O Hobbit - A Desolação de Smaug | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Civilizado?
>>> Um Cântico para Rimbaud, de Lúcia Bettencourt
>>> Dar títulos aos textos, dar nome aos bois
>>> Na CDHU, o coração das trevas
>>> Acordei que sonhava
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> Um Furto
>>> Nasi in blues no Bourbon
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 7/1/2014
O Hobbit - A Desolação de Smaug
Duanne Ribeiro

+ de 3600 Acessos

O Hobbit - A Desolação de Smaug (2013) é o segundo filme da trilogia de Peter Jackson que adapta ao cinema o livro O Hobbit, de J.R.R. Tolkien. Pouco depois de lançado, foi atacado por uma crítica da revista The Atlantic: seria "fanfiction ruim" e nada além disso. De fato, não é só uma "adaptação": Jackson reinventa a história. Traz novos personagens e novo direcionamento. Para o crítico, isso basta para reduzir a história à megalomania criativa de um fã com acesso à Hollywood. Mas basta? Esta coluna quer defender a autonomia de cada obra, até que vejamos qual é a diferença fundamental, não cosmética, entre elas. Adianto a conclusão: em Tolkien nos fascina a simples aventura; em Jackson nos sufoca um Destino.

A tese da Atlantic se baseia em: uma adaptação cinematográfica deve representar o original, transmiti-lo com precisão. Isto é particularmente visível já no primeiro parágrafo do artigo: "Há dois modos óbvios de falhar na adaptação de uma obra com um grande e apaixonado grupo de fãs: o diretor pode se sentir tão coagido pelas expectativas que faz uma adaptação muito literal; ou pode se deixar levar pela ampliação da história original, inserindo referências de obras relacionadas e assumindo que o apetite dos fãs é insaciável". Há uma escala aqui: o bom diretor, podemos crer, se põe no meio, não cria de menos nem de mais. O erro do crítico é supor que o espectador tem sempre em vista o livro original.

Pois, com efeito, a obra-filme-trilogia O Hobbit é independente da obra-livro com mesmo nome, ainda que tenha surgido dela. A produção cinematográfica não é feita com o objetivo de ser comparada com a original; nem exige comprovação de que se leu Tolkien para poder comprar o bilhete. Ela se expõe ao público sozinha: é digno que a julguemos nesse sentido, pelos seus próprios critérios. Ter lido os livros - ou até dar atenção a críticas de cinema como essa e a da Atlantic - acrescenta perspectivas, no entanto, por si não salva nem condena.

A Desolação de Smaug é dinâmico e divertido, e esse é seu valor principal. Possui um tom mais lúdico, menos sombrio, do que O Senhor dos Anéis (algo já presente no primeiro da série) - o que é o jeito pelo qual o diretor traduz a feição infantil, mais ingênua, desse primeiro livro de Tolkien. Carroça puxada por coelhos, barril brincando de boliche com orcs, façanhas absurdas de tanto engenho e habilidade - tudo isso colabora para que o filme seja levado menos a sério, de propósito, e mais como uma aventura fantástica no sentido mais leve do termo.

Na verdade, o que Jackson tem sempre em vista é a trilogia cinematográfica de O Senhor dos Anéis. Tolkien escreveu sem peso. Os três livros que escreveria depois tornariam complexo aquele universo inicial. Jackson não pôde (ou não quis) usar essa possibilidade. Por imposição da indústria ou por constrições pessoais, teve de adequar sua proposta à forma de um "prequel" à trilogia primeira (estrutura comercialmente "mais segura", usada anteriormente por Guerra nas Estrelas e outros). Sendo assim, se ateve a um tipo de coerência interna: tudo, ou quase tudo, ocorre como antecipação, até explicação, da série posterior. É razoável julgar os filmes como as seis partes de uma mesma obra.

Assim, a organização dos exércitos escuros são as primícias do conflito que virá. Assim, Gandalf propõe retomar a caverna invadida pelo dragão já em estratégia para debelar o Mal que adivinha chegar ao mundo. Em Jackson, de jeito nenhum é uma viagem só pelo ouro, nem há combates fortuitos e genéricos entre as raças - há uma viagem e há uma guerra. As duas trilogias demarcam dois movimentos dessa mesma narrativa. Trata-se de uma via única.

Talvez neste ponto possamos enxergar o problema essencial do filme em relação ao livro, para além de diferenças mais pontuais. Na medida em que tudo tende a um gesto final (a destruição do Anel, a salvação da Terra-Média), é como se tudo tivesse sido determinado e ocorresse de acordo com um fado. Não há saída, o mover da História move inelutável os personagens. O Hobbit original não relega nenhuma carga a O Senhor dos Anéis. Se Bilbo tivesse ido à esquina, pego o Anel e retornado, daria na mesma (ou daria em menos, pois aí ele não passa de um anel de invisibilidade). Seu percurso até lá e de volta outra vez é aventura, não missão.

Em suma, o que se perde é o núcleo original: em Tolkien nos fascina a aventura singela; em Jackson nos sufoca todo um Destino.

Modo de Falhar em uma Adaptação
Falando de Alice no País das Maravilhas (2010), filme de Tim Burton, desenvolvi um critério: uma adaptação é ruim se reduz a obra original, se a modifica de uma maneira tal que ela perde seus atributos fundamentais (Burton fez isso). É esse o caso de O Hobbit - A Desolação de Smaug?

Por um lado, não. Pode-se perceber desde O Silmarillion e através dos dois livros que vimos tratando o desenvolvimento de uma tema único, que se cumpre enfim ajustando a criação à harmonia inicial. Dessa forma, essa predestinação está em alguma forma nas obras de cinema, e traduzem Tolkien.

Por outro, sim. Mesmo que seja exagerado dizer que os personagens só cumprem seu destino, de fato Gandalf assume o papel de grande maestro, guiando cada um ao seu dever. Em Jackson, há caminho fora do plano do mago? Sinto em O Senhor dos Anéis, o original, muito mais descontrole. A Sociedade do Anel é uma missão desesperada, na qual o menos adequado dos seres acaba com a obrigação mais elevada. Se chegar a Mordor é destino de Frodo, isso expressa não que esse é um alvo para o qual foi talhado, mas que é seu fardo e dele não pode se livrar.

As tendências da História são adversas, O Senhor dos Anéis trata de mudar o que tudo indica que seja o destino - assim como O Hobbit começa e termina com o enriquecimento do cotidiano, antes aparentemente fechado e satisfatório. O mundo não justifica a aventura; a aventura se faz para ressignificar o mundo.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 7/1/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fake news, passado e futuro de Luís Fernando Amâncio
02. Da varanda, este mundo de Elisa Andrade Buzzo
03. Os Doze Trabalhos de Mónika. 5. Um Certo Batitsky de Heloisa Pait
04. A entranha aberta da literatura de Márcia Barbieri de Jardel Dias Cavalcanti
05. Dilapidare de Elisa Andrade Buzzo


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O CAPITALISMO MUNDIAL
CHARLES-ALBERT MICHALET
PAZ E TERRA
(1983)
R$ 10,00



ROTEIRO DA AGONIA
MACEDO MIRANDA
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA S. A.
(1965)
R$ 7,00



MEMORIAL DE ILHA NEGRA
PABLO NERUDA
SALAMANDRA
(1980)
R$ 15,00



LEIS PENAIS ESPECIAIS RT ELEMENTOS DO DIREITO 18
MARCO ANTONIO ARAUJO - COORD
RT
(2013)
R$ 50,00



AERODYNAMICS AERONAUTICS AND FLIGHT MECHANICS
BARNES W. MCCORMICK
JOHN WILEY & SONS
(1995)
R$ 450,00



CONTOS CONSAGRADOS
MACHADO DE ASSIS
PUBLIFOLHA
(1997)
R$ 8,00



MAÇONARIA NAS AMÉRICAS- ILUSTRADO
FERNANDO MORETTI
ESCALA
R$ 20,00



O&M INTEGRADO À INFORMÁTICA
JOAO CHINELATO FILHO
LIVROS TÉCNICOS E CIENTÍFICOS
(1990)
R$ 20,00



IVALE! COMENZAMOS - 1 - GUIA DIDÁCTICA
ADDA-NARI M. ALVES/ ANGÉLICA ALVES
MODERNA / SANTILLANA
R$ 40,00



TECHNISCHE NEUERUNGEN RICHTIG NUTZEN
DR. ING. BLOHN
VDI-VERLAG
(1971)
R$ 50,00





busca | avançada
31131 visitas/dia
1,3 milhão/mês