Poesia, no tapa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
COLUNAS

Terça-feira, 20/7/2010
Poesia, no tapa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 2800 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

"Fazer vinhos é relativamente simples,/ só os primeiros duzentos anos são difíceis." Estes versos do poema "De pinot a cabernet, aprender", do livro de poesia No Tapa, de Leonardo Araújo, pode ser usado também para se pensar a grande poesia, rara, muitas vezes ausente de um século inteiro de cultura literária. Grandes poetas são como pedras preciosas, coisa rara. Devem ser trabalhados na lentidão de séculos de leitura de outros grandes poetas, na vivência da frequentação de outros tantos artistas também raros em sua grandeza.

Mas não só de grandes poetas vivem os leitores de poesia. Há poetas medianos, bons, com certeza, mais que necessários, que nos fazem pensar na poesia grande e redimensioná-la em relação à pequena ou média poesia. E, por sua vez, nos fazem pensar a pequena poesia e redimensioná-la à luz da grande poesia.

É o que nos fala Leonardo Araújo, no poema acima citado: "Como também se pode afirmar/ que um bom poema, por mais difícil e fluído/ (parto natural), não é obra do acaso./ Tempo nos ombros, muita vida, anos a fio./ Depois, basta talhar, no tapa, lutar sempre".

O próprio livro No Tapa parece partir dessa premissa. Muito trabalho e, depois, no tapa, sai a coisa, viva, respirando, não grandiosa, mas percebe-se ali o provocador movimento da linguagem que não é linguagem comum, mas a língua em movimento, vivente, pronta a repensar tudo, inclusive a própria poesia. Pronta a dar no leitor o tapa que deu em si mesma. Caso contrário, não há poesia nem leitores que mereçam esse nome.

Kafka dizia que a arte foi feita para abrir nossa cabeça como um machado. Aberta, ela deixa de ser aquilo que sempre foi e precisa se organizar, de novo e sempre, para poder repensar-se a si mesma a partir dos pedaços que sobraram.

Repensar a si mesma no próprio cerne de sua criação é o legado da arte moderna. E eis que o poema "Arte", de Leonardo Araújo, se propõe a tal:

Arte
Como o silêncio dos seus olhos, feixe de ausência,
o poema mais difícil é o que insiste em falar,
mas que nunca aflora, fica preso no limbo,
arranhando o que não sei ― porém é bem dentro.

Como o brilho dos seus olhos, facho de luz,
o poema mais vivo é o que dá o tapa,
clareia sem tudo explicar ― o que seria cegar
por excesso de luz ou desperdício de verbo.

Como o mistério dos seus olhos foz de incerteza,
o poema mais intenso é o que dispensa estrofes;
não simula versos nem rimas, mas insinua
sem dizer por decreto ― onde, de fato, acabaria a arte.

Mesmo quando fala de "Amar, amor" (título de um dos poemas), percebe-se ali a linguagem discutindo a si mesma, nessa poética que nos ensina que para ser grande leitor de poesia, como para ser grande amante, precisa-se do "vis-à-vis, é como ser cúmplice da outra parte".

Além de poemas que brigam com a própria linguagem em sua constituição, No Tapa traz também poemas meditativos, quase melancólicos, existenciais. A vida envolvida pelas tramas da linguagem se deixa contaminar por sua total ausência de sentido e deixa como resultado do gosto do nada o desejo de "sumir do mapa". A sensação é a de se estar dentro de um livro de Albert Camus. A fenomenologia do próprio peso material da vida, como a pedra de Sísifo, despejada sob nós sem sentido algum, nos deixando a sensação da náusea que é estar mergulhado no círculo entediante que é existir. Nesse sentido, vale citar o poema "Síncope":

Síncope
Sob esta tarde suspensa ― que ameaça cair ―
caminho só, sem planos; em nome de nada, vou.
Noventa e seis quilos mais pesado que o ar,
sigo impune, vão comigo os meus sonhos e pecados.
Na mão, o livro ainda por ler, óculos no bolso,
algumas ideias na cabeça, três chamadas no celular
(não atendidas por livre e espontânea vontade),
nesta tarde que, de súbito, desabou por aqui
e me deixou com essa vontade de sumir do mapa.

A vida como promessa que não se cumpre efetivamente deixa essa melancólica reflexão: "Se aos quarenta prometemos tanto, aos cinquenta, ainda devemos./ Repara que ainda não tens todos os livros e que há melodias soltas no ar". O que sobra, se se pode aproveitar ou conquistar algo ainda, deve ser no tapa: "O que chamamos de vida, aos cinquenta, é o que fazemos pulsar, no tapa".

Poesia reflexiva, mas sem saídas imediatas, escrita "no tapa", expressão sentencial do título do livro, mas pensada no moinho da existência, nas reviravoltas do ser da linguagem e da sua relação com a vida que brota da experiência, como diz o verso "a semente da fruta conhece bem o escuro".

No Tapa, publicado pela editora Scriptum, tem 54 poemas. Universos variados de reflexão onde "nada está garantido, isento de perigo". Uma linguagem de aparente simplicidade, mas crítica em sua clareza, como diz na orelha do livro o poeta e critico literário Mário Alex Rosa.

Os poemas anunciam proposições e sentenças, mas se engana quem acha que são veredictos definitivos sobre a vida, pois são, isto sim, desconcertos que a linguagem poética funda para nos fazer pensar que a vida deve ser vivida "na praxis, como se ama, no embate". A vida, afinal, é onde "nada está esclarecido ou definido", "nada está confirmado ou filosofado", "nada está sacramentado ou justificado" ― aceitar isso não seria aceitar mesmo o próprio princípio da poesia?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O espírito de 1967 de Celso A. Uequed Pitol
02. Literatura, quatro de julho e pertencimento de Guilherme Carvalhal
03. Notas confessionais de um angustiado (IV) de Cassionei Niches Petry
04. Antonia, de Morena Nascimento de Elisa Andrade Buzzo
05. A coerência de Mauricio Macri de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/7/2010
06h29min
Ninguém propõe-se a escrever poesias, pelos belos luares, pela noite de amor, pela busca do prazer, mas pra estravasar os sentimentos, que transforma-se dentro de cada poeta em bênçãos ou em desgraças; e, se não for colocada no papel, pra ganhar os livros, as ruas, os saraus, as esquinas, os bares, o blogger, as paisagens virtuais, os muros das cidades, o poeta com certeza foi destruído pela própria ação do fazer poético.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O TRONCO DO IPÊ
JOSÉ DE ALENCAR
SARAIVA
R$ 4,00



CLASH ROYALE
GUILHERME ATHAIDE
PANDA BOOKS
(2016)
R$ 15,00



EDUCAÇÃO E TRANSIÇÃO DEMOCRÁTICA
GUIOMAR N. MELLO
CORTEZ
R$ 5,00



O CAVALO VERDE - CAUSOS GAÚCHOS E RELATOS INTERIORANOS
LUIZ CORONEL
MECENAS
(2002)
R$ 24,00



O PENSAMENTO ANTIGO (2 VOLUMES) RODOLFO MANDOLFO (FILOSOFIA)
RODOLFO MANDOLFO
MESTRE JOU
(1964)
R$ 30,00



SELEÇÃO E COLOCAÇÃO DE PESSOAL
MARVIN D. DUNNETTE
ATLAS
(1973)
R$ 10,00



CARLOS VERGARA: PINTURAS
PAULO SERGIO DUARTE
AUTOMÁTICA
(2011)
R$ 60,00



THAT WAS THAT! CONSONANT DIGRAPHS TH
SUZANNE BARCHERS
LEAP FROG
(2010)
R$ 20,28



ANTOLOGIA POÉTICA
MAIACOVSKI
MAX LIMONAD
(1984)
R$ 35,00



ESTA MENINA ESTÁ FICANDO IGREJA
PE. ZEZINHO
PAULINAS
(1984)
R$ 4,84





busca | avançada
49568 visitas/dia
1,2 milhão/mês