O Público Contra Yayoi Kusama | Duanne Ribeiro | Digestivo Cultural

busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
>>> Livro Alma Brasileira
>>> Steve Jobs em 1997
>>> Jeff Bezos em 2003
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A literatura feminina de Adélia Prado
>>> Jorge Caldeira no Supertônica
>>> A insustentável leveza da poesia de Sérgio Alcides
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Millôr e eu
>>> As armas e os barões
>>> Quem é o autor de um filme?
>>> Cyrano de Bergerac
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Marco Lisboa na Globonews
Mais Recentes
>>> Nós que Amávamos tanto a Revolução de Dany Cohn Bendit pela Brasiliense (1987)
>>> Sterminateli! de Christian Bernadac pela Fratelli Melita (1991)
>>> Hitler Il Figlio della Germania de Antonio Spinosa pela Oscar Mondadori (1993)
>>> Operación Peter Pan ( Un caso de Guerra Psicológica Contra Cuba) de Ramón Torreira Crespo pela Política /La Habana (2000)
>>> Quem Sequestrou Marta Jane? de Isabel Vieira pela Ftd (1995)
>>> Mort Du Général de Gaulle de Jean Mauriac pela Grasset (1972)
>>> O Burrinho Pedrês de João Guimarães Rosa pela Nova Fronteira (1995)
>>> Ao vivo do campo de batalha ( Do Vietnã a Bagdá 35 anos em Zonas de Combate de Todo o Mundo) de Peter Arnett pela Rocco (1994)
>>> Os Cavalos da República de Moacyr Scliar pela Ática (2005)
>>> Os Últimos 100 dias (02 Volumes) de John Toland pela Nova Fronteira (1966)
>>> Dengos e Carrancas de um Pasto de Jorge Miguel Marinho pela Ftd (1987)
>>> Le Crime L' Invasion Irakienne Du Koweit de Badr Jassem Al Yacoub pela C.i.k.c (1991)
>>> Éramos Seis de Maria José Dupre pela Ática (1991)
>>> A Menina que fez a América de Ilka Brunhilde Laurito pela Ftd (2002)
>>> Praga Quando os Tanques Avançaram de Pierre Desgraupes pela Expressão e Cultura (1968)
>>> O Feijão e o Sonho de Orígenes Lessa pela Ática (1991)
>>> Pearl Harbor de A. J. Barker pela Renes (1973)
>>> A Flauta do Sótão de Lúcia Pimentel Góes pela Paulus (2003)
>>> USA Em Perigo de General Curtis E. Le May e Major General Dale O. Smith pela Biblioteca do Exército (1970)
>>> Sem Medo de Viver de Zíbia Gasparetto pela Vida&consciência (2007)
>>> Caça ao Cometa Halley de Roberto Pereira de Andrade pela Traco (1985)
>>> Psicanálise da maternidade: uma crítica a Freud a partir da mulher e de Nancy Chodorow pela Rosa dos Tempos (1999)
>>> O Preço de Uma Vida de Cristiane Krumenauer pela Novo Século (2018)
>>> Revista de História USP Nº 60 1964 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1964)
>>> Kerata O Colecionador de Cérebros de Juliana R. S. Duarte pela Novo Século (2017)
>>> Revista de História USP Nº 50 1962 de Diversos Autores pela Ffcl/USP (1962)
>>> Crepúsculo - Livro de Anotações da Diretora de Catherine Hardwicke pela Intrínseca Ltda (2019)
>>> Os Sertões de Euclides da Cunha pela Nova Cultural (2002)
>>> O Segredo e outras Histórias de Descoberta de Lygia Fagundes Tellles pela Companhia das Letras (2012)
>>> Uma Família Feliz de David Safier pela Planeta (2013)
>>> O Enigma da Pirâmide de Alan Arnold pela Circulo do Livro (1985)
>>> Adrienne Mesurat (prefáco Inédito) de Julien Green/ (Nota): Josué Montello pela Nova Fronteira (1983)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes) de Jonathan Swift/ Trad.: Octavio Mendes Cajado pela Globo/ RJ. (1987)
>>> O Mochileiro das Galáxias - Volume 5 - Praticamente Inofensiva de Douglas Adams pela Arqueiro (2010)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Viagens de Gulliver (em 04 Partes)/ Encadernado de Jonathan Swift/ Prefácio: Almir Andrade pela W. M. Jackson (1970)
>>> Amigos de Todo Mundo: Romance de um Jardim Zoológico de Felix Salten/ Ilustrações: Philipp Arlen pela Edições Melhoramentos (1952)
>>> Lembranças Obscuras de um Judeu Polonês Nascido na França de Pierre Goldman pela Francisco Alves (1984)
>>> El Hombre de Annie Besant pela Glem (1957)
>>> Lo Spiritismo Nella Umanita de Casimiro Bonfiglioli pela Bologna (1888)
>>> Santo Tomas de Aquino de P.J. Weber pela Poblet (1949)
>>> Rumo a Consciência Cómica de Pagina de ouro de Ramasar pela Curitiba (1969)
>>> Reencarnação de J.H. Brennan pela O Hemus
>>> Rezando com o Evangelho de Pe. Lucas Caravina pela Paulus (1997)
>>> Resolução para o novo milênio de Jennifer Fox pela Ediouro (1999)
>>> Los Maestros sus Retratos Meditaciones y Graficos de David Anrias pela Horus (1973)
>>> La Doctrina Cosmica de Dion Fortune pela Luis Cárcamo (1981)
>>> Remotos Cânticos de Belém de Wallace Leal V. Rodrigues pela O Clarim (1986)
>>> Reencarnação e Imortalidade de Alexandra David Neel pela Ibrasa (1989)
>>> Raios de Luz Espiritual de Francisco Valdomiro Lorenz pela Pensamento
COLUNAS

Terça-feira, 22/7/2014
O Público Contra Yayoi Kusama
Duanne Ribeiro

+ de 5900 Acessos


Sala de Espelhos Infinitos - Preenchida com o Brilho da Vida
[imagem: flickr de DeShaun Craddock]

Há uma contradição ignorada pelo público de Yayoi Kusama: Obsessão Infinita, ironicamente inscrita em como ele entra em contato com a exposição. Frente a uma artista cujo trabalho se concentra na obliteração, no apagamento de si, os visitantes são obsessivamente personalistas. Às enormes filas (antes da mostra, dobrando o quarteirão e antes de cada sala), seguem-se uma infinidade de fotografias; eles registram-se sob o fascínio das instalações, ambientes com grande força plástica; registram-se, sorrindo, tendo como fundo obras coloridas e abstratas. A ironia se mostra nesses dois movimentos opostos: a artista cobrindo o mundo com padrões, anulando-o, e os espectadores colando rostos em tudo, etiquetando as obras e os momentos com sua identidade sorridente única (exceto pelo próximo a fazer o mesmo).

A mostra esteve no Instituto Tomie Ohtake de maio a julho. Esse texto faz um percurso por essa e outras contradições na relação público-artista, até chegar a uma ótica em que ambos parecem pelo contrário muito alinhados. Não se pense que queremos dispor regras de como se deve visitar exposições; não se trata de que as pessoas não "tenham o direito" de fruir a arte conforme bem entendam, não obstante, no que se refere a Yayoi, parece que essa atitude mais nos protege da sua arte do que faz participar dela; ficamos só na superfície do que vemos.

Obliterar-se, apagar-se; Yayoi responde como o Radiohead, de outra forma, à pergunta como desaparecer completamente? Acompanhamos ao longo da retrospectiva o decaimento de todas as coisas a um princípio: ou a simplificação da percepção pela repetição de um tipo de figura (no caso, as bolinhas presentes em vários quadros e instalações, que permitem "compreender" num só lance toda a sua produção; de antemão, é como se já tivéssemos apreendido o "essencial" e pelos corredores apenas constatássemos sua persistência; perdendo, desse modo, os detalhes, a individualidade de cada peça); ou a fixação em um elemento físico (no caso, os objetos fálicos, dezenas de esculturas-lembrete do pênis enchendo sapatos de mulher, utensílios de cozinha, um barco, etc). O padrão recobre o real, deixa-o estranho ou atraente, porém o obscurece - a variedade se corrompe, tudo é, no fim, a mesma coisa.


série Mobiliário Compulsivo
[imagem: flickr de Rebeca Saez]

A "facilidade" da artista amplia-se para a sua biografia. Por exemplo, a Folha informou que "a mostra também revela as origens de tudo. Kusama, que hoje vive num hospital psiquiátrico em Tóquio, diz sofrer com alucinações desde a adolescência, enxergando o mundo sempre coberto de bolinhas coloridas" (o Globo falou de "transtorno artístico compulsivo", e destacou a declaração: "Eu luto contra a minha doença; (...) no meu caso, a cura [estava] em criar arte baseada na doença"). Naturalmente, isso não é explicação de nada; a variação de composições, o uso dos materiais e a aplicação de outras repetições ficam de fora, isso além da própria escolha dela pela arte, ou o processo exato como alucinações e obsessão se convertem em prática artística. No entanto, "explicam" a obra, cobrem-na com um referente simplório a que podemos apelar ao menor sinal de pensamento. Pergunto-me se também esse efeito não seria pretendido: Yayoi e sua produção se obliteram debaixo da explicação.

Essa desaparecença é tanto mais impressionante quando nos mergulha nela própria. Eu Estou Aqui, Mas Nada, uma sala de estar típica, cadeiras, sofás, estantes; escura, iluminada por focos de luz lilás e azul, ponteada por bolinhas coloridas; caminhamos dentro da compulsão de Yayoi (e é fascinante, sim, mas há um transtorno, uma tendência doentia, no subliminar dessa beleza - que escolhemos esquecer para ficar só com o que é "bonito"). O título parece evidente: ela está aqui, todavia, resumindo-se a um padrão, resume-se a nada. Sua presença é ausência. Sala de Espelhos Infinitos - Campo de Falos, um espaço rodeado de espelhos e preenchido de pênis infláveis brancos com bolinhas vermelhas (ou formas fálicas, que devem lembrá-los). Dessa vez, somos também recobertos pelo padrão, e nos multiplicamos nos reflexos: estamos alguns graus obliterados (além disso, é também "bonito", mas, para isso, ignoramos o fato de estarmos numa planície de pintos inumeráveis, o subliminar dessa beleza).


Sala de Espelhos Infinitos - Campo de Falos
[imagem: flickr de Central Asian

Ainda nesse sentido, Obsessão por Pontos - Amor Transfigurado em Bolas tem duas áreas. Na primeira, grandes bolas rosas com bolinhas pretas se espalham, em uma instalação fortemente lúdica e decorativa. À porta da segunda, nos entregam uma folha de adesivos, e podemos colar bolinhas coloridas em qualquer lugar da sala já completamente coberta deles. É principalmente agradável estar em uma e brincar na outra, e quem sabe o fundamental nisso esteja em que nós aprendemos a amar, isto é, a encontrar o agradável na compulsão de Yayoi. O distúrbio mental, sabemos o que há de bom nele, o abraçamos por um momento. Enfim, Sala de Espelhos Infinitos - Preenchida com o Brilho da Vida, leva esse prazer a um paroxismo: penduradas no teto estão dezenas de lâmpadas esféricas que brilham, harmonicamente, com variadas cores, refletidas até o sem número pelos espelhos em torno. Vemo-nos distantes nos espelhos, aqui e lá, misturados com outros de que não nos preocupamos em saber a posição real. Estamos aqui, mas nada.

Esta Coluna Contra Yayoi Kusama
Neste contexto, o selfie parece absurdo. Se a artista nos envolve no tudo (todas as identidades possíveis) e/ou no nada (nenhuma identidade possível), a insistência na nossa própria imagem, na conexão de um lugar com um eu estive aqui, de algo bonito com um eu vi algo bonito soa um pouco asséptica demais. A experiência construída por Yayoi propõe não a chance para reforçar uma ideia do que somos, mas sim para sentirmo-nos menos, sermos menos nós. I'm not here, this isn't happening...

Parece por outro lado que entre Yayoi e público existe na verdade uma identificação profunda. Como sinalizamos no primeiro parágrafo, há muito ou pouco de obsessão e compulsão no tirar fotos contínuo, no registro obrigatório de cada coisa que "precise ser guardada". Como dito, na sequência de fotos nossa cara se repete em fundos e situações distintas: com outras doses de compulsão e obsessão repetimos eu eu eu como em Quero Ser John Malkovich o protagonista assiste aos personagens na mente do ator-título repetirem john malkovich john malkovich john malkovich. Produzimos em série nossa imagem como a artista produz em série bolinhas. Ainda mais, se reuníssemos todas as fotografias feitas, o mosaico formado traria uma única informação e se reduziria a significar muito pouco ou nada, sala de infinitos espelhos, campo de rostos.

Também podemos enxergar que aquilo que chamamos de facilidade em Yayoi por sua vez causa uma padronização na recepção do público, ou facilita que a recepção seja padronizada. Assim, todos se assimilam em uma forma de ver, em uma forma de sentir prazer, em uma forma de se expressar sobre tais coisas. Crendo nisto, é um texto como este que estaria em contradição com a artista, com suas pretensões de determiná-la bem e de distinguir-se da avaliação comum. Pelo inverso, o público não estaria contra Yayoi; estaria, em verdade, completamente absorvido.


Duanne Ribeiro
São Paulo, 22/7/2014


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O artífice do sertão de Celso A. Uequed Pitol
02. O tigre de papel que ruge de Celso A. Uequed Pitol
03. Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco de Jardel Dias Cavalcanti
04. Por que HQ não é literatura? de Cassionei Niches Petry
05. A noite iluminada da literatura de Pedro Maciel de Jardel Dias Cavalcanti


Mais Duanne Ribeiro
Mais Acessadas de Duanne Ribeiro em 2014
01. O Público Contra Yayoi Kusama - 22/7/2014
02. Cavaleiros e o Inexplicável - 7/10/2014
03. Margarida e Antônio, Sueli e Israel - 4/2/2014
04. O Hobbit - A Desolação de Smaug - 7/1/2014
05. Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad - 8/4/2014


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PLATAFORMA 1365: AS URNAS CONTRA O IMPÉRIO
LUIZ ALFREDO SALOMÃO
NÃO IDENTIFICADA
R$ 22,00



CARTAS DE MEU SILÊNCIO
LUIZ GOULART
INDEPENDENTE
R$ 4,00



EU SOU UM SER EMOCIONAL
EVE ENSLER; ALEX BOULWARE; JULIA NEIVA
GRYPHUS
(2015)
R$ 14,00



MATEI JEOVÁ...
ALDEONOFF POVOAS
RIDENDO
(1952)
R$ 70,00



COMENTARIOS E ALTERAÇOES DA LEI DO INQUILINATO
LUIZ ANTONIO SCAVONE JUNIOR
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 12,00



NANÁ
ÉMILE ZOLA
ABRIL CULTURAL
(1985)
R$ 10,00



FORAS DA LEI BARULHENTOS - BOLHAS RAIVOSAS E ALGUMAS ...
CLEMENT FREUD, JON SCIESZKA
COSAC NAIFY
(2012)
R$ 40,00



ELETROSTÁTICA
MARCOS HERVÉ PINHEIRO
ADN
R$ 29,30
+ frete grátis



O VENDEDOR TOTAL
ROBERTO PROCÓPIO
LIVRUS
(2012)
R$ 18,00



ERA DOS EXTREMOS - O BREVE SÉCULO XX - 1914-1991
ERIC HOBSBAWM
COMPANHIA DAS LETRAS
(1995)
R$ 45,00





busca | avançada
37376 visitas/dia
1,1 milhão/mês