Poesia, no tapa | Jardel Dias Cavalcanti | Digestivo Cultural

busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zé Guilherme recebe o pianista Matheus Ferreira na série EntreMeios
>>> Chamada Vale recebe cadastro de cerca de 3 mil projetos
>>> Lançamento do Mini Doc Tempo dell'Anima
>>> Cinema in Concert com João Carlos Martins une o cinema à música sinfônica em espetáculo audiovisual
>>> Editora Unesp lança 20 livros para download gratuito
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A redoma de vidro de Sylvia Plath
>>> Mas se não é um coração vivo essa linha
>>> Zuza Homem de Mello (1933-2020)
>>> Eddie Van Halen (1955-2020)
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Vandalizar e destituir uma imagem de estátua
>>> Partilha do Enigma: poesia de Rodrigo Garcia Lopes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
Colunistas
Últimos Posts
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
>>> Chico Buarque em bate-papo com o MPB4
>>> Como elas publicavam?
>>> Van Halen no Rock 'n' Roll Hall of Fame
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
Últimos Posts
>>> Normal!
>>> Os bons companheiros, 30 anos
>>> Briga de foice no escuro
>>> Alma nua
>>> Perplexo!
>>> Orgulho da minha terra
>>> Assim ainda caminha a humanidade
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Filmes de saiote
>>> Aerosmith no Morumbi
>>> E aí...
>>> Goodbye, virtual. Hello, new.
>>> Alguém ainda acredita em Deus?
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> As Cem Melhores Crônicas Brasileiras
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> A soberba de Beauvoir
>>> Somos todos consumidores
Mais Recentes
>>> O Enorme livro dos pensamentos de Casseta volume 2 - de Casseta&Planeta pela Record (2012)
>>> Uma Teoria da Justiça de John Rawls pela Presença (2016)
>>> "Encaramujado" ,uma viagem de Kombi pelo Brasil - n de Antoio Lino pela Creative Commons (2011)
>>> Para Leer El Capital - Biblioteca Del Pensamiento Socialista de Louis Althusser; Etienne Balibar pela Siglo Veintiuno (1977)
>>> Aa 500 Melhores coisas de ser pai . de Sérgio Franco pela Matrix (2009)
>>> Três Sombras - em quadrinhos de Cyril Pedrosa pela Quadrinhos na Companhia (2009)
>>> A Arte de ser leve de Leila Ferreira pela Globo (2010)
>>> Construindo uma Vida de Roberto Justus pela Larousse (2007)
>>> Espaço de G. Carmo pela Ibrasa (1984)
>>> Senha: "Coragem ! " de John Castle pela Flamboyant (1965)
>>> Don Quixote Americano de Richard Powell pela Nova Fronteira (2003)
>>> As Duas Vidas de Audrey Rose de Frank de Fellita pela Circulo do Livro (1975)
>>> O Duelo de Roger Pla pela Brasileira (1951)
>>> Freud e o Desejo de Marie Cariou pela Imago (1978)
>>> O Ponto da Virada de Malcolm Gladwell pela Sextante (2009)
>>> Passeando Pela Vida Lições de Filosofia de Lúcio Packter pela Garapuvu (1999)
>>> A vulnerabilidade do ser de Claudia Andujar pela Cosac Naif (2005)
>>> A Relação ao Outro em Husserl e Levinas de Marcelo Luiz Pelizzoli pela Edipucrs (1994)
>>> O Pensamento Vivo de Teilhard de Chardin de José Luiz Archanjo pela Martin Claret (1988)
>>> Revista Brasileira de Filosofia – Volume XLVI – Fascículo 190 de Vários Autores pela Instituto Brasileira de Filosofia (1998)
>>> Grandes Tendências na Filosofia do Século XX e Sua Influência no Brasil de Urbano Zilles pela Educs (1987)
>>> Descartes – Os Pensadores de Rene Descartes pela Abril Cultural (1983)
>>> O mistério da estrela cadente de Vários Autores pela Ftd (1996)
>>> Lydia e Eu de Dimia Fargon pela Literis (2010)
>>> Na saga dos anos 60 de Carlos Olavo da Cunha Pereira pela Geração (2013)
>>> O paraíso dos desafortunados de Amanda Hernández Marques pela Chiado (2013)
>>> Madamme C 05 de Vinícius Ulrich pela Rocco (2000)
>>> Bodas de Pedra de Kissyan Castro pela Chiado (2013)
>>> Apague o cigarro da sua vida de Dra. Cammille pela Alaúde (2006)
>>> Transição Revolucionária de David Carneiro pela Atena
>>> Quem sou eu? Como o Evangelho Completo devolve a verdadeira identidade de Willy Torresin de Oliveira pela Victory (2017)
>>> Comunidade - A busca por segurança no mundo atual de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2003)
>>> Modernidade Líquida de Zygmunt Bauman pela Jorge Zahar (2001)
>>> Mundos do Trabalho - Novos Estudos Sobre História Operária 3ªed. de Eric J. Hobsbawm pela Paz e Terra (2000)
>>> Sangue suor & lágrimas - A Evolução do Trabalho de Richard Donkin pela M. Books (2003)
>>> Ideologia e Cultura Moderna 6ªed. de John B. Thompson pela Vozes (2002)
>>> Os Anormais - Curso no Collége de France (1974-1975) de Michel Foucault pela Martins Fontes (2002)
>>> Psworld--35--28--16--5--24. de Digerati pela Digerati
>>> Super gamepower--26--46--38--32--43--51. de Nova cultural pela Nova cultural
>>> Triangulo de Ken follett pela Abril cultural
>>> Nintendo world--35--tres vezes tony hawk! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--49. de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--34--cobertura completa da e3--jogamos o gamecube! de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--45--resident evil de Conrad pela Conrad (2002)
>>> Nintendo world--38--mario kart--super circuit de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Curar como jesus curou de Barbara leahy shiemon/dennis linn/mathew linn pela Loyola
>>> Jovem,o caminho se faz caminhando de Dunga pela Cançao nova (2005)
>>> Nintendo world--37--nasceu de Conrad pela Conrad (2001)
>>> Nintendo world--27--o mundo nao e o bastante para james bons de Conrad pela Conrad (2000)
>>> Nintendo world--76--prince of persia de Conrad pela Conrad (2004)
COLUNAS

Terça-feira, 20/7/2010
Poesia, no tapa
Jardel Dias Cavalcanti

+ de 3100 Acessos
+ 1 Comentário(s)


LIANA TIMM© (http://timm.art.br/)

"Fazer vinhos é relativamente simples,/ só os primeiros duzentos anos são difíceis." Estes versos do poema "De pinot a cabernet, aprender", do livro de poesia No Tapa, de Leonardo Araújo, pode ser usado também para se pensar a grande poesia, rara, muitas vezes ausente de um século inteiro de cultura literária. Grandes poetas são como pedras preciosas, coisa rara. Devem ser trabalhados na lentidão de séculos de leitura de outros grandes poetas, na vivência da frequentação de outros tantos artistas também raros em sua grandeza.

Mas não só de grandes poetas vivem os leitores de poesia. Há poetas medianos, bons, com certeza, mais que necessários, que nos fazem pensar na poesia grande e redimensioná-la em relação à pequena ou média poesia. E, por sua vez, nos fazem pensar a pequena poesia e redimensioná-la à luz da grande poesia.

É o que nos fala Leonardo Araújo, no poema acima citado: "Como também se pode afirmar/ que um bom poema, por mais difícil e fluído/ (parto natural), não é obra do acaso./ Tempo nos ombros, muita vida, anos a fio./ Depois, basta talhar, no tapa, lutar sempre".

O próprio livro No Tapa parece partir dessa premissa. Muito trabalho e, depois, no tapa, sai a coisa, viva, respirando, não grandiosa, mas percebe-se ali o provocador movimento da linguagem que não é linguagem comum, mas a língua em movimento, vivente, pronta a repensar tudo, inclusive a própria poesia. Pronta a dar no leitor o tapa que deu em si mesma. Caso contrário, não há poesia nem leitores que mereçam esse nome.

Kafka dizia que a arte foi feita para abrir nossa cabeça como um machado. Aberta, ela deixa de ser aquilo que sempre foi e precisa se organizar, de novo e sempre, para poder repensar-se a si mesma a partir dos pedaços que sobraram.

Repensar a si mesma no próprio cerne de sua criação é o legado da arte moderna. E eis que o poema "Arte", de Leonardo Araújo, se propõe a tal:

Arte
Como o silêncio dos seus olhos, feixe de ausência,
o poema mais difícil é o que insiste em falar,
mas que nunca aflora, fica preso no limbo,
arranhando o que não sei ― porém é bem dentro.

Como o brilho dos seus olhos, facho de luz,
o poema mais vivo é o que dá o tapa,
clareia sem tudo explicar ― o que seria cegar
por excesso de luz ou desperdício de verbo.

Como o mistério dos seus olhos foz de incerteza,
o poema mais intenso é o que dispensa estrofes;
não simula versos nem rimas, mas insinua
sem dizer por decreto ― onde, de fato, acabaria a arte.

Mesmo quando fala de "Amar, amor" (título de um dos poemas), percebe-se ali a linguagem discutindo a si mesma, nessa poética que nos ensina que para ser grande leitor de poesia, como para ser grande amante, precisa-se do "vis-à-vis, é como ser cúmplice da outra parte".

Além de poemas que brigam com a própria linguagem em sua constituição, No Tapa traz também poemas meditativos, quase melancólicos, existenciais. A vida envolvida pelas tramas da linguagem se deixa contaminar por sua total ausência de sentido e deixa como resultado do gosto do nada o desejo de "sumir do mapa". A sensação é a de se estar dentro de um livro de Albert Camus. A fenomenologia do próprio peso material da vida, como a pedra de Sísifo, despejada sob nós sem sentido algum, nos deixando a sensação da náusea que é estar mergulhado no círculo entediante que é existir. Nesse sentido, vale citar o poema "Síncope":

Síncope
Sob esta tarde suspensa ― que ameaça cair ―
caminho só, sem planos; em nome de nada, vou.
Noventa e seis quilos mais pesado que o ar,
sigo impune, vão comigo os meus sonhos e pecados.
Na mão, o livro ainda por ler, óculos no bolso,
algumas ideias na cabeça, três chamadas no celular
(não atendidas por livre e espontânea vontade),
nesta tarde que, de súbito, desabou por aqui
e me deixou com essa vontade de sumir do mapa.

A vida como promessa que não se cumpre efetivamente deixa essa melancólica reflexão: "Se aos quarenta prometemos tanto, aos cinquenta, ainda devemos./ Repara que ainda não tens todos os livros e que há melodias soltas no ar". O que sobra, se se pode aproveitar ou conquistar algo ainda, deve ser no tapa: "O que chamamos de vida, aos cinquenta, é o que fazemos pulsar, no tapa".

Poesia reflexiva, mas sem saídas imediatas, escrita "no tapa", expressão sentencial do título do livro, mas pensada no moinho da existência, nas reviravoltas do ser da linguagem e da sua relação com a vida que brota da experiência, como diz o verso "a semente da fruta conhece bem o escuro".

No Tapa, publicado pela editora Scriptum, tem 54 poemas. Universos variados de reflexão onde "nada está garantido, isento de perigo". Uma linguagem de aparente simplicidade, mas crítica em sua clareza, como diz na orelha do livro o poeta e critico literário Mário Alex Rosa.

Os poemas anunciam proposições e sentenças, mas se engana quem acha que são veredictos definitivos sobre a vida, pois são, isto sim, desconcertos que a linguagem poética funda para nos fazer pensar que a vida deve ser vivida "na praxis, como se ama, no embate". A vida, afinal, é onde "nada está esclarecido ou definido", "nada está confirmado ou filosofado", "nada está sacramentado ou justificado" ― aceitar isso não seria aceitar mesmo o próprio princípio da poesia?


Jardel Dias Cavalcanti
Londrina, 20/7/2010


Quem leu este, também leu esse(s):
01. As luzes se apagam de Cassionei Niches Petry
02. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
03. Você é África, Você é Linda: abaixo o preconceito! de Fabio Gomes
04. Se a vida começasse agora de Luís Fernando Amâncio
05. Dando nome aos progres de Celso A. Uequed Pitol


Mais Jardel Dias Cavalcanti
Mais Acessadas de Jardel Dias Cavalcanti em 2010
01. Poesia sem ancoradouro: Ana Martins Marques - 23/3/2010
02. Rimbaud, biografia do poeta maldito - 10/8/2010
03. 29ª Bienal de São Paulo: a politica da arte - 12/10/2010
04. A letargia crítica na feira do vale-tudo da arte - 5/1/2010
05. Inhotim: arte contemporânea e natureza - 2/3/2010


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
23/7/2010
06h29min
Ninguém propõe-se a escrever poesias, pelos belos luares, pela noite de amor, pela busca do prazer, mas pra estravasar os sentimentos, que transforma-se dentro de cada poeta em bênçãos ou em desgraças; e, se não for colocada no papel, pra ganhar os livros, as ruas, os saraus, as esquinas, os bares, o blogger, as paisagens virtuais, os muros das cidades, o poeta com certeza foi destruído pela própria ação do fazer poético.
[Leia outros Comentários de Manoel Messias Perei]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MOMENTOS DE ILUMINAÇÃO
DIVALDO FRANCO
LEAL
(2015)
R$ 12,00



À PROCURA DO OURO
J. M. G. LE CLÉZIO
BRASILIENSE
(1989)
R$ 20,00



LITERATURA COMENTADA BOCAGE
BOCAGE
ABRIL
(1980)
R$ 6,90



HISTÓRIA VOLUME UNICO
GISLANE E REINALDO
ÁTICA
(2008)
R$ 17,00



UMA BURGUESA E A REVOLUÇÃO
CLAUDE LAVENNE
BRASILIENSE
(1969)
R$ 12,00



MANUAL DO ENGENHEIRO GLOBO 4 ° VOLUME 2° TOMO
GLOBO
GLOBO
(1968)
R$ 7,00



LEGIÃO – UM OLHAR SOBRE O REINO DAS SOMBRAS – TRILOGIA O REINO DAS SOMBRAS VOLUME 1
ROBSON PINHEIRO PELO ESPÍRITO ÂNGELO INÁCIO
CASA DOS ESPÍRITOS
(2006)
R$ 15,00



MANCHETE EDIÇÃO HISTÓRICA - A VERDADE DO PAPA
VARIOS AUTORES
BLOCH
(1997)
R$ 35,00



APRENDER JUNTOS - MATEMÁTICA 5º ANO
ROBERTA TABOADA ANGELA LEITE
SM
(2010)
R$ 7,90



UM AMIGO NO ESCURO
MARCIA KUPSTAS
MODERNA
(2003)
R$ 6,00





busca | avançada
74378 visitas/dia
2,1 milhões/mês