Um mergulho pelas águas de uma Cabocla | Kleber de Oliveira Silva | Digestivo Cultural

busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Liberdade Só - A Sombra da Montanha é a Montanha”: A Reflexão de Marisa Nunes na ART LAB Gallery
>>> Evento beneficente celebra as memórias de pais e filhos com menu de Neka M. Barreto e Martin Casilli
>>> Tião Carvalho participa de Terreiros Nômades Encontro com a Comunidade que reúne escola, família e c
>>> Inscrições abertas para 4ª Residência Artística Virtual Compartilhada
>>> Exposição 'Mundo Sensível dos Mitos' abre dia 29 de julho em Porto Alegre
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Marcelo Mirisola e o açougue virtual do Tinder
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
Colunistas
Últimos Posts
>>> A melhor análise da Nucoin (2024)
>>> Dario Amodei da Anthropic no In Good Company
>>> A história do PyTorch
>>> Leif Ove Andsnes na casa de Mozart em Viena
>>> O passado e o futuro da inteligência artificial
>>> Marcio Appel no Stock Pickers (2024)
>>> Jensen Huang aos formandos do Caltech
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
Últimos Posts
>>> Cortando despesas
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A memória vegetal
>>> VergonhaBrasil
>>> Juditha Triumphans, de António Vivaldi
>>> A trilogia Qatsi
>>> A pata da gazela transviada
>>> dinosonic
>>> Entrevista com Claudio Willer
>>> E assim se passaram dez anos...
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> Sermão ao cadáver de Amy
Mais Recentes
>>> Livro Mulheres Dos Anos Dourados de Carla Bassanezi Pinsky pela Contexto (2014)
>>> Liveo Eclipse - Série Crespúslo de Stephenie Meyer pela Intrinseca (2009)
>>> 100 Camisas Que Contam As Historias De Todas As Copas de Marcelo Duarte pela Panda Books (2024)
>>> Speakout Advanced 2nd Edition Students' Book With Dvd-rom And Myenglishlab Access Code Pack de Antonia Clare, Jj Wilson pela Pearson Education (2018)
>>> Traits Writing Student Handbook Grade 4 de Ruth Culham pela Ruth (2024)
>>> Livro Do Queijo de Juliet Harbutt (org. ) pela Globo (2010)
>>> Scooby Doo And The Weird Water Park (scooby-doo 8x8) de Jesse Leon Mccann pela Scholastic Paperbacks (2000)
>>> Spider-man 2: Hurry Up, Spider-man! de Kate Egan pela Festival (2004)
>>> Spider-man 3: Meet The Heroes And Villains (i Can Read: Level 2) de Harry Lime pela Harper Trophy (2024)
>>> Bakugan: Finding Drago de Tracey West pela Scholastic Inc. (2009)
>>> Medicina Integrativa: A Cura Pelo Equilibrio de Lima pela Mg (2024)
>>> Bem-vindo, Doutor: A Construção De Uma Carreira Baseada Em Credibilidade E Confiança de Renato Gregorio pela 62608 (2024)
>>> Problemas Atuais De Bioética de Leocir Pessini pela Edições Loyola (2020)
>>> À Meia Noite Levarei Sua Alma - O Estranho Mundo do Zé do Caixão de Laudo pela Nova Sampa (1995)
>>> Inglês Em Medicina de Vários Autores pela Manole (2024)
>>> Firestone de Roberto, Firestone Tire And Rubber Company Bascchera pela Dezembro Editorial (2024)
>>> Guia Josimar Melo 2004 de Josimar Melo pela Dba Dória Books And Art (2024)
>>> O Que Todo Médico Deve Saber Sobre Impostos, Taxas E Contribuições de Fábio K. Ejchel pela Edgard Blücher (2009)
>>> Compass American Guides: California Wine Country, 5th Edition (full-color Travel Guide) de John Doerper, Constance Jones, Sharron Wood Fodor's pela Compass America Guides (2007)
>>> Professoras Na Cozinha. Pra Você Que Não Tem Tempo Nem Muita Experiencia de Laura De Souza Chaui pela Senac (2024)
>>> The Penguin Good Australian Wine Guide 2007 de Huon Hooke pela Penguin Books Australia (2007)
>>> Guia Ilustrado Zahar: Azeite - Eyewitness Companio de Charles Quest-ritson pela Jorge Zahar (2011)
>>> Vinho Sem Segredos de Patricio Tapia pela Planeta (2024)
>>> Sentidos Do Vinho, Os de Kramer pela Conrad (2024)
>>> Buyer's Guide To New Zealand Wines 2007 de Michael Cooper pela Michael (2024)
COLUNAS

Sexta-feira, 7/3/2008
Um mergulho pelas águas de uma Cabocla
Kleber de Oliveira Silva
+ de 8000 Acessos

"Dentro do mar tem rio/ Dentro de mim tem o que?" são os versos que introduzem a canção "Beira-mar", produzida por Capinam e melodia de Roberto Mendes, e tematizam o mais recente álbum Dentro do mar tem rio ― Maria Bethânia ao vivo, gravado no Canecão, nos dias 17, 18 e 19 de agosto de 2007.

Ao curso das canções, Maria Bethânia responde àquela pergunta valendo-se de excertos literários de escritores brasileiros (João Cabral de Melo Neto, Guimarães Rosa) e portugueses (Sophia de Melo Breyner, Álvaro de Campos ― heterônimo rebelde de Fernando Pessoa) e de canções líricas e de protesto, compostas por artistas consagrados (Dorival Caymmi, Luiz Gonzaga, Caetano Veloso, Chico Buarque, Chico César), da safra musical contemporânea (Ana Carolina, Jorge Vercilo, Wanessa da Mata) e músicas de domínio público ("Pedrinha miudinha", "Cantigas populares", "Meu divino São José") ― marca da sua produção musical.

Compilação dos dois álbuns lançados simultaneamente em 2006 (Mar de Sophia e Pirata), Dentro do mar tem rio revela o olhar da cabocla Maria Bethânia, debruçado sobre o mundo que a circunda, denunciando, sempre de maneira singela, mas incisiva, as mazelas de um progresso vazio ― outra vez utilizado no álbum Brasileirinho (2003). A partir do instante que busca traduzir as águas doces e salgadas do Brasil e de si mesma, Bethânia transparece o saudosismo e a felicidade de quem nasceu e viveu às margens do rio (o Subaé e o Sergimirim), pois "perto de muita água tudo é feliz", de acordo com Guimarães Rosa; e a revolta e indignação daquela que assistiu à morte desse rio e que sofre com as implicações desse fim: "Agora compro uma passagem/ Agora ainda estou aqui/ Agora sinto muita sede", de Tony Bellotto, Charles Gavin, Branco Mello, Nando Reis, Marcelo Fromer, Paulo Miklos, Sérgio Brito e Arnaldo Antunes.

Nesse álbum, percebemos que Maria Bethânia ao passo que grita mais baixo, mais forte discursa. Se em 1965 (auge da ditadura militar) ela gritava "Eu vivo num tempo de guerra", de Edu Lobo e Gianfrancesco Guarnieri, hoje ela discursa "Se me der a folha certa/ E eu cantar como aprendi/ Vou livrar a Terra inteira/ De tudo que é ruim", de Jota Velloso; se no show Opinião ela dramatizava "Carcará pega mata e come", de João do Vale, nesse álbum é a "Asa Branca" de Gonzaga que denuncia a ausência de água. É o compromisso daquela que tão bem sabe unir o protesto e o lírico, sem abrir mão da palavra interpretada.

O Rio de Janeiro, berço de grandes belezas naturais brasileiras, também é referenciado pela cantora. Partindo de "O nome da cidade", de Caetano Veloso, até chegar ao "Sábado em Copacabana", de Dorival Caymmi, Maria Bethânia discorre sobre a primeira impressão do caboclo que chega ao Rio de Janeiro e percebe as contradições de uma cidade banhada pelas águas, mas que vivencia os mesmos problemas de uma terra seca, ou seja, sem vida: "O Redentor que horror, que lindo/ Meninos maus, mulheres nuas/ Ôôôô êh boi êh bus/ [...] Sertão ê mar". O canto do sertanejo já não chama pela boiada, mas pelos ônibus das grandes cidades, metaforizando o deslocamento do interiorano, que, envolvido pelo desenvolvimento das metrópoles, deixa o seu rancho estigmatizado pela seca. A partir dessa leitura, nos vem à mente a trajetória de Severino, o retirante de Morte e vida severina, de João Cabral, que sai da sua terra, ostentando uma vida menos agreste na cidade grande, mas que encontra na metrópole problemas semelhantes aos da sua terra. Nessa canção, percebemos outra contradição do Rio de Janeiro, que carrega no seu próprio topônimo: Rio, uma cidade que possui mais mar que rio: "Cheguei ao nome da cidade/ [...] Rio que não é rio: imagens/ [...] Este rio é mais mar que o mar?".

Passada a primeira impressão, o olhar do caboclo agora se volta para os encantos cariocas e logo se imagina "Um bom lugar para encontrar: Copacabana/ Pra passear a beira-mar: Copacabana". A mesma cidade sendo interpretada por visões distintas.

"Eu que não sei quase nada do mar" pontua uma das canções líricas do álbum. Produzida por Ana Carolina e Jorge Vercilo, a canção trata do relacionamento amoroso de um casal, com passagens que beiram a sensualidade dos parceiros. O eu lírico (feminino) descreve a sua relação, empregando vocábulos e expressões referentes ao mar: "E vem me bebendo toda, me deixando tonta de tanto prazer/ Navegando nos meus seios, mar partindo ao meio, não vou esquecer". O mar é a metáfora da relação amorosa, marcada por oscilações, calmaria, marés baixas e altas. Notamos que, independente da situação, o eu lírico permanecerá sempre ao lado e buscando ajuda da pessoa amada: "Me agarrei em seus cabelos, sua boca quente pra não me afogar/ Tua língua correnteza lambe minhas pernas como faz o mar". Também percebemos a semelhança entre os parceiros, que se vêem refletidos um no outro, nesse espelho d'água que é a relação: "Clara noite rara nos levando além da arrebentação/ Já não tenho medo de saber quem somos na escuridão".

E, ao longo desse percurso pelas águas doces e salgadas, Bethânia pede proteção a entidades do candomblé: Iemanjá (rainha das águas salgadas), Oxum (rainha das doces), Iansã (dona do raio e do vento) e Nanã (orixá ancião, responsável pelo início de tudo); e do catolicismo: São Francisco, São José e Santo Amaro. Essa junção de ícones religiosos caracteriza a formação sincrética da própria cantora e roga-os para proteger O marujo português, os velhos marinheiros do mar da Bahia e aqueles que têm a metade da alma feita de maresia.

Cantora que prima pela intertextualidade entre as canções, Maria Bethânia, no segundo ato, constrói uma série a partir de "Amor é sede depois de se ter bem bebido" (Guimarães Rosa), que introduz a canção "A saudade mata a gente" (João de Barro/ Antônio Almeida), passa por "Gostoso demais" (Dominguinhos/ Nando Cordel), "Você" (Erasmo Carlos/ Roberto Carlos) até "Sob medida" (Chico Buarque). Um mergulho pelas profundezas das águas, que paulatinamente vai se distanciando e chegando à superfície, para logo após voltar ao fundo do mar e recuperar a "Memória das águas", de Roberto Mendes e Jorge Portugal, e "O Rio", de João Cabral.

Ao chamar escritores portugueses e brasileiros para o mesmo barco, a fim de navegar por mares nunca dantes navegados, parafraseando o poeta Camões, Bethânia quebra as barreiras românticas que separam as literaturas por nacionalidades, ao interpretar a poesia "Poetas populares", de Antonio Vieira: "A nossa poesia é uma só/ Eu não vejo razão pra separar/ Todo o conhecimento que está cá/ Foi trazido dentro de um só mocó". O texto chama atenção para a importância do ensino e da leitura das poesias dos poetas populares nas escolas, a fim de levar os estudantes a valorizar as temáticas singelas desses escritores e, por conseguinte, da própria vida: "A escola devia ensinar/ Pro aluno não me achar um bobo/ Sem saber que os nomes que eu louvo/ São vates de muitas qualidades". Pura cidadania, sobretudo, pelos versos da canção "Filosofia pura", de Roberto Mendes e Jorge Portugal, cantados a seguir: "Pois trocar vida com vida é somar na dividida/ Multiplicando o amor". É o desejo daquela que se propõe a enfatizar a formação daqueles que serão responsáveis pela construção de um mundo melhor.

Mais adiante, dando continuidade às interpretações de textos literários e direcionando sua ótica para o protesto, Bethânia dramatiza "Ultimatum" (1917), de Álvaro de Campos (heterônimo de Fernando Pessoa). É o discurso de quem anseia por mudanças e observa a reacionária conduta brasileira, enfatizando a suposta descoberta do novo mundo: "Brasil, blague de Pedro Álvares Cabral que nem te queria descobrir [...]/ O mundo tem sede de que se crie/ O que aí está a apodrecer a vida, quando muito, é estrume para o futuro. [...]/ Eu, da raça dos navegadores, afirmo que não pode durar!/ Eu, da raça dos descobridores, desprezo o que seja menos que descobrir um novo mundo." Ao dramatizar essa poesia, Bethânia ressalta a necessidade de mudar determinados comportamentos dos brasileiros, criticando aqueles que passivamente assistem ao fim do país, submetem-se aos "aristocratas de tanga de ouro", "frouxos" e "radicais do pouco" e servirão de "estrume para o futuro". Uma nação de "socialistas a invocar a sua qualidade de trabalhador/ Para quererem deixar de trabalhar", numa referência menos velada ao atual governo, em quem, aliás, votou.

Concluindo o segundo e último ato, Maria Bethânia referencia o carnaval, entoando a marchinha "Ala-lá-ô" e "Frevo molhado", depois de ter cantado "Das maravilhas do mar, fez-se o esplendor de uma noite", de David Corrêa e Jorge Macedo, mostrando que a água também se faz presente em instantes de felicidade como aquele, retomando a citação de Guimarães Rosa, "Perto de muita água tudo é feliz".

Ao fim e ao cabo desse encontro entre mar e rio, percebemos os nossos sentimentos banhados pelas águas da cabocla Bethânia. A voz da senhora de engenho sempre nos relava e soa como flecha ardente, entoando os sentimentos mais profundos emanados das águas e denunciando aqueles que desejam por fim a essa força, que, na voz de Bethânia, nunca seca.


Kleber de Oliveira Silva
São Paulo, 7/3/2008

Mais Kleber de Oliveira Silva
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Filho Da Crise
Rogério Godinho
Matrix
(2011)



Pão Diário Nº 16
Vários autores
Rbc
(2012)



Enciclopédia do Patrimônio da Humanidade - Volume 1 (Grécia a Chipre)
Jilena Castillo (Ed.)
Altaya
(1998)



People Empowerment Agaist
Miguel G. Coronel
Foreword
(1996)



A Psicossomática
Marc Dumas
Loyola
(2004)



Livro Administração Precisa-se (de) Ser Humano Valores na Formação Profissional
Robson Goudard Santarém
Qualitymark
(2004)



A nova lógica do sucesso
Roberto Shinyashiki
Gente
(2015)



Playboy Edição Colecionador- 1975 -2003 - A História da Revista Em 337 Capas
Revista Playboy
Abril
(2003)



Livro Capa Dura Infanto Juvenis 18 Histórias de Princesas e Fadas
Vários Autores
Ciranda Cultural
(2006)



Crescer, Não Destruir
Robert M. Tomasko
Campus
(1997)





busca | avançada
68461 visitas/dia
2,1 milhões/mês