casamento atrás da porta
>>> Aida, com Lorin Maazel e a Symphonica Toscanini
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
>>> A Lógica do Cisne Negro, de Nassim Nicholas Taleb
>>> Tubo de Ensaio
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Lei do Sexagenário
>>> Desglobalização
Mais Recentes
>>> O negócio dos livros: Como grandes corporações decidem o que você lê de André Schiffrin pela Casa da Palavra (2006)
>>> Jesus Cristo Veio na Carne é de Deus de Centro Bíblico Verbo pela Paulus (2019)
>>> Inexistência da Doença de Masaharu Taniguchi pela Seicho-no-ei (2015)
>>> Jesus a Vida Completa de Juanribe Pagliarin pela Bless Press (2012)
>>> Poemas para Ler na Escola de João Cabral de Melo Neto pela Objetiva (2010)
>>> O Juiz do Turbante Dourado e a Senhora das Agulhas de Francisco Fernandes de Araújo pela Pontes (2007)
>>> Juntando as Peças Liderança na Prática de Maércio Rezende pela Saint Paul (2010)
>>> Kundu de Morris West pela RioGráfica (1986)
>>> O Livro da Saúde - Enciclopédia Médica Familiar de Benjamin F. Miller pela Seleções (1976)
>>> After the Fall de Arthur Miller pela Bantam Books (1967)
>>> João Sendo João de João Guilherme pela Planeta (2016)
>>> Juquinha, Eterno de Fabiano Candido pela Autografia (2018)
>>> Josué e a Vida Depois da Virgula de Delcio O. Meireles pela Imprensa da Fé
>>> A Jornada - Devocionário de Vários Colaboradores pela Ed. Z3 (2010)
>>> A Jornada - Sabedoria e Cuidado de Deus Capa de Ricardo Agreste da Silva pela Zz3 (2014)
>>> Percy Jackson - Ladrão de Raios de Rick Riordan pela Intrinseca (2008)
>>> The Adventures of Tom Sawyer de Mark Twain pela Oxford Bookworms (2008)
>>> O fim dos tempos de Thomas M Campion pela Arqueiro (2019)
>>> Tex Coleção 471 - Morte no Rio de G. L. Bonelli pela Mythos (2013)
>>> Tex 386 de Bonelli pela Mythos (2015)
>>> Tex o Pueblo Escondido de G. L. Bonelli - A. Galleppini pela Mythos (2015)
>>> Dragon Ball Nº 13 de Akira Toriyama pela Panini (2012)
>>> Aventura no Império do Sol de Silvia Cintra Franco pela Ática (1989)
>>> Um Rosto no Computador de Marcos Rey pela Ática (1994)
>>> Um inimigo em cada esquina de Raul Drewnick pela Ática (2001)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/3/2013
Sultão & Bonifácio, parte II
Guilherme Pontes Coelho

+ de 11000 Acessos

(Parte I)

Sultão é o gato de estimação de Brás Cubas. Ele leva o dono no dorso primeiro à origem e depois ao final dos séculos, galopando à velocidade da luz. Não é exatamente Sultão a cavalgadura, é um hipopótamo. É Sultão transfigurado em hipopótamo, porque a tal viagem é um delírio do acamado Cubas, doente e moribundo. Esta é a única aparição do felino no romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Sempre me pergunto por que Sultão, sendo bicho de estimação, não aparece em nenhum outro episódio das memórias do defunto autor.

Para tentar entender, ou pelo menos explicitar, ou mesmo escancarar esta ausência, vejamos este outro gato literário, de outro herói literário.

Ele se chamava Bonifácio. Teve outros apelidos, carimbados nele de acordo com as fases vividas naturalmente por um gato burguês e bem nutrido. Bonifácio era um gato angorá, uma raça doméstica nascida na Turquia, obviamente na capital Ancara. Uma raça bonita, de pelagem branca, com alta incidência de heterocromia (olhos de cores diferentes). Bonifácio era português, nascido na região norte de Portugal, mais especificamente em Santa Olávia, uma quinta (fictícia, se não me engano) do seu proprietário às margens do Douro. Aqui está a primeira menção à sua pessoa:

Este pesado e enorme angorá, branco com malhas louras, era agora (desde a morte de Tobias, o soberbo cão de S. Bernardo) o fiel companheiro de Afonso. Tinha nascido em Santa Olávia, e recebera então o nome de Bonifácio: depois, ao chegar à idade do amor e da caça, fora-lhe dado o apelido mais cavalheiresco de D. Bonifacio de Calatrava: agora, dorminhoco e obeso, entrara definitivamente no remanso das dignidades eclesiásticas, e era o Reverendo Bonifácio...

O Afonso mencionado é ninguém menos que um dos maiores personagens já criados pela literatura universal, o colossal Afonso da Maia, patriarca da família Maia, do romance Os Maias, de Eça de Queiroz, publicado em 1888. Ao contrário do Sultão de Cubas, o Bonifácio de Afonso é uma das dramatis personae do romance. Se, por algum acaso, um copidesque perverso alterasse a redação do romance de Machado de Assis, Sultão poderia não fazer falta. A letra original diz:

"(...) o hipopótamo que ali me trouxera, e que aliás começou a diminuir, a diminuir, a diminuir, até ficar do tamanho de um gato. Era efetivamente um gato. Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel..."

Mas poderia dizer: "Era efetivamente um gato, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel...", e não haveria mais Sultão, nem falha alguma no romance. O mesmo não se poderia fazer com Bonifácio. Em termos de importância e de exposição, a pessoa de Sultão é menor que, digamos, às de Rosenkrantz e Guildenstern, em Hamlet, bem menor; mas a infeliz dupla dinamarquesa, por sua vez, não é nada, nos mesmos termos, perto de Bonifácio.

Eu não me aborreço com Machado de Assis por ter usado Sultão como artifício para fechar o delírio do qual seu personagem estava saindo. O hipopótamo é um animal visualmente histriônico e grotesco, perfeito para servir de montaria a um Cubas delirante, mas a transfiguração do hipopótamo num gato, que brincava com uma prosaica bolinha de papel, é uma manobra de continuísmo literário. Só que eu não me aborreço com Machado de Assis por isso. O que me deixa intrigado é Brás Cubas ter ocultado sua relação com o gato. Por que isso?

Voltemos ao contraexemplo.

A primeira aparição de Bonifácio no romance Os Maias é quando conhecemos o monumental Afonso da Maia, nos pés de quem Bonifácio costumava ficar enrolado, enquanto o Afonso lia, ao ar livre, gente como Voltaire e Rousseau. Bonifácio é o "fiel companheiro" do viúvo Afonso, e é como se um só tivesse ao outro. Pedro da Maia, o filho, está morto. Carlos Eduardo, o neto, estudando e curtindo a vida em Lisboa, ao lado de João da Ega. Vilaça, o procurador dos Maias (faz-tudo), é um empregado, que vai a todo canto. O gato faz parte de Santa Olávia, a quinta-refúgio da família e fará parte do Ramalhete, o trágico e "sombrio casarão de paredes severas" que "os Maias vieram habitar em Lisboa, no outono de 1875".

Havia, no Ramalhete, vários eventos, dos quais o gato fazia parte. Mr. Theodore é o chef francês do Ramalhete. Afonso era exigente com as refeições, e os almoços em família eram eventos demorados e requintados, dos quais o gato participava, à sua maneira:

O reverendo Bonifácio, que desde que se tornara dignitário da Igreja comia com os senhores, lá estava já, majestosamente sentado sobre a alvura nevada da toalha, à sombra de algum grande ramo. Era ali, no aroma das rosas, que o venerável gato gostava de lamber, com o seu vagar estúpido, as sopas de leite servidas num covilhete de Strasburgo, depois agachava-se, traçava por diante do peito a fofa pluma da sua cauda, e, de olhos cerrados, os bigodes tesos, todo ele uma bola entufada de pelo branco malhado de ouro, gozava de leve uma sesta macia.

A propósito das sestas, Bonifácio era como um mestre na arte:

"Numa facha oblíqua de sol, sobre o tapete, o Reverendo Bonifácio, enorme e fofo, dormia de leve a sua sesta."

Outra cena:

"Aí [no escritório de Afonso] ardia um lume alegre, a que o reverendo Bonifácio se deixava torrar, enrolado sobre a pele de urso."

Mais outra:

"...as peles de urso onde o Reverendo Bonifácio, espapado, torrava ao calor, ronronava de gozo."

Que vida este gato teve!

(Parte III)


Guilherme Pontes Coelho
Águas Claras/Brasília, 13/3/2013


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Cuba e O Direito de Amar (3) de Marilia Mota Silva
02. Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos de Jardel Dias Cavalcanti
03. Notas confessionais de um angustiado (III) de Cassionei Niches Petry
04. De louco todos temos um pouco de Cassionei Niches Petry
05. Apresentação - Luís Fernando Amâncio de Luís Fernando Amâncio


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013
03. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte III - 20/3/2013
05. Dreadlocks - 2/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Bê-a-bá do Consumidor: Dicas para Compras e Reclamações
Professor Rizzato Nunes
Método - Casa do Direito
(2006)



Contos de Vista
Elisa Lucinda
Global
(2004)



Olhar Estrangeiro New York
Lenira Fleck
Território das Artes
(2007)



Sucessão Trabalhista Conseqüências Nas Relações de Emprego
Patrícia Manica Ortiz
Thomson
(2005)



Administração de Sistemas de Informação
Ivo Soares Melo
Pioneira
(1999)



Direito do Trabalho Versão Universitária
Renato Saraiva
Metodo
(2008)



O Universo de Harry Potter de A a Z
Aubrey Malone
Nova Fronteira
(2013)



Guard Your Tongue
Chofetz Chaim
Benei Yakov
(1975)



Beleza para a Vida Inteira
Cristiana Arcangeli
Senac
(2002)



A Voz do Coração
Suzanne Marllit
Brasileira





busca | avançada
67999 visitas/dia
2,2 milhões/mês