O traidor Mark Twain | Urariano Mota | Digestivo Cultural

busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
>>> “Bella Cenci” Estreia em formato virtual com a atriz Thais Patez
>>> Espetáculo teatral conta a história de menina que sonha em ser astronauta
>>> Exposição virtual 'Linha de voo', de Antônio Augusto Bueno e Bebeto Alves
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> A sétima temporada de 24 horas
>>> De olho neles
>>> Saudações cinemusicais
>>> 1998 ― 2008: Dez anos de charges
>>> The Book of Souls
>>> Carta ao pai morto
>>> Rousseau e a Retórica Moderna
>>> A vida mais ou menos
>>> Amores & Arte de Amar, de Ovídio
Mais Recentes
>>> Xy - Sobre a Identidade Masculina de Elisabeth Badinter pela Nova Fronteira (1993)
>>> Tai-chi Chuan por uma Vida Longa e Saudável de Roque Enrique Severino pela Ícone (1985)
>>> Revista Taschen, Spring 2014 de Vários pela Taschen (2014)
>>> Primeiras e Últimas Páginas de Vladimir Jankélévitch pela Papirus (1995)
>>> A Grande Pirâmide de Tom Valentine pela Nova Fronteira (1976)
>>> Formação do Estado Burguês no Brasil (1888-1891) de Décio saes pela Brasiliense (1989)
>>> A Vida de Shelley de André Maurois pela Companhia Ed. Nacional (1957)
>>> Novos Mistérios do Triângulo do Diabo de Richard Winer pela Record (1975)
>>> Wendy Matraca no Rabo de Crocodilo de Wendy Meddour pela V&R (2014)
>>> Caim e Abel de Jeffrey Archer pela Bertrand Brasil (1987)
>>> Rebelião em milagro de John Nichols pela Best Seller (1988)
>>> Não Contem com o Fim do Livro de Umberto Eco e Jean-Claude Carrière pela Record (2010)
>>> A Madona de Cedro de Antonio Callado pela Nova Fronteira (1997)
>>> Pc Linha Leste de Antonio Carlos Felix Nunes pela Livramento (1980)
>>> Princesa Margarida de Judith Krantz pela Supersellers (1980)
>>> Cidade dos confins de Vieira Simões pela Clube do Livro (1966)
>>> O ensaio de Eleanor Catton pela Record (2012)
>>> Catarinenses: Gênese e história de João Carlos Mosimann pela Fundação Catarinense de Cultura (2010)
>>> Vem 3 Libro de Ejercicios. Español Leugua Extranjera de F. Castro e S. Rosa pela Edelsa (1996)
>>> Notas Contemporâneas de Eça de Queiroz pela Llelo e Irmão (1951)
>>> Macunaíma de Mario de Andrade pela CBT Brasil (2021)
>>> Os Maias - Episódio da Vida Romântica Volume II de Eça de Queiroz pela Lello & Irmãos (1951)
>>> Cada segredo de Laura Lippman pela Record (2011)
>>> Vem 1 Libro del Aluno. Español Leugua Extranjera de F. Castro, F. Marin, R. Morales, S. Rosa pela Edelsa (1990)
>>> O Quarto Número 2 de Cida Simka e Sérgio Simka pela Uirapuru (2019)
COLUNAS

Segunda-feira, 3/11/2003
O traidor Mark Twain
Urariano Mota

+ de 3000 Acessos

O livro "Patriotas e Traidores - Antiimperialismo, política e crítica social", uma seleção de artigos e ensaios de Mark Twain, acende e acorda no leitor vários movimentos e surpresas. A principal surpresa é a de ver que o autor de Tom Sawyer está longe de ser um escritor para crianças e adolescentes. Entenda-se, por favor, a descoberta: escritores para crianças são ótimos, quando escrevem para humanos de todas as idades, como num diálogo com a graça da flor rara que foi Hans Christian Andersen. Escritores para crianças são péssimos, quando escrevem para uma idealização da infância, e em vez de escritores infantis, para infantes, tornam-se infantis, idiotas. A surpresa que o leitor recebe se deve à fala de Mark Twain para adultos quando adultos, e sob um ângulo, como dizê-lo, já que se trata de uma surpresa?, vá lá, sob um ângulo absolutamente novo. Se não, como classificar palavras de Twain do gênero

"Ele nada tinha de pessoal contra mim, exceto o fato de eu me opor à guerra política, e me chamou de traidor por não ter ido lutar nas Filipinas. Mas isso não prova nada... Seria completamente diferente se a vida do país estivesse em perigo... mas quando não se trata de qualquer ameaça à nação, mas apenas de uma guerrinha distante, então pode se dar que a nação se divida em torno da questão política, metade patriotas, metade traidores..."?

E tal surpresa tem uma explicação, que desculpa e perdoa a nossa ignorância. A introdução ao livro, assinada por Maria Sílvia Betti, é bem esclarecedora. Twain foi, durante décadas, até a segunda metade do século XX, expurgado, purificado, censurado. Ou por razões de Estado, de propaganda, de política externa norte-americana, ou de negócios (o que vem tudo ao fim dar no mesmo), recebemos e lemos todos um Mark Twain ótimo para crianças e adolescentes, um bom humorista de costumes para adultos, e um escritor absolutamente cego ao sangue arrancado a outros povos pelos Estados Unidos. Um inofensivo indivíduo de museu, espécime do século XIX, com um babado charuto na boca. Segundo Maria Sílvia Betti, o biógrafo oficial e executor do testamento literário de Twain foi também um ativo personagem da execução de sua memória.

"O que caracteriza a relação de Paine", o biógrafo e testamenteiro homicida, "com o material ficcional e ensaístico de Mark Twain é seu desejo de acomodar a imagem do autor aos moldes do estereótipo que a opinião pública foi levada a fixar e que, evidentemente, deixava de lado os aspectos de sua crítica ao imperialismo norte-americano. A preocupação de Paine a esse respeito é explicitada em uma carta que ele dirige a um editor da Harper & Brothers em 1926, sugerindo que todos os esforços possíveis fossem feitos para evitar que outros ensaístas ou pesquisadores escrevessem sobre o autor, sob pena de verem a imagem do Twain 'tradicional', que haviam preservado, começar a perder o brilho e a transformar-se. O apelo do biógrafo à casa editora encontra respaldo num argumento poderoso dentro da lógica do mercado editorial: o fato de que, em sua avaliação, o material literário de que a Harper era proprietária sofreria, se isso acontecesse, um processo de depreciação, decorrente da agregação de aspectos que destoariam dos já estabelecidos pela fortuna crítica do escritor" .

O Twain que até então conhecíamos, ao lado do criador de Huckleberry Finn e de Tom Sawyer, era um Twain dos primeiros tempos, do contista das cidadezinhas do oeste dos Estados Unidos, da Célebre Rã Saltadora, do contador de anedotas, como na História de Um Inválido. Dizia-se dele, até, que não era um pensador, mas uma força natural que sacudira o mundo de rir, como um primitivo, como um Adão norte-americano, que tudo vira com olhos inocentes. A sua técnica, dizia-se, era essencialmente oral, e grande era a preferência pelas narrativas autobiográficas. Já se vê, pelo espólio que se impunha a Twain, que se pode caluniar uma pessoa sob um manto de elogios. Ora, o Twain resgatado é infinitamente melhor e mais humano. Ele é o contista de uma obra-prima sufocada pela tradição de censura, sufocada já a partir do título, "O homem que corrompeu Hadleyburg". Esse conto, cuja recuperação do tema por Howard Fast sofreu perseguição do macarthismo, é uma história com o ardor de um açoite sobre toda hipocrisia. Nela, uma cidadezinha orgulhosa de sua absoluta honestidade, de ser a mais incorruptível dos Estados Unidos, pois que se protege ostensivamente de toda tentação, como frades reclusos... enfim, após três gerações de homens de moral imaculada chega ao fim sem um só cristão íntegro.

Esse Twain que agora descobrimos é o pensador que não precisa pedir a bênção a Voltaire. Ele nos escreve coisas como "A primeira coisa que um missionário ensina a um selvagem é a indecência". Ou "Uma das provas da imortalidade da alma são os milhões que nela acreditaram. Mas eles também acreditaram que a Terra era plana". Ou quando declara que se tivesse de escolher entre o céu e o inferno ficaria com os dois. "O Céu pelo clima. O Inferno pela companhia". Esse Twain revelado é o autor que aponta o dedo contra o imperialismo do seu país, tão atual, tão moderno, que parece apontar contra os Estados Unidos de Bush, ao parodiar o cinismo das desculpas para a guerra:

"(...) Fomos traiçoeiros, mas foi apenas para que o bem emergisse do mal aparente. É verdade que esmagamos um povo iludido e confiante; atacamos os fracos e sem amigos que confiavam em nós (...) apunhalamos um aliado pelas costas e esbofeteamos o rosto de nosso hóspede; compramos uma mentira de um inimigo que nada tinha para vender; roubamos a terra e a liberdade de um amigo confiante; convidamos nossos jovens a apoiar no ombro um fuzil desacreditado e os obrigamos a fazer o trabalho que geralmente é feito por bandidos, sob a proteção de uma bandeira que os bandidos aprenderam a temer, não a seguir; corrompemos a honra americana e maculamos seu rosto perante o mundo, mas cada detalhe visava o bem (...)".

Esse Twain, enfim, é um Twin, é um gêmeo nosso, um irmão de humanidade. É um bravo que se volta contra a covardia de linchamento de negros, contra a perseguição a chineses em San Francisco, contra o império dos negócios que sobrevivem sobre um mar de sangue. O movimento final que temos é o de abraçar esse gêmeo, esse gênio, latino, europeu, asiático, africano. Que nova luz recebemos! Queremos dizer, como ficou bom voltar a ler as aventuras de Tom Sawyer e de Huckleberry Finn.

Para ir além






Urariano Mota
Olinda, 3/11/2003


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes de Jardel Dias Cavalcanti
02. Como medir a pretensão de um livro de Ana Elisa Ribeiro
03. A menos-valia na poesia de André Luiz Pinto de Jardel Dias Cavalcanti
04. Gerald Thomas: uma autobiografia de Jardel Dias Cavalcanti
05. A que ponto chegamos, EUA! de Celso A. Uequed Pitol


Mais Urariano Mota
Mais Acessadas de Urariano Mota em 2003
01. Lulu Santos versus Faustão - 11/7/2003
02. A nova escola - 29/8/2003
03. Alfredo Bosi e a dignidade da crítica - 18/4/2003
04. O chimpanzé, esse nosso irmão - 20/6/2003
05. O rei nu do vestibular - 8/12/2003


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




100 Obras Itaú
Itaú
Masp
(1985)



O Guarda Chuva Azarado
Alcides Goulart
Acaiaca Letras C e D Novos
(2006)



7 Clássicos Americanos
Poe, Melville, Faulkner, Hemingway e Outros
Duetto
(2010)



Flash Fora do Ar - Autografado
Amaury Júnior
Elevação
(1999)



O Brasil e a Nova Geopolítica Européia
Francisco de Assis Grieco
Aduaneiras
(1992)



Hyping Health Risks: Environmental Hazards in Daily Life and The
Geoffrey C. Kabat
Columbia University Press
(2008)



Intervenções Psicopedagógicas
Deborah Lucchini e Outros
Expressao & Arte
(2008)



O Imperio dos Sentimentos e a Ditadura do Prazer
Bayard Galvão
Sobre o Viver
(2007)



Assis Valente - Coleção Folha Raízes da Música Popular Brasileira 22
Folha de São Paulo
Folha de São Paulo
(2010)



Lunité Française - 2ª Edição
Régine Pernoud
Puf
(1949)





busca | avançada
87666 visitas/dia
2,7 milhões/mês