Olímpica | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
74581 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta novos episódios do projeto Música Fora da Curva
>>> Quarador de imagens partilha experiências em música, teatro e cinema
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Temporada Alfa Criança estreia Zazou, um amor de bruxa dia 24 de abril
>>> Operilda na Orquestra Amazônica Online tem temporada grátis pela Lei Aldir Blanc
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
>>> Exposição curiosa aborda sobrevivência na Amazônia
>>> Coral de Piracicaba apresenta produção virtual
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Di-Glauber
>>> Corpos
>>> The safest room in the house
>>> Como escrever bem — parte 2
>>> Vestibular, Dois Irmãos e Milton Hatoum
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> A morte da Gazeta Mercantil
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Blogging+Video=Vlogging
>>> In London
Mais Recentes
>>> Feliz por Nada de Martha Medeiros pela L&PM Editores (2012)
>>> Graciliano ramos- relatórios de Mario helio gomes- org pela Record /fundação cultura recife (1994)
>>> Xógum 2 vols. de James Clavell pela Nova Cultural (1986)
>>> Luiz Gonzaga o Matuto que conquistou o mundo de Gildson oliveira pela Assembleia legislativa de PE (2012)
>>> A Estrada da Noite de Joe Hill pela Sextante (2007)
>>> Lubião de Tarcisio rodrigues pela Babecco (2010)
>>> Os Contos de Beedle, o Bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> O santo e a porca de Ariano Suassuna pela José olimpyo (2021)
>>> Marx - sociologia de Octavio ianni / florestan fernandes - org pela Atica (1988)
>>> A invenção do brasil de Jorge furtado e guel arraes pela Objetiva (2000)
>>> Conselhos e lembranças de Teresa De Lisieux. Santa Teresinha pela Paulus (2014)
>>> Revista Planeta 13 - Setembro 1973 - Não tenha medo dos vampiros de Ignácio de Loyola Brandão pela Três (1973)
>>> Instrução geral sobre o missal romano de Congregação do Culto Divino. Frei Aberto Beckhauser pela Vozes (2005)
>>> As aventuras de Tibicuera - que são também as do Brasil de Érico Veríssimo pela Globo (1985)
>>> Annuario Pontificio - Anno 1988 de Citta del vaticano. Giovanni P II.Autores Diversos pela Citta del vaticano (1988)
>>> O Hobbit de J.R.R. Tolkien pela Martins Fontes (2003)
>>> A Saga do Marrano de Marcos Aguinis pela Scritta (1996)
>>> Explicando Arte de Jô Oliveira e Lucília Garcez pela Ediouro (2006)
>>> Vitalino o menino que virou mestre de Silvanildo Sill pela Gráfica JB (2012)
>>> Espumas Flutuantes de Castro Alves pela FTD (1997)
>>> Monitorização Respiratória: Fundamentos de João Claudio Emmerich pela Revinter (1996)
>>> Manual de Assistência Domiciliar de Valeria Maria Augusto pela Ac Farmaceutica (2013)
>>> Hipertensão Arterial - Miniatlas de Luis Raúl Lépori pela Sankyo (2004)
>>> Educação Universitária: Práxis Coletiva Em Busca de Veraz Qualidade de Pedro Bergamo pela Eduepb (2010)
>>> Aprendiz de Cozinheiro de Bob Spitz; Roberto Franco Valente pela Zahar (2010)
COLUNAS >>> Especial Olimpíadas e China

Terça-feira, 26/8/2008
Olímpica
Ricardo de Mattos

+ de 2700 Acessos

O senso de adequação das proprietárias da escola onde cursei grande parte do meu ensino primário ― hoje dito "fundamental" ― revelou-se na escolha da cor dos uniformes para as atividades. Para a maior parte da semana, quando ficávamos em sala de aula, o uniforme era composto por calça azul-marinho e camisa azul-turquesa. Para os dias de Educação Física, em que rolávamos no pó, brigávamos e suávamos com o calor de maçarico típico de Taubaté, vestíamos branco. Minha mãe agradecia.

As aulas semanais não disciplinavam, não despertavam o interesse do aluno e muito menos informavam sobre a importância da atividade física. Sem qualquer preparo ou alongamento, os professores determinavam que nós disparássemos em corridas sem sentido e fizéssemos todos um mesmo número de exercícios, independente de nossa compleição física. Depois simplesmente jogavam uma bola no meio da quadra e viravam as costas para a carnificina. Quando o número de meninos era ímpar eu conseguia sempre me desvencilhar.

― O Ricardo não sabe jogar bo-laaaa!!!
― E daí? Quem tem que saber é você, para ter o que fazer quando for preso e tiver que tomar banho de Sol.

Ao menos o afeto entre os companheiros se desenvolvia. Na outra escola que freqüentei, os professores levavam-nos para um campo distante alguns quarteirões e nos esqueciam. Quem quisesse jogar futebol, que jogasse. Quem quisesse invadir casas vizinhas, saqueá-las e agredir os moradores, que ficasse à vontade. Eventuais homicídios deveriam ser cometidos após o horário regulamentar, para não complicar o instrutor nem a instituição. Outra condição: o exato número que saiu deveria voltar, nem a mais, nem a menos. Escola cara, uma das melhores da cidade na época. Escola que recentemente deu um exemplo ecológico ao cortar um centenário pé de alixia para terminar de construir a quadra coberta

No colegial, as aulas de Educação Física foram tão úteis como as de Informática e de História da Arte. Eu soube dar valor e continuidade ao que aprendi com a professora Ondina, mas foi fácil espalhar entre os colegas a notícia do roubo da Santa Ceia, de Leonardo Da Vinci. Da mesma forma, quem se engajou com alguma prática esportiva, o fez por espontânea iniciativa, nada devendo ― acredito eu ― ao incentivo escolar e colegial.

No primeiro ano da faculdade, foi imposta a freqüência à aula de ginástica, sob pena de reprovação por falta. Entretanto, bastava comparecer e o professor anotava a presença. No começo ele tentou explicar a importância da atividade física para pessoas destinadas à vida sedentária e à morte prematura, mas as que passaram pelas etapas acima descritas não deram maior confiança. Fracassada a tentativa de nos exercitar, determinou: "Dez voltas naquele campo e sumam". Encerrado o primeiro ano, o alívio: nunca mais tanta perda compulsória de tempo.

O saldo não foi dos piores. Inativo não fiquei, pois sempre gostei muito de andar de bicicleta e de caminhar. Meu exercício físico era muito maior à tarde, andando de bicicleta com os amigos do que nas famigeradas aulas. Sozinho, caminhava pelo bairro e redondezas com minha bóxer, a Gabi. Quando aos 28 anos eu me percebi sem muito fôlego para subir dois lances de escadas do prédio ― entre o térreo e o escritório ― decidi freqüentar a academia do clube e escolhi a esteira e a bicicleta. As atividades que realizo durante a noite não me permitem continuar, mas um final de semana ou outro ainda perambulo com a Carmela à guia ― minha outra cadela, a Bahiana, não suporta sair de casa. Por alguns meses, creio que em 1987, fiz aulas de equitação. Uma vez na vida eu caí do cavalo, e mesmo assim porque eu não estava acostumado com o pelego utilizado no Rio Grande do Sul.

Tenho algum esporte preferido? Não... O fato de eu nascer torcedor do maior time de futebol brasileiro deixou-me acomodado. Leio o jornal apenas para confirmar mais uma vitória do Palmeiras ou entender a tática adotada e velada por uma aparente derrota. Creio até que, em vez de se manter uma "Seleção Brasileira", deveria-se logo mandar este grande time representar o país nas Copas. Em relação às demais categorias, assisto algo aqui ou ali, mas sem envolvimento. Sempre assim durante as Copas e as Olimpíadas. Para mim, são festas quadrianuais, intercaladas de forma que a cada dois anos uma delas exija a atenção do público. Nas Copas, assisto aos jogos do Brasil, enquanto ele permanece na disputa. Nas Olimpíadas, contento-me com a suma jornalística.

Em relação a esta Olimpíada, meu interesse pelo assunto esgotou-se há meses, tal o bombardeio de informações. Até o ano passado eu vinha acompanhando o que se pode chamar de "reapresentação" da China ao Ocidente e recolhendo calmamente dados sobre a história, a cultura e as religiões predominantes no país. Descobri os importantíssimos textos de Lao-Tsu ― Tao Te Ching ― e de Confúcio ― Os Analectos ―, bem como encontrei uma edição excelente d'A Arte da Guerra, desprovida de qualquer ranço de auto-ajuda. Falta ainda o I Ching e algo consistente como China ― Uma nova história, de John Fairbank e Merle Goldman. Assisti com prazer O clã das adagas voadoras, A maldição da flor dourada, O tigre e o dragão e Lanternas Vermelhas. Reprovo a tomada do Tibet, a invasão do mercado por produtos cujos preços baixos tenham bases condenáveis, bem como reprovo a gastronomia em que um dos componentes é a carne canina. Alinho-me, portanto, à média das pessoas.

"Você não come carne bovina e suína? Porco e boi sofrem muito mais durante o abate"! Concordo. Tanto concordo que hoje sou cerca de 90% vegetariano. De qualquer forma, não consigo imaginar na panela uma criatura igual a que tenho em casa, que em momentos de faniquito segura-me pela roupa e me guia até o lugar onde ela acha que eu deva ficar, ou onde haja algo que lhe interessa, como uma banana ou uma garrafa plástica pronta para ser mordida. Da mesma forma, se comprei alguns animais de plástico para o meu afilhado, impressionado pelo "realismo" deles, logo parei: o moleque os levava na escola para acertar colegas na cabeça. Até agora só não encontrei "senão" para a beleza das mulheres orientais em geral, chinesas e japonesas em especial.


Ricardo de Mattos
Taubaté, 26/8/2008


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Sobre o Oscar Social de Vicente Escudero
02. Escritor, jovem escritor de Guga Schultze
03. Nem capitalismo, nem socialismo, nem morte de Marcelo Spalding
04. O mundo é o hemisfério norte de Daniela Sandler


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2008
01. O Presidente Negro, de Monteiro Lobato - 29/7/2008
02. Sobre o Acordo Ortográfico - 24/10/2008
03. Sobre o Caminho e o Fim - 20/3/2008
04. Sob Custódia, de Anita Desai - 15/12/2008
05. Olímpica - 26/8/2008


Mais Especial Olimpíadas e China
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Eu e Não Outra: A Vida Intensa de Hilda Hilst
Laura Folgueira, Luisa Destri
Tordesilhas
(2018)



A Familia Espírita
Yvonne a Pereira
Feb
(2013)



O Periquito de Chiquinha e a Rolinha de Jacinto
José Costa Leite
Não informado



Direito Ambiental
Paulo de Bessa Antunes
Lumen Juris
(2010)



Cinemaginário
Ricardo Corona
Iluminuras
(1999)



Ciladas da Diferença
Antônio Flávio Oliveira Pierucci
34
(2000)



Sexualidade na Adolescência - Dilemas e Crescimento
Moacir Costa
L&pm



Bola
Thierry des Fontaines
Reptil
(2014)



Segurança e Medicina do Trabalho - Normas Regulamentadoras
Roberto Salvador Reis
Yendis
(2007)



Vereda Digital Geografia (volume único) Acompanha Dvd
Bacic - Silva e Lozano
Moderna
(2012)





busca | avançada
74581 visitas/dia
2,6 milhões/mês