Sultão & Bonifácio, parte II | Guilherme Pontes Coelho | Digestivo Cultural

busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
>>> Curso de Formação de Agentes Culturais rola dias 8 e 9 de graça e online
>>> Ciclo de leitura online e gratuito debate renomados escritores
>>> Nano Art Market lança rede social de nicho, focada em arte e cultura
>>> Eric Martin, vocalista do Mr. Big, faz show em Porto Alegre dia 13 de abril
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (IV)
>>> Curriculum vitae
>>> Entrevista com Milton Hatoum
>>> Discutir, debater, dialogar
>>> Eu e o Digestivo
>>> A lei da palmada: entre tapas e beijos
>>> A engenharia de Murilo Rubião
>>> Qualidade de vida
>>> O pior cego é o que vê tevê
>>> Envolturas
Mais Recentes
>>> Teoria Geral Do Processo de Candido Rangel Dinamarco pela Malheiros Editores / Juspodivm (2008)
>>> Chekisty Historia Da Kgb de Dziak, John J, pela Imago (1998)
>>> Principios Basicos Do Saneamento Do Meio de Anesio Rodrigues de Carvalho pela Senac (2005)
>>> Aprenda Inglês Sem Mestre de Maria margarida morgado pela Presença (2009)
>>> Mestre Kim - Cidadão do Mundo de Yong Min Kim e Janir Hollanda pela Daedo (2016)
>>> Livro de Ouro do Yoga de Andre De Rose pela Ediouro (2019)
>>> O homem mais rico da Babilônia de George S Clason pela HarperCollins (2020)
>>> A Mesa com Carybé. O Encantamento dos Sabores e das Cores da Bahia de Solange Bernabó pela Senac Nacional (2007)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J. K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Regulamentos de Tráfego Aéreo - Vôo Visual de Plínio Jr pela Asa (1996)
>>> Chronos: Viajantes do Tempo Volume I de Rysa Walker pela Darkside (2017)
>>> Homem-Aranha: Tormento de Todd McFarlane pela Panini Comics (2013)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 5 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Maiores Clássicos do Homem-Aranha - Vol. 6 de Todd McFarlane pela Panini Comics (2007)
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século de Italo Moriconi (seleção) pela Objetiva (2001)
>>> O Casamento de Nelson Rodrigues pela Nova Fronteira (2016)
>>> O Colecionador de Borboletas de Cecília Mouta pela Novo Século (2012)
>>> O Modelo Toyota: 14 Princípios de Gestão do Maior Fabricante do Mundo de Jeffrey K. Liker pela Bookman (2005)
>>> Ela Que Não Está de Daniel Senise pela Cosac & Naify (1998)
>>> Anjos da Neve de James Thompson pela Record (2013)
>>> Assistentes Virtuais Inteligentes e Chatbots de Leôncio Teixeira Cruz pela Brasport (2018)
>>> Linguagem Do Corpo. Beleza E Saude de Cristina Cairo pela Mercuryo Jovem (2007)
>>> Todos Os Nomes de José Saramago pela Planeta Deagostini (2003)
>>> Oliver Twist de Charles Dickens pela Principis (2019)
>>> Cozinha Mágica de Márcia Frazão de Marcia Frazão pela Prestigio (2007)
COLUNAS

Quarta-feira, 13/3/2013
Sultão & Bonifácio, parte II
Guilherme Pontes Coelho
+ de 12100 Acessos

(Parte I)

Sultão é o gato de estimação de Brás Cubas. Ele leva o dono no dorso primeiro à origem e depois ao final dos séculos, galopando à velocidade da luz. Não é exatamente Sultão a cavalgadura, é um hipopótamo. É Sultão transfigurado em hipopótamo, porque a tal viagem é um delírio do acamado Cubas, doente e moribundo. Esta é a única aparição do felino no romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis. Sempre me pergunto por que Sultão, sendo bicho de estimação, não aparece em nenhum outro episódio das memórias do defunto autor.

Para tentar entender, ou pelo menos explicitar, ou mesmo escancarar esta ausência, vejamos este outro gato literário, de outro herói literário.

Ele se chamava Bonifácio. Teve outros apelidos, carimbados nele de acordo com as fases vividas naturalmente por um gato burguês e bem nutrido. Bonifácio era um gato angorá, uma raça doméstica nascida na Turquia, obviamente na capital Ancara. Uma raça bonita, de pelagem branca, com alta incidência de heterocromia (olhos de cores diferentes). Bonifácio era português, nascido na região norte de Portugal, mais especificamente em Santa Olávia, uma quinta (fictícia, se não me engano) do seu proprietário às margens do Douro. Aqui está a primeira menção à sua pessoa:

Este pesado e enorme angorá, branco com malhas louras, era agora (desde a morte de Tobias, o soberbo cão de S. Bernardo) o fiel companheiro de Afonso. Tinha nascido em Santa Olávia, e recebera então o nome de Bonifácio: depois, ao chegar à idade do amor e da caça, fora-lhe dado o apelido mais cavalheiresco de D. Bonifacio de Calatrava: agora, dorminhoco e obeso, entrara definitivamente no remanso das dignidades eclesiásticas, e era o Reverendo Bonifácio...

O Afonso mencionado é ninguém menos que um dos maiores personagens já criados pela literatura universal, o colossal Afonso da Maia, patriarca da família Maia, do romance Os Maias, de Eça de Queiroz, publicado em 1888. Ao contrário do Sultão de Cubas, o Bonifácio de Afonso é uma das dramatis personae do romance. Se, por algum acaso, um copidesque perverso alterasse a redação do romance de Machado de Assis, Sultão poderia não fazer falta. A letra original diz:

"(...) o hipopótamo que ali me trouxera, e que aliás começou a diminuir, a diminuir, a diminuir, até ficar do tamanho de um gato. Era efetivamente um gato. Encarei-o bem; era o meu gato Sultão, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel..."

Mas poderia dizer: "Era efetivamente um gato, que brincava à porta da alcova, com uma bola de papel...", e não haveria mais Sultão, nem falha alguma no romance. O mesmo não se poderia fazer com Bonifácio. Em termos de importância e de exposição, a pessoa de Sultão é menor que, digamos, às de Rosenkrantz e Guildenstern, em Hamlet, bem menor; mas a infeliz dupla dinamarquesa, por sua vez, não é nada, nos mesmos termos, perto de Bonifácio.

Eu não me aborreço com Machado de Assis por ter usado Sultão como artifício para fechar o delírio do qual seu personagem estava saindo. O hipopótamo é um animal visualmente histriônico e grotesco, perfeito para servir de montaria a um Cubas delirante, mas a transfiguração do hipopótamo num gato, que brincava com uma prosaica bolinha de papel, é uma manobra de continuísmo literário. Só que eu não me aborreço com Machado de Assis por isso. O que me deixa intrigado é Brás Cubas ter ocultado sua relação com o gato. Por que isso?

Voltemos ao contraexemplo.

A primeira aparição de Bonifácio no romance Os Maias é quando conhecemos o monumental Afonso da Maia, nos pés de quem Bonifácio costumava ficar enrolado, enquanto o Afonso lia, ao ar livre, gente como Voltaire e Rousseau. Bonifácio é o "fiel companheiro" do viúvo Afonso, e é como se um só tivesse ao outro. Pedro da Maia, o filho, está morto. Carlos Eduardo, o neto, estudando e curtindo a vida em Lisboa, ao lado de João da Ega. Vilaça, o procurador dos Maias (faz-tudo), é um empregado, que vai a todo canto. O gato faz parte de Santa Olávia, a quinta-refúgio da família e fará parte do Ramalhete, o trágico e "sombrio casarão de paredes severas" que "os Maias vieram habitar em Lisboa, no outono de 1875".

Havia, no Ramalhete, vários eventos, dos quais o gato fazia parte. Mr. Theodore é o chef francês do Ramalhete. Afonso era exigente com as refeições, e os almoços em família eram eventos demorados e requintados, dos quais o gato participava, à sua maneira:

O reverendo Bonifácio, que desde que se tornara dignitário da Igreja comia com os senhores, lá estava já, majestosamente sentado sobre a alvura nevada da toalha, à sombra de algum grande ramo. Era ali, no aroma das rosas, que o venerável gato gostava de lamber, com o seu vagar estúpido, as sopas de leite servidas num covilhete de Strasburgo, depois agachava-se, traçava por diante do peito a fofa pluma da sua cauda, e, de olhos cerrados, os bigodes tesos, todo ele uma bola entufada de pelo branco malhado de ouro, gozava de leve uma sesta macia.

A propósito das sestas, Bonifácio era como um mestre na arte:

"Numa facha oblíqua de sol, sobre o tapete, o Reverendo Bonifácio, enorme e fofo, dormia de leve a sua sesta."

Outra cena:

"Aí [no escritório de Afonso] ardia um lume alegre, a que o reverendo Bonifácio se deixava torrar, enrolado sobre a pele de urso."

Mais outra:

"...as peles de urso onde o Reverendo Bonifácio, espapado, torrava ao calor, ronronava de gozo."

Que vida este gato teve!

(Parte III)


Guilherme Pontes Coelho
Brasília, 13/3/2013

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Que tal fingir-se de céu? de Ana Elisa Ribeiro
02. George Orwell e o alerta contra o totalitarismo de Gian Danton
03. Guimarães Rosa e as aulas do professor Aguinaldo de Daniela Castilho
04. Wittgenstein, o fazedor de símiles de Julio Daio Borges
05. Torço para quem eu quiser de Adriano Maesano


Mais Guilherme Pontes Coelho
Mais Acessadas de Guilherme Pontes Coelho em 2013
01. Sultão & Bonifácio, parte I - 27/2/2013
02. Sultão & Bonifácio, parte II - 13/3/2013
03. Sultão & Bonifácio, parte IV - 27/3/2013
04. Sultão & Bonifácio, parte III - 20/3/2013
05. Dreadlocks - 2/1/2013


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cálculos do Mecânico Ajustador
Américo Yoshida
Loren
(1979)



Livro - World English 3 Workbook - Com Cd
Kristin Johannsen
National Geographic Learning
(2015)



Discursos Em Tres Congresos
Fidel Castro
Politica
(1982)



Gestão Estratégica na Saúde
Sanmya Feitosa Tajra
Saraiva
(2006)



Hard Times
Charles Dickens
Oxford
(2008)



Uns Papéis Que Voam
Flávio J. Cardozo
Ftd
(2003)



Jean Claude Bernardet - uma Homenagem
Maria Dora Mourão; Maria do Rosário Caetano
Imesp
(2007)



Redação para Concursos (2009)
Vabessa Freitas
Universo dos Livros
(2009)



Os Forasteiros - Volume 1. Coleção Série Deuses e Guerreiros
Michelle Paver
Intrinseca
(2014)



A Democracia Grega 2ª Edição (1989)
Martin Cezar Feijó, Oswaldo Sanches Sequetin
Atica
(1988)





busca | avançada
39901 visitas/dia
1,6 milhão/mês