The Search, John Battelle e a história do Google | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Máscaras Decoloniais: Dança e Performance (edição bilingue)
>>> Prêmio Sesc de Literatura abre hoje inscrições para edição 2021
>>> Jovens negros e indígenas são público-alvo de laboratório gratuito para curtas-metragens
>>> Peças de teatro serão transformadas em “radionovelas”
>>> Concurso literário vai premiar novos escritores locais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> Kate Dias vive Campesina em “Elise
>>> Editora Sinna lança “Ninha, a Bolachinha”
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> Que espécie de argumento é uma bunda?
>>> 7 de Setembro
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> O primeiro mico para o resto de nossas vidas
>>> O feitiço do tempo
>>> Antologia poética, de Carlos Drummond de Andrade
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Os Filhos Do Amor de Paulinho Santos pela O Artífice (1997)
>>> The 100: os Escolhidos de Kass Morgan pela Galera (2014)
>>> Mônica 82 - Outubro/1993 - Horacic Park de Maurício de Sousa pela Globo (1993)
>>> Mônica 133 - Dezembro/1997 - Férias de Verão de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 113 - Maio/1996 - Mônica, Não Mande... Peça! de Maurício de Sousa pela Globo (1996)
>>> Mônica 176 - Abril/2001 - Eterna Criança de Maurício de Sousa pela Globo (2001)
>>> A Avaliação Psicopedagogica numa Abordagem Institucional de Carolina Provvidenti pela Qualidade (2010)
>>> Revista Uniclar - Ciências da Religião - ano 8 nº 1 de Vários Autores pela Faculdades Claretianas (2006)
>>> Contagem Regressiva de Ken Follett pela Arqueiro (2018)
>>> Manuel Bandeira - as Cidades e as Musas de Antônio Carlos Secchin Organização pela Desiderata (2008)
>>> Pequeno Segredo - A Lição de Vida de Kat para a Família Schurmann de Heloisa Schurmann pela Agir (2012)
>>> Doidas e Santas de Martha Medeiros pela L&pm (2008)
>>> Pelas Praias do Mundo de Pablo Neruda pela Bertrand Brasil (2005)
>>> Caim de José Saramago pela Companhia das Letras (2009)
>>> Abc de Rachel de Queiroz de Lilian Fontes pela José Olympio (2012)
>>> As Espiãs do Dia D de Ken Follett pela Arqueiro (2015)
>>> Coleção Abc Meus primeiros passos na Leitura e aprendizagem A Estação das Folhas secas o Outono de Malgorzata Strzalkolska pela Salvat (2011)
>>> Arquitetura & construçao--setembro de 2006--dossie cimento de Abril pela Abril (2006)
>>> Arquitetura & construçao--julho de 2008--renove as paredes de Abril pela Abril (2008)
>>> Arquitetura & construçao--março de 2001--pre-fabricada de madeira. de Abril pela Abril (2001)
>>> Arquitetura & construçao--outubro de 2012--como usar e onde comprar madeira sustentavel. de Abril pela Abril (2012)
>>> Os 13 Porquês de Jay Asher pela Ática (2009)
>>> Superando os Desafios Íntimos de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2006)
>>> Sua Alteza Real (Royals 2) de Rachel Hawkins pela Alt (2020)
>>> A República Cantada do Choro ao Funk, a História do Brasil Através da Música de André Diniz e Diogo Cunha pela Zahar (2014)
>>> Uq Holder! - Vol. 5 EAN: 9788545702429 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Peça e Será Atendido de Esther e Jerry Hicks pela Sextante (2007)
>>> Uq Holder! - Vol. 4 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Mata-me de Prazer de Nicci French pela Record (2002)
>>> O Escaravelho do Diabo 2ªd. de Lúcia Machado de Almeida pela Ática (1974)
>>> Cangaceirismo do Nordeste de Antônio Barroso Pontes pela O Cruzeiro (1973)
>>> Uq Holder! - Vol. 2 de Ken Akamatsu pela Jbc (2016)
>>> Bíblia Sagrada de Não informado pela Presbiteriana (1993)
>>> Gramática Reflexiva de William Cereja e Thereza Cochar pela Atual (2013)
>>> Jornadas.geo: geografia 9º ano de Marcelo Moraes Paula e Ângela Rama pela Saraiva (2016)
>>> Magi: O labirinto da magia - Vol. 25 de Shinobu Ohtaka pela Jbc (2016)
>>> As Aventuras de Tibicuera de Erico Verissimo pela Globo (1997)
>>> I-World 4 de Michael Downie, David Gray e Juan Manuel Jimenez pela Edições SM (2018)
>>> Mulheres do Evangelho de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2009)
>>> To Love Ru - Vol. 16 de Kentaro Yabuki e Saki Hasemi pela Jbc (2018)
>>> Retórica de Aristóteles pela Edipro (2013)
>>> Planejamento na Sala de Aula de Danilo Gandin e Carlos Henrique Carrilho Cruz pela Sem Identificação (1995)
>>> Língua Portuguesa 9 de Everaldo Nogueira, Greta Marchetti e Mirella L. Cleto pela Edições SM (2019)
>>> Quarta-feira de Eric Nepomuceno pela Record (1998)
>>> Araribá Plus - Ciências - 9 de Obra coletiva pela Moderna (2018)
>>> Saúde na Terceira Idade de Hermógenes pela Nova Era (1996)
>>> Estudar História - das origens do homem á era digital - 9º de Patrícia Ramos Braick e Anna Barreto pela Moderna (2018)
>>> Geografia 9º ano de Fernando dos Santos Sampaio e Marlon Clovis Medeiros pela Edições SM (2019)
>>> Logistica e Gerenciamento da Cadeia de Distribuição de Novaes Antonio Galvão pela Campus (2005)
>>> Cavaleiros do Zodíaco - Saintia Shô - Vol. 8 de Masami Kurumada e Chimake Kuore pela Jbc (2016)
COLUNAS >>> Especial Melhores de 2005

Sexta-feira, 6/1/2006
The Search, John Battelle e a história do Google
Julio Daio Borges

+ de 23100 Acessos
+ 2 Comentário(s)


John Battelle em foto de Noah Berger (AP)

"I realized I wanted to invent things, but I also wanted to change the world. I wanted to get them out there, get them into people's hands so they can use them, because that's what really matters."
Larry Page, um dos dois fundadores do Google

Conhecer a história do Google deveria ser obrigação de qualquer profissional de mídia hoje. Qualquer mídia. O Google não é mais central, apenas, no desenvolvimento da internet pós-Bolha: o Google é central, atualmente, no desenvolvimento da mídia como um todo, on-line e off-line.

Nesse sentido, The Search (Portfolio, 2005, 311 págs.) ou, em português, A Busca (Campus, 2005, 288 págs.), o livro de John Battelle, deveria ser leitura obrigatória para profissionais de mídia em geral e para curiosos acerca do futuro da internet em particular.

A obra, ansiosamente aguardada desde seu anúncio em 2003, é uma mistura de história do Google, e das buscas, com elucubrações mirabolantes de seu autor acerca do que chama de "Database of Intentions", ou, numa tradução literal, a Base de Dados (ou o Banco de Dados) de Intenções.

O livro, além de interessante em si, tem uma história e um desenvolvimento peculiares. John Battelle, editor-fundador da Wired - a bíblia em papel destes nossos "anos virtuais" -, não se fechou em casa e se sentou para escrever, como fazem 99,9% dos escritores e autores. Battelle abriu um blog, o John Battelle's Searchblog, e transformou-o no "diário de bordo" do livro que pretendia lançar sobre o Google e as buscas.

Graças ao seu Searchblog, John Battelle pôde submeter trechos de seu livro à avaliação dos leitores antes que o volume saísse da gráfica, e até mais do que isso: Battelle conta que escrevia (e reescrevia) cada capítulo de acordo com as reações, críticas e sugestões de seus leitores. The Search, ou A Busca, seria então um dos primeiros livros realmente interativos.

E tem mais: muito antes da obra sair, o Searchblog se tornou uma referência em matéria de busca e John Battelle, ele próprio, uma autoridade em matéria de Google.

Battelle perde um capítulo inteiro justificando porque resolveu lançar um livro sobre buscas. Para ele, a busca é o acontecimento central da internet hoje. Battelle acredita, por exemplo, que as buscas vão evoluir para uma espécie de "poço dos desejos" (aqui entra o/a Database of Intentions), no sentido de entregar ao internauta (consumidor?) o que ele efetivamente procura, gerando negócios, para empresas, na outra ponta. Talvez seja uma visão um pouco restritiva da internet como um grande shopping center, mas o autor de The Search, ao mesmo tempo, considera que o "Zeitgeist" do Google - o conjunto mais representativo de palavras-chave usadas globalmente no mecanismo de busca - revela mais sobre o nosso comportamento, o nosso futuro e a nossa cultura do que, em princípio, gostaríamos de aceitar.

Se o conceito de Banco de Dados ou Base de Dados de Intenções abre o livro, o conceito de "Perfect Search" fecha o volume. Num patente exagero, e num arriscado exercício de futurologia (nunca recomendável), John Battelle extrapola e imagina que, um dia, não necessariamente o Google (mas talvez a internet) vai ler nossas ondas cerebrais e entregar precisamente o que procuramos...

Felizmente, esses e outros exageros conceituais se contrabalançam, na obra, com a tão anunciada história do Google.

O Google começou em Stanford - onde começaram também o Excite e o Yahoo de Jerry Yang e David Filo - por meio do encontro, algo miraculoso, entre Larry Page e Sergey Brin. O Google nasceu de um paper assinado pelos acadêmicos Page e Brin, depois de desenvolverem o revolucionário conceito de "Page Rank".

Como bons acadêmicos que eram - ou, graças a Deus, nem tanto - os pais-fundadores do Google perceberam que as teses mais valorizadas, dentro da academia, eram aquelas que mereciam mais citações das demais. O salto foi: por que não aplicar esse mesmo princípio, de valoração, ao mar de documentos da internet? Ou seja: as páginas que recebessem o maior número de links do resto da Web seriam, automaticamente, as mais representativas no universo de buscas do Google.

O passo seguinte foi varrer toda a WWW. Quanto mais páginas varridas, ou "indexadas", mais o argumento de "valoração" funcionaria. Afinal: o Page Rank se baseava na classificação que a própria internet conferia às suas páginas. Quanto mais amplo o espectro do mecanismo de busca de Page e Brin, maior a legitimidade de seus resultados. O gigantismo da empreitada levou, então, ao nome Google: google, o termo em inglês, remete à grandeza formada por um número "1" seguido de cem números "0"...

John Battelle conta que o projeto, inicialmente hospedado nos servidores de Stanford, derrubou a rede de uma das maiores universidades do mundo, monopolizou consideravelmente sua "largura de banda" e se tornou tão voraz, à medida que crescia, quanto ambicioso. (Hoje, para que se tenha uma idéia - indica Battelle, como base de comparação -, o Google consome os recursos de mais de 175 mil servidores, o que é mais do que tudo o que havia sobre a Terra, em matéria de computadores, nos anos 70...)

Até a virada do século, e a consagração do Google, as buscas na internet haviam se pautado pelo número de palavras-chave contidas numa página. Trocando em miúdos: se alguém digitasse "Brasil" no AltaVista - o Google que não foi -, toparia com os endereços em que "Brasil" estivesse presente um maior número de vezes; mas é fácil perceber que esses resultados nem sempre seriam representativos e poderiam ser, mais do que isso, manipulados.

A luta de Larry Page e Sergey Brin sempre foi por uma boa busca. Seu idealismo, por uma busca sempre "orgânica", quase levou o Google a morrer na praia. Seus fundadores, à medida que o serviço se consagrava, não queriam sacrificar sua intenção inicial - a do Page Rank - e, por conta disso, embora tenham lançado a idéia em 1997, aberto a empresa em 1998, apenas conseguiram gerar negócios consistentes em 2001. E, desta vez, não foi por conta de uma idéia totalmente original.

Page e Brin resistiram bravamente à tentação de encher o Google de banners e, mais do que isso, à tentação de "vender" seus resultados. Ironicamente, seu modelo de negócio surgiu através de um concorrente que, justamente, vendia as primeiras posições de seus resultados: o site Goto.com. Fundado por Bill Gross, do IdeaLab - uma incubadora de projetos pré-Bolha -, o Goto.com chegou à famigerada venda de palavras-chave, que o Google adotou na forma do conhecido programa "AdWords".

Gross, um visionário da internet que fez fortuna pelo menos três vezes na vida - segundo nos conta John Battelle -, perdeu terreno com o estouro da Bolha, em 2000, mas sua lógica de associar palavras-chave de uma busca a determinados anunciantes prosperou, posteriormente, com o Google. E a grande contribuição do Google, além de aperfeiçoar esse pré-AdWords, seria estender sua base para exibição de anúncios pela internet afora - gerando receita para sites pequenos, médios e até grandes (vulgo programa "AdSense").

Exemplo prático de AdWords (está no livro): você vende sapatos para homens de pé grande; não tem dinheiro para anunciar na mídia estabelecida, mas, no Google, compra, por alguns dólares, expressões como "pé grande"; imediatamente, quando alguém procura por "pé grande" no Google, logo ao lado dos resultados da busca, está o seu site e o seu anúncio.

Exemplo prático de AdSense: você tem um site relativamente movimentado, mas não tem massa crítica para vender banners ou procurar grandes anunciantes; você, então, se inscreve no programa do Google e passa a veicular anúncios que o próprio Google já vende para você (exemplo acima, AdWords), e pelos quais o Google te paga à medida que eles são clicados; a fim de que a coisa faça sentido, o Google igualmente trata de associar os anúncios (dele) ao conteúdo do site (seu).

Com essa brincadeira, o Google foi a empresa que mais (e mais rápido) cresceu na História, de 2001 a 2005. O Google também tirou a internet inteira do coma pós-Bolha, impulsionou o que já se chama de "segunda onda de conteúdo" (com previsão de explodir em 2006) e realizou uma pra lá de bem-sucedida IPO (suas ações, lançadas na bolsa em agosto de 2004, já haviam quase quintuplicado de valor em novembro de 2005). Como se não bastasse: o Google é o único concorrente a seriamente ameaçar a outrora incontrastável hegemonia da Microsoft, do ex-todo poderoso Bill Gates; e o Google, com ferramentas como Gmail, está liderando o que, tecnicamente, se chama de "Web 2.0" (um combinado de programação e metaconteúdo que promete virar a WWW do avesso).

Num contexto de franca expansão da empresa de Larry Page e Sergey Brin, o quartel general do Google adotou o slogan Don't Be Evil ("Não Seja Mau" ou algo assim) - como que para nunca se esquecer de suas origens na "nova mídia", evitando, nem que seja através de um simples lema, as atitudes típicas da "velha (grande?) mídia". E uma peça-chave, claro, na "comunicação" do Google, é o seu CEO, Eric Schmidt (ex-Novell, ex-Sun) - que, segundo as más línguas, tenta apaziguar a "monarquia de dois reis", Larry e Sergey.

Uma pergunta que atravessa The Search ou A Busca, de John Battelle, é: o Google é uma empresa de mídia? Battelle conta que, há alguns anos, a resposta era: "Não; nós somos, primordialmente, uma empresa de tecnologia"; mas que, de uns tempos pra cá, a resposta tem sido: "Nós somos uma empresa de tecnologia com foco em mídia". Na realidade, a resposta (certa) não importa tanto. O que importa é que, em maior ou menor grau, todos seremos influenciados pelo Google. E, no esforço de compreensão desta nova etapa da nossa existência midiática, entra o livro de John Battelle.

"Look, if this Google thing pans out, then great. If not, you can return to graduate school and finish your thesis."
Do orientador de Sergey Brin, em Stanford

Para ir além









Julio Daio Borges
São Paulo, 6/1/2006


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A sujeira embaixo do tapete de Renato Alessandro dos Santos
02. Eddie Van Halen (1955-2020) de Julio Daio Borges
03. A vida dos pardais e outros esquisitos pássaros de Elisa Andrade Buzzo
04. Proust, rugas e colesterol de Wellington Machado
05. Caetano, sem meio termo de Humberto Pereira da Silva


Mais Julio Daio Borges
Mais Acessadas de Julio Daio Borges em 2006
01. Novos Melhores Blogs - 17/3/2006
02. O Gmail (e o E-mail) - 3/3/2006
03. Por que os blogs de jornalistas não funcionam - 22/9/2006
04. Desconstruindo o Russo - 21/7/2006
05. The Search, John Battelle e a história do Google - 6/1/2006


Mais Especial Melhores de 2005
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/1/2006
22h52min
Olá, Julio, há tempos não acessava o Digestivo... Deparei-me com A Busca em uma dessas livrarias de aeroporto e devorei-o num tempo só. Abstraindo-se da competência do autor e de ambos os "google-men", fica claro, antes de tudo, como a priorização feita por um País em favor da educação, do capital de risco e do empreendedorismo (vide Stanford), pode fazer, de fato, diferença! Abs, Bernardo B Carvalho, Goiânia-GO
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
5/1/2006
17h49min
Excelente resenha, Julio. Como não poderia deixar de ser, obviamente. Há tempos venho dizendo a amigos que o Google vai dominar o mundo. Só ainda não conclui em minhas elucubrações se isso é boa ou má coisa. Realmente, num mundo abarrotado de conteúdo (in)útil, o mais importante não é o que você efetivamente quer, mas sim o que te levará até lá. E é por isso que o Google é o futuro acontecendo diante de nós. Dan
[Leia outros Comentários de Daniel Gomes]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Sempre um Colegial
John Le Carré
Circulo do Livro
R$ 25,90



Geração Subzero
Felipe Pena, Thalita Rebouças, André Vianco
Record
(2012)
R$ 17,00



Maya - Romance
Jostein Gaarder
Companhia das Letras
(2000)
R$ 33,00



Viva Com Mais Saúde
Jose Antonio Franchini Ramires
Phorte
(2009)
R$ 7,00



Civilização e Outros Contos
Eça de Queiroz
Ediouro
(1991)
R$ 5,00



Ler Viver e Amar Em los Angeles
Jennifer Kaufman e Karen Mack
Casa da Palavra
(2008)
R$ 6,00



O Guia do Mochileiro das Galáxias
Douglas A13:D28Adams
Sextante
(2009)
R$ 24,90



Depois da Montanha Azul
Christiane Gribel; Bebel Callage
Salamandra
(2013)
R$ 18,00



O Avesso das Coisas
Carlos Drummond de Andrade
Record
(1987)
R$ 20,00



Frei Francisco e o Movimento Franciscano
David Flood
Vozes
(1983)
R$ 60,00





busca | avançada
79822 visitas/dia
2,4 milhões/mês